Secretaria diz que PM morto e colega que ficou ferido reagiram a abordagem e balearam policiais

/ Polícia

Comandante-geral da PM, Paulo Coutinho. Foto: Alberto Maraux

Uma equipe da Corregedoria da Polícia Militar se dirigiu até a cidade de Itajuípe, na manhã desta quarta-feira (28), para investigar as causas da morte do subtenente Alberto Alves dos Santos, que fazia segurança na campanha do candidato ao Governo da Bahia, ACM Neto (União). Um outro militar que também cumpria a mesma função do colega foi ferido (saiba aqui)

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), a ocorrência começou quando o assaltante de banco ligado a uma facção paulista, André Márcio Jesus, o “Buiú”, deixou o Complexo Penitenciário de Lauro de Freitas, às 13h30, beneficiado por determinação judicial de saída temporária.

Por volta de 14h36 ele rompe a tornozeleira, na BR-324, próximo a Candeias (veja aqui). O fato é informado à Polícia Militar pela Seap, que iniciou as buscas ao criminoso. No município de Uruçuca, no Sul do estado, um assaltante de banco identificado como Bismark e um comparsa são interceptados. Eles reagiram atirando, acabaram atingidos e não resistiram aos ferimentos. O criminoso conhecido como Buiú segue foragido.

Durante a diligência, os militares foram informados sobre homens armados, em um hotel, na cidade de Itajuípe. Diante das informações e proximidade do confronto com o assaltante de banco e um comparsa, guarnições se deslocaram até o estabelecimento em Itajuípe. No local, dois homens são abordados e não reagem.

Ainda conforme a SSP, outros dois homens, que estavam armados, reagiram a tentativa de abordagem e atingiram dois soldados que estavam em serviço. Houve confronto e os dois autores dos disparos acabaram feridos.

Depois do confronto, os dois homens foram identificados como o subtenente Alves e o sargento Adeilton Rodrigues D’Almeida e socorridos. O subtente não resistiu aos ferimentos e o sargento segue internado.

“Lamentamos o confronto. Estamos solidários às famílias e a determinação é que toda a ocorrência seja esclarecida. As armas foram recolhidas e o local do confronto preservado para a realização de perícia”, declarou o comandante geral da PM, coronel Paulo Coutinho.

OUTRA VERSÃO

O sargento que sobreviveu após ser baleado durante uma ação da Polícia Militar em Itajuípe, no sul da Bahia, teria implorado para não ser morto. De acordo com o site Informe Baiano, as equipes da polícia teriam usado força para entrar no quarto em que os militares estavam e em seguida, diversos disparos teriam sido feitos, resultando na morte do subtenente, que estava dormindo. O outro PM teria se identificado como policial e, na sequência, se ajoelhou e implorou para não ser morto (veja mais). Com informações do Bahia Notícias

Policial baleado em hotel de Itajuípe relata que foi alvejado após dizer que era policial por Redação

/ Polícia

Adeilton Rodrigues D’Almeida, sobrevivente. Foto: Rede social

O sargento da Polícia Militar Adeilton Rodrigues D’Almeida, sobrevivente da troca de tiros em um hotel de Itajuípe (reveja aqui), relatou que foi baleado mesmo após indicar que era PM. Em vídeo obtido pelo Bahia Notícias, nesta quarta-feira (28), D´Almeida revelou que tomou mais três tiros após dizer aos PMs que também era policial.

”Saímos para jantar à noite, depois retornamos para o hotel. Liguei a TV um pouco e tomei banho e estava muito cansado e não demorei para dormir. Acordei com barulho de tiro, fui alvejado duas vezes. Os policiais entraram, quebraram a janela e a porta. Eu gritei que era polícia e me alvejaram mais três vezes. Disse que era polícia e não me deram socorro. Saí me arrastando até a porta do quarto, fiquei sangrando”, disse o sargento que está internado no Hospital Regional de Itabuna.

O militar apontou ainda que o policial que conduziu a ação ficou ”apontando o fuzil” para ele, mesmo após ele ser baleado. ”[Ficou] dizendo que sabia quem eu era. Depois de uma hora me conduziram na viatura, de forma hostil, policial falando comigo, para eu ficar quieto e disseram que fizeram vários disparos com minha arma. Pegaram minha arma. Eles mesmos dispararam e depois me trouxeram para o hospital, nem me ajudaram a sair da viatura, eu com fratura exposta”, revelou.

Uma equipe da Corregedoria da Polícia Militar se dirigiu até a cidade de Itajuípe, na manhã desta quarta-feira (28), para investigar as causas da morte do subtenente Alberto Alves dos Santos, que fazia segurança na campanha do candidato ao Governo da Bahia, ACM Neto (União). Um outro militar que também cumpria a mesma função do colega foi ferido (saiba aqui).

Por conta do ocorrido, ACM Neto decidiu suspender a sua agenda desta quarta-feira (28) pelo interior do Estado – a campanha dele tinha compromissos na região sul da Bahia. O ex-prefeito de Salvador usou as redes sociais para lamentar o episódio (veja aqui). O governador Rui Costa também lamentou o resultado da operação e determinou a rápida apuração do caso (clique aqui). Com informações do site Bahia Notícias

Policial que sobreviveu à ação da PM em pousada na cidade de Itajuípe teria implorado para não ser morto

/ Polícia

O sargento que sobreviveu após ser baleado durante uma ação da Polícia Militar em Itajuípe, no sul da Bahia, teria implorado para não ser morto. O caso ocorreu na noite desta terça-feira (27) e deixou um subtenente da corporação, identificado como Alves, morto (leia mais aqui). Os dois militares atuavam na segurança da campanha do candidato ao governo da Bahia, ACM Neto (União).

De acordo com o site Informe Baiano, o sargento D’Almeida teria implorado por sua vida. A publicação aponta que as equipes da polícia teriam usado força para entrar no quarto em que os militares estavam e em seguida, diversos disparos teriam sido feitos, resultando na morte do subtenente, que estava dormindo. O outro PM teria se identificado como policial e, na sequência, se ajoelhou e implorou para não ser morto.

Os militares estavam na cidade aguardando ACM Neto, que faria uma carreata em um município vizinho. A agenda do candidato foi cancelada pelo resto do dia após a situação (leia mais aqui).

Em nota, o Comando da PM afirmou que apura a morte um policial e de um bandido no sul do estado. ”O Comando Geral da Polícia Militar informa que está apurando a operação que resultou na morte de um criminoso ligado ao tráfico de drogas e um policial militar que se encontrava desenvolvendo ação particular”, diz trecho do comunicado. Com informações do site Bahia Notícias

Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Bahia, é inaugurado

/ Justiça

Espaço foi concedido pelo presidente do TJ à OAB. Foto: Divulgação

Com a presença de representantes do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) e da diretoria da OAB-Bahia, foi inaugurado, na última terça-feira (27), o Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Bahia. Localizado no Fórum Ruy Barbosa, em Salvador, o novo espaço foi concedido pelo presidente do TJ-BA, desembargador Nilson Soares Castelo Branco, à OAB-BA, e passou por reformas para receber a estrutura com novas salas e equipamentos.

A presidente da OAB-BA, Daniela Borges, em seu discurso de abertura, falou sobre a importância do trabalho da advocacia na Justiça brasileira e o papel do Tribunal de Ética e Disciplina, que é orientar e aconselhar a respeito da ética profissional do advogado. “Honrar essas responsabilidades é muito importante em razão da estatura da função que a gente exerce e, por isso, esse tribunal é importante pra que a gente possa, também, valorizar a nossa profissão”, destacou a presidente da seccional baiana.

”Existem dois pilares para uma advocacia forte e respeitável: prerrogativa e ética. A nossa diretoria, a nossa OAB, tem sido intransigente na defesa das prerrogativas e, também, temos que ser para exigir o cumprimento da ética”, reforçou Sylvio Garcez, presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-BA.

Na ocasião, Sadraque Oliveira Rios, juiz assessor da Presidência do TJ-BA, discursou em nome do chefe do Judiciário baiano, externando alegria pela inauguração do espaço e destacando que a advocacia é essencial para o sistema de Justiça. Ressaltou, ainda, a participação do Desembargador Presidente Nilson Castelo Branco, que integrou a Corte do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB – BA, como titular, no triênio 2001-2003. ”Ele muito bem compreende a essência, o papel e a relevância do Tribunal de Ética e Disciplina para valorização da advocacia, de uma forma que revele o seu melhor potencial para todos os cidadãos”, afirmou o magistrado.

Federação Filantrópica aponta que probabilidades de câncer de mama ser curado podem chegar a 95%

/ Saúde

As possibilidades de ter o câncer de mama curado podem chegar a 95% se a pessoa for diagnosticada precocemente, segundo apontou a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA). A iniciativa também presta apoio a quem está com a doença.

De acordo com o Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias, dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que o câncer de mama atinge principalmente as mulheres, e destaca que em especial as que têm mais de 50 anos.

A campanha do Outubro Rosa incentiva a realização de mamografias, exame padrão para diagnosticar possíveis tumores, e também prestar apoio a quem está nessa luta.

Pesquisa da Quaest: Lula mantém liderança, com 46% dos votos; Bolsonaro oscila para 33%

/ Política

A pesquisa Genial/Quaest, divulgada no início desta quarta-feira (28), apontou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) segue à frente, com 46% das intenções de voto no primeiro turno. Em seguida, aparece o presidente Jair Bolsonaro (PL), com 33%.

Em relação ao levantamento anterior, divulgado há uma semana, o candidato petista oscilou dois pontos percentuais para cima; já Bolsonaro, um ponto para baixo, ambos dentro da margem de erro.

Os demais candidatos ficaram estáveis. Ciro Gomes (PDT) apareceu com 6% e Simone Tebet (MDB), com 5%. Já Soraya Thronicke (União Brasil) teve 1%. Felipe D’Avila (Novo), Vera Lucia (PSTU), Sofia Manzano (PCB), Padre Kelmon (PTB), Leonardo Péricles (UP) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram. Os que dizem que vão votar em branco, nulo ou deixar de votar somam 4%. A proporção dos indecisos é de 5%.

Em uma simulação de segundo turno, Lula aparece cm 52% e Bolsonaro, com 38%. Os indecisos são 4%, já os que dizem que vão votar em nulo, branco ou não vão votar são 6%.

Duas mil pessoas foram entrevistadas face a face entre os dias 24 e 27 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais. O levantamento tem 95% de confiança. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-04371/2022.

MP-BA denuncia sete suspeitos de envolvimento em transferência fraudulenta de veículos

/ Bahia

Sete pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de subtração e transferências de veículos mediante fraudes documentais no Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran) foram denunciadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público estadual (Gaeco) à Justiça nesta terça-feira (27).

Segundo as investigações, eles teriam participado de esquema criminoso que causou um prejuízo de quase R$ 1,5 milhão. Esta é a terceira denúncia apresentada pelo MP como desdobramento da ”Operação Fake Rent”, que estima um prejuízo superior a R$ 9,5 milhões com esse tipo de crime na Bahia.

O Gaeco aponta que o esquema seria articulado por Valdinei dos Santos Luz, que seria o principal articulador e recrutador de pessoas para integrarem a organização criminosa. Ele está preso por participação em outras ações do mesmo tipo.

Além dele, foram denunciados o despachante Eduardo Rebouças da Silva, os servidores do Detran Fábio Santana de Matos, Lucas de Santana Santos e Luana Santos da Silva, e os vistoriadores José Carlos Oliveira dos Santos e Nivaldo Silva Vieira Neto, que seriam responsáveis pela inserção de dados falsos nos sistemas informáticos, conforme informou o MP-BA.

A denúncia registra ainda que os crimes ocorriam logo após a locação de veículos, quando a organização criminosa usava documentos falsos, corrompia agentes públicos e inseria dados falsos no sistema informático do Detran. O grupo também transferia a propriedade de automóveis alugados para um dos integrantes do esquema, apontaram as investigações.

Entenda a operação Fake Rent

No esquema investigado, pessoas eram cooptadas para alugar veículos de grandes locadoras nacionais e estrangeiras. Eram utilizados documentos falsos e despachantes foram acionados para auxiliar.

Além disso, servidores do Detran envolvidos no crime, inseriam dados falsos nos sistemas de informática do órgão. Desse modo, os investigados conseguiam transferir veículos para laranjas, pessoas falecidas ou terceiros, com dados utilizados sem conhecimento das vítimas.

A investigação apura a ocorrência dos crimes de associação criminosa, estelionato, falsidades documentais, inserção de dados falsos nos sistemas informáticos e corrupção ativa e passiva. Com informações do G1

Seleção Brasileira passeia em campo e aplica 5 a 1 na Tunísia, em último amistoso antes da Copa

/ Esporte

Lista final de convocados sairá em 7 de novembro. Foto: CBF

A seleção brasileira passeou em campo diante da Tunísia, no último amistoso antes da Copa do Catar, no estádio Parque dos Príncipes, em Paris. Goleada de 5 a 1.

Só na primeira etapa foram quatro gols: dois de Raphinha, um de pênalti de Neymar e Richarlison também marcou antes do intervalo. Quem selou a vitória na etapa final foi o camisa 9 Pedro, do Flamengo, que fez seu primeiro gol com a amarelinha, na segunda chance que teve no escrete comandado por Tite.

Foi a sétima vitória seguida da seleção, que completou hoje 15 jogos de invencibilidade. A lista final de convocados pelo técnico Tite sairá no dia 7 de novembro.  A estreia da seleção na Copa do Catar será contra a Sérvia em 24 de novembro, pelo Grupo G, que tem ainda Suiça e Camarões. Da Agência Brasil

Apoio presidencial, autodeclaração e irritação de ACM Neto dominaram bloco de debate na TV Bahia

/ Política

Candidatos se enfrentam em debate. Foto: Romilson Santos / TV Bahia

A polêmica sobre a autodeclaração de ACM Neto (União) como pardo dominou o terceiro bloco do debate entre os candidatos ao Governo da Bahia promovida pela TV Bahia nesta terça-feira (28).

O ex-prefeito de Salvador teve um direito de resposta concedido contra João Roma (PL) que o acusou de ser ”afroconveniente”.  ”Quero dizer que me autodeclarei pardo porque é assim que me vejo. Assim como em 2016 quando ele era meu chefe de gabinete, me apoiava em tudo, já tinha me autodeclarado pardo e naquela época não tinha fundo eleitoral. Não me declarei pardo para me beneficiar de nada. Além de tudo, pode ir lá no Instituo Pedro Mello que emite o documento de identidade. Não é autodeclaração, eles que fizeram e estou lá como pardo. Lamento que o João Roma do passado tenha realmente sumido e agora a gente vê um candidato raivoso aqui na televisão”, disparou Neto contra o ex-aliado.

Porém, logo em seguida, o candidato do União Brasil tomou um investida de Kleber Rosa (PSOL)  a quem direcionou uma pergunta, novamente, sobre educação. O psolista não respondeu e trouxe o assunto da autodeclaração mais uma vez ao debate.

”Eu não posso dizer que sou branco e dizer que é assim que me vejo. Eu não tenho a opção de me passar como branco. O senhor deveria ler um pouco mais sobre questões raciais no Brasil […] É necessário refletir sobre isso. Queria que o senhor tivesse a oportunidade de reconhecer o erro e recuar da sua posição”, disse Rosa.

Em sua defesa, Neto afirmou que se encaixa nos critérios estabelecidos pelo IBGE  e que fez politicas públicas de inclusão racial com cotas na administração e de combate ao racismo institucional na época em que era prefeito da capital baiana.

DISPUTA PRESIDENCIAL

Outro assunto abordado pelos candidatos foi a disputa presidencial. Jerônimo Rodrigues (PT) perguntou para Roma a falta que faz um apoio de um presidente alinhado ao Governo da Bahia, numa clara provocação a Neto, que não declarou apoio a nenhum presidenciável.

”O que fica claro na Bahia é o seguinte: um candidato que só quer mamar nas tetas do governo e fica atacando o presidente e não coloca o braço na seringa. Como é que ele quer o apoio do presidente Bolsonaro? Essa fala que votar no candidato ACM Neto era tirar o PT, é trocar 6 por meia dúzia.”, disse Roma.

”Ele bate em um e em outro. É oportunnismo politico. Disse que Lula era mulata de Jerônimo. Não existe governar com qualquer um”, acrescentou Jerônimo.

IRRITAÇÃO DE NETO

O candidato ACM Neto reclamou sobre a estratégia adotado pelos adversários, que claramente, buscaram isolá-lo no debate.

”Eles pediram um debate, mas o candidato jerônimo chegou a me desafiar, mas ele não topou, agora ninguém  pergunta para mim, com medo de me permitir sobre as propostas e os projetos que tenho para o futuro da Bahia”, disse Neto. Com informações do site Bahia Notícias

Empresário diz a funcionários para votarem ”em pessoas certas”; MPT vê assédio eleitoral

/ Política

O MPT (Ministério Público do Trabalho) no Espírito Santo instaurou nesta segunda (26) um inquérito civil para apurar a prática de assédio eleitoral na empresa Imetame, em Aracruz (ES), município a cerca de 85 quilômetros de Vitória.

Em um vídeo encaminhado à procuradoria regional, um homem, a quem o MPT identifica como sendo o empregador, diz a uma plateia formada por funcionários que, a depender de quem escolherem nas eleições deste ano, ”não vai poder reclamar” se ficarem sem emprego.

O grupo Imetame atua nos segmentos de metalmecânica, energia, pedras ornamentais e óleo e gás (a empresa é uma das que arrematou áreas no leilão da Petrobras de 2020).

Em nota, a empresa diz que a captura de imagens não foi autorizada e que entende não ter havido indicação de candidato.

”O único pedido foi para que as pessoas tenham serenidade no momento de realizar a escolha de seus candidatos. Respeitamos sempre as posições e opiniões individuais de cada um”, diz a companhia.

O homem não cita o nome do presidente Jair Bolsonaro (PL), que busca a reeleição, nem o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera as pesquisas de intenções de voto. No entanto, defende que os negócios melhoraram quando o atual governo assumiu.

”Nós ficamos quatro anos mais ou menos sem ter uma grande obra no Brasil. Todos vocês sabem disso”, afirma. ”Quando mudou o governo, nós nunca mais paramos, graças a Deus”.

O vídeo tem pouco mais de dois minutos. Em outro momento, ele diz que ”alguns candidatos” falam de ”certos assuntos com relação às famílias, assuntos absurdos com relação a quem empreende”.

”Quando você vê pessoas falando coisas negativas e quem faz realmente esse país ir para frente e você ainda tem coragem de votar nessas pessoas. No futuro você não vai poder reclamar. O dia em que você não tiver emprego, você não vai poder reclamar, porque você escolheu”.

Ele fala ainda da expectativa de conseguir as obras de uma estrada de ferro, que tem o potencial de gerar milhares de empregos. ”Nós vamos conseguir, mas vamos conseguir se nós votarmos nas pessoas certas”.

Para o Ministério Público do Trabalho, as falas configuram assédio eleitoral, e o órgão não descarta iniciar uma ação civil pública contra a empresa para, segundo a procuradoria, reparar o ”dano imensurável causado pelo empregador e sua conduta”.

O procurador do trabalho Marcos Mauro Rodrigues Buzato encaminhou à empresa uma notificação na qual recomenda que ela deixe, imediatamente, de ”ameaçar, constranger ou orientar” funcionários diretos ou indiretos.

Na notificação, Buzato diz que a empresa deve divulgar o teor da recomendação a todos os seus funcionários em até 48 horas e deverá se retratar por ter feito a orientação. O MP do Trabalho quer que a empresa comunique aos funcionários que o voto é livre e peça desculpas.

COAÇÃO PODE SER CONSIDERADA CRIME ELEITORAL E DÁ MULTA DE RECLUSÃO

A coação ou assédio para influenciar o voto podem ser enquadrados no artigo 301 do Código Eleitoral. A legislação prevê pena de até quatro anos de reclusão e pagamento de multa para quem ”usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido”.

A procuradora regional do trabalho Adriane Reis de Araújo, da Coordigualdade (coordenadoria de promoção da igualdade no trabalho) diz que qualquer tentativa de romper com o direito ao voto livre e sigiloso pode ser considerado assédio eleitoral.

Além de ameaças, ela afirma que fazer promessas de benefícios ou vantagens a alguém que busca uma vaga também configura interferência ou tentativa de manipulação.

Obrigar um funcionário a vestir uma camiseta de um candidato ou a incitação para que outros empregadores promovam demissões a depender do tipo escolha eleitoral de seus funcionário são exemplos, segundo a procuradora, de condutas de ”abuso do poder diretivo” da empresa.

Em agosto, a PGT (Procuradoria-Geral do Trabalho) divulgou recomendação a empregadores para que se abstenham de fazer promessas, ameaças ou orientações relacionadas ao período eleitoral. Para a procuradora, a medida deu efeitos. “Algumas pessoas não tem clareza dos limites do contrato de trabalho”.

Há alguns dias, o MPT na Bahia fechou um acordo com uma produtora rural que gravara e divulgara um vídeo instando agricultores a fazer um levantamento de ”quem vai votar no Lula” e ”demitam sem dó”. O TAC (termo de ajustamento de conduta) evitou a apresentação de ação judicial.

Com o acordo, a empresária divulgou um vídeo em que se retrata, pede desculpas e afirma que assédio eleitoral é crime. Ela também vai bancar uma campanha pela liberdade do voto em emissoras de rádio do oeste da Bahia.

Em outro caso, a Justiça do Trabalho no Tocantins concedeu tutela de emergência (decisão provisória e antecipada) para determinar que o pecuarista Cyro Fagundes de Toledo Júnior deixe de fazer qualquer tipo de promessa de benefício em troca de voto. Ele poderá ser multado em R$ 100 mil se descumprir.

Em vídeo que circulou em redes sociais no início de agosto, o empresário, conhecido como Nelore Cyro, disse a funcionários que pagaria salários a mais caso Jair Bolsonaro vença as eleições presidenciais.

À reportagem, ele disse entender que não se tratava de compra de votos. ”Somos todos cabos eleitorais. Aqui na fazenda somos cabos do Bolsonaro. Vamos votar nele. Mas isso foi mais uma brincadeira. Será dado [o bônus], mas não vou dar dinheiro para político, vou dar dinheiro para os meus funcionários se o Bolsonaro ganhar. Só isso”, afirmou, na época.

DENÚNCIAS PODEM SER FEITAS AO MPT E AOS SINDICATOS

A ouvidoria do Ministério Público do Trabalho está concentrando as denúncias de assédio eleitoral atualmente. O órgão não consegue dizer quantas reclamações foram registradas, pois o sistema não segmenta que tipo de assédio o trabalhador está denunciando, diz apenas se é moral ou sexual.

ONDE DENUNCIAR:

  • Site do MPT: mp.br/pgt/ouvidoria
  • Pelo aplicativo MPT Ouvidoria, para dispositivos Android
  • Pelo aplicativo Pardal, que também se comunica com o MP Eleitoral, para IOS e Adroid
  • No sindicato de cada categoria
  • No Ministério Público Federal
  • Nas procuradorias regionais

Fernanda Brigatti/Folhapress

Caminhão que transportava carregamento de bebidas de Jaguaquara para Maracás tomba na BA-026

/ Trânsito

Carga de bebida se espalhou pela BA-026. Leitor via WhatsApp

O tombamento de um caminhão ocorrido na manhã desta terça-feira (27) na Rodovia BA-026, no trecho conhecido como Lava-pés, deixou os ocupantes do veículo feridos.

De acordo com informações, o caminhão transportava um carregamento de bebidas e teria saído de Jaguaquara para Maracás, quando o motorista perdeu o controle da direção e capotou. No local, populares relatavam que, os ocupantes, o condutor e dois ajudantes teriam afirmado que uma abelha adentrou na cabine do caminhão, provocando o acidente.

Os homens, com ferimentos leves foram socorridos e uma equipe da Polícia Militar através da 93ª CIPM contornou o trânsito no local.

Eleitores e candidatos não podem mais ser presos ou detidos a partir desta terça-feira

/ Justiça

A partir desta terça-feira (27) eleitores e candidatos não poderão ser detidos ou presos. A regra foi criada para garantir o direito de participação nas eleições. Prisões em flagrante, sentenças por crimes inafiançáveis ou casos em que o cidadão tente impedir ou atrapalhar o voto de terceiros são exceções à regra.

Para os candidatos, a imunidade já é válida desde 17 de setembro, 15 dias antes do pleito, até 48 horas depois dele. Já para os cidadãos, a regra só entra em vigor cinco dias antes do primeiro turno e também vai até o dia 4 de outubro.

Conforme a determinação, as prisões para candidatos, mesários e fiscais dos partidos políticos ocorrerão apenas em caso de flagrante. Para o eleitorado, em casos de crimes inafiançáveis como racismo e tortura ou tentativas de impedir o voto de outras pessoas.

João Roma e Raissa recebem Bolsonaro em Petrolina, que veio apoiá-los na reta final

/ Política

Roma e Raissa recebem Bolsonaro em Petrolina. Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro foi recebido no aeroporto de Petrolina, na manhã desta terça-feira (27). Ao lado dos candidatos a governador da Bahia, João Roma (PL), e ao Senado, Dra. Raíssa (PL), Bolsonaro volta à Bahia para apoiá-los na reta final.

”Eu vim de Curaçá, ver este homem, um presidente que finalmente olhou para o Sertão e está trabalhando por nós”, disse o produtor rural Silvano Pires. ”Bolsonaro é a nossa esperança para acabar de vez com a bandalheira no Brasil. Eu tô com ele e com quem tá com ele: Roma e Raissa”, afirmou o comerciante João Domício, de Jeremoabo.

Após esse primeiro contato com a população, o presidente Bolsonaro, acompanhado por João Roma e Raíssa, se dirigiu ao encontro de milhares de motociclistas que o aguardavam no Bodódromo para comandar a motociata que percorre Petrolina em direção a Juazeiro. Na cidade baiana, onde também circula de moto, Bolsonaro faz pronunciamento às 11:30, na Orla 2.

”As urnas no próximo domingo vão revelar a verdadeira vontade do povo brasileiro: a reeleição do presidente Bolsonaro!”, assinalou Roma, reiterando que, ”na Bahia, quem vota em Bolsonaro vota em Roma, porque não se pode aceitar dois candidato que são contra o presidente, disputando o segundo turno”.

Bolsonaro diz que não houve atraso na vacinação e que Brasil foi um dos que mais avançou

/ Saúde

O candidato à reeleição à Presidência Jair Bolsonaro afirmou que não houve atraso no início da vacinação contra a covid-19 e que o Brasil foi um dos países que mais vacinou no mundo. Ele participou, na noite desta segunda-feira (26) de sabatina na TV Record, quando foi questionado sobre as críticas de que o governo brasileiro teria atrasado a vacinação.

“Eles queriam que eu comprasse vacina em 2020. Me aponte um país que tenha vendido uma dose de vacina em 2020. A primeira vacina no mundo foi aplicada em dezembro de 2020. No Brasil, nós começamos a aplicar em janeiro de 2021. Eu comprei 500 milhões de doses, de modo que todo brasileiro que quis tomar, de forma voluntária, tomou”, disse Bolsonaro.

Ao ser perguntado se não havia ocorrido atraso na aceitação da oferta do laboratório Pfizer, Bolsonaro disse que as condições exigidas pela empresa eram de difícil aceitação.

”O contrato que eles queriam que assinássemos em dezembro foi postergado porque a própria Pfizer dizia que não se responsabilizava pelos efeitos colaterais. O Brasil não poderia ter qualquer ação judicial contra possíveis mortes. Era uma gama de condicionantes que eu não tinha como assumir. Nós compramos a vacina no ano seguinte, com uma condição de entrega muito maior”, disse.

Sobre as decisões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), vetando que ele use trechos das comemorações do 7 de Setembro em sua campanha e que faça transmissões ao vivo a partir do Palácio da Alvorada, Bolsonaro classificou as decisões como perseguição política.

“Eu não mando no TSE. Não tem como convencê-los. Eu estou proibido de fazer live dentro da minha casa oficial. Tenho que ir para a casa de alguém. Perseguição política. Não posso usar as imagens do 7 de Setembro no horário eleitoral gratuito. O TSE fica o tempo todo aceitando qualquer ação de partido para atrapalhar a minha campanha”, disse.

Bolsonaro também foi questionado sobre as queimadas na Amazônia e se havia suspeitas de ações ilegais nos incêndios da floresta. Segundo ele, o governo tem atuado, inclusive com as Forças Armadas, no combate a esse tipo de crime.

”A Amazônia é uma área equivalente à Europa ocidental. Fogo criminoso existe, desmatamento criminoso existe, mas não nesses números que falam por aí. Essa política de superdimensionar números tem a ver com o mercado do agronegócio. Ameaçavam, o tempo todo, não importar alimentos nossos, tendo em vista acusações mentirosas de fogo e desmatamento desproporcional na Amazônia. Fizemos várias operações com as Forças Armadas”, disse.

Edição: Fábio Massalli