Ciro destaca atuação de Kátia Abreu contra impeachment ao oficializá-la como vice

/ Política

Ciro Gomes oficializa Kátia Abreu como vice. Foto: Estadão

O candidato do PDT à Presidência da República nas eleições 2018, Ciro Gomes, ressaltou a postura da senadora Kátia Abreu (PDT-TO) durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), ao anunciá-la oficialmente como sua vice de chapa, nesta segunda-feira, em Brasília, na sede do partido. Segundo Ciro, Kátia enfrentou seu partido, na época o MDB, ao defender a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), sua amiga pessoal. “Ela nos deu exemplo de força compromisso com a democracia , quando paga preço por fidelidade, afronta seu partido, a quadrilha de corruptos que dominou a democracia e ajuda a defender o Brasil resistindo contra o avanço das forças do golpe”, disse o candidato do PDT. O presidente nacional do partido, Carlos Lupi (SP), destacou o fato de Kátia ser mulher e representar o agronegócio, setor que, em suas palavras, “sustenta o Brasil”. “Principalmente numa sociedade machista onde a mulher é discriminada, e ainda mais na política, uma mulher ser vitoriosa é fato raro”, disse. Ele afirmou ainda que ter a certeza de que Kátia será uma vice atuante. A senadora e ex-ministra da Agricultura no segundo governo Dilma ressaltou qualidades de Ciro Gomes e disse que não conhece nada que “manche sua honra”. Ela lamentou a falta de aliança com outros partidos, mas disse que está confiante com a vitória do PDT, mesmo isolado. “Serei uma vice disciplinada, pronta para atuar, mas sob seu (Ciro Gomes) comando”, disse. Ao discursar, citando pontos do seu programa de governo, Ciro voltou a falar sobre limpar o nome de brasileiros que estão com o nome sujo para estimular o consumo das famílias, sobre necessidade de investimento industrial para estimular desenvolvimento do País e criticou a “falência das contas públicas”.

Eleições 2018: Lula indica Fernando Haddad a vice em chapa do PT à presidência da República

/ Política

Lula indicou Fernando Haddad através de carta. Foto: Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou neste domingo, uma carta à Executiva Nacional do PT na qual indica o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad para ser o candidato a vice na chapa do partido nas eleições 2018. Na carta, Lula cogita a possibilidade de Manuela d’Ávila (PCdoB) compor a chapa, mas deixa a decisão para a Executiva Nacional do PT. Em votação, a executiva aprovou a indicação de Haddad como vice na chapa do PT à Presidência. O anúncio, no entanto, depende do resultado da reunião com o PCdoB, ainda na noite deste domingo. Dirigentes do PT saíram há pouco da sede nacional do partido para uma nova reunião com líderes do PCdoB, em São Paulo. A conversa ocorrere em torno de uma aliança para a eleição presidencial. Foram para o encontro a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), o deputado Paulo Teixeira (SP), o ex-deputado Marcio Macedo (SE), o tesoureiro do partido, Emidio de Souza, e o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh. O líder do PCdoB na Câmara, deputado Orlando Silva (SP), manifestou desconforto com a negociação. “Cada um tem seu jeito, sua vida. Vou sair da minha casa agora, 22h, domingo, ficar longe dos meus filhos que vejo tão pouco, para uma reunião com a direção do PT. Espero que se justifique, né?”, escreveu o parlamentar, no Twitter.

Eleições 2018: PRTB anuncia general Mourão como vice de Jair Bolsonaro à presidência

/ Política

O PRTB divulgou neste domingo, que o general Hamilton Mourão será o vice da chapa de Jair Bolsonaro, presidenciável do PSL. O nome será confirmado em convenção do PRTB no período da tarde. Ao Broadcast/Estadão, o presidente do PRTB, Levy Fidelix, afirmou que o general já aceitou a vaga. Uma falha nos microfones interrompeu o discurso do deputado e candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro pela manhã, durante a convenção do PSL de São Paulo. Depois que os equipamentos pararam de funcionar, ele e o deputado Major Olímpio, presidente do diretório estadual do partido, deixaram a convenção. Bolsonaro chegou a declarar, quando sua fala estava quase inaudível, que o vice de sua chapa será anunciado na convenção do PRTB, com a presença de Fidelix e do general Mourão. “Muita gente comenta ainda quem será anunciado vice-presidente. Com toda a certeza (inaudível), ele será anunciado hoje à tarde na convenção nacional do PRTB, juntamente com o senhor Levy Fidelix e com o general Hamilton Mourão”, declarou. Perguntado pelo Estado se o general Mourão seria anunciado vice, Olímpio respondeu que “pode ser”. Antes da chegada de Bolsonaro, a convenção do PSL oficializou a candidatura do deputado Major Olímpio ao Senado. O partido não lançará candidato a governador ou um segundo nome ao Senado. O astronauta Marcos Pontes, primeiro brasileiro a ir para o espaço, em 2006, é o segundo suplente da chapa de Major Olímpio e o empresário Alexandre Giordano, o primeiro suplente. Em seu discurso, Bolsonaro agradeceu as pessoas que sondou para ocupar o posto de vice, incluindo o senador Magno Malta e Marcos Pontes.

João Leão ignora apoio do PP a Geraldo Alckmin e defende Lula durante convenção petista

/ Política

Leão enaltece Lula durante convenção. Foto: Reprodução

João Leão (PP) usou boa parte do seu discurso para engrandecer o nome de Angelo Coronel durante a convenção do PT que homologou a chapa de Rui Costa para as eleições estaduais neste sábado (4). O vice-governador também foi para o lado oposto do seu partido, que apoia Geraldo Alckmin nacionalmente, defendendo o nome do ex-presidente preso Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no pleito nacional. ”Se segure Otto [Alencar] e [Jaques] Wagner porque [Angelo] Coronel vem aí como Senador da República”, bradou o companheiro ”azul” na chapa petista. Coronel, durante a campanha, terá que se apresentar para o eleitor que elegeu a senadora Lídice da Mata (PSB) nas últimas eleições. No fim de sua fala, o candidato defendeu o nome de Lula como único possível para o voto presidencial em outubro: ”Não tem nenhum outro candidato além de Lula”. Em Brasília, a convenção nacional do PP confirmou a aliança com o tucano Geraldo Alckmin. No entanto, o próprio Leão disse neste sábado que seu partido deu ”livre arbítrio” para o diretório estadual na Bahia escolher quem apoiar na disputa pelo Planalto. Informações do Bahia Notícias

Rui Costa rebate Zé Ronaldo sobre apelido Correria: ”Quem tiver perna para me acompanhar, me siga”

/ Política

”O povo vai responder por si só”, diz Rui. Foto: Mateus Pereira

O governador e candidato à reeleição, Rui Costa (PT), respondeu à provocação feita pelo candidato ao Palácio de Ondina pelo DEM, José Ronaldo, que criticou o apelido ”Correria”, adotado pelo petista: ”Quem tiver perna para me acompanhar, me siga”. A declaração foi dada na manhã deste sábado (4), durante a convenção do PT e partidos da base governista, no Parque de Exposições. ”Hoje é dia de festa, dia de comemoração. Basta comparar o povão que está aqui e tem uma demonstração clara que o público fala por aqui mesmo. O povo vai responder por si só”, ressaltou em entrevista à imprensa, segundo o site bahia.ba. Questionado como será usada imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha, Rui foi direto: ”Vai ser usada como ela é, como o melhor presidente da República da história”, disse.

Confirmado como candidato ao governo, Rui Costa aposta na figura de Lula em convenção

/ Política

Rui, Leão, Wagner e Coronel são homologados. Foto: Mateus Pereira

O candidato à reeleição ao governo do Estado, Rui Costa (PT), preferiu apostar na figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no discurso da convenção que homologou sua participação na disputa, realizada na manhã deste sábado (4), no Parque de Exposições, em Salvador.

Dedicando a parte inicial do seu discurso a falar sobre a prisão de Lula e das realizações dos governos dele no Brasil, Rui parece ter adotado a estratégica que deve ser uma das tônicas de sua campanha: apropriar-se da figura do ex-presidente preso.

”Não é o primeiro na história da humanidade que alguns que acham que o mundo é só para ele que querem punir aqueles que acham que o mundo é para todos. A semente que ele plantou ninguém nunca vai apagar nesse país”, afirmou Rui, ao dedicar a convenção ao petista.

Como natural de um candidato à reeleição, também falou de realizações do seu governo. Deu destaque à área da saúde, citando a criação de 19 policlínicas regionais de saúde e a inauguração do Hospital da Mulher.

Algo que trouxe no discurso foi a questão econômica, considerada um dos pontos fortes de sua gestão, pelo fato de, em tempo de crise econômica, o estado não ter vivido o sufoco financeiro de outras unidades da federação.

O governador também apostou na imagem do homem de família. Agradeceu a mulher, Aline Peixoto, pela parceria e fez uma parte do discurso com uma das filhas pequenas ao lado.

Na questão política local, pediu voto para os dois candidatos ao Senado na chapa: o ex-governador Jaques Wagner (PT) e o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Angelo Coronel (PSD).

”Pra Bahia seguir em frente, ela precisa dos dois senadores remando a favor da Bahia. Em outros estados, a gente via senador boicotando seu estado, porque ele era adversário politico do governador”, declarou.

Ao falar de Coronel, referiu-se indiretamente ao processo que deixou a senadora Lídice da Mata (PSB) fora da majoritária, para dar lugar ao presidente da AL-BA. Disse que os partidos deixaram a ”vaidade de lado”, o que possibilitou a coesão do grupo.

O candidato também defendeu a atividade política, que está em descrédito atualmente junto à população brasileira. Fez apelo para que as pessoas não virem as costas para a política.

”A melhor forma de consertar nosso país não é virar as costas para a política. Se a gente deixar de cuidar do que a gente gosta, as raposas vão tomar conta do galinheiro. Os abutres vão voltar do passado e a fazer a gente sofrer muito”, avaliou.

O candidato à reeleição também minimizou o fato de ter vantagem sobre os adversários nas pesquisas de intenção de voto. “Eu não olho pesquisa. A pesquisa eu já vi nas ruas porque eu acabei de chegar das ruas, com o povo”, declarou. Do Bahia Notícias

Rede Sustentabilidade oficializa Marina Silva como candidata à Presidência da República

/ Política

Marina é candidata a presidente. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom

Estreante em eleições gerais, a primeira Convenção Nacional da Rede Sustentabilidade confirmou, por aclamação, neste sábado (4) o nome Marina Silva como candidata da sigla à Presidência da República. Sob aplausos, o candidato à vice na chapa, o médico sanitarista, Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), também foi apresentado oficialmente no encontro. Ao lado de lideranças da sigla como o senador, Randolfe Rodrigues (AP), do deputado federal, Miro Teixeira (RJ) e da vereadora Heloísa Helena (AL), Marina agradeceu o apoio da família e disse que a candidatura dela e de Eduardo Jorge é a que está em melhores condições de unir o Brasil. A candidata rechaçou as críticas de que ela e o vice não representam uma candidatura viável. ”Nossa aliança não é por conveniência, por tempo de TV, por dinheiro para pagar marqueteiro. É uma aliança para ajudar a transformar o Brasil”, disse. Marina defendeu que o compromisso é o melhor antídoto para o medo de enfrentar situações difíceis. A presidenciável defendeu uma campanha limpa, sem notícias falsas e sem destruir biografias. Se comprometeu com as reformas da Previdência, tributária e política, que acabe com a reeleição e incentive candidaturas independentes. Se eleita, Marina também disse que pretende fazer uma revisão dos “pontos draconianos” da reforma trabalhista que, segundo ela, seriam feitas a partir de um diálogo com o Congresso. Reafirmou compromisso com programas como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida, além de melhorias no Sistema Único de Saúde. O vice na chapa, Eduardo Jorge, ressaltou a preocupação com a sustentabilidade e com o meio ambiente. Da Agência Brasil

Eleições 2018: Por aclamação e sem vice, PT oficializa candidatura de Lula a presidente

/ Política

Gleisi diz que PT vai registrar candidatura dia 15. Foto: Divulgação

Sem vice e por aclamação, o PT oficializou, neste sábado (4), a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato, à Presidência da República. O partido organizou um encontro nacional na Casa de Portugal, em São Paulo para sacramentar a decisão. A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, reforçou que o partido vai registrar a candidatura de Lula no dia 15 de agosto. “Essa é a ação mais confrontadora que fazemos contra esse sistema podre por parte da Justiça, que não faz outra coisa a não ser perseguir Lula”, discursou Gleisi. Gleisi atacou, em seu discurso, o governo de Michel Temer, a mídia tradicional e o sistema financeiro. “Em alto e bom som”, disse a dirigente, o partido faz questão de falar que Lula é candidato e que será registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Não vão conseguir, de jeito nenhum, tirar Lula do jogo. Não existe política no Brasil sem falar de Lula e sem falar do PT.” Nos bastidores, o partido se movimenta para definir um vice na chapa da campanha presidencial. Enquanto Lula transmitiu um recado com a preferência que o nome seja anunciado só na véspera do registro da candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 15 de agosto, advogados e dirigentes petistas defendem que o nome seja definido até segunda-feira, 6, quando o partido deve oficializar o que decidiu na convenção, de acordo com entendimentos na Justiça Eleitoral. O encontro nacional teve um tom de negar que o partido tenha um “plano B” à candidatura de Lula e que a eleição do ex-presidente representa um combate ao governo do presidente Michel Temer.

Candidato a presidente, Alvaro Dias diz que convidará Moro para ser Ministro da Justiça

/ Política

Convenção do Podemos  oficializa Álvaro Dias. Foto: Estadão

Em convenção do Podemos neste sábado, que confirmou seu nome como candidato à Presidência da República nas eleições 2018, o senador Alvaro Dias afirmou que, se eleito, vai convidar o juiz federal Sérgio Moro para ser Ministro da Justiça – titular da Operação Lava Jato no Paraná – do seu governo. “Ele é o ícone da nova justiça brasileira, símbolo do nosso povo a nossa esperança para completar a tarefa de limpeza do País”, discursou em Curitiba. Na sua fala, Dias priorizou suas propostas de combate à corrupção e confirmou que convidou também os juristas René Dotti Miguel Reale Junior e Modesto Carvalhosa para fazerem parte do seu governo. Reale estava presente no evento em Curitiba. Moro não quis comentar a declaração. Por ser do Paraná, Alvaro escolheu a capital para a confirmação da sua candidatura. O evento, no entanto, contou com aproximadamente metade do público de convenções estaduais realizadas no mesmo local, cerca de 2 mil pessoas. Alvaro Dias é um político de tradição no estado do Paraná. Foi governador do Estado entre 1987 e 1991, deputado federal e estadual em anos anteriores, e hoje ocupa o cargo de senador, para o qual foi reeleito em 2014 com 77% dos votos. Em 2010, quando ainda integrava o PSDB, ele chegou a ser cogitado como vice de José Serra (PSDB) na disputa à Presidência da República. Naquele ano, ele segurou a decisão até o último momento do registro da candidatura, mas acabou vencido por Índio da Costa (PSD). Seu irmão, Osmar Dias, só se lançou ao governo do Paraná naquele ano depois que Alvaro tomou posição. Na época, Osmar tinha o apoio do PT estadual na candidatura. Historicamente, apesar de manterem divergências políticas, os irmãos aguardam as definições partidárias em torno das suas candidaturas para se definirem no pleito, justamente para não criar confrontos familiares. Em 2018, Osmar já havia se lançado como pré-candidato ao governo do Paraná, mas anunciou a desistência da campanha diante de dificuldades para formar alianças no Estado, principalmente com o partido do irmão, o Podemos, que, apesar da proximidade, até então, não havia anunciado formalmente o apoio a Osmar.

Eleições 2018: Alckmin é oficializado candidato do PSDB com 288 votos ”Sim” e 1 ”não”

/ Política

Senadora Ana Amélia é vice de Geraldo Alckmin. Foto: Estadão

O PSDB oficializou a candidatura de Geraldo Alckmin para a Presidência da República neste sábado, na Convenção Nacional do partido, em Brasília. Dos 290 delegados do partido que votaram, 288 foram a favor da indicação do tucano para concorrer ao Planalto em outubro. Houve uma abstenção e um voto contrário. A convenção aprovou também a coligação com o PP, DEM, PR, Solidariedade, PRB, PSD, PTB e PPS, além da candidata a vice-presidente, senadora Ana Amélia (PP-RS). O locutor do evento PSDB não divulgou a votação em relação a essas duas definições. Na convenção tucana, entre todos os presidentes de partidos do Centrão, o único presente foi ACM Neto, do DEM. Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto e Ciro Nogueira, apesar de citados, não estavam presentes. Alckmin esteve, horas antes do evento, nas convenções nacionais do PR e do PPS, cujo presidente Roberto Freire, também compareceu à convenção tucana. Uma ausência marcante foi a do último candidato a presidente pelo PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), réu no Supremo Tribunal Federal (STF) no processo em que foi flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, do grupo J&F. Com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os líderes tucanos procuraram enaltecer a todo momento a vice na chapa tucana, senadora Ana Amélia (PP-RS). “Todos queríamos Ana Amélia representando todas nós, mulheres de fibras, mulheres de respeito. Geraldo e Ana Amélia que vão construir uma campanha respeitosa, positiva. O meu Rio Grande do Sul agradece. Esse enorme Brasil vai ter o Rio Grande do Sul na chapa da presidência”, disse a deputada federal Yeda Crusius (PSDB-RS). Uma caravana de senhoras do PSDB Mulher veio do Pará e também celebrou a indicação de Ana Amélia para vice. O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, João Doria, também subiu ao palco para pedir votos para Alckmin. “Ele (Alckmin) é o candidato que vai ajudar o Brasil e fará a grande transformação do País. Deus estará a favor de vocês. Viva Geraldo Alckmin e Ana Amélia” disse Doria. Informações do Estadão

Após conversa com Rui, Popó retira candidatura ao Senado e vai concorrer à Câmara dos Deputados

/ Política

Acelino Popó desiste de disputar o Senado. Foto: Divulgação

O ex-pugilista Acelino ”Popó” Freitas anunciou que não vai concorrer ao Senado e vai ser candidato a deputado federal na eleição deste ano. Em entrevista ao site Bahia Notícias neste sábado (4), ele afirmou que tomou a decisão após conversar com o governador Rui Costa nesta sexta (3). ”Eu tive uma conversa muito boa com Rui ontem e, dando aqui em primeira mão, vamos sair pra federal, porque tem que ter um candidato a federal que lute pelo esporte na Bahia”, confirmou Popó. Segundo ele, o governador fez o convite e garantiu que o apoiaria na Câmara. ”Ele me convidou: ‘Popó’, fica como deputado te dou todo apoio, te dou toda cobertura aqui para a gente trabalhar juntos, quero que você seja meu deputado do esporte”, relatou o agora candidato a deputado federal pelo PDT. Anteriormente, o próprio Popó havia ressaltado que não pretendia desistir de sua candidatura ao Senado. No entanto, o presidente do PDT estadual, Félix Mendonça Jr., já havia deixado aberta a possibilidade de retirar a candidatura.

Jair Bolsonaro admite possibilidade de privatizar a Petrobras ”se não tiver uma solução”

/ Política

Bolsonaro sugere a privatização da Petrobras. Foto: Reprodução

O pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou que existe a possibilidade de privatizar a Petrobras, se eleito em outubro, apesar de ser ”pessoalmente contra” a ideia. ”Se não tiver uma solução, eu sugiro a privatização da Petrobras. Acaba com esse monopólio estatal. Se não tiver solução, tem que privatizar”, disse em entrevista ao Central das Eleições, programa da GloboNews, nesta sexta (3). ”Eu entendo que a Petrobras é estratégica. Por isso eu não gostaria de privatizá-la, esse é o sentimento meu. Então é o recado que eu dou para o pessoal da Petrobras: vamos ajudar a buscar uma solução.” Bolsonaro também afirmou que acha estratégico manter o Banco do Brasil e a Caixa como estatais, sinalizando que não pretende privatizá-los. Sobre os Correios, o presidenciável afirmou que a estatal ”lamentavelmente não tem jeito”.  Dizendo que nos governos do PT foram criadas estatais sem necessidade, Bolsonaro também afirmou que a solução não é privatizar, e sim extinguir. ”Porque ninguém vai querer comprar”, afirmou o candidato sobre Empresa Brasil de Comunicação. ”Até a nossa TV oficial, quem é que está lá? Basicamente, ‘companheiros’ da imprensa gastando um bilhão de reais por ano.” Bolsonaro também afirmou que está ”cumprindo uma missão de Deus”, ao se candidatar à Presidência e que terá alguém do seu partido como vice. ”Meu vice vai ser do PSL, chapa pura. Ou a senhora Janaína Paschoal ou o príncipe [Luiz Philippe de Orléans e Bragança]. O que está faltando é que eu estou conversando com a Janaína e ela apresenta alguns problemas familiares, ela tem dois filhos”, disse. Coautora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff em 2016, Paschoal chegou a sentar ao lado do presidenciável durante convenção do PSL. Mas, ao discursar, irritou Bolsonaro e seus aliados com uma fala pedindo moderação e criticando apoio cego ao deputado. Já o príncipe é o fundador do movimento antipetista Acorda Brasil, em 2014, e não está na linha de sucessão direta do trono abolido em 1889. Bolsonaro aparece com 16% das intenções de voto no estado de São Paulo, num cenário sem Lula, de acordo com pesquisa Ibope divulgada pela TV Bandeirantes. De acordo com o instituto, ele está tecnicamente empatado com o tucano Geraldo Alckmin, que tem 19%.

Gleisi Hoffmann nega que vice do PT esteja definido e minimiza atrito com Ciro Gomes

/ Política

Gleisi diz que Ciro seria um bom vice. Foto: Ricardo Stuckert

Apesar das críticas feitas nos últimos dias ao PT, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) ainda é visto com bons olhos pelo Partido dos Trabalhadores para formar uma eventual composição na disputa pelo Planalto. ”Temos o PDT como um partido aliado. Ciro Gomes seria um bom vice para o presidente Lula”, declarou a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, após reunião com o líder partidário, em Curitiba. Ciro criticou o PT nesta sexta-feira (3), ao questionar se o Brasil ”aguenta mais um poste’ na Presidência da República, ao se referir à ex-presidente Dilma Rousseff. A declaração do pedetista foi um ataque à estratégia do PT em lançar a candidatura do ex-presidente e substitui-lo na fase final da campanha, quando seu registro for indeferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nesta quinta (2), o presidenciável já havia acusado os petistas de praticarem ”um golpe”, ao comentar ao pacto nacional firmado com o PSB para inviabilizar a sua candidatura. Questionada sobre a possibilidade de Manuela D´Ávila ser vice na chapa do PT, Gleisi disse que os petistas têm ”simpatia” pela comunista e querem estar aliados ao PCdoB no pleito. ”O presidente está aberto a todas as discussões”, declarou a senadora. A presidente do PT negou, porém, que o vice da chapa já esteja decidido. ”Não temos essa definição ainda”, finalizou.

Vereador ”Malassombrado” cai de palanque durante convenção do DEM em Salvador

/ Política

Vado Malassombrado caiu em palanque. Foto: Bocão News

O vereador de Salvador, Vado Malassombrado (DEM), caiu do palanque do local onde aconteceu a convenção do Democratas na Bahia, na manhã dessa sexta-feira (3), no Fiesta Bahia Hotel, localizado no bairro do Itaigara, em Salvador. Segundo o site Bocão News, o edil foi sendo atendido pelo deputado e médico, Targino Machado (DEM) e pelo doutor Everton Mendes. Ainda não há mais informações sobre o estado de saúde do demista.