Blog Marcos Frahm


Governo Federal começa a pagar o auxílio emergencial de R$ 600 na quinta-feira, garante ministro

/ Brasília

O governo começa a pagar na quinta-feira (9) a primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) com conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal. Para os clientes dos demais bancos, o pagamento será feito a partir do dia 14 deste mês.

O segundo pagamento do benefício de R$ 600 ocorrerá entre 27 e 30 de abril, conforme a data de aniversário dos beneficiários. E a última parcela será paga de 26 a 29 de maio. A ideia é que todo o pagamento do benefício – as três parcelas de R$ 600 – seja feito em cerca de 45 dias, totalizando a liberação R$ 98 bilhões para 54 milhões de pessoas.

Hoje (7) foram lançados o site da Caixa e aplicativos para iOS e Android para os trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais (MEI) e contribuintes da Previdência que ainda não têm informações no CadÚnico. O cadastramento também é necessário para as pessoas que não estavam no CadÚnico até o dia 20 de março. Quem não sabe se está no cadastro pode conferir a situação ao digitar o número do CPF no aplicativo.

Aplicativo gratuito

O aplicativo pode ser baixado gratuitamente. De acordo com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, houve um acordo com empresas de telefonia para que mesmo as pessoas sem crédito no celular pré-pago possam baixar a ferramenta sem custo. A Caixa disponibilizou ainda a central 111 para tirar dúvidas sobre como fazer o cadastramento.

“O aplicativo é só para quem é MEI, que é contribuinte individual do INSS ou informal. Quem está no Bolsa Família ou outros programas do governo federal não precisa fazer o cadastro”, ressaltou Onyx, em entrevista coletiva, nesta manhã, no Palácio do Planalto.

No caso dos beneficiários do Bolsa Família, o pagamento seguirá o calendário normal do programa. De acordo com o presidente da Dataprev, Gustavo Canuto, o CadÚnico tem 75 milhões de pessoas inscritas. Desses, 43,6 milhões são beneficiários do Bolsa Família.

Ao excluir os beneficiários do Bolsa Família, ficam 31,4 milhões de pessoas. “Desse universo de 31,4 milhões de pessoas, foram identificadas mais de 10 milhões que estão elegíveis para receber o auxílio emergencial. Hoje estamos na fase final de análise desse dados para garantir que todos os quesitos foram atendidos e nenhum pagamento será efeito para quem não estiver estritamente coberto pela lei”, disse Canuto.

Conta digital

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que criará 30 milhões de contas digitais para beneficiários sem conta em banco. Os beneficiários poderão movimentar a conta e fazer transferências gratuitamente, mas inicialmente não será possível sacar o dinheiro. Ainda será divulgado um cronograma para a realização de saques. Segundo Guimarães, haveria um “colapso” se fosse liberado o saque para todos ao mesmo tempo.

Guimarães informou ainda que fará transferência gratuita para contas em bancos privados e públicos estaduais nos casos de beneficiários que já têm conta.

Os recursos que forem transferidos para conta de beneficiários não poderão ser usados para pagar dívidas, como o cheque especial. Segundo o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, foi feito um acordo com os bancos para evitar que o auxílio seja usado para pagar automaticamente dívidas dos clientes.

”Mesmo se estiverem com débitos anteriores, esse dinheiro fica protegido. É um auxílio emergencial para sustentação das pessoas”, disse o ministro.
Segurança

Onyx destacou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal investigam casos de fraudes e que a segurança do sistema da Caixa ”está reforçadíssima”. ”Fraudadores, atenção, vocês vão parar é na cadeia”, disse.

”O presidente [Jair] Bolsonaro quer transparência, segurança e agilidade. É o que estamos nos empenhando para fazer. Na medida em que as coisas vão avançando no Brasil, nós vamos retomar o trabalho em poucos dias”, disse o ministro.

Ele destacou ainda que a lei aprovada no Congresso e sancionada pelo presidente  determina a cobertura emergencial por três meses. Considerando o histórico das epidemias recentes, que dura de 12 a 14 semanas até a superação da doença, segundo o ministro, esse apoio de 90 dias deve ser suficiente. “Vamos acompanhando e vendo a necessidade de uma eventual suplementação”, disse.

Hoje, às 15h, a Caixa dará uma entrevista coletiva para explicar mais detalhes do pagamento do auxílio emergencial. Um decreto regulamentando essas operações também severá ser publicado hoje em edição extra do Diário Oficial da União.

Porque Santa Inês figura entre cidades que oferecem alto risco de propagar casos de Covid-19?

Santa Inês ainda não tem caso da Covid-19. Foto: Blog Marcos Frahm

Num estudo concluído recentemente os pesquisadores Kaique Brito e Roberto José estimam que 323 municípios baianos estão vulneráveis ao covid-19 e destes municípios 91 estão com alto risco de contaminação.

No território Vale do Jiquiriçá localizado entre a zona litorânea e o  sertão baiano, quatro municípios foram classificadas como de alto risco: Brejões, Irajuba, Jaguaquara e Santa Inês.

O que foi levado em consideração para a inclusão de Santa Inês nesse quadro?

Santa Inês é um município da Microrregião de Jequié, no Sudoeste do Estado da Bahia, com 11.177 habitantes, (IBGE/2015). O município é servido pela BR-420 e pelas BA-120 e BA-553.

É importante salientar que a BR-420 que, atravessa o município, liga as duas maiores rodovias do país BR-116 a BR-101. A BA-120 é o principal elo de ligação com o município de Cravolândia. Por outro lado a BA-553 é classificada como uma rodovia estadual de ligação, pois liga a BR-420, num trecho do perímetro urbano de Santa Inês, a BR-116, numa extensão de apenas 29 km.

A inclusão de Santa Inês como de alto risco em propagar novos casos da COVID-19, ocorreu em função da proximidade com a BR-116, através da BA-553 e da dinâmica espacial com o município de Jequié que teve caso confirmado da doença. A chegada do vírus em uma localidade que exerce influencia regional com fluxo de pessoas, veículos e mercadorias aponta para eventuais cenários de contaminação.

Portanto, a inclusão de Santa Inês foi baseada na circulação geográfica, na dinâmica populacional e na proximidade com Jequié que já apresenta caso confirmado, ou seja, foi levado em consideração a relação dos ”objetos geográficos” como os portos, ferrovias, aeroportos e rodovias, nesse caso específico, as rodovias e as respectivas relações intermunicipais.

É importante pontuar que a existência, no município de Santa Inês, de um campus do Instituto Federal Baiano (IFBAIANO), que atende estudantes de pelo menos 20 municípios da região perfazendo um fluxo correspondente a mais de 10% da população total do município, não foi considerado para o enquadramento do município nesse cenário.

O município de Santa Inês não registrou nenhum caso do covid-19 e alguns acontecimentos e ações podem estar contribuíndo para esse cenário, tais como: a BA-553 que liga o município a BR-116, está em total situação de abandono pelo governo estadual desde 1994, resistindo apenas como via de circulação de pessoas que trabalham ou tem fazendas ao longo de seu trecho, o IF Baiano teve suas atividades pedagógicas e administrativas suspensas, exceto serviços essenciais, desde o dia 14 de março do corrente ano, recomendando aos estudantes e servidores retorno para suas residências e isolamento social e a Prefeitura Municipal através de decretos com medidas preventivas, ações de sensibilização social e manutenção de uma barreira sanitária na entrada principal da cidade.

*Por Marco Antonio Rodrigues / professor de Climatologia do IF Baiano

Estado da Bahia já tem 62 cidades com transporte suspenso, incluindo Itagibá, Ipiaú e Gandu

/ Bahia

”As medidas de proteção social não podem ser antecipadas demasiadamente, nem podem ser tomadas tardiamente. Temos que ir gradativamente tomando decisões, e é assim que vamos continuar fazendo em relação à suspensão do transporte intermunicipal”. A declaração foi dada pelo governador Rui Costa durante conversa ao vivo com internautas pelas redes sociais no início da tarde desta terça-feira (7). No Diário Oficial do Estado de hoje, 13 novas cidades foram incluídos no decreto que determina a suspensão dos ônibus intermunicipais: Adustina, Cachoeira, São Félix, Gandu, Ibirataia, Itarantim, Palmeiras, Piripá, Barra do Choça, Campo Formoso, Catu, Ibotirama e São Francisco do Conde. Nestas cidades, a medida tem validade a partir de quarta-feira (8).

Já são 62 municípios contemplados pelo decreto, que teve sua primeira versão em 27 de março e, inicialmente, tinha validade até 5 de abril. No entanto, no último sábado (4), o governador determinou a prorrogação da suspensão até o dia 15 de abril. Também foi estendido até 15 de abril a circulação, a saída e a chegada de ônibus interestaduais, em todo território do Estado da Bahia. ”Por conta dessas medidas restritivas que já adotamos, a Bahia tem indicadores inferiores à media nacional e vamos trabalhar para continuar assim”, afirmou o governador.

As cidades com transporte intermunicipal suspensas são: Salvador, Feira de Santana, Porto Seguro, Prado, Lauro de Freitas, Simões Filho, Vera Cruz, Itaparica, Itabuna, Ilhéus, Itacaré, Camaçari, Luís Eduardo Magalhães, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Guanambi, Vitória da Conquista, Santa Maria da Vitória, Correntina, Entre Rios, Jequié, Brumado, Conceição do Jacuípe, Juazeiro, Teixeira de Freitas, Nova Soure, São Domingos, Canarana, Ipiaú, Itagibá, Itamaraju, Itororó, Pojuca, Dias D’Ávila, Alagoinhas, Barra, Candeias, Coaraci, Itajuípe, Medeiros Neto, Santa Cruz Cabrália, Barra do Rocha, Eunápolis, Belmonte, Conde, Uruçuca, Itapetinga, Conceição do Coité, Utinga, Adustina, Cachoeira, São Félix, Gandu, Ibirataia, Itarantim, Palmeiras, Piripá, Barra do Choça, Campo Formoso, Catu, Ibotirama e São Francisco do Conde.

Ficam suspensas nesses municípios a circulação, a saída e a chegada de qualquer transporte coletivo intermunicipal, público e privado, rodoviário e hidroviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e de vans. Em algumas cidades sem casos de coronavírus, o sistema de transporte intermunicipal foi suspenso porque está integrado ao de municípios com registros da doença.

Rui reitera necessidade de manter fechado comércio em cidades com casos positivos

/ Bahia

Fábio Vilas-Boas e Rui Costa no Papo Correria. Foto: Paula Fróes

Diante do surto do novo coronavírus, o governador Rui Costa (PT) voltou a destacar a necessidade de manter fechado o comércio não essencial nas cidades do interior com casos confirmados da doença. A declaração foi dada durante uma transmissão online no início da tarde desta terça (7).

”A Bahia se diferenciou entre os outros estados. Fomos tomando medidas gradativas. Ao nosso entender, em cidades com casos positivos, a recomendação do Governo do Estado é de manter o comércio não essencial fechado”, disse o chefe do Palácio de Ondina.

Mais cedo, o petista criticou o Governo Federal por não permitir que os médicos cubanos que permaneceram no país ajudem na contenção da Covid-19.

A Secretaria de Saúde (Sesab) registrou 456 casos confirmados do coronavírus no estado. Este número contabiliza todos os registros de janeiro até o início da tarde de hoje.

Governo Federal anunciou o programa bem antes da Prefeitura e o dinheiro não chegou’, cutuca ACM

/ Política

ACM Neto volta a cutucar o Governo Bolsonaro. Foto: Vagner Souza

O prefeito da capital baiana, ACM Neto (DEM), voltou a cutucar o Governo Federal ao criticar a demora do pagamento do ”coronavoucher” no valor de R$ 600 aos profissionais autônomos e trabalhadores informais.

”Nós anunciamos o programa na segunda-feira e, uma semana depois, começamos a efetuar o pagamento. Assim esperamos que proceda o Governo Federal’, avaliou Neto, em conversa com a imprensa na manhã desta terça-feira (7).

Segundo ele, o Governo Bolsonaro ”anunciou o programa bem antes da Prefeitura e o dinheiro não chegou”. Mais cedo, o atual gestor da cidade condenou a possibilidade de demissão do ministro da Saúde, Henrique Mandetta, em meio ao surto do novo coronavírus.

Ontem, o jornal O Globo chegou a dar como certa a exoneração de Mandetta no comando do Ministério. Pouco tempo depois o próprio médico garantiu que ficaria no posto.

*Por Mateus Soares

Um dia após ”fico” de Mandetta, Bolsonaro evita responder se vai reabrir comércios por decreto

/ Brasília

Bolsonaro muda o tom com o ”fico” de Mandetta. Foto: Marcos Corrêa

Um dia após o ”fico” do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro evitou nesta terça-feira,  responder a um apoiador que o questionou sobre a possibilidade de assinar um decreto liberando o funcionamento do comércio no País. A flexibilização nas regras de isolamento social, adotadas para evitar a propagação da covid-19, é um dos pontos de atrito entre presidente e ministro. ”Você sabe o que está acontecendo na política brasileira? Você sabe o que representa uma resposta para você aqui agora”, respondeu o presidente ao apoiador que o questionou em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro tem criticado governadores e prefeitos que restringiram o funcionamento de shoppings, lojas e escolas com o argumento de que o impacto na economia causará mais danos do que a pandemia de coronavírus. Na semana passada, o presidente afirmou que já tinha um decreto sobre sua mesa autorizando a reabertura de diversas atividades, a despeito de determinações locais para o fechamento. ”Eu tenho um decreto pronto para assinar, se eu quiser assinar, considerando ampliar as categorias que são indispensáveis para a economia”, afirmou na quinta-feira, em entrevista à rádio Jovem Pan.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) dizem em conversas reservadas, no entanto, que se o presidente levar adiante sua ideia a medida será barrada pela Corte. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que o Supremo não vai autorizar nenhuma ação que confronte as recomendações das autoridades de saúde do Brasil e do mundo com relação ao combate do novo coronavírus. A principal delas é o isolamento social.

Na rápida conversa que teve com apoiadores na manhã desta terça-feira, Bolsonaro também evitou responder sobre a situação do ministro da Saúde. Na segunda, após o acirramento do cabo de guerra com o presidente e rumores de que seria demitido, Mandetta disse que permanece no cargo, pediu ”paz” para chefiar a pasta e, sem citar diretamente o presidente, reclamou de críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho.

O ministro também destacou que possui uma equipe técnica à frente do Ministério da Saúde e sinalizou que, se for embora, o seu time vai junto.

Apesar de não falar sobre o assunto, o presidente ouviu apelos do grupo que estava em frente à residência oficial para demitir o auxiliar. ”Mandetta não merece sua confiança, presidente”, disse um apoiador. Quando deixou o local, a claque passou a entoar gritos de ”Fora Mandetta”. Com informações do Estadão

Taxista de 64 anos morador de Salvador é a 11ª pessoa morta pelo novo coronavírus na Bahia

/ Saúde

Subiu para 11 o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus (Covid-19) na Bahia. A informação foi divulgada pela Secretaria da Saúde (Sesab) na manhã desta terça-feira (7). O paciente era um taxista de 64 anos. Ele foi primeiro trabalhador da categoria que testou positivo para a Covid -19.

Ainda conforme a Sesab, o paciente sofria de diabetes e problemas cardíacos. Ele residia em Salvador e foi internado em 24 de março em um hospital público da capital baiana.

Em entrevista ao site BNews, o presidente da Associação Geral dos Taxistas (AGT), Denis Paim revelou que o taxista apresentou os sintomas do coronavírus logo após o Carnaval.

De acordo com último boletim divulgado pela Sesab, até esta segunda (6) a Bahia registrou 437 casos confirmados da Covid-19, o que representa 6,7% do total de casos notificados. Até o momento, 2.511 casos foram descartados.

Ministra Rosa Weber cria grupo no TSE para avaliar condições de eleições municipais em outubro

/ Justiça

Ministra presidente do TSE, Rosa Weber. Foto: Estadão Conteúdo

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, instituiu, nesta segunda-feira, 6, um grupo de trabalho para avaliar as condições para a realização das Eleições Municipais de 2020 em outubro, diante da pandemia do coronavírus.

O ato da ministra está alinhado a declarações de seu sucessor na presidência da Corte. Luís Roberto barroso já disse disse considerar prematuro o debate sobre cancelar a eleição municipal por causa da crise do coronavírus, mas admite a possibilidade de um adiamento de outubro para, no máximo, dezembro.

O ministro disse ser contrário a deixar a escolha de novos prefeitos e vereadores para 2022, mas ressaltou que a palavra final deve ser dada pelo Congresso, a quem caberia a aprovação de uma emenda à Constituição.

A portaria de criação do grupo leva em consideração ‘a diversidade de ações e de restrições aplicadas no âmbito das unidades da Federação, na esteira das orientações das autoridades sanitárias’ e ‘a necessidade permanente de reavaliação das condições materiais da Justiça Eleitoral para realizar eleições no ano em curso’.

O grupo será composto por um representante do Gabinete da Presidência, que exercerá a coordenação dos trabalhos; um representante do Gabinete da Vice-Presidência, que subcoordenará o grupo; um da Corregedoria-Geral Eleitoral; um da Diretoria-Geral do TSE; um da Secretaria de Tecnologia da Informação da Corte; e um da Assessoria de Gestão Eleitoral do Tribunal.

A Portaria prevê que, para a consecução dos seus objetivos, o grupo de trabalho poderá solicitar aos Tribunais Regionais Eleitorais informações sobre assuntos relacionados aos seus âmbitos de atuação.

”Prematuro pensar nisso agora”, diz presidente da Câmara de Salvador sobre adiamento das eleições

/ Bahia

Presidente da Câmara de Salvador, Geraldo Júnior. Foto: Reprodução

O presidente da Câmara Municipal de Salvador (CMS), Geraldo Júnior (MDB), acha que é prematuro pensar na possibilidade de adiamento das eleições deste ano diante do surto do coronavírus.

”Eu confesso que não tenho pensado nisso. É muito cedo. É muito prematuro pensar nisso agora”, disse o legislador, durante o seu programa na rádio Metrópole na manhã desta terça-feira (7).

Mandetta diz que permanece no cargo e reiterou que ”médico não abandona paciente”

/ Brasília

Medidas de Mandetta contrariam Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou na noite desta segunda-feira (6), que permanece no cargo, reiterou que ”médico não abandona paciente” e, sem citar diretamente o presidente Jair Bolsonaro, reclamou de críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho à frente da pasta.

Mandetta acumulou uma série de desgastes com o presidente Jair Bolsonaro ao defender um amplo distanciamento social da população como enfrentamento do novo coronavírus. O ministro, aplaudido pela equipe do ministério ao chegar para a declaração feita à imprensa, se colocou como ”dono das dúvidas”, e não da verdade.

O ministro observou que a crítica construtiva “enobrece” e nos faz dar passos à frente. ”O que temos dificuldade é quando em determinadas situações, ou determinadas impressões, as críticas não vêm no sentido de construir, mas para trazer dificuldade no ambiente de trabalho. Isso tem sido uma constante. Vamos continuar, continuando a gente vai enfrentar nosso inimigo. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar”, reiterou, em um recado a Bolsonaro.

”Eu não vou abandonar, agora as condições de trabalho dos médicos precisam ser para todos. A única coisa que pedimos é o melhor ambiente para trabalhar. Começamos a semana com mais um solavanco, esperamos que possamos seguir em paz”, disse.

Mandetta destacou que, desde que chefiou o Ministério da Saúde, trabalha com uma equipe técnica, da qual é ”apenas o porta-voz”. Afirmou que a pasta é fruto ”de históricos e da melhor equipe técnica que eu sonhei em trabalhar”

”É muito difícil nesse sistema onde a gente não sabe ao certo como vai ser o próximo dia, a próxima semana. A gente não sabe se o comportamento da doença vai ser como nos outros países”, ressaltou Mandetta.

Empresário de Jequié que testou positivo para Covid-19 está recuperado da doença

/ Jequié

Empresário Juvenal Maia está curado do Covid-19. Foto: Facebook

No dia 22 de março, o empresário do setor gráfico em Jequié, Juvenal Maia publicou post em sua página pessoal no Facebook confirmando que teve positivo o seu novo para a Covid-19.

Juvenal permanecia até o Boletim da Secretaria do Saúde da Bahia (Sesab), divulgado às 17h de domingo (5), como o primeiro e único caso confirmado da infecção no município de Jequié.

De acordo com o empresário, cerca de duas semanas depois dele ter apresentados os sintomas que o levou ao encaminhamento de amostras para o exame no Laboratório Central da Bahia (Lacen), ele já não estava com os sintomas do vírus.

Foi realizado o reteste para a doença e foi confirmado como negativo. Com este resultado, também anunciado pela Secretaria de Saúde de Jequié que o paciente encontra-se recuperado. As informações são do Jequié Repórter

Mais de R$ 50 milhões serão injetados no Vale do Jiquiriçá através do Cadastro Único

Esta semana o Governo Federal deve começar a pagar o benefício emergencial, aprovado pelo Congresso Nacional, aos trabalhadores informais, aos beneficiários do Programa Bolsa Família e as mulheres que cuidam sozinha de suas casas, o valor entre R$ 600,00 e R$ 1.200,00. Na proposta inicial, o Governo Federal ofereceu apenas R$ 200,00.

O instrumento que será utilizado para pagamento dos benefícios será o Cadastro Único, então administrado pelas Prefeituras e que possuem a obrigação de mantê-los atualizado, facilitando assim o acompanhamento dos beneficiários nos programas do governo federal. Esse serviço guarda as informações pessoais e de condição de vida de famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza e tem sido bastante utilizado nas políticas sociais, a exemplo do Programa Bolsa Família. Nos municípios do Vale do Jiquiriçá temos 81.077 famílias cadastradas no CADÚNICO, sendo que 52% estão em situação de extrema pobreza (dados dez/2019).

Indiscutivelmente, o Programa Bolsa Família (PBF) tem sido referência no mundo todo como um instrumento eficiente de transferência de renda para a população mais carente; sendo transferido aos beneficiários R$ 31 bilhões em 2019 (apenas 3% do que o governo federal pagou de juros, refinanciamento e amortização da dívida aos rentistas). Dados atualizados em março de 2020 mostram um total de 13 milhões de famílias e de 38 milhões de pessoas beneficiárias do programa, ou seja, 18% de toda população Brasileira.

É grande a força do PBF na economia dos pequenos municípios. Tomando como exemplo o Território do Vale do Jiquiriçá, em 2019 foram injetados recursos do Programa nos vinte municípios num total de mais de R$ 97 milhões, enquanto a Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia arrecadou, no mesmo ano, de ICMS/IPVA/ITD e Taxas Estaduais pouco mais de R$ 47 milhões (49% do PBF). No Vale do Jiquiriçá apenas em Jaguaquara a arrecadação da SEFAZ-BA é maior do que os recursos do Programa Bolsa Família, enquanto Cravolândia, Irajuba e Nova Itarana não chegam a 9% da arrecadação em relação ao PBF. Temos 115.582 beneficiários no Vale que representam 37% da atual população estimada pelo IBGE para 2019.

A aversão ao Bolsa Família vem de uma herança histórica e social de exclusão, através da qual as classes mais abastadas ainda defendem a ideia de que é um absurdo os mais pobres se promoverem. Existem relatos que indicam a importância do “crédito” na vida das pessoas, destacando a maneira como saíram do anonimato e ganharam um perfil público. Pobres que tinham até vergonha de frequentar locais públicos, graças ao consumo se sociabilizaram, não apenas venceram a fome e a insegurança financeira, mas ousaram novas profissões, novos voos é a recuperação do sonho que aprenderam a sonhar.

*Por Valmir Sampaio
Consultor

Jaguaquara permite funcionamento de clínica, escritório de advocacia, hotel e até motel

/ Jaguaquara

Jaguaquara flexibiliza algumas categorias. Foto: Blog Marcos Frahm

A Prefeitura de Jaguaquara, no Vale do Jiquiriçá, decidiu prorrogar até o dia (13) de abril o decreto que suspende atividades no comércio local, restringindo, sobretudo, o funcionamento de estabelecimentos que prestam serviços não essenciais à população.

Mas o novo decreto, assinado pelo prefeito Giuliano Martinelli, flexibiliza o funcionamento de alguns estabelecimentos, exigindo que cumpram medidas restritivas para evitar aglomerações, tendo como objetivo a não propagação do novo coronavírus. Farmácias, supermercados, bancos e loterias já funcionavam desde o primeiro decreto, publicado no último dia (18) de março.

Já a nova decisão, permite, desta feita, o funcionamento, mediante agendamento individual, de estabelecimentos como clínicas: médica, odontológica, de fisioterapia e terapia ocupacional, além de salão de beleza, barbearia, petshop, escritórios de contabilidade e advocacia, devendo os responsáveis adotar medidas preventivas. Hotéis, pousadas e motéis, classificados no decreto como serviços essenciais, também estão autorizados ao funcionamento.

Apesar da autorização, a Prefeitura recomenda o distanciamento entre as pessoas. Lojas de móveis, calçados e confecções permanecem impedidas de abrir as portas. Restaurante funcionam com o serviço de delivery. Uma nova reunião, marcada para o dia 13, entre prefeitos do Vale do Jiquiriçá, representantes do Ministério Público e da CDL irá decidir sobre manutenção ou não do isolamento social na cidade mais populosa do Vale do Jiquiriçá.

Porque Jaguaquara figura entre cidades que oferecem alto risco de propagar casos de Covid-19?

/ Jaguaquara

Estudo diz que cidade oferece risco de Covid. Foto: Blog Marcos Frahm

Jaguaquara é um município localizado no Vale do Jiquiriçá, na microrregião de Jequié, no Sudoeste do Estado da Bahia, com 54.163 habitantes, (IBGE/2018). O município é servido pelas BR-116 e BR-420 e pela BA-250.

O município de Jaguaquara deve ter sido incluído nessa lista de alto risco em propagar novos casos do COVID-19, por dois motivos: presença do Ceasa e de empresas de distribuição de gêneros alimentícios e ração. O Ceasa é um centro de abastecimento que concentra a comercialização de produtos hortifrutigranjeiros e que promove a integração da produção nacional.

O Ceasa/Jaguaquara opera 24h por dia abastecendo num raio de 150 km todas as cidades, incluindo Jequié e Santo Antônio de Jesus. Em média, recebe 800 veículos entre cargas e descargas semanais. É local de um fluxo grande pessoas e veículos oriundo das cidades da Bahia e de outros estados, incluindo os da região Sudeste. Já as empresas de médio e grande porte fornecem gêneros alimentícios alimentos e ração animal para várias cidades da Bahia e do Brasil.

E claro, a presença da BR-116 que é a principal, mais movimentada e maior rodovia pavimentada do país, que atravessa o distrito Stela Câmara Dubois com mais de 10.000 habitantes, distante aproximadamente 10 km da sede e que mantém um fluxo intenso de pessoas e mercadorias com a sede, no caso a cidade de Jaguaquara.

Assim, a população do município deve redobrar a atenção quanto aos cuidados de isolamento social (quando possível), lavar as mãos com água e sabão ou use álcool em gel, cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir, evitar aglomerações, manter os ambientes bem ventilados e não compartilhar objetos pessoais.

*Por Marco Antonio Reis Rodrigues / professor de Climatologia do IF Baiano / Campus de Santa Inês