Grupo do PT se divide em atos por diferentes regiões e Dilma faz comício sem Jerônimo em Lauro de Freitas

/ Política

Ex-presidente Dilma Rousseff visita Lauro. Foto: Rede social

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) participou, nesta sexta-feira (21) em Lauro de Freitas, de um comício em favor das candidaturas de Jerônimo Rodrigues (PT) ao governo da Bahia e de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à presidência da República. O ato de campanha ocorreu no bairro de Itinga, dentro do Condomínio Habitacional Dona Lindu, comunidade de edifícios do antigo programa Minha Casa Minha Vida, criado durante o governo da petista.

De acordo com apuração do Bahia Notícias, a vinda de Dilma ao estado foi uma articulação direta da prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho (PT), em um esforço para reverter o resultado do primeiro turno no município da Região Metropolitana de Salvador, onde Jerônimo terminou em segundo lugar.

A presença de Jerônimo era prevista na carreata e no comício que foram realizados em Lauro de Freitas, mas devido a um atraso na agenda do candidato no município de Rio Real, ele acabou não comparecendo e foi direto para um outro ato de campanha realizado em Catu, junto do governador Rui Costa (PT).

Apesar das ausências marcantes de Jerônimo e Rui, o comício teve as participações dos senadores Jaques Wagner (PT) e Otto Alencar (PSD), além do candidato a vice-governador Geraldo Jr. (MDB), que discursaram ao lado de Dilma e Moema.

”Em 2006, eles acharam que iam vencer, porque as pesquisas diziam isso. Mas quem ganhou foi o papai aqui. Em 2014, mais uma vez, eles pensaram que venceriam, mas nós ganhamos com Rui. Agora, em 2022, de novo, e vamos vencer com Jerônimo”,afirmou Wagner, durante seu discurso.

O senador Otto Alencar exaltou Dilma e chamou o impeachment sofrido por ela em 2016 de ”golpe”. Ambos haviam se abraçado antes do discurso. ”Toda vez que estou ao seu lado, eu me emociono, porque eu lhe tenho uma admiração muito grande”, disse Otto sobre a ex-presidente.

Deputados federais eleitos – como Alice Portugal (PCdoB), Afonso Florence (PT), Lídice da Mata (PSB), Ivoneide Caetano (PT), Otto Filho (PSD) e Pastor Sargento Isidório (Avante) – e deputados estaduais – como Olívia Santana  (PCdoB), Osni Cardoso (PT), Maria del Carmen (PT) e Matheus de Geraldo Jr. (MDB) – também marcaram presença no comício.

O ato de campanha, entretanto, foi aberto por duas moradoras da comunidade. O nome do condomínio – Dona Lindu – homenageia a mãe do ex-presidente Lula, que foi bastante exaltado pelas líderes comunitárias, junto com Dilma.

”Se nós temos casa para morar, é graças a Dilma; se minha filha hoje é advogada, é graças a Lula. Então vamos dar esse voto de confiança novamente em Lula e em Jerônimo, para que a gente volte a ser tratado com dignidade”, afirmou.

Durante o ato, Dilma chegou a usar um boné referente a favelas (veja aqui), lembrando um fato recente envolvendo o ex-presidente Lula: ao visitar o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, o petista usou um acessório com a inscrição “CPX”. A foto do ex-presidente com o boné viralizou e foi utilizada por adversários para a criação de uma fake news, ligando Lula ao crime organizado carioca (relembre aqui).

Dilma afirmou que está confiante na vitória de Lula no segundo turno e criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) no caso em que ele disse ter “pintado um clima” entre ele e garotas venezuelanas de 14 e 15 anos de idade (relembre aqui).

”Uma pessoa que é capaz de olhar para uma menina de 14 e 15 anos e dizer que pintou um clima. Não só desrespeita mas abusa. Mas expõe crianças e adolescentes, insinuando, inclusive o que é impossível. Crianças e adolescentes são vulneráveis, consideradas uma população vulnerável, os adultos são responsáveis’, afirmou Dilma.

Durante a maior parte do tempo, o trio elétrico de modelo “pranchão” usado para o comício ficou ocupado majoritariamente por mulheres. As mestres de cerimônia do ato, inclusive, eram do sexo feminino e usavam uma camisa com a inscrição “Elas por Elas”. Com informações do site Bahia Notícias

Os comentários estão fechados.