PF antecipou a Flávio Bolsonaro que Queiroz seria alvo de operação, diz suplente à coluna

/ Política

Flávio soube com antecedência de operação. Foto: Ag. Senado

O empresário Paulo Marinho, um dos apoiadores mais próximos do presidente Jair Bolsonaro durante sua campanha presidencial, relatou, em entrevista à colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, que o senador Flávio Bolsonaro soube com antecedência da Operação Furna de Onça, da Polícia Federal, que tinha como alvo Fabricio Queiroz, ex-funcionário de seu gabinete.

Marinho, que foi candidato a suplente na chapa de Flávio ao Senado, afirmou que, em 12 de dezembro de 2018, recebeu ligação do filho do presidente pedindo um encontro por sugestão do pai. De acordo com o empresário, se encontraram em 13 de dezembro, em sua casa, na qual o senador chegou após ter, segundo ele, pedido por um advogado criminalista.

De acordo com a coluna, na manhã do dia 13, ele afirmou que Flávio Bolsonaro e ele se encontraram já com os advogados Christiano Fragoso e Victor Alves. Segundo o empresário, o senador começou a relatar completamente transtornado o episódio Queiroz.

”Ele [Flávio Bolsonaro] estava absolutamente transtornado. E esse advogado, Victor, dizendo ao advogado Christiano que tinha conversado com o Queiroz na véspera e que o Queiroz tinha dado a ele acesso às contas bancárias para ele checar as acusações que pesavam contra o Queiroz”, afirmou Marinho.

”O Victor estava absolutamente impressionado com a loucura do Queiroz, que tinha feito uma movimentação bancária de valores absolutamente incompatíveis com tudo o que ele poderia imaginar”, concluiu Marinho ao falar sobre as movimentações reveladas pelo ex-funcionário de gabinete do filho do presidente.

Foi depois de ter relatado o caso Queiroz para o empresário que Flávio, que segundo Marinho disse que chegou a lacrimejar neste momento, contou do dia em que foi avisado antecipadamente sobre a operação que teria como alvo o seu ex-funcionário.

Os comentários estão fechados.