Deputados baianos Alden e Talita devem ser barrados por comando do novo partido de Bolsonaro

/ Política

Capitão Alden e Talita Oliveira. Foto: Mathias Jaimes/ Tv Servidor

Deputados estaduais eleitos pelo PSL, Capitão Alden e Talita Oliveira não devem ter espaço no novo partido do presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil. O lançamento ocorre nesta quinta-feira (21), em Brasília.

Talita já manifestou o desejo de acompanhar Bolsonaro na mudança de partido por causa do seu relacionamento ruim com a cúpula baiana do PSL na Bahia, comandada por Dayane Pimentel.

Segundo publicação do site bahia.ba articuladores da nova legenda consideram a parlamentar um ”risco”, já que ela tem como articulador político Toninho Olívio, ex-presidente do PSL e ligado a Luciano Bivar.

Já Capitão Alden incomoda os entusiastas do Aliança justamente por causa da proximidade com o casal Pimentel.

Além disso, o deputado participou recentemente de uma audiência na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) em comemoração ao Dia da Visibilidade Lésbica, saindo aplaudido do local. Um dos pontos principais no regimento do Aliança pelo Brasil é a luta contra a ”ideologia de gênero”.

Como já noticiado, dois nomes baianos dados como certo na Aliança são Cezar Leite e Alexandre Aleluia. Entretanto, a mudança depende da nova sigla conseguir ficar pronta a tempo de participar das próximas eleições municipais.

Projeto do deputado Robinson garante aos portadores de deficiência acesso a documentos em Braille

/ Política

Projeto é do deputado Robinson Almeida. Foto: Agência ALBA

Garantir o direito à obtenção de certidões do registro civil com a utilização do sistema Braille para os portadores de deficiência visual é o objetivo do deputado Robinson Almeida (PT) em projeto de lei apresentado na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA). ”Toda e qualquer ação adotada no sentido de promover os valores constitucionais da igualdade, da cidadania e da dignidade da pessoa ainda será pouca diante das adversidades e obstáculos enfrentados por esta parcela da população”, argumentou Robinson ao justificar a proposição.

O deputado pontuou ainda que o sistema Braille tem contribuído significativamente para a adequada participação dos portadores de deficiência visual nos atos e atividades comuns da vida. A utilização do Braille – acrescentou ele – amplia os meios de comunicação, permitindo aos deficientes visuais o acesso à leitura e à escrita.

Na França, governadores do Nordeste apresentam oportunidades de negócios a 40 empresas

/ Política

Governadores cumprem agenda na Europa. Foto: Elisa Elsie

Os governadores do Nordeste iniciaram, nesta segunda-feira (18), a missão na Europa. Durante evento em Paris, o grupo apresentou a 40 empresários franceses um mapa de oportunidades de investimentos no Nordeste. Os empresários também puderam esclarecer dúvidas com os governadores e alguns apresentaram atuações que já possuem no Brasil.

Essa é a primeira articulação internacional do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste). Para ampliar o fluxo de negócios com investidores europeus e fortalecer as relações de cooperação, o consórcio destaca o potencial de consumo e de desenvolvimento da região nordestina, que reúne 57,1 milhões de habitantes e tem um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 898,1 bilhões, equivalente a 14% do PIB brasileiro.

Na viagem à Europa, o objetivo dos governadores é atrair recursos para áreas integradoras, como sustentabilidade, infraestrutura, turismo, saúde, segurança pública, saneamento e energias limpas, inclusive com a perspectiva de abertura de parcerias público-privadas (PPP).

O governador da Bahia e presidente do Consórcio Nordeste, Rui Costa, mostrou aos franceses as oportunidades em segmentos como energia, conectividade, segurança, além da preservação de rios e nascentes. “Queremos com essa visita aumentar os números de nossa relação comercial com a Europa. O Nordeste é a região do Brasil que tem crescido acima da média. Temos 33 projetos para licitar em PPPs, representando R$ 27 bilhões em investimentos”, destacou Rui.

O diretor geral do tesouro francês, Cristophe Bories, disse que ”a França investe mais no Brasil do que na China. O Nordeste é uma região que tem três vezes a superfície da França e tem desafios e oportunidades para nossas empresas. As autoridades francesas estão mobilizadas para apoiar projetos no Brasil através de financiamentos. Podemos fazer vários tipos de cooperação entre a França e os estados do Nordeste”.

Para Luis Cesar Gasser, representante do Itamaraty presente na reunião, o Governo Federal vê muito potencial nessa parceria do Nordeste com a Europa e está interessado em aprimorar o que for preciso para atrair mais investimentos estrangeiros.

O membro do Movimento das Empresas da França (Medef), Gérard Wolf, se mostrou interessado em dar andamento às negociações e sugeriu uma reunião nos próximos meses em Salvador para aprofundar as discussões com as empresas francesas.

”Essa missão mostra a importância da união dos estados do Nordeste, que enfrentam desafios semelhantes, e que atuam juntos para avançar nas soluções. Estamos mostrando as potencialidades do Nordeste para o mundo em busca de novas parcerias e novas oportunidades de negócios”, comentou o governador do Ceará, Camilo Santana.

Organizado pelo Medef, o evento ocorreu na sede do Ministério da Economia e Finanças da França. Após a apresentação e conversa com os empresários, os governadores se reuniram com o ministro francês Bruno Le Maire.
Além de Paris, o grupo estará em Roma, na quarta-feira (20), e em Berlim, na quinta (21) e sexta-feira (22).

Participam da missão os governadores Rui Costa (Bahia), Renan Filho (Alagoas), Camilo Santana (Ceará), João Azevêdo (Paraíba), Paulo Câmara (Pernambuco), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), assim como o vice-governador Carlos Brandão (Maranhão). O governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, não viajou por motivos de saúde e está representado na missão pelo superintendente de Parcerias Público Privadas, Oliveira Junior.

Mais uma vez, é suspenso o julgamento de deputado que oferecia atendimento médico em troca de votos

/ Política

Julgamento de Targino Machado é suspenso. Foto: Reprodução

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), Jatahy Júnior, e o juiz Diego Castro votaram, na manhã desta segunda-feira (18), pela absolvição do deputado estadual Targino Machado (DEM), que responde, entre outras acusações, por abuso de poder econômico nas últimas eleições. O julgamento, porém, foi interrompido devido a um pedido de vista do juiz eleitoral Freddy Pitta Lima. Com o placar empatado de 3 a 3, seu voto – que será apresentado nesta terça (19) – determinará ou não a cassação do parlamentar.

Jatahy considerou que as provas não são ”robustas”. Assim como Diego Castro que afirmou que ”diante de todo o contexto trazido”, está convencido da tese da divergência, portanto, ”inexistência de qualquer ato de abuso de poder econômico”. Para o relator, o desembargador José Edivaldo Rocha Rotondano, o democrata realizava em sua clínica atendimentos médicos mediante a apresentação do título de eleitor. Havia a imagem do deputado no local e nas receitas. Além do relator, também votaram pela cassação do mandato do líder da Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia os juízes Antônio Oswaldo Scarpa e Patrícia Kertzman. Já o juiz José Batista Júnior abriu a divergência do relator na sessão no último dia 4, que acabou sendo seguido nesta segunda pelo presidente da Corte e o juiz Diego Castro.

Targino é acusado de oferecer atendimentos médicos irregulares em troca de votos. Segundo inquérito da Polícia Federal, o democrata, que é médico, atendia irregularmente eleitores em Feira de Santana, de onde eram transferidos para os municípios de Cachoeira e São Félix para serem atendidos, fora da regulação, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Em pronunciamento no plenário da Assembleia no último dia 29, data que foi iniciada o julgamento, o parlamentar afirmou que tem ”sofrido calado um verdadeiro linchamento moral desde o fechamento dos locais onde prestava atendimento médico à população de Feira de Santana, que ocorreu há cerca de 16 meses”. O democrata reafirmou também que nunca praticou qualquer ato de corrupção e, desde sua diplomação como médico, há 39 anos, sempre fez atendimento no mesmo local e nunca cobrou consulta ou procedimento em todos esses anos. Com informações do site Política Livre

”Estou revendo um que filme já vimos”, diz Fernando Collor sobre o governo de Bolsonaro

/ Política

Collor diz que erros de Bolsonaro são primários. Foto: Reprodução

Ex-presidente da República, o senador Fernando Collor (PTC-AL) disse que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode sofrer um processo de impeachment, assim como aconteceu com ele em 1992, quando foi deposto do cargo. As declarações foram dadas à revista Veja.

”Estou revendo um filme que a gente já viu”, disse. Ele classificou os erros do chefe de Estado como ”primários”. ”Continuando do jeito que está, não vejo como este governo possa dar certo. São erros primários. Bolsonaro esteve na Câmara por 28 anos, viu como se forma um movimento numa casa em que o chefe do Executivo não dispõe de maioria”, opinou.

Collor comparou o tratamento de Bolsonaro ao PSL ao dele com o PRN à época. ”Vejo semelhança entre o tratamento que eu concedi ao PRN e o que ele está conferindo ao PSL. Em outubro de 1990, nós elegemos 41 deputados. O pessoal queria espaço no governo, o que é natural. Num almoço com a bancada, eu disse: ‘Vocês não precisam de ministério nenhum. Já têm o presidente da República’. Erro crasso. […] Logo no início, ele tinha que ter dado prioridade aos 53 deputados do PSL. E, a partir desse núcleo, construído a maioria para governar. Ele perdeu esse momento. Agora reúne a bancada para dizer que vai sair do partido? Erro crasso”, avaliou.

Dayane Pimentel volta a atacar Bolsonaro pelo Twitter; Alberto questiona ”Cadê Queiroz”

/ Política

Dayane e Alberto Pimentel criticam Bolsonaro. Foto: Divulgação

O secretário municipal do Trabalho, Esportes e Lazer de Salvador (Semtel), Alberto Pimentel, e sua esposa, a deputada federal Dayane Pimentel (PSL), voltaram a utilizar suas contas no Twitter para atacar o presidente Jair Bolsonaro.

As críticas começaram na última sexta-feira (15), após a deputada compartilhar uma matéria sobre a PGR ignorar lei e não responder sobre trabalho da Lava Jato. ”Lutei pela mudança. Cadê a zorra da mudança. Esquerda e Centrão nadando de braçadas no lamaçal que só suja o povo. Deus nos proteja”, disse.

Alberto se juntou a sua esposa e respondeu a postagem questionando a utilização do fundo partidário do PSL. O secretário da Semtel ainda aproveitou para perguntar por Queiroz. ”1 – Eduardo Bolsonaro gastou recentemente em um único dia 1 milhão de reais do fundo partidário do PSL. Alguma reclamação para fazer sobre isso? 2 – Porque tiraram o COAF de Moro? Quero Moro com autonomia! 3 – Cadê Queiroz?”

As críticas da parlamentar não passaram despercebidas pelos seus seguidores. Um eleitor chegou a indagar porque a deputada ficou fora da reunião que decidiu sobre a saída de Bolsonaro do partido. ”As críticas sempre existiram. Mas, depois que os erros se tornaram mais visíveis é inevitável falar. Não fui convidada e nem iria. Ficarei no PSL”, diz a deputada.

”Só contei 3% do que eu sei”, diz Bebbiano, que rebate acusação de Eduardo de ser desleal

/ Política

Bebiano respondeu críticas de Eduardo Bolsonaro. Foto: Estadão

Ex-ministro do governo Jair Bolsonaro, Gustavo Bebianno rebateu as críticas feitas por Eduardo Bolsonaro de que ele teria sido desleal. Eduardo disse que Bebianno ”pressionou para ser ministro, queria poder. Mas rapidamente ele caiu, pois ele seria o vazador oficial da presidência”.

”Só contei 3% do que eu sei. Meu objetivo não é destruir o governo, mas sim proteger o Brasil e sua democracia. Estou de olho o tempo todo no governo e na família Bolsonaro. Quero que o presidente pare de gerar crises, administre o país da melhor forma possível e conclua o seu mandato. É hora de os ânimos arrefecerem, em benefício do povo brasileiro. Não obstante, percebendo a existência de algo capaz de comprometer a nossa democracia, agirei”, retrucou Bebianno.

Euclides Fernandes defende maior segurança para os usuários dos terminais rodoviários e hidroviário

/ Política

Euclides Fernandes apresenta projeto na AL-BA. Foto: Divulgação

O deputado Euclides Fernandes (PDT) apresentou, na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei 23.649/2019, que dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de sistema de segurança, com detector de metais, nos terminais rodoviários e hidroviários de embarque e desembarque de passageiros, sob concessão pública, às empresas privadas localizadas no estado da Bahia.

No documento, Fernandes proíbe a criação ou majoração de tarifas de qualquer natureza dos passageiros para o aparelhamento do sistema de segurança. O legislador escreve que o PL visa reduzir os problemas de segurança enfrentados pelos cidadãos que utilizam este tipo de serviço.

De acordo com o pedetista, o sistema com detector de metais possibilita o gerenciamento do controle do fluxo de pessoas, proporcionando maior segurança a todos que transitam nos terminais.

Euclides Fernandes explica que, nos últimos meses, a Bahia constatou diversos ataques por meio de assaltos nos ônibus, inclusive com armas de fogo, causando inúmeros transtornos aos consumidores. Ele fala que o sistema de segurança deficiente coloca em risco a integridade física e a própria vida dos trabalhadores e clientes dos terminais de transporte, concluiu o parlamentar.

Projeto deverá passar pelas comissões de Constituição e Justiça; Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos; Saúde e Saneamento; Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviço Público; e Finanças, Orçamento, Fiscalização e Controle.

 

Morre aos 79 anos, em Salvador, Carlos Luiz Alencar, irmão do senador Otto Alencar

/ Política

Um dos irmãos do senador Otto Alencar (PSD), Carlos Luiz Mendonça de Alencar, morreu na noite desta quinta-feira (14) aos 79 anos. Em nota, o parlamentar lamentou a perda. ”Carlos Alencar cessa de viver aos 79 anos e deixa uma história de vida marcada por sentimentos de amizade, trabalho e solidariedade com todos aqueles que com ele conviveram”, diz o texto enviado pela assessoria de imprensa. O sepultamento será nesta sexta-feira (15), às 16h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Prefeito de Morro do Chapéu é denunciado ao MPE por irregularidades na compra de medicamentos

/ Política

Leonardo Dourado foi denunciado ao MPE. Foto: Reprodução

O Tribunal de Contas dos Municípios julgou, na sessão desta quinta-feira (14), parcialmente procedente denúncia contra o prefeito de Morro de Chápeu (BA), Leonardo Dourado Lima, em decorrência de irregularidades na contratação de empresa para fornecimento de medicamentos, nos exercícios de 2017 a 2019. A denúncia foi feita pelos vereadores do município, Aloyzia de Souza e André Costa.

De acordo com a denúncia – que posteriormente foi comprovada -, a prefeitura vem adquirindo medicamentos, desde 2017, de forma ilegal, sem procedimento licitatório, e de empresa cujos sócios são pessoas ligadas ao prefeito por laços de parentesco.

O Ministério Público de Contas, em seu pronunciamento, também opinou pela procedência parcial da denúncia, chamando atenção para o fato de existir outra denúncia contra o prefeito de Morro do Chapéu.

Esta trata da violação dos princípios constitucionais da moralidade e impessoalidade, em razão de nomeação de parentes da namorada/companheira para cargos administrativos na administração municipal. O prefeito foi multado em R$10 mil. A decisão ainda cabe recurso.

Indagado sobre jantar com Lula, Rui Costa afirma que é prematuro tratar de eleições 2022

/ Política

Rui Costa participa de homenagem a Lula. Foto: Vagner Souza/BNews

O governador Rui Costa (PT) tergiversou ao ser indagado sobre os assuntos tratados na reunião com o ex-presidente Lula, que desembarcou em Salvador na noite desta quarta-feira (13/11). Eles jantaram no Palácio de Ondina, casa do governador petista. Nesta quinta (14) pela manhã, o governador esteve presente no ato em homenagem à Lula no Campo Grande e na reunião da executiva do PT, que acontece no Wish Hotel da Bahia.

”Primeiro é uma alegria enorme ter o presente que contribuiu muito para melhorar a vida do brasileiro, expandir o ensino superior na Bahia, expandir o ensino técnico, mudou para melhor o nordeste brasileiro. É sempre bom tê-lo de volta e recebe-lo em casa”, disse, Rui, ao ser abordado pela imprensa no hotel, evitando falar sobre a pauta da reunião com Lula, conforme publicação do site BNews.

Questionado se seu nome perde força nas eleições de 2022, com a soltura de Lula, já que foi ventilado para concorrer à presidência, Rui mais uma vez se esquivou. ”Eu tenho dito para vocês que acho prematuro ficar falando de eleições de 2022, independente de nomes. Ano que vem temos que tratar das eleições municipais. Tem muita água para passar de baixo da ponte. É preciso reconstruir o Brasil e isso passa pelo município”, afirmou.

Indagado ainda se o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, vai se filiar ao PT, o governador afirmou que isso será tratado com dirigentes da sigla. ”Eu não posso falar de filiações do PT, o ideal é que os dirigentes do partido falem sobre isso. Não cabe a mim. Eu acho que a definição de nomes cabe a direção. Não vou ficar substituindo funções partidárias”.

É o primeiro ato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Salvador, na Bahia, após ser solto da prisão em Curutiba onde ficou por 580 dias. Manifestantes e apoiadores do ex-presidente se aglomeraram no local para prestar homenagens.

”Não sou gay e nem sei onde é que faz suruba”, diz deputado sobre ser vice de Bolsonaro

/ Política

O deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-RJ) respondeu a um grupo de ativistas que não é ”nem gay” e não sabe ”onde é que faz suruba”. Ele comentou a revelação feita pelo deputado Alexandre Frota (PSL-SP) sobre os motivos que levaram Jair Bolsonaro a vetar o príncipe, como é conhecido, para ser vice-presidente em sua eleições de 2018. Segundo o parlamentar, ”talvez isso até me ganhe vários pontos aí com a comunidade LGBT”.

No entanto, o material é falso. O deputado enviou a mensagem depois que a coluna da jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, publicou a informação de que, em uma reunião na terça (12) em que comunicou sua saída do PSL, Bolsonaro afirmou a um grupo de parlamentares do partido que deveria ter escolhido Orleans e Bragança, e não o general Hamilton Mourão, como seu vice.

Se for pela unidade, eu não vou faltar, diz Wagner sobre candidatura a governador

/ Política

Wagner comenta chance de ser candidato. Foto: Vagner Souza/BNews

Ex-governador e atual senador da República, Jaques Wagner (PT) não descartou disputar novamente o comando do Governo do Estado, na eleição de 2022, quando Rui Costa (PT), seu sucessor em 2014, deixará o posto.

No encontro da Executiva Nacional do PT, em Salvador, Wagner falou que ”não decidiu” sobre a eleição de 2022, por ”estar longe”. ”[Mas] se for a necessidade de unidade do grupo, eu não vou faltar”, falou.

Ele também pontuou que uma possível candidatura de Lula à Presidência fortaleceria os candidatos do PT no Nordeste. ”Se o presidente Lula vier a ser candidato em 2022, a chapa puxada por ele no Nordeste, seja quem for o candidato, ganha um peso significativo. Vamos esperar a caminhada”, falou.

”A condenação precisa cair para ele recuperar a condição de ser candidato. Não é necessariamente um desejo dele. Ele pensa como eu, que é preciso renovar”, acrescentou o senador.

Sobre a eleição de 2020, em Salvador, Wagner defendeu a candidatura de até três nomes da base do governo na capital baiana e afirmou que ”está mais do que na hora de Rui reunir o conselho político” para discutir a participação dos partidos nas 50 maiores cidades do estado.

”Não é verdade que candidato puxa voto para vereador, porque se você tiver um candidato fraco, no lugar de ajudar a chapa, atrapalha a chapa. Cabem até três candidatos, na minha opinião. Isidório é um nome, o PCdoB lançou o nome de Olívia [Santana]. Tem a questão de Bellintani, que poderia vir para um partido da base e ser candidato”, frisou Jaques, segundo publicação do site bahia.ba.

PSL afasta filhos do presidente Jair Bolsonaro de diretórios e analisa expulsão de Eduardo

/ Política

Eduardo Bolsonaro deve ser expulso do PSL. Foto: Reprodução

Em reação à desfiliação do presidente Jair Bolsonaro e ao anúncio de criação de um novo partido, a cúpula do PSL vai analisar, no próximo dia 26, cinco pedidos de expulsão do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) por infidelidade partidária. Dirigentes ligados ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), avaliam que ”há elementos suficientes” para que o filho de Bolsonaro perca o mandato parlamentar.

Eduardo pode ser o primeiro de uma lista de deputados que devem ser punidos por terem ficado ao lado de Bolsonaro na disputa pelo comando do PSL. Na última terça-feira, em reunião com um grupo de parlamentares no Palácio do Planalto, Bolsonaro anunciou que ele e o senador Flávio Bolsonaro (RJ) deixariam o partido para fundar uma nova sigla, batizada de Aliança pelo Brasil.

O PSL destituiu ontem os diretórios do Rio e de São Paulo e afastou Flávio e Eduardo do comando do partido no Estados. Uma série de medidas ainda serão tomadas para afastar a influência de Bolsonaro e sua família da legenda. O partido ainda vai tirar Eduardo da liderança da bancada na Câmara.

Bolsonaro e Flávio podem sair da legenda sem risco de perder o mandato, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) fixou entendimento, em 2015, segundo o qual a regra de fidelidade partidária só vale para cargos proporcionais, como vereadores e deputados. ”Eduardo é quem tem mais elementos para ser expulso do partido. Na próxima semana, o PSL se reúne para definir o futuro dele e de outros deputados que foram denunciados no Conselho de Ética”, afirmou Júnior Bozzella (PSL-SP), do grupo de Bivar.

Em agosto, o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) foi expulso do PSL após criticar Bolsonaro, mas o partido não reivindicou na Justiça o seu mandato. No acordo para que a punição não fosse tão drástica, o PSL também levou em conta o fato de que Frota se absteve no segundo turno de votação da reforma da Previdência.

Dois integrantes do Conselho de Ética do PSL ouvidos pelo Estado disseram que o caso de Eduardo não pode ser comparado ao de Frota, que, na visão deles, não foi ”infiel” à legenda. Para os bivaristas, Eduardo ”tramou” contra Bivar para destituí-lo do comando do PSL, pôs em xeque a prestação de contas do partido e incentivou a desfiliação ao anunciar a intenção de criar a Aliança pelo Brasil. A avaliação é a de que esses motivos seriam suficientes para o partido afastar Eduardo por infidelidade partidária e retomar o mandato.

“Eduardo é um dos principais atores dessa trama. É uma das situações mais graves para o Conselho de Ética avaliar”, afirmou o senador Major Olimpio (PSL-SP). ”Quem quiser sair que saia, mas o mandato é do partido. Não tem conversa”, disse a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), destituída em outubro por Bolsonaro da liderança do governo no Congresso.

A interlocutores, Eduardo tem dito que sua expulsão seria “a prova” de que sofre perseguição política no partido. Essa é a justificativa que ele e outros deputados pretendem apresentar para conseguir, na Justiça, manter os mandatos. A defesa do deputado vai argumentar que ele não cometeu infração ética, mas apenas externou críticas à alegada falta de transparência da legenda.

A legislação considera justa a saída do partido em apenas duas situações: mudança substancial ou ”desvio reiterado do programa partidário” e grave discriminação política pessoal. Uma outra possibilidade para a troca de sigla ocorre na janela partidária – período de 30 dias que ocorre sete meses antes de uma eleição.

Dos 53 deputados do PSL, 27 anunciaram que pretendem acompanhar Bolsonaro. Mas, ao contrário do presidente, que deve ficar sem partido até a Aliança pelo Brasil sair do papel, os bolsonaristas precisam permanecer no PSL e migrar apenas quando a nova sigla for aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Se anteciparem a saída, correm o risco de perder o mandato.

A equipe jurídica de Bolsonaro busca uma forma de permitir que a nova legenda fique com parte do Fundo Partidário destinado ao PSL. / Colaborou Rafael Moraes Moura, do Estadão Estadão