Produtores de frutas estimam R$ 570 mi em prejuízos por causa da greve dos caminhoneiros

/ Agricultura

O Vale do São Francisco, região conhecida por ser a maior exportadora de frutas do país, já contabiliza um prejuízo de R$ 570 milhões ao final do oitavo dia da greve dos caminhoneiros. A conta foi apresentada na tarde de segunda-feira (28), pelo presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), Jailson Lira depois de uma reunião com os produtores. Segundo ele, a paralisação vem atingindo fortemente o setor, que deixou de comercializar nessa semana 40 mil toneladas de uva e 60 mil toneladas de manga, além de mais de 200 mil toneladas de outras frutas, como banana, acerola, mamão e coco, mercadorias que eram voltadas tanto para o mercado interno quanto para o externo. ”Com todo esse tempo de paralisação, nossas câmaras frias já estão com a ocupação esgotada, não oferecendo mais espaço para o armazenamento das frutas colhidas recentemente. O resultado são pomares e mais pomares com frutas apodrecendo no campo”, lamentou o presidente. Jailson advertiu também que 80% da safra que deve ser colhida nesta semana poderá ficar comprometida por falta de mercado. ”Além de termos cancelados todos os novos pedidos do mercado interno, outro agravante é a falta de combustível para os tratores e pulverizadores, o que pode ocasionar a perda das safras de exportação de setembro e outubro”, acrescentou. Segundo informações do site Barreiras Notícias, os produtores assinaram um documento, ao final da reunião, no qual o sindicato ”“reconhece a legitimidade dos caminhoneiros por que também sentem o alto custo do diesel na atividade agrícola”, solicitando também aos poderes competentes a agilização nas negociações.

Vacinação contra febre aftosa é prorrogada até o dia 15 de junho na Bahia, diz Adab

/ Bahia

9,8 milhões de animais devem ser vacinados. Foto: Adab

A vacinação contra a febre aftosa na Bahia foi prorrogada até o dia 15 de junho, segundo informações da Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adab). A imunização começou no dia 1º de maio e, inicialmente, iria até a quinta-feira (31). Conforme a Adab, a prorrogação se deu por conta do desabastecimento de vacinas nos últimos dias em algumas regiões do estado, seguida dos impactos sobre a distribuição e vacinação. Ainda de acordo com a agência, até o dia 21 de maio a Bahia tinha recebido 7.798.480 doses de vacina contra febre aftosa, das 11.600.000 previstas. O estoque atual é de 4.076.650 doses. No entanto, segundo a Adab, a maioria da carga encontra-se estocada nas distribuidoras, devido às restrições de logística para distribuí-las junto aos revendedores. A Agência de Defesa Agropecuária do Estado informou que 9,8 milhões de animais devem ser imunizados na Bahia. A meta estabelecida representa 96% da taxa de vacinação do rebanho. Na segunda fase da campanha, os produtores têm até 15 dias para declarar a vacinação junto a Adab pela internet, no site da agência, ou nos escritórios do órgão distribuídos pelo estado. Segundo a Adab, o produtor deve adquirir as vacinas em uma revendedora autorizada ou loja de produtos agropecuários devidamente cadastrada na agência. De acordo com a Adab, a Bahia está livre da febre aftosa há 21 anos. O objetivo é manter o estado com status de zona livre da doença, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), pelo 17º ano consecutivo. A Adab alerta, os proprietários que não vacinarem o rebanho durante o período da campanha, e não fizerem a declaração serão multados no valor de R$ 53 por cabeça não vacinada e R$ 160 por propriedade não declarada, ficando impedido de vender ou transportar o rebanho. A agência ressalta, ainda, a necessidade da vacina contra a Brucelose. O produtor deverá declarar outros animais como equídeos, ovinos, caprinos, suínos, aves e peixes. Ao manter o cadastro atualizado, o produtor pode ter acesso aos programas do Governo, com distribuição de animais, milho e financiamentos bancários.

População de Nova Canaã é beneficiada com restauração da BA-262, reinaugurada por Rui

/ Bahia

Rui Costa entrega estrada em Nova Canaã. Foto: Mateus Pereira
Em visita a Nova Canaã, no sudoeste da Bahia, o governador Rui Costa inaugurou a restauração e pavimentação da rodovia BA-262 na tarde desta quarta-feira (30). Com investimento de R$ 27,6 milhões, o serviço contemplou um trecho de 57 quilômetros, entre Poções, Nova Canaã e Iguaí. ”É uma obra que melhora a vida das pessoas e facilita a mobilidade. Assim, acaba por movimentar o comércio da região. Além disso, garantimos que, em uma situação de uma emergência médica, o transporte seja realizado de forma mais segura”, destacou Rui. Nas margens da rodovia está sendo instalada uma ciclovia de sete quilômetros, entre Iguaí e Nova Canaã. O investimento nesta obra é de R$ 2,5 milhões. ”Estamos atendendo a um pedido da população com esta ciclovia. Iremos oferecer mais segurança e conforto aos ciclistas e moradores que precisam se deslocar na área. A nossa previsão é de que fique pronta nos próximos 30 dias. Ela não foi inaugurada hoje por conta do período de chuvas aqui na região”, explicou o superintendente de Infraestrutura de Transporte da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), Saulo Pontes. Na visita, o governador ainda realizou a entrega simbólica dos Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água das localidades de Só se Vendo e Calumbi. Os dois sistemas somam R$ 380 mil e beneficiam cerca de 400 habitantes. Também foram entregues 522 certificados de Cadastro Ambiental Rural, representando um investimento de R$ 40 mil para beneficiar os pequenos produtores de Nova Canaã. Já a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) recebeu autorização para celebrar convênio com a Associação de Pequenos Produtores do Endireitor, Bom Cabelo e Rio Claro, no âmbito do Bahia Produtiva, com recursos de R$ 296 mil.

”Pedro Parente virou o todo poderoso”, diz Muniz ao defender CPI para política de preços da Petrobras

/ Brasília

Senador Muniz alfineta Pedro Parente. Foto: Agência Senado

Um dos 29 senadores a assinar o pedido de instalação de comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar a política de formação de preços da Petrobras, Roberto Muniz (PP-BA) criticou a falta de habilidade do governo e a atuação desmedida do presidente da empresa.  ”Essa é uma crise anunciada. A gente deu autonomia à Petrobras para aumentar o preço. Estamos presos a uma política errônea, que está dependente do mercado internacional e da variação do dólar. Pedro Parente virou o todo poderoso, maior que o povo brasileiro e que o presidente da República. A gente não precisa fazer com que o brasileiro tenha que pagar essa conta”, afirmou em entrevista ao programa Se Liga Bocão, na Itapoan FM, nesta quarta-feira (30). O pepista também assinalou a falta de uma política para diminuição do preço do etanol. Segundo Muniz, o país colhe hoje o prejuízo do desabastecimento por conta de um ”erro histórico em fazer transporte através de rodovias”. Com mais de 60% da sua produção nacional escoada por estrada, o país entrou em colapso com a greve nacional dos caminhoneiros por mais de uma semana. ”Se outros setores acompanham a greve dos caminhoneiros, a gente teria uma crise irreversível”, avaliou, ao acrescentar que a crise faz os brasileiros desacreditarem da democracia.

Presidente da Petrobras terá que ir ao Senado explicar fechamento da Fafen na Bahia e Sergipe

/ Brasília

Presidente da Petrobras, Pedro Parente. Foto: Agência Brasil

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, terá que ir ao Senado explicar o fechamento de fábricas de fertilizantes nitrogenados (Fafens) na Bahia e em Sergipe. O requerimento apresentado pela senadora baiana Lídice da Mata (PSB) foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) na manhã desta quarta-feira (30). ”Não se pode negar que, além de aproximadamente mil empregos diretos envolvidos, deve-se mensurar todo o impacto econômico da medida para as economias locais e para a própria Petrobras”, argumentou a senadora em seu requerimento. A estatal aponta prejuízo de aproximadamente R$ 200 milhões para justificar o fechamento das unidades

Ministro Kassa diz que o PSD caminha para oficializar apoio a Alckmin a presidente da República

/ Política

O PSD caminha para sacramentar o apoio à pré-candidatura do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) nas eleições presidenciais. De acordo com o ministro de Ciência e Tecnologia e presidente licenciado da legenda, Gilberto Kassab, há um “sentimento” para a consolidação da aliança. ”Meu sentimento é que o caminho é para uma aliança, na maioria do partido, com o ex-governador Geraldo Alckmin”, disse Kassab, após participar do anúncio de apoio do PRB à pré-candidatura do ex-prefeito da capital paulista João Doria (PSDB) ao governo de São Paulo. No Estado, reduto eleitoral de Alckmin, o PSD já manifestou apoio à pré-candidatura de Doria. O líder do PSD se referiu a uma consulta que está em fase de conclusão entre os líderes do partido. O apoio a Alckmin, destacou, deve ser resultado da soma de uma identificação programática com alianças regionais. Kassab admite que Alckmin deveria estar melhor nas pesquisas de intenção de voto, mas diz que no momento isso não é condição para a vitória do tucano. Ele cita que foi reeleito como prefeito de São Paulo após começar a campanha com 3% das intenções de voto, em 2008, mesma situação de João Doria ao entrar na disputa de 2014. Na ocasião, Kassab disputou com Alckmin a Prefeitura. ”Não que não fosse positivo se tivesse um número maior, mas isso não é condicionante e nem impeditivo para uma vitória”, afirmou.

Eliana Calmon recusa convite para ser candidata a a vice na chapa de Jair Bolsonaro

/ Política

Eliana Calmon recusou convite de Bolsonaro. Foto: Reprodução

A ex-presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana Calmon, recusou convite para ser vice na chapa de Jair Bolsonaro à Presidência da República. De acordo com o colunista Lauro Jardim, de O Globo, o convite foi feito por um parlamentar que apoia o militar. Calmon, hoje filiada à Rede, já havia declarado sua desistência de disputar quaisquer cargos este ano.

Caminhoneiro é morto a pedradas após passar por manifestação na BR-346, Rondônia

/ Trânsito

Um caminhoneiro morreu hoje (30) em Rondônia, após ser atingido por uma pedra ao passar por um bloqueio montado na BR-364, próximo à cidade de Vilhena (RO), na divisa com o Mato Grosso. Segundo o Pelotão de Trânsito da Polícia Militar de Rondônia, o motorista tinha acabado de passar por manifestantes. Testemunhas relataram que o caminhão foi perseguido e ultrapassado por um veículo cujos ocupantes arremessaram uma pedra que quebrou o para-brisa e atingiu a cabeça do caminhoneiro, que morreu no local. Policiais militares e rodoviários federais estão no local, apurando as circunstâncias do ocorrido. A Polícia Militar afirma que já tem informações para identificar o veículo e os manifestantes suspeitos de participação no crime. A identidade do caminhoneiro que morreu ainda não foi divulgada. Esta é a primeira morte diretamente associada às manifestações dos caminhoneiros, que começaram no último dia 21.

Ministro do STF determina multa de R$ 141 milhões a transportadoras por descumprimento

/ Justiça

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou hoje (30) que 96 transportadoras paguem, em 15 dias, R$ 141 milhões em multas pelo descumprimento da liminar que determinava o desbloqueio imediato das rodovias. O ministro atendeu a um pedido feito pela Advocacia-Geral da União (AGU). Moraes também determinou a penhora dos bens das transportadoras se o pagamento das multas não foi feito no prazo determinado. Na semana passada, em outra decisão sobre a paralisação de caminhoneiros, Moraes autorizou o desbloqueio, com uso de força policial, das rodovias do país, paralisadas pelo movimento nacional de caminhoneiros desde o dia 21 de maio. Na decisão de hoje, o ministro entendeu que as transportadoras impediram a circulação de veículos nas estradas e causaram graves transtornos à população. A constatação de descumprimento da liminar foi baseada em levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF) sobre os bloqueios das vias. ”As pessoas jurídicas elencadas pela autora descumpriram a obrigação de não fazer que lhes fora cominada, praticando atos que obstaram a circulação normal de veículos nas estradas federais e estaduais. Com tal postura, além de atentarem gravemente contra a autoridade do Poder Judiciário, causaram sensíveis transtornos à população, privada, inclusive, do abastecimento de produtos essenciais à subsistência e à saúde”, decidiu Moraes.

Ministra do TST concede liminar para impedir greve de petroleiros, prevista para esta quarta

/ Justiça

A ministra  Maria de Assis Calsing, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), decidiu impedir o início da greve dos petroleiros que trabalham em refinarias da Petrobras, prevista para começar nesta quarta-feira (30). A liminar foi concedida a pedido de Advocacia-Geral da União (AGU). Para a advocacia, a greve dos trabalhadores, em meio ao quadro de desabastecimento provocado pela paralisação de caminhoneiros, trará prejuízos gravíssimos à sociedade, tendo em vista o potencial para prejudicar o abastecimento do mercado interno de gás natural, petróleo e seus derivados. Ao analisar o caso, a ministra entendeu que a greve seria abusiva e ”realizada para incomodar”. Pela decisão, os sindicatos dos grevistas deverão pagar multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento e também estão impedidos de travar o trânsito de mercadorias e pessoas nas refinarias. ”É potencialmente grave o dano que eventual greve da categoria dos petroleiros irá causar à população brasileira, por resultar na continuidade dos efeitos danosos causados com a paralisação dos caminhoneiros. Beira o oportunismo a greve anunciada, cuja deflagração não se reveste de proporcionalidade do que poderia, em tese, ser alcançado com a pauta perseguida e o sacrifício da sociedade para a consecução dos propósitos levantados”, decidiu a ministra.  A Federação Única dos Petroleiros (FUP) convocou a paralisação reivindicando redução dos preços do gás de cozinha e dos combustíveis. Também há críticas à gestão de Pedro Parente na Petrobras e o pedido para que ele deixe o cargo. As informações são da Agência Brasil

Após combustível chegar a cidade, caminhoneiros invadem o centro de Jaguaquara e protestam

/ Jaguaquara

Caminhoneiros foram apoiados por populares. Foto: Blog Marcos Frahm

No 9º dia de mobilização, caminhoneiro que permaneciam aglomerados na margem da BR-116 trecho, do distrito Stela Dubois, desde o dia (21) de maio deslocaram-se com seus veículos até a sede do município de Jaguaquara, há 10 KM da rodovia e invadiram as principais ruas centrais da cidade, no fim da tarde desta terça-feira (29), fazendo buzinaço em forma de protesto. A ação dos caminhoneiros, que ganhou apoio de mototaxistas e de outras categorias, ocorreu horas após a Justiça local conceder liminar requerida pelo prefeito de Jaguaquara, Giuliano Martinelli, para autorizar o carregamento na Base do Poliduto de Jequié dos caminhões tanques necessários ao restabelecimento da distribuição de gasolina, prioritariamente para atender aos serviços essenciais nas áreas de saúde, educação e segurança pública, assim como etanol e diesel para prover o abastecimento dos veículos que prestam serviços ao município. Uma longa fila era formada na entrada, da cidade para o abastecimento de veículos particulares, o que motivou os caminhoneiros e promoverem ato de protesto. Eles se diziam revoltados com a liberação de combustíveis para a população e revelavam que, a partir de agora, irão manifestar-se apenas pela redução no valor do diesel. Por fim, os grevistas retornaram para a BR-116, com mais um movimento no Entroncamento de Jaguaquara, aglomerando-se em estacionamento de postos da localidade para impedir o reabastecimento dos estabelecimentos.

Greve de caminhoneiros: PRF e Choque entram conflito com manifestantes em Alagoinhas

/ Trânsito

Uma ação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar da Bahia começa a desobstruir trechos interditados por caminhoneiros na BR-101, em Alagoinhas, na tarde desta terça-feira (29). Segundo relatos de caminhoneiros a uma emissora de rádio, os policiais lançaram gás lacrimogênio contra os grevistas, que precisaram se refugiar nas dependências da fábrica da cervejaria Heineken. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que manifestantes deitaram na pista e atiraram pedras contra os policiais.

 

Após decisão judicial, postos de combustíveis passaram a ser reabastecidos em Jaguaquara

/ Jaguaquara

Caminhões saíram escoltados da base do Poliduto em Jequié via BR-116

Após a Justiça de Jaguaquara deferir parcialmente o pedido de tutela de urgência requerido pelo prefeito Giuliano Martinelli, para autorizar o carregamento na Base do Poliduto de Jequié dos caminhões tanques necessários ao restabelecimento da distribuição de gasolina, prioritariamente para atender aos serviços essenciais nas áreas de saúde, educação e segurança pública no município, conforme antecipou o Blog Marcos Frahm alguns postos começaram a receber combustíveis na tarde desta terça-feira (29).

Comboio chegou a Jaguaquara por volta das 13h. Fotos Blog Marcos Frahm

Por volta das 13h, o primeiro posto, o Alfa, na entrada da cidade, era reabastecido com a chegada de dois caminhões que saíram da base do Poliduto de Jequié escoltados por viaturas da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe Central) e Polícia Militar (3ª Cia).

Dois caminhões reabasteceram um dos postos de Jaguaquara

A operação de escolta era coordenada pelo Comandante local da PM, Capitão Isaías de Jesus. Por conta da grande procura, muitas filas de motoristas e de pessoas a pé foram registradas na BR-420, nas proximidades do posto.

Motoristas formaram grandes filas no acostamento da Rodovia BR-420

Nas filas, era possível visualizar, inclusive, motoristas que, na cidade, realizaram ato de protesto em apoio aos caminhoneiros e pediam a continuidade da greve. No estabelecimento, a gasolina é vendida a R$ 4,59. O diesel chega a R$ 3,75 e etanol a R$ 3,29. A prioridade de abastecimento é para para veículos oficiais: viaturas, carros da saúde e educação, que já não circulavam por causa da falta de combustíveis nos postos.

Bahia perde 170 mil frangos por dia devido à greve dos caminhoneiros; número pode subir para 500 mil

/ Bahia

Cerca de 170 mil frangos morrem por dia na Bahia por causa do desabastecimento de ração causado pela greve dos caminhoneiros, que chega ao nono dia nesta terça-feira (29). Os dados foram apresentados pela Federação da Agricultura e Pecuária do estado (Faeb). No município de Governador Mangabeira, uma única granja perdeu mais de 50 mil frangos por falta de alimento e teve prejuízo de cerca de R$ 400 mil, de acordo com a Associação Baiana de Avicultura (ABA). Segundo a Faeb, a situação tende a piorar e a projeção é de que a partir de terça-feira (28) o número de aves mortas por dia passe a ser de 500 mil. Por causa dos bloqueios nas estradas federais e estaduais, as granjas ficam sem milhos, sorgo, entre outros insumos para alimentar as aves. Em Conceição da Feira e Santo Antônio de Jesus, cenários semelhantes foram registrados. Para retirar os animais mortos das granjas, estão sendo utilizadas caçambas e retroescavadeiras. ”As aves, hoje, estão uma canibalizando a outra, comendo a carne da outra tentando sobreviver. É um momento dramático, além do prejuízo com a fruticultura, na pecuária de leite. Todas as atividades pagam um preço um pouco caro disso e que a gente entende que precisa ser resolvido rapidamente pelo governo federal e pelo governo do estado com ações emergenciais para minimizar esses prejuízos”, comentou o presidente da Faeb, Humberto Miranda. Na Bahia, existem 12 frigoríficos de frangos e 485 granjas que abastecem todo o estado, além de estados vizinhos e até mesmo outros países. Para muitos deles, segundo dados da ABA, o estoque de alimentou acabou na sexta-feira (26). Devido à falta de alimentos, as aves começam a se alimentar umas das outras e, depois de um dia sem alimento, começa a ocorrer uma morte generalizada. A previsão é que, se todas as 17 milhões de aves do estado morrerem hoje, o prejuízo pode chegar a R$ 70 milhões. ”A situação nos planteis está calamitosa, muito preocupante, porque, com a greve, não chega ração. As aves morrem em questão de horas. E, se continuar desse jeito, vai virar caso de saúde pública, porque não vai local onde descartar tantas aves mortas”, falou a diretora executiva da ABA, Patrícia Nascimento. De acordo com o G1, a Associação publicou uma nota pedindo que os caminhoneiros liberem a passagem de veículos que transportam ração para que ”a catástrofe não seja ainda maior e se torne um problema sanitário e de saúde pública”. Com informações do Bahia Notícias