Governo Federal não prioriza obras da Ferroviária Oeste-Leste, critica presidente da UPB

/ Entrevista

Zé Cocá quer prioridade em obras da Fiol. Foto: Divulgação

Para o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB) e prefeito da cidade de Jequié, o governo federal não tem priorizado a as obras de implementação da Ferrovia de Integração Oeste – Leste (Fiol). Em entrevista ao site Bahia Notícias, Zé Cocá declarou que, após ter tido uma reunião com prefeitos e deputados, deve se juntar a outros prefeitos para que seja criado um consórcio focado na criação de um plano de trabalho para a ferrovia.

Ressaltando a importância do equipamento, Cocá teceu críticas à falta de prioridade nas obras. ”Nós temos debatido porque o que a gente vê é que, de fato, hoje ela [Fiol] não está no calendário federal como algo prioritário”, disse.

O presidente da entidade se reuniu com outros gestores municipais da Bahia para traçar estratégias que possibilitem uma priorização das obras. ”Discutimos nessa terça agora a criação de um consórcio para que a gente debata com o governo federal um plano de trabalho e a programação da Fiol. Não dá para continuar numa situação dessas em que se está roubando os trilhos, roubando material e o governo federal não passa para gente um calendário de retorno”, disse.

O vice-governador da Bahia, João Leão (PP), também participou da reunião com o presidente da UPB na última semana. Na ocasião, Leão assegurou que as obras na ferrovia devem ser retomadas em setembro. ”A Fiol já foi licitada, está prevista para a obra iniciar em setembro e queremos acelerar de Caetité até Barreiras e definir um ponto para descer o vale para entroncamento lá na ferrovia. Caetité deve começar as obras no mês de setembro, dia 2 de setembro assina o contrato. Está tudo certo”, disse à época.

Ao citar os furtos, Zé Cocá relembrou de uma realidade que tem sido constante na ferrovia. O último registro de roubo foi em março deste ano quando um grupo foi preso após furtar fios de cobre na cidade de Jequié, no sudoeste baiano. De acordo com a Polícia Militar (PM), pelo menos nove pessoas foram presas.

Enquanto prefeitos e deputados seguem na tentativa de acelerar as obras na ferrovia, a execução do projeto segue a passos lentos. Após atrasos nos leilões para concessão das obras da ferrovia, em abril deste ano, o trecho I, que liga as cidades de Ilhéus e Caetité, foi leiloado e será construído pela Bahia Mineração S/A. À época, o governo federal divulgou que a expectativa do Ministério da Infraestrutura é de que o primeiro trecho comece a operar apenas em 2025.

No início deste mês, conforme divulgou a Associação de Engenheiros Ferroviários (Anefer), o governo federal qualificou dois trechos entre Caetité e Barreiras, de 485,4 km, e de Barreiras à Figueirópolis (TO), onde a via se liga à Ferrovia Norte-Sul, como parte do programa de Parceria de Investimentos (PPI), que reúne projetos de concessão do governo federal. Em Caetité e Barreiras as obras já se iniciaram.

Os comentários estão fechados.