Maracás: Oposição abre CPI na Câmara para investigar prefeito e gestor apoia decisão; ”Apurem”

/ Eleições 2020

Soya ”tranquilo” após abertura de CPI. Foto: Divulgação

A Câmara Municipal de Maracás aprovou nesta quinta-feira (29) a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito apontando irregularidades na gestão do prefeito Uilson Venâncio Gomes de Novaes (PDT), conhecido como Soya, que é candidato à reeleição.

A CPI foi proposta pelo ex-aliado e hoje opositor ferrenho do prefeito, o presidente da Casa, Heugênio Meira, eleito vereador em 2016 pelo mesmo partido de Soya. Em nota distribuída e encaminhada a sites da capital, o presidente aponta enriquecimento ilícito, formação de quadrilha e desvio de verbas federais do Fundo Nacional da Educação (FNE), Fundo Nacional da Saúde (FNS). A denúncia diz que quase R$ 200 mil teriam sido desviados de recursos federais encaminhados ao Município.

A nota diz também que houve irregularidades nos gastos com combustíveis e que o prefeito já foi alvo de denúncia no Ministério Público (IDEA 163.9.165719/2020), que investiga o caso através do Núcleo de Crimes Atribuídos a Prefeitos (CAP). Também foi feita denúncia na Polícia Federal. Contudo, os órgãos ainda não se manifestaram sobre as supostas irregularidades.

Soya “tranquilo” após abertura de CPI

O curioso é que, apesar do alarde feito pelos opositores de Soya, o gestor demonstra serenidade diante da situação. Em publicação nas suas redes sociais, Soya disse, nesta quinta, estar “absolutamente tranquilo” sobre sua inocência, após a Câmara abrir CPI e revela que pediu a base governista para assinar o documento que deve apurar as supostas irregularidades.

A gente precisa dar uma posição pra sociedade. Poderia agir politicamente e orientar a nossa bancada na Casa a não assinar abertura de CPI, mas quero que os vereadores assinem, apurem, para que eu possa encontrar a irregularidade apontada pela oposição e até hoje nunca comprovada. A minha vida é um livro aberto, a minha administração também e não tenho nada a temer. Recebo com espírito democrático essa notícia e me coloco a disposição para qualquer esclarecimento. Só espero que não transformem uma Casa de Leis em palco de politicagem barata, com manobra política disfarçada de transparência”, disse o prefeito.

Num vídeo publicado em suas páginas pessoais, Soya classifica o caso como ação de cunho político, afirmando ter ficado impressionado ”como a tal CPI surgiu faltando poucos dias para as eleições” e disse ainda que o presidente Heugênio estaria promovendo ”politicagem”.

Os comentários estão fechados.