Delcídio cita Aécio Neves, Renan Calheiros e outros senadores em delação, diz jornal

/ Política

Aécio nega envolvimento na Lava-Jato
Aécio nega envolvimento na Lava-Jato. Foto: Ag. Senado

O senador Delcídio Amaral (PT-MS), investigado na Operação Lava-Jato, citou cinco colegas de Senado em sua delação premiada. Entre eles estão o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), e Aécio Neves (PSDB-MG), segundo reportagem publicada hoje pelo jornal O Globo. Além deles, foram citados Romero Jucá (RR), segundo vice-presidente do Senado; Edison Lobão (MA), ex-ministro de Minas e Energia; e Valdir Raupp (RO). Renan, Jucá, Lobão e Raupp já são investigados em inquéritos da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). O acordo de delação de Delcídio, firmado junto à Procuradoria Geral da República (PGR), ainda precisa ser homologado pelo STF, mais especificamente pelo ministro relator da Lava-Jato, Teori Zavascki. O senador petista prestou os depoimentos enquanto esteve preso preventivamente em Brasília. Na delação premiada, Delcídio citou episódios envolvendo seus colegas de Senado. Sobre Aécio, falou sobre a atuação do tucano numa Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), mas o seu detalhamento está sob sigilo. No caso de Renan, ele confirmou a atuação do deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) em nome do senador. A assessoria de Renan sustentou que ”nunca autorizou, credenciou ou consentiu que seu nome fosse utilizado por terceiros”. Já Aécio Neves, postou um vídeo em sua página do Facebook respondendo à informação de que seu nome teria sido citado por Delcídio. ”Estamos assistindo hoje mais uma vez a tentativa de vincular a oposição e meu nome à Operação Lava-Jato. Outras tentativas foram desmascaradas porque eram falsas. Esse escândalo tem DNA, é do PT e dos seus aliados”, afirma. Leia mais

Itiruçu: Jorge Solla cita empresário e médica como alternativas da oposição à sucessão 2016

/ Política

Empresário Vitório, Solla e médica Lorena
Empresário Vitório, Solla e a médica Lorena. Foto: Divulgação

O deputado federal Jorge Solla (PT) tem o município de Itiruçu, no Vale do Jiquiriçá, como uma de suas bases eleitorais e fala abertamente sobre a necessidade de uma gestão pública com capacidade de recuperar o desenvolvimento de Itiruçu, terra natal de sua esposa Marília Fontoura, neta de Virginho Fontoura, e de Dona Maria Cândida Fontoura, primeira vereadora da história política daquela cidade. O petista é um dos líderes do grupo de oposição ao prefeito Wagner Novaes (PSDB) e diz que o projeto para 2016 tem dois eixos principais: fortalecer o Partido dos Trabalhadores e lutar pela unidade das oposições. Dentro do perfil apontado por Jorge Solla, o deputado aposta como duas das principais alternativas de pré-candidaturas à Prefeitura nos nomes da médica Lorena Di Gregório, que deixou o PT e filiou-se no PRB e do empresário do ramo de cafeicultura no município, Vitório Tenise, filiado ao PT. Para Solla, Lorena e Vitório gozam de boa aceitação popular, e já tiveram participações influentes na política local como apoiadores de campanha. Em reunião realizada no último final de semana, na Câmara Municipal de Itiruçu, com a presença do vice-presidente do PT na Bahia, Ademário Costa, Lorena e Vitório participaram de debate liderado por Jorge Solla com outros possíveis postulantes do grupo de oposição ao cargo de prefeito nas próximas eleições, dentre eles o vereador do PT, Júnior Petrúquio.

Brasília: Conselho de Ética notifica Cunha sobre processo que pode cassá-lo

/ Política

Cunha é acusado de mentir aos colegas
Cunha é acusado de mentir aos colegas. Foto. AG Câmara

O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, do PMDB, recebeu, nesta segunda-feira (7/3), a notificação da abertura de um processo que pode cassar o mandato dele. Foi bem rápido. O funcionário do Conselho de Ética entrou no gabinete e sete minutos depois saiu com o documento assinado pelo presidente da Câmara. Eduardo Cunha foi oficialmente informado do processo por quebra de decoro parlamentar. Ele é acusado de mentir aos colegas, quando disse que não tinha contas no exterior. Cunha nega as acusações. A partir de terça (8), Cunha vai ter dez dias úteis para apresentar a defesa. Depois, vão ser mais 40 dias úteis para a investigação pelo Conselho de Ética – ouvir testemunhas, pedir documentos, novos esclarecimentos. E aí outros dez dias úteis para o relator, o deputado Marcos Rogério, do PDT, apresentar o relatório final. Se todos os prazos forem cumpridos, a apresentação será no dia 2 de junho. O Conselho de Ética pode recomendar a cassação do mandato, como foi pedido, mas também pode decidir pelo arquivamento da denúncia ou por uma punição intermediária, uma advertência, uma censura. Mas a decisão final será do plenário da Câmara: a maioria absoluta – o voto de, no mínimo, 257 deputados – é que vai decidir o destino de Eduardo Cunha. Eduardo Cunha disse que foi ele quem marcou a data da entrega da notificação e que é preciso consultar os advogados dele pra saber se o prazo de dez dias úteis pra defesa vai ser usado. O Globo

Presidente do PT rebate democratas e cobra esclarecimentos de Sandro Régis

/ Política

Everaldo critica Aleluia e Sandro Régis
Everaldo critica Aleluia e Sandro Régis. Foto: Divulgação

”O presidente do DEM, José Carlos Aleluia, está levantando esta lebre. É especialista nisso: com ódio e rancor, ataca quem é humilde e trabalha pelos mais pobres”. O comentário foi feito pelo presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação rebatendo Aleluia, a quem chamou de ”anão do orçamento salvo pelo PFL aos 45 minutos do segundo tempo”. Sobre o deputado Sandro Regis, o deputado pediu explicações sobre ”uma tal Casa Digital”, empresa de mídia social: “Que tipo de relacionamento esta empresa tem com o DEM e com a prefeitura de Salvador? O deputado precisa esclarecer isso”. Com relação à reportagem da revista VEJA, Anunciação destacou que a prestação de contas da campanha do partido na Bahia aconteceu de forma transparente e seguindo todas as prerrogativas legais. ”Quanto a VEJA, trata-se de uma publicação com nítidos interesses reacionários”, concluiu o petista. Bahia Notícias

Bastou revista denunciar, para Sandro Régis se manifestar; ”Tem que se explicar”

/ Política

Opositor
Opositor, Sandro Régis se manifesta. Foto: Reprodução

O líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado estadual Sandro Régis (DEM), cobrou, na tarde deste domingo (6), explicações “urgentes” do governador Rui Costa (PT), que, segundo a revista Veja, recebeu ilegalmente R$ 255 mil da construtora OAS para campanha.c”O governador deve explicações urgentes ao povo da Bahia. É uma denúncia muito grave que foi publicada pela revista. E ele não pode tratar o assunto como discurso político ou perseguição, querendo ser vítima do assunto. Há indícios contundentes”, afirmou o parlamentar.cDe acordo com a publicação, a campanha de Rui teria recebido R$ 255 mil de forma ilegal da construtora OAS, empresa que está no bojo das investigações da Operação Lava Jato. Esse valor teria ido para a Pepper Comunicação, como mostra uma cópia do documento nas páginas da revista, que teria sido utilizado como ”simulação de prestação de serviço”. A matéria também coloca em suspeição a indicação feita por Jaques Wagner de Wellington Lima ao Ministério da Justiça. Sobre o dossiê contra Moro, tema principal da matéria, Wagner havia dito que ”um promotor baiano de sua confiança daria sequência as investigações”, logo, conduzem, na base interpretativa, que esse promotor poderia ser Wellington.cSobre o promotor baiano, a revista o cita como ”uma figura desconhecida nacionalmente, mas famosa na Bahia por uma longa folha corrida de serviços prestados ao PT”. Bocão News

Revista supõe que Rui teria recebido da OAS dinheiro desviado da Petrobras

/ Política

Rui
Governador Rui Costa é alvo da revista Veja. Foto: Manu Dias

A campanha do governador Rui Costa (PT) em 2014 teria recebido recursos desviados da Petrobras, no esquema investigado pela Operação Lava Jato. Segundo reportagem da revista Veja, foi apreendida uma nota fiscal que indica repasse de R$ 255 mil da OAS para a empresa Pepper Comunicação, prestadora de serviços na campanha. De acordo com a publicação, há evidências de que a transação foi uma simulação de prestação de serviço para liquidar as dívidas campanha do PT no estado. A denúncia sugere conexões do escândalo do petrolão com a Bahia, que já foi governada pelo atual ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, quem indicou o atual ministro da Justiça, o baiano Wellington Lima e Silva. Segundo a publicação, o magistrado é famoso no estado por longa lista de serviços prestados ao PT e a Wagner. Nota do Bahia Notícias

Dilma Rousseff visita Lula em São Bernardo e, da janela, saúda manifestantes

/ Política

Lula e Dilma acenam para manifestantes da najela
Lula e Dilma Rousseff acenam da janela. Foto: FolhaPress

A presidente Dilma Rousseff (PT) foi a São Bernardo do Campo, Grande SP, no início da tarde deste sábado (5/3) para visitar o ex-presidente Luiz Inácio da Silva (PT), um dia após o colega petista ter sido obrigado pela PF a depor na Operação Lava Jato. Depois de cerca de uma hora reunida com o ex-presidente, na casa dele, Dilma Rousseff deixou o local de carro, por volta das 14h30, sem falar com a imprensa ou com os militantes que se aglomeravam desde cedo em frente ao prédio. Os militantes se reuniram no local para manifestar apoio ao ex-presidente, que ontem foi conduzido coercitivamente à sede da Polícia Federal no Aeroporto de Congonhas (SP), para prestar depoimento. Antes de deixar o local, Dilma apareceu na sacada do apartamento de Lula, de onde acenou para as pessoas. Mais tarde, a presidenta desceu até a portaria do prédio de onde voltou a acenar e cumprimentar as pessoas.

Petistas se manifestam em apoio a Lula em São Paulo
Petistas se manifestam em apoio a Lula em São Paulo

Também participaram do encontro entre a presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, os prefeitos de Santo André, Carlos Grana, de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, e de Cubatão, Márcia Rosa, e o ministro Jaques Wagner, chefe da Casa Civil da Presidência da República. Após o encontro com Lula, estava prevista a ida de Dilma para Porto Alegre, onde passará o fim de semana. Após a saída de Dilma, a Avenida Francisco Prestes Maia, que estava bloqueada em um dos sentidos, por causa da aglomeração dos manifestantes, foi totalmente liberada.

 

Brasília: Delcídio do Amaral apresenta novo atestado no Senado pedindo licença médica

/ Política

Senador já está de licença médica. Foto: Agência Senado
Senador já está de licença médica. Foto: Agência Senado

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) apresentou, na sexta-feira (4), novo pedido de licença médica pelo período de 15 dias junto à Secretaria Geral da Mesa do Senado Federal. Assim, a licença começa a contar do dia 8 até 22 de março. Segundo a Agência Senado, o pedido foi feito com base no Regimento Interno do Senado, que permite aos senadores afastamento por até 120 dias para tratar de doença ou de interesses particulares. Ao pedido de Delcídio, foi anexada instrução médica. O senador já está de licença médica desde o dia 22 de fevereiro. O pedido de licença não altera os prazos da representação contra Delcídio do Amaral no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado.

Aécio Neves diz que situação de Lula deve ser tratada como ”questão de polícia”

/ Política

Aécio comemora condução de Lula. Foto: Agência Senado
Aécio comemora condução de Lula. Foto: Agência Senado

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou nesta sexta-feira (4) que a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ser tratada como ”questão de polícia” e não de política. O petista foi conduzido coercitivamente para prestar depoimento no âmbito da Operação Lava Jato. Aécio afirmou que o foro adequado para resolver o caso é a Justiça. ”Essa questão que envolve o ex-presidente Lula deverá ser resolvida no foro adequado, que são os tribunais, que é a Justiça. Essa não é uma questão eminentemente política, deve ser tratada como uma questão de polícia, inclusive com amplo direito de defesa para o ex-presidente da República”, declarou o tucano. Aécio também defendeu que as instituições devem ser preservadas diante de momentos políticos como esse. ”O Brasil viveu momento extremamente grave hoje, mas não é momento de comemoração, é um momento de reflexão. A minha primeira palavra, como presidente do PSDB, é de absoluto apoio e solidariedade às nossas instituições. Nossa democracia hoje é sólida e capaz de superar as enormes dificuldades por que passa o país porque temos instituições sólidas”, completou.

Rui Costa classifica de ”espetáculo cinematográfico” e pirotécnico condução de Lula

/ Política

Rui Costa sai na defesa do ex-presidente Lula
Rui sai na defesa do ex-presidente Lula. Foto: Divulgação

O governador Rui Costa enviou nota à imprensa através da assessoria de comunicação sobre os fatos ocorridos na Operação Lava-Jato nesta sexta-feira (4). O texto remete ao ex-presidente Lula, levado de forma coercitiva a prestar depoimento no escritório da Polícia Federal. ”É importante que todos nós brasileiros mantenhamos a capacidade de se indignar. É a indignação contra qualquer tentativa de golpe e tudo aquilo que possa atingir a democracia brasileira”. Rui embarca ainda hoje para a China em busca de investimentos para a Bahia. De acordo com ele, a sociedade precisa redobrar a atenção e se manter firme na luta pela soberania nacional e a liberdade do voto, através do qual se escolhe os governantes. ”Golpismo significa retrocesso”. Na avaliação do governador, avaliação dele, este tipo de espetáculo cinematográfico e pirotécnico patrocinado por quem deveria manter e estimular a serenidade em nada contribui para o engrandecimento brasileiro. Para ele, é preciso equilíbrio e imparcialidade para que a apurações tenham a credibilidade necessária.

Confira a nota oficial
Rui pede serenidade e atenção contra golpismo.                  
“É importante que todos nós brasileiros mantenhamos a capacidade de se indignar. É a indignação contra qualquer tentativa de golpe e tudo aquilo que possa atingir a democracia brasileira”. A afirmação foi feita pelo governador Rui Costa, destacando que a sociedade precisa redobrar a atenção e se manter firme na luta pela soberania nacional e a liberdade do voto, através do qual se escolhe os governantes. “Golpismo significa retrocesso”.
Na opinião de Rui, este tipo de espetáculo cinematográfico e pirotécnico patrocinado por quem deveria manter e estimular a serenidade em nada contribui para o engrandecimento brasileiro. Para ele, é preciso equilíbrio e imparcialidade para que a apurações tenham a credibilidade necessária.
O governador disse que defende a total transparência nas apurações dos fatos, respeita as instituições constituídas mas se disse contrário aos excessos e ao sensacionalismo criado com ampla pirotecnia.  “Muitas vezes, temos que redobrar as intenções para perceber se determinados fatos tem intenções legítimas e legais. Afinal, o que está por trás de tudo isso? Quais as verdadeiras intenções? Este tipo de ação é realmente legal? São estas questões que precisam ser respondidas”, salientou.
Rui lembrou que a preocupação deveria ser com a enorme necessidade da geração de empregos e a retomada de crescimento do País. “É momento de muito trabalho e serenidade”, disse o governador, conclamando a defesa das instituições democráticas e das prerrogativas legais.

Em discurso curto, presidente Dilma Rousseff repudia condução coercitiva de Lula

/ Política

''Quero me manifestar'', disse Dilma. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
”Quero me manifestar”, disse Dilma. Foto: Roberto Stuckert

Em discurso breve, feito na tarde dessa sexta-feira (4/3), a presidente Dilma Rousseff, falou de modo superficial sobre a condução coercitiva que o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, foi submetido nessa manhã. ”Quero manifestar o meu mais absoluto inconformismo com o fato do ex-presidente Lula, que por várias vezes compareceu de forma voluntária para prestar esclarecimentos perante as autoridades competentes, seja agora submetido a uma sumária condução coercitiva para prestar outro depoimento”, resumiu Dilma. A presidente direcionou a maior parte da sua fala ao vazamento da suposta delação premiada feita pelo senador Delcídio do Amaral (PT) e publicada pela revista Isto é.  ”Manifesto a minha indignação não só com o vazamento da delação, se é que ela existiu, mas com os termos das denúncias que teriam sido firmados nesta delação”, disse. Segundo a chefe de Estado, as denúncias publicadas relativas à refinaria de Pasadena e a CPI dos Bingos, não tem veracidade. ”Em 2014 prestei informações detalhadas a Procuradoria da República dentro dos fatos relativos à refinaria de Pasadena pela Petrobras. Com base nisso, o procurador geral, Rodrigo Janot, determinou o arquivamento da investigação. Nessa época, o senador não integrava nem a diretoria administrativa e nem conselho de administração da Petrobras na época. Também nessa hipotética delação, Delcidio afirmou que o encerramento da CPI dos Bingos teria sido feito para beneficiar de alguma forma minha campanha presidencial. Não preciso de testemunhas para desmentir isso, ela cai pela própria temporariedade. A CPI teve inicio em 29 de junho de 2005 e foi encerrada em 20 de junho de 2006, ou seja, aberta a uma semana da minha posse como ministra-chefe da casa civil e distante quatro anos da minha indicação a presidência da republica. É impossível supor que eu em 2006 sabia o que aconteceria em 2010”, concluiu-o a presidente.

Lula diz que PF não precisava de mandado para ouvi-lo: ”Eles acenderam em mim a chama”

/ Política

Lula fala após condução. Foto: Reprodução / Facebook
Lula fala após condução. Foto: Reprodução/Facebook

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou o fato de ter sido alvo de um mandado de condução coercitiva nesta sexta-feira (4), durante a 24ª fase da Operação Lava Jato. Em discurso feito no diretório central do Partido dos Trabalhadores, no centro de São Paulo, o petista disse que a ação não era necessária. ”Eu suspendi minhas férias pra ir a Brasília prestar depoimento à Polícia Federal. Se [Sérgio] Moro ou o MPF quisessem me ouvir, era só me chamar. Eu sempre fui prestar esclarecimentos, porque não devo e não temo”, defendeu. Ele ainda chamou a ação da PF desta sexta de ”pirotecnia e show midiático” e disse que sempre valorizou o trabalho do órgão, principalmente quando era presidente da República. ”Vale mais o show de teatro do que a apuração séria. […] De qualquer forma, nada disso me abate. Eles acenderam em mim a chama… a luta continua!”, concluiu.

Acordo de delação de Delcídio do Amaral provoca terremoto político no Brasil

/ Política

Depoimento de Delcídio sacode a política
Depoimento de Delcídio sacode a política. Foto: Agência Brasil

A política brasileira sofreu, nesta quinta-feira (3/3), um terremoto, com a revelação do conteúdo do depoimento do senador Delcídio do Amaral à procuradoria-geral da República num acordo de delação premiada. Entre outras coisas, o senador afastado do PT acusou a presidente Dilma e o ex-presidente Lula de tentarem interferir nas investigações da Lava Jato. Na reportagem de capa, a revista IstoÉ revela que o senador Delcídio do Amaral, suspenso do PT, fez um acordo de delação premiada com a procuradoria-geral da República. Nos depoimentos, Delcídio faz acusações contra o ex-presidente Lula e contra a presidente Dilma Rousseff. O jornal O Globo publicou há quase duas semanas a notícia de que Delcídio tinha assinado o acordo no dia em que foi solto, sem no entanto, revelar o conteúdo dos depoimentos. A TV Globo também confirmou nesta quinta-feira (3) que Delcídio e o Ministério Público Federal assinaram um acordo de delação premiada. A revista dá detalhes das acusações que envolvem a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, ambos do PT. São 400 páginas de depoimentos, segundo a revista. Delcídio do Amaral acusa a presidente Dilma Rousseff de interferir nas investigações da Lava Jato em três ocasiões e com a ajuda do então ministro da Justiça e atual advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. De acordo com a revista, Delcídio disse que ”é indiscutível e inegável a movimentação sistemática do ministro Cardozo e da própria presidente no sentido de promover a soltura de réus presos na operação”. Segundo a reportagem, Delcídio disse que a primeira investida do Planalto para tentar alterar os rumos da Lava Jato foi o encontro realizado no dia 7 de julho do ano passado entre Dilma, Cardozo e o presidente do STF, Ricardo Levandowski, numa reunião em Portugal. Segundo a reportagem, contudo, a reunião foi um fracasso em função do posicionamento retilíneo do ministro Lewandowski, ao afirmar que não se envolveria. Leia na íntegra

Novo líder da bancada do PSL, Euclides Fernandes fala em cavar vaga de senador para 2018

/ Política

Euclides assina ficha de filiação. Foto: Sandra Travassos
Euclides assina ficha de filiação. Foto: Sandra Travassos

Novo líder da bancada do PSL na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Euclides Fernandes reafirmou o desejo de ver o seu novo partido com força para brigar nas eleições de 2018. Durante a filiação dele e de outros seis deputados à legenda nesta quinta-feira (3/3), Euclides revelou que tem como objetivo ”cavar a vaga de senador para o PSL” no pleito que acontece daqui dois anos. ”A eleição municipal 2016 é fundamental para que em 2018 tenhamos um PSL com musculatura, com força para poder sentar na mesa da discussão da chapa majoritária”, declarou o parlamentar. Euclides saiu do PDT para integrar a nova sigla. Nilo também oficializou sua chegada ao PSL nesta quinta e já revelou o desejo de se candidatar ao Senado em 2018.