Hospital da Mulher ganha 27 novos leitos cirúrgicos; ampliação é inaugurada por Rui

/ Saúde

Rui Costa entrega leitos no Hospital da Mulher. Foto: Manu Dias

O Hospital da Mulher (HM) abrigou, nos últimos dois anos e meio, 23 mil cirurgias e a tendência é que este número seja ainda maior daqui por diante, já que a unidade, localizada no Largo de Roma, em Salvador, passa a contar com 27 novos leitos cirúrgicos. Inaugurada na manhã desta quarta-feira (17), pelo governador Rui Costa, a ampliação recebeu mais de um R$1,5 milhão, entre obras e equipamentos.

”Essa é uma das obras que mais me dá orgulho de ter feito, pelo cuidado especial com as mulheres, pra tratar as doenças específicas que alcançam as mulheres do estado da Bahia. Essa ampliação do número de leitos faz do Hospital da Mulher da Bahia o maior e melhor Hospital da Mulher do país”, afirmou o governador Rui Costa, que assinou a ordem de serviço para a construção do Centro de Atenção Psicossocial em Pau da Lima.

O Hospital da Mulher, que é administrado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), é referência para moradoras da capital e de todo o interior da Bahia. Com a intervenção, a unidade amplia a capacidade de cirurgias em 25%. Além disso, sai dos atuais 136 leitos cirúrgicos para 163 vagas do tipo. Segundo o titular da Sesab, Fábio Vilas-Boas, o equipamento vai passar por mais mudanças. ”Em breve, anunciaremos mais uma ampliação aqui no HM e a unidade vai passar a ter mais de 200 leitos dedicados às doenças exclusivas das mulheres, fazendo da Bahia o Estado mais eficiente em atenção à saúde da mulher no Brasil”

De acordo com o diretor médico da unidade, Paulo Sérgio Andrade, essa ampliação é fruto da eficiência do HM. ”Como o hospital se tornou uma grande referência no atendimento à saúde da mulher, nossa capacidade instalada precisou dessa ampliação para atender, com ainda mais rapidez, as pacientes. Essa obra, com certeza, vai trazer uma grande contribuição para a população feminina baiana”, destacou o dirigente.

Entre os principais procedimentos cirúrgicos realizados no equipamento, estão a mastectomia, histerectomia e laqueadura, respectivamente, retirada das mamas e do útero e bloqueio das trompas.

Ministério da Saúde suspende parcerias para produção de medicamentos para diabetes

/ Saúde

O Ministério da Saúde informou hoje (16) que 19 parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDPs) estão em fase de suspensão. As parcerias foram firmadas para a produção de medicamentos como insulina, usada para diabetes, e pramipexol, usado no tratamento de doença de Parkinson. A etapa atual permite que os laboratórios públicos apresentem medidas para reestruturar o cronograma de ações e atividades. Segundo a pasta, as parcerias estão em fase de suspensão, entre outros motivos, por falta de avanços esperados; por falta de investimento na estrutura; por desacordo com o cronograma; por solicitação de saída do parceiro privado; pelo não enquadramento de um projeto como PDP; por decisão judicial; e, por recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria-Geral da União (CGU).

Esse tipo de parceria tem quatro fases. A primeira é a proposta para avaliação; a segunda é o desenvolvimento do projeto, com elaboração dos contratos entre parceiros, treinamento, desenvolvimento da estrutura e qualificação dos processos de trabalho; a terceira é a transferência efetiva de tecnologia e início da aquisição do Ministério da Saúde; e, a quarta, a verificação da internalização da tecnologia. De acordo com a lista divulgada pelo ministério, cinco parcerias estavam na terceira fase. As demais estavam na segunda fase ou anterior.

O Ministério da Saúde garante, em nota, que a população não será afetada. ”Para garantir o abastecimento da rede, o Ministério da Saúde vem realizando compras desses produtos por outros meios previstos na legislação. A medida, portanto, não afeta o atendimento à população. A maior parcela das PDPs em fase de suspensão sequer chegou a fase de fornecimento do produto”, a nota. A PDP é uma parceria que prevê transferência de tecnologia de um laboratório privado para um público, com o objetivo de fabricar um determinado produto em território nacional. O Ministério da Saúde coordena o processo e utiliza seu poder de compra para apoiar a produção nacional de produtos considerados estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, 87 parcerias estão vigentes.

Segundo o presidente da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil, Ronaldo Ferreira Dias, os laboratórios irão recorrer da medida tanto administrativamente quanto judicialmente. ”A decisão foi tomada de forma unilateral, mesmo havendo diversos canais para estabelecer diálogo ou se fazer possíveis ponderações. Não houve diálogos prévios”, disse, acrescentando que ”é quebra de contrato, quebra da confiança que o Brasil tem, inclusive no exterior”. De acordo com Dias, as empresas já realizaram investimentos, inclusive em infraestrutura para produzir esses medicamentos. Parte desses recursos, segundo ele, vêm de fontes públicas. ”Tranquilamente chega na casa dos bilhões”, disse, segundo a Agência Brasil.

Veja a lista divulgada pelo Ministério da Saúde:

Adalimumabe

Etanercepte

Everolimo

Gosserrelina

Infliximabe

Insulina (NPH e Regular)

Leuprorrelina

Rituximabe

Sofosbuvir

Trastuzumabe

Cabergolina

Pramipexol

Sevelâmer

Vacina Tetraviral

Alfataliglicerase

Bevacizumabe

Inscrições para a 2ª fase do Programa Mais Médicos destinada a brasileiros terminam hoje

/ Saúde

Termina nesta quarta-feira (10) o prazo de inscrição para a 2ª fase do Programa Mais Médicos destinada a profissionais brasileiros formados no exterior, de acordo com o edital nº 11, de 10 de maio de 2019,

A inscrição objetiva preencher vagas remanescentes, no total de 600, não ocupadas na 1ª fase do programa para médicos com registro em qualquer Conselho Regional de Medicina (CRM) do Brasil. A inscrição está sendo realizada somente pela pela Internet, através do Sistema de Gerenciamento de Programas (SGP), no site do programa. Na primeira fase foram abertas 2.149 vagas.

A reposição de profissionais do Mais Médicos vai atender às populações de áreas com maiores dificuldades de acesso, como ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas e que dependem do atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Os médicos que aderirem ao programa devem começar a atuar na Atenção Primária desses municípios entre 16 de agosto e 25 de setembro. Da Agência Brasil

Estudante de Jequié espancado em Salvador tem alta: ”Está confuso, sem compreender o que houve”

/ Saúde

Cayan Lima Silva Santana, 19 anos, recebeu alta. Foto: Reprodução

Espancado após uma festa na área verde do Othon, em Salvador, na madrugada da última quarta-feira (3), o estudante de Direito e aluno do Núcleo Preparatório Oficiais da Reserva do Exército (NPOR) Cayan Lima Silva Santana, 19 anos, de Jequié, recebeu alta hospitalar na tarde desta segunda-feira (8), por volta das 17h30. Cayan estava internado no Hospital do Exército, em Brotas.

O pai da vítima, o advogado Ary Santana, morador de Jequié, afirmou que, mesmo após ter recebido alta hospitalar, o estudante ainda está muito debilitado e deve fazer novos exames nas próximas semanas.  ”Ele vai ficar afastado das atividades militares e acadêmicas por 30 dias. Ainda está com a visão turva, um ponto de sangramento na parte traseira da cabeça, uma lesão no baço, o nariz quebrado e edema no pulmão. Ele está um pouco confuso, sem compreender o que houve”, relatou.

Por ainda estar confuso, segundo o pai, Cayan não consegue compreender como foi agredido. Por conta disso, deve adiar o depoimento o que deve fazer com que ele ainda demore a dar depoimento  à delegada Lúcia Jansen, titular da 7ª Delegacia (Rio Vermelho), unidade que apura o caso.  ”Eu vejo que é impossível ele ser ouvido ainda nesta semana. Ele só deve falar com a delegada na semana que vem”, explicou Ary. De acordo com o promotor que cuida do caso, Davi Gallo, o jovem é o único envolvido no caso que ainda precisa ser ouvido pela delegada da  7ª Delegacia (Rio Vermelho), Lúcia Jansen.

Cayan ainda deve permanecer em Salvador, onde mora, até o dia 17 de julho para acompanhamento médico. Após a data, ele vai viajar para a cidade de Jequié, no sudoeste do estado, onde mora a família. A alta hospitalar de Cayan é comemorada pelo seu pai. ”É uma sensação indescritível, pra quem viu ele na condição que estava, uma condição indigna. Agora, ter nosso filho em casa é o maior prazer que poderia ter sido dado”, disse.

O estudante de Direito foi agredido ao deixar a festa de música eletrônica Hype, realizada na Área Verde do Othon, em Ondina. O graduando em Arquitetura Gabriel Louzado, 19, também sofreu agressões dentro do evento. Ele desmaiou após ter sido alvo de socos e pontapés de um grupo de seis pessoas. O jovem foi atendido no Hospital Geral do Estado (HGE), de onde foi liberado na manhã seguinte.

Investigação

De acordo com com as testemunhas da agressão, a briga começou após um amigo de Cayan ter se envolvido com a ex-namorada de um dos agressores. A confusão teria se estendido para o lado de fora do evento, onde segundo os advogados da vítima, Cayan continuou sendo agredido mesmo depois de desmaiar na porta da festa. Cinco envolvidos no caso prestaram esclarecimentos à delegada na última quinta-feira (4).

Guilherme Machado, um dos suspeitos de ter cometido o crime, negou as acusações durante depoimento prestado quarta-feira (3). A delegada Lúcia Jansen afirmou, em entrevista à TV Bahia, que o suspeito relatou durante o depoimento que os amigos de Cayan teriam agredido um dos seus amigos, que é menor de idade, durante a festa. O possível agressor também foi submetido a exame de corpo de delito e orientado a fazer outros exames médicos, como ressonância magnética, por apresentar lesões corporais. As informações são do Correio

Conferência Estadual de Saúde reúne duas mil pessoas e discute políticas públicas do setor

/ Saúde

Secretário Vilas-Bas discursa em conferência. Foto: Mateus Pereira

A abertura oficial da 10ª Conferência Estadual de Saúde foi realizada na manhã desta segunda-feira (8) para um público de cerca de duas mil pessoas. No evento que segue até a próxima quarta-feira (10) estão reunidos usuários do Sistema Único de Saúde, trabalhadores e gestores da área de saúde.

A conferência é realizada pelo Conselho Estadual de Saúde e tem apoio do Governo do Estado por meio da Secretaria da Saúde. ”Essa conferência é a consolidação do apoio da gestão estadual ao sistema de saúde. Este é o segundo evento realizado na nossa gestão e tem a participação de representantes de todos os 417 municípios que estão aqui com mais de mil delegados de saúde das suas regiões. A intenção é trazer mais informações e propostas para ampliarmos e consolidarmos o sistema de saúde em todo o estado”, explica o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas.

A conferência magna, na abertura do evento, discutiu o tema ‘Democracia e Saúde: Saúde como Direito e Consolidação e Financiamento do SUS’, que teve coordenação do professor da Universidade Federal da Bahia, Jairnilson Paim. O presidente do Conselho Estadual de Saúde, Ricardo Mendonça, explica que a partir das discussões realizadas no evento sairão as 21 diretrizes que serão encaminhados ao Conselho Nacional. ”A Conferência é uma ferramenta do Sistema Único de Saúde com participação do controle social onde se discute a política estadual e nacional de saúde. Ao final, o relatório da etapa estadual e as 21 diretrizes do Estado da Bahia serão encaminhadas para a Política Nacional de Saúde”.

A abertura teve a participação do médico Drauzio Varella, convidado para falar sobre Saúde Pública. Ele ponderou que eventos como a conferência ajudam na elaboração das políticas de saúde. ”O Brasil não tem política de saúde porque a cada 10 meses o ministro da pasta é trocado. Com essa mudança os estados ficam perdidos no que se refere à política nacional de saúde. A Bahia tem a felicidade ter o mesmo secretário de saúde há cinco anos e isso resulta num trabalho consistente. É muito importante trazer as pessoas pra perto e definir quais são as diretrizes. Quem vai aplicar as políticas de saúde não é o secretário, mas os profissionais que estão na ponta. Ter eventos voltados para definir esse alinhamento é fundamental”.

Saúde: Número de casos prováveis de dengue crescem 535% na Bahia no 1º semestre

/ Saúde

O número de casos prováveis de dengue na Bahia cresceu 535,3% no primeiro semestre deste ano, se comparado com o mesmo período do ano passado. De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), já foram registrados 40.886 casos da doença de 1º de janeiro até o dia 18 de junho deste ano, em 345 municípios da Bahia. O número aponta que, no mesmo período do ano passado, os casos de dengue notificados eram em torno de 6,4 mil em todo o estado.

Em apenas uma semana, o número de casos prováveis da doença, que é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, chegou a 3.559 – até o dia 11 de junho deste ano, eram, de acordo com a secretaria, 37.327 casos prováveis já notificados. Também conforme dados da Sesab, o coeficiente de incidência da dengue na Bahia chegou à marca de 276 para cada 100 mil habitantes.

Apesar da alta considerável entre os casos de dengue, houve redução nas notificações de zika e chikungunya, também transmitidas pelo Aedes aegypti. No primeiro semestre deste ano, foram registrados 1.524 casos prováveis de chikungunya em 146 municípios da Bahia, o que significa uma redução de 47,2% em relação ao mesmo período de 2018. O coeficiente de incidência chegou a 10,3 para cada 100 mil habitantes.

Já com relação aos casos de zika, a queda foi de 12,2%. Nos primeiros seis meses deste ano, foram 781 casos prováveis notificados em 119 municípios, com coeficiente de incidência em 5,3 registros para cada 100 mil habitantes.

No Brasil, o número de mortes pela dengue triplicou neste primeiro semestre: de janeiro a junho, já são 414 mortes, contra 119 no primeiro semestre de 2018. Também houve aumento no número de casos. Neste primeiro semestre, já são 1,2 milhão de casos prováveis, contra 180 mil no mesmo período de 2018 – um número sete vezes maior.

Ministério da Saúde anuncia R$ 233 milhões para atenção primária; recursos serão para municípios

/ Saúde

O Ministério da Saúde anunciou ontem (3) investimento de R$ 233,6 milhões para ampliar o atendimento à população em todo o país. Os recursos serão usados por 1,2 mil municípios para aumentar o acesso a exames, consultas e medicamentos nos atendimentos feitos por equipes de saúde da família que atuam em cuidados básicos e prevenção de doenças. Em 2020, o investimento deve aumentar e chegar a aproximadamente R$ 400 milhões. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante o Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, que é realizado nesta semana em Brasília.

Durante o evento, Mandetta assinou uma portaria para garantir as medidas e disse que a melhora no atendimento à população passa pela atenção primária à saúde, que é prioridade para o governo federal. ”Vamos aumentar ao máximo a resolutividade da básica [saúde] porque é ela a alma do Sistema Único de Saúde e vocês [secretários] serão o corpo e as pernas desse Sistema Único de Saúde. Nós não vamos deixar ninguém para trás. Vamos pedir mais recursos para a saúde sempre, mas vamos aumentar a cobrança pelos resultados”, afirmou. De acordo com a pasta, 10 milhões de pessoas devem ser beneficiadas e vão passar a ser assistidas na atenção primária, porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS).

Devem ser credenciadas pelos municípios 1,4 mil equipes de saúde da família, 1,4 mil equipes de saúde bucal, além de agentes comunitários, laboratórios de próteses dentárias, consultórios de rua e unidade odontológicas móveis. As localidades vão receber os recursos após o cadastramento dos profissionais e o início dos atendimentos. A meta do Ministério da Saúde neste ano é ter em funcionamento 50 mil equipes de Saúde da Família. Atualmente, são 43 mil, responsáveis pela assistência de 63% da população.

Programa Mais Médicos: Profissionais têm até hoje para se apresentar nos municípios

/ Saúde

Encerra hoje (28) o prazo para que os profissionais do Programa Mais Médicos se apresentem nos municípios para os quais foram selecionados, dando início às atividades nas unidades de saúde de mais de mil locais brasileiros e em dez Distritos Sanitários Especiais Indígenas.

Ao todo serão 1.975 profissionais selecionados durante o 18º ciclo do programa. Segundo o Ministério da Saúde, o reforço beneficiará mais de 6 milhões de pessoas que vivem nas áreas mais vulneráveis do Brasil. Algumas delas com histórica dificuldade de acesso, caso de localidades ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas.

Nesta primeira fase do 18º ciclo do programa, a seleção priorizou a participação de profissionais ”formados e habilitados com registro do Conselho Regional de Medicina (CRM)”, preferencialmente ”om perfil de atendimento para a Atenção Primária”.

Para tanto, o Ministério da Saúde estabeleceu ”critérios de classificação, como títulos de Especialista e/ou Residência Médica em Medicina da Família e Comunidade”. Para acessar a lista dos municípios contemplados pelo programa Mais Médicos, clique aqui.

Secretaria da Saúde do Estado distribuirá 1 milhão de camisinhas durante o São João

/ Saúde

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) distribuirá cerca de 1 milhão de preservativos entre os dias 20 e 30 de junho, bem como realizará testes rápidos para detecção de hepatites virais, HIV e sífilis. A ação “CAMISINHA TÁ NA MÃO”, promovida Sesab, tem como objetivo principal alertar milhões de baianos e turistas sobre a importância da prevenção a fim de evitar ISTs. Quem vai curtir os festejos juninos em Cruz das Almas, Santo Antônio de Jesus, Amargosa, Cachoeira e Eunápolis poderá retirar preservativos nos pontos de distribuição localizados nas praças e entrada das festas.

O público ainda contará com um diferencial: acesso a uma rede sem fio de alta velocidade. Promotores estarão nas ruas próximas aos eventos, que utilizarão uma mochila que compartilha Wi-fi gratuitamente. Com velocidade cerca de 10x maior que a atual rede 4G, a mochila compartilha a conexão com até 300 usuários, com um alcance de 50 metros de raio. Os usuários acessam a rede, fornecem seus dados básicos e já estão usufruindo da internet de alta velocidade. Cada mochila tem autonomia de 5 horas e pode ser recarregada na rede elétrica.

De acordo com a coordenadora do Programa Estadual de IST/Aids, Maria Aparecida Figueiredo, testes rápidos para detecção de HIV, sífilis e hepatites virais serão realizados durante o São João nos municípios de Eunápolis e Amargosa. “Além dos testes, faremos aconselhamento e encaminhamento para tratamento no caso de testes positivos”, afirma. O secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, destaca que mesmo com o avanço no tratamento da Aids, é necessário que todos fiquem atentos para a prevenção e façam exames regularmente para evitar a transmissão para seus parceiros e “Acreditamos que essa é uma ação fundamental no São João para chamar a atenção de todos para que tenham relações de forma segura”, afirma Vilas-Boas.

Adolescente de 16 anos morre de dengue após dar entrada em hospital no norte da Bahia

/ Saúde

Thalia Ferreira Silva estava internada em Irecê. Foto: TV Bahia

Uma adolescente de 16 anos morreu de dengue, no norte da Bahia. A garota era da cidade de Presidente Dutra e estava internada em Irecê. Ela faleceu um dia após dar entrada no Hospital Regional Dr Mario Dourado Sobrinho.

Thalia Ferreira Silva reclamava de dores abdominais quando foi internada no dia 10 de junho. Amostras do sangue da adolescente foram enviadas para o Laboratório Central (Lacen), em Salvador, onde foram analisadas.

De acordo com o Núcleo Regional de Saúde que atende a região de Irecê, o resultado confirmando a doença saiu nesta segunda-feira (17). O exame que indica o tipo de dengue deverá ter resultado divulgado nos próximos dias. G1

Saúde: Estados e municípios brasileiros desenham programas para substituir Mais Médicos

/ Saúde

Na falta de definição do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de qual programa substituirá o Mais Médicos, estados e municípios estão criando seus próprios planos para preencher as vagas ociosas deixadas pela saída dos médicos cubanos em novembro do ano passado. Os modelos regionais se baseiam na oferta de bolsas de estudo, sem vínculo empregatício. Os médicos selecionados farão residência ou especialização em medicina de família e, ao mesmo tempo, atender em postos de saúde.

No Ceará, segundo estado mais afetado pela saída dos médicos cubanos e de brasileiros, o recém-criado programa Médicos da Família prevê bolsas mensais no valor de R$ 11,8 mil. Fortaleza foi o primeiro município a aderir à iniciativa e, a partir de julho, contará com 140 novos médicos. O Espirito Santo desenha projeto semelhante e, no próximo mês, deve abrir edital para a seleção. O Tocantins segue o mesmo caminho. Campinas (SP) aprovou lei criando o programa Mais Médicos Campineiro, que prevê 120 vagas de residência ou especialização em medicina de família.

Só a saída dos médicos cubanos causou a desassistência de 28 milhões de usuários do SUS, segundo a Confederação Nacional dos Municípios. Na quinta (13), o secretário de Atenção Primária à Saúde, Erno Harzheim, disse em audiência pública na Câmara dos Deputados que o ministro Luiz Henrique Mandetta apresentará aos parlamentares um esboço do programa que substituirá o Mais Médicos a partir da próxima semana –anteriormente, Mandetta havia prometido o envio do projeto entre abril e maio.

A ideia, segundo ele, é colher opiniões, críticas e sugestões para, então, elaborar o texto final. Uma das propostas do novo projeto, que envolverá entre 13 mil e 14 mil vagas, é oferecer valores diferentes de remuneração nas cidades mais distantes, como forma de atrair os médicos. Em Fortaleza, os 140 selecionados no programa estadual serão supervisionados por 25 tutores. A especialização em medicina de família e comunidade, com duração de um ano, será dado pela Escola de Saúde Pública do Ceará.

”O treinamento ocorrerá no próprio serviço. É uma forma de cobrir as vagas do Mais Médicos que ainda não conseguimos preencher e também de atrair mais profissionais interessados em atenção primária”, afirma a secretária municipal da saúde, Joana Maciel. Segundo ela, a iniciativa foi reforçada pela decisão do governo de não mais repor as vagas ociosas em municípios maiores. ‘Mesmo em uma capital de estado, temos áreas de grande vulnerabilidade em que é muito difícil preencher as vagas. Com a vinculação acadêmica, a reposição será permanente.” O investimento será de R$ 20 milhões anuais.

Em levantamento de abril último, o Ceará figurava como segundo estado com mais vagas ociosas no Mais Médicos (370), atrás de São Paulo (478). No Espírito Santo, a estimativa é de que 120 equipes de saúde da família estejam sem médicos. Das 640 existentes no Estado, 509 eram ocupadas por profissionais do Mais Médicos. Segundo o secretário estadual da saúde, Nésio Fernandes, a meta é que os municípios consigam preencher suas vagas ociosas e criem outras de modo a aumentar a cobertura de saúde da família. As bolsas serão bancadas pelas prefeituras.

Os médicos selecionados passarão por curso de três anos para que obtenham o título de especialista em medicina de família e comunidade. ”Está provado que esse é o melhor caminho para aumentar a resolutividade do sistema. Hoje, com apenas generalistas na atenção básica, de cada 17 consultas, 12 são encaminhadas a especialistas. Precisamos ter médicos mais resolutivos”, diz Fernandes. Eles também serão supervisionados por tutores nos locais de trabalho. ‘No Mais Médicos [federal] havia uma supervisão mensal, à distância. Essa não é a melhor forma de orientação”, diz.

O Mais Médicos Campineiro deve substituir gradativamente os profissionais do programa federal, cujos contratos terminam entre 2020 e 2021, segundo o secretário municipal de saúde, Cármino Antonio de Souza. O programa prevê a abertura de 120 vagas de residência em medicina de família e comunidade, com bolsas de R$ 11 mil, e atuação desses médicos nos postos de saúde. ”Não vamos conseguir preencher as vagas se não houver estímulo. Um médico de família bem formado é capaz de resolver de 85% a 90% das demandas de saúde”, diz Souza.

O programa tem como parceiros as faculdades de medicina da Unicamp, São Leopoldo Mandic, PUC-Campinas e a Rede Mário Gatti de Urgência, Emergência e Hospitalar. Daniel Knupp, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, diz que é muito positiva a iniciativa de estados e municípios de reposição das vagas de médicos por meio da residência ou especialização.

”Isso melhora o compromisso do médico com o serviço e fortalece a atenção primária.” Para ele, as residências médicas têm mais chances de fixar o profissional nos locais de trabalho do que apenas a graduação em medicina. Ligia Giovanella, professora e pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fiocruz, também considera importante a ampliação das residências em medicina da família, mas diz que essas experiências não fixam os médicos.

Como os contratos de trabalho são temporários, há grande rotatividade. ”Uma das características de uma atenção primária forte é o acompanhamento das pessoas ao longo do tempo”, afirma. Segundo ela, a contratação por meio de bolsas e a consequente falta de segurança trabalhista foi uma das principais críticas do Mais Médicos. ”As pessoas não são atraídas porque não sabem se o trabalho terá ou não continuidade. Se a residência fosse acompanhada de concurso público, poderia facilitar a fixação.”

Agência Nacional de Saúde suspende venda de 51 planos de saúde de 11 operadoras

/ Saúde

Cinquenta e um planos de saúde de 11 operadoras tiveram a comercialização proibida a partir de hoje (14). A decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), anunciada no último dia 7, impede que esses planos recebam novos clientes até que sejam comprovadas melhorias no atendimento.  Os 600 mil beneficiários desses planos não são afetados pela medida, já que as operadoras são obrigadas a continuar oferecendo cobertura para os clientes.

A suspensão é parte do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que faz avaliações trimestrais dos planos, com base em reclamações de clientes acerca de questões como cobertura assistencial, prazo máximo de atendimento e rede de atenção, entre outras. Vinte e sete planos de dez operadoras, que haviam sido suspensos em avaliações anteriores, conseguiram melhorar seu atendimento e tiveram autorização para voltar a ser comercializados a partir de hoje. Da Agência Brasil

Internado na Bahia, Agnaldo Timóteo tem autorização para ser transferido para SP e espera vaga

/ Saúde

Agnaldo está na UTI do Roberto Santos. Foto: Ivanaldo Paiva

O cantor Agnaldo Timóteo já está com autorização médica para ser transferido para São Paulo e só está aguardando uma vaga em alguma unidade de saúde paulista para que isso aconteça, segundo divulgou, nesta quinta-feira (6), a assessoria do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador, onde ele está internado após sofrer um AVC. Segundo o G1, o boletim médico divulgado nesta quinta diz que o artista está evoluindo com melhora clínica progressiva, porém ainda sem previsão de alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Os médicos alinharam com parentes a transferência para São Paulo, para que o cantor possa ficar perto de amigos e familiares. No entanto, não há previsão exata da data e nem da unidade de saúde para onde ele vai, pois é preciso reserva e confirmação da vaga. A transferência deve ocorrer por meio de transporte aéreo.

O Hospital Roberto Santos informou que Agnaldo Timóteo está em uso de antibióticos fortes para combater a infecções. Ainda de acordo com o hospital, o cantor está lúcido, interagindo com a equipe e familiares e colaborando com os processos de enfermagem e fisioterapia. O paciente é alimentado por via venosa e sonda. Segundo a unidade de saúde, está previsto para hoje retirá-lo do leito para que faça alguma atividade, que pode ocorrer dentro do quarto mesmo.

A unidade médica disse que, por ser uma pessoa com grande carisma, o cantor Agnaldo Timóteo conquistou o carinho e afeição de toda equipe do hospital. Agnaldo está na UTI do Hospital Geral Roberto Santos desde o dia 21 de maio, quando foi transferido de Barreiras, no oeste baiano, onde sofreu o AVC. De acordo com a unidade médica, a idade avançada e doença associadas podem justificar a fragilidade imunológica e recorrência da infecção no paciente.

No boletim divulgado na terça-feira (4), o hospital havia informado que, mesmo com a ampliação do tratamento com fortes antibióticos, a infecção urinária persistia. O problema foi diagnosticado no dia 27 de maio. Já na quarta (5), o hospital informou que ele apresentou melhora no quadro infeccioso. Também houve melhora no quadros de delirium (melhora progressiva da desorientação) e ele passou a interagir melhor e com mais lucidez.

Internado em Salvador, Agnaldo Timóteo apresenta melhora e médicos avaliam transferência para SP

/ Saúde

Agnaldo Timóteo segue internado em Salvador. Foto: Divulgação

Após dias sem avanço na recuperação, na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Roberto Santos, em Salvador, Agnaldo Timóteo apresentou melhora nas últimas 24h.

De acordo com o boletim médico divulgado nesta quarta-feira (5), o artista tem reagido bem ao quadro de infecção, e já está sem febre. Ainda segundo o comunicado, ele, que antes sofria de confusão mental, tem “melhora progressiva da desorientação” e está ”interagindo melhor e com mais lucidez”.

Agnaldo Timóteo segue internado, sem previsão de alta, mas os médicos estudam a possibilidade da transferência do artista para outro estado. ”Está sendo avaliado o risco x benefício de um transporte aéreo interestadual Bahia-São Paulo ou Bahia-Rio de Janeiro. Familiares estão avaliando a melhor estratégia e o melhor momento para isso”, diz o boletim.