Testemunha diz que dois policiais estavam em carro usado na morte de Marielle Franco

/ Polícia

Morte de Marielli gera inquietação no país. Foto: Reprodução

Durante depoimento à polícia, a testemunha-chave disse que um policial lotado no 16° BPM (olaria) e um ex-PM do batalhão da Maré participaram da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. A dupla, segundo ela, estava, com outros dois homens, no Cobalt prata usado na execução. Os quatro que estariam no carro foram identificados por essa testemunha e vêm sendo investigados pela Delegacia de Homicídios da capital (DH). Segundo as informações do jornal O Globo, trata-se da mesma testemunha que denunciou o envolvimento do vereador Marcello Siciliano (PHS) no caso, por causa de uma desavença — ele nega. O delator, que colabora com as investigações em troca de proteção, relatou que a execução foi planejada por Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando de Curicica — um ex-PM preso acusado de chefiar uma milícia na zona oeste do Rio — junto com o vereador. Ainda conforme O Globo, a testemunha-chave informou que os homens que estavam com os militares no Cobalt são ligados a Orlando. O miliciano teria usado o celular de um outro preso para dar ordem de execução da vereadora. Em três depoimentos à Divisão de Homicídios (DH) do Rio, a testemunha deu informações sobre datas, horários e até locais de reuniões entre o vereador e o miliciano. Mais tarde, ele teria mudado sua versão ao ser interrogado pelo Ministério Público, e passou a negar a participação de Orlando na execução.

Os comentários estão fechados.