Em reunião com ACM, União Brasil conclui que Moro é única 3ª via possível e desiste de Mandetta, diz site

/ Política

Partido sonha em compor a chapa com Moro. Foto: Reprodução

A cúpula do União Brasil, fruto da fusão entre o DEM e o PSL, concluiu nesta terça-feira (23) que a única 3ª via possível nas eleições presidenciais de 2022 é a do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sergio Moro. As informações são do site Poder 360.

O partido pretendia lançar o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta ao Palácio do Planalto em 2022, mas ele deverá abrir mão da disputa. Filiado ao DEM, o nome de Mandetta havia sido aventado tanto pelo seu atual partido quanto pela legenda futura como opção viável para a disputa eleitoral, mas a entrada de Moro no jogo inviabilizou sua possível candidatura.

Mandetta avalia agora concorrer a deputado federal por Mato Grosso do Sul. Ele já exerceu o cargo entre 2011 e 2018 e não disputou as últimas eleições. Naquela época, queria deixar a política. Meses depois, porém, foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o Ministério da Saúde e ganhou protagonismo com o início da pandemia no Brasil.

O União Brasil, porém, ainda sonha em compor a chapa com Moro e pode indicar o ex-ministro para a vice. Integrantes da cúpula do novo partido nunca deixaram de conversar com o ex-juiz. No início, havia uma pequena esperança de que poderiam convencê-lo a integrar a legenda. Quando Moro oficializou sua ida ao Podemos, porém, as conversas passaram a girar em torno da composição de chapa. Esses diálogos devem, inclusive, se intensificar a partir de agora.

Estiveram presencialmente no encontro o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, atual presidente do DEM e secretário-geral do União Brasil; o deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente do PSL e presidente do União Brasil; o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM); o deputado federal Elmar Nascimento (DEM-BA); o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM); e o presidente do PSL em Brasília, Antonio Rueda, vice-presidente do União Brasil.

Deixar uma Resposta