Ataque de João Roma a ACM Neto ”enterra” possibilidade de aliança, avaliam interlocutores

/ Política

Roma classifica evento de Neto como festinha. Foto: Divulgação

O primeiro grande ataque frontal do ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), ao ex-prefeito de Salvador e ex-aliado ACM Neto (DEM), ”enterrou” qualquer possibilidade de coligação. Essa, ao menos, é a avaliação de interlocutores do herdeiro carlista ouvidos pelo site BNews. Na véspera da convenção que marcou o lançamento da pré-candidatura do DEM ao Governo do Estado, Roma – que também trabalha para ser candidato – concedeu uma entrevista em que ironiza a dimensão do evento, classificando-o como uma ”festinha”.

”Foi o primeiro ataque ácido de João Roma. Conhecendo Neto, acredito que agora não há mais essa possibilidade [de aliança]”, declarou uma fonte da campanha para a reportagem. A fala do bolsonarista, inclusive, surpreendeu o campo democrata. Roma sempre foi considerado uma pessoa ”polida” e ”prudente”. O entendimento é que, para ele ter falado isso, é porque realmente acredita que não há mais possibilidade de uma reaproximação.

Antes dessa declaração, também havia pegado mal a fala da mulher do ministro, Roberta Roma, que chamou Neto de ”coronelzinho” por trabalhar nos bastidores contra a campanha do marido. O republicano vinha sinalizando publicamente que, para selar uma aliança com o DEM na Bahia, o ex-padrinho precisaria fazer um aceno maior ao presidente Jair Bolsonaro. Em coletiva de imprensa antes da convenção, contudo, ACM Neto afirmou que não vai aceitar interferência nacional na campanha. BNews

Presidente da Câmara de Ilhéus decidiu anular diárias concedidas a vereador e pede pra devolver dinheiro

/ Bahia, Política

Presidente da Câmara de Ilhéus, Jerbson. Foto: Câmara de Ilhéus

O presidente da Câmara de Vereadores de Ilhéus, Jerbson Moraes, decidiu anular a concessão das cinco diárias concedidas ao vereador Baiano do Amendoim (PSDB) e determinou a devolução dos valores.

Segundo o presidente, a concessão de diárias aos agentes da Câmara tem como finalidade custear as despesas com hospedagem, alimentação e deslocamento no local de destino, em casos de viagens oficiais, estudo ou serviços voltados ao interesse do município. Porém, o deslocamento do vereador baiano para participar do evento de lançamento da pré-candidatura de ACM Neto e encontro com o Presidente do PSBD/BA, o Deputado Adolfo Viana, não se enquadram nas situações citadas.

Após a devolução, o vereador deverá entregar na presidência o comprovante bancário da ação. Caso o ressarcimento não ocorra no tempo estimado, o vereador terá desconto em folha de pagamento.

A Súmula 473 do Supremo Tribunal Federal dispõe que ”A administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.

”Se tem alguém que sabe enfrentar a máquina sou eu”, diz ACM ao lançar pré-candidatura

/ Política

ACM lança pré-candidatura ao Governo. Foto: Reprodução

Em conversa com a imprensa durante o evento de lançamento de sua pré-candidatura ao governo da Bahia, nesta quinta-feira (2), ACM Neto (DEM) disse estar acostumado com o papel de oposição e o enfrentamento da máquina pública ao ser questionado sobre a possível disputa com o senador Jaques Wagner (PT) em 2022.

”Em relação a máquina do estado, se tem alguém na Bahia que sabe enfrentar a máquina sou eu, porque vou completar 16 anos na oposição, nunca cogitei mudar de lado. Segundo, em 2012 venci uma eleição para prefeito de Salvador e naquela oportunidade eu tive que enfrentar o governo do estado e o governo federal. Vocês sabem como foi a história daquela eleição. A minha preocupação tem que ser em estar conectado com as pessoas. E eu acredito que um estado como a Bahia, não tem máquina que compre a eleição, não com o tamanho do eleitorado que a gente tem”, respondeu o pré-candidato.

Em uma autoavaliação, ACM Neto diz que seu grupo político está fortalecido, com uma candidatura que já reúne apoios de prefeitos, ex-prefeitos e vereadores. “Dediquei meu tempo, em silêncio, a gente já mobilizou praticamente nosso time em quase todas 417 cidades da Bahia. É uma força que a oposição não vê na Bahia há muitos anos, e se não fosse possível em algum momento ganhar na oposição, Waldir Pires não teria sido eleito em 1986, ACM em 1990 e o próprio Jaques Wagner em 2006. A política e a vida são feitas de ciclos”, afirmou.

Em outro momento do bate-papo, ele rechaçou mais uma vez a possibilidade de influências externas afetarem o pleito na Bahia e chegou a dizer que ”quem vai resolver a eleição na Bahia são os baianos” (leia mais aqui).

No início da manhã desta quinta-feira (2), o Bahia Notícias divulgou uma pesquisa em parceria com o Instituto Paraná Pesquisas sobre o cenário eleitoral no estado. O democrata soma 54,8% das intenções de voto no estado. Já o senador Jaques Wagner, que já foi governador da Bahia por dois mandatos, aparece em segundo lugar com 23,1% (relembre aqui).

O lançamento ocorre no Centro de Convenções de Salvador, na Orla, na manhã desta quinta-feira (2), com presença de apoiadores e políticos. Com informações do site Bahia Notícias

PL pode indicar Kátia Bacelar como candidata a vice em chapa de João Roma em 2022

/ Política

Determinado a ajudar o bolsonarismo na Bahia, o PL já trabalha com a ideia de apresentar o nome da advogada Kátia Bacelar como candidata a vice numa eventual chapa de João Roma (Republicanos) ao governo.

Kátia é irmã do deputado federal Jonga Bacelar, que se tornou uma espécie de cacique extra-oficial da legenda na Bahia desde a filiação à sigla do presidente Jair Bolsonaro, ce cujos filhos se tornou muito próximo.

A montagem da chapa é um dos maiores problemas que Roma deverá enfrentar caso decida realmente concorrer em 2022, motivo, inclusive, de desconfianças quanto ao real interesse dele na disputa. As informações são do site Política Livre

Leão comenta redução de 1,2% no estoque de empregos na Bahia em 2020: Cenário está mudando

/ Política

João Leão é secretário de Planejamento. Foto: Ascom/Seplan

Apesar de ser o sétimo maior do país e o maior do Nordeste, o estoque de empregos formais da Bahia sofreu redução de 1,2% em 2020. O dado é da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), divulgada nesta quarta-feira (1°) pelo Ministério do Trabalho e Previdência (MTP) e sistematizado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria estadual do Planejamento (Seplan).

De Brasília, onde tratou de projetos para o desenvolvimento do estado com representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), o vice-governador João Leão, secretário do Planejamento, avaliou o resultado da RAIS.

”Nós vivemos um contexto sanitário mundial atípico durante todo esse período que impactou o estoque de empregos formais na Bahia, seguindo um movimento que se repetiu nos demais estados do país. O mais importante, entretanto, é que este cenário está mudando, como revelou o próprio resultado do Caged referente ao mês de outubro, quando a Bahia gerou mais de 12 mil postos de trabalho”.

Na agenda institucional no Distrito Federal, Leão saudou o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, que teve o nome aprovado pelo Senado, na noite de ontem, e vai assumir a embaixada do Brasil em Portugal. ”Estive com o ministro Raimundo Carneiro nesta quarta-feira, a quem desejo muita sorte nesta nova missão como embaixador do Brasil em Portugal e com quem tenho a certeza de que vamos contar para a organização das missões empresariais de Portugal para a Bahia”, revelou.

Patrick diz que pré-candidatura a deputado está fluindo e vai ouvir Cocá antes de qualquer decisão

/ Política

Patrick Lopes, prefeito reeleito de Jitaúna. Foto: Divulgação

Prefeito reeleito de Jitaúna, Patrick Lopes (PP), se articula para candidatar-se a deputado estadual em 2022 e demonstra estar otimista em relação ao novo projeto político.

Patrick é um dos nomes cogitados para representar o grupo liderado pelo presidente da UPB e prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP), de quem é amigo pessoal.

Ao Blogmarcosfrahm, o prefeito afirmou, por telefone, na noite desta segunda-feira (29), que a pré-candidatura está fluindo. ”Temos um mandato para ser cumprido, mas se for da vontade de Deus e das pessoas enfrentaremos uma nova empreitada e, caso esse projeto se concretize, Jitaúna ficará em boas mãos, com o nosso vice-prefeito Marcelo Pecorelli, que tem trabalhado em sintonia com a gente dia e noite para ajudar no desenvolvimento do município”, disse.

Ciente de que o padrinho e prefeito do município que é um dos maiores colégios eleitorais do interior teria outros nomes com a mesma pretensão, a exemplo do secretário de Governo Hassan Iossef (Podemos), Patrick diz ter os pés no chão e que não tomará decisão precipitada. ”Tenho humildade para reconhecer que o apoio de Zé Cocá é fundamental para qualquer um que queira ser candidato, diante da leveza dele e da musculatura que o nome representa em toda a região, mas tenho também não posso deixar de dizer que procuro construir minha história na política e que tenho relação com as pessoas das cidades vizinhas, inclusive de Jequié. Por onde tenho caminhado, percebo que os sinais em relação ao nosso nome são positivos. Antes de decidir sobre isso irei ouvir ele, que até agora não definiu qual será o seu candidato e acredito que na hora certa definirá”, pontuou.

 

”João sendo candidato a governador, serei candidata a deputada federal”, confirma Roberta Roma

/ Política

Roberta Roma é esposa do ministro João Roma. Foto: Divulgação

Roberta Roma, esposa do ministro da Cidadania, João Roma, afirmou que será candidata a deputada federal se a candidatura ao governo estadual do marido for confirmada. ”João sendo candidato a governador, serei candata a deputada federal”, disse Roberta, que participou, na manhã desta segunda-feira (29), em Salvador, de assinatura de contrato para aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Ao ser questionada pela imprensa sobre o início da pré-campanha, por estar em agendas ao lado do ministro João Roma por cidades baianas, ela salientou que não é um ”início de campanha”, mas algo natural. ”Não iniciou. Sempre fui, sempre acompanhei. É um processo natural isso daí”, pontuou.

Roberta Roma também não quis comentar as recentes declarações que deu, segundo quem o pré-candidato do DEM ao governo baiano e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, estaria buscando atrapalhar a candidatura dela e do marido. ”O que eu tinha que dizer, está dito. Reitero [o que foi publicado]. Está dito”, disse a pré-candidata. *Site Política Livre

João Leão nega acordo com ACM para disputar vaga no Senado em 2022: ”É fake news”

/ Política

Leão diz que é fake news a informação do Metrópoles. Foto: Rede social

O vice-governador João Leão (PP) categorizou como ”fake news” a informação de que tenha feito qualquer acordo com ACM Neto (DEM-UB) com o intuito de disputar uma vaga ao Senado no próximo ano na chapa do ex-prefeito de Salvador.

Leão, que também é secretário do Planejamento e presidente do Progressistas na Bahia, reforçou que segue apoiando o grupo político do governador Rui Costa e do senador Jaques Wagner.

”Temos transformado a Bahia juntos e, independentemente de quem, lá na frente, for ser o candidato à sucessão, queremos manter o time unido e trabalhando em prol da vida dos baianos e baianas”, afirmou.

”Reafirmo que sou pré-candidato a governador, mas dentro da base. Contudo, todo apoio é importante. Se Neto quiser nos apoiar, conversamos”, disse João Leão. As informações são do site Bahia Notícias

Mulher é detida após xingar Bolsonaro de filho da p… na via Dutra, em Resende (RJ)

/ Política

Mulher teria xingado Jair no Rio. Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

Uma mulher de 30 anos foi detida e levada à delegacia depois de xingar o presidente Jair Bolsonaro às margens da via Dutra no sábado (27), em Resende (RJ). Bolsonaro esteve na cidade para participar da cerimônia de formatura dos cadetes da Aman (Academia Militar das Agulhas Negras).

Antes do evento, estava com sua comitiva na Dutra, próximo à Aman, e acenava aos veículos que trafegavam pela rodovia que liga São Paulo ao Rio, as duas cidades mais populosas do país, quando foi xingado. A mulher, que era passageira do automóvel e não teve seu nome revelado, ”proferiu palavras de baixo calão e xingamentos”, segundo a polícia. O carro foi abordado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal).

No local, ela foi encaminhada à equipe da Polícia Federal que estava na Dutra e, de lá, levada para a delegacia da PF em Volta Redonda (RJ), distante cerca de 50 quilômetros, para o registro de um termo circunstanciado pelo crime de injúria.

A mulher não chegou a ficar presa e foi liberada depois de ter assumido o compromisso de que vai comparecer em juízo. A pena para o crime de injúria, se condenada, é de até três anos de reclusão e multa, conforme o artigo 140 do Código Penal, mas, no caso de ser cometido contra o presidente da República, é aumentada em um terço.

Depois, Bolsonaro esteve na formatura de 391 cadetes do quarto ano da Aman, onde se formou em 1977. Os cadetes se dividem entre infantaria, cavalaria, artilharia, engenharia, material bélico, intendência e comunicações. Pela primeira vez em 210 anos, conforme a Aman, houve a formatura de um grupo misto, com 23 mulheres.

Além de Bolsonaro, participaram da cerimônia o vice, Hamilton Mourão, e os ministros Braga Netto (Defesa), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência). Não foi a primeira vez que alguém foi detido por envolver o nome do presidente. Em março, em Uberlândia (MG), por exemplo, um homem foi preso por ter publicado em seu perfil no Twitter a frase: ”Gente, Bolsonaro em Udia [Uberlândia] amanhã…Alguém fecha virar herói nacional?”.

A Polícia Militar foi à sua casa no mesmo dia, à noite, dando voz de prisão a ele e avisando que ele teria que acompanhá-los à Polícia Federal. Foi preso até o dia seguinte com base na Lei de Segurança Nacional sob a acusação de ”fazer propaganda” e ”incitar” a prática de crimes contra a vida do presidente da República. O homem disse que a publicação era uma piada e nem sabia se Bolsonaro iria mesmo à cidade. O presidente visitou o município mineiro no dia.

*por Marcelo Toledo/Folhapress

Livre de Martinelli após desistência do ex-aliado, Zé Cocá deve lançar Hassan ou Patrick a deputado

/ Política

Zé Cocá deve lançar um de seus aliados a deputado. Foto: Divulgação

Adotando o silêncio desde a ruptura com o seu ex-aliado, o ex-prefeito de Jaguaquara, Giuliano Martinelli (PP), apoiador da sua candidatura à Assembleia Legislativa em 2018, quando foi eleito deputado estadual, o presidente da UPB e prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP), que já cogitava lançar um candidato a deputado para representar o seu grupo em 2022, ganhou um motivo a mais para lançar um correligionário na disputa por uma vaga na ALBA.

Com a desistência Martinelli, anunciada na sexta-feira (26), na rádio comunitária Jaguar FM, Cocá ficou mais perto de declarar o seu apoio a um de seus aliados mais próximos, Hassan Iossef (Podemos), secretario de Governo da Prefeitura de Jequié, ou Patrick Lopes (PP), prefeito reeleito da cidade de Jitaúna, no Médio Rio de Contas.

Hassan e Patrick travam batalha harmônica pela candidatura, mas nas entrelinhas demonstravam uma expectativa em função das reviravoltas que a política pode dar. Outro ponto fora da curva e que podia mexer com o tabuleiro: a possibilidade de o cacique do PP e padrinho político de todos, João Leão, conseguisse baixar a temperatura e reverter à situação, colocando Martinelli e Cocá tête-à-tête para aparar arestas.

Segundo fontes do Blog Marcos Frahm, tentativas não faltaram a Leão, mas todas fracassaram. Agora, a bola do jogo está nas mãos de Zé, que faz gestão bem—sucedida em Jequié e deverá anunciar o nome que lhe representará.

Há quem diga que ele demonstra simpatia pela pré-candidatura de Hassan e que a definição é só uma questão de tempo.

João Doria vence as prévias e será o pré-candidato do PSDB à Presidência da República

/ Política

Doria levou a melhor nas prévias do partido. Foto: PSDB

O governador de São Paulo João Doria levou a melhor nas prévias do PSDB que foram realizadas neste sábado (27). O tucano paulista teve 53,99% votos e com isso será o pré-candidato à Presidência da República do partido.

Apoiado pelo PSDB da Bahia, o governador do Rio Grande Sul, Eduardo Leite, ficou em segundo lugar com 44,66%. O ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, obteve 1,35% dos votos e ficou em terceiro.

O pleito de hoje foi marcado pela tentativa de invasões ao sistema de votação. Segundo a própria legenda, foram identificados mais de 26 mil ataques, todos vindos de fora do Brasil, o que fez com que fosse bloqueado o registro de votos dos filiados que estão no exterior.

No último domingo (21) a votação teve que ser suspensa por conta de ataques hackers que inviabilizaram a continuidade do pleito (lembre aqui).

Direção nacional do PP cogita lançar Leão ao Senado na chapa de ACM, um sonho de consumo da oposição

/ Política

Aliança de Leão com ACM é sonho da oposição. Foto: Rede social

A direção nacional do PP cogita lançar o vice-governador João Leão ao Senado na chapa do ex-prefeito de Salvador e provável candidato ao Governo da Bahia, ACM Neto (DEM/UB), nas eleições de 2022.

De acordo com a coluna de Guilherme Amado, do portal Metrópoles, reproduzida pelo site Bahia Notícias, a possibilidade é discutida em Brasília caso Rui Costa (PT), decida cumprir o mandato até o final, o que deve ocorrer. Neste caso, o PP poderia apoiar a candidatura de ACM Neto ao governo do estado e lançar Leão ao Senado, o que já é um sonho de consumo da oposição.

O vice já falou publicamente mais de uma vez sobre a sua vontade de concorrer ao governo, mas, até então, nunca se pronunciou sobre a saída dos progressistas da base do PT no estado.

O petistas planejam lançar o senador Jaques Wagner à sucessão de Rui Costa e Otto Alencar (PSD) deve concorrer à reeleição no Senado. Na provável composição da chapa governista, o PP ficaria novamente com a vice.

Em nível nacional, o PP deve caminhar com Bolsonaro, mas as alianças locais podem seguir ritmos próprios.

Decreto do prefeito de Camaçari exclui festejos públicos no município até março de 2022

/ Política

Decreto é assinado pelo prefeito Elinaldo. Foto: Prefeitura de Camaçari

Com o objetivo de conter o avanço da Covid-19, a Prefeitura de Camaçari, por meio do trabalho em conjunto e o compromisso firmado entre os municípios da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e o Governo do Estado, publica nesta quinta-feira (25/11), no Diário Oficial do Município (DOM) n.º 1.795, o Decreto n.º 7659/2021, que dispõe, especificamente, pela exclusão do calendário, os eventos públicos a serem realizados nos meses de dezembro de 2021 a março de 2022.

Conforme o documento, ficam cancelados os eventos públicos de comemoração ao Réveillon, Feira Pôr do Sol, além das tradicionais lavagens, que acontecem em Barra do Pojuca, Monte Gordo, Vila de Abrantes, Jauá e Arembepe. No entanto, mantém-se a possibilidade da realização de eventos privados, desde que sejam atendidas todas as medidas de prevenção exigidas pelas legislações Municipal e Estadual vigentes.

A medida se dá sobre as ações de combate à disseminação do coronavírus, conforme o Decreto n.º 20.897, de 24 de novembro de 2021, do Governo do Estado, a qual decorre da constatação do aumento do número de casos ativos e taxa de transmissão da Covid-19 na Bahia.

A nova determinação foi tema de reunião na tarde desta quinta-feira (25/11) entre o prefeito Elinaldo Araújo, o secretário e subsecretário da Saúde, Elias Natan e Luiz Duplat, respectivamente, além de dirigentes do corpo técnico da Secretaria da Saúde (Sesau).

Na ocasião, o gestor municipal pontuou que a administração municipal lamenta a adoção da medida de cancelamento dos referidos eventos. Mas destacou que, de forma preventiva, Camaçari trabalhará na perspectiva de salvar vidas e fortalecerá as ações para o retorno das comemorações do São João, em 2022. ”A batalha ainda não está vencida e Camaçari não andará na contramão das decisões do Estado. Vamos trabalhar em parceria, conforme solicitação do governador da Bahia, Rui Costa, no combate à Covid-19”, explicou o prefeito.

Ainda de acordo com Elinaldo, a determinação serve também como prevenção para manter o andamento crescente da economia no município sem que sejam necessárias a tomada de medidas mais duras, que culminem em um novo fechamento do setor.

Diante disso, Camaçari se antecipou e conforme o Decreto n.º 7599/2021 de 21 de agosto, tornou obrigatório a vacinação contra a Covid-19 na administração municipal, para os servidores diretos e indiretos. A medida visa garantir o adequado funcionamento dos serviços públicos em geral e de preservação da saúde pública.

O secretário Elias Natan falou que, seguramente, a atitude tomada pelo prefeito Elinaldo foi a mais acertada e que ele, numa postura inédita, saiu na frente e determinou a exclusão desses eventos públicos. ”Estamos acompanhando os índices e, em virtude do cenário epidemiológico do Estado, embora em nosso município exista uma estabilidade dos casos, o momento é de se ter muita observância às medidas sanitárias. O cenário ainda não propicia a flexibilização para aglomeração de pessoas, sobretudo, em festas públicas. A prefeitura está de parabéns por essa postura decisiva e necessária para preservar a vida das pessoas”, ressaltou.

Além disso, o município continua com plantões de vacinação na cidade para aplicação da primeira e segunda dose, assim como do reforço. A gestão segue com o apelo para que todos se vacinem, usem máscara e higienizem as mãos.

Ainda participaram da reunião, o secretário de Governo, José Gama Neves, e gestores de diversos departamento da Sesau, como da Diretoria da Vigilância à Saúde (Divisa), Alcione Vasconcelos, a diretora de Planejamento da Sesau, Tamy Fonseca, a responsável pela Diretoria de Atenção à Saúde, Elaine Teixeira, e o diretor Administrativo e Financeiro, Ramon Cruz.

Segunda Turma do STF derruba desbloqueio de bens de Lula em processos da Lava Jato

/ Política

Defesa de Lula pediu desbloqueio de bens. Foto: Ricardo Stuckert

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou nesta sexta-feira (26) os bloqueios de bens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tinham sido definidos em processos ligados à operação Lava Jato. O placar da votação foi 3 votos a 1. Relator, Edson Fachin votou por manter bloqueio, mas posição foi vencida.

De acordo com o G1, a decisão decorre da anulação, definida por Fachin em março, de todas as condenações de Lula na Lava Jato.

A defesa do ex-presidente havia pedido o desbloqueio das contas após os processos que tramitavam no Paraná sobre os casos do triplex, do sítio de Atibaia, das doações ao Instituto Lula e da sede do Instituto Lula terem sido enviados à Justiça do DF.

No julgamento, concluído nesta sexta, o ministro Fachin teve o voto vencido por 3 a 1 sobre a manutenção do bloqueio de bens do petista. Os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Nunes Marques votaram pelo desbloqueio dos ativos.