Fábrica-Escola de Chocolate em Gandu promove curso para agricultores familiares e estudantes

/ Agricultura

Participantes aprende a fabricar chocolate. Foto: Divulgação

Agricultores familiares e estudantes da Educação Profissional estão entre o público-alvo do curso de ”Introdução sobre a fabricação do chocolate”, que está sendo promovido pela Fábrica-Escola de Chocolate, instalada no Centro Territorial de Educação Profissional (CETEP) do Baixo Sul, no município de Gandu. Nas aulas, que começaram na segunda-feira (13) e prosseguem até esta terça (14), os participantes estão aprendendo a beneficiar o cacau e a fabricar chocolates para a comercialização, inclusive utilizando o espaço da fábrica para a produção. O curso visa, ainda, trazer o conhecimento sobre a importância do cacau para a cultura e a economia do território, conforme a vice-diretora da fábrica, Lindaura Costa. Tanto que, no primeiro dia do curso de fabricação do chocolate, os participantes visitaram o Museu da História Genética do Cacau, que fica ao ar livre, ao lado da fábrica – inaugurada em outubro de 2017 e que atende, hoje, a mais de 250 alunos (mais de 100 do curso de Nutrição e cerca de 150 das formações de Administração, Contabilidade e Finanças). As aulas incluem conteúdos amplos e específicos sobre a produção do chocolate, como a história do cacau; noções de rastreabilidade do produto; classificação e prova de corte da amêndoa; descasca e torra; temperagens, processo de resfriamento; e noções de embalagem, entre outros. O estudante do 4º ano de Nutrição Dietética do CETEP do Baixo Sul, Leonardo dos Santos, 19, um dos instrutores do curso, destaca que a iniciativa contribui para difundir a cultura do cacau. ”Estou aqui para passar o que aprendi nos cursos que a unidade ofereceu, com o intuito de que o público conheça os requisitos básicos para a produção do chocolate, a exemplo de como utilizar as máquinas da fábrica; como preparar o produto; os cuidados que se deve ter com o cacau; a higienização; e os fatores físicos, químicos e biológicos que influenciam na produção do cacau. Mostramos que o mercado oferece infinitas possibilidades e as pessoas devem buscar a criatividade para ter no chocolate uma fonte de renda”, relata o aluno/instrutor. Já a produtora rural Maria da Conceição Amaral, 54, membro da Associação do Desenvolvimento do Baixo Sul (ADEBASUL), fala sobre as perspectivas profissionais a partir desta capacitação. ”Está sendo maravilhoso aprender a teoria e a prática de como fazer chocolate. A gente aprende a chegar ao sabor perfeito para que o produto possa ser comercializado. A minha ideia é aprender tudo sobre a produção e, brevemente, fazer bombons e barras de chocolate para vender. Vai ser uma renda importante para a sobrevivência da minha família”, considera. A integração da comunidade e dos agricultores familiares nos cursos que a fábrica realiza ao longo do ano é ressaltada pela gestora Lindaura Costa. ”Os agricultores familiares têm uma presença assídua na fábrica-escola, cuja proposta é fomentar a economia local por meio da produção de chocolate e da valorização da cultura local”, destaca, acrescentando que a fábrica oferece diversos cursos sobre a fabricação do chocolate, entre os quais o de produção de chocolate destinado a merendeiras escolares e para mulheres em situação de vulnerabilidade social. Além disso, completa, a fábrica recebe visitas de estudantes das redes municipal e estadual e realiza atividades culturais, ”atingindo um alcance social significativo na região”.

 

Os comentários estão fechados.