Polícia Militar de Santa Inês diz que deteve três suspeitos de terem arrombado residências

A Polícia Militar de Santa Inês, no Vale do Jiquiriçá, informou através da 3ª Cia que deteve nesta segunda-feira (8) três dos suspeitos de terem praticado arrombamentos a residências na cidade.

Segundo informou a PM,  ”através de informações e denúncias sobre a autoria dos delitos, os militares localizaram 03 indivíduos, apontados como sendo partícipes do crime, que foram detidos e conduzidos para a Delegacia Territorial de Santa Inês. Com os conduzidos foi localizada uma porção de substância análoga à maconha”

Boletim de Jequié confirma mais 2 óbitos por Covid-19 e taxa de ocupação de UTI nesta segunda é de 90%

/ Jequié

Jequié já registrou 242 óbitos por coronavírus. Foto: Blog Marcos Frahm

O Boletim do Coronavírus em Jequié, atualizado na noite desta segunda-feira (8) informa que houve o registro de mais 2 óbitos, sendo uma mulher, de 87 anos, residente no Jequiezinho, com histórico de Doença Cardiovascular crônicas, ocorrido em 27/02, no Hospital Santa Helena; e uma uma mulher, de 61 anos, residente no Mandacaru, com histórico de Hipertensão Arterial sistêmica, ocorrido em 07/03 no Hospital São Vicente, elevando para 242 o número de mortes desde o início da pandemia.

Foram registrados 32 novos casos, nas últimas 24 horas, perfazendo um total de 12.015 pessoas confirmadas com a doença, até agora. 10.689 pacientes encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença. Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto é de 90%.

Destes, 13 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 13 leitos ocupados por pessoas de outros municípios. Até o presente momento 8.903 pessoas foram vacinadas em Jequié.

Defensoria Pública questiona municípios sobre preparação para volta às aulas no Vale do Jiquiriçá

A Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE) questionou às cidades de Amargosa, Brejões, Milagres e Nova Itarana, no Vale do  Jiquiriçá, como será a dinâmica de retomada das aulas nos municípios. O órgão quer informações quanto à modalidade de ensino, qual a dinâmica de retomada, além da possibilidade de oferta de auxílio material aos alunos que não dispuserem de aparelhos tecnológicos e internet em caso de aulas remotas.

No pedido às prefeituras, a defensora pública Júlia Abreu destacou a importância de fixar qual  modalidade de ensino que será adotada além de se conhecer o plano de retomada adotado em cada município. ”Entendemos que um retorno presencial requer a formulação de um protocolo rígido de segurança e é importante entender se os municípios já estão pensando em uma forma de viabilizá-lo. Por outro lado, um retorno remoto demanda uma preocupação especial com os alunos e alunas que não dispõem de material tecnológico e/ou sinal de internet, em especial na zona rural”, disse.

Outro aspecto levado em consideração pelo órgão foi a possibilidade da  exclusão digital de parte dos alunos que podem não ter acesso às aulas remotas, caso seja esta a possibilidade adotada por cada município.

O órgão destacou que compreende que não é ainda cabível especificar a forma como o auxílio material deve ser proporcionado (seja por meio do fornecimento de equipamentos, de auxílio financeiro ou outro meio), sendo este contato inicial para identificar os planos elaborados pelo poder público.

A defensora ressaltou o quão crítico é o momento atual da pandemia, mas também pontua que as aulas presenciais precisarão ser retomadas em algum momento. Por isto, a Defensoria da Bahia também questionou às prefeituras municipais se os critérios objetivos para a possível retomada já haviam sido fixados. ”Será de acordo com o percentual de leitos de UTI ocupados no estado? Será atrelado à vacinação da população? Será de acordo com a taxa de transmissão? É isso que queremos entender, e que acreditamos que também seja direito da população tomar conhecimento. Afinal, a administração pública está sujeita ao princípio da publicidade, especialmente no tocante a um tema tão sensível quanto à educação”, finalizou.

Presidente da Câmara de Jaguaquara cobra unidade do Corpo de Bombeiros para o Município

/ Jaguaquara

Pirôpo recebe o Coronel Carlos Miguel. Foto: Divulgação

O presidente da Câmara Municipal de Jaguaquara, Nildo Pirôpo (PP), recebeu no gabinete da Casa Legislativa, após convite, o Comandante de Operações do Corpo de Bombeiros da Bahia, o Coronel Carlos Miguel de Almeida Filho, tendo discutido a possibilidade de instalação de uma unidade do Corpo de Bombeiros no Município.

Pirôpo justificou a necessidade de ser instalada a unidade em face da extensão territorial que o Município de quase 60 mil habitantes possui e a distância entre Jaguaquara e Jequié, 53 KM, onde fica a sede regional do 8º GBM, para atender as regiões do Médio Rio de Contas e Vale do Jiquiriçá.

Segundo o parlamentar, as reivindicações apresentadas serão encaminhadas ao Comando-geral do Corpo de Bombeiros da Bahia, por se tratar de uma nova unidade, o que envolve recursos e análise técnica. Um terreno para possível doação foi apresentado ao Coronel, no bairro Popular.

Jaguaquara segue decreto e fecha as academias; Jequié permite com 30% da capacidade

/ Jaguaquara

Prefeitura acata decreto estadual. Foto: Blog Marcos Frahm

Um novo decreto, que foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) de sábado (6), prorroga a proibição do funcionamento de academias e estabelecimentos voltados à prática de atividades físicas até 13 de março. A medida vale para toda a Bahia, em decorrência da pandemia.

Em Jaguaquara, no Vale do Jiquiriçá, a Prefeitura vem acatando todas as decisões do Estado, inclusive o fechamento de academias. Mas, os proprietários desses estabelecimentos, reagiram com críticas a Prefeitura nas redes sociais, revelando que foram informados pela gestão municipal sobre a suspensão das atividades na cidade tardiamente, ou seja, que o Município estaria seguindo o decreto estadual através de publicação no final da noite de domingo (7).

Já no Município vizinho, Jequié, a Prefeitura seguiu o decreto municipal, que permite o funcionamento com 30% da capacidade, exigindo uso de máscara, álcool e outras regras impostas pelos protocolos de segurança contra o Coronavírus. Jequié é considerado inclusive um dos epicentros do vírus, com grandes números de casos e óbitos e as decisões distintas entre as duas cidades causam divergências de opiniões entre as pessoas que frequentam as academias.

Em Jaguaquara, a gestão pública já enfrenta desgaste com a classe desde governo anterior. Em 2019,  academias da cidade foram fechadas após operação de fiscalização feita em conjunto entre o CREF13/BA, a Vigilância Sanitária Municipal e o Núcleo Regional de Saúde, no período de 23 a 27 de setembro à época. A  fiscalização ainda flagrou quatro pessoas em exercício ilegal da profissão. Na ocasião, os donos dos estabelecimentos teriam alegado que a operação teria ocorrido sem aviso prévio para regularização, causando constrangimento [relembre].

Desta feita, além de não aceitarem a determinação do Estado cumprida pela Prefeitura, eles alegam falta de comunicação explícita.

Vacina passa em teste de fábrica e Fiocruz anuncia início de produção em larga escala

/ Saúde

A vacina de Oxford/AstraZeneca passou nos testes de estabilidade e consistência. Com isso, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve anunciar hoje (8) o início de sua produção em larga escala. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

Com isso, devem ser entregues 3,8 milhões de doses do imunizante ao Ministério da Saúde até o fim de março. Inicialmente, a previsão era de 15 milhões, mas um problema no equipamento que lacra os frascos diminuiu o volume da primeira leva.

Pelo novo calendário, um total de 30 milhões de doses deve ser disponibilizado até abril, e 100 milhões de doses até meados do ano. Elas serão usadas no Programa Nacional de Imunização, que é coordenado pelo governo federal.

Onda de arrombamentos assusta moradores de Santa Inês no final de semana; viatura teria se deslocado

Santa Inês registra vários arrombamentos. Foto: Blog Marcos Frahm

Moradores de Santa Inês, no Vale do Jiquiriçá, se dizem assustados com uma onda repentina de arrombamentos a residências no último final de semana. Os residentes em imóveis invadidos reagiram nas redes sociais, denunciando as ações criminosas que, segundo informações, teriam ocorrido num curto espaço de tempo, aproximadamente 05 horas, com 08 casas invadidas, além de outros estabelecimentos que foram alvo dos criminosos, totalizando 12 imóveis.

”Um meliante saltou o muro com cerca elétrica e ao tentar entrar na residência nos surpreendemos, um grande risco a minha família, pois minha esposa deu de cara com o bandido já quase adentrando a casa. Graças a Deus o meliante fugiu! Contudo, na semana passada um colega teve sua casa assaltada por dois meliantes armados que mantiveram ele e a família como reféns durante mais de 30min, até agora ninguém foi detido.

Os bandidos aqui parece acompanhar a rotina da Polícia Militar, basta a viatura sair para registrar um flagrante em Jaguaquara, os bandidos aproveitam para assaltar e roubar a população em geral.

Não é um fato isolado, tem ocorrido com frequência, e a população já está desacreditada a ponto de poucas pessoas se deslocar até a delegacia para prestar queixa. Não é aceitável que uma cidade de aproximadamente 10.000 habitantes, ocorra mais de 12 assaltos, invasão a domicílio e arrombamento em um único final de semana é um número absurdo!!
Estamos em pânico!”, relatou um professor, em nota enviada ao BMFrahm.

A VERSÃO DA POLÍCIA

A redação manteve contato com a Polícia Militar de Santa Inês, que confirmou a informação acerca dos crimes, mas nega que sejam 12 casas invadidas. O Comando local da PM informou que os arrombamentos ocorreram num período em que a única viatura de serviço teria se deslocado com a guarnição a bordo, para o registro de um flagrante de um crime que se enquadra na Lei Maria da Penha e que os meliantes teriam se aproveitado da ausência da viatura para a prática delituosa.

FRAGILIDADE NO SISTEMA DE SEGURANÇA

A Polícia Militar de Santa Inês integra o 19º BPM sediado em Jequié e a Polícia Civil, representada por uma Delegacia antiga instalada no Centro da cidade integra a 9ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior/Coorpin, de Jequié, mas com representação aos finais de semana na DT de Jaguaquara, onde foi implantado o chamado Plantão Central, aos finais de semana, com o revezamento equipes de quatro profissionais, formadas por um delegado, um escrivão e dois investigadores da Polícia Civil.

Durante o período de plantão, a equipe tem como incumbências registro de termos de flagrante, levantamentos cadavéricos e demandas procedentes de Jaguaquara (base), Santa Inês, Brejões, Cravolândia, Irajuba, Itaquara, Itiruçu, Lagedo do Tabocal, Maracás, Nova Itarana, Planaltino, para evitar o deslocamento de viaturas até a sede da 9ª Coorpin, em Jequié.

Contudo, as cidades da região ficam desguarnecidas quando as viaturas são retiradas para o registro de ocorrências em Jaguaquara.  No caso se Santa Inês, cabe as autoridades tomarem providências para evitar a ausência da polícia ou registrar os fatos locais no Município, sem o deslocamento a cidade vizinha.

Em Jequié, dupla é presa pela PRF na BR-116 transportando cocaína para Minas Gerais

/ Polícia

Ação ocorreu no KM 677 da BR 116, em Jequié. Foto: PRF

Os ocupantes do veículo tentaram enganar os policiais afirmando que haviam saído de Maceió (AL) para Uberlândia(MG) afim de realizar um teste no veículo, no entanto foram descobertos e presos pela equipe.

Dois homens foram presos por tráfico de drogas na manhã de hoje (08). Eles foram abordados por policiais rodoviários federais no KM 677 da BR 116, trecho de Jequié(BA).

Durante fiscalização na rodovia, os PRFs abordaram um Ford/Ka para fiscalização e, desconfiaram do nervosismo dos seus ocupantes. Diante das suspeitas, a equipe aprofundou a averiguação e, encontrou no tanque do combustível do veículo 10,35 Kg (dez quilos, trezentos e cinquenta gramas)de pasta base de cocaína.

Com esta apreensão, o impacto financeiro no crime é de mais R$ 1 milhão.

Indagado, o motorista do veículo relatou que receberia a quantia de R$8.000,00 pelo transporte da droga.

Eles foram presos em flagrante pelo crime do art. 33 da Lei 11.343/2006 e encaminhados à Delegacia de Polícia Judiciária local onde serão adotadas as medidas cabíveis.

Valor médio de auxílio emergencial será de R$ 250, diz o ministro da Economia, Paulo Guedes

/ Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (8) que o valor médio do novo auxílio emergencial deve ser de R$ 250 por pessoa. A declaração foi dada em entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da compra da vacinas contra covid-19. ”É vacina, e justamente manter a economia em movimento, esta é a prioridade do governo”, disse.

A expectativa é que o valor comece a ser pago ainda neste mês, com a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 186/2019, a chamada PEC Emergencial. O texto possibilita o pagamento do auxílio com créditos extraordinários sem ferir o teto de gastos públicos.

De acordo com Guedes, a decisão sobre a amplitude do auxílio emergencial é do Ministério da Cidadania. ”Nós [Ministério da Economia] só fornecemos os parâmetros básicos”, disse o ministro. Segundo ele, o valor para mulher chefe de família monoparental deve ser de R$ 375 e, no caso de homem, de R$ 175. ”Se for casal, já são R$ 250”, informou.

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19. Ele foi pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental e, depois, estendido até 31 de dezembro em até quatro parcelas de R$ 300 ou R$ 600 cada.

Tiveram direito aos repasses, obedecendo a uma série de critérios econômicos e sociais, integrantes do Bolsa Família, cidadãos incluídos no Cadastro Único (CadÚnico), além de trabalhadores informais, contribuintes individuais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e microempreendedores individuais que solicitaram o benefício por meio de plataformas digitais ou aplicativo da Caixa Econômica Federal. Da Agência Brasil

Ministro do STF anula todas as condenações de Lula e o ex-presidente volta a ser elegível

/ Justiça

Fachin anulou todas as condenações de Lula. Foto: Divulgação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu, nesta segunda-feira, anular todas as condenações contra o ex-presidente Lula (PT), no âmbito da Operação Lava-Jato. Com a decisão, o petista recupera os direitos políticos e volta a ser elegível.

Os processos agora serão analisados pela Justiça Federal do Distrito Federal, que vai dizer se os atos realizados nos três processos podem ou não ser validados e reaproveitados.

Mais detalhes em instantes.

João Roma endossa discurso de Bolsonaro e diz que lockdown não é o melhor caminho

/ Brasília

João Roma é deputado federal pela Bahia. Foto: Blog do Planalto

Novo ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos) endossou o discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é contra as medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos, e afirmou que o lockdown ”não é o melhor caminho” no enfrentamento à pandemia da Covid-19. Roma disse ainda que os gestores têm tomado medidas de maneira ”açodada” por causa da ”comoção pela quantidade de mortes”.

”De fato, a gente precisa ter muito cuidado com os direitos individuais do cidadão brasileiro. É óbvio que estamos enfrentando um momento de pandemia. É preciso muita cautela, mas também não podemos admitir sobressalto, atitudes precipitadas, uma vez que a própria Organização Mundial da Saúde alega que o melhor caminho não é, de fato, o lockdown. Nós temos que atenuar sim algumas medidas exacerbadas que têm acontecido no Brasil. Óbvio, os gestores ficam muito açodados com o que ocorre. Há obviamente uma comoção pela quantidade de mortes, pelo que ocorre no Brasil inteiro, mas precisamos valer a nossa Constituição, ter muita serenidade e cooperação”, disse Roma, em entrevista ao programa ”Os Pingos Nos Is”, da rádio Jovem Pan News.

Em outubro do ano passado, um enviado especial da OMS, David Nabarro, que não é diretor da organização, falou sobre os impactos econômicos e sociais negativos dos lockdowns. Isso não significa, no entanto, que a OMS tenha mudado de posição favorável ao isolamento social para atenuar a disseminação da doença. Na mesma entrevista, Nabarro afirmou que os lockdowns são justificados em momentos de crise, para reorganizar os sistemas de saúde e proteger os profissionais que estão na linha de frente do combate à doença. A ideia desta prática é ”achatar a curva” de contágio, evitar a superlotação de hospitais e, depois, permitir a reabertura das economias. Esta informação foi verificada, inclusive, pelo projeto Comprova.

Roma disse ainda que o lockdown pode aumentar o ”empobrecimento” do país. ”Não basta dizer apenas ‘fique em casa’, porque não tem como atenuar o sofrimento dos seus filhos e sua família. Nós precisamos ter muita seriedade e unir todas as forças para que a gente consiga atenuar o sofrimento”, afirmou. ”É natural que, se houver medidas de recrudescimento na área economia, resultará no empobrecimento de uma gama de brasileiros e por consequência mais pessoas necessitando do auxílio (emergencial), mais pessoas na faixa de vulnerabilidade”, pontuou.

De acordo com ele, a Câmara dos Deputados deve aprovar ainda nesta semana o auxílio. A expectativa do governo é conceder os R$ 250 ainda em março. ”Na sequência, vamos nos debruçar na reestruturação e na ampliação do Bolsa Família. Queremos fortalecer o programa e com isso chegar a novas famílias, uma vez que na execução do auxílio identificamos novas pessoas em condições de vulnerabilidade”, disse.

As informações foram publicadas na manhã desta segunda-feira (8) pelo jornal Tribuna da Bahia.

Pazuello pede ajuda, e Congresso é pressionado para combate a Covid, diante de omissão de Bolsonaro

/ Saúde

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Tony Winston

Em meio à omissão, ineficiência e negacionismo de Jair Bolsonaro em um ano de pandemia, articula-se em Brasília um arranjo para colocar a cúpula do Congresso no comando do combate à crise da Covid-19, com o respaldo de governadores e até a participação do próprio ministro da Saúde. Após dez meses de submissão à cartilha bolsonarista e agora sob investigação, Eduardo Pazuello tem sinalizado com pedido de ajuda a gestores.

A costura tem sido feita nos bastidores e com cuidado para não provocar a ira do presidente.

A articulação envolvendo o Congresso parte de dois entendimentos em meio ao colapso nacional da saúde. Primeiro, os governadores querem evitar o desgaste de atuar sozinhos no pico da pandemia. Segundo, a polarização de Bolsonaro com eles chegou a um ponto em que a única forma de ter uma ação nacional é com o Legislativo junto.

Aliados de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) tentam tratar o assunto como uma pacificação entre os Poderes e não como um atropelo ao governo federal. O discurso é que Bolsonaro está ciente que deve agir e uma participação do ministério mostrará esse comprometimento.

O plano é que um grupo criado por Lira com governadores na semana passada concentre as principais ações do país contra o avanço da Covid-19, coordenando a atuação do ministério e esvaziando as ordens negacionistas de Bolsonaro. A ideia é colocar mais pessoas nesse comitê, como secretários de saúde, parlamentares, especialistas, médicos. O Supremo foi procurado para dar apoio à iniciativa.

Os principais pontos a serem comandados: fabricação e compra de vacinas, leitos de UTI, equipamentos suficientes para hospitais, e medidas de restrição para frear a transmissão.

Depois de quase dez meses obedecendo todas as diretrizes do presidente, Pazuello passou a indicar a gestores nos últimos dias que não consegue tomar as medidas que lhe são cobradas por não ter respaldo no Palácio do Planalto.

Apesar de políticos criticarem a atuação do ministro e o chamarem de incompetente nos bastidores, a leitura é a de que não é possível tirá-lo agora nem tirar a pasta da linha de frente do combate à pandemia, inclusive por questões legais (assinatura de documentos, divisão de dinheiro, etc).

Para pessoas que falaram com o general nos últimos dias, a impressão é a de que a sinalização dele agora é reflexo da preocupação com a investigação de que é alvo em meio ao crescente número de mortes, que não para de bater recordes.

A Folha revelou neste domingo (8) que a White Martins pediu transporte de oxigênio a coronéis que assessoram Pazuello e não foi atendida. O jornal também mostrou que o Brasil rejeitou no ano passado proposta da farmacêutica Pfizer que previa 70 milhões de doses de vacinas até dezembro deste ano.

O ministro acumula erros e acusações na condução da Saúde. As reclamações se dão também por ele ter chegado com o status de um especialista em logística, área que apresentou diversas falhas desde então, como as confusões em voos na entrega de vacinas, etc.

Entre governadores, há quem defenda que a mobilização deveria isolar completamente o governo federal, deixando inclusive Pazuello de fora. João Doria (PSDB-SP) escreveu no grupo de WhatsApp dos gestores que é contra qualquer relação com genocídas, mentirosos e incompetentes, segundo suas palavras.

Outra parte, porém, entende que a participação da União é obrigatória, inclusive para divisão de responsabilidades.

”Se o governo federal não quiser participar, vamos ao Supremo para obrigá-lo. Entre os direitos de quem exerce a presidência da República não está o de se omitir criminosamente”, disse Flávio Dino (PCdoB-MA) ao Painel.

*Painel/Folhapress

Petrobras anuncia novo reajuste dos combustíveis; gasolina em 8,8% e do diesel em 5,5%

/ Economia

Na manhã desta segunda- feira (08), a Petrobras anunciou um novo reajuste nos preços dos combustíveis. O preço da gasolina em 8,8% e do diesel em 5,5% a partir de amanhã, 9 de março.

Com isso, os preços médios nas refinarias serão de R$ 2,84 por litro para a gasolina e R$ 2,86 por litro para o diesel, após aplicação de reajustes de R$ 0,23 e de R$0,15 por litro, respectivamente.

Há menos de uma semana, em 2 de março, a Petrobras elevou os preços médios do diesel e da gasolina em 5%.

Jequié confirmou 56 casos de Covid nas últimas 24h. taxa de ocupação de UTI é de 93%

/ NOTÍCIAS

Boletim Epidemiológico da Covid-19, atualizado pela Secretaria Municipal de Saúde, neste domingo (7) registra em Jequié, nas últimas 24h, 56 novos casos, perfazendo um total de 11.983 pessoas confirmadas com a doença, até agora. 10.621 pacientes encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença.O número de mortes desde o início da pandemia é de 240.

Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto é de 93%. Destes, 14 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 13 leitos ocupados por pessoas de outros municípios. Até o presente momento 8.404 pessoas foram vacinadas em Jequié.