Homem mata jovem por ser chamado de maloqueiro e receber desenho de caveira com cachimbo

/ Polícia

Lázaro matou jovem em Salvador. Foto: Ramon Ferraz/TV Bahia

O lavador de carros José Lázaro Lima dos Santos, de 34 anos, que foi preso suspeito de matar um adolescente com golpe de faca, no bairro de Nazaré, em Salvador, confessou o crime e disse que cometeu o homicídio por ter sido chamado de ”maloqueiro de rua” pela vítima. Ele afirmou não ter gostado das repetidas ofensas e disse, ainda, que achou que o garoto queria forçá-lo a usar crack depois de um desenho feito pela vítima para ele de uma caveira fumando cachimbo. As informações foram divulgadas pela Polícia Civil, durante apresentação do suspeito à imprensa, na tarde desta sexta-feira (2), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e publicadas no site G1. O crime ocorreu na manhã desta sexta. Após ser atacado, Douglas Bento de Bittencourt correu para dentro de um supermercado da rede Bompreço para buscar socorro. O jovem, no entanto, não resistiu aos ferimentos. O mercado ficou fechado durante a manhã e o atendimento foi retomado ao meio-dia. Segundo a Polícia Civil, Douglas costumava pedir dinheiro na frente do supermercado e José lavava e guardava carros na mesma região. A faca utilizada no crime foi apreendida e encaminhada à perícia do Departamento de Polícia Técnica (DPT). O suspeito foi preso horas após o crime, no mesmo bairro, por policiais da 2ª Companhia Independente da Polícia Militar. Ele foi apresentado à imprensa pelas delegadas Pilly Dantas e Patrícia Britto, da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/BTS), que investigam o caso. Conforme a investigação, José Lázaro é suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Nazaré e já responde por tentativa de homicído, furto e agressão contra um traficante conhecido como Bebeto, ocorrida há seis anos em Itinga, em Lauro de Freitas, na região metropolina de Salvador. José Lázaro foi autuado em flagrante por homicídio e encaminhado ao Complexo Policial da Baixa do Fiscal.

Os comentários estão fechados.