”Me senti traída”, desabafa diretora da rádio Jequié FM ao comentar a saída de Osvaldo Batista

/ Imprensa

Wilma Stock diz ter sido traída pelo radialista. Foto: Rede social

O radialista/apresentador Osvaldo Batista voltou a utilizar o mesmo método adotado quando deixou a 95 FM (2005) e a 93 FM (2014), para encerrar nesta sexta-feira (31), o seu ciclo na 89,7 (Jequié FM), para reiniciar uma nova passagem pela 95 FM, onde comandará programa matinal com duração de 2h. com enfoque na sua maneira de comentar as notícias da crônica policial.

Com a direção da emissora ele deixou, como das vezes anteriores, para comunicar no momento final da saída, por mensagem através do celular. A diretora geral da emissora, Wilma Stock, em participação de casa no programa do comunicador Leo Santana, na manhã de hoje, comentou o assunto, repassando as informações para ouvintes e patrocinadores do horário.

Disse que se sentia surpresa e traída por ter sido a última a saber da mudança. ”A saída de Osvaldo Batista foi uma surpresa pra mim também. Eu simplesmente, na terça-feira, recebi um áudio dele dizendo que só trabalhava até sexta. Então, imagine, meu coordenador doente em casa, eu na quarentena e recebi essa bomba no colo. Eu só peço desculpas a vocês, ouvintes, cientes. Eu simplesmente me senti traída, porque fui a última a saber, você preza alguém como amigo e é traído dessa forma. Desejo a Osvaldo boa sorte”, disparou Wilma. As informações são do site Jequié Repórter. O áudio da diretora desabafando no ar circula nas redes sociais.

Leur não se manifesta

Curioso é que, em meio à polêmica com a mudança no meio radiofônico de Jequié, o deputado federal Leur Lomanto Jr. (DEM), não se manifestou sobre a saída de Batista, considerado o campeão de audiência d rádio jequieense.

Deixar uma Resposta