EM meio ao coronavírus, ACM Neto acusa Governo Bolsonaro de não liberar verba a Salvador

/ Política

ACM Neto critica o Governo Bolsonaro. Foto: Vagner Souza

O prefeito ACM Neto (DEM) acusou o Governo Federal de não liberar nenhuma verba a Salvador para ajudar no combate ao surto do novo coronavírus. A declaração foi feita em entrevista à TV Record Bahia no início da tarde desta quarta-feira (25).

”Até o momento não recebemos nenhum apoio do Governo Federal. O ministro Luiz Henrique Mandetta vem conversando muito conosco. Não posso deixar de elogiar o seu trabalho”, revelou o atual gestor da capital.

Apesar da acusação, o democrata disse, também, que o Ministério da Saúde ”dará suporte aos leitos de UTI, mas até o momento a Prefeitura está tendo que se virar”.

”O Governo Federal está demorando de tomar as suas medidas. A Prefeitura não vai esperar”, subiu o tom. ”Mas, penso que isso vá acontecer”, ponderou.

Embora diga que não prefere entrar em polêmicas relacionadas à política em meio à pandemia, o democrata classificou como ”lamentável” a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante o seu último pronunciamento em rede nacional.

Governador de Gpiás, Ronaldo Caiado rompe com Bolsonaro: ”a ignorância não é uma virtude”

/ Política

Ronaldo Caiado rompe com Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução

Um dos principais aliados de Jair Bolsonaro desde o início do mandato, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), reagiu ao pronunciamento do presidente feito na noite desta terça-feira (24).

Caiado repudiou a fala de Bolsonaro, que voltou a se referir à Covid-19 como ”gripezinha” e pediu a reabertura de escolas e outros serviços públicos.

”Fui aliado de primeira hora, durante todo o tempo. Mas não posso admitir que venha agora um presidente lavar as mãos e responsabilizar outras pessoas por um eventual colapso. Não faz parte da postura de governante”, disse Caiado em coletiva de imprensa.

Ele também afirmou que a partir de agora só dialogará com Bolsonaro via comunicados oficiais.

”Dizer que isso é um resfriadinho, uma gripezinha? Ninguém definiu melhor que Obama: na política e na vida, a ignorância não é uma virtude”.

Prefeita de Ubatã usa redes sociais para informar que testou negativo para o Covid-19

/ Política

Siméia Queiroz testou negativo para o coronavírus. Foto: Rede social

A prefeita Siméia Queiroz de Ubatã, informou nas redes sociais, que o teste ao qual ela foi submetida deu negativo para Coronavírus. Siméia havia sido submetida ao exame na última terça-feira (17). O resultado já está no sistema do LACEN, Laboratório Central do Estado da Bahia.

”Acabamos de receber o resultado do exame para Coronavírus enviado para o Lacen. É com muita alegria, dando glórias a Deus e agradecendo muito aos amigos pelas orações, informamos a nossa comunidade que o resultado deu NEGATIVO. Pedimos, no entanto, que todos mantenham a vigilância e as orientações da Secretaria Municipal de Saúde e permanecem em casa. É a nossa contribuição, o nosso gesto de amor”, anotou a prefeita nas redes sociais.

Em tempo, o município tem adotado uma série de medidas para prevenir a proliferação dos vírus. *Informações do Ubatã Notícias

Eduardo Bolsonaro envergonha brasileiros com declaração sobre China, diz João Doria

/ Política

Governador João Doria. Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chamou de ”lamentável” e ”irresponsável” a postagem em que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) culpa a China pela pandemia do coronavírus. O filho do presidente acusou o País de preferir esconder a doença a se expor ao desgaste, e sugeriu que uma ação contrária poderia ter salvo muitas vidas. A afirmação foi feita na quarta-feira, 18, pelo Twitter do deputado. As críticas de Doria foram publicadas na mesma rede social nesta quinta-feira, 19.

”Além do absurdo de minimizar a pandemia e convocar manifestações, ignorando protocolos mundiais de saúde, colocando em risco milhares de vidas, agora ele envergonha os brasileiros com declaração preconceituosa”, afirmou Doria, reforçando que o país asiático é o principal parceiro comercial do Brasil. Só no ano passado, a China comprou US$ 65,4 bilhões em produtos brasileiros.

As declarações do governador de São Paulo fazem referência à convocação, por parte do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos, às manifestações pró-governo realizadas no domingo, 15. O presidente foi alvo de críticas depois de manter contato físico com manifestantes no Palácio do Planalto e chamar a crise provocada pelo avanço do coronavírus de ”histeria”.

A afirmação de Eduardo Bolsonaro repercutiu depois que o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, publicou um tuíte repudiando as palavras do deputado e cobrando um pedido de desculpas ao povo chinês. Logo na sequência, o perfil oficial da embaixada chinesa disse que Eduardo, ao voltar dos Estados Unidos, contraiu um “vírus mental” que está ”infectando a amizade” entre os povos.

Em nome da Câmara dos Deputados, o presidente da Casa, Rodrigo Maia, publicou na madrugada desta quinta-feira, 19, um pedido de desculpa a Wanming e à China ”pelas palavras irrefletidas” de Eduardo Bolsonaro.Informações do Estadão

Ministro da Saúde desperta mais sentimento de confiança do que o presidente Bolsonaro

/ Política

Bolsonaro e o ministro Mandetta em coletiva. Foto: Carolina Antunes

O ministro da Saúde, Luiz Mandetta, tem despertado mais o sentimento de confiança nas redes sociais do que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com informações da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, 23% das postagens em que Mandetta é mencionado no Twitter se referem a essa emoção, contra 21% do presidente.

Em seu perfil na rede social, o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ) chegou a sugerir que o ministro demita o presidente da República.

No começo da crise, Mandetta inspirava mais raiva, medo e tristeza, mas as postagens de confiança nele mais do que dobraram depois que o ministro começou a aparecer na televisão falando das medidas para a prevenção da doença.

Presidente da UPB sugere cancelamento dos festejos juninos; ”ninguém vai ter dinheiro”

/ Política

Eures Ribeiro que cancelamento do São João. Foto: Divulgação/UPB

Festas e eventos para os próximos meses devem ser cancelados. Essa á posição do presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro. Na visão dele, os casos devem se estender pelo menos até as festas juninas devido ao risco de proliferação do novo coronavírus. Para Eures, a medida é de precaução. ”Nós temos que fazer o dever de casa. Eu mesmo já cortei o São Pedro. Já cancelei a festa de São Pedro. Até porque não tem como aglomerar pessoas. É hora de cortes de gastos”, declarou. Segundo o também prefeito de Bom Jesus da Lapa, no Oeste baiano, os cancelamentos de eventos serão necessários diante de um cenário de recessão econômica que deve abater a economia como um todo e impactar nos municípios.

”Até porque ninguém vai ter dinheiro, e vai ser preciso colocar recursos na Saúde. Tem município que vai ter que contratar mais médicos, mais profissionais de saúde se as coisas se agravarem. E de onde vamos achar dinheiro? É um momento muito delicado e que requer de nós uma missão que o povo nos deu, que é liderar os munícipes”, argumentou Ribeiro.

O gestor que integra a direção da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) informou que uma reunião marcada para esta quinta-feira (29) com o ministro-chefe da Casa Civil pode agilizar a liberação de recursos para o setor de saúde das cidades.

”Imagine, os municípios em uma crise financeira, com toda essa problemática. A arrecadação vai cair, vai se agravar ainda mais. E ainda sem recurso para as ações de primeiro, segundo e terceiro impacto. No nosso sistema de saúde da capital não tem esse preparo para um problema desse, imagine nas cidades pequenas do interior”, finalizou. A informação é de que os prefeitos irão aguardar até o mês de abril para qualquer decisão relacionada aos festejos jninos.

Após protestos contra Bolsonaro em bairros de Salvador, bolsonaristas reagem a favor

/ Política

Depois de registrar protestos em diversos bairros de Salvador contra o presidente Jair Bolsonaro, uma nova série de panelaços, dessa vez a favor do governo federal. Os registros foram mais tímidos nessa ”segunda etapa”. As batidas de panelas aconteceram em menos bairros da capital baiana, de acordo com informações do Bahia Notícias.

Os atos a favor do presidente foram convocados pelo próprio Bolsonaro e por apoiadores após começarem a circular sugestões de panelaços contra o governo. O presidente reclamou, inclusive, que os atos contra ele foram incentivados por veículos de comunicação e jornalistas, citando o Grupo Globo e também a jornalista Vera Magalhães, do Grupo Estado e responsável pela divulgação dos ”convites” feitos por Bolsonaro para as manifestações do último dia 15.

Presidente Jair Bolsonaro é alvo de panelaço em várias cidades, pelo 2º dia seguido

/ Política

Presidente Bolsonaro é alvo de panelaços. Foto: Carolina Antunes

Pelo segundo dia consecutivo, o presidente Jair Bolsonaro foi alvo de panelaços. Na noite desta quarta-feira, 18, foram registradas manifestações pelo menos em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os protestos estavam marcados para às 20h30, mas começaram ao menos uma hora antes disso.

No Rio, o panelaço e os gritos de protesto começaram parte na tarde desta quarta-feira durante a entrevista coletiva, em Brasília, do presidente Bolsonaro e de alguns ministros sobre a pandemia do Covid-19. Enquanto as declarações eram transmitidas pela televisão, houve manifestações pelo menos nos bairros da Lagoa, Leme, Laranjeiras, Cosme Velho e Flamengo. ”Fora Bolsonaro” e ”canalha” foram algumas das palavras gritadas pelos manifestantes, das janelas dos prédios.

Os protestos na cidade foram retomados depois, quando Bolsonaro voltou a se pronunciar, à noite. Houve panelaços em Flamengo, Botafogo, Laranjeiras, Copacabana, Ipanema, e Glória, na zona sul, e no Grajaú, na zona norte da capital. Em Niterói, do outro lado da Baía de Guanabara, também foi possível ouvir o bater de panelas. Em todos, houve gritos de “Fora” dirigidos ao presidente.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 18, Bolsonaro afirmou que encara qualquer movimento por parte da população como uma expressão da democracia. ”Qualquer manifestação popular nas ruas ou dentro de casa, como o panelaço, nós, políticos, devemos entender como a pura manifestação da democracia”.

Em seguida, o presidente citou que seus apoiadores organizaram um panelaço a favor do governo para 30 minutos depois da oposição, mas que veículos da imprensa não falaram sobre o ato. ”A TV Globo divulgou esse movimento do panelaço, bem como a Veja Online. Mas não vi esses órgãos da imprensa falando que corre nas mídias sociais um panelaço às 21h favorável ao governo Jair Bolsonaro”, disse.

A noite da última terça-feira, 17, também contou com panelaço contra o presidente em ao menos doze bairros da capital paulista: Bela Vista, Barra Funda, Campos Elíseos, Consolação, Higienópolis, Jardins, Perdizes, Pinheiros, Pompéia, Praça Roosevelt, Santa Cecília, Vila Madalena e Vila Romana. Também houve registros no Rio de Janeiro e em Brasília.

Em Salvador, o presidente Jiar Bolsonaro foi alvo também de panelação em diversos em locais da cidade, inclusive em bairros nobres como Graça, Barra e Pituba, onde até pouco tempo atrás era reduto de apoiadores. Informações Estadão Conteúdo

Por 7 a 0, Tribunal Superior Eleitoral cassa diploma do suplente de Zé Cocá, Luizinho Sobral

/ Política

Luizinho, acusado de uso indevido da mídia. Foto: Reprodução

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou, na noite desta terça-feira (17), o diploma de primeiro suplente de deputado estadual de Luizinho Sobral (PODEMOS). O provimento da cassação do ex-prefeito de Irecê foi aprovado por 7 a 0.  O relator do recurso foi o Ministro Sérgio Banhos.

Segundo o site BNews, a decisão atrapalha os planos de Sobral para as eleições deste ano. O político tentaria, mais uma vez, a eleição para prefeito de Irecê.

O processo de cassação foi impetrado, em 2018, pela Procuradoria Regional Eleitoral da Bahia (PRE). Sobral foi condenado por uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder no pleito de 2012 – cujo recurso foi julgado pelo TSE em setembro de 2019 -, e estava inelegível.

Nas eleições de 2018, Sobral obteve 46.162 votos, não suficientes que garantissem uma cadeira na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), ficando como 1º suplente do deputado estadual e agora pré-candidato a prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP).

Pela sucessão da coligação, quem assume a vaga de primeiro suplente é o ex-deputado e principal articulador do PSB de Feira de Santana, Angelo Almeida.

Coronavírus faz Senado dispensar senadores e servidores com mais de 65 anos

/ Política

Davi Alcolumbre. Foto: Marcos Brandão/Senado Federal

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), vai publicar na segunda-feira (16) dois atos dispensando senadores e servidores com mais 65 anos por causa da pandemia coronavírus.

A medida foi tomada depois que o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), 58, testou positivo. Idosos são considerados grupo de risco para a covid-19. Trinta e oito dos 81 senadores (47%) têm 60 anos ou mais. Vinte e seis senadores –um terço do total– têm 65 ou mais.

A letalidade da doença é de 3,6% para pacientes entre 60 e 69 anos e chega a 14,8% para quem tem mais de 80. Dois senadores da atual legislatura têm mais de 80 anos –Arolde de Oliveira (PSD-RJ) tem 83 anos e José Maranhão (MDB-PB), 86.

Trad viajou para os Estados Unidos no fim de semana passado na comitiva do presidente Jair Bolsonaro, grupo no qual há outros dois casos confirmados de coronavírus já confirmados.

Pelo ato que será publicado, ficam consideradas justificadas as ausências às reuniões de comissões e sessões plenárias de senadores com idade superior a 65 anos, gestantes, imunodeprimidos ou portadores de doenças crônicas que compõem risco de aumento de mortalidade por covid-19.

O documento também estabelece que pessoas credenciadas, como jornalistas e assessores, não terão mais acesso ao cafezinho dos senadores, anexo ao plenário do Senado. O texto diz ainda que haverá apenas sessões de votação tanto nas comissões como no plenário. O ato não menciona sessões de audiências públicas ou de depoimentos.

Servidores do grupo de risco farão teletrabalho, também conhecido como home office, de acordo com um segundo ato a ser publicado na segunda-feira. Para os demais servidores e colaboradores fica suspensa a obrigatoriedade de registro eletrônico de frequência, devendo, quando possível, ser utilizada a modalidade de teletrabalho.

Aposentados e pensionistas do Senado não precisarão fazer recadastramento com prova de vida.
Este segundo ato também altera uma prática que o Senado vinha adotando e autorizada a utilização de copos descartáveis em todas as unidades administrativas da Casa.

Por iniciativa própria, alguns parlamentares já determinaram teletrabalho em seus gabinetes. O Senado já havia restringido a circulação em suas dependências. Na Casa circulam, por dia, em média, 11 mil pessoas, entre parlamentares visitantes, servidores, terceirizados, estagiários e menores aprendizes.

Senadores têm procurado o presidente Davi Alcolumbre cobrando dele uma medida mais drástica, como a suspensão temporária das atividades do Congresso. ”Acho temerário manter as sessões até o dia 30 desse mês, período considerado o mais crítico”, diz o senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Por precaução, ele fez o teste de coronavírus e aguarda o resultado do exame. O parlamentar reclamou do valor que teve que pagar pelo atendimento em Brasília. ”O governo precisa agir para tornar o exame para testar acessível à grande maioria povo brasileiro. Fiz hoje e paguei R$ 1.460”, afirmou.

Alcolumbre, porém, tem sido cauteloso para determinar a suspensão total dos trabalhos porque a medida comprometeria a tramitação de projetos importantes da agenda econômica, como a PEC Emergencial, proposta de emenda à constituição que prevê iniciativas para controlar gastos obrigatórios do governo federal, de estados e municípios.

Dos projetos prioritários elencados pelo ministro Paulo Guedes (Economia), a PEC é a que, aprovada, terá efeito mais imediato. A previsão é que o relatório que altera o texto original da PEC seja apresentado na próxima semana e votado no dia 25 na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). *Folhapress

Por conta do coronavírus, PP cancela evento que lançaria pré-candidatura de Zé Cocá em Jequié

/ Política

Lançamento da pré-candidatura de Cocá é cancelado. Foto: Divulgação

O Partido Progressista (PP) decidiu pelo cancelamento ato político que realizaria neste domingo (15), em Jequié. O evento marcaria o lançamento da pré-candidatura a prefeito do deputado estadual e ex-prefeito de Lafaiete Coutinho, Zé Cocá.

O ato, que ocorreria às 14h, no espaço de eventos Marlene Marinho foi cancelado e, em nota, o PP diz que o motivo é para a redução de riscos de contaminação com o novo coronavírus.

Não foi informada nova data. No ato político, Cocá também assumiria a presidência da legenda partidária no município. ”Estamos acompanhando de perto as informações do avanço do coronavírus, de modo assim que possível, marcaremos uma nova data”, diz a nota.

Ex-ministro de Bolsonaro, Gustavo Bebianno morre em Teresópolis após sofrer infarto

/ Política

Bebianno morreu na manhã deste sábado. Foto: Reprodução

O ex-ministro do Governo Bolsonaro e pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro, Gustavo Bebianno, morreu na manhã deste sábado (14) após um infarto fulminante, aos 56 anos. A informação foi dada pelo presidente estadual do PSDB, Paulo Marinho, ao jornal O Globo.

De acordo com a publicação, Bebianno estava em seu sítio em Teresópolis junto com um caseiro e seu filho. Segundo Marinho, por volta das 4h30 ele comunicou ao filho que estava passando mal e se dirigiu ao banheiro para ingerir um remédio. Minutos depois, sofreu uma queda e teve ferimentos na cabeça.

Maracás: Na rede social, ex-prefeito Paulo dos Anjos se lança pré-candidato à Prefeitura

/ Política

Paulo lança pré-candidatura na rede social. Foto: Facebook

Que a disputa pela Prefeitura de Maracás, nas eleições de outubro, será uma das mais emblemáticas do Vale do Jiquiriçá, não há como duvidar. Para amparar a tese, trata-se de uma das mais importantes cidades do território, que ocupa boa posição econômica, na comparação com os demais municípios da região.

Faltando meses para o pleito, Maracás vive clima de ebulição política. Na noite desta sexta-feira (13), o ex-prefeito Paulo dos Anjos, por exemplo, usou as redes sociais para declarar que é pré-candidato à Prefeitura. ”Me dirijo a vocês para comunicar a minha pré-candidatura a prefeito da minha terra, em 2020, juntos por uma Maracás cada dia melhor”, disse Paulo em um vídeo publicado em sua página no Facebook.

Contudo, o ex-mandatário não revelou por qual legenda partidária irá se candidatar. Apesar de ter representado o PSL nas últimas eleições municipais, quando saiu derrotado pelo atual prefeito Soya Novaes (PDT), ele é ligado à base do governador Rui Costa (PT). Paulo se lança no mesmo período em que o comerciante Fábio Pena, outra liderança local, anunciou para domingo (15), a confirmação do seu nome, pelo cacique do PSD baiano, o senador Otto Alencar, como pré-candidato. Mas Pena decidiu cancelar o evento, sob alegação do aumento de casos do coronavírus na Bahia.

Com isso, as eleições na Cidade das Flores e do Vanádio ocorrerão com três postulantes ao cargo de prefeito – já que o atual chefe do Executivo, Soya, revelou em entrevista recente que não abre mão de disputar à reeleição e as últimas informações são de que o seu grupo se movimenta para viabilizar, também, um ato de lançamento. *Nota original do Blog Marcos Frahm

Coronel diz que já está em autoisolamento após se encontrar com senador com suspeita de coronavírus

/ Política

Coronel sobre o coronavírus. Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

O senador pela Bahia Angelo Coronel (PSD) afirmou, em entrevista ao site BNews nesta quinta-feira (12), que já está em ”autoisolamento”, após se encontrar com Nelsinho Trad (PSD-MS) nos corredores do Congresso, na quarta-feira (11). Hoje, tanto o sul-matogrossense quanto Jorginho Mello (PL-SC) estão em isolamento domiciliar e foram orientados a não irem ao parlamento.

”Encontrei com um deles, foi distante, acho que não deu pra pegar. Se ele der alguma coisa, vou fazer exame também. Vou fazer imediato”, disse, em conversa por telefone.

Coronel ainda disse que vai orientar os colegas de Casa a também se precaverem. ”Vou aconselhar a todos os senadores fazer [exame], já que ele transitou ontem juntamente com Jorginho. Como também a Câmara dos Deputados deve fazer”, completou.

Ele disse que decidiu, por conta própria, se ”isolar” em Brasília, para evitar transmitir o vírus em solo baiano. ”Não embarquei, tô só em Brasília, pra aguardar a novidade. Não quero ser veículo de disseminação”, disse.

Comitiva nos EUA

Os senadores Jorginho Mello (PL-SC) e Nelsinho Trad (PSD-MS), que estavam na comitiva brasileira que foi aos Estados Unidos acompanhar o jantar de Jair Bolsonaro e Donald Trumo, foram orientados a não irem ao Congresso nos próximos dias.

Eles estavam juntos ao secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, infectado com o novo coronavírus. Segundo o site O Antagonista, os senadores trabalharam normalmente no Congresso na quarta-feira (11). Eles ainda farão o exame para saberem se também foram infectados.