Jequié: Estudantes se manifestam contra fechamento de escola estadual e audiência pública é realizada

/ Jequié

Estudantes protestam contra fechamento. Fotos: Blog Marcos Frahm

Temerosos com o aviso de fechamento do Colégio Estadual Maria José de Lima Silveira, em Jequié, estudantes e alunos decidiram acampar na unidade no último final de semana para chamar atenção da população e do Poder Público. Desde a última sexta-feira (10), eles se revezam para dar continuidade ao protesto, que não tem fim previsto. O plano do governo Rui Costa (PT) é municipalizar o prédio, o transferindo para a gestão municipal.

Um dos professores que participa da manifestação é Keldo Andrade, representante dos docentes. Conforme publicação do site Bahia Notícias, ele destaca as perdas que a comunidade estudantil pode ter, caso a desativação se efetive. “Esse colégio atende cerca de 640 alunos que fazem parte do Ensino Médio, que é diferenciado por ser integral. O aluno chega às 7h e só sai às 16h40, com direito a três refeições, duas merendas e um almoço”, defende o professor, acrescentando que a escola é premiada, com vários alunos em destaque na Feira de Ciências, Empreendedorismo e Inovação da Bahia (Feciba) e outros concursos.

De acordo com Andrade, a proposta da Secretaria Estadual da Educação (SEC) é transferir esses alunos para o Colégio Militar e para o Colégio Polivalente, mas ambos possuem modalidades “completamente diferentes”, sem ensino integral.

Outro problema destacado por ele é o curso da noite para turma do EJA, programa de Educação para Jovens e Adultos voltado para pessoas que não tiveram condição de estudar em idade apropriada. O professor ressalta que o Colégio Maria José de Lima Silveira é o único da região com essa modalidade. ”Se ele perde o colégio, se o colégio é fechado, ele não vai poder mais estudar porque os colégios mais próximos aqui não oferecem essa modalidade”, conclui.

Além dessas reivindicações, docentes e estudantes reclamam da falta de diálogo com a SEC, que afirmam ter apenas informado sobre o fechamento da unidade, sem qualquer possibilidade de discussão com a comunidade estudantil.

Diante deste cenário, o Bahia Notícias procurou a pasta, que nega a falta de diálogo. A secretaria afirma que se mantém em contato com a comunidade escolar para discutir a viabilidade da transferência dos estudantes para os Colégios Modelo, Estadual de Jequié (antigo Polivalente) e o Colégio da Polícia Militar. Segundo a secretaria, todos eles dispõem de infraestrutura adequada para atender os alunos.

Em nota enviada, eles informam ainda que ”garantem o atendimento a todos os estudantes do Ensino Médio nas escolas estaduais da Bahia e, conforme determina o artigo n° 10 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) n° 9.394/1996, asseguram o Ensino Fundamental a partir da colaboração com os municípios”. Dessa forma, o governo ressalta que “realiza estudos constantes para reorganização da rede escolar, o que leva em conta a frequência dos discentes nos últimos cinco anos, a capacidade de infraestrutura para atendimento, existência e escolas próximas com a mesma oferta e capacidade física para recepcionar os estudantes.

Audiência na Câmara

Na tarde de segunda-feira (13), uma audiência pública para discutir o assunto foi realizada no plenário da Câmara Municipal de Jequié, com a presença de Rita Rodrigues [irmã do secretário da Educação Jerônimo Rodrigues] e representante do Colegiado do Território Médio Rio de Conta, vereadores Emanuel Campos – Tinho e Soldado Gilvan, Keldo Andrade e Reginaldo Barros, representando o Colégio Maria José, Marlon, assessor do deputado estadual Zé Cocá, Dilma Viana, da APLB Sindicato, Elaine Teixeira, do Conselho Municipal de Educação, Rainner Guimarães, representante da SEC, além de representantes dos estudantes e de outras entidades.

Audiência com representante da SEC ocorreu na Câmara

Durante a discussão sobre o possível fechamento da unidade escolar, que foi acompanhada pelo Blog Marcos Frahm, foram feitos questionamentos aos componentes da mesa, tendo Rainner Guimarães garantido que todas os questionamentos e sugestões serão encaminhados ao secretário Jerônimo Rodrigues.

Ele falou em diálogo aberto com a comunidade escolar e que as mudanças da SEC estão sendo realizadas a partir de estudo técnico e que não prejudicará os estudantes, que serão acolhidos em outras unidades da cidade. O presidente da Câmara, Emanuel Campos, ressaltou a importância do Maria José e disse que toda decisão pode ser revista, apelando ao Estado para analisar com atenção o caso.

Os comentários estão fechados.