Itabuna: Conselho de Saúde pede esclarecimentos sobre prefeito e parentes dele terem se vacinado

/ Saúde

Augusto Castro nega fura-fila em Itabuna. Foto: Divulgação

O Conselho Municipal de Saúde de Itabuna, cidade do sul da Bahia, pediu esclarecimentos sobre uma denúncia de que prefeito Augusto Castro (PSD) e parentes dele teriam se vacinado contra a Covid-19, sem pertencerem ao grupo prioritário da primeira fase de vacinação.

Em entrevista a TV Santa Cruz, afiliada da TV Bahia, nesta terça-feira (2), o prefeito negou as acusações e disse que a prefeitura só vacinou os profissionais de saúde que trabalharam diretamente no enfrentamento ao novo coronavírus e idosos.

”Claro que não procede. Itabuna está seguindo rigorosamente o que determinou o Ministério da Saúde e a Sesab. Vacinamos todos os profissionais de saúde de linha de frente ao combate ao Covid-19”, contou Augustro Castro.

Augusto Castro foi o segundo paciente diagnosticado com Covid-19 em Itabuna. O ex-deputado chegou a ficar internado na UTI do Hospital Calixto Midlej Filho, mas se recuperou da doença.

”No segundo momento estamos vacinando todos os idosos, principalmente nos abrigos. Para você ter ideia, meu pai tem 95 anos de idade e não tomou ainda a vacina e eu sei o que é isso, perdi minha mãe vítima da Covid-19, fui acometido pela doença, fiquei quase 50 dias [internado] e sei da prioridade que está na frente do Covid. Itabuna está seguindo rigorosamente tudo o que determina o Ministério da Saúde dando prioridade as profissionais de saúde”, concluiu.

O Conselho Municipal de Saúde de Itabuna também pediu esclarecimentos à prefeitura sobre denúncias que recebeu de irregularidades ligadas à fila de prioridades.

”O Conselho Municipal de Saúde encara obviamente como uma suposição, não há provas, entretanto, cabe ao Conselho pedir informações. Nada melhor do que estabelecermos os esclarecimentos devidos de modo que haja transparência e que a gente continue com a vacinação e que todos tenham acesso à vacina”, explicou o vice-presidente do Conselho Municipal de Saúde, Paulo Silva.

No documento encaminhado para a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), há relatos de denúncias sobre a aplicação em servidores da saúde, que exercem cargos administrativos, em funcionários que não trabalham na linha de enfrentamento a Covid-19.

O relatório cita ainda a falta de imunização de médicos e técnicos da atenção básica, maqueiros e motoristas de ambulâncias, além do idosos acima de 75 anos de idade, que estão sem previsão de serem vacinados.

De acordo com a SMS de Itabuna, as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 estão sendo destinadas exclusivamente para os profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra o coronavírus.

Com a chegada do segundo lote, de acordo com a SMS, a vacinação foi ampliada para tentar imunizar os 3.500 profissionais de saúde do município, da rede SUS e clínicas particulares, e idosos que vivem em abrigos. Os outros grupos prioritários serão vacinados apenas com a chegada da terceira remessa de imunizantes.

O Conselho pediu a secretaria um mapa geral das vacinas já aplicadas e o cronograma para próximas doses. A ideia é entender o plano de imunização e questionar o motivo de alguns profissionais que trabalham na linha de frente ainda não terem data para receber a vacina contra a Covid-19.

”O Conselho de Saúde está solicitando a lista de vacinados e os que estão por vacinar, além da organização. Por exemplo, os agentes de endemias ainda não foram vacinados, eles compõe a atenção básica é importante ser considerado linha de frente”, disse Paulo Silva.

Sobre a situação dos agentes de endemias que não foram vacinados, a secretária de saúde, Lívia Mendes, explicou que eles ficaram para uma outra etapa porque desde o ano passado – por causa da pandemia – eles não estão realizando o trabalho dentro das casas, justamente para não ter contato com as pessoas. As informações são do G1

Os comentários estão fechados.