Jaguaquara: Vereadores ligados ao prefeito derrubam projeto que previa suspensão das férias de julho

/ Jaguaquara

Projeto foi apresentado por Raimundo. Foto: Blog Marcos Frahm

Em Jaguaquara, no Vale do Jiquiriçá, vereadores ligados ao prefeito Giuliano Martinelli (PP) derrubaram a proposta apresentada pelo presidente da Câmara Municipal, Raimundo Louzado (PSD), de cancelar o recesso parlamentar de julho deste ano. O Projeto de Resolução foi apreciado e votado na sessão desta quinta-feira (25). Foram 06 votos pela manutenção das férias de meio de ano contra 4 votos dos que preferem manter o Legislativo em pleno funcionamento, incluindo a realização das sessões.

Para presidente Raimundo Louzado faltou bom senso. Ele diz não ver motivos para justificar as férias de julho e lamentar o Poder Legislativo não seguir trabalhando sem interrupção, sobretudo para manter os debates em tornos de medidas fundamentais para o enfrentamento ao Covid-19 no Município. ”Estamos vivendo uma pandemia sem precedentes, agora mais do que nunca é que a Câmara precisa trabalhar para que a população possa ser ouvida” disse Raimundo.

Jaguaquara: Flavinho adota tom cauteloso: ”Evitando falar de política em momento de pandemia”

/ Jaguaquara

Flavinho é pré-candidato pelo Podemos. Foto: Blog Marcos Frahm

O pré-candidato a prefeito de Jaguaquara, Flavinho Souza (Podemos), adotou um tom cauteloso, nesta quinta-feira (25), ao falar nas redes sociais sobre o processo político-eleitoral que irá enfrentar nos próximos meses.

Em um vídeo, Flavinho diz que tem evitado falar de política em face do momento crítico que é vivenciado pela população em decorrência da pandemia do novo coronavírus. ”Venho sendo fortemente pressionado por nosso grupo para fazer o lançamento da nossa pré-candidatura a prefeito de Jaguaquara, assim como todos já fizeram, mas eu estou evitando falar de política nesse momento de pandemia. Acho que é um momento em que devemos está cuidando da família, podendo auxiliar aqueles que de alguma forma a gente possa estender a mão e no momento mais adequado voltarei aqui para oficialmente fazer o lançamento e falar dos nossos projetos”, esclareceu.

Flavinho é um dos nomes da oposição ao prefeito Giuliano Martinelli (PP), que exerce o segundo mandato e lançará como candidata a sua sucessão a ex-secretária de Desenvolvimento Social do município, Edione Agostinone, filiada no PP para disputar as eleições.   Outros quatro nomes: Raimundo Louzado (PSD), Sarah Helem (PRB), Vavá (PV) e Pedrinho (PSL) também estarão no páreo.

Vitória da Conquista: lactantes têm direito de amamentar em espaços públicos e privados

/ Bahia

A partir de agora, está assegurado à lactante o direito de amamentar em estabelecimentos de uso coletivo, públicos ou privados. A Lei nº 2.407/20 foi sancionada nesta quinta-feira (25), pelo prefeito Herzem Gusmão, e já está em vigor.

É importante lembrar que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o leite materno seja usado como alimento exclusivo até os seis primeiros meses de vida do bebê. Essa prática está diretamente relacionada à redução da mortalidade infantil, fortalecimento da imunidade, prevenção de alergias e cólicas e desenvolvimento cognitivo, dentre outros fatores.

Além dos diversos benefícios que traz para a saúde da criança e para o fortalecimento do seu vínculo com a mãe, a garantia da amamentação nos espaços públicos e privados também representa mais uma importante conquista no âmbito dos direitos das mulheres.

De acordo com a Lei sancionada pela Prefeitura, constitui infração administrativa o ato de discriminar ou proibir a lactante de amamentar em público, ainda que no local exista um espaço exclusivo para amamentação. O estabelecimento público ou privado que cometer a infração poderá ser punido com advertência e multa de até 10 mil reais.

Bahia é pioneira na testagem em estudantes, professores e funcionários da rede estadual

/ Bahia

Governo faz testagem do coronavírus. Foto: Climério Sapucaia

O Governo da Bahia iniciou, nesta quinta-feira (25), a testagem em massa para o novo coronavírus (que causa a covid-19) dos estudantes, professores e funcionários da rede estadual de ensino nos municípios de Ipiaú, Itajuípe e Uruçuca. A ação, pioneira no país, deve atender 4,6 mil pessoas e tem o objetivo de ampliar a prevenção e o combate ao novo coronavírus, além de proporcionar as primeiras avaliações para a garantia da integridade da comunidade escolar no processo de retorno às aulas.

”Podemos dizer que esta é uma grande união de força do Governo da Bahia, com o envolvimento dos gestores e funcionários das escolas; dos Núcleos Territoriais de Educação; e da parceria fundamental da Secretaria da Saúde do Estado [Sesab], das prefeituras, através das secretarias municipais de Saúde e da Educação, além do apoio da Polícia Militar, da Universidade Estadual de Santa Cruz e dos veículos de comunicação. É mais uma decisão do governador Rui Costa, que mostra a preocupação e o zelo com a saúde da comunidade escolar, neste momento de pandemia”, afirmou o secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, ao destacar que as escolas serão orientadas para auxiliar os estudantes para a retirada do Cartão do SUS.

Os testes para o Coronavírus serão realizados conforme calendário (disponível no Portal da Educação), que inclui a ida de equipes em comunidades rurais. O estudante Samuel Rodrigues, do 2º ano do Ensino Médio, do Colégio Polivalente de Itajuípe, em Itajuípe, foi cedo fazer o teste e comentou sobre a importância da prevenção. ”É muito bacana ver a escola tendo esta preocupação com a nossa saúde. Esta iniciativa também ajuda, principalmente, o município a combater o vírus. Espero que consigamos voltar às aulas na escola em breve”, disse.

 

Quatro cidades da Bahia pedem à Assembleia o reconhecimento de estado de calamidade

/ Bahia

Presidente do Legislativo baiano, Nelson Leal. Foto: AL-BA

A Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) recebeu quatro novos pedidos de reconhecimento de estado de calamidade pública por conta da pandemia do coronavírus. Os municípios pleiteantes são Mansidão, Mundo Novo, Potiraguá e Novo Triunfo.

Desde o início da pandemia, declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em março, a ALBA já aprovou projetos de decretos legislativos reconhecendo o estado de calamidade pública em 397 municípios da Bahia.

O reconhecimento tem sido feito por meio de sessões extraordinárias virtuais. Com isso, os gestores dos municípios ganham flexibilidade no manuseio do orçamento para a destinação de recursos ao enfrentamento da crise sanitária sem que o ato implique em crime de responsabilidade fiscal.

A união dos parlamentares em torno da aprovação de projetos que tratam do reconhecimento do estado de calamidade tem sido destacada pelo presidente do Legislativo, deputado Nelson Leal (PP). ”A Assembleia Legislativa está aqui para cumprir o seu dever, como sempre o fez. Estamos prontos para dar a resposta solicitada por todos os municípios de nossa terra com rapidez e responsabilidade”, disse.

Governo Bolsonaro tem reprovação de 44% e aprovação de 32%, diz pesquisa do Datafolha

/ Política

Pesquisa foi realizada em 23 e 24 de junho. Foto: Marcos Corrêa

Uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo no final da noite de quinta-feira (26) mostra que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é considerado Ótimo ou bom para 32% dos entrevistados. Regular para 23%, ruim ou péssimo para 44%. 1% não sabe ou não respondeu.

A pesquisa Datafolha foi realizada em 23 e 24 de junho, com 2.016 brasileiros adultos que possuem telefone celular em todas as regiões e estados do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

É preciso calma, diz reitora da Universidade de Oxford sobre estudos da vacina de Oxford

/ Saúde

Em meio à pandemia, a possibilidade de se ter uma vacina eficaz contra o vírus que já matou mais de 480 mil pessoas no mundo gera uma expectativa alta.

Porém, o momento requer calma, diz Soraya Smaili. Reitora da Unifesp, universidade que comanda os estudos clínicos da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, ela diz sentir que “a população deseja uma solução para suas vidas”, mas que a pesquisa científica não pode ser apressada e os estudos podem durar até um ano.

“Os estudiosos dizem que, se juntarem números positivos suficientes, pode ser que o resultado saia antes, mas isso é algo que será determinado por Oxford e a exigência dos protocolos para o desenvolvimento de uma vacina é alto”, explica Smaili. “É preciso que tenhamos o pé no chão para não criar falsas expectativas, pois não adianta correr e o resultado ser inconclusivo.”

Entre os estudos de mais de 140 vacinas para o coronavírus, a de Oxford está em um dos estágios mais avançados e se saiu bem em fases anteriores. Por isso, há expectativa de que seu resultado seja de sucesso.

Desde o último sábado, a universidade iniciou a triagem de voluntários para os estudos; a aplicação da vacina começou na segunda-feira (22). Apesar de não informar números absolutos, a reitora conta que a faculdade recebeu muitas mensagens de pessoas querem participar do processo. “Mesmo não sabendo se vai receber uma dose de placebo ou da vacina, muita gente quer colaborar.”

No início, São Paulo testaria a vacina que está na terceira fase clínica em mil pessoas, mas, a pedido da Universidade de Oxford, o número pulou para 2.000. Os estudos foram financiados pela fundação Lemann. Outros mil serão testados no Rio de Janeiro, na rede D’or.

Os voluntários são pessoas entre 18 e 55 anos, que tenham alta exposição ao coronavírus. Por isso, a maioria dos voluntários escolhidos para esse processo são pessoas que atuam em hospitais, na linha de frente do combate ao coronavírus, o que inclui profissionais como médicos, enfermeiros e motoristas de ambulâncias.

Esta seleção, explica Smaili, é muito delicada, já que é preciso ter precisão no perfil dos recrutados para que o resultado seja bom. Os escolhidos passam por uma consulta e depois devem preencher um formulário com perguntas relacionadas à profissão e o grau de exposição ao vírus.

Entre os pré-requisitos, precisam testar negativo para a Covid-19. Grávidas não podem participar. Os selecionados precisam ficar disponíveis em algumas datas, que já foram marcadas, durante 12 meses para as consultas de acompanhamento. Além disso, se a pessoa ficar doente, sempre precisa comunicar aos pesquisadores.

A Unifesp também está comandando outro estudo de uma vacina brasileira que está em estágio avançado pré-clínico, ou seja, quando a dosagem ainda não foi feita em humanos. Se passar desta fase, poderá ser testada em pessoas.

Há, ainda, segundo a reitora, conversas com o Instituto Nacional Lazzaro Spallanzani, referência em doenças infecciosas na Itália, para que sejam realizados testes da vacina que tem sido desenvolvida por lá. A dose italiana está na primeira fase clínica e deve entrar na fase dois em breve.

Um dos principais motivos pelo qual farmacêuticas estrangeiras procuram o Brasil para a realização de testes das vacina reside no fato de que o vírus ainda circula com força por aqui.