Filho de prefeito acusado de espancar a esposa presta depoimento e é liberado em Santo Antônio de Jesus

/ Polícia

Filipe Fernandes teria agredido Clara Emanuelle. Foto: Reprodução

O delegado Edilson Magalhães, coordenador da Polícia Civil de Santo Antonio de Jesus-BA, está responsável pelo caso de violência doméstica contra a estudante de Direito, Clara Emanuele Santos Vieira. O acusado, Filipe Fernandes Pedreira, filho do prefeito de Salinas da Margarida, que é casado com a vítima, já prestou depoimento e foi liberado. Clara, que é filha do prefeito de Muniz Ferreira, contou que estava separada de Felipe há 15 dias por conta de outra agressão que tinha sofrido durante uma festa em Milagres. Em seu depoimento a polícia, ela explicou que foi agredida pelo marido e ele teria atirado na parede da casa para assustá-la. Já no dia 8, Clara explicou que estava em casa estudando e o suspeito chegou a acusando de ter outro. Segundo a jovem, o marido a espancou com socos e chutes, feriu seus dedos das mãos com uma faca e cortou seus cabelos. Durante as agressões, ele a teria xingado e ameaçado de morte. Uma vizinha, que ouviu os pedidos de socorro, chamou a polícia. Ainda de acordo com o depoimento de Clara, assim que a PM chegou, ela foi obrigada a negar as agressões e disse à polícia que estava tudo bem. Após a guarnição sair, ela continuou sendo agredida com socos por todo o corpo. Além disso, Filipe a mordeu várias vezes, até que ela conseguiu fugir e se abrigar na casa da vizinha, onde esperou o pai ir buscá-la. Mais tarde, o suspeito foi até a casa da família de Clara, onde agrediu o pai da vítima e usou spray de pimenta, que atingiu o filho do casal. O menino precisou ser socorrido ao hospital. Clara explicou que vivia um relacionamento abusivo durante três anos, entre namoro e casamento, e que sempre apanhava do marido, mas nunca tinha coragem de denunciar. A jovem prestou queixa na delegacia de Santo Antônio de Jesus e conseguiu uma medida protetiva, que ele não pode se aproximar dela e do filho, por três meses. A delegada da 4ª Coorpin de Santo Antônio de Jesus, Patrícia Jaques, comentou sobre o caso. De acordo com o site Voz da Bahia, a delegada, que é responsável pelos casos de violência doméstica na região, já foi decretado as medidas de proteção a vítima, ”nós estamos no intercorrer das investigações, a autoria, materialidade comprovada através de exames, vistoria no imóvel que estou aguardando o laudo da Polícia Técnica, para me informar a respeito dos detalhes dessa ocorrência. Hoje fui intimada pelo oficial de justiça de que foi concedida as medidas protetivas para a senhora Clara Emanuelle, dentre elas a proibição do acusado se aproximar 100 metros da vítima, dentre outros. Clara veio aqui atermar outras declarações, hoje ela se sente mais confortável após a decretação das medidas protetivas e também agradeceu nossa atuação”. De acordo a delegada, ”a justiça pode decretar prisão, mas hoje, a consequência maior será se o acusado ferir as medidas de proteção, vai ser preso em flagrante. A motivação da violência foi ciúmes por parte do agressor”.

Os comentários estão fechados.