Jequié: Câmara aprova Requerimento de vereadora propõe audiência para debater violência obstétrica

/ Jequié

Requerimento é de autoria da vereadora Laninha. Foto: Emanuel Jr.

Um dos Requerimentos mais importantes aprovados pela Câmara Municipal de Jequié neste ano de 2020, de autoria da vereadora Laninha foi a que propõe a realização de uma Audiência Pública com o tema ”Violência Obstétrica”. A proposta dela tem por finalidade ampliar as discussões em torno da Política Nacional de Atenção Obstétrica e Neonatal no município de Jequié com o olhar objetivo de buscar a proteção das gestantes e das parturientes contra a violência obstétrica.

Alerta para a importância do pré-natal, parto e pós-parto, que são eventos significativos na vida de uma mulher, da família e demais pessoas envolvidas. ”É um processo natural que envolve cuidado e acolhimento”, observa a vereadora Laninha. Alerta ainda para a violência institucional, situação que considera muito comum no Brasil e torna-se fundamental pensar em políticas públicas que combatam a violência obstétrica.

Considera-se violência obstétrica todo ato praticado pelo médico, pela equipe do hospital, maternidade e unidades de saúde, por um familiar ou acompanhante que ofenda, de forma verbal ou física, as mulheres gestantes, em trabalho de parto, ou ainda no período de puerpério.

Bahia convoca médicos de todo o Brasil visando reforçar quadro durante a pandemia

/ Bahia

Governador anuncia convocação de médicos. Foto: Fernando Vivas

O governador Rui Costa respondeu a uma nova série de perguntas feitas pelos internautas sobre o combate ao coronavírus na Bahia, durante a transmissão do Papo Correria, no início da noite desta terça-feira (5). Uma das principais novidades desta edição foi o anúncio da convocação de médicos de todo o Brasil, com situação regularizada, para atuarem em unidades da rede pública de saúde estadual.

Segundo Rui, neste momento, o chamamento só valerá para médicos e será feito por meio de veículos nacionais de imprensa. ”Com o nosso apoio, as organizações sociais que administram as unidades de saúde vão divulgar, já nesta quarta-feira [6 de maio], em jornais de todas as partes do país, um convite destinado a médicos que estejam aptos legalmente a virem para a Bahia, com o objetivo de reforçar o exército de profissionais que lutam diretamente na guerra contra a Covid-19, em todo o território baiano. A convocação vale para médicos que já estão aqui e também para aqueles que residem em outro estado”, revelou o governador, explicando, ainda, que “a convocação é exclusiva para médicos porque as outras categorias de profissionais de saúde não registram, até o momento, escassez de profissionais”.

Rui afirmou que o Estado está buscando soluções legais para conseguir aumentar o número de médicos atuantes na Bahia, caso essa primeira chamada não atrair a quantidade de profissionais desejada. ”Estamos fazendo essa primeira chamada para cadastro e registro desses profissionais e, ao mesmo tempo, trabalhamos para encontrar soluções legais que permitam a contratação de médicos que se formaram no exterior, mas ainda não estão com toda a documentação necessária para atuar no Brasil, por exemplo”, assegurou.

Acompanhado do titular da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), Fábio Vilas-Boas, o governador Rui Costa encerrou o programa desta noite lembrando que o Estado está utilizando todos os recursos possíveis para garantir tratamento dos casos mais graves da Covid-19. ”Em qualquer cidade da Bahia, utilizaremos os recursos possíveis para dar assistência aos baianos que necessitem de vagas em leitos de Unidade de Terapia Intensiva [UTI], fazendo, inclusive, transferências entre municípios, caso sejam necessárias”, concluiu.

Deputado baiano pede manutenção de artigo que não permite demissão durante pandemia

/ Brasília

”Não podemos privilegiar empresa”, diz Afonso. Foto: Gustavo Bezerra

O deputado federal baiano Afonso Florence (PT) tentou, junto a presidente do partido, deputado Gleisi Hoffmann, manter um artigo na PEC do orçamento de guerra que não permitia a demissão durante a pandemia do novo coronavírus.

”Não podemos privilegiar empresas com programas emergenciais e elas serem autorizadas a demitir neste momento de pandemia, além de estar com facilidade para operações no mercado secundário”, argumentou, durante a votação da proposta em 1º turno, aprovada na segunda-feira (4).

Na avaliação de Florence, com a aprovação desta PEC, o governo Bolsonaro não poderá mais postergar a garantia dos recursos necessários para as ações de saúde dos governos federal, estaduais e municipais e do Distrito Federal, para conter a expansão da pandemia, estruturar o Sistema Único de Saúde (SUS) e garantir os serviços públicos necessários para a população.

A PEC

O Orçamento de Guerra autoriza o governo a utilizar recursos independente da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Regra de Ouro, que estabelecem limites no uso de recursos públicos e punições em caso de descumprimento.

O substitutivo aprovado, de autoria do deputado Hugo Mota (Republicanos-PB), permite ainda a contratação temporária de pessoal, durante a pandemia, mesmo que não haja dotação prévia ou autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A medida também autoriza o Banco Central a comprar e vender títulos do Tesouro Nacional, no mercado secundário. A votação da proposta em segundo turno está prevista para acontecer ainda nesta terça-feira (5)

Você tem 27 superintendências; quero apenas uma, a do Rio, disse Bolsonaro a Moro segundo depoimento

/ Justiça

Sérgio Moro prestou depoimento à PF. Foto:Isaac Amorim

Em depoimento à Polícia Federal, no último sábado (2), o ex-ministro Sergio Moro afirmou que o presidente Jair Bolsonaro pediu no começo de março deste ano a troca do chefe da Polícia Federal no Rio de Janeiro.”Moro você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”, disse Bolsonaro a Moro, por mensagem de WhatsApp, segundo transcrição do depoimento à PF, disse o ministro segundo a transcrição o depoimento.

A íntegra do depoimento foi divulgada pela CNN Brasil. A Folha também teve acesso.

Os investigadores perguntaram a Moro se ele identificava nos fatos apresentados em sua entrevista coletiva alguma prática de crime por parte de Bolsonaro. O ex-ministro disse que os fatos narrados por ele são verdadeiros, mas não afirmou se o presidente teria cometido algum crime.

”Quem falou em crime foi a Procuradoria-Geral da República na requisição de abertura de inquérito e agora entende que essa avaliação, quanto a prática de crime cabe às Instituições competentes”,disse Moro.

Segundo Moro, o então diretor da PF, Maurício Valeixo, ”declarou que estava cansado da pressão para a sua substituição e para a troca do SR/RJ”. ”Que por esse motivo e também para evitar conflito entre o presidente e o ministro o diretor Valeixo disse que concordaria em sair”, afirmou o ex-ministro.

De acordo com Moro, em seguida o presidente Bolsonaro ”passou a reclamar da indicação da Superintendente de Pernambuco”. Segundo ele, ”os motivos da reclamação devem ser indagados ao Presidente da República”. Segundo o ex-ministro da Justiça, ”o presidente lhe relatou verbalmente no Palácio do Planalto que precisava de pessoas de sua confiança, para que pudesse interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência”.

Em agosto do ano passado, Bolsonaro provocou uma crise na PF ao anunciar que Ricardo Saadi seria substituído por Alexandre Silva Saraiva na Superintendência da PF no RJ. A direção da PF, contudo, havia escolhido para o cargo o delegado Carlos Henrique Oliveira Sousa, da Superintendência da PF em Pernambuco.

O anúncio de Bolsonaro foi malvisto pela corporação como uma interferência do presidente em assuntos internos. Desde então, Bolsonaro passou a dar diversas declarações reforçando a intenção de intervir na Polícia Federal. Também alfinetou Moro ao afirmar que cabe a ele, e não ao ministro, fazer nomeações no órgão. À época, apesar da pressão de Bolsonaro, Carlos Henrique virou superintendente do Rio por decisão de Maurício Valeixo, ex-diretor-geral.

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, decidiu nesta segunda-feira (4) liberar a divulgação do depoimento prestado por Sergio Moro à Polícia Federal.O depoimento é considerado um dos principais elementos do inquérito que pode levar à apresentação de denúncia contra o ex-ministro da Justiça ou contra o presidente Jair Bolsonaro.

O documento foi tornado público após a defesa de Moro informar que não se opunha à sua divulgação. O ex-juiz da Lava Jato depôs por mais de oito horas na Polícia Federal em Curitiba. O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta segunda-feira ao ministro Celso de Mello que três ministros do governo Jair Bolsonaro sejam ouvidos no inquérito que apura se o presidente tentou interferir indevidamente em investigações da PF.

Ele também solicitou ao STF cópia do vídeo da reunião realizada entre o presidente, o vice-presidente Hamilton Mourão e ministros de Estado, além de presidentes de bancos públicos, no último dia 22, no Palácio do Planalto. Aras entendeu ser necessário colher os depoimentos dos ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Walter Souza Braga Netto (Casa Civil) para o esclarecimento dos fatos.

Bolsonaro convocou a reunião ministerial para discutir o programa Pró-Brasil. Ela foi gravada pela própria Presidência.​ O procurador-geral também requer a oitiva da deputada federal Carla Zambeli (PSL-SP). Moro entregou mensagens trocadas por ela, via celular, como prova de que não teria aceitado ingerência sobre o órgão de investigação.

Moro permitiu no sábado que a PF copiasse dados de seu telefone.

Nesta segunda, Aras solicitou ao ministro do Supremo a elaboração de um laudo pericial da PF sobre o conteúdo, ”bem como um relatório de análise das mensagens de texto e áudio, imagens e vídeos”.

A necessidade das diligências será analisada por Celso de Mello.

Aras também pediu outras providências, como as oitivas do ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo —cuja demissão levou Moro a romper com o presidente— e as dos delegados Ricardo Saadi, Carlos Henrique de Oliveira Sousa, Alexandre Saraiva, Rodrigo Teixeira e Alexandre Ramagem Rodrigues.

O objetivo é que eles prestem informações acerca de ”eventual patrocínio, direto ou indireto, de interesses privados do presidente da República perante o Departamento de Polícia Federal, visando ao provimento de cargos em comissão e a exoneração de seus ocupantes”.

O procurador-geral solicitou ainda comprovantes de autoria das assinaturas da exoneração de Valeixo, publicada no Diário Oficial da União em 23 de abril, além de eventual documento com pedido de exoneração, a pedido, encaminhada por Valeixo ao presidente. O propósito é checar se houve fraude. O diário oficial registrou a demissão como ”a pedido” do diretor-geral e com a assinatura eletrônica de Moro. Mas o ex-ministro disse que não houve manifestação do delegado nesse sentido e que, como chefe da pasta da Justiça, não subscreveu o ato.

O pedido de Aras é para que o inquérito seja encaminhado à PF e que as oitivas sejam agendadas dentro de um prazo de cinco dias úteis, contados a partir da intimação, com prévia comunicação da PGR. Ao deixar o cargo no último dia 24, Moro acusou Bolsonaro de tentar substituir Valeixo para interferir em investigações da Polícia Federal. Ele disse que o presidente estava preocupado com inquéritos em curso no STF e que têm potencial de atingir seus filhos e aliados. Com informações da Folha

Bolsonaro incentiva apoiador em críticas a Rui Costa e ACM Neto: ”querem destruir o Brasil”

/ Brasília

Bolsonaro tem feito ataques a governadores. Foto: Marcos Corrêa

Um apoiador do presidente Jair Bolsonaro fez queixa para ele, na manhã desta terça-feira (05), na porta do Palácio da Alvorada, do governador Rui Costa (PT) e do prefeito ACM Neto (DEM), que têm adotado medidas de isolamento social para combater o avanço do coronavírus na Bahia e em Salvador.

O apoiador se disse ”microempresário de Salvador” e afirmou ter perdido oito funcionários por causa da crise do Covid-19.

”O PT está arrasando a Bahia. E ACM Neto também está na mesma onda. Neto ontem declarou mais 15 dias de quarentena. A quarentena em Salvador não existe de verdade. Os comércios estão fechados sim, mas os bairros estão lotados de gente. Eu posso provar isso, porque fiz várias gravações”, falou o rapaz.

De acordo com ele, tanto Rui como Neto ”querem colocar nas costas” do presidente o ”declínio” econômico provocado pelo isolamento. ”Eu dirigi 22 horas pra estar aqui e denunciar Rui Costa e ACM Neto que querem destruir o Brasil”, acrescentou

Bolsonaro ouviu atentamente o depoimento e, demonstrando apoio ao rapaz, pediu que ele chegasse próximo à imprensa e continuasse falando. O suposto microempresário baiano, então, atacou a imprensa e falou que o Brasil precisa impedir a chegada do ”comunismo e socialismo”.

O ato de Bolsonaro diante de ataques a Rui Costa e ACM Neto acontece pouco mais de dez dias depois do presidente se encontrar com o prefeito de Salvador, que é presidente nacional do Democratas. Segundo o próprio Neto, a conversa se deu em “bom tom”. Com informações do Bahia Notícias

Márcio Victor vai apresentar live com músicas antigas do Psirico, no próximo dia 09

/ Entretenimento

”A minha nação psiriqueira pediu”, diz o cantor. Foto: Divulgação

O cantor Márcio Victor se rendeu aos pedidos dos fãs e vai realizar uma live para lá de nostálgica no próximo dia 9 de maio. A apresentação ‘Psi Retrô’ vai relembrar os antigos shows realizados pela banda, na época do Rock in Rio Café, do Festival de Verão e do Mamagaya, com um repertório recheado de sucessos, segundo o site bahia.ba.

”A minha nação psiriqueira pediu e eu estou atendendo! Vamos relembrar os hits da época dos ensaios do Rock in Rio Café que tomaram conta do Brasil, do meu primeiro Festival de Verão e Mamagaya”, disse o cantor nas redes sociais.

Entre os hits, os fãs podem esperar músicas como ”Escovadinha”, ”Sambadinha”, ”Megafone” ”Sabonete” e Contregum”.

Esta será a segunda apresentação de Márcio Victor durante o isolamento social. A live será de cunho solidário para a arrecadação de alimentos, itens de higiene e de proteção para o combate a Covid19.

O material arrecadado será distribuído para o bairro do Engenho Velho de Brotas, local que o cantor nasceu, e todo valor em dinheiro arrecadado será automaticamente revertido para um entidade que será divulgada na próxima semana.

Governo do Estado libera nesta terça-feira R$ 13 milhões em Prêmio por Desempenho Policial

/ Bahia

O governo baiano paga, nesta terça-feira (5), R$ 13,7 milhões em gratificação a policiais militares, civis e técnicos que contribuíram para redução da criminalidade em suas áreas de atuação. O Prêmio de Desempenho Policial (PDP) é concedido para 13.702 servidores como forma de estimular, reconhecer e valorizar o desempenho no combate ao crime.
No atual momento de crise pelo qual atravessa o país, com retração atividade econômica em virtude da pandemia do coronavírus e investimentos extras na área de saúde, o Governo da Bahia faz um esforço de caixa para pagar o prêmio às forças de segurança, em reconhecimento pelo trabalho desses servidores.
”Parabenizo os policiais que se empenharam e conquistaram a meta de 6% de redução nas suas áreas de atuação, sem esquecer também daqueles que se esforçaram, mas não conseguiram. Combater a violência é uma tarefa árdua, diária e incessante”, destacou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.
Do total de beneficiados, 11.216 são policiais militares e 1.974 policiais civis, além de 205 peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) e 301 servidores da Secretaria da Segurança Pública (SSP). O valor mínimo pago aos servidores corresponde a R$ 371, enquanto que o máximo é de R$ 2.476.

Ipiaú registra o 2º óbito e 16 novos casos de Covid; número de infectados chega a 53

Vigilância acompanha pacientes do município. Foto: Prefeitura

Ipiaú registrou o segundo óbito e mais 16 novos casos confirmados do novo coronavírus (covid-19), elevando o total de ocorrências para 53. As informações foram divulgadas pela Secretaria Municipal de Ipiaú às 20h15 desta segunda-feira (04), conforme publicação do site Giro em Ipiaú.

Segundo o boletim, o óbito foi de um bebê de dois meses, ocorrido no último dia 30 de abril no Hospital Geral Prado Valadares – HGPV, em Jequié. A criança, do sexo feminino, tinha histórico de toxoplasmose congênita e deu entrada na unidade hospitalar no dia 29 de abril.

Os casos confirmados tratam-se de 03 idosos, 02 crianças com idade de 07 anos e 2 meses de vida (óbito), 11 são adultos jovens. Nenhum dos novos casos tem ligação com as 91 coletas realizadas no Abrigo do Idosos. O resultado destes deve sair nos próximos dias.

Jaguaquara: Agência da Caixa amanhece com longas filas para saque do auxílio emergencial

/ Jaguaquara

Prefeitura isolou área para organizar filas. Foto: Blog Marcos Frahm

A agência da Caixa Econômica Federal de Jaguaquara, que abrange outras cidades do Vale do Jiquiriçá amanheceu com longas filas nesta terça-feira (05).  Desde que iniciou o repasse do auxílio emergencial, milhares de pessoas de toda a região têm se dirigido a agência de Jaguaquara para obter informações ou para realizar o saque do benefício.

Como reflexo da imensa procura, grandes filas têm se formado, o que vinha gerando aglomeração de pessoas e indo de encontro às recomendações de saúde.

Como forma de combater a disseminação da Covid-19, a Prefeitura de Jaguaquara, através do Departamento Municipal de Trânsito, por meio do diretor Nielson Dantas, isolou uma área em frente à instituição financeira, provocando a interdição parcial da Rua Avelar, no Centro, com setas indicando o espaçamento entre as pessoas que irão sacar o benefício.

Pessoas recorrem a agência da Caixa em busca do auxílio emergencial

A ação, busca organizar as filas e que segundo Nielson tem o intuito de proteger as pessoas conta com o apoio da Polícia Militar. *Com informações do Blog Marcos Frahm

Desvio em duas faixas é liberado para tráfego na BR-324, sentido Salvador x Feira de Santana

/ Trânsito

Chuva teria provocado uma cratera na rodovia. Foto: PRF

Desde a ocorrência da interdição da pista na última quarta-feira (29), por conta da forte chuva que provocou uma cratera no asfalto impedindo o trânsito de veículos na BR 324 KM 589 (sentido decrescente), a Polícia Rodoviária Federal na Bahia vem acompanhando e promovendo os procedimentos para garantir a segurança dos usuários.

Na madrugada de hoje (05), a Concessionária Viabahia finalizou a construção da via auxiliar, em faixa dupla, para desvio do local interditado (KM 589 da BR 324). O desvio conta com a sinalização necessária para evitar acidentes e garantir um fluxo seguro dos veículos.

Ainda não há previsão para finalização da obra de recuperação da faixa de rolamento da BR, de acordo com a Concessionária há ainda muita água acumulada na via principal da rodovia, pois as condições climáticas continuam de chuva. Apenas após a extração da água será possível dar início à recuperação da pista.

Importante que os condutores redobrem a atenção ao transitar pelo local, além dos riscos de acidentes por conta da necessidade de reduzir a velocidade para acessar o desvio, as condições de visibilidade em períodos de chuva ficam prejudicadas, sendo portanto, ainda mais crucial dirigir com prudência e segurança.

Estado da Bahia tem mais 21 municípios com transporte suspenso; total chega a 113

/ Bahia

O transporte intermunicipal será suspenso em Abaíra, Governador Mangabeira, Ibirapitanga, Ituberá, Jussari, Jussiape, Nazaré, Nordestina, Nova Soure, Pau Brasil, Pilão Arcado, Pojuca, Rafael Jambeiro, Remanso, Retirolândia, Santo Antônio de Jesus, São Gonçalo dos Campos, Saubara, Serra do Ramalho, Serrinha e Várzea Nova a partir desta quarta-feira (6).

A decisão, que tem como objetivo conter o avanço do coronavírus na população baiana, foi publicada em decreto no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (5). A restrição considera a circulação, a saída e a chegada de qualquer transporte coletivo intermunicipal, público e privado, rodoviário e hidroviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e de vans.

O decreto também autoriza a retomada do transporte intermunicipal em Capim Grosso, Floresta Azul, Gongogi, Irecê, Itabela, Itapebi e Rio do Pires, cidades com 14 dias ou mais sem novos casos de covid-19.

No total, a Bahia possui 113 municípios com transporte suspenso. A lista inclui Acajutiba, Água Fria, Alagoinhas, Almadina, Amélia Rodrigues, Aracatu, Arataca, Barro Preto, Buerarema, Caetanos, Caldeirão Grande, Camacã, Camaçari, Camamu, Campo Alegre de Lourdes, Canavieiras, Candeias, Castro Alves, Catu, Coaraci, Coração de Maria, Cravolândia, Cruz das Almas, Curaçá, Dário Meira, Dias D’Ávila, Eunápolis, Feira de Santana, Gandu, Guaratinga, Ibicaraí, Ibirataia, Ibotirama, Ilhéus, Ipiaú, Ipirá, Itaberaba, Itabuna, Itacaré, Itagibá, Itajuípe, Itamari, Itaparica, Itapetinga, Itatim, Jaguaquara, Jaguarari, Jequié e Juazeiro.

Também estão com transporte suspenso as cidades de Laje, Lajedo do Tabocal, Lauro de Freitas, Licínio de Almeida, Livramento de Nossa Senhora, Maracás, Maragogipe, Maraú, Mata de São João, Mirante, Morpará, Mucugê, Nilo Peçanha, Oliveira dos Brejinhos, Paramirim, Paulo Afonso, Porto Seguro, Ribeira do Pombal, Rio Real, Salvador, Santa Bárbara, Santa Cruz Cabrália, Santa Luzia, Santa Teresinha, Santaluz, Santo Amaro, São Felipe, São Francisco do Conde, São José da Vitória, Sátiro Dias, Seabra, Serra Preta, Simões Filho, Taperoá, Teixeira de Freitas, Ubaitaba, Ubatã, Una, Uruçuca, Valença, Valente, Vera Cruz e Vitória da Conquista.

Governador da Bahia encaminha projeto de lei à Assembleia para combater fake news

/ Bahia

Rui Costa quer combater as notícias falsas. Foto: Elói Corrêa

Em transmissão ao vivo por meio das redes sociais, na noite desta segunda-feira (4), o governador Rui Costa (PT), destacou o projeto de lei que será encaminhado à Assembleia Legislativa da Bahia nesta terça-feira (5), para combater a divulgação de notícias falsas sobre epidemias, endemias e pandemias em toda Bahia. A medida é adotada após o compartilhamento de uma série de fake news envolvendo a disseminação e combate ao novo coronavírus no território baiano.

O projeto estabelece a aplicação de multa para quem elaborar, divulgar e utilizar softwares ou outros mecanismos para o compartilhamento em massa de notícias falsas. O projeto será votado pela Assembleia Legislativa da Bahia e posteriormente sancionado pelo governador. O valor da multa, que será usado pelo Estado no combate a pandemias, vai ser definido após o projeto ser votado na Assembleia. ”Esse é um enfretamento à calúnia, mentira, falsidade e oportunismo. Nós iremos identificar esses criminosos, denunciá-los ao Ministério Público da Bahia e entraremos com ação criminal e indenizatória contra todos aqueles que utilizarem essa prática de compartilhamento de mentiras dentro e fora do estado”, ressalta Rui Costa.

Ainda na transmissão ao vivo, o governador revelou que a realização de exames para diagnóstico da Covid-19 foi iniciada nesta segunda-feira em Vitória da Conquista e Barreiras. Durante três dias serão realizados exames simultâneos nos laboratórios das duas cidades e as amostras do mesmo paciente serão encaminhadas também ao Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen) para que a técnica possa ser validada.

Outro ponto citado por Rui foi o incremento na equipe de funcionários do Lacen para viabilizar que todos os profissionais que atuem nas unidades de saúde da Bahia possam realizar testes para o novo coronavírus. ”Colocaremos trabalhadores em horário extra no Lacen para testar as equipes de saúde dos municípios com o maior número de casos. Iremos testar profissionais das UPAs, Postos de Saúde, hospitais estaduais e essa ação alcançará também vigilantes, agentes de limpeza, entre outros profissionais. A nossa meta é dobrar o número de exames realizados no Lacen e esses testes das equipes começam ainda nesta semana”.

Plano B de Bolsonaro, novo chefe da PF combateu desvios, mas não investigou políticos de peso

/ Brasília

Bolsonaro empossou Rolando Alexandre na PF. Foto: Isac Nóbrega

Nas últimas quatro trocas de diretor-geral da Polícia Federal, o nome de Rolando de Souza jamais apareceu entre aqueles que estariam prontos para a empreitada. Nomeado nesta segunda-feira (4), o delegado de classe especial estava fora inclusive da lista de agora, mas entrou aos 45 minutos do segundo tempo, graças a uma decisão do Supremo Tribunal Federal.

Discreto, trabalhador, organizado, sério e de vez em quando estourado são algumas de suas características, segundo descrevem colegas, que devem acompanhá-lo na principal missão que terá à frente da PF: tentar afastar as desconfianças que pairam pela conjuntura de sua escolha. De poucos amigos e sem ser de grupo, de acordo com os relatos colhidos pela Folha, Rolando estava no lugar e na hora certa.

Após pouco mais de um ano e meio na chefia da PF em Alagoas, o delegado aceitou uma nova missão, a de secretário de Planejamento e Gestão da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), a convite de Alexandre Ramagem. Foi essa decisão que lhe garantiu um dos postos mais desejados da carreira de um policial federal, o de diretor-geral.

Após ter sua nomeação suspensa pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, Ramagem passou a defender o nome do colega para o posto —o que também fez aumentar a desconfiança com que começa o novo trabalho. Amigo da família Bolsonaro, Ramagem foi citado por Sergio Moro no pronunciamento de despedida, como o delegado que o presidente gostaria de colocar no comando da PF para ter controle e acesso a investigações.

Não há relatos, no entanto, de proximidade de Rolando com Bolsonaro.

Rolando não carrega no currículo investigações de peso contra políticos. Trabalhou, no entanto, por anos à frente do Serviço de Repressão de Desvios de Recursos Públicos, setor considerado importantíssimo no combate à corrupção. Em entrevistas, chegou a dizer que os corruptos são mais perigosos que traficantes de esquina.

Colegas atribuem a ele o mérito do desenvolvimento de um banco de dados da Polícia Federal, que reúne informações de várias fontes em um só lugar. Filho de militar, o novo diretor-geral também fez parte da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), mas não chegou a terminar, por um problema que teve em uma de suas pernas.

Nesta segunda, o policial passou parte do dia na sede do órgão, em Brasília. Fez reuniões com os ainda integrantes da diretoria, que aguardavam a nomeação para se desligarem. Nas conversas, traçou parte dos seus planos, falou na manutenção dos princípios da gestão anterior e de mudanças que deve fazer na nova administração. Entre colegas, a piada mais feita é que há uma certeza com Rolando: ele será o maior diretor-geral da história da PF, status garantido pelos seus dois metros de altura.​​ Com informações da Folha de SP

Universidades federais formam 1,2 mil profissionais antecipadamente para combate à Covid-19

/ Saúde

MEC antecipou formaturas do curso de medicina. Foto: Divulgação

As universidades federais formaram desde o início da pandemia do novo coronavírus 1.241 novos profissionais de saúde. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), são 1.058 médicos, 150 enfermeiros, 23 farmacêuticos e 10 fisioterapeutas recém-graduados. Na Região Nordeste foram graduados 547 novos profissionais. Na Região Norte, 224, no Sul do país, 185. A Região Centro-Oeste graduou 125 estudantes e o Sudeste, 160.

A chegada desses novos profissionais ao mercado tem relação com a decisão do MEC de antecipar a formatura de alunos dos cursos de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia, exclusivamente para atuação desses profissionais nas ações de combate à pandemia do novo coronavírus. Para antecipar a colação de grau, os alunos precisam ter cumprido 75% da carga horária prevista para o período de internato médico ou estágio supervisionado. A medida tem caráter excepcional e valerá enquanto durar a situação de emergência na saúde pública.

”A resposta das instituições foi significativa. Compreendemos que, verdadeiramente, esses recém-formados poderão fazer a diferença onde estiverem auxiliando o nosso país a vencer esta batalha contra a Covid-19”, disse o diretor de Desenvolvimento de Educação em Saúde da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do MEC, Sérgio Henrique Santos, em declaração publicada no site do ministério.

Ainda não há informações sobre como esses profissionais reforçarão o combate à epidemia. A entrada deles no sistema público de saúde só poderá ser feito por meio do voluntariado, uma vez que para ser profissional de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) é necessário prestar concurso público. No cenário atual, eles atuariam como voluntários em hospitais ou postos de saúde, em um acerto feito diretamente com as secretarias estaduais de Saúde. Esses profissionais também ficam à disposição de hospitais e clínicas particulares, onde podem ser contratados normalmente.