Antônio Lassence

Quando vários países já avançam em sua Lei de Mídia, nós ainda discutimos a necessidade de uma. Tem sido constante a crítica de blogueiros à atuação parcial e manipuladora da mídia. Como agora, talvez, estejam incomodando de fato – já que, enquanto o alcance da internet cresce, os veículos tradicionais desabam -, alguns profissionais da grande imprensa reagem dizendo-se perseguidos.

Durante o 6º Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia promovido pela revista Imprensa em Brasília, Ricardo Gandour, diretor do Grupo Estado, disse que “a tentativa de tachar a imprensa de partido de oposição é no mínimo perigoso para a democracia.” No mesmo evento, Eliane Cantanhede, colunista da Folha, diz que “o PT e o Lula incitam manifestações contra nós”, numa alusão às recentes críticas do ex-presidente à imprensa.

Engraçado, os grandes veículos que sempre atacaram, até mesmo com insultos, o ex-presidente, agora se colocam como vítimas. Para eles só lhes cabe o papel de estilingue, jamais de vidraça. Será que já se perguntaram o porquê de estarem perdendo credibilidade?

A partir do momento que miram só um lado a imparcialidade foi pro espaço. Por exemplo, quando foi que a famosa colunista da Folha apoiou alguma medida tomada por Lula ou Dilma? Desde 2002 que ela e muitos outros da grande imprensa só veem erros no governo. Será que não houve um acerto sequer? Estão sempre prevendo a iminente tragédia para o país. Ao menor passo caímos no abismo.

Ora, nos anos 80 e, principalmente, 90, se uma pessoa depois dos 35 anos perdesse o emprego, era quase impossível ela retornar ao mercado de trabalho. Profissionais eram obrigados a aceitar qualquer coisa, mesmo fora de sua área, para poder levar algum sustento pra casa. Hoje a situação é bem diferente.

Sem dúvida que ainda temos muito a caminhar para melhorar o país, mas, ao mesmo tempo, não vivemos essa catástrofe estampada pela mídia que vai contaminando e gerando em todos a sensação de total descontrole e desordem.

De acordo com outra debatedora do Fórum, a colunista do Correio Braziliense Denise Rothenburg, “ninguém aguenta mais a acusação de que fazer uma matéria crítica é um golpe”. Em sua avaliação “o que falta é equilíbrio”, como se nossa imprensa e seus colunistas fossem totalmente isentos e os blogueiros, apenas, ideológicos.

Mas é justamente o equilíbrio que anda faltando aos grandes veículos de comunicação, que só exageram pra um lado.

Nesse embate entre Davi e Golias, a monstruosa e covarde desigualdade de forças vai diminuindo. E cada vez mais jornalistas de renome vão abandonando o enquadramento das grandes empresas em busca da liberdade dos blogs e da mídia alternativa.

Felizmente, para alguns, a consciência sobrepõe-se.