Virou rotina: Caminhão desce a Serra do Mutum, bate em cinco carretas e deixa motorista ferido

/ Trânsito

Cabotoine de caminhão fica destruída. F
Cabine de caminhão fica destruída após grave colisão

O trânsito na BR-116, trecho da Serra do Mutum, perímetro do município de Jaguaquara, continua complicado por conta das obras que estão sendo realizadas na rodovia e o local tem sido palco de acidentes com frequência. Na manhã desta sexta-feira (3), uma colisão por pouco não virou tragédia. Um caminhão que transportava produto químico desceu a serra desgovernado, colidindo com cinco carretas e ainda com um veículo de passeio, segundo a Polícia Rodoviária Federal. De acordo com a PRF, o acidente ocorreu por volta das 10h40, no Km 643.9, quando o caminhão de placa LBP -9887, de São Gonçalo dos Campos – BA desceu em alta velocidade e bateu com outros veículos que trafegavam no sentido contrário.

Caminhão destruído. Fotos Odinei Santos / Blog Marcos Frahm
Caminhão destruído. Fotos Odiney Santos / Blog Marcos Frahm

O motorista do caminhão que provocou a colisão, Filemon Carvalho Silva, sofreu fraturas e foi encaminhado por uma equipe da ViaBahia ao Hospital Geral Prado Valadares, em Jequié. Ele disse a PRF que o veículo perdeu o freio e não teve como controlar a direção. Risco de explosão – duas carretas atingidas também transportavam produto inflamável.

Cinco carretas se envolveram no acidente, na Serra do Mutum
Cinco carretas se envolveram no acidente, na Serra do Mutum

O acidente travou o trânsito na BR-116, ocasionando um congestionamento de cerca de 10 km. Há três dias, uma carreta desceu a serra e, no mesmo local, atingiu cinco veículos. Com obras sendo realizadas pela Concessionária ViaBahia, a pista vira um corredor formado por cones e barris laranjas e é tão estreito que mal sobra espaço para uma carreta trafegar, em determinados pontos, com o trânsito fluindo através de operação pare /siga. Do outro lado dessas barreiras, na lateral da rodovia, caminhões e máquinas pesadas, como rolos compressores, fresadoras e acabadoras, trabalham na pavimentação. Mesmo com dificuldades para circular neste espaço restrito, motoristas imprudentes não se intimidam: deixam de reduzir a velocidade de seus veículos e até trafegam pelo acostamento para tentar escapar das filas. Muitos dos usuários acreditam que as intervenções na pista estão contribuindo para os acidentes.

Os comentários estão fechados.