Após decisão do STF, Bolsonaro faz comparações com Lula: ”Puxem pela memória”

/ Política

Bolsonaro reage após decisão do STF. Foto: Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro comentou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em anular as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e mantê-lo elegível. Durante a live semanal na noite desta quinta-feira (15), o mandatário fez comparações entre o governo atual e o do petista, e ainda comparou a decisão do STF com um filme de faroeste.

”O que eu vi acontecer agora há pouco no Brasil, me lembrou do tempo de garoto quando assistia no cinema do seu Lelê, em Eldorado Paulista (SP), filme de cowboy. Então, o cara assaltava algo na Califórnia e começava a cavalgada, uma desembalada, correr em direção ao México. Uma vez transpondo a fronteira com o México, tava tudo resolvido e não podia mais ser preso. Alguns torciam para o bandido, outros torciam para a patrulha, mas aqui no Brasil parece que a mesma coisa acontece hoje em dia”, afirmou.

Para o presidente, o Brasil não quebrou ”no último ano”, mas ele irá resolver os problemas, apesar de não querer se intitular ”faxineiro” do país. ”Querem criticar meu governo, fiquem à vontade, mas puxem um pouquinho pela memória para ver como era no passado”, disse.

Ainda na live, Bolsonaro citou que, caso seja eleito, Lula poderá escolher mais dois ministros do STF. ”Não estamos começando aqui uma campanha para 2022. Mas, pela decisão do STF hoje, o Lula é candidato. Faça uma comparação dos ministros do Lula com os nossos ministros. E, se o Lula voltar, pelo voto direto, pelo voto auditável, tudo bem. Agora, veja qual vai ser o futuro do Brasil, o tipo de gente que ele vai trazer para dentro da presidência. Em março de 2023, três meses depois que ele porventura assumir a presidência, ele vai escolher mais dois ministros para o Supremo Tribunal Federal. Mais dois, tá ok, pessoal? Acho que a conclusão cabe a vocês”, pontuou.

”Eu não estou dizendo que sou candidato, nem que sou o melhor do mundo. Mas vamos ter umas eleições pela frente. Estão previstas eleições em 2022. O Lula vai ser candidato, vai estar lá. Tira eu combate para não Quem iria com o Lula para o segundo turno? É só fazer um raciocínio que vocês vão entender qual o futuro de cada um de vocês. Eu já tenho 66 anos de idade, até lá estou com 68, eu já estou no lucro. Estou mais para lá do que para cá, mas vejam qual futuro reserva pra vocês no Brasil, com o que está acontecendo e com esta decisão e hoje do STF anulando as condenações do Lula e tornando ele elegível”, finalizou.

”O PT não quer o impeachment de Bolsonaro, eles querem seguir estratégia do PSDB”, diz Kataguiri

/ Política

Kim Kataguiri, do DEM, provocou Jaques Wagner. Foto: Folha de SP

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) provocou o senador Jaques Wagner (PT-BA) nas redes sociais, nesta quinta-feira (15), após o petista declarar que o ”momento é inadequado” para a CPI da Covid. O democrata ainda comparou o PT ao PSDB durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

”O PT não quer o impeachment de Bolsonaro, eles querem seguir a mesma estratégia do PSDB em 2015: deixar o inimigo sangrar”, escreveu Kim em seu perfil no Instagram.

Apesar de demonstrar posição contrária a CPI da Covid, o senador apresentou notícia crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por atos durante a pandemia do novo coronavírus.

”As declarações do presidente sobre a pandemia provam que ele é um réu confesso. Por isso, apresentei uma notícia crime ao STF para que ele seja investigado, pois não tenho dúvida em afirmar que ele cometeu crime de responsabilidade contra a saúde pública do Brasil”, afirmou o petista em entrevista a TVE Bahia nesta semana.

PoderData: Em eventual 2º turno das eleições, Lula venceria Bolsonaro por 52% a 34%

/ Política

Luiz Inácio teria 52% das intenções de voto. Foto: Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria em uma eventual disputa no segundo turno das eleições contra o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido). Conforme a pesquisa DataPoder divulgada nesta quarta-feira (14), o petista teria 52% das intenções de voto, contra 34% do militar reformado.

O levantamento ainda mostrou que o presidente não ganharia de nenhum possível candidato com segurança no segundo turno, caso ele fosse realizado hoje. Além de Lula, Bolsonaro também perderia em um confronto direto contra o apresentador da TV Globo Luciano Huck (48% contra 35%).

Quando analisados outros cenários, o atual presidente ficaria em situação de empate técnico com três possíveis candidatos: João Doria (PSDB): 38% contra 37%; Sergio Moro (sem partido): 38% contra 37%; e Ciro Gomes (PDT): 38% contra 38%.

A pesquisa ouviu 3.500 pessoas em todo o país, entre os dias 12 e 14 de abril. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos.

Esposa do ministro João Roma diz que está ”decepcionada” com ACM; ”algo indescritível”

/ Política

Ministro e ex-prefeito de Salvador estão rompidos. Foto: Rede social

A administradora de empresas Roberta Roma, esposa do ministro da Cidadania João Roma (PRB), disse que está “decepcionada”, com o ex-prefeito de Salvador e presidente do Democratas ACM Neto, que rompeu com seu marido, após ele ter aceitado o convite do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir a pasta.

”Prefiro não me posicionar sobre esse tema, pois tínhamos uma relação pessoal de mais de 20 anos. Fui testemunha da dedicação de João a Neto durante todo esse tempo. A decepção que senti depois da declaração dada, após a nomeação, foi algo indescritível. Mas agora é bola pra frente e vida que segue’, disse Roberta em entrevista para o jornal Tribuna da Bahia.

Em fevereiro, logo após Roma ter assumido o Ministério, Neto classificou a escolha do antigo aliado como ”lamentável e que desconsidera uma relação de amizade de anos entre os dois.

Em coletiva virtual de imprensa realizada na última sexta-feira (9), o democrata assegurou que sua relação com Roma é ”um assunto superado” e que não irá falar ”mais nada a respeito”.

Em litígio com ACM, Bolsonaro planeja assegurar protagonismo político a Roma na Bahia

/ Política

Roma no ato de posse no ministério da Cidadania. Foto: Blog do Planalto

Para prefeitos e outros aliados, não há mais dúvidas de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por causa do litígio com o ex-prefeito ACM Neto (DEM), planeja assegurar, da maneira que puder, o máximo protagonismo político ao ministro da Cidadania, João Roma, na Bahia.

Em evento recente no interior, um deles relata ter ouvido, pelo viva voz, o exato momento em que o presidente ligou para o ministro e lhe disse textualmente: – Estou dizendo, pô. Quero que você tome conta das obras federais na Bahia! A fisionomia de Roma se abriu.

O relato casa com outro relacionado a visita recente que o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), teve em Brasília com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para tratar do tema mais importante hoje da agenda de qualquer gestor municipal.

Circula em Brasília que, ao tomar conhecimento de que o encontro ocorrera, Bolsonaro passou a mão no telefone e recomendou, em tom impositivo, que Queiroga só voltasse a tratar de qualquer assunto relacionado à Bahia e a Salvador na presença de Roma. Com informações do Política Livre

ACM rompe com governador de São Paulo, João Doria, após Doria tirar o vice do DEM, diz coluna

/ Política

Coluna da Veja aponta racha entre Neto e Doria. Foto: Reprodução

O presidente nacional do Democratas, ACM Neto (DEM), rompeu politicamente com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), segundo a coluna Radar, da revista Veja.

De acordo com a publicação, o rompimento aconteceu após Doria tirar seu vice, Rodrigo Garcia, do partido comandado por ACM Neto. Em conversas recentes com aliados, Neto teria dito que topa dialogar sobre 2022 até com o gaúcho Eduardo Leite no PSDB, mas não com Doria.

 

Nome do PSD para CPI do Covid, Otto concorda com comissão, mas critica decisão de ministro do STF

/ Política

Otto Alencar deve compor CPI no Senado. Foto: Alessandro Dantas

Presidente do PSD na Bahia, o senador Otto Alencar deve ser o nome do seu partido a compor a Comissão de Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a atuação do governo federal durante a pandemia causada pelo coronavírus.

Apesar de ter assinado a criação do CPI, Otto discorda com a forma que ela foi instalada — a partir da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso.

”Ele (Barroso) quis dar um tapa no Senado, no colegiado como um todo. Quando ele foi indicado para ter o voto dos senadores, ele não faria isso. Não foi uma decisão jurídica, foi uma decisão política”, afirmou Otto Alencar ao Estadão.

Otto ainda criticou o fato da comissão se reunir presencialmente. ”O Senado é um verdadeiro covidário. Sou favorável à CPI, quando houver condições sanitárias. Barroso entraria numa sala fechada, com risco de vida, para uma oitiva?”, questionou.

Após decisão de Barroso, Pacheco instala CPI da Covid-19, mas a avalia como ‘inapropriada’

/ Política

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso determinou ontem (8) que uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 seja criada pelo Senado.

A decisão atendeu ao pedido de senadores feito no dia 15 de janeiro. “Defiro o pedido liminar para determinar ao presidente do Senado Federal a adoção das providências necessárias à criação e instalação de comissão parlamentar de inquérito”, escreveu Barroso.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou, no dia da decisão, que vai instalar a CPI da Covid, mas disse que não concorda com Barroso. “A CPI poderá ser um papel de antecipação de discussão político-eleitoral de 2022, de palanque político, que é absolutamente inapropriado para este momento da nação”, declarou Pacheco. Com informações do site Metro1.

”Pega o telefone vermelho e liga, faça chegar a vacina”, diz Rui Costa ao presidente Bolsonaro

/ Política

Rui Costa dispara contra Jair Bolsonaro. Foto: Mateus Pereira

O governador Rui Costa (PT) comentou sobre a ligação feita por Jair Bolsonaro (sem partido) ao presidente da Rússia, Vladmir Putin, nesta terça-feira (6) para tratar sobre a possibilidade do Brasil produzir a vacina Sputnik V. A compra do imunizante foi negociada pelo Governo da Bahia em dezembro do ano passado, mas até o momento a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autorizou a importação.

”Eles disseram que a bandeira nunca ia ser vermelha, não foi isso? Eu não tenho problema com isso. Em dezembro, quando eu fiz o contrato eu disponibilizei para o ministério [da Saúde] 50 milhões de doses. E hoje que ele resolve ligar para o presidente da Rússia para falar de Sputnik. Depois de morrerem tantos brasileiros”, afirmou durante o ‘Papo Correria’.

Rui Costa ponderou ainda que não vê problema em Bolsonaro procurar o governo russo, pois não está ”disputando a autoria” da compra do imunizante, no entanto, ironizou a atual ‘corrida’ federal para a compra de vacinas.

“Eu estou batalhando por essa vacina e por outras vacinas desde o ano passado. Se dependesse de mim, eu teria comprado em setembro a da Pfizer, que ofereceu 70 milhões de doses para o Brasil”, pontuou.

”Não tem problema nenhum, ligue. Aproveita e liga para Rússia de um telefone vermelho, já que tudo para eles é ideologia, não é vida humana, não é saúde, pega o telefone vermelho e liga para a Rússia, para falar com o presidente russo, mas faça chegar a vacina. Aproveita a onda e ligue para o presidente chinês também. Pede desculpas pelas agressões que fez à China e pede também vacinas da China para acelerar a vacinação no Brasil”, completou. *bahia.ba

”Desde o dia que aceitei o convite não nos encontramos mais”, diz Roma sobre ACM

/ Política

Roma assumiu Ministério da Cidadania. Foto: Isac Nóbrega

O ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), afirmou, nesta segunda-feira (5), que não mantém mais contato com o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), após sua ida para o governo Bolsonaro. As informações são do site Acorda Cidade.

”De fato, ele não concordou com minha ida ao ministério através do meu partido Republicano, por estarmos apoiando o governo de Bolsonaro. Ele [ACM Neto] tem mantido uma postura crítica com relação ao governo do presidente, portanto, desde o dia que aceitei o convite não nos encontramos mais”, disse.

O ministro João Roma esteve presente na inauguração da Fábrica de Calçados em Bravo, distrito do município de Serra Preta.

Neto, que também é presidente nacional do DEM, criticou publicamente a ida de Roma ao governo Bolsonaro, já que isso reforça o discurso da oposição de que o ex-prefeito é aliado de Bolsonaro.

XP-Ipespe: Pesquisa mostra Lula à frente de Bolsonaro, com 29% das intenções de voto

/ Política

Sergio Moro e Ciro vem logo atrás, com 9% cada. Foto: Facebook

Uma pesquisa realizada pela XP-Ipespe e divulgada nesta segunda-feira (5) pela coluna Radar, da revista Veja, mostrou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece na frente de Jair Bolsonaro (sem partido) em uma eventual disputa pela presidência no ano que vem.

Conforme o levantamento, o petista aparece com 29% das intenções de voto, enquanto o atual presidente tem 28%. Ainda conforme a pesquisa, Sergio Moro e Ciro Gomes apareceram logo atrás, com 9% cada. O mesmo estudo foi feito no início de março e Lula tinha 25%, e Bolsonaro, 27%.

Quando se considerado o segundo turno, Lula também apareceu à frente do atual chefe do Executivo, com 42% contra 38%. Em março, Bolsonaro ficou com 41%, enquanto Lula tinha 40% das intenções de voto.

Nos cenários em que o presidente disputa com Moro e Ciro Gomes a pesquisa apontou empate, 30% no caso do ex-ministro da Justiça, e 38%, no caso do ex-presidenciável.

O levantamento foi realizado entre os dias 29 e 31 de março e ouviu mil pessoas em todo o país. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

ACM Neto ainda acredita em aliança com PP em 2022 para disputar o Governo da Bahia

/ Política

Neto sonha em aliança com PP de João Leão. Foto: BMFrahm

O ex-prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto, ainda não descarta a possibilidade de ter o PP, partido liderado na Bahia pelo vice-governador João Leão, como aliado nas eleições de 2022.

Segundo o jornal Tribuna da Bahia, quando questionado sobre o apoio dos progressistas à sua candidatura ao Governo do Estado ele teria respondido ”poder pode”. Nos últimos meses, após os democratas endossarem candidatura do deputado estadual Niltinho (PP) para a presidência da Assembleia Legislativa e apoiarem o prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP), na disputa pela União dos Municípios da Bahia (UPB), aumentaram as especulações de aliança entre as legendas.

Ainda de acordo com a publicação, há a especulação inclusive de que a oposição baiana gostaria de ter o deputado federal Cacá Leão (PP) como postulante ao Senado na virtual chapa de ACM Neto ao Palácio de Ondina. Questionado sobre o assunto, o parlamentar despistou e garantiu o que o foco agora é o ”projeto é Leão governador”. Já Zé Cocá deixou claro em entrevista recente que ”a chapa ideal é Jaques Wagner (governador) e Otto Alencar (vice), e o nosso senador Cacá Leão”.

Um interlocutor do ex-prefeito de Salvador disse ao jornal que a chapa da oposição deve ser montada com os atuais partidos do grupo, com a composição formada pelo DEM-Republicanos-PDT. Neste cenário, o deputado federal Márcio Marinho seria o postulante a vice-governador, já o PDT ficaria com a vaga de senador. Na semana passada, surgiu a especulação de que o presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani, pode se filiar à sigla de centro-esquerda e compor a majoritária.

Pesquisa revela que ACM lidera disputa pelo Governo; mesmo instituto diz que Lula venceria, e Rui senador

/ Política

ACM lidera pesquisa do Instituto Paraná. Foto: bahia.ba

Desde quinta-feira (25) que aliados do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), comemoram uma pesquisa realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas, em parceria com o site Bahia Notícias, em que presidente nacional do DEM foi testado em um cenário com até sete nomes e também em uma disputa direta com o ex-governador Jaques Wagner (PT) em 2022. Conforme a pesquisa, ACM Neto tem percentual de intenções de voto entre 49,3% e 56,5% na corrida para governador.

O primeiro cenário testado foi pulverizado, trazendo também nomes como o senador Otto Alencar (PSD) e o vice-governador João Leão (PP), dois caciques partidários e que eventualmente podem disputar o Palácio de Ondina. A publicação diz que ex-prefeito de Salvador tem 49,3%, enquanto Wagner tem menos que a metade, 21,4%.

Contudo, o mesmo instituto aponta vitória do governador Rui Costa, do mesmo partido de Wagner, caso o chefe do Executivo estadual fosse candidato a senador. O Paraná diz que Rui lidera as intenções de voto para a única vaga disponível para o Senado em 2022. O petista tem cinco vezes mais intenções de votos do que o segundo na corrida, o atual senador Otto Alencar (PSD), que deve ser candidato à reeleição. O petista, todavia, teria garantido a aliados que não pretende disputar uma cadeira no Senado no próximo ano.

O levantamento mostra também que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o atual governador da Bahia venceriam Jair Bolsonaro (sem partido) no Estado em uma disputa para a presidência da República. O atual chefe de estado brasileiro só lidera as intenções de voto no cenário em que o candidato petista é o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

A postagem revela que no primeiro cenário testado pelo instituto, Lula registrou 40,4% das intenções de voto no estado. O petista é seguido de longe por Bolsonaro, com 24,7%. Todos os outros possíveis candidatos à presidência ficaram abaixo de 10%: o ex-deputado Ciro Gomes (7,5%), o apresentador de televisão Luciano Huck (3,9%), o ex-juiz Sérgio Moro (3,4%), o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (2,4%), o empresário João Amoêdo (1,8%) e o atual governador paulista João Dória (1,7%).

O instituto ainda testou um terceiro cenário, incluindo Rui Costa como candidato do PT. Nesse caso, líder baiano lidera com 28,5%, empatado tecnicamente com Bolsonaro, que chegou a 25%. O cearense Ciro Gomes alcança 11,3%, ficando em terceiro lugar. Completam a lista Huck (5,6%), Moro (3,7%), Mandetta (2,7%), Boulos (2,2%), Dória (2,1%) e Amoêdo (1,7%).

Após reunião com Lira, Jair Bolsonaro ameniza: ‘Não tem problema nenhum entre nós’

/ Política

O presidente Jair Bolsonaro disse, hoje (25), que ”não tem problema nenhum” entre ele o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

”Nunca teve nada errado entre nós. Sou um velho amigo de parlamento, torci por ele e o governo continua tudo normal”, afirmou Bolsonaro a jornalistas após reunião com Lira no Palácio do Planalto, em Brasília. O encontro não estava na agenda oficial de Bolsonaro.

Na quarta-feira (24), em discurso, Lira afirmou que os ‘remédios políticos” no Congresso contra a ‘espiral de erros” no combate à pandemia são ‘conhecidos”, ”amargos” e alguns, ”fatais”. Ele não mencionou eventual processo de impeachment do presidente. Com informações do Metro1.