Prefeitos fazem marcha

/ Artigos

Os prefeitos baianos estão em ebulição. Atiçados pela UPB, vão fazer na segunda-feira (3) o segundo Movimento Pró-Município: Marcha em direção a Alba.

Pauta: de saída, reunião com senadores e deputados federais baianos para discutir a unificação dos mandatos. Em miúdos, todos emergindo de uma só eleição, o que significa prorrogar os atuais mandatos de prefeitos e vereadores para chegar em 2022 com o povo elegendo do presidente ao vereador num só pleito.

Tem chance? Com a palavra Fredson Cosme Andrade de Souza (PSB), prefeito de Mulungu do Morro.

— Creio que sim. Os municípios não suportam mais eleições de dois em dois anos. É muito desgastante,

Fala Carletto

E tem alguma chance mesmo? Com a palavra o deputado federal Ronaldo Carletto (PP), simpatizante da causa:

— Acho difícil, mas eu voto. O país atravessa uma grande crise, e cada vez mais as prefeituras pagam caro.

Seja como for, os prefeitos ganharam um alento. A PEC do deputado Rogério Peninha (MDB-SC), que nem tramitava, andou. Ou melhor, a CCJ da Câmara apensou outras sete propostas similares que estavam engavetadas nos últimos dez anos, e recebeu parecer favorável do relator, deputado Valtenir Pereira (MDB-MT). O tal projeto acaba a reeleição para cargos majoritários, e estabelece mandato de cinco anos. É uma luz no fim do túnel.

*Por Levi Vasconcelos, jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

Os comentários estão fechados.