Cristiane Brasil, a não querida

/ Artigos

Qualquer um pode ser condenado na justiça trabalhista, mas a ministra do trabalho, não.

E não pode, porque será ela a cobrar que todos cumpram as normas que delimitam a relação entre patrões e empregados.

A deputada Cristiane Brasil não pode exigir dos outros o que não pratica.

Simples assim.

Mas, quem regula pelas extremidades o conceito de moralidade só se preocupa em tirar proveito de situações.

A deputada que militou pelo golpe pra derrubar a presidenta eleita tinha a moralidade pública como tônica de seus discursos. Tinha, não tem mais.

É ferrenha defensora das reformas aprovadas com chantagens e troca de vantagens no governo corrupto.

Não se constrange em ocupar um cargo com o rótulo de mal exemplo por estar incluída no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas (BNDT).

A fruta não caiu longe do pé. Cristiane herdou do pai Roberto Jefferson o cinismo, que mesmo condenado por corrupção, com naturalidade ostenta o poder de indicação a ministério.

O descaramento de pai e filha foi barrado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), no Rio de Janeiro que manteve suspensa a posse.

A deputada pode experimentar o ‘tchau querida’ que dedicou à ex-presidenta, sem sequer sentar na cadeira de ministra.

Que assim seja e breve.

*Por Luciana Oliveira

Os comentários estão fechados.