Encontro do prefeito de Itapetinga com Rui aumenta expectativa da ida do MDB para base

/ Política

Rui recebeu Michel Hagge. Foto: Divulgação / Governo da Bahia

O prefeito de Itapetinga, Rodrigo Hagge (MDB), se reuniu na noite desta quinta-feira (14) com o governador Rui Costa (PT) e a foto do encontro, na Governadoria, em Salvador, passou a circular nas redes sociais reforçando as especulações do retorno do MDB à base petista na Bahia.

Maior e mais importante município do Médio Sudoeste, Itapetinga foi uma das quatro cidades da Bahia a garantir, nas eleições de 2018, a vitória do então candidato Jair Bolsonaro (sem partido) contra Fernando Haddad (PT) no segundo turno do pleito presidencial. Com a bandeira bolsonarista e de oposição ao líder baiano, Rodrigo Hagge foi reeleito dois anos depois com 70% dos votos válidos.

No encontro de ontem, o líder do Governo na Assembleia Legislativa da Bahia, Rosemberg Pinto (PT), segundo mais votado na cidade para deputado estadual no último pleito e adversário político do grupo liderado por Hagge, também participou da audiência. Em Itapetinga, os candidatos à Assembleia e à Câmara Federal mais votados contaram com o apoio de Hagge: Pedro Tavares (DEM) e Antônio Brito (PSD).

Amigo da família Hagge, o ex-deputado Lúcio Vieira Lima, em contato com o site Bahia.Ba, afirmou que conversou na manhã de hoje com o prefeito e, segundo o gestor, não foi tratado nada sobre política.

”O prefeito Rodrigo Hagge foi eleito com 70% e ele precisa procurar quem precisa ser procurado. O prefeito Bruno Reis não está indo até [o presidente] Bolsonaro? A prefeita de Vitória da Conquista [Sheila Lemos], do DEM, não foi até o governador, e até já se reuniu no escritório político com Wagner? A polêmica é só com o MDB?”, questionou.

De acordo com Lúcio, a visita foi institucional. ”Ele vai pedir a quem? A ACM Neto? Se pede a quem tem para dar. E pedir não quer dizer necessariamente que será uma troca. Eu mesmo já fui recebido pelo governador [Rui] na varanda [do Palácio de Ondina], comi sequilho e tomei suco de laranja. Foi uma tarde muito agradável, mas não quis dizer que teve um compromisso”, revelou.

Já o deputado Rosemberg Pinto afirmou que a reunião foi ”produtiva” e se discutiu investimentos do Estado no município, considerado a capital da agropecuária baiana. A vereadora Sibele Nery, do PT, aliado do líder governista, também participou da audiência.

”Discutimos a recuperação da Avenida Júlio José Rodrigues, obra que tem previsão de investimento de R$ 4 milhões. Também tratamos da saúde de Itapetinga para tentarmos melhorar o atendimento e transformar em algo de caráter regional. Iremos nos reunir com os prefeitos da região para discutir uma política de saúde, em parceria com a Sesab”, informou o parlamentar, ao citar outros benefícios nas áreas de infraestrutura e educação que deverão ser contemplados.

Após ser citado em delação por suposto pagamento de propina, Coronel promete interpelar Sandra Inês

/ Política

Angelo Coronel foi citado em delação premiada. Foto: Rede social

O senador Angelo Coronel (PSD) classificou, em conversa com o Política Livre, na manhã desta sexta-feira (15), como ”vazia” a delação premiada da desembargadora Sandra Inês Rusciolelli e do seu filho, o advogado Vasco Rusciolelli.

A desembargadora acusou, conforme documento obtido pela reportagem, ele, enquanto era deputado estadual pela Bahia, de ter coagido produtores rurais, e que na época ”comentou-se abertamente no TJ-BA que ele tinha recebido uma aeronave como pagamento pela sua atuação”.

Ainda de acordo com a delação, o parlamentar baiano teria pagado R$ 50 mil pelo favorecimento à empresa Sabore Cia, ligada ao deputado estadual Diego Coronel (PSD), através da concessão de uma decisão liminar.

Ainda segundo o site, Coronel prometeu interpelar judicialmente a desembargadora para que a mesma apresente provas. ”Denúncia vazia. Sem provas. Mentirosa”, disse o senador. ”Uma verdadeira fake news”, continuou.

O acordo da delação faz parte da Operação Faroeste, que desde 2019 investiga membros do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) em um suposto esquema de venda de sentenças, formação de quadrilha, grilagens de terra na região oeste, dentre outros crimes.

Em mais de 600 páginas entregues ao Ministério Público Federal, a magistrada e seu filho apontaram uma série de ”atos de corrupção que, segundo eles, permeiam as entranhas do Tribunal de Justiça da Bahia”.

O acordo de colaboração foi feito para recuperar R$ 4 milhões obtidos ilegalmente no esquema. A partir da delação, o acordo prevê 20 anos de prisão para Sandra Inês, cumpridos de forma progressiva. Desses, três meses em regime fechado, e com desligamento do TJ baiano, sem perda do cargo.

O acordo prevê ainda 22 anos de prisão para Vasco Rusciolelli, também cumpridos de forma progressiva, sendo seis meses em regime fechado.

Apresentador Pedro Bial diz que Lula é passado e ex-presidente pergunta se o novo ”é a fome”

/ Política

Luiz Inácio da Silva rebate Pedro Bial. Foto: Ricardo Stuckert

Um dia depois de Pedro Bial, um dos principais apresentadores da Globo, dizer que Lula representa o passado, o ex-presidente foi ao Twitter para questionar esse conceito. ”Esse discurso de renovação. O que que é o novo?! 20 milhões de pessoas passando fome?! 100 milhões de brasileiros em insegurança alimentar?!”, escreveu o petista.

”Olha como deixamos esse país e como ele tá hoje”, disse. Em entrevista com o economista e ex-ministro Delfim Netto e o presidente do banco Credit Suisse no Brasil, José Olympio Pereira, exibida na madrugada de terça-feira (12), o jornalista comparou a candidatura de Lula com a do presidente Jair Bolsonaro.

Bial disse que as duas ”são do passado”. ”Já ouvi de gente da direita e da esquerda que essa dicotomia direita/esquerda tem que ser substituída pela real dicotomia que nos desafia, que é passado e futuro. A gente olha pro ano que vem, para a eleição, o eleitor brasileiro olha para o ano que vem, e ele não vê o futuro”, afirmou.

*Mônica Bergamo/Folhapress

Bolsonaro diz que foi impedido de ver jogo do Santos contra o Grêmio por não estar vacinado

/ Política

Jair Bolsonaro foi impedido de assistir jogo. Foto: Isac Nóbrega

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (10) a apoiadores que foi impedido de assistir ao jogo do Santos contra o Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro, por não estar vacinado. Bolsonaro questionou os protocolos exigidos para ter acesso ao estádio da Vila Belmiro.

”Por que passaporte da vacina? Eu queria ver o jogo do Santos agora e me falaram que não podia, que tem que está vacinado. Eu tenho mais anticorpos do que quem tomou a vacina”, disse o presidente. Bolsonaro está no litoral paulista onde passa o feriadão com a família.

Mais fácil Bolsonaro se filiar ao novo partido de ACM Neto do que vir pro PP, diz João Leão

/ Política

”Eu não acredito que ele venha”, afirma Leão. Foto: Facebook

O presidente do PP na Bahia, vice-governador João Leão, afirmou nesta quinta-feira (7) que acha remota a chance de o presidente Jair Bolsonaro se filiar à legenda  —que também abriga o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

”Eu não acredito que ele venha. Eu acho que está mais fácil ele ir para o partido novo de ACM Neto, o União Brasil, e com quem ele está mais alinhado”, declarou Leão ao site Metro1, referindo-se à sigla que resultou da fusão DEM-PSL.

Segundo o pepista, uma outra possibilidade é a de que Bolsonaro ingresse no PTB, presidido nacionalmente por Roberto Jefferson.

”Tem uma, duas, três, quatro hipóteses. Mas eu não posso ficar conversando sobre uma coisa que não aconteceu. Não existe absolutamente nada formalizado”, afirmou.

Questionado sobre um eventual desconforto caso o chefe do Executivo de fato volte ao PP (onde ficou entre 2005 e 2016), Leão diz que não julgará se ele será ou não bem-vindo.

”Eu vou brigar com Bolsonaro pra quê? Eu vou seguir o meu caminho, na composição João Leão na cabeça de chapa para governador e Rui Costa senador”, brincou o vice-governador.

MDB da Bahia sinaliza apoio a Wagner em 2022 e oposição admite possível ”adeus” ao partido

/ Política

Decisão do MDB pode ter influência de Lula. Foto: Reprodução

O diretório do Movimento Democrático Brasileiro na Bahia (MDB-BA) segue debatendo sobre em qual lado estará no pleito eleitoral do próximo ano. Motivo de divergência entre diferentes setores da legenda, a decisão pode ser preponderante em 2022 e deve considerar a formação do arco de alianças do Partido dos Trabalhadores (PT) à nível nacional (veja aqui).

Nomes próximos a executiva municipal do ex-Democratas em Salvador afirmam que o tom é de despedida. A saída do MDB é dada como certa entre as lideranças. O vereador Geraldo Júnior, presidente do Legislativo municipal, no entanto, seria reticente à decisão. O vereador é um dos emedebistas entusiastas da participação do partido na candidatura do ex-prefeito ACM Neto à majoritária (relembre aqui e aqui). Uma terceira possibilidade é que os membros da sigla marchem com João Roma (Rebublicanos).

A oferta de cargos não seria o ponto principal para que o MDB opte por um dos lados, disseram fontes escutadas pelo Bahia Notícias. O tema teria, inclusive, sido abordado em conversas com Lula durante sua última passagem pela Bahia (clique aqui).

Nos bastidores do governo Rui Costa (PT) o que se comenta é que o martelo ainda não está batido. O cortejamento por apoios também inclui outros partidos como o Progressistas (PP), que discute a permanência na base petista e o consequente amparo ao nome de Jaques Wagner (PT) na cabeça de chapa para a candidatura ao Palácio de Ondina.

Declarações recentes do prefeito Bruno Reis (DEM) apontam uma cautela da gestão demista em falar publicamente sobre o assunto. Quesitonado pela imprensa durante o lançamento da fase de testes dos ônibus elétricos em Salvador, no último mês, ele tergiversou dizendo que ”não adianta ter agonia” (lembre aqui). Com informações do Bahia Notícias

UPB comemora aprovação de repasse extra aos municípios; ”Equilibra a distribuição dos recursos”

/ Política

Zé Cocá comenta aprovação de repasse do FPM. Foto: UPB

Com a crise financeira, agravada pela pandemia do coronavírus, os municípios brasileiros comemoraram nesta quarta-feira (6) a aprovação na Câmara dos Deputados, em segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 391/17, que aumenta em 1% o repasse anual ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), a ser entregue no primeiro decêndio do mês de setembro de cada ano. Por já ter sido aprovada em dois turnos no Senado e não ter sofrido alteração na Câmara, a proposta segue para promulgação.

Durante o período de tramitação da matéria, a União dos Municípios da Bahia (UPB) e a Confederação Nacional de Municípios (CNM) atuaram fortemente na articulação junto aos deputados federais e senadores a favor da aprovação, que acaba sendo conquistada na data em que é celebrado o Dia do Prefeito. “Para nós significa uma reparação das tantas obrigações que os municípios vêm acumulando desde de a Constituição de 88. É uma ação que equilibra a distribuição dos recursos, hoje concentrada na esfera da União, e tem impacto direto na ponta, onde as prefeituras prestam o serviço ao cidadão. É o ideal? achamos que não, mas é um passo importante para equilibrar essa relação federativa da divisão do bolo tributário nacional”, explica o presidente da UPB, Zé Cocá, que também é prefeito de Jequié no Sudoeste baiano.

Os municípios, por meio do FPM, já dispõe de 22,5 pontos percentuais dos 49% da arrecadação total do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Com a PEC, o percentual repassado às prefeituras alcançará 23,5 pontos percentuais. O texto aprovado prevê que o acréscimo será escalonado, sendo 0,25 ponto percentual em 2022; 0,25 em 2023; 0,5 em 2024 e 1% no ano seguinte. Desde a Constituição Federal de 1988, esse repasse foi ampliado por duas vezes, primeiro com o 1% a mais repassado no mês de dezembro, como forma de subsidiar o pagamento do décimo terceiro dos servidores e fechamento de contas de um exercício para outro, e mais 1% creditado em julho, conquistado com o protagonismo da luta iniciada ainda na Bahia com a Campanha SOS Municípios.

DEM e PSL aprovam fusão; novo partido se chamará União Brasil e o número será o 44

/ Política

Luciano Bivar, do PSL, e ACM, do Democratas. Foto: Divulgação

O DEM e o PSL aprovaram, em convenções realizadas nesta quarta-feira (6) em Brasília, a fusão da entre as duas legendas. O novo partido se chamará União Brasil e o número será o 44.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda precisa aprovar a nova sigla. A cúpula do DEM crê que o processo de fusão leve três meses para ser analisado pelos ministros.

A expectativa, segundo o presidente nacional do DEM, ACM Neto, é de que a fusão leve a formação da maior legenda do país. Entretanto, o processo deve levar à saída de vários filiados dos dois partidos, inclusive congressistas.

Ministro do Trabalho e da Previdência do governo Bolsonaro e filiado ao DEM, Onyx Lorenzoni, votou contrário à união dos partidos e pediu para que a posição dele constasse na ata da convenção.

Mesmo com baixas nos dois partidos, o União Brasil deve contar com a maior bancada na Câmara dos Deputados. Atualmente:

DEM
  • 28 deputados
  • seis senadores, incluindo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

PSL

  • 54 deputado
  • dois senadores

Se considerados os números atuais dos dois partidos, a fusão deixaria o União Brasil com um total de 82 deputados. A segunda maior bancada é a do PT, com 53 deputados.

Leão diz que não tem o mínimo interesse em apoiar Bolsonaro; ”Tenho uma aliança política na Bahia”

/ Política

Leão deixa claro que não apoia o presidente. Foto: Rede social

O presidente do PP baiano e vice-governador da Bahia, João Leão, afirmou na manhã desta terça-feira (5) que uma possível filiação de Jair Bolsonaro ao seu partido seria indiferente para ele.

Mesmo com a forte articulação de alguns nomes para convencer Bolsonaro a se filiar ao PP, Leão fez questão de deixar claro que não tem o ”mínimo interesse” em apoiar o atual presidente da República na eleição do ano que vem.

”Eu tenho uma aliança política na Bahia há 14 anos e quero continuar minha aliança. O PP em cada estado é independente, mas eu não tenho o mínimo interesse nisso [apoiar Bolsonaro]. Meu apoio é junto com meus companheiros de 14 anos de aliança, mas tem que se dar oportunidade aos outros”, explicou em entrevista à Rádio Digital.

Provável filiação de Bolsonaro ao PP encontra resistência no diretório da legenda na Bahia

/ Política

PP de Leão deve manter aliança com o PT. Foto: Rede social

Bolsonaro está cada vez mais próximo de fechar sua filiação ao PP. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, cerca de 90% do partido quer a presença do presidente da República nos quadros da sigla. Apenas os diretórios da Bahia, da Paraíba e de Pernambuco estão resistindo ao bolsonarismo.

A principal razão para a resistência nesses três estados é o desempenho ruim de Bolsonaro nas pesquisas de opinião. No caso, as lideranças baianas, paraibanas e pernambucanas no PP preferem se aliar ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Especificamente na Bahia, o PP, do vice-governador João Leão, possui uma forte aliança com o PT, do governador Rui Costa. Pelas declarações de líderes de ambas as siglas, eles devem continuar no mesmo palanque em 2022.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), também não é um entusiasta da filiação de Bolsonaro, mas já deixou claro que não oferecerá resistência à chegada de Bolsonaro.

O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, é o principal articulador da ida de Bolsonaro ao partido. Ele se comprometeu a dar poder de escolha ao presidente da República a quem se candidatará a senador em estados considerados chaves por ele, como o Rio de Janeiro e o Distrito Federal. *Bahia Notícias

ACM se diz contra impeachment de Bolsonaro e opositores dizem que é disfarce por ser aliado

/ Política

ACM não acredita em crime praticado por Jair. Foto: Reprodução

Presidente nacional do Democratas, ACM Neto se disse contra o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em entrevista ao portal Uol, Neto disse não há elementos hoje, no Congresso Nacional, que sustentem o afastamento do mandatário geral do país.

”Sou bem claro: sou contra o impeachment. Da mesma forma que sou contra qualquer ruptura democrática, como o golpe, por exemplo”.

Questionado pelos jornalistas se, para além da conjuntura política, há crime que justifique a abertura do processo na Câmara dos Deputados, o demista tegiversou. “Não sou deputado para dizer se houve ou não crime. O que posso dizer é que sou radicalmente contra ao modelo que o presidente adotou para tratar da pandemia. Como cidadão, posso dizer que as medidas não foram adotadas de forma a minimizar os danos trazidos pelo vírus”, disse.

ACM Neto afirmou ainda que se houvesse algum movimento pró-impeachment isso inflamaria a base do presidente. ”Deixa os jogadores que estão aí jogar. Qualquer interferência numa disputa livre vai contribuir com uma instabilidade no país. Queremos vencer nosso projeto em um processo amplo, aberto e franco dentro das urnas”, afirmou.

‘Neto é contra o impeachment porque apoia o governo’, diz Éden Valadares

Após o ex-prefeito e pré-candidato ao governo da Bahia, ACM Neto, afirmar nesta segunda-feira (4) que votou em Bolsonaro no 2º turno das eleições em 2018 e dizer ser contra impeachment, o presidente do Partido dos Trabalhadores da Bahia (PT-BA), Éden Valadares, criticou a declaração do presidente nacional do Democratas.

Segundo Éden, ”mesmo com todos os crimes cometidos pelo presidente”, Neto é contra o impeachment de Bolsonaro “porque apoia seu governo, tem muitas verbas, emendas e cargos”. ”Negar isso é fazer pouco caso da inteligência da sociedade baiana”, disse.

O presidente do PT baiano apontou o que chamou de ”diversas irregularidades” cometidas por Bolsonaro desde que assumiu a gestão. ”Crime de responsabilidade pela violação de garantias individuais, crime contra a humanidade, prevaricação, charlatanismo, incitação ao crime, crime de infração de medida sanitária preventiva, crime de epidemia. A lista de crimes cometidos por Bolsonaro é enorme, comprovada pela CPI e conhecida no Brasil e no mundo. A posição de ACM Neto não é técnica, é política”, afirmou Éden, argumentando que Neto e seu partido ”dão sustentação presidente da república na Câmara”.

”Além de ter apoiado Bolsonaro na eleição de 2018, ACM Neto e seu partido dão sustentação ao presidente da república na Câmara, sendo o DEM uma das legendas mais fiéis ao governo, com apoio em mais de 90% das pautas. O Partido presidido por Neto conta ainda com dois ministros na Esplanada dos Ministérios – Tereza Cristina e Onyx Lorenzoni, nas pastas da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Trabalho e Previdência”, disse.

Brasil é maior que fascismo travestido de vermelho ou de verde e amarelo, diz Ciro Gomes na Paulista

/ Política

Ciro participa de manifestação na Paulista. Foto: Gabriele/Folhapress

O pré-candidato a presidente da República Ciro Gomes (PDT) foi vaiado na manifestação deste sábado (2) na avenida Paulista, e deixou o local com seu carro sob ataques de pedaços de pau por opositores.

Ao subir no palco e discursar, ele foi vaiado por parte dos manifestantes, e disse que ”meia duzia de bandidos travestidos de esquerda acham-se donos da verdade”.

”O povo brasileiro é muito maior que o fascismo travestido de vermelho ou de verde e amarelo”, afirmou. Ciro, que tem sido crítico ao PT, defendeu o impeachment de Bolsonaro e disse que a medida é necessária para evitar um golpe.

Seus apoiadores aplaudiam, e os opositores vaiavam e xingavam. Ao sair do trio, logo após o discurso, ele pediu a repórteres para procurarem no Google sobre o Cabo Anselmo -agente duplo da ditadura, que entregava militantes.

Foi então que, ao entrar em seu carro, militantes contrários e apoiadores se provocaram. O seu carro deixou o local sob ataque. Depois, houve uma briga de manifestantes. Segundo a Polícia Militar, ninguém foi preso até o momento.

Ao deixar o local, o ex-prefeito de SP Fernando Haddad (PT) disse que a tentativa de agressão a Ciro foi “lamentável”.

Afirmou ainda que o ato foi bem preparado pelos organizadores, mas devido ao número de pessoas às vezes “um ou outro” sai do roteiro. ”Mas vamos chegar no nosso objetivo [impeachment de Bolsonaro]. Não dá pra recuar, temos que avançar”, disse.(José Marques)

*por José Marques, Folhapress

Deputado rebate ACM sobre segurança e diz que vergonhoso é o silêncio sobre Bolsonaro

/ Política

Deputado Rosemberg Pinto rebate ACM Neto. Foto: AL-BA

O líder do Governo na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado Rosemberg Pinto (PT), rebateu as declarações do presidente do DEM, ACM Neto, em visita a Valença, nesta quinta-feira (30), durante sua campanha eleitoral antecipada.

”Vergonhoso é apoiar um presidente como Jair Bolsonaro, que jogou o país na crise da fome, do desemprego e de 600 mil mortos por Covid”, criticou o líder governista.

Segundo o deputado, para que o ex-prefeito tenha noção das informações relacionadas à violência no Brasil, as taxas de mortes violentas intencionais por 100 mil habitantes subiram 4,8% em todo o país em 2020 na comparação com 2019. Conforme o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, dos 50 mil assassinatos notificados, quase 80% dos casos foram com emprego de arma de fogo, o que derruba, inclusive, a tese defendida hoje, mais uma vez por Bolsonaro, de que quanto mais armas, menor a violência.

”Vergonhoso é o silêncio de ACM Neto e seus aliados, principalmente na Bahia, com a atual situação do Brasil e do povo brasileiro. Ao que parece, esse desastroso projeto que esta sendo colocado em prática por Bolsonaro é o mesmo que ACM Neto defende”, condenou.

Esta semana, o governador Rui Costa revelou, em coletiva de imprensa durante entrega de uma encosta na capital baiana, que as armas que estão sendo apreendidas pelas forças de segurança do Estado durante as operações policiais das últimas semanas, como pistolas, metralhadoras e fuzis, todos estão com os números de séries raspados, ou seja, são armas de origem legal que estão indo parar na mão de criminosos.

”Como disse Rui, a política do presidente da República de facilitar o acesso a armas aumentou, e vai aumentar ainda mais a violência no país. O governo federal abastece o Brasil com armas e os policiais nos estados estão tendo que enxugar esse derrame patrocinado por essas medidas de Bolsonaro. ACM Neto tem que parar de tentar disfarçar para querer enganar o eleitor”, desafiou Rosemberg.

Atos contra Bolsonaro estiveram nas ruas de pelo menos 24 estados e DF neste sábado

/ Política

Ato em São Paulo | Foto: Reprodução / TV Globo

Manifestantes foram às ruas em vários pontos do país para protestar contra o governo do presidente Jair Bolsonaro neste sábado (2). De acordo com o portal G1, foram registrados atos em 24 estados e no Distrito Federal, incluindo 20 capitais estaduais. As exceções foram o Acre e o Amapá.

Entre as principais pautas e reivindicações das manifestações estiveram o impeachment de Bolsonaro; a defesa da democracia; críticas à gestão do governo federal na condução da pandemia de Covid; e protestos contra a alta nos preços, sobretudo dos alimentos, dos combustíveis e do gás de cozinha.

As manifestações foram organizadas por entidades, movimentos sociais e centrais sindicais. Elas tiveram participação de 20 partidos políticos: Cidadania, DEM, MDB, PCB, PC do B, PCO, PDT, PL, Podemos, PSB, PSD, PSDB, PSL, PSOL, PSTU, PT, PV, Rede, Solidariedade e UP.

O ato realizado em Salvador teve cobertura do Bahia Notícias, na manhã deste sábado (veja aqui, aqui, aqui e aqui). Houve ainda protestos em outros 32 municípios do estado, com destaque para as manifestações em Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna e Ilhéus. Com informações do site Bahia Notícias