Sem médicos, governo Bolsonaro terá de readmitir profissionais cubanos para preencher vagas

/ Saúde

Conforme decisão do Congresso Nacional, o governo de Jair Bolsonaro terá de readmitir profissionais da saúde cubanos para atender vagas com dificuldade de ocupação. De acordo com o El País, com a previsão de lançamento para fevereiro, o edital poderá contemplar até 1.800 médicos de Cuba sem a necessidade do Revalida.

No documento, considerado pelo governo como um chamamento público, os profissionais readmitidos terão um contrato de permanência de dois anos e atuarão na atenção básica de municípios isolados ou com extrema pobreza. Há, atualmente, 757 vagas ociosas deixadas por médicos que desistiram de trabalhar nas localidades anteriormente especificadas.

Os médicos cubanos alvos das readmissões serão aqueles que por decisão própria decidiram permanecer no Brasil, vivendo em sua maior parte de serviços diferentes da formação profissional. Para a coordenação do programa “Médicos Pelo Brasil”, existe uma  preocupação do ponto de vista humanístico de como eles estão vivendo no país.

O número de casos suspeitos de infecção por ”coronavírus” no Brasil caiu para três

/ Saúde

O número de casos suspeitos de infecção por coronavírus no Brasil caiu para três, informou o Ministério da Saúde. Segundo o balanço mais recente da pasta, divulgado às 12h de hoje (16), dois pacientes em São Paulo e um no Rio Grande do Sul estão sendo monitorados. O número de suspeitas descartadas subiu para 45.

O total não mudou em relação ao boletim de ontem (15). De sexta-feira (14) para sábado, um caso no Paraná e outro no Rio Grande do Sul foram descartados. No entanto, um caso começou a ser investigado em São Paulo, resultando no total de três suspeitas em todo o país.

Entre os 45 casos descartados, o estado de São Paulo lidera, com 20 pacientes analisados. Em seguida, vêm Rio Grande do Sul, com nove suspeitas, Rio de Janeiro (5), Santa Catarina (4), Paraná (3), Minas Gerais (2), Distrito Federal (1) e Ceará (1).

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que não pretende reduzir as ações de combate ao coronavírus até o inverno, quando aumentam os casos de doenças respiratórias. Segundo a pasta, a mobilização continuará, independentemente da redução do número de casos investigados.

Batizada pela Organização Mundial da Saúde de COVID-19, a doença provocada pelo coronavírus provoca febre e problemas respiratórios. Até as 12h de hoje, haviam sido registrados 50.580 casos confirmados em todo o planeta. Desse total, a maioria está na China, com 50.024 casos e 1.524 mortes. Os outros dois óbitos foram registrados no Japão e nas Filipinas.

Morre mais uma pessoa por suposta intoxicação após ingerir cerveja da Backer

/ Saúde

Mais uma morte por suposta intoxicação após ingerir cervejas da Backer foi registrada. O número agora chegou a cinco. A vítima é o juiz titular da 28ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Belo Horizonte, João Roberto Borges, de 74 anos.

De acordo com a Agência Brasil, ele estava internado no hospital Madre Tereza, em Belo Horizonte. O corpo será necropsiado no Instituto Médico Legal (IML). Em comunicado interno, a presidência do TRT-MG manifestou condolências à família de Borges, e aos servidores das varas onde ele atuou.

Ao menos 29 pessoas apresentaram os sintomas de intoxicação por dietilenoglicol, o produto encontrado em amostras de cervejas Backer analisadas por peritos da Polícia Civil de Minas Gerais. Tóxico, o dietilenoglicol costuma ser usado em sistemas de refrigeração, devido a suas propriedades anticongelantes. Exames realizados pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil também apontaram a presença de monoetilenoglicol na linha de produção.

Número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil cai para seis, diz Ministério da Saúde

/ Saúde

Secretário-executivo do MS, João Gabbardo. Foto: Agência Brasil

O Brasil tem, atualmente, seis pessoas suspeitas de ter o coronavírus Covid-19. Os dados foram atualizados pelo Ministério da Saúde na tarde de ontem (13). De quarta, quando havia 11 casos suspeitos, para ontem, seis casos foram descartados – três em São Paulo, dois no Rio de Janeiro e um em Minas Gerais – e um foi incluído, no Rio Grande do Sul.

Apesar da queda no número de casos suspeitos, o ministério evita considerar que o Brasil está livre de sofrer um surto. Para o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo, a escala de contaminação pode ser lenta e ainda chegar ao país. Além disso, não se descarta a hipótese do constante aumento de casos na China e em outros países ainda trazer consequências para o Brasil.

”O fato de ter passado 14 dias e achar que as pessoas que deveriam ter vindo da China já ficaram mais de 14 dias não significa que, futuramente, não venham pessoas, tanto da China como de outros países, e que possam ser portadores do vírus”, disse Gabbardo. ”Porque à medida que o vírus crescer em outros locais, como Alemanha ou Estados Unidos por exemplo, essas pessoas virão para o Brasil e também poderão trazer a doença”.

Em relação aos brasileiros que vieram de Wuhan, cidade considerada o epicentro do vírus, e estão separados cumprindo quarentena em Anápolis, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Oliveira, disse apenas que ”estão todos ótimos, super bem, a gente tem mantido contato”.

Gabbardo também esclareceu que o ministério já prevê a aplicação de um protocolo da Organização Mundial de Saúde no qual será dispensada uma investigação detalhada para confirmar coronavírus caso o país chegue a 100 casos confirmados da doença. Apenas os sintomas e determinadas características que aparecerem no raio-x serão suficientes para caracterizar a contaminação. Esse procedimento está sendo adotado em Hubei, província na qual está localizada Wuhan.

Apesar do Brasil ainda não ter nenhum caso confirmado, Oliveira afirmou que o governo trabalha com “todos os cenários”, justificando tal planejamento mesmo para uma hipótese ainda distante da realidade do país.

”Nós estamos trabalhando para todos os cenários possíveis. Inclusive nos piores cenários, ou seja, a gente ter uma circulação mais intensa do vírus, baseado no que a China vem vivendo, ou até mesmo não termos casos. A nossa obrigação é deixar os serviços preparados para atuarem em condições de tranquilidade”.

Ainda não existe nenhum caso de coronavírus confirmado na América do Sul. Até hoje, quando houve o anúncio de uma nova metodologia adotada pela China, 60.364 casos foram contabilizados no mundo. Somente na China são 59.826 casos. O número de mortes chegou a 1.370 e 6.292 pessoas foram curadas. Nesta quinta-feira houve a maior confirmação de casos desde o início do surto.

Secretaria de Saúde da Bahia descarta caso de coronavírus no município de Tucano

/ Saúde

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) descartou no começo da tarde desta quinta-feira (12) a possibilidade de infecção pelo coronavirus em um caminhoneiro que deu entrada no Hospital Municipal Mariana Penedo, no município de Tucano, localizado a 252 km da capital baiana.

A apreensão se deu porque o paciente, que é tucanense, ter alegado que teve contato recentemente com um grupo de chineses, no Paraguai, e apresentar sintomas de gripe com febre elevada.

Por precaução, a diretoria do hospital estabeleceu o isolamento do paciente e recomendou que todos que tivessem contato com o caminhoneiro utilizassem máscaras protetoras para evitar um possível contagio.

Sobem para 11 os casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil, diz Ministério

/ Saúde

O Ministério da Saúde atualizou hoje (12) as informações sobre os casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus, o Covid-19, no Brasil. De acordo com os dados do Centro de Operação de Emergência em Saúde Pública, o número de casos suspeitos passou de oito, ontem (11), para 11, nesta quarta-feira, com três novos casos no estado de São Paulo. Assim, no momento, os casos suspeitos estão assim distribuídos no país: São Paulo (6), Rio de Janeiro (2), Rio Grande do Sul (1), Minas Gerais (1) e Paraná (1). Até agora, o ministério já descartou 33 casos suspeitos de Covid-19.

Em coletiva de imprensa que vem sendo realizada diariamente pelo Ministério da Saúde, o Secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Wanderson Oliveira, deu detalhes sobre o perfil epidemiológico dos casos suspeitos no país. Segundo ele, das 11 notificações em avaliação no país, seis são homens, cinco são mulheres. A média de idade é 24,6 anos e todas as pessoas estiveram na China, porém nenhuma passou pela cidade de Wuhan, que é o epicentro do surto.

Operação Regresso

Sobre as 58 pessoas que voltaram ao Brasil da China na Operação Regresso, no último domingo, dos quais 34 são brasileiros ou estrangeiros que moravam em Wuhan e 24 membros da equipe que embarcou para a operação, o secretário informou que conforme prevê o protocolo internacional, eles voltarão a ser testados no próximo domingo (16).

Todos passaram por exames de saúde no domingo (9) passado, ao chegar no país, e os resultados, divulgados ontem, deram negativo. De acordo com o secretário, o protocolo prevê testes a cada sete dias, até completar 14 dias. Portanto, todos farão um terceiro e último teste para Covid-19 no domingo (23).

Sobre o período de quarentena do grupo, que está na base aéra de Anápolis, em Goiás, a expectativa se mantém em 18 dias.

Histórico do coronavírus

Os coronavírus são conhecidos desde meados dos anos 1960 e já estiveram associados a outros episódios de alerta internacional nos últimos anos. Em 2002, uma variante gerou um surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars) que também teve início na China e atingiu mais de 8 mil pessoas. Em 2012, um novo coronavírus causou uma síndrome respiratória no Oriente Médio que foi chamada de Mers.

A atual transmissão foi identificada em 7 de janeiro, na China. O escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) no país buscava respostas para casos de uma pneumonia de etiologia até então desconhecida que afetava moradores na cidade de Wuhan. No dia 11 de janeiro foi apontado um mercado de frutos do mar como o local de origem da transmissão. O espaço foi fechado pelo governo chinês.

No final de janeiro, a OMS declarou estado de emergência global em razão do novo coronavírus. Ontem, especialistas do mundo inteiro reunidos em Genebra, na Suíça, para tratar do surto, deram um nome à doença: Covid-19. Da Agência Brasil

Pesquisadores britânicos começam a testar vacina para o novo ”coronavírus” em ratos

/ Saúde

Uma equipe de pesquisadores britânicos anunciou ontem (11) que está testando em ratos uma vacina contra o novo coronavírus e espera concluir a experiência até o fim deste ano.

A equipe do Imperial College, em Londres, acredita estar entre as primeiras a avançar com ensaios clínicos em animais. O desenvolvimento de uma nova vacina é um processo que pode se prolongar por vários anos até que se prove que ela é segura e eficaz.

As pesquisas partiram do trabalho desenvolvido para o coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda (SARS). O coordenador dos trabalhos, Robin Shattock admitiu, em entrevista ao canal britânico Sky News, que a vacina não serviria para combater o atual surto, mas poderá ser importante se houver outro no futuro. Com informações do Metro1

Saúde: Vestibular para Medicina da Unesulbahia está com inscrições abertas até quinta-feira

/ Saúde

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de Medicina da Unesulbahia. Os interessados em concorrer a uma das vagas têm até 13 de fevereiro para preencher a ficha de inscrição disponível no portal da Instituição.

As provas acontecerão no próximo domingo (16) em quatro municípios da Bahia: Eunápolis, Salvador, Itabuna e Vitória da Conquista.

O vestibular de Medicina da Unesulbahia será composto por 55 questões objetivas sobre Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Matemática, Ciências Humanas e da Natureza, além de uma Redação.

O resultado será divulgado no dia 19 de fevereiro e os candidatos deverão se matricular nos dias 20 e 21 de fevereiro pela internet ou presencialmente na faculdade. O início das aulas está previsto para o dia 2 de março. *Por Jade Coelho

Virus HIV em gestantes: Jovens de 10 a 19 anos representam quase 20% dos casos na Bahia

/ Saúde

Entre 2015 e 2019, a cada cinco casos de infecção pelo vírus HIV em gestantes, um foi diagnosticado em jovens com idade entre 10 e 19 anos. Nesse período, o estado registou um total de 2,4 mil casos de HIV em grávidas. Destes, 442 (18,4%) foram registrados em crianças e adolescentes. Os dados foram repassados ao Bahia Notícias pela Secretaria da Saúde Estadual (Sesab) com base no Sistema de Informação de Agravos de Notificação.

Os dados revelam, contudo, decréscimo no total de casos registrados por ano nesta faixa etária. Enquanto em 2015 foram registrados 102 infecções por HIV em gestantes de 10 a 19 anos, no ano passado houve uma redução de 59%. A tendência segue ao analisar a faixa etária de 10 a 49 anos, em que o número passou de 424 para 306, uma redução de 27%.

Os dados apontam para dois problemas de saúde que nas últimas semanas foram foco de campanhas dos ministérios da Saúde (MS), comandado por Luiz Henrique Mandetta, e da Mulher, Família e Direitos Humanos, que tem como titular Damares Alves: a gravidez na adolescência e as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

No último sábado (8), a pasta da saúde lançou a campanha ”Usar camisinha é uma responsa de todos”, de prevenção às ISTs. Desta vez, de acordo com o MS, o foco vai além da prevenção do HIV-Aids, e apresenta um novo conceito voltado para a prevenção de todas as infecções transmitidas por contato sexual. ”O objetivo é propor uma mudança de comportamento entre jovens, de 15 a 29 anos, quanto ao uso do preservativo para evitar doenças como sífilis, herpes genital, gonorreia e HPV”, publicou o Ministério da Saúde.

Entre as doenças-foco da campanha, a sífilis nos últimos cinco anos afetou 396 meninas menores de 14 anos na Bahia. Entre as adolescentes de 15 a 19 anos o número chega à casa dos milhares, com 2.344 ocorrências. Os dados estão presentes em um levantamento feito pela Sesab, repassado ao Bahia Notícias, que trata sobre diagnósticos de ISTs em crianças e adolescentes.

Em 3 de fevereiro foi lançada uma outra campanha do governo federal, intitulada “Tudo tem seu tempo: Adolescência primeiro, gravidez depois”. O objetivo, de acordo com o governo, é a redução da gravidez precoce, que acarreta “consequências para toda a vida”. A ideia da ministra Damares Alves é de que pais e responsáveis orientem as crianças e adolescentes a retardarem o início da vida sexual.

Na Bahia, diferente do governo federal, que incentiva a abstinência sexual, a estratégia adotada pelo governo estadual para combater as infecções sexualmente transmissíveis e a gravidez precoce entre os jovens do ensino médio das escolas estaduais é educação e orientação para planejamento de vida. *Por Jade Coelho

Em Barreiras, Rui reúne 35 prefeitos e 14 deputados na inauguração da primeira policlínica do Oeste

/ Saúde

Políticos e populares prestigiam inauguração. Foto: Paula Fróes

Um grande número de políticos prestigiou a inauguração da Policlínica Regional de Barreiras, nesta segunda-feira (dia 10). A entrega da unidade pelo governador Rui Costa contou com a participação de 35 prefeitos, dez vice-prefeitos, seis ex-prefeitos, além de sete deputados estaduais e sete federais. Foram investidos R$ 27 milhões na 16ª policlínica construída pelo Governo do Estado e primeira da região oeste da Bahia.

A nova unidade vai beneficiar cerca de 500 mil morados dos municípios de Angical, Baianópolis, Barreiras, Brejolândia, Brotas de Macaúbas, Catolândia, Cotegipe, Cristópolis, Formosa do Rio Preto, Ibotirama, Luís Eduardo Magalhães, Mansidão, Morpará, Muquém de São Francisco, Paratinga, Riachão das Neves, Santa Rita de Cássia e São Desidério.

Com investimento de R$ 27 milhões, a 16ª Policlínica é entregue

Durante a visita a Barreiras, o governador entregou ainda a primeira etapa da ampliação do Hospital do Oeste (HO), que incluiu dois blocos de enfermarias com 62 leitos para internação de adulto, sendo um deles de isolamento.

Criança de Apuarema com câncer na perna precisa de ajuda para pagar procedimento cirúrgico

/ Saúde

Lise Silvério Oliveira é de Apuarema. Foto: Acervo familiar

Aos 08 anos, a garota Lise Silvério Oliveira, moradora da cidade de Apuarema, já enfrentou muitas dificuldades. Aos seis, ela foi diagnosticada com câncer em uma das pernas, sendo submetida a um procedimento, congelamento para tratamento do tumor ósseo (osteosarcoma).

Conforme apurou o Blog Marcos Frahm, após dois anos de tratamento, Lise teve que enfrentar um novo desafio. Passou por mais um procedimento cirúrgico depois de sofrer uma fratura na perna.

Sem condições financeiras, a família contou com ajuda de colaboradores para pagar o procedimento, que custou R$ 56. 090,00. Contudo, ainda restam R$ 8.860,00 do valor total para quitar o débito.

Agora, a família da garota Lise precisa ainda mais de ajuda para pagar a dívida da cirurgia e disponibiliza a conta bancária para quem puder colaborar: conta/88604 -0 Operação 013 / Agência 0071 / Lise Silvério Oliveira / Caixa Econômica Federal.

Por falta de atendimento, mulher tem filho na recepção de hospital regional no Sul da Bahia

/ Saúde

Mulher deu à luz na recepção do de Eunápolis. Foto: Redes Sociais

Após não receber atendimento médico, uma mulher teve um bebê na recepção do Hospital Regional de Eunápolis, cidade do sul da Bahia. Segundo o G1, o caso aconteceu na madrugada deste domingo (9).

A gestante começou a sentir dores quando estava deitada nas cadeiras da recepção da unidade médica. Ela deu à luz após receber a ajuda de familiares e pacientes.

Em nota, a direção do Hospital Regional de Eunápolis informou que a mãe e o bebê estão internados na unidade e passam bem.

Segundo o Hospital Regional de Eunápolis, o parto na recepção da unidade foi um erro grave e intolerável cometido por parte da equipe médica e de enfermagem de plantão. Os profissionais foram afastados de suas funções e um inquérito administrativo foi aberto para que punições legais sejam executadas.

A unidade médica também disse que vai acionar na segunda-feira (10), o Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren), Conselho Federal de Medicina (CRM) e o Ministério Público da Bahia (MP-BA) para que façam parte do inquérito aberto na unidade, sendo também divulgado à sociedade as medidas e punições adotadas neste caso.

Bahia registrou mais de 2 mil casos de Hanseníase, conhecida antigamente como Lepra

/ Saúde

A Hanseníase, conhecida antigamente como Lepra, é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória e investigação obrigatória em todo território nacional. De acordo dados da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), no período de 2010 a 2019 foram notificados 24.068 casos. Os dados mostram, ainda, que no ano passado, 2.074 pessoas tiveram a doença no estado.

A pasta destaca que, os homens na faixa etária de 20 a 49 anos e acima de 60 anos tem alto risco para a Hanseníase, e esta última faixa etária é também o maior grupo acometido pelas incapacidades físicas causadas pela doença, portanto, deve ser considerada como prioritária.

A Sesab explica que a Hanseníase é um agravo crônico com período prolongado, cujo diagnóstico é essencialmente clínico e epidemiológico, por meio de história clínica, exame dermatoneurológico e situação epidemiológica.

”A doença, que compromete principalmente a pele e os nervos periféricos, é transmitida por meio das secreções das vias respiratórias (nariz e boca) para as pessoas que convivem com o doente não tratado. Clinicamente, apresenta leões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade ou comprometimento de nervos periférico”.

O órgão garante que assim que é realizado o diagnóstico e iniciado o tratamento, os pacientes deixam de transmitir a doença. ‘Se não for tratada precocemente, pode se tornar grave e gerar deformidades físicas devido ao comprometimento dos nervos, principalmente nas mãos, pés e face”.

Os dados apresentados colocam a Bahia ainda, em uma situação epidemiológica considerada como alta endemicidade, conforme os parâmetros oficiais. A pasta fala que é também preocupante a existência de municípios sem casos, que estão próximos a outros endêmicos, que podem estar silenciosos para a doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) coloca o Brasil no segundo lugar no mundo em casos de Hanseníase com uma média de 38 mil registros por ano. Perde apenas para a Índia, que em 2017 apresentou 126.164 registros.

Para a coordenadora da Campanha Nacional de Hanseníase da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Sandra Durães, trata-se de uma doença que afeta, sobretudo, regiões com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Apesar de o Brasil ser considerado uma potência econômica, a existência de desigualdades regionais repercute na forma como o registro de novos casos se materializa, explicou.

A especialista fala que seu diagnóstico, tratamento e cura dependem de exames clínicos e, principalmente, da capacitação do médico. Nesse sentido, ela afirma que a entidade tem colaborado com a capacitação de médicos de outras especialidades e generalistas, o que contribui para o fortalecimento da rede de detecção dessa doença.

Novo coronavírus: 28 casos suspeitos foram descartados no Brasil, diz Ministério da Saúde

/ Saúde

O Ministério da Saúde atualizou hoje (8) as informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde sobre a situação dos casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil. Agora, oito casos se enquadram na atual definição de caso suspeito para investigação do CoV-2019. Não há nenhum caso confirmado no Brasil.

O boletim foi divulgado pelo site do Ministério da Saúde.

As ocorrências suspeitas estão sendo monitorados pelo Ministério da Saúde nos seguintes estados: Minas Gerais (1), Rio de Janeiro (1), São Paulo (2), Santa Catarina (1) e Rio Grande do Sul (3). O ministério também já descartou 28 casos para investigação de possível relação com a infecção humana pelo coronavírus.

Todas as notificações foram recebidas, avaliadas e discutidas com especialistas, caso a caso, junto com as autoridades de saúde dos estados e municípios. Da Agência Brasil