Registro de 53 novos casos da Covid-19 nas últimas 24h em Jequié; ocupação de leitos de UTI é de 97%

/ Jequié

Jequié tem 625 casos ativos do vírus. Foto: log Marcos Frahm

Boletim Epidemiológico da Covid-19 em Jequié, atualizado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta quinta-feira (8) registra 53 novos casos, nas últimas 24 horas, perfazendo um total de 13.452 pessoas confirmadas com a doença, até agora.

Ainda de acordo com o boletim, 12.562 pacientes encontram-se recuperados e não apresentam mais os sintomas da doença e o número de motes é de 265.

Conforme os dados repassados pelo HGPV e pelo Hospital São Vicente, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI/adulto está em 97%.

Destes, 15 leitos estão ocupados por residentes de Jequié e 13 leitos ocupados por pessoas de outros municípios. Até o presente momento 25.455 pessoas foram vacinadas em Jequié.

MP denuncia revendedora de combustíveis de Jequié por crimes contra as relações de consumo

/ Jequié

O Ministério Público estadual, por meio do promotor de Justiça Maurício Foltz Cavalcanti,  denunciou Hiete Dias de Oliveira Souza e Kátia Cibele de Oliveira Souza, sócias na revendedora de combustíveis ‘Auto Posto Curvelo Derivados de Petróleo’, na BR 116, em Jequié, por revenda de combustível com vícios de vazão, ou seja, em quantidade inferior à indicada na bomba medidora. A denúncia, protocolada no dia 6, tomou por base uma fiscalização realizada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), no dia 27 de março deste ano.

As aferições realizadas durante a fiscalização constataram vícios de vazão superiores à margem de tolerância de 0,3% permitida pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). ”A irregularidade deu origem à sanção administrativa, com aplicação de multa pela ANP, e também constitui crime contra as relações de consumo, transbordando para a órbita do direito penal e avocando a atuação do MP”, destacou Maurício Foltz.

STF dá aval para que prefeitos e governadores proíbam cultos e missas na pandemia

/ Justiça

Julgamentos e missas foi concluído no STF. Foto: Fellipe Sampaio

No dia em que o Brasil registrou um novo recorde no número diário de mortos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 9 a 2, que prefeitos e governadores podem proibir a realização presencial de missas e cultos em um esforço para evitar a propagação da covid-19 no País. O julgamento, concluído nesta quinta-feira (8), foi marcado por duros recados dos magistrados ao governo do presidente Jair Bolsonaro e por defesas enfáticas da ciência e de medidas de isolamento social no combate à pandemia.

A discussão girou em torno de uma ação do PSD contra um decreto editado pelo governador João Doria (PSDB), que proibiu a realização de missas e cultos nas fases mais restritivas do plano estadual de combate à covid-19. O entendimento firmado pelo STF deve ser aplicado agora em todo o País.

Na sessão da última quarta, o relator do caso, ministro Gilmar Mendes votou a favor das restrições adotadas pelo governo paulista, afirmando que o Brasil se tornou um ‘pária internacional’ no enfrentamento da pandemia. A discussão foi retomada com o voto de Kassio Nunes Marques, que defendeu a abertura de igrejas e templos. Apenas Dias Toffoli acompanhou o colega.

Conforme antecipou o Estadão, a esmagadora maioria do STF manteve o entendimento de Gilmar, de que não há violação à Constituição na proibição de realização de missas e cultos presenciais, já que a medida drástica, tomada por governadores e prefeitos, pretende preservar vidas diante do agravamento da pandemia.

”Sobram dores e faltam soluções administrativas. O Brasil tornou-se um País que preocupa o mundo inteiro, pela transmissibilidade letal deste vírus. Essa doença é horrível. O que se tem, no quadro que estamos experimentando, é uma situação gravíssima, alarmante, aterrorizante”, disse Cármen Lúcia, que foi infectada pela covid-19 no final do ano passado.

Para Edson Fachin, o decreto do governo de São Paulo, que “limita-se a reconhecer a gravidade da situação”, não desrespeita a Constituição. ”Inconstitucional é a omissão que não haja de imediato para impedir as mortes evitáveis. Inconstitucional é não promover meios para que as pessoas fiquem em casa, com o respeito ao mínimo existencial, inconstitucional, inconstitucional é recusar as vacinas que teriam evitado o colapso de hoje”, afirmou, em referência à postura do governo brasileiro, que recusou a proposta de laboratórios.

Luís Roberto Barroso, por sua vez, disse que há um ”componente cristão de proteção, respeito e amor ao próximo” na restrição das atividades religiosas presenciais, já que os fiéis circulam pelas ruas e, portanto podem ser vetores de transmissão do vírus.

”Ciência e medicina são, nesse caso particular, a salvação. O espírito, ao menos nessa dimensão da vida, não existe onde não haja corpo. Salvar vidas é nossa prioridade. É difícil de acreditar que, passado um ano da pandemia, até hoje não haja um comitê médico-científico de alto nível orientando as ações governamentais. Parece um misto de improviso, de retórica e de dificuldade de lidar com a realidade, mesmo diante de 340 mil corpos”, observou Barroso.

Ao acompanhar o entendimento dos colegas, Alexandre de Moraes rechaçou que o decreto do governo de São Paulo viole a Constituição e atinja a liberdade religiosa. ”Por entender que proteger a vida dos fiéis talvez seja a maior missão das religiões, não há nada de discriminatório, não há nada de preconceituoso, não há nada de inconstitucional, nos decretos que, embasados em dados científicos, médicos, restringem, assim como outras atividades, temporariamente os cultos religiosos”, afirmou.

”Onde está a empatia e a solidariedade de todos nesse momento? A liberdade religiosa tem dupla função: proteger todas as fés e afastar o Estado laico de ter de levar em conta dogmas religiosos para tomar decisões fundamentais para a sobrevivência de seus cidadãos. O Estado não se mete na fé. A fé não se mete no Estado”.

O ministro destacou que mesmo na Idade Média, sem conhecimentos científicos atuais, nos momentos em que as sociedades foram atingidas por pestes, os grandes líderes religiosos à época ”defenderam o fechamento das igrejas, a necessidade de isolamento e a transformação de igrejas e templos em hospitais”.

”Em pleno século XXI, com todo o conhecimento histórico, técnico e científico que temos, estamos defendendo retrocesso de medidas restritivas temporárias e justificadas? Não me parece lógico, não me parece coerente, não me parece ser feito isso em defesa dos direitos fundamentais”, acrescentou.

Moraes também elogiou a atitude ”corajosa” do prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), que viu o número de óbitos e infecções despencar no município após decretar um lockdown. ”O mundo ficou chocado quando morreram 3 mil pessoas nas Torres Gêmeas. Nós estamos com 4 mil mortos por dia. Me parece que algumas pessoas não conseguem entender o momento gravíssimo dessa pandemia. Ausência de leitos, de insumos, ausência de oxigênio. As pessoas morrendo sufocadas, uma das mais dolorosas mortes”, comentou.

Na avaliação de Moraes, o Brasil não se preparou para a segunda onda. ”Os EUA têm 500 milhões de doses de vacina, nós não conseguimos vacinar ainda 10% da vacinação. Estamos, dia 8 de abril, nós não vacinamos 10% da população. Quatro mil mortos por dia, onde está a empatia?”, questionou.

A quantidade de pessoas vacinadas contra a Covid-19 com ao menos a primeira dose no Brasil chegou a 21.445.683 na última quarta-feira, 7, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. O número representa 10,13% do total da população brasileira.

‘Alento espiritual’

Em um discurso afinado ao do Palácio do Planalto, Nunes Marques destacou que o confinamento é importante, ”mas também pode matar” se não houver um ”alento espiritual”. Indicado ao cargo por Bolsonaro, afirmou que a abertura de igrejas e templos ”pode ajudar o crente a se sentir mentalmente aliviado”.

”A Constituição protege a todos. Se o cidadão brasileiro quiser ir a seu templo, igreja, ou estabelecimento religioso para orar, rezar pedir, inclusive pela saúde do próximo, ele tem direito a isso. Dentro de limites sanitários rigorosos. É a Constituição que lhe franqueia esta possibilidade. Para quem não crê em Deus, isso talvez não tenha lá muita importância. Mas para a grande maioria dos brasileiros, tal direito é relevante”, disse Nunes Marques.

”Na democracia, a ninguém é dado desobrigar o cumprimento da Constituição ainda que temporariamente, para que se execute política pública que, supostamente, apenas pode ser concretizada se estiver livre das amarras impostas por direitos constitucionais. Para que a sociedade minimamente funcione é necessário que alguns setores não paralisem suas atividades A decisão sobre o que é essencial é político-jurídica, embora inspirada em critérios científicos. Quanto às liberdades constitucionais, expressamente estabelecidas, é preciso que se respeite seu núcleo essencial”, acrescentou.

Sem citar estudos ou pesquisas científicas que confirmem a origem das transmissões, o ministro afirmou que ”sabemos onde essa doença está sendo transmitida: festas, baladas e bares estão lotados, sem distanciamento nem máscara”. ”Não são nos cultos e nas missas que a pandemia está ganhando força”, frisou Nunes Marques, sem explicitar os fundamentos dessa convicção.

Nunes Marques também comparou o funcionamento das igrejas às atividades da imprensa. ”Poderia o prefeito decretar o fechamento dos jornais da cidade, e das gráficas que produzem periódicos? Ou mesmo o fechamento de telejornais que necessitam de certa aglomeração para o seu adequado funcionamento? É assegurado a todos o acesso à informação”, questionou.

”Nestas hipóteses, a Constituição proíbe tal conduta, porque é livre a manifestação do pensamento. É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e da comunicação. É assegurado a todos o acesso à informação. Ou seja, para todas estas questões, a resposta é não. Por que em relação a liberdade religiosa ela seria diferente?”.

No início da sessão, o procurador-geral da República, Augusto Aras informou que desistiu do pedido de tirar o caso das mãos de Gilmar Mendes. ”Entendo que não há mais necessidade (na questão de ordem), tendo em vista o início do julgamento”, afirmou Aras.

Em decisão alinhada com os interesses do Planalto, o indicado do presidente Jair Bolsonaro liberou no sábado (03), véspera do domingo de Páscoa, a realização de atividades religiosas coletivas de forma presencial. Em sentido contrário, dois dias depois, o ministro Gilmar Mendes negou pedidos do PSD e do Conselho Nacional de Pastores do Brasil para derrubar o decreto do Estado de São Paulo que proibiu as reuniões religiosas durante as fases mais restritivas do plano de combate ao Covid-19. Com a divergência, o caso foi enviado ao plenário.

Na sessão desta quarta, Gilmar votou a favor do fechamento temporário de igrejas e templos diante do agravamento da pandemia. Na ocasião, também criticou as posições do advogado-geral da União, André Mendonça, e Aras. Os dois cotados para a vaga que será aberta no Supremo em julho defenderam a realização de missas e cultos, mesmo no momento em que o País atravessa o pior momento da luta contra a Covid-19, registrando mais de 337 mil óbitos.

‘Pária’ e ‘viagem a marte’

Em seu voto, Gilmar classificou como ”surreal” os argumentos de que o fechamento temporário de eventos coletivos em templos religiosos ”teria algum motivo anticristão”. ”É também a gravidade dos fatos que nos permite ver o quão necessário é desconfiarmos de uma espécie de bom mocismo constitucional, muito presente em intervenções judiciais aparentemente intencionadas em fazer o bem”, alfinetou o ministro, sem citar explicitamente a decisão de Nunes Marques.

O ministro criticou uma ”uma agenda política negacionista que se revela em toda a dimensão contrária à fraternidade tão ínsita ao exercício da religiosidade”. ”O pior erro na formulação das políticas públicas é a omissão, sobretudo para as ações essenciais exigidas pelo artigo 23 da Constituição Federal. É grave que, sob o manto da competência exclusiva ou privativa, premiem-se as inações do governo federal, impedindo que Estados e Municípios, no âmbito de suas respectivas competências, implementem as políticas públicas essenciais”, destacou Gilmar.

O ministro ainda rebateu a manifestação de André Mendonça, que, no início da sessão, disse que o País presencia cenas de ”ônibus superlotados” e viagens de avião “como uma lata de sardinha”. Gilmar apontou que Mendonça ocupou até a semana passada o cargo de Ministro da Justiça e que tinha entre suas atribuições justamente a responsabilidade de formular diretrizes sobre transportes no País.

”Quando Vossa Excelência fala dos problemas dos transportes no Brasil, especialmente no transporte coletivo, eu poderia ter entendido que Vossa Excelência teria vindo agora para a tribuna do Supremo de uma viagem a Marte, mas verifiquei que Vossa Excelência era Ministro da Justiça e tinha responsabilidades institucionais, inclusive de propor medidas. À União cabe legislar sobre diretrizes nacionais de transportes”, criticou Gilmar.

Repúdio

No intervalo da sessão desta quarta (07), o presidente do STF, Luiz Fux, rebateu um advogado, que citou trecho da Bíblia para criticar ministros que defendem o fechamento de igrejas na pandemia. O advogado do PTB no caso, Luiz Gustavo Pereira da Cunha, recorreu a um trecho da Bíblia (“Pai, perdoa-lhes, porque eles não sabem o que fazem”) para atacar os magistrados que se posicionassem a favor do fechamento de igrejas e templos.

”Esta é uma matéria que nos impõe uma escolha trágica e que nós temos responsabilidade suficiente para enfrentá-la, nossa missão de juízes constitucionais além de guardar a Constituição, é de lutar pela vida e pela esperança, e foi com essa prontidão que a Corte se revelou, na medida em que estamos vigilantes na defesa da humanidade. De sorte que eu repugno esta invocação graciosa da lição de Jesus”, rebateu Fux.

*Estadão Conteúdo

Em 24 horas, Bahia registra mais 125 mortes por Covid-19 e 3.451 casos, diz boletim

/ NOTÍCIAS

A Bahia registrou, nas últimas 24 horas, 125 mortes por Covid-19 contabilizando 16.232 óbitos desde o inicio da pandemia.

Segundo boletim divulgado hoje (8) pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), ainda foram registrados mais 3.451 casos da doença. Apesar de terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro das mortes foram realizadas hoje.

Dos 828.466 casos confirmados desde o início da pandemia, 798.297 já são considerados recuperados, 13.937 encontram-se ativos. A taxa de ocupação de leitos de UTI adulto para pacientes com coronavírus é de 83%.

Bahia recebe mais 281.400 doses de vacinas que vão para municípios que aplicaram 85% das doses

/ Bahia

As vacinas que chegaram hoje ao solo baiano. Foto: SESAB

Mais 281.400 doses de vacinas contra a Covid-19 chegaram à Bahia nesta quinta-feira (8). Do total, 152 mil foram produzidas pela Fiocruz/Astrazeneca/Oxford e 129.400 pelo Butantan/Sinovac. Com esta carga, que chegou ao aeroporto de Salvador por volta das 9h45, o estado totaliza 3.274.950 doses recebidas, entre Coronavac e Oxford, desde o dia 18 de janeiro, quando chegou a primeira remessa. Este é o décimo segundo envio que chega a Bahia.

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, explica que ”as vacinas serão enviadas imediatamente aos municípios, em uma operação que conta com aeronaves do Grupamento Aéreo (Graer) da Polícia Militar e da Casa Militar do Governador (CMG), logo após a conferência da carga pela equipe de imunização do estado”, afirma o secretário.

As vacinas que chegaram hoje serão enviadas, exclusivamente, aos municípios que aplicaram 85% ou mais das doses anteriores. Esta é uma decisão da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que é uma instância deliberativa da saúde e reúne representantes dos 417 municípios e o Estado.

Esta nova remessa dará possibilidade de que continue sendo imunizado o público alvo da primeira fase do plano de vacinação contra Covid-19. Em definição feita em CIB, há ainda autorização para os municípios que conseguirem alcançar as metas da primeira fase, ampliarem a aplicação das doses para idosos de 60 anos ou mais. A população quilombola, pessoas com doença renal crônica em tratamento de hemodiálise e profissionais das forças de segurança também continuarão a ser vacinados, como ficou definido em reunião da CIB.

Em um comparativo nacional, a Bahia está posicionada como segundo estado que vacinou o maior percentual da população. Os dados precisos, com número de pessoas vacinadas, são atualizados regularmente e podem ser encontrados no painel de vacinação da Secretaria da Saúde do Estado.

”Fiol será uma locomotiva de desenvolvimento da Bahia”, celebra João Leão em dia de arremate

/ Bahia

Obras da Ferrovia serão retomadas. Fotos: Elói Corrêa/GOVBA

A concessão do trecho baiano da Ferrovia da Integração Oeste Leste para a Bahia Mineração (Bamin) foi considerada positiva por líderes do governo estado. O lielão ocorreu na tarde desta quinta-feira (8). A Bahia acompanhou o leilão deste ativo, que se articulará com o Porto Sul, em Ilhéus, obra de competência estadual em parceria com a Bamin. Para os dirigentes baianos, a concretização do empreendimento trará retornos importâncias à economia.

”Mais um dia de vitória”, celebrou o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, João Leão. ”A Fiol será uma locomotiva de desenvolvimento da Bahia e agora vai rodar, carregando minério, soja, melhorando as condições de Ilhéus à Caetité – que vai se transformar em uma grande cidade em função da mineração -, além de Barreiras, um dos principais polos do agronegócio no estado”. A ferrovia terá uma ligação entre Caetité e Barreiras, atualmente em obras a cargo da empresa federal Valec e do Exército, que também será concedida à iniciativa privada

De acordo com o presidente da Companhia Baiana de Produção Mineral (CBPM), Antonio Carlos Tramm, a mineração, através da Bahia Mineração (Bamin), vai garantir a carga inicial da Fiol. ”Se considerarmos as jazidas minerais já localizadas e identificadas na região de Caetité, além de todo o trabalho de prospecção que a companhia está fazendo nos 100 km no entorno dos trilhos, mais o transporte da produção do agronegócio que virá de Barreiras, vamos ver que rapidamente haverá necessidade de ampliar a sua capacidade de transporte”, prevê.

As obras do Porto Sul foram iniciadas desde novembro de 2020, com todos os protocolos de segurança para evitar contaminação da Covid-19. Essa etapa conta com a construção da ponte rodoviária sobre o Rio Almada, que terá acessos pela BA-001 e BA-262 e inclui a construção de vias, instalação de sinalização, implantação de redes elétrica e de água, entre outras ações. O avanço físico da obra, até 30 de março de 2021, é de 18,45%. A primeira etapa da ferrovia começará a ser operada em 2025.

Para o secretário de infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, a Fiol e o Porto Sul vão proporcionar uma mudança também na malha rodoviária da Bahia. ”A ferrovia é um avanço da estrutura logística não só do estado, mas do Brasil. A construção dos empreendimentos provocará alterações importantes de rodovias já existentes e a necessidade de implantação de outras. Além disso, vai reduzir o fluxo de cargas pesadas nos corredores rodoviários”.

Barragem que abastece Lagedo e região registra nível crítico e prefeito quer audiência com o governador

Prefeito e vereadores visitam barragem na zona rural. Foto: Divulgação

A população de alguns municípios do Vale do Jiquiriçá, Maracás, Lagedo do Tabocal, Itiruçu e Planaltino enfrenta uma nova crise hídrica. A falta de água afetou de vez os moradores, que recorrem diariamente aos veículos de comunicação da região para cobrar providência quanto à interrupção no fornecimento de água potável em pontos diversos decorrente da escassez de chuvas que tem levado a um possível colapso a barragem utilizada pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento EMBASA.

Com a situação crítica do manancial, Lagedo parece ser a cidade mais afetada com a falta do líquido e o assunto tem gerado notável inquietação na população carente, com reação da classe política local, prefeito e vereadores.  Nesta semana, o chefe do Executivo de Lagedo, Marquinhos Senna (PP) fez visita a barragem e disse ter solicitado do presidente da União dos Municípios da Bahia – UPB, o prefeito de Jequié, Zé Cocá (PP), que viabilize audiência com o governador Rui Costa (PT) para tratar do assunto.

”Estamos preocupados com esta situação. Nos reunimos com Zé Cocá, pedimos o apoio da UPB. Gostaríamos, inclusive, de ter uma audiência com o governador Rui Costa para tratar dessa e de outras demandas do povo de Lajedo. Fizemos, na quarta-feira, uma manifestação pública que contou com o apoio do presidente da Câmara Municipal, o vereador Pedro D’Ângelo, Elmo Santana, Giliadi e outras lideranças, além de representantes da sociedade civil e outras entidades.”, disse o prefeito em nota encaminhada ao BMFrahm pela assessoria de Cocá, que informou ter recebido a solicitação.

Barragem chegou a nível crítica e compromete o abastecimento

 

Presidente da UPB promete viabilizar encontro com governo

”Vamos avaliar o que pode ser feito. É realmente muito preocupante, uma vez que esta época ainda não é a época de estiagem. Vamos dialogar com o CONVALE e, também, buscar o apoio do governador Rui Costa. É importante que todos os organismos sociais e entidades públicas reforcem esta luta, muito mais do que justa, do povo de Lajedo e da região. Mas alguma coisa tem que ser feita já, não podemos demorar”, afirmou o presidente da UPB.

Uma promessa antiga do Estado é a execução de um projeto de transposição das águas do Rio Paraguaçu, sendo esta a solução que, de acordo com o gestor municipal, resolveria de uma vez por todas o problema de desabastecimento de água na região.

Homem vai pedir emprego em delegacia e acaba preso por porte ilegal de arma no município de Iaçu

/ Polícia

Um homem foi pedir emprego na delegacia de Iaçu, no Piemonte do Paraguaçu, e terminou preso. O fato inusitado ocorreu na tarde desta quarta-feira (7). Segundo o Bahia 10, o candidato a emprego, que não teve o nome identificado, foi até o local com o intuito de conseguir uma ocupação como carcereiro. Ele teve a entrada autorizada e seguiu rumo à sala do delegado.

Quando o homem entrava na sala do delegado, um investigador desconfiou que havia algo na cintura do homem e decidiu abordá-lo, foi quando se descobriu que ele portava um revolver calibre .38 com seis munições. O delegado Thiago Costa, que estava no momento do ocorrido, deu voz de prisão ao acusado e o enquadrou em flagrante por porte ilegal de arma.

Ainda segundo o site, o suspeito, que não tinha porte de arma, alegou que andava armado porque tinha sido ameaçado de morte. Com o flagrante, a arma foi apreendida e o acusado foi liberado após pagar fiança. Ele responderá o processo em liberdade.

Vereador pede fim da briga entre grupos de Antonio Brito e Leur por paternidade de obras em Jequié

/ Jequié

Vereador Sidney Magal sai na defesa de Brito. Foto: Emanuel Jr.

As obras de pavimentação asfáltica em bairros populares de Jequié tem gerado disputa pela paternidade dos benefícios, por parte de grupos que representam deputados federais na Cidade Sol. O atual prefeito Zé Cocá (PP), parece ter conseguido uma proeza, unido políticos adversários: Antônio Brito (PSD), Leur Lomanto (DEM) e Cacá Leão (PP), tendo cada um anunciado emendas parlamentares de R$ 5 milhões, totalizando R$ 15 milhões em pavimentação.

No entanto, conforme as publicações do prefeito e deputados nas redes sociais, essa disputa ganhou um novo round nesta semana, após visita de Zé Cocá e do deputado Leur ao Loteamento Água Branca, onde estão sendo executadas as obras. Notas e fotos passaram a circular na imprensa depois da chamada ”visita técnica” ao local e aliados de Brito reagiram, dizendo ser obra com emenda de Antônio.

Em discurso na tribuna da Câmara na sessão de quarta-feira (08), o vereador Sidney Magal pediu o fim da picuinha pela paternidade das obras, enfatizando que o pai da criança é o povo, por se tratar de recursos federais oriundos dos cofres públicos, mas não perdeu a oportunidade de enaltecer o seu correligionário político, Brito. ”Isso tem causado uma confusão na mente das pessoas, porque chega um dizendo: fui eu que indiquei. A gente fica num fogo cruzando, porque querendo ou não, são 19 cabeças pensantes que os habitantes desse município colocaram aqui dentro. Precisamos valer o voto com responsabilidade, com respeito. Eu acho que a política quando começa a envolver mentira a gente acaba sendo prejudicado e caindo no discreto. O que eu tenho conhecimento, é que a única ordem de serviço que está no nosso município, creditada no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) é de Antônio Brito”.

O vereador disse ainda que as emendas de Brito incluem meio feio, o que antes era anunciado pela Prefeitura como contrapartida do Município. ”Quando chegar a do deputado Leur, leve o mérito do milhões para ele, quando chegar a de Cacá, diz que foi Cacá e nós não vamos mentir”. Já o vereador Gutinha (PP), aliado de Leur, saiu na defesa do padrinho político ressaltando que Lomanto foi o deputado que mais investiu em Jequié nos últimos tempos, e que apenas para asfaltamento de ruas foram destinados a Jequié R$ 7, milhões.

Ministro destaca que beneficiários do Auxílio Emergencial não precisam ir às agências e lotéricas

/ Economia

Ministro da Cidadania, João Roma. Foto: Ronaldo Caldas/Min. Cidadania

O ministro da Cidadania, João Roma, afirmou nesta quinta-feira (8) que os beneficiários do Auxílio Emergencial não precisam ir às agências ou casas lotéricas para resolver questões relacionadas ao pagamento. O alerta feito pelo ministro visa evitar aglomerações e garantir o distanciamento social.

”Queremos ressaltar que o cidadão não necessita ir às agências ou casas lotéricas. Ele pode resolver tudo pelo aplicativo (Caixa Tem) ou pelos canais de atendimento do Ministério da Cidadania e da Caixa Econômica Federal. Estamos mantendo o escalonamento justamente para evitar aglomerações, prezando pela saúde de todos”, afirmou o ministro da Cidadania, João Roma.

Pelo Caixa Tem, pontua Roma, é possível resolver todo o processamento do pagamento. ”Não é necessário fazer atualização cadastral e o crédito é feito diretamente nas contas digitais, portanto, é muito importante que as pessoas não se desloquem até as agências. Essa é uma medida de segurança fundamental tanto para a população beneficiária como para quem está trabalhando para garantir o pagamento do auxílio”, disse.

O Auxílio Emergencial começou a ser pago na última terça-feira (6) e deve beneficiar mais de 45 milhões de pessoas. Serão quatro parcelas, com investimento superior a R$ 44 bilhões do governo federal.

Em fórum mundial, governador Rui defende políticas públicas universais na área de Saúde

/ Bahia

O governador Rui Costa defendeu políticas públicas universais na área de saúde, desde a atenção básica até a alta complexidade, com destaque ao combate à pandemia da Covid-19. O governador da Bahia é um dos participantes do 18º Fórum Mundial de Ética nos Negócios ‘Mudando Paradigmas em um Mundo Pandêmico: Como recuperar a confiança? Saúde, felicidade e ética’. O evento realizado nesta quarta-feira (07), que conta com representantes de diferentes países, é uma realização da International Association for Humans Values (IAHV), fundada pelos líderes humanitários Sri Sri Ravi Shankar e Dalai Lama. A organização tem caráter educacional, social e humanitário, atuando por meio do trabalho voluntário em mais de 155 países.

Rui destacou que a Bahia é o segundo estado brasileiro com menor taxa de mortalidade por Covid-19. ”O Brasil vive uma tristeza muito grande. Só ontem foram 4.135 óbitos no Brasil, já passamos de 330 mil mortes e infelizmente esse número está muito acelerado, com taxa de ocupação em torno de 80%, de 90%, em alguns estados 100% dos hospitais lotados, uma situação muito grave. Aqui no estado da Bahia, dos 27 estados federados do Brasil, nós somos a segunda menor taxa de mortalidade do Brasil, e mesmo assim, esta semana, chegamos a 15 mil óbitos”.

Rui delegou ao governo federal a responsabilidade pela alta taxa de mortalidade no País. ”O presidente da República tem negligenciado de forma persistente o vírus, negado a existência e a gravidade, negado inclusive o papel da vacina. Só agora, com a queda drástica da sua aprovação, começou a reconhecer a vacina como uma ferramenta fundamental para tirar o Brasil da crise”. Segundo Rui, o Brasil atrasou muito a compra das vacinas. “Tivemos a aprovação no Congresso Nacional de uma lei que tem a função de facilitar a compra pelos estados sub-nacionais. Nós fizemos uma compra internacional […] mas a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, órgão do governo federal, ainda protela a compra dessas vacinas, sem dar um horizonte concreto para reduzirmos o grau de contaminação no nosso País”.

Outra preocupação do governador é com o projeto de lei recém aprovado na Câmara dos Deputados, que autoriza a compra de vacinas por instituições privadas. ”Um projeto de lei que permite que os ricos se vacinem antes dos pobres, […] indo infelizmente na contramão das políticas públicas que devem oferecer à população o acesso gratuito à saúde, da atenção básica à alta complexidade”, afirmou. Rui destacou que, além de mortes, a pandemia tem trazido fome, desemprego, e aumentado o número de pessoas extremamente pobres.

Para Rui, este é um momento para se discutir ética. ”O ambiente do governo federal é de difusão de notícias falsas, de negação da doença e da ciência e de aprofundamento da crise. Então o Brasil vive um momento muito difícil. É um momento muito rico para se discutir ética e se discutir que mundo iremos construir depois dessa pandemia. O mundo que virá depois não será construído necessariamente quando acabar a pandemia. Nós construiremos ele a partir da pandemia, do combate à pandemia”.

O Governador destacou também que a Bahia tem feito investimentos recorrentes na área da Saúde, além do combate à pandemia. ”Aqui no estado da Bahia, nós temos buscado fazer isso com o maior investimento da história do nosso estado em saúde pública, desde o início do nosso mandato, fortalecendo a atenção básica. São 25 policlínicas regionais, que visam fazer atenção básica e diagnóstico das doenças, dez unidades hospitalares novas, apenas no meu mandato de governador”.

Patrocinadores esperam mudança para o BBB 2022 com punição para agressão psicológica

/ Entretenimento

A expectativa é de uma mudança no próximo BBB. Foto: TV Globo

Se depender dos patrocinadores do Big Brother Brasil, situações como as que aconteceram no início da 21ª temporada do programa com Lucas Penteado não irão se repetir em outras edições.

De acordo com o colunista Maurício Stycer, do site Splash, do UOL, os investidores do reality show esperam uma mudança da Globo a respeito de uma maior rigidez em casos de agressão psicológica.

O jornalista trouxe nesta quarta-feira (7), informações sobre um encontro promovido pela agência Wunderman Thompson, representantes de duas marcas que têm investido fortemente no ”BBB 21”, Avon e Coca-Cola, no qual o reality show foi tema.

Segundo a publicação, apesar do balanço positivo do polêmico e agitado BBB 21, a expectativa é de uma mudança para que casos de abuso psicológico e situações de discriminação, como os casos de racismo e homofobia não se repitam. A situação com Lucas Penteado motivou a decisão.

”Uma das conversas que a gente teve é que faz parte do regulamento do BBB que, se uma pessoa agredir a outra, a direção do programa tem o direito de eventualmente expulsar esse participante. Agressão física. O tema que foi levantado é: até que ponto vai a agressão psicológica, que pode se tornar tão ruim ou pior que uma pessoa dar um tabefe na cara do outro. Existe uma discussão aí sobre quais são as regras nessa área – que é o assédio moral, o assédio psicológico, o racismo, a verbalização do racismo. O que pode e o que não pode?”, disse Danielle Bibas, vice-presidente de marketing da Avon.

Para Poliana Sousa, líder de Coca-Cola na América Latina, as observações devem ser repensadas pela Globo para um sucesso maior na temporada seguinte. ”A sociedade não tolera mais. E o palco de um programa desses, com alta visibilidade, alta exposição, também é palco para estas discussões. E realmente, todos estamos aprendendo. Acho que a Globo vai aprender e as coisas vão evoluindo com o tempo”, disse.

Jogando em Pituaçu, Bahia goleia o Manaus e avança à terceira fase da Copa do Brasil

/ Esporte

O Bahia passou pelo Manaus com facilidade. Foto: Felipe Oliveira

Sem muita dificuldade, o Bahia passou pelo Manaus e garantiu classificação à terceira fase da Copa do Brasil. O Esquadrão venceu o time amazonense por 4×1, na noite desta quarta-feira (7), no estádio de Pituaçu.

O triunfo começou a ser construído ainda no primeiro tempo, com os gols de Rodriguinho e Thaciano. Vanílson descontou para o Manaus, mas Germán Conti e Rossi, ambos na segunda etapa, também balançaram as redes.

Agência de medicamentos europeia mantém recomendação para vacina de Oxford

/ Saúde

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) manteve a recomendação de uso da vacina produzido pela Oxford/Astrazeneca.O órgão afirmou que os coágulos sanguíneos sofridos por algumas pessoas vacinadas com o imunizante contra a Covid-19 devem ser considerados um efeito colateral ”muito raro”.

A EMA ainda aponta ”uma possível ligação com casos muito raros de coágulos sanguíneos incomuns, juntamente com níveis baixos de plaquetas sanguíneas”. Para a agência, o balanço entre riscos e benefícios permanece ”positivo”.

No Brasil, a vacina já teve o uso emergencial aprovado por unanimidade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em janeiro. Em março,o imunizante recebeu também o registro definitivo no país. O processo envolveu uma série de testes de segurança e eficácia que atestaram a sua qualidade. Metro1