Neto prorroga por mais 15 dias o fechamento de escolas, praias e estabelecimentos na capital

/ Política

ACM prorroga decreto na capital. Foto: Vagner Souza/BNews

O prefeito ACM Neto anunciou nesta segunda-feira (4), em entrevista coletiva remota, que será prorrogado por mais 15 dias o decreto que determina a suspensão do funcionamento de escolas, faculdades, praias, bares, restaurantes e shoppings centers.

A medida visa reduzir a disseminação da Covid-19 na cidade. Desta vez, o prefeito unificou os dois decretos vigentes e estendeu a prorrogação a salões de beleza, boates, casas de evento e lojas de conveniência para a mesma data. Obras não essenciais também permanecem proibidas.

O democrata ressaltou que os casos do novo coronavírus têm crescido de acordo com a projeção feita no início da pandemia e que a situação da capital baiana será reavaliada no dia 18 de maio, quando encerra a validade deste novo decreto. O prefeito reforçou que, no momento, a melhor medida para diminuir as consequências da Covid-19 é manter o distanciamento social.

”O único caminho para isso, não tem dois, é a preservação das medidas de isolamento social das restrições de atividades e de conscientização de cada pessoa, cada cidadão, indivíduo da nossa cidade. Podendo, é preciso ficar em casa, só tem um caminho, mantendo o isolamento”, afirmou.

No entanto, admite que já trabalha com um plano para que, no momento certo, haja uma retomada gradual das atividades.

Sobre a possibilidade de determinar ”lockdown”, ACM Neto assegurou que a medida não é descartada caso haja necessidade, mas que a Prefeitura não tem jurisdição para decidir sozinha, é preciso uma ação em conjunto com o Governo da Bahia.

”Não quero criar expectativa de que vai acontecer [lockdown], o anuncio que fiz hoje mantém por mais 15 dias os decretos. Os quadros que estamos projetando os próximos 15 dias como deve ser o comportamento da Covid em Salvador […] se no dia 18 for necessário tomar medida mais dura, será tomada, mas o lockdown depende de ação conjunta de prefeitura e governo do estado”, justifica. Com informações do BNes

Os comentários estão fechados.