”Gavião não vota em Bolsonaro”, declara presidente de torcida organizada do Corinthians

/ Política

Futebol e política sempre se misturaram e a atual corrida presidencial não está sendo diferente. Após o volante Felipe Melo, do Palmeiras, dedicar o gol marcado no empate com o Bahia no último domingo (16) ao candidato à presidência Jair Bolsonaro, foi a vez do presidente da maior torcida organizada do Corinthians, a Gaviões da Fiel, indicar seu voto. Ou melhor, pedir aos mais de 112 mil sócios que não escolham o número 17 no próximo dia 7 de outubro. O pedido não tem a ver com a rivalidade entre os dois times paulistas, mas sim com a ideologia da Gaviões. Em carta divulgada na madrugada desta quarta-feira (19) no blog do jornalista Juca Kfouri, Rodrigo Gonzalez Tapia, conhecido como Digão Vila Moraes, explicou o motivo da opção. No texto, ele lembrou a história da fundação da torcida organizada do Corinthians, no ano de 1969, durante a Ditadura Militar. ”Você sabe que no período da nossa fundação tínhamos como principal objetivo derrubar um ditador dentro do nosso clube? Você sabe que os nossos fundadores sofreram muita opressão por levantar a bandeira em favor da democracia e dos direitos do povo?”, escreveu. Digão ainda pediu que os eleitores de Bolsonaro, sócios da Gaviões, deixem a organizada, diante do conflito de ideologias. ”vocês que apoiam um cara que vai contra todas as nossas ideias e joga no lixo o nosso passado de muitas lutas, por favor, se forem seguir apoiando esse cara, repense sobre sua caminhada dentro da Torcida. Ou seja, se está no Gaviões por interesses pessoais, status, para ostentar apenas uma camisa ou se beneficiar atrás de ingresso e pagar nas redes sociais que faz parte da maior torcida do Brasil, por favor, se retirem”, afirmou na carta.

Os comentários estão fechados.