Mais de 40 pessoas são encontradas mortas em caminhão abandonado nos Estados Unidos

/ Mundo

Ambulâncias e viaturas em volta do caminhão. Foto: Twitter

Ao menos 42 pessoas foram encontradas mortas nesta segunda-feira (27) dentro e ao redor de um caminhão abandonado na cidade de San Antonio, no estado do Texas, nos Estados Unidos. Acredita-se que as vítimas sejam imigrantes que entraram no país de maneira irregular. As informações são do jornal The New York Times.

Outras 12 pessoas foram encontradas com vida e levadas para hospitais locais, segundo autoridades. O Departamento de Segurança Interna dos EUA investiga o caso, e policiais fazem buscas pelo motorista do veículo.

O caminhão foi deixado perto de uma linha de trem e de um terreno com carros abandonados em uma área remota na zona sul da cidade. Imagens publicadas nas redes sociais mostram carros da polícia e ambulâncias ao redor do veículo.

A causa das mortes e as nacionalidades das vítimas ainda são desconhecidas. O ministro de Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, afirmou que o cônsul mexicano está indo para o local.

San Antonio, no estado do Texas, fica a aproximadamente 250 quilômetros da fronteira com o México. A cidade registrou forte calor nesta segunda, com temperatura máxima de 39,4ºC. Com informações do site Bahia Notícias

Homens armados matam 50 pessoas em igreja católica na Nigéria; Entre as vítimas, estão mulheres e crianças

/ Mundo

Um grupo de homens armados atacou uma igreja católica na região de Ondo, no sudoeste da Nigéria, e matou pelo menos 50 fiéis, informaram o governo e a polícia neste domingo (5).

O ataque aconteceu durante a missa matinal na igreja católica de São Francisco na localidade de Owo, uma região onde os atentados jihadistas e de grupos criminosos não são comuns.

Por ora, não se sabe quem foram os responsáveis pelo ataque nem suas motivações. Há pelo menos 12 anos a Nigéria vem enfrentando uma insurreição jihadista no nordeste do país, enquanto grupos criminosos cometem sequestros envolvendo grandes quantidades de pessoas no noroeste e grupos separatistas operam no sudeste.

O presidente Muhammadu Buhari condenou o ataque, chamando-o de ”hediondo”. A identidade e o motivo dos invasores não ficaram imediatamente claros.

A mídia local disse que homens armados atiraram contra os fiéis e detonaram explosivos na igreja. Entre os mortos estão mulheres e crianças.

Funmilayo Ibukun Odunlami, porta-voz da polícia de Ondo, disse que houve um incidente na Igreja Católica de São Francisco em Owo e que a polícia emitirá uma nova declaração em breve.

O país mais populoso da África testemunhou ataques e sequestros para resgate por gangues armadas, principalmente no noroeste. Tais ataques são raros no sudoeste da Nigéria.

O governador de Ondo, Arakunrin Oluwarotimi Akeredolu, interrompeu uma viagem à capital Abuja e retornou a Ondo após o ataque. ”Vamos comprometer todos os recursos disponíveis para caçar os responsáveis e fazê-los pagar”, disse em comunicado. G1

Brasileiro que identificou a variante ”Ômicron” entra na lista dos 100 mais influentes da Time

/ Mundo

Cientista brasileiro Tulio de Oliveira. Foto: Reprodução/rede social

O cientista brasileiro Tulio de Oliveira foi indicado como uma das pessoas mais influentes do mundo em 2022 pela revista norte-americana Time por sequenciar a variante Ômicron do coronavírus na África do Sul. Ele é diretor do Centro para Resposta a Epidemias e Inovação da África do Sul (Ceri) e também identificou a variante a Beta, outra versão do Sars-CoV-2 achada no país africano.

Oliveira foi indicado ao lado do virologista do Zimbabwe Sikhulile Moyo, diretor do laboratório de Referência de HIV de Botswana-Harvard, também responsável pela identificação da variante Ômicron.

”Cada geração tem pessoas que inspiram as gerações seguintes. Sikhulile e Tulio têm esse potencial para pessoas que trabalharão em saúde pública e genômica. Não vimos o fim de suas contribuições”, diz o texto da revista sobre os cientistas.

O pesquisador brasileiro iniciou a graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e está na África do Sul desde 1997. Ele trabalha com vigilância genômica há quase 20 anos, tem centenas de publicações em revistas de renome como as revistas Nature, Science, Lancet e NEJM. Além da pesquisador, atuou por dez anos no The Wellcome Trust, um centro de caridade global independente dedicado a melhorar a saúde.

A equipe de Oliveira também esteve por trás do sequenciamento de outros vírus conhecidos dos brasileiros, como o zika, que levou a OMS a decretar emergência internacional em 2016, febre amarela, dengue e chikungunya.

Sônia Guajajara também está na lista

A ativista indígena Sônia Guajajara também representa o Brasil na lista das 100 pessoas mais influentes da Time. Assim como Oliveira, Sônia foi selecionada na categoria de ‘Pioneiros’ Ela foi a primeira mulher indígena a concorrer a uma chapa presidencial no Brasil e atua como coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, na linha de frente da luta em defesa das terras indígenas brasileiras e pela preservação da floresta amazônica.

Sônia participou da COP26, criando um fundo de US$ 1,7 bilhão para povos indígenas e comunidades locais, e liderou protestos indígenas contra o projeto de lei 490/2007, que altera o Estatuto do Índio, permitindo demarcação de terras destinadas às populações originárias e atividade extrativa dentro das reservas indígenas.

”Os pais de Sônia Guajajara não sabiam ler e ela teve que sair de casa aos 10 anos para trabalhar. Apesar disso, ela desafiou as estatísticas e conseguiu se formar na universidade. Desde tenra idade, ela lutou contra forças que tentam exterminar as raízes de sua comunidade há mais de 500 anos. Sônia resistiu e continua resistindo até hoje: contra o machismo, como mulher e feminista; contra o massacre de povos indígenas, como ativista; e contra o neoliberalismo, como socialista”, diz o texto da Time, assinado por Guilherme Boulos, que foi candidato à Presidência em 2018 ao lado de Sônia, candidata a vice de sua chapa.

”Hoje, Sônia é uma inspiração, não só para mim, mas para milhões de brasileiros que sonham com um país que salda suas dívidas com o passado e finalmente acolhe o futuro”, completa.

Baleado em atentado, prefeito de Pedro Juan é internado em estado grave na fronteira

/ Mundo

José Carlos, de 53 anos, sofreu um atentado. Foto: Rede social

O prefeito da cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, José Carlos Acevedo, de 53 anos, sofreu um atentado a tiros quando saía da Prefeitura na tarde desta terça-feira (17). Acevedo foi levado em estado grave para um hospital da cidade, que é vizinha a Ponta Porã (MS), região de fronteira com o Brasil. O político foi atingido por três tiros de pistola 9 mm. O atirador fugiu a pé. Policiais e membros do Ministério Público do Paraguai foram ao local e investigam o caso. Até o fim da tarde, não havia informação sobre o estado de saúde do gestor.

De acordo com as primeiras informações, Acevedo tinha participado de uma reunião na prefeitura e deixou o prédio para se dirigir ao Palácio da Justiça, que fica próximo. Ele estava desacompanhado de seguranças e conversava com um jornalista quando foi surpreendido pelo atirador. A polícia paraguaia requisitou imagens de duas câmeras localizadas próximas do local do atentado.

Empresário, José Carlos Acevedo cumpre o segundo mandato consecutivo, após ser reeleito nas eleições de outubro do ano passado.

O prefeito é irmão do governador de Amambay, Ronald Acevedo, que teve uma filha assassinada junto com duas estudantes de medicina brasileiras na chacina de outubro de 2021, quando quatro pessoas foram mortas com mais de 100 tiros. Na época, José Carlos acusou a polícia paraguaia de estar retardando as investigações e encobrindo o mandante do crime. Essa região da fronteira entre Brasil e Paraguai vive um clima de extrema violência desde que facções criminosas brasileiras passaram a disputar as rotas do tráfico de armas e drogas.

Pouco antes do atentado contra o prefeito, dois homens foram executados em um posto de combustível, na linha internacional que separa as cidades de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã. As vítimas estavam em um carro quando um pistoleiro desceu de uma moto e fez os disparos. Os dois homens, identificados como Denis Gabriel Pereira, de 33 anos, e Luis Enrique Arguello Meza, de 27, foram atingidos por vários disparos e morreram no interior do automóvel. Eles tinham passagens por homicídio e tentativa de homicídio. A polícia vai analisar imagens de câmeras de segurança.

Com informações do Estadão Conteúdo

Ativistas pró-Ucrânia jogam líquido vermelho em embaixador russo Serguei Andreev na Polônia

/ Mundo

O embaixador russo na Polônia, Serguei Andreev. Foto: Leszek

O embaixador russo na Polônia, Serguei Andreev, foi atingido por um líquido vermelho, jogado por ativistas pró-Ucrânia em Varsóvia ao chegar para uma homenagem por ocasião do aniversário do fim da 2ª Guerra, um incidente que a Rússia denunciou imediatamente. Em 9 de maio de 1945, os russos celebraram a vitória contra a Alemanha nazista.

Ativistas que gritavam “fascistas” e levantavam a bandeira nacional da Ucrânia bloquearam a passagem do embaixador, que se dirigia para depositar flores no cemitério de Varsóvia, onde descansam os soldados soviéticos mortos durante a 2ª Guerra.

Alguns manifestantes então jogaram a substância vermelha em seu rosto e roupas, atingindo também as pessoas que o acompanhavam. Após limpar o rosto com a mão, Andreev declarou: ”Estou orgulhoso de meu país e de meu presidente”.

Andreev disse à agência de notícias russa RIA Novosti que não se feriu durante o ataque, acrescentando que a substância vermelha era uma espécie de xarope. O incidente foi denunciado imediatamente pela Rússia.

Maria Zakharova, porta-voz da diplomacia russa, informou que ”os partidários do neonazismo mostraram de novo seu rosto e é sangrento”. A Rússia dirigiu um forte protesto às autoridades polonesas por sua clemência ao que se referiu como jovens neonazistas.

Alguns comentaristas russos sugeriram que o ataque ao diplomata poderia levar Moscou a chamar o embaixador de volta e pedir ao representante polonês que deixasse a Rússia.

Críticas

O governo polonês enfrentou críticas por não dar mais segurança ao embaixador, permitindo que ocorresse um incidente que a Rússia poderia usar para descrever a Polônia como hostil a Moscou.

Entre os críticos estava um ex-ministro do Interior, Bartlomiej Sienkiewicz, que disse não entender por que não havia mais proteção para o embaixador quando durante semanas era possível sentir como o 9 de maio poderia terminar em Varsóvia, segundo ele.

O atual ministro do Interior da Polônia, Mariusz Kaminski, no entanto, disse que seu governo aconselhou o embaixador a não colocar flores no cemitério e observou que a polícia o ajudou a deixar o local com segurança.

”A reunião de opositores da agressão russa contra a Ucrânia, onde o crime de genocídio ocorre todos os dias, era legal”, disse Kaminski. ”As emoções das mulheres ucranianas que participam da manifestação, cujos maridos estão lutando bravamente em defesa de sua pátria, são compreensíveis”.

Estadão Conteúdo

Ameaça de morte faz líder das pesquisas à presidência da ”Colômbia” parar campanha eleitoral

/ Mundo

Gustavo lidera pesquisas na Colômbia. Foto: Daniel Munoz/AFP

Uma visita de campanha do candidato à presidência da Colômbia que lidera as pesquisas, Gustavo Petro, foi suspensa nesta segunda-feira (2), após ameaça de morte e descoberta de suposto planejamento para matar o candidato.

Gustavo Petro, que foi prefeito de Bogotá e atualmente é senador, desagrada grupos paramilitares do país por ter sido guerrilheiro do já desmobilizado M-19. A viagem de campanha seria para uma região chamada Eixo Cafeeiro, no centro-oeste da Colômbia.

O La Cordillera, grupo que fez a ameaça, é identificado como uma célula que atua nos departamentos de Quindío, Caldas e Risaralda e em seu mais recente atentado, foi assassinado o líder ativista Lucas Villa, durante protestos no ano passado.

Carro em alta velocidade atropela multidão em festa na Bélgica e deixa seis mortos

/ Mundo

Um carro em alta velocidade atingiu uma multidão reunida para uma festa de carnaval na cidade de Strépy-Bracquegnies, no sul da Bélgica, e matou seis pessoas e feriu outras 26. Entre os feridos, 10 estariam correndo risco de vida.  A situação aconteceu na manhã deste domingo (20) e esta sendo investigada.

Em coletiva, as autoridades afirmaram que, em uma investigação preliminar, o caso não parece se tratar de um ataque terrorista. O motorista teria fugido, mas duas pessoas que estavam no carro foram, mais tarde, detidas.

De acordo com Jacques Gobert, prefeito da cidade vizinha de La Louvière, entre 150 e 200 pessoas estavam reunidas se preparando para um desfile tradicional na região com fantasias e tambores.

McDonald’s e Coca-Cola suspendem operação na Rússia por causa da guerra na Ucrânia

/ Mundo

Carro fica destruído. Foto: Sergey Bobok/AFP/Folhapress/Arquivo

Alguns dos maiores ícones do capitalismo ocidental anunciaram nesta terça-feira (8) a suspensão de suas atividades na Rússia, engrossando as pressões econômicas contra Moscou após uma série de manifestações de descontentamento em todo o mundo.

McDonald’s, Coca-Cola, PepsiCo e Starbucks, entre outras, informaram que não devem operar no país por tempo indeterminado, seguindo o caminho de companhias do setor de óleo e gás e de outras marcas famosas, como Ikea e Levi Strauss & Co.

No mesmo dia dos anúncios, e procurando amenizar sanções que começam a prejudicar o abastecimento de lojas e supermercados russos —trazendo à memória cenas do período soviético—, o presidente Vladimir Putin foi à televisão anunciar um amplo pacote de ajuda à população mais pobre.

O objetivo é compensar perdas que pensionistas do Estado vêm sofrendo no poder de compra com a desvalorização do rublo e a consequente inflação, além de reforçar programas sociais que atendem a cerca de 19 milhões de russos (ou 13% da população) abaixo da linha de pobreza, segundo critérios do Banco Mundial.

Com as medidas, expostas num documento de 39 páginas, Putin procura neutralizar parte do descontentamento que se espalha entre o povo russo como resultado das sanções ocidentais —que ajudam a alimentar ondas de manifestações que já deixaram mais de 10 mil detidos. O líder já chegou a comparar as punições a uma declaração de guerra.

Entre as companhias que suspenderam negócios na Rússia nesta semana, a decisão do McDonald’s é a que tem maior peso simbólico.

A rede de lanchonetes baseada em Chicago começou a operar na então sisuda praça Púchkin, em Moscou, em 31 de janeiro de 1990, menos de três meses após a queda do Muro de Berlim, em novembro de 1989 —e antes mesmo, portanto, do fim do império soviético, cujas repúblicas se dissolveram em dezembro de 1991.

Os planos para a abertura eram negociados desde o início dos anos 1980, como parte do processo de abertura do regime ao Ocidente.

No dia da inauguração, os moscovitas formaram filas gigantescas para visitar o restaurante; estima-se que cerca de 30 mil pessoas tenham entrado no McDonald’s só naquele dia. Muitos guardavam embalagens de sanduíches como suvenires do capitalismo.

A inauguração da segunda unidade da rede, dois anos depois, contaria com a presença do então reformista presidente russo, Boris Ieltsin (1931-2007).

O McDolnald’s anunciou nesta terça que a suspensão das atividades incluirá todos os 847 restaurantes na Rússia, mas disse que os 62 mil funcionários da rede continuarão sendo pagos até nova decisão sobre o assunto.

A rede detém e opera 84% de seus restaurantes em território russo, sendo o restante administrado por franqueados —que também fecharão as portas.

”Nossos valores significam que não podemos ignorar o sofrimento humano desnecessário que se desenrola na Ucrânia”, disse o presidente-executivo Chris Kempczinski em mensagem oficial da empresa.

A suspensão, porém, só ocorreu após uma série de manifestações de consumidores e, finalmente, da pressão do New York State Common Retirement Fund, um fundo de pensão americano com ativos de mais de US$ 280 bilhões que detém ações da companhia.

O McDonald’s também opera 108 restaurantes na Ucrânia, além de escritórios corporativos, empregando cerca de 10 mil pessoas no país ora sob invasão. Eles também estão fechados e com previsão de pagamento aos funcionários. Rússia e Ucrânia responderam por cerca de 9% da receita da rede de lanchonetes no ano passado.

Na semana passada, o mesmo New York State Common Retirement Fund havia pressionado a PepsiCo, da qual também é acionista, a suspender negócios com a Rússia, o que acabou sendo anunciado nesta segunda.

Nesse caso, a fabricante de bebidas teve receitas de US$ 3,4 bilhões na Rússia em 2021, a terceira maior fatia, atrás apenas de Estados Unidos e México.

Ataques russos com a utilização de mísseis destroem aeroporto na região central da Ucrânia

/ Mundo

Russos usaram mísseis no ataque. Telegram/Parlamento da Ucrânia

Ataques russos com mísseis destruíram neste domingo o aeroporto de Vinnytsia, 200 km ao sudoeste de Kiev, anunciou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

”Acabei de ser informado sobre um ataque com mísseis em Vinnytsia. O aeroporto foi completamente destruído”, afirmou Zelensky no Telegram sobre a cidade de 370.000 habitantes.

Zelensky também criticou os países ocidentais por sua recusa a impor uma zona de exclusão aérea na Ucrânia e não fornecer aviões de combate à Força Aérea ucraniana.

”Repetimos todos os dias: fechem o espaço aéreo da Ucrânia, fechem aos mísseis russos, aos aviões de combate russos, a todos estes terroristas”, disse o presidente. ”Somos humanos e é seu dever humanitário nos proteger”, acrescentou.

”Se não fizerem isto, se não entregarem aviões para nos proteger, só podemos chegar a uma conclusão: vocês também querem que nos matem lentamente”, denunciou.

Ucrânia cria site para recrutar soldados estrangeiros à guerra; Brasil está na lista

/ Mundo

O governo da Ucrânia lança, neste sábado (05), um site com instruções a voluntários que desejam juntar-se à defesa do país aos ataques militares russos, iniciados no último dia 24 de fevereiro.  De acordo com o governo, o conflito ”não se trata apenas de uma invasão da Ucrânia pela Rússia, mas do início de uma guerra contra toda a Europa”, e convoca soldados para a Legião Internacional da Ucrânia, criada pelo presidente Volodymyr Zelensky.

Segundo o jornal O Globo, o site possui instruções para quem deseja se alistar ao exército ucraniano. O país busca voluntários com experiência em combate, incluindo brasileiros, que estejam ”ao lado da Ucrânia contra a invasão russa”.

O interessado deve seguir sete passos para ingressar na Legião Internacional de Defesa da Ucrânia, iniciando por buscar a Embaixada da Ucrânia no país de origem, o que pode ser feito fisicamente, por telefone ou e-mail. É preciso apresentar passaporte válido para viagens ao exterior e documentos que comprovem o registro de serviço militar e participação em combate. O consulado pode solicitar outro tipo de documentação.

Em seguida, o voluntário deve comparecer à Embaixada com documentos para entrevista com o Adido de Defesa e providenciar o visto com o Cônsul e apresentar um pedido de alistamento para o serviço militar voluntário, baseado em contrato nas Forças Armadas da Ucrânia.

O site recomenda que o voluntário leve ao país seu próprio kit militar, com roupas ou seus elementos, equipamentos, capacete e colete, por exemplo. O governo garante que os interessados serão auxiliados em todo o trajeto até o país, por representantes das embaixadas e consulados ucranianos (no exterior) e da defesa territorial na Ucrânia, no momento da chegada.

Lula visita México, se reúne com presidente e fala em união da América Latina contra guerra

/ Mundo

Lula se encontra com Andrés Manuel. Foto: Ricardo Stuckert

Em viagem ao México, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pregou a união da América Latina pela paz e afirmou que deve decidir sobre a oficialização de sua candidatura à Presidência da República ao retornar para o Brasil na próxima semana.

”A América Latina deve estar unida nesse esforço por um mundo que quer a paz e já não pode suportar a guerra”, afirmou Lula ao jornal mexicano La Jornada nesta terça-feira (1º), dias depois do começo da guerra na Ucrânia. Lula chegou ao país na segunda-feira (28) e foi recebido pelo chanceler Marcelo Ebrard. O petista tem um encontro, nesta quarta-feira (2), com o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador.

Na mesma entrevista, Lula afirmou: ”sou um ex-presidente que está avaliando, conversando com muitas pessoas [para decidir] se serei candidato mais uma vez, uma decisão que se supõe que devo tomar quando voltar do México”. A viagem marca a retomada da agenda internacional de Lula, que foi interrompida pelo aumento de casos de Covid gerado pela variante Ômicron. No ano passado, o ex-presidente esteve na Europa e na Argentina.

Lula também agendou reuniões com parlamentares mexicanos e líderes do partido de López Obrador, o Morena (Movimento de Regeneração Nacional). A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR); o senador Humberto Costa (PE) e os ex-ministros Celso Amorim e Aloizio Mercadante acompanham o petista na viagem.

Também nesta terça, em entrevista à imprensa, López Obrador anunciou que o México não aplicará sanções econômicas contra a Rússia pela invasão à Ucrânia. ”Não vamos aplicar nenhum tipo de represália econômica porque queremos ter boas relações e queremos estar em condições de poder falar com todas as partes”, declarou López Obrador, que é de esquerda. ”Somos contra a invasão, nós padecemos de invasões da Europa, da Espanha, da França e dos Estados Unidos. Queremos que as invasões desapareçam”, completou.

O presidente mexicano também comentou sobre a visita de Lula, dizendo que é uma agenda informal, uma reunião de amigos que estão “buscando que as coisas mudem na América Latina e no mundo”.

López Obrador afirmou ainda que o México mantém boa relação de respeito com o governo de Jair Bolsonaro (PL).

Como mostrou a Folha, a guerra na Ucrânia virou munição contra Bolsonaro e Lula no contexto da eleição presidencial. A invasão da Rússia opôs os principais presidenciáveis e evidenciou contradições. Em entrevista na semana passada, Lula havia dito que “ninguém pode concordar com a guerra”.

”A guerra só leva a destruição, desespero e fome. O ser humano tem que criar juízo e resolver suas divergências em uma mesa de negociação, não em campos de batalha”, disse Lula, em crítica sutil à decisão da Rússia, governada por Vladimir Putin, de iniciar os ataques à Ucrânia.

A esquerda, no entanto, se divide sobre o tema. Uma visão ideológica, que ecoa a Guerra Fria, vê o conflito sob o prisma do imperialismo. A leitura é a de que os EUA perseguem a hegemonia global e, via Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), buscam fustigar a Rússia.

Bolsonaro, por sua vez, vem pregando neutralidade no conflito. O presidente é simpático a Putin, com quem se reuniu no último dia 16. Em solo russo, Bolsonaro declarou solidariedade ao país.

Carolina Linhares, Folhapress

órgão de controle das comunicações da Rússia proíbe imprensa de usar palavra ”invasão” da Ucrânia

/ Mundo

Veículos são culpados de divulgar informações falsas. Foto: AFP

O órgão de controle das comunicações da Rússia ordenou aos veículos da imprensa, neste sábado (26), que suprima de seu conteúdo qualquer referência a civis mortos no conflito na Ucrânia e proibiu os termos ”invasão”, ”ofensiva”, ou ”declaração de guerra”.

”Destacamos que apenas fontes oficiais russas dispõem de informação atualizada e confiável”, afirmou a agência reguladora do setor, a Roskomnadzor, em um comunicado, no momento em que Moscou descreve a intervenção na Ucrânia como uma “operação especial” destinada a ”manter a paz”.

Essa diretriz foi dirigida a uma série de meios de comunicação, a maioria crítica ao governo russo, como o jornal Novaya Gazeta, a rede online Dojd, ou o portal Mediazona, que foram classificados em seu país como ”agentes estrangeiros”.

De acordo com o regulador, esses veículos são culpados de divulgar informações falsas de que ”as Forças Armadas russas estão atirando contra as cidades ucranianas”. A agência também criticou os conteúdos que classificam a operação das tropas russas como “ofensiva, invasão, ou declaração de guerra”.

O regulador advertiu que, caso se neguem a remover o conteúdo, ”o acesso a estes meios de comunicação ficará restrito”. Há um ano, a Rússia reforça o controle sobre o jornalismo independente e os movimentos de oposição.

Estadão Conteúdo

Vladimir Putin diz que Rússia não tem intenção de prejudicar a economia global

/ Mundo

“A Rússia segue sendo parte da economia mundial”. Foto: Reprodução

Em meio a ofensiva militar contra a Ucrânia, iniciada nesta madrugada pela Rússia, o presidente do país, Vladimir Putin, afirmou nesta quinta-feira (24) que a Rússia faz parte da economia global e que não tem intenção de prejudicá-la.

”A Rússia segue sendo parte da economia mundial. Não temos a intenção de causar dano ao sistema do qual fazemos parte”, afirmou o chefe de governo, em uma reunião com diretores de grandes empresas nacionais, em que foi analisada a situação após o início dos ataques contra o país vizinho.

Mulher grávida morre aos 21 anos estrangulada pelo próprio cabelo durante entrevista de emprego

/ Mundo

Umida Nazarova sofreu ferimentos muito graves. Foto: Rede social

Uma mulher de 21 anos que vivia na Bielorrússia morreu estrangulada pelo próprio cabelo durante uma entrevista de emprego. O acidente que vitimou a assistente de loja, Umida Nazarova ocorreu enquanto ela conhecia a fábrica que iria trabalhar. A mulher, que estava grávida,  teve o couro cabeludo totalmente arrancado no acidente.

Conforme divulgou o Portal Metrópoles, parceiro do site Bahia Notícias, a jovem visitava a fábrica que produzia fios de solda e eletrodos onde viria a trabalhar. No momento do acidente, funcionários seniores mostravam a fábrica para ela quando seu cabelo  ficou preso em uma das máquinas, enrolado ao redor do pescoço. Ela foi puxada bruscamente para dentro do mecanismo e ficou presa e coberta de sangue.

A mãe da jovem, Olga, contou que a garganta dela ficou gravemente ferida e que ela só não morreu na hora porque o couro cabeludo foi totalmente arrancado.

”Se seu couro cabeludo não tivesse sido arrancado, ela teria sido estrangulada ali mesmo pelos próprios cabelos.” No entanto, além de perder o bebê, Umida Nazarova sofreu ferimentos muito graves e, segundo o pai, Dmitry, nunca conseguiu recuperar a consciência e foi declarada morta tempos depois. ”Eles tiraram duas vidas”, lamentou.

Ainda de acordo com o site, o Comitê de Investigação da Bielorrússia afirmou que o funcionário responsável pela entrevista, um chefe de produção que não teve o nome divulgado, mostrava a fábrica para e parou a apresentação por alguns momentos para fazer um registro.