Brasil: Sobe para 125 o número de municípios com risco de epidemia de dengue

/ Saúde

O número de municípios com risco de epidemia de dengue subiu de 117 para 125, de acordo com uma atualização do Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti (Liraa) divulgada nesta terça (10) pelo Ministério da Saúde. Já os municípios considerados em alerta para a doença passaram de 533 para 552. As cidades classificadas como em situação de alerta apresentam larvas do mosquito entre 1% e 3,9% dos imóveis pesquisados, enquanto as que se enquadram em situação de risco registram índice superior a 3,9%. De acordo com os dados, Rio Branco, no Acre, é a única cidade em situação de risco, com índice de 4,2%. Ainda assim, dez capitais apresentam situação de alerta para a dengue: Porto Alegre, Cuiabá, Vitória, Maceió, Natal, Recife, São Luís, Aracaju, Belém e Porto Velho. Até o momento, o ministério recebeu informações de 1.524 municípios – 61 a mais do que o primeiro levantamento fechado no último dia 3. A pesquisa é considerada pelo governo como um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da doença. “O chamado Mapa da Dengue identifica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor da doença, proporcionando informação qualificada para atuação das prefeituras nas ações de prevenção”, destacou o ministério. Cinco capitais (Boa Vista, Manaus, Palmas, Fortaleza e Salvador) ainda não apresentaram os resultados do Liraa. A previsão é que a próxima atualização seja divulgada na sexta-feira (14).

Em Jequié, mais de 5 mil crianças são vacinadas na primeira etapa da campanha de vacinação

/ Saúde

A prefeita Tânia acompanhou a vacinação
A prefeita Tânia acompanhou a vacinação. Foto: Divulgação

A prefeita de Jequié Tânia Britto, junto com a equipe da Secretaria de Saúde, percorreram no último sábado, 8 de novembro, os principais postos e unidades de saúde do município com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da vacinação infantil contra Sarampo e Paralisia Infantil. Segundo a diretora da Vigilância Epidemiológica, a enfermeira Priscila Silva Barros Lima, nesta primeira etapa foram vacinadas mais de 5,7 mil crianças entre seis meses e cinco anos de idade dentre esse total 3.125 ou 29,2% contra a Paralisia Infantil e 2.602 ou 27,58% crianças vacinadas contra o Sarampo. Para a prefeita Tânia Britto a vacinação é um direito conquistado e em Jequié o trabalho da administração é imunizar as crianças e garantir que estas enfermidades continuem controladas no município. A campanha de vacinação contra o Sarampo e Paralisia Infantil é uma iniciativa do Ministério da Saúde em parceria com a Prefeitura através da Secretaria de Saúde e Vigilância Epidemiológica e tem como objetivo manter a erradicação da poliomielite e garantir a eliminação do Sarampo no Brasil. O próximo dia de mobilização será dia 22 de novembro, com o objetivo de reforçar o alcance da campanha. A expectativa é de que as quase 20 mil crianças do município sejam vacinadas até o dia 28 de novembro.

Jequié divulga Campanha Nacional de Vacinação

/ Saúde

Campanha

Terá início neste sábado (8) a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo e Paralisia Infantil, em todo o Brasil. Em Jequié, a Prefeitura divulga a campanha informando que a Secretaria Municipal de Saúde atuará no cumprimento da Campanha Nacional. Os sintomas mais comuns do sarampo são febre, tosse seca, exantema (manchas avermelhadas), coriza e conjuntivite. A poliomielite causa lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia, principalmente nos membros inferiores.

Secretaria de Saúde diz que infestação de dengue em Jequié é reduzida quase pela metade em 2014

/ Saúde

Cerca de 68 agentes atuam no combate a Dengue em Jequié
Cerca de 68 agentes atuam no combate a Dengue em Jequié
O número de casos de dengue em Jequié foi reduzido em 43% no último trimestre (julho, agosto e setembro) em comparação ao primeiro trimestre de 2014. Os dados foram apresentados através do 4º Levantamento Rápido do índice de Infestação por Aedes Aegypti – LIRA. O balanço é realizado a cada três meses. A Secretaria Municipal de Saúde registrou em janeiro deste ano um índice de infestação predial de 7,86%, enquanto que, no último balanço apresentado, a infestação foi reduzida para 3,3%. A queda também foi observada nos locais onde existiam maiores influencia do índice de casos de dengue registrados no município. Apesar da redução expressiva, a Secretaria Municipal de Saúde ressalta a importância da atenção para os riscos da doença e da manutenção das ações de toda comunidade para eliminar os criadouros do mosquito Aedes Aegypti, o transmissor da dengue.
Afinal, o Ministério da Saúde preconiza o índice abaixo de 1% como o ideal. Para a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Priscila Barros, esse resultado é consequência do esforço conjunto da população e do governo municipal, através do trabalho de campo dos Agentes de Combate as Endemias – ACES. “Nós não podemos baixar a guarda. Não é por estamos conseguindo, ainda que parcialmente, um excelente resultado em relação à dengue que deixaremos de nos preocupar nos próximos meses do ano, período mais quente e quando ocorre muita chuva no nosso município”, alerta. Os bairros de Jequié com a maior infestação do mosquito da dengue são: Posto Manoel Antônio (18,18%); Amaralina (11,11%); Alto da Pedreira (6,57%); Barro Preto (5,26%); e Sol Nascente (4,54%). Em contrapartida, há muitas localidades onde existia uma grande infestação e, após os trabalhos de prevenção, os índices foram reduzidos, como é o caso da Invasão, que, em janeiro, registrou um índice de 8,33% e, agora, caiu para zero. O mesmo aconteceu nos bairros Inocoop, Brasil Novo, Boa Vista, Loteamento vila Aeroporto, Cidade Nova, Centro, São Judas Tadeu, Baixa do Bonfim, Alto da Bela Vista e Jardim Alvorada. Para o combate do Aedes Aegypti, o município conta com a colaboração de 68 agentes (23 deles convocados através de concurso público recente) que desenvolvem o tratamento focal realizado em visitas aos domicílios. Eles fazem o diagnostico da larva do mosquito, o tratamento com larvicida e a orientação na educação em saúde sobre a prevenção da dengue à população. Em 2014, foram 310 casos notificados com suspeita de dengue até o mês de outubro. Para contribuir na luta de prevenção da dengue através de denuncias e orientações, ligue 73 3526-9811.

Em Jequié, agentes de Endemias participam de capacitação sobre a ”Febre Chikungunya”

/ Saúde

Enfermeira Priscila Silva
Enfermeira Priscila Silva Barros ministrou palestra para os agentes

A Prefeitura Municipal de Jequié, por meio da Secretaria de Saúde curso de capacitação para os agentes do Controle de Endemias sobre a “Febre Chikungunya”. A palestra aconteceu no Auditório da Secretaria de Saúde, e teve como objetivo informar os agentes. A palestra foi ministrada pela Diretora da Vigilância Epidemiológica, a enfermeira Priscila Silva Barros. Ela apresentou orientações aos agentes de endemias para a realização dos trabalhos em campo de controle e informações sobre o vírus Chikungunya. Para Priscila, “a palestra amplia a capacitação dos agentes que tem prestado um grande serviço à cidade de Jequié levando orientações de prevenção de vetores à toda população”, explicou. A febre Chikungunya se assemelha a dengue, causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes Aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes Albopictus. Os sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. A diferença da febre Chikungunya para a Dengue está em dores nas articulações: o vírus ataca as juntas dos pacientes, o que causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

A palestra aconteceu no Auditório da Secretaria de Saúde
A palestra aconteceu no Auditório da Secretaria de Saúde

A febre Chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome, pois Chikungunya significa “aqueles que se dobram” no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o “andar curvado”. Em Jequié, o número de casos de Dengue em foi reduzido em 43% no último trimestre (julho, agosto e setembro) em comparação ao primeiro trimestre de 2014. Os dados foram apresentados através do 4º Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti – LIRA. O balanço é realizado a cada três meses. Quanto a febre Chikungunya, existem alguns caso em fase de análise principalmente de pessoas vindas de cidade com grande incidência do vírus como Feira de Santana. Porém, até o momento, nenhum caso confirmado no município de Jequié.

Ebola: País vai medir temperatura na chegada

/ Saúde

Ministro da Saúde, Arthur Chioro. Foto: Divulgação
Ministro da Saúde, Arthur Chioro. Foto: Divulgação
Passageiros procedentes de países afetados pelo Ebola terão de se submeter a uma aferição da temperatura e responder a um questionário assim que desembarcarem no País, durante o processo de imigração. Somente depois de o procedimento ser realizado é que vão receber o passaporte, que será entregue por autoridades sanitárias. As mudanças foram anunciadas nesta sexta-feira (31) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, e pelo secretário de Vigilância Epidemiológica, Jarbas Barbosa. O procedimento, que será realizado em postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), já começou no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, que responde por dois terços de todas as chegadas de pessoas vindas das áreas afetadas. A implementação nos demais aeroportos será feita de forma progressiva e deverá ser concluída até novembro em Viracopos (Campinas), no Galeão (Rio), no Internacional Pinto Martins (Fortaleza), no de Brasília e no de Salvador. Os viajantes serão informados que o sistema de saúde no País é de acesso universal e gratuito, algo que, na avaliação de Barbosa, pode derrubar qualquer tipo de inibição para procurar assistência. No material informativo também é indicado o local para onde ele deve se encaminhar, caso apresente algum sintoma. “Passageiros terão reforçadas as informações sobre a doença, os locais de assistência. Mas, além do serviço para passageiros, o material informativo facilitará o trabalho das equipes de saúde para confirmar ou descartar a suspeita”, disse Barbosa. Isso porque o documento traz dados do passageiro, o voo de procedência e a data de desembarque, informações importantes para avaliar se o paciente preenche os requisitos necessários para se enquadrar na definição de casos suspeitos. O folder virá em português, inglês, espanhol e francês. Barbosa reforçou que o scanner de temperatura, aparelho usado para identificar a temperatura de todos os passageiros que desembarcam, continua sendo considerado ineficaz. Do Bahia Notícias

Saúde: 12,7 milhões de crianças devem ser vacinadas contra paralisia neste ano

/ Saúde

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (30) que fará a vacinação contra a paralisia infantil entre 8 e 28 de novembro. A pretensão do governo é vacinar 12,7 milhões de crianças neste ano. O número corresponde a 95% do público-alvo, que é formado por crianças entre 6 meses e 5 anos. A poliomielite é uma doença contagiosa que afeta principalmente crianças com menos de 5 anos. Ela pode causar paralisia em algumas horas e, em alguns casos, ser fatal. O Brasil não registra casos da doença há 25 anos. De acordo com a pasta, serão distribuídas 17,8 milhões de doses da vacina em gotas para todas as unidades da federação. A recomendação, no entanto, é que as secretarias estaduais disponibilizem a imunização injetável para crianças que tenham mais de 6 meses e estejam com a vacinação atrasada.

Jequié não consegue se livrar da lista das 10 cidades com maior incidência de dengue

/ Saúde

Faz tempo que não se registra óbito por dengue, mas Jequié não consegue se livrar da lista das dez cidades baianas com o maior número de notificações da doença. A Secretaria de Saúde do Estado acaba de informar que Salvador é o município baiano com maior número de notificações da doença, totalizando 6.610 casos suspeitos. Completam a lista das 10 cidades com mais casos notificados Feira de Santana, Itabuna, Juazeiro, Ilhéus, Barra da Estiva, Teixeira de Freitas, Casa Nova, Jequié e Serrinha. O número de casos suspeitos de dengue notificados caiu significativamente na Bahia, em comparação ao ano passado. Uma das vítimas da doença é a cantora Ivete Sangalo, que teve diagnóstico confirmado pela assessoria no último sábado (18) e, por isso, cancelou duas apresentações que faria no último fim de semana. Por Souza Andrade

Feira de Santana já tem 156 casos de chikungunya

/ Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana informou que até este dia 4 de outubro confirmou 156 casos da febre Chikungunya na cidade. O número é quase cinco vezes maior do que o apresentado na última semana em boletim do Ministério da Saúde. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) não confirma o número e diz que aguarda novo boletim do ministério. Segundo o boletim da Secretaria de Feira, dos 156 casos registrados entre 6 de julho e 4 de outubro, todos são autóctones, ou seja, de pessoas que não viajaram para fora do país. Destes, 19 foram confirmados em laboratório e 137 por critério clínico. Outros 21 casos foram confirmados e 585 continuam em investigação. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (7). Informações do Correio

Governo autorização Medicina em Itabuna, Eunápolis, Guanambi, Alagoinhas, Jacobina e Juazeiro

/ Saúde

O secretário estadual da Saúde, Washington Couto, e o secretário Nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, Heider Aurélio Pinto, assinaram, nesta quarta-feira (1º), o termo de compromisso para a abertura de cursos de medicina em instituições privadas de seis municípios baianos. A autorização foi concedida às cidades de Alagoinhas, Eunápolis, Guanambi, Itabuna, Jacobina e Juazeiro. Com o termo assinado, um processo seletivo será aberto ainda neste mês de outubro. As faculdades selecionadas vão ter o prazo de um ano para fazer a implantação das aulas de medicina. O processo de escolha dos municípios abrangeu desde a necessidade do curso na região até as capacidades para a realização de atividades práticas de ensino.

Hospital Prado Valadares apresenta resultados da apuração de custos ao Ministério da Saúde e SESAB

/ Saúde

Equipe do HGPV homenageada com placas
Equipe do HGPV homenageada com placas pela SESAB

O Hospital Geral Prado Valadares (HGPV) apresentou ontem em Salvador para o Ministério da Saúde (MS) e para a Secretaria Estadual de Saúde da Bahia (SESAB), em Seminário promovido pela SESAB/MS, os resultados de um ano da implantação do Programa Nacional de Gestão de Custos (PNGC/APURASUS). De acordo com o diretor do HGPV, Gilmar Vasconcelos, este programa é uma importante ferramenta para a gestão eficiente do hospital, “até um ano atrás só quem fazia apuração de custos na Bahia eram algumas unidades privadas, hoje temos a honra de dizer que um hospital Público do interior da Bahia, da gestão direta da SESAB, sabe qual é o custo de um quilo de roupa lavada, até quanto custa manter um paciente internado por um dia em cada uma das enfermarias”, destacou Gilmar Vasconcelos. Durante o evento a direção do HGPV e sua equipe foram homenageadas com uma placa entregue pela Coordenação de Economia da Saúde da Diretoria Técnica (DITEC) da SESAB. O Prado Valadares está localizado no polo microrregional de Jequié, possui 180 leitos ativos, sem contar com os rotativos ou flutuantes que chega a passar de 40, a depender da demanda. É referência para mais de 600.000 habitantes. Com Emergência Geral 24h de demanda espontânea e referenciada chega a atender 7.000 pacientes por mês. Interna uma média de 500 pacientes por mês, nas especialidades de Clínica Média, Neurologia, Neurocirurgia, Cirurgia Geral, Traumatologia/Ortopedia, Pediatria, Psiquiatria e Terapia Intensiva, além de outras em situação de Urgência e Emergência. São realizados 30.000 procedimentos ambulatoriais por mês.

Tempo de espera em hospital não pode superar 2 horas

/ Saúde

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou ontem (16) duas resoluções que normatizam o trabalho dos médicos em urgência e emergência de prontos-socorros em hospitais e de unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). As resoluções 2.077 e 2.079, publicadas no Diário Oficial da União, passam para os gestores da saúde a responsabilidade sobre problemas como falta de leitos e demora no atendimento. Elas também estabelecem fluxos, limites, obrigações e responsabilidades de médicos que trabalham em urgência e emergência. “É um sistema que está em constante caos, mas o caos tem uma ordem natural e as pessoas tentam atender o risco que está em maior intensidade, mas é preciso ter caminhos adequados e a resolução mostra esses caminhos. É preciso que haja, no mínimo, orientações normativas para o fluxo do atendimento nas urgências e emergências”, disse o vice-presidente do CFM, Carlos Vital. Entre as determinações está o tempo mínimo em que uma pessoa precisa ser atendida nos prontos-socorros e nas UPAs. Segundo a resolução, o atendimento precisa ser imediato no serviço de triagem e classificação de risco e, após esse processo, o paciente de médio risco tem que ser atendido em, no máximo, duas horas. Para o coordenador da Câmara Técnica de Urgência e Emergência do CFM, Mauro Ribeiro de Britto, a resolução protege o bom médico que trabalha em urgência e emergência. “Apesar de reforçar as atribuições e responsabilidades do plantonista, hoje o médico que trabalha em pronto-socorro no Brasil não tem a quem recorrer naquela situação de caos. Agora, ele pode recorrer ao coordenador técnico do pronto-socorro ou ao diretor técnico para que esses dois profissionais possam encaminhar as denúncias aos gestores e ao Conselho Regional de Medicina. A partir daí o gestor é responsável e essa responsabilidade deve ser cobrada pelo Ministério Público”, disse Ribeiro. Segundo Britto, a resolução não pretende aumentar o número de denúncias nem confrontar os gestores. Leia mais.

Feira de Saúde leva informação a moradores de Jequié

/ Saúde

Moradores são atendidos nas diversas USFs
Moradores são atendidos nas diversas USFs de Jequié.

A Secretaria Municipal de Saúde de Jequié realiza, no período de 12 de setembro a 03 de outubro, Feiras de Saúde em Unidades de Saúde de bairros e distritos do município. Nesta sexta-feira (12), na Unidade de Saúde Família Milton Rabelo, no KM 4. O objetivo do projeto é aproximar a comunidade das ações desenvolvidas pelas equipes das USFs da Secretaria de Saúde, com uma proposta preventiva visando reduzir o número de casos de doenças no município.

Estudantes moradores recebem várias informações por meio de palestras
Estudantes recebem informações em palestras. Dircom

 Durante a Feira de Saúde os moradores recebem várias informações por meio de palestras sobre doenças sexualmente transmissíveis, maternidade, hipertensão e diabetes, como também orientações epidemiológicas como prevenção da dengue, calazar, leishmaniose, tuberculose. As palestras são realizadas por médicos do Programa de Valorização da Atenção Básica – PROVAB, enfermeiros da unidade de saúde, equipes da Vigilância Epidemiológica e educadores físicos. De acordo com Marcus Rabelo, diretor da Assistência à Saúde da Secretaria de Saúde, a realização da ação é uma forma estratégica cuidar das pessoas, “esta é uma iniciativa preventiva, que cuida e educa os participantes, identificando quadros de saúde para evitar que possíveis doenças cheguem a estados mais graves“, explicou.

Propostas para hospital em Ilhéus são apresentadas

/ Saúde

O Governo da Bahia conheceu, nesta terça-feira (9), as propostas apresentadas para a construção do Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus, durante abertura dos envelopes entregues pelas cinco empresas interessadas. O projeto arquitetônico, de engenharia e a construção da primeira etapa serão contratados através de Regime Diferenciado de Contratação (RDC). A unidade médico-hospitalar de média e alta complexidade em urgência, emergência, internamento e atendimento ambulatorial trabalhará com diversas especialidades, a exemplo de Clínica Geral, Cirurgia Geral, Pediatria, Ortopedia, entre outras.Funcionará 24 horas e será centro de referência em saúde, beneficiando 780 mil habitantes em Ilhéus, além da população de 27 municípios da Região Sul do estado. Com o investimento previsto de cerca de R$ 80 milhões, o Hospital Regional Costa do Cacau terá 43 mil metros quadrados de área construída.Na primeira etapa de construção, estão previstos 120 leitos de internação para adultos, 29 pediátricos, 20 de UTI adulto e mais 10 infantil; 30 leitos de observação na urgência e emergência e 16 leitos de internação pós-anestésico.