Ministro extraordinário da transição, Onyx refere-se a Bebbiano como ”futuro ministro” de Bolsonaro

/ Política

Onyx Lorenzoni cuida da transição de governo. Foto: Estadão
O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, já confirmado para a Casa Civil no governo de Jair Bolsonaro, referiu-se a Gustavo Bebianno, ex-presidente do PSL, como cotado para assumir a Secretaria-Geral da Presidência da República. Os dois estiveram reunidos nesta segunda-feira (12) na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). ”Ainda hoje, junto com o futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, fomos à casa do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, do DEM [do Rio de Janeiro], conversamos sobre o cenário atual, sobre o cenário futuro, e apresentamos como vai ser a condição de avaliar como pretendemos trabalhar com a Câmara dos Deputados.” Questionado se o nome de Bebianno estava sendo anunciado oficialmente, Onyx disse que expressou o ”desejo de ver alguém que foi importante na campanha e quem tem todas as condições, participar [do governo]”. Porém, ressaltou que a definição está nas mãos do presidente eleito.

Ex-ministro de Dilma, Joaquim Levy aceitou convite para presidir BNDES, diz assessoria de Paulo Guedes

/ Política

Joaquim deve ingressar no Governo Bolsonaro. Foto: Reprodução

A assessoria de imprensa do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, informou nesta segunda-feira, que o economista Joaquim Levy aceitou o convite e será indicado para presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). ”Com extensa experiência em gestão pública, PhD em economia pela Universidade de Chicago, Joaquim Levy deixa a diretoria financeira do Banco Mundial para integrar a equipe econômica do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro”, diz a nota. A informação de que Levy seria indicado para a presidência do BNDES foi antecipada no domingo pela colunista Sônia Racy, que informou que o ex-ministro da Fazenda do governo Dilma Rousseff já estaria esvaziando suas gavetas na sede do Banco Mundial para se mudar para o Rio e substituir Dyogo Oliveira no comando do banco de fomento.

Deputado federal do DEM é cotado para ser ministro da Saúde, diz Jair Bolsonaro

/ Política

Luiz Henrique Mandetta se reuniu com Bolsonaro. Foto: Divulgação

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta segunda (12) que está examinando o nome do deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para assumir o Ministério da Saúde. Mandetta é ortopedista pediátrico, não se candidatou novamente e portanto ficará sem mandato no próximo ano. Ele se reuniu de manhã com Bolsonaro e conversaram sobre a possibilidade de assumir a pasta. Segundo Bolsonaro, Mandetta, de 53 anos, se for nomeado para a Saúde terá missões específicas. ”Tem que tapar os ralos”, afirmou. ”Queremos facilitar a vida do cidadão e economizar recursos”, acrescentou o presidente eleito, em defesa da implantação do prontuário eletrônico. ”Não temos como falar em investir mais em saúde porque estamos no limite em todas as áreas.” O presidente eleito conversou com a imprensa ao sair de sua casa, na Barra da Tijuca, para novamente ir à agência do Banco do Brasil sacar dinheiro. Foi a terceira vez que Bolsonaro saiu nos últimos dias para ir ao banco.

Pode, Arnaldo? Ba-Vi deste domingo será último jogo do comentarista no Campeonato Brasileiro

/ Política

Arnaldo Cézar Coelho vai comentar o Ba-Vi. Foto: Divulgação

O duelo entre Vitória e Bahia, às 16h deste domingo (11) será em clima de despedida. Isso porque o clássico marcará o último jogo do Brasileirão comentado por Arnaldo Cezar Coelho. ”Quando recebi o convite, achei muito significativo”, disse o carioca, em participação no BaTV, da TV Bahia. “Espero que o Ba-Vi seja de respeito, que os jogadores sirvam de exemplo para as crianças”, seguiu. Arnaldo já havia anunciado sua aposentadoria após o fim da partida final da Copa do Mundo 2018. Parceiro de Galvão Bueno em transmissões há mais de 30 anos, ele ainda tinha contrato com a Globo pelo menos até dezembro – e, por isso, seguiu na equipe da emissora. Na época, o comentarista falou: ”A vida da gente é feita de fases. Eu tive a minha como árbitro de futebol, cheguei a apitar uma final (de Copa, a de 1982, entre Alemanha e Itália), que é o grande momento da vida de um árbitro. Eu tive minha fase como comentarista em todas as Copas do Mundo que você (Galvão) esteve comigo. E quero dizer que está chegando ao fim essa fase”. Ele seguiu: ”tenho novos projetos, a Rede Globo está de portas abertas, eu sei disso, mas quero descansar um pouco, porque é realmente uma vida fatigante. Quero me dedicar um pouco à família e aos meus negócios também”.

”Brasil deu o maior cheque em branco da sua história”, diz ACM Neto sobre Jair Bolsonaro

/ Política

Prefeito ACM Neto palestra em Nova York. Foto: Divulgação

O Brasil deu o maior cheque em branco de sua história ao eleger Jair Bolsonaro como seu próximo presidente, afirmou nesta sexta-feira (9) o prefeito de Salvador, ACM Neto, em Nova York. Ele falou sobre sua administração na capital baiana a empresários, políticos e outras personalidades brasileiras e americanas na Brazilian-American Chamber of Commerce. ”O Brasil deu o maior cheque em branco da sua história para alguém nessa eleição de 2018”, disse ACM Neto, presidente nacional do DEM. ”Nunca um presidente teve um cheque em branco tão grande quanto o Bolsonaro tem.” Durante a campanha, afirmou ACM Neto, não houve preocupação em aprofundar o pensamento dos candidatos. ”Ninguém estava nem aí para discutir educação, saúde, infraestrutura. Nada.” Só agora, após a votação e com a formação dos ministérios, será possível saber o que o novo governo pensa e se propõe a fazer, complementou. Ele afirmou ainda que a participação do partido na administração de Bolsonaro vai depender dessas propostas. ”Nossa participação do governo não está vinculada a cargos, está vinculada exclusivamente à agenda que o governo terá para o país”, ressaltou. ”Mas a decisão não foi tomada ainda”. Até agora, o presidente eleito escolheu dois nomes da legenda para compor seus ministérios: Onyx Lorenzoni (DEM-RS), para a Casa Civil; e Tereza Cristina (DEM-MS), para a Agricultura. ”Não são indicações do Democratas. São quadros qualificadíssimos, que nos orgulham”, afirmou. Ele avalia as primeiras composições do governo anunciadas até o momento como ‘coerentes e acertadas”. “Não que tenham acertado em tudo, mas acertaram mais do que erraram até agora.” ACM Neto diz ter conversado com Paulo Guedes, que deve ser ministro da Economia de Bolsonaro, e discutido a agenda econômica e social do futuro governo. ”No caso da Previdência, eu tenho defendido que seja uma reforma que alcance os três entes da Federação: a União, os estados e municípios. Porque a situação dos estados e municípios é tão ruim e tão duras quanto é a do governo federal”, ressaltou.

O prefeito de Salvador defendeu ainda que se vote qualquer parte da reforma da Previdência neste ano, mesmo que, em 2019, sejam feitas mudanças maiores. Criticou, porém, declarações de Guedes, sem citar o futuro ministro, sobre dar uma ”prensa” no Congresso para aprovar a Previdência. ”Na prática, não funciona assim. É bom que haja uma crescente pressão popular, mas essa pressão popular bate, faz efeito, mas nem sempre ela decide o posicionamento do parlamentar. Então tem que ter política, tem que ter conversa, tem que ter construção”, ressaltou. O político afirmou ainda que o governo Bolsonaro vai ter que ter muito cuidado com a eleição da Presidência da Câmara e do Senado, em fevereiro. ‘Isso vai fazer toda a diferença”, disse, lembrando que os dois precisam estar comprometidos em ajudar o presidente eleito a passar sua agenda. Para ACM Neto, Bolsonaro tem a oportunidade de mostrar que consegue estruturar políticas sociais mais modernas que a dos governos petistas e conquistar os eleitores do Nordeste, ”pegando os mais pobres e tirando da pobreza, não deixando-os sempre reféns da pobreza, como talvez tenha sido a lógica do PT.”

Presidente eleito, Bolsonaro diz que tentará aparar universidades e critica centros acadêmicos

/ Política

Bolsonaro critica centros acadêmicos. Foto: Agência Senado

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que tentará ”aparar” as universidades, em uma crítica ao estado dos centros acadêmicos. Na mesma transmissão, ele também criticou o Enem e afirmou que quer ver a prova antes de sua próxima aplicação, no ano que vem. Bolsonaro fez um pronunciamento ao vivo em sua página no Facebook. ”As universidades aqui, pelo amor de Deus, uma parte considerável delas é dinheiro jogado fora. Olha o centro acadêmico, é tanta besteira que a gente vê, tem que ir à UnB em Brasília, fui lá em Santa Catarina, o cara… maconha, era camisinha, preservativo no chão, cachaça na geladeira, tudo pichado, parecia um ninho de rato”, criticou. Bolsonaro afirmou que mudar este cenário será ”difícil”. ”Vamos querer aparar as universidades, (vão) me chamar de homofóbico, fascista, ditador… A gente vai tentar mudar isso aí, porque o brasileiro, a maioria do brasileiro que votou em mim, não quer mais isso e ponto final. Eu também não quero isso”, contou.

Com Moema na disputa, Eures teria preferência para reeleição na UPB, avalia presidente do PT

/ Política

Mandato de Eures na UPB encerra em dezembro. Foto: Divulgação

Como de costume, o PT deve buscar uma candidatura única na base do governador Rui Costa para disputar a presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB). Com a petista Moema Gramacho (PT) com o nome apresentado para a eleição, o atual presidente, o prefeito Eures Ribeiro (PSD), deve ter a preferência da base para ser o candidato, caso escolha ser reconduzido ao cargo. ”É natural se Eures Ribeiro quiser manter a candidatura. Ele fez um ótimo trabalho. Vamos caminhar junto com ele pela melhor estratégia, caso ele queira continuar no projeto”, comentou Everaldo Anunciação, presidente do PT na Bahia, conforme o site Bahia Notícias. O prefeito de Bom Jesus da Lapa ainda não decidiu se concorrerá a um novo mandato na instituição.  Na disputa entre Moema e Eures, o PT deve manter a estratégia de decidir coletivamente um único nome para o pleito. O plano também deverá ser replicado, se depender do PT, nas disputas do comando da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). ”É legítimo que os partidos da base busquem o que querem, mas sairemos com uma decisão fechada. Nossa tradição é sentir a visão dos partidos e procurar quem mais tem apoio dos pares para lançar”, garantiu Everaldo.

Conquista: Vereador alvo de operação da Polícia Federal volta ao cargo após decisão do TRE

/ Política

Rodrigo Moreira teve os bens bloqueados. Foto: Divulgação

Alvo da Operação Condotieri, da Polícia Federal, o vereador de Vitória da Conquista, no sudoeste, Rodrigo Moreira, foi beneficiado por um habeas corpus e deve retornar ao cargo. A decisão, do desembargador Jatahy Júnior, foi publicada nesta sexta-feira (9) no Diário Eletrônico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA). Mesmo sendo beneficiado pelo habeas corpus, o vereador não conseguiu anular outras decisões. Assim, continuam em vigor o bloqueio de bens dele e a proibição de acessar repartições públicas, a exceção da Câmara onde retornará ao cargo. O edil foi afastado da Câmara local após ação da PF em 30 de agosto passado. Segundo a investigação, Moreira então candidato em 2016 teria oferecido emprego no novo presídio de Vitória da Conquista a eleitores da cidade. À época, o presídio estava prestes a ser inaugurado. Com informações do site Bahia Notícias

Aliados de Jair Bolsonaro sugerem porta-voz contra discurso ”desconexo e improvisado”

/ Política

Porta-voz de Jair seria para evitar ruídos. Foto: Reprodução

Aliados de Jair Bolsonaro (PSL) defendem que o presidente eleito nomeie um porta-voz a fim de evitar ruídos na apresentação dos seus planos. Segundo informações da coluna Painel, da Folha, dirigentes de partidos alinhados ao capitão da reserva e ministros recém-nomeados expressaram preocupação com a questão. Para um cacique do DEM, o novo governo não conseguirá viabilizar seus projetos no Congresso se ficar limitado à estratégia de comunicação atual, centrada nas redes sociais, sem buscar diálogo mais consistente com os líderes partidários. Desencontros entre o próprio Bolsonaro e seu futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e manifestações dos filhos do capitão reformado criaram a impressão de que o discurso do novo governo é desconexo e improvisado, dizem esses auxiliares.

Salvador sem prefeito? ACM Neto, Bruno Reis e Leo Prates viajam simultaneamente para o exterior

/ Política

ACM e Bruno Reis deixam a capital baiana. Foto: Bocão News
A cidade de Salvador está ”sem prefeito”. Conforme o site Bocão News, o gestor soteropolitano, ACM Neto (DEM), embarcou para uma viagem as Estados Unidos. Agora, chega a informação de que os dois líderes da linha sucessória, o vice Bruno Reis e o o presidente da Câmara Municipal Leo Prates (DEM), também resolveram deixar a cidade. O primeiro foi para Londres e o segundo, para a Disney. Em contato com o BNews, Pacheco Maia, da Secretaria de Comunicação do Município, informa que o prefeito está em missão oficial no exterior e que ficará fora dentro do período permitido pela legislação. ”Não existe nenhuma exigência legal de ter sucessor na ausência do mandatário por até 15 dias. O prefeito não vai passar esse período fora. Ele está em missão oficial pela prefeitura”, justifica. Indagado pela reportagem do site sobre quem responderia caso, em tese, ocorresse alguma catástrofe na cidade, Maia explica: ”Não vai acontecer catástrofe, mas tem os secretários que estão aí. E outra coisa: no mundo tecnológico, você pode se comunicar à distância”.

Presidente do PSL na Bahia cogita candidatura à prefeitura de Feira de Santana

/ Política

Dayane é a principal aliada de Bolsonaro na Bahia. Foto: Reprodução

A deputada federal eleita e presidente do PSL na Bahia, Dayane Pimentel, cogita se candidatar à prefeitura de Feira de Santana,  segundo informações da assessoria de comunicação da futura parlamentar, publicadas pelo site bahia.ba. Para Dayane, a especulação em torno do seu nome ”reflete a vontade de mudança do povo brasileiro que levou o capitão da reserva à presidência da república e que a população de Feira continua a manifestar”. ”Fui eleita para legislar pelo povo brasileiro em Brasília e concorrer em 2020 não estava nos planos. Porém, não posso fechar os olhos para a vontade do povo da minha cidade que deu expressiva votação a mim e a Jair Bolsonaro. Vou analisar todo o cenário político para as próximas eleições e avaliar a possibilidade de lançar minha candidatura”, disse Dayane. Dayane Pimentel considera ainda um possível apoio a outro candidato. ”A possibilidade de apoiar algum candidato ou até mesmo lançar um nome novo para a disputa é real, porém, toda essa dinâmica da política será constantemente monitorada e no momento certo tomarei uma decisão”, informou a professora Dayane.

Presidente eleito, Jair Bolsonaro confirma que o Ministério do Trabalho vai acabar em 2019

/ Política

Jair Bolsonaro anuncia mudanças ministeriais. Foto: Reprodução

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, confirmou nesta quarta-feira que o Ministério do Trabalho, como funciona hoje, será extinto. Ele deve ser absorvido por outra pasta, mas Bolsonaro não deu mais detalhes. Uma das alternativas em estudo é separar a estrutura em três partes. ”O Ministério do Trabalho vai ser incorporado a algum ministério”, disse o presidente eleito. A área de fiscalização, que envolve direitos trabalhistas, combate ao trabalho infantil e trabalho escravo, migraria para o ministério social do novo governo. A pasta deverá abarcar o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Direitos Humanos, Assistência Social e Família. A equipe de Bolsonaro já sinalizou que a nova pasta pode ser comandada pelo senador Magno Malta (PR-ES), que não foi reeleito. O FGTS e o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que estão dentro da estrutura do Ministério do Trabalho, devem migrar para o superministério da Economia, que será comandado por Paulo Guedes. Já as áreas responsáveis por registros sindicais e qualificação de trabalhadores poderiam migrar para o Ministério da Educação.

Jair Bolsonaro reage à pressão sobre ausência de mulheres e diz que não escolhe equipe por cor

/ Política

Jair posta foto com mulheres. Foto: Arquivo Pessoal | Bolsonaro

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) reagiu nesta quarta (7) à pressão sobre a ausência de mulheres na sua equipe. Ele disse que não está preocupado com cor nem sexo na hora de escolher assessores. Por meio de sua conta no Twitter, negou que faça discriminação. ”Não estou preocupado com a cor, sexo ou sexualidade de quem está na minha equipe, mas com a missão de fazer o Brasil crescer, combater o crime organizado e a corrupção, dentre outras urgências”, escreveu. Na equipe de transição do governo Bolsonaro, foram designados 27 nomes, dos quais cinco sem remuneração. Assessores próximos ao presidente eleito garantem que ele nomeará quatro mulheres, das quais três militares e uma civil. ”Algum jornalista acha mesmo que vou sair perguntando o que cada um faz na sua intimidade para indicar a cargos no governo? Isso é uma grande piada”, publicou o capitão da reserva.

Paulo Guedes quer que seja dada uma ”prensa” para aprovar Previdência e Congresso reage

/ Política

Futuro ministro da Economia. Paulo Guedes. Foto: GloboNews

O futuro ministro da Economia no governo de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, defendeu, ontem (6), que seja dada uma ”prensa” no Congresso Nacional para que seja votada ainda este ano a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo atual presidente, Michel Temer. A declaração não pegou bem entre os parlamentares, que recomendaram aos assessores de Bolsonaro ”cuidado com as palavras”. ”Classe política, nos ajude a aprovar a reforma. A bola está com o Congresso: prensa neles!”, disse Guedes, ao chegar ao Ministério da Fazenda para uma reunião com o ministro Eduardo Guardia. Em reação à declaração, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que é Presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, disse que, apesar da urgência do assunto, é preciso debatê-lo. ”O Congresso é soberano, independente e não tem prensa por aqui. A primeira coisa que esse governo vai ter de aprender é a ter mais cuidado com as palavras.”  O presidente eleito se reúne hoje com Temer para discutir, entre outros assuntos, as chances de votação da reforma em 2018.