”Estou sendo afetado por uma briga entre Neto e Rodrigo”, afirma Roma após aceitar ser ministro

/ Política

O novo ministro da Cidadania, João Roma. Foto: Rede social

O novo ministro da Cidadania, o deputado federal João Roma (Republicanos-BA), afirmou que precisava ”cumprir a missão do partido’ de aceitar chefiar a pasta e que está sendo afetado por uma briga entre o presidente do DEM, ACM Neto, seu aliado e amigo, e o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
ACM Neto chegou a pedir que Roma não aceitasse o convite para o ministério com a intenção de se manter distante do governo Bolsonaro.

”Ele [ ACM Neto] está aborrecido com minha decisão. Estou sendo afetado por uma briga entre Neto e Rodrigo. Eu precisava cumprir a missão do meu partido”, disse Roma à coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo.

”A missão é muito grande. É uma oportunidade de ajudar muita gente. A missão desse ministério é não deixar ninguém para trás e ajudar aqueles que precisam. E é a isso que vou me dedicar”, ressaltou Roma.

Após a nomeação de João Roma, ACM Neto, divulgou uma nota lamentando que o aliado tenha aceitado o convite do presidente Jair Bolsonaro, de quem o ex-prefeito de Salvador tenta descolar sua imagem, mas recebe uma chuva de críticas pelo apoio do DEM ao presidente da Câmara, Arthur Lira, do PP, que foi o candidato escolhido por Bolsonaro.

Maia diz que nomeação de aliado de ACM ”mostra o tamanho do seu caráter”

ACM Neto negou ter indicado João Roma para o Ministério da Cidadania e se disse ‘surpreendido’ com a nomeação por Bolsonaro. Roma foi chefe de gabinete de ACM Neto na Prefeitura de Salvador

”João Roma será um grande ministro. Mas Neto mostra o tamanho do seu caráter”, disse Maia, se referindo a ACM Neto. Ao jornal Valor Econômico, Maia disse que o presidente do DEM entregou o partido ”numa bandeja ao Palácio do Planalto” e ameaça sair da legenda, após parte da bancada ter abandonado o seu candidato à presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP), para apoiar o candidato de Jair Bolsonaro, Arthur Lira (PP-AL).

Os comentários estão fechados.