Pesquisa Datafolha mostra Marina Silva à frente em todos os cenários para 2018

/ Política

Marina Silva lidera pesquisa. Foto: FramePhoto Agência
Marina Silva lidera pesquisa. Foto: FramePhoto Agência

A ex-senadora Marina Silva (Rede) aparece na frente em todos os cenários apurados por pesquisa de intenção de voto realizada pelo Datafolha nos dias 17 e 18 de março, para a eleição presidencial de 2018. Ela apresenta de 21% a 24% das preferências dos entrevistados, dependendo de quem seria o candidato do PSDB no pleito. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o político que mais perdeu em intenções de voto entre a pesquisa anterior realizada pelo Datafolha, em fevereiro, e o levantamento de março. Lula perdeu pontos acima do nível da margem de erro em todas as simulações, que consideravam também Marina Silva e um de três políticos do PSDB — o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). Em uma dos cenários, Marina lideraria com 21%, Aécio seria o segundo colocado com 19% e Lula ficaria em terceiro lugar, com 17%. Nesta pesquisa, ele foi quem perdeu mais intenções de voto em relação às anteriores, pois tinha 24% em fevereiro e 27% em dezembro. Informações da Folha de SP

 

Nove deputados baianos estão na comissão de impeachment na Câmara dos Deputados

/ Política

 

Jutahy é a favor do impeachment. Foto:
Jutahy Júnior é a favor do impeachment. Foto: Agência Câmara

Nove deputados baianos estão entre os titulares da comissão especial de impeachment na Câmara dos Deputados, instalada na quinta-feira (17), contra a presidente Dilma Rousseff (PT). São eles: Benito Gama (PTB), Elmar Nascimento (DEM), Lúcio Vieira Lima (PMDB) e Jutahy Júnior (PSDB), Roberto Britto (PP), José Rocha (PR) e Paulo Magalhães (PSD), Bebeto Galvão (PSB) e João Carlos Bacelar (PTN). Benito Gama (PTB), Elmar Nascimento (DEM), Lúcio Vieira Lima (PMDB) e Jutahy Júnior (PSDB) votam a favor do impeachment. Já Roberto Britto (PP), José Rocha (PR) e Paulo Magalhães (PSD) votam contra o processo. Bebeto Galvão deve seguir a orientação da bancada e João Carlos Bacelar ainda é uma incógnita.

Brasília: Comissão especial que julgará ”impeachment” é aprovada por 433 votos a 1

/ Política

Deputados contra comemoram. Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Oposicionistas comemoram. Zeca Ribeiro/Agência Câmara

A Comissão Especial que julgará o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi criada na tarde desta quinta-feira (17/3) na Câmara dos Deputados. A lista com os nomes que deverão compor a comissão especial foi aprovada com 433 votos favoráveis e apenas um voto contrário. O voto contrário foi do deputado José Airton Cirilo, do PT-CE. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, convocou a comissão para se reunir novamente, às 19 horas, para eleição do presidente e do relator do pedido. Às 18 horas, haverá reunião de líderes para discutir os procedimentos de funcionamento da comissão. Após a aprovação da lista, Dilma será comunicada sobre o início da análise. A partir da notificação, ela terá dez sessões do Plenário para apresentar sua defesão à comissão. O STF terminou de julgar os recursos apresentados pela mesa diretora da Câmara na última quarta-feira (16). Detalhes do rito do processo de impeachment foram definidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ainda em dezembro de 2015, mas somente na quarta-feira os juízes do Supremo ratificaram todos os termos da tramitação. Entre eles o da votação aberta para a escolha da lista e a decisão do Senado se inicia ou não o julgamento caso o processo seja autorizado pela Câmara por 2/3 de seus membros (342 votos). *Da Agência Câmara

Juiz federal que suspendeu nomeação de Lula defende queda de Dilma na rede social

/ Política

Itagiba Catta Preta Neto,
Itagiba Catta Preta Neto é contra Dilma. Foto: Facebook

O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, que expediu a liminar suspendendo a posse do ex-presidente Lula no cargo de ministro-chefe da Casa Civil, tem sido alvo de críticas nas redes sociais por ter participado dos protestos contra a presidente Dilma Rousseff (PT) no último domingo (13/3). Outra associação feita relacionada ao juiz é o fato de sua filha, Beatriz Catta Preta, ter advogado para empreiteiros na Operação Lava Jato, embora tenha acabado deixando a advocacia alegando ter recebido ameaças para ir à CPI da Petrobras, na Câmara Federal, para explicar as fontes dos seus honorários.  Itagiba teria postado em seu perfil no Facebook diversas fotos no ato contra o PT e pedindo a queda de Dilma do poder. Em uma das suas postagens no Facebook, Catta Preta diz: ”se ela [Dilma] cair, o dólar também cairia e ficaria mais barato para ir a Miami ou Orlando, nos Estados Unidos”

Líder do PSDB, Antônio Imbassahy deseja prisão de Lula e renúncia de Dilma Rousseff

/ Política

Imbassahy faz duras críticas a Lula e Dilma
Imbassahy faz críticas a Lula e Dilma. Foto: Divulgação/PSDB
Em entrevista à rede de rádios Jovem Pan News na noite desta quarta-feira (16/3) o deputado federal baiano, líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, teceu duras críticas à presidente Dilma Rousseff (PT) e ao ex-presidente Lula (PT). O tucano pediu a prisão do petista a renúncia da chefe do Executivo nacional. ”Tudo que ele fez, essa ação criminosa, tem consequências e a consequência é a prisão e a melhor saída de Dilma é renunciar”, disse. Imbassahy também comentou o clima do Congresso em torno da comissão do Impeachment, que está para ser instalada nesta quinta-feira (17). De acordo com o líder do PSDB, ainda na sessão desta quinta os líderes deverão indicar os membros do colegiado e até o fim da tarde, segundo Imbassahy, o presidente e o relator da comissão deverão ser eleitos. ”Estamos trabalhando com muita determinação. Temos uma ação que vai procurar impedir uma posse de uma pessoa que está sendo denunciada pelo Ministério Público. Estamos em reunião. Vamos trabalhar nesta quinta, nesta sexta e na segunda. Precisamos afastar uma presidente que envergonha e desonra o país”, declarou.

Aloizio Mercadante nega ter tentando calar Delcídio e diz que ato foi de solidariedade

/ Política

Aloísio teria tentado calar Delcídio. Foto: José Cruz/ABr
Aloísio teria tentado calar Delcídio. Foto: José Cruz/ABr

Foi homologada nesta terça-feira (15) a delação premiada de Delcídio Amaral (PT-MS), que traz uma gravação com uma suposta tentativa do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, de silenciá-lo. Na conversa, Mercadante teria oferecido ajuda política e financeira para evitar que o parlamentar petista firmasse acordo de delação premiada. Em entrevista coletiva concedida hoje, o titular da pasta de Educação do governo disse que a gravação da conversa não está completa e negou ter oferecido dinheiro para calar Delcídio. Mercadante argumentou que tem a transcrição completa da conversa e disse que “jamais” tentou impedir a delação de Delcídio. Ele defendeu a tese que foi um ato de solidariedade, argumentando que as filhas de Delcídio estavam sofrendo uma campanha negativa na internet e ele fez um gesto pessoal e não político. “Nenhum momento procurei assessor a mando do governo. Eu só chamei para ter um gesto da família e ele vai tentando induzir uma pauta e mesmo assim não consegue […]. Do ponto de vista pessoal era preciso ter solidariedade, com a família exposta desse jeito”, disse. Ele afirmou também que houve uma tentativa do assessor de Delcídio de “induzi-lo” a falar sobre a delação premiada Mercadante disse ainda que ”está inteiramente à disposição para esclarecer”. “Não escondo nada, transcreva os textos que não foram publicados na delação, pontuou. “Sobre o processo dele, eu fui muito claro. Não vou me meter. Não sou advogado”, enfatizou.

Delcídio do Amaral cita ACM e Tourinho em delação; PFL teria recebido US$ 10 mi em propina

/ Política

PFL de ACM recebeu propina. Foto: Waldemir Barreto
PFL de ACM teria recebido propina. Foto: Waldemir Barreto

A delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MT) traz citações aos baianos Rodolpho Tourinho e Antônio Carlos Magalhães. De acordo com o texto revelado nesta terça-feira (15), ”ilícitos foram cometidos na Petrobras na gestão do governo de Fernando Henrique Cardoso”. “O contrato da Termo Bahia (OAS/Alstom) foi assinado, as pressas, na véspera de sua posse na Petrobras, por razões envolvendo interesses específicos de políticos baianos, que tinha como seu principal representante o então Ministro de Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, um dos aliados mais importantes do ex-senador Antonio Carlos Magalhăes”, afirma o texto. Ainda segundo a delação, a negociata teria tendo algo próximo de US$ 10 milhões ao PFL da Bahia, hoje Democratas. Ainda em sua delação, o congressista diz que o ex-diretor de Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, participou dessa contratação porque era o gerente da área. ”Como o declarante era de fora, praticamente teve que herdar um corpo técnico advindo de outras diretorias da Petrobras, casos de Landim, Graça e Cerveró”, mencionou. O ex-líder do governo no Senado diz acreditar ainda que pessoas da Petrobras teriam recebido propina da compra da máquina (turbina GT24) para a refinaria baiana junto à Alstom.

Em acordo de delação, Delcídio do Amaral vai devolver mais de R$ 1 mi aos cofres públicos

/ Política

Delcídio assume crimes em acordo. Foto: Alessandro Dantas
Delcídio assume crimes em acordo. Foto: Alessandro Dantas

Devido aos crimes assumidos no acordo de delação premiada firmado dentro da Operação Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral, afastado do PT do Mato Grosso do Sul, se comprometeu em devolver R$ 1,5 milhão aos cofres públicos. A informação consta na decisão do ministro Teori Zavascki, que homologou o acordo de delação premiada do senador. Com 21 termos, crimes praticados no âmbito do Palácio do Planalto, Senado, Câmara, Ministério de Minas e Energia e Petrobras são citados na delação. A decisão do ministro diz que ”tal acordo foi firmado com a finalidade de obtenç? o de elementos de provas para o desvelamento dos agentes e partícipes responsáveis, estrutura hierárquica, divis?o de tarefas e crimes praticados pelas organizações criminosas no âmbito do Palácio do Planalto, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados, do Ministério de Minas e Energia e da companhia Petróleo Brasileiro entre outras”. Teori ressaltou que a delação não é um meio de prova e que os fatos delatados serão objeto de investigação. Várias partes da delação de Delcídio foram reveladas nas últimas semanas pela revista ”Istoé”, envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff, além de políticos do PMDB e ex-ministros de governo.

 

Ubatã: Polícia prende jovem de 19 anos suspeito de assaltar casa da prefeita Simeia Queiroz

/ Política

Simeia ficou em poder de bandidos. Foto: Blog Marcos Frahm
Simeia ficou em poder de bandidos. Foto: Blog Marcos Frahm

  Um dos suspeitos de ter invadido e assaltado a casa da prefeita Simeia Queiroz (PSB), na madrugada da última quinta-feira (10/3), em Ubatã, foi preso pela Polícia Militar. Fernando de Carvalho Cruz, de 19 anos, confessou participação no assalto. Ele foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma, por andar com uma espingarda calibre 12 em uma região da cidade. O suspeito está preso na Delegacia Territorial de Ubatã.

PP sela indicação de Cacá Leão para ministro da Integração Nacional, mas deputado desconhece

/ Política

Cacá deve assumir ministério. Foto: Blog Marcos Frahm
Cacá deve assumir ministério. Foto: Blog Marcos Frahm

O deputado federal Cacá Leão (PP) poderá ocupar o cargo de ministro no Governo Dilma Rousseff. Cacá deve assumir o Ministério da Integração Nacional. De acordo a coluna Satélite, do jornal Correio, uma reunião da bancada do PP em Brasília selou a indicação do parlamentar para a função ocupada atualmente por Gilberto Occhi. Diagnosticado com câncer de próstata, Occhi deixará a pasta. Já o deputado baiano, rechaça a informação do Correio. ”Eu nem soube que teve essa reunião. Não existe nenhuma tratativa sobre esse assunto, Gilberto Occhi está licenciado e retorna depois da Semana Santa”, apontou.

Governador Rui Costa volta da China com acordos para acelerar obras na Bahia

/ Política

Rui se encontra com família no Aeroporto. Foto: Divulgação
Rui se encontra com família no Aeroporto. Foto: Divulgação
Importantes obras de infraestrutura, equipamentos e mobilidade urbana para a Bahia ganharão, nos próximos meses, um novo impulso como resultado da missão internacional liderada pelo governador Rui Costa em sua viagem à China. Ele desembarcou no Aeroporto Internacional de Salvador às 16h20 desta segunda-feira (14/3). Na bagagem, Rui traz diversos acordos firmados com empresários asiáticos que vão garantir, nos próximos meses, o aprofundamento dos estudos técnicos e negociações que possibilitarão o andamento de obras importantes de infraestrutura no estado, a exemplo do Complexo Porto Sul e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), além do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que ligará o Subúrbio Ferroviário ao Comércio, e o novo Centro de Convenções da Bahia. Um dos resultados mais promissores da viagem do governador à China foi o acordo assinado com uma das maiores construtoras chinesas – a China Railway Engineering Group (Crec) – e o Fundo Chinês para Investimento na América Latina (Clai-Fund) para construir e operar o Porto Sul e a Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol), em associação com o governo baiano e a Bahia Mineração (Bamin), que explora o minério de ferro em Caetité, na Bahia.

Senador Otto Alencar oficializa filiação de Edvaldo e do filho Antonio Brito ao PSD

/ Política

Edvaldo e Antônio, pai e filho, ingressam no PSD. Foto: Divulgação
Pai e filho ingressam no PSD de Otto. Foto: Divulgação

O senador Otto Alencar, presidente estadual do Partido Social Democrático (PSD) assinou hoje (14/3) as fichas de filiação do deputado federal Antonio Brito e de seu pai, o vereador Edvaldo Brito. O ato foi realizado no Centro Cultural da Câmara de Vereadores da capital baiana, superlotado com prefeitos, vereadores, deputados estaduais e federais, filiados do partido, simpatizantes e diversas lideranças de toda a Bahia. ”Políticos de destaque no cenário nacional, os Brito trazem os seus trabalhos para somar no projeto do PSD de ajudar a Bahia a crescer”, celebrou o senador Otto Alencar. Antonio Brito comemorou o ingresso no PSD, ”partido que tem coerência nas decisões e nos projetos, e chego para somar, trazendo a minha experiência política com ética, defendendo a saúde para todos”. Para Edvaldo Brito, foi um reencontro, pois em 1985 Otto foi o seu vice na disputa pela prefeitura de Salvador. ”Aqui é uma família, com membros compromissados com o futuro da Bahia e do Brasil”, finalizou o ex-prefeito e jurista.

Juíza de São Paulo não acata pedido de prisão preventiva do ex-presidente Lula

/ Política

Pedido de prisão de Lula é negado. Foto: Instituto Lula
Pedido de prisão de Lula é negado. Foto: Instituto Lula

A juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo não acatou o pedido de prisão preventiva solicitado pelo Ministério Público paulista contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A magistrada vai encaminhar o processo para 13ª vara da Justiça Federal, em Curitiba. O processo será juntado às investigações da Operação Lava Jato. Passará agora e ser encaminhado pelo juiz Sérgio Moro. Os promotores paulistas Cássio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Henrique Araújo pediram a prisão preventiva do ex-presidente Lula, na quinta-feira (11) junto com a denúncia que apresentaram na quarta-feira (9) sobre o tríplex em Guarujá que teria sido preparado para a família do petista. Quinze pessoas estão envolvidas. Na denúncia, os promotores acusam o petista de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, crimes que podem render de 3 a 10 anos de prisão e de 1 a 3 anos, respectivamente. O ex-presidente nega todas as acusações. Moro ainda vai decidir se o ex-presidente vira ou não réu na Operação Lava Jato.

Chamados de ”ladrão”, Geraldo Alckmin e Aécio Neves são expulsos de manifestação em SP

/ Política

Aécio Neves foi hostilizado e teve de deixar o protesto
Aécio foi hostilizado e deixou protesto. Foto: Folha de SP

A irritação dos paulistas com a corrupção não se restringiu ao governo petista no protesto deste domingo (13/3). O governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o senador por Minas Gerais, Aécio Neves, ambos do PSDB, ficaram apenas meia hora na manifestação na Avenida Paulista, no centro de São Paulo. Eles foram hostilizados com gritos de bundões  e oportunistas. Ao estender a mão para cumprimentar um rapaz, Aécio passou por uma grande saia justa. O jovem disparou para o senador: ”Ladrão! Você sabe que também é ladrão!”. Aécio e Alckmin desistiram de subir no carro de som do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos organizadores do protesto, e foram embora escoltados por um grande grupo de seguranças.