Revista The Economist volta a criticar Jair Bolsonaro: ”É mais fácil o Exército conter do que apoiar”

/ Eleições 2018

Revista britânica volta a atacar Bolsonaro. Foto: Divulgação

Depois de tratar o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, como uma ”ameaça” em reportagem de capa no mês passado, a revista britânica The Economist volta ao tema hoje em dois textos. Em reportagem, diz que o ex-militar está pronto para chegar ao cargo, mas que este não é o “único choque eleitoral” do País. Em artigo, que fala de ”flashbacks de 1964”, a avaliação é a de que os militares não estão ansiosos por poder e que o mais provável é que contenham Bolsonaro, descrito como um ”autoritário brasileiro sem Exército”, no caso de um ”autogolpe”. Na reportagem, que faz menção à bancada BBB (bullet, beef e Bible), de bala (armamentista), boi (ruralista) e Bíblia (evangélica), traz personagens de diferentes classes sociais que escolheram o candidato do PSL no primeiro turno. Citaram que os demais políticos são considerados corruptos e que Bolsonaro tem ”punho forte” contra o crime. ”Tais sentimentos levaram Bolsonaro à beira da vitória em um segundo turno, a ser realizado em 28 de outubro. Ele ganhou 46% dos votos no primeiro turno em um campo lotado de candidatos”, trouxe a publicação, acrescentando que agora ele competirá com Fernando Haddad, do PT, que começou a disputa 17 pontos porcentuais atrás. O semanário também cita que as casas de apostas dão a Bolsonaro 85% de chance de se tornar o próximo presidente do Brasil e que esta seria uma resposta ”extraordinária” a uma série de traumas que se abateram sobre o maior país da América Latina nos últimos anos: a pior recessão na história do Brasil; escândalos de corrupção interligados, conhecidos coletivamente como ”Lava Jato”, que envolve todos os grandes partidos políticos; e níveis crescentes de violência. A escolha por Bolsonaro, conforme a The Economist, é mais pelo extremismo de sua retórica do que por qualquer coisa que fez em sete mandatos como deputado. “Bolsonaro insultou mulheres, negros e gays. Ele encoraja a polícia a matar suspeitos criminosos e considera os ditadores dos anos 70 e 80 como modelos”, citou. A revista salientou que o tempo a mais de propaganda gratuita na televisão não ajudou candidatos como Geraldo Alckmin (PSDB), descrito como moderado e com mais realizações políticas – foi a primeira vez em três décadas que o partido não venceu ou disputou o segundo turno da Presidência. Lembrou que o candidato do PSL teve atenção das mídias sociais e convencionais porque foi esfaqueado durante a campanha. Também detalhou as mudanças no Congresso, descrevendo os resultados como ”quase tão surpreendentes” quanto a vantagem de Bolsonaro, como a ”humilhação” do MDB, do presidente Michel Temer.

Os comentários estão fechados.