Secretário do Ministério da Saúde no governo Bolsonaro é réu em ação por improbidade

/ Política

O médico João Gabbardo dos Reis é réu. Foto: Reprodução

Número dois do Ministério da Saúde, nomeado secretário executivo da pasta, no governo de Jair Bolsonaro, o médico João Gabbardo dos Reis é réu em uma ação no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, sob acusação de improbidade administrativa. De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, ele e outros seis servidores da Secretaria de Saúde do DF respondem na Justiça por terem usado, em 2013, R$ 6 milhões em recursos da saúde pública para reformas no Instituto de Cardiologia do DF (ICDF), apontado na denúncia como uma instituição privada. Gabbardo, que era o superintendente do hospital à época, afirma que a denúncia é equivocada.

O atual secretário executivo esteve à frente do ICDF entre os anos de 2010 e 2014 e segundo o Ministério Público do DF, o hospital teria sido beneficiado por um procedimento de dispensa de licitação instaurado para a contratação de serviços cardiológicos. De acordo com o MP, o recursos públicos teriam sido utilizados para aquisição de equipamentos e reformas realizadas no hospital, “sem contrapartida para a Administração Pública e, assim, com prejuízo ao erário”. O órgão alega ainda que os seis servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF teriam atuado para a execução do contrato. “O réu João, agente particular, representante legal do ICDF, teria concorrido para a contratação ao passo que o réu ICDF teria se beneficiado do ato ímprobo, também na qualidade de agente particular”, pontuou o juiz Daniel Eduardo Branco Carnacchioni ao aceitar a denúncia, em janeiro de 2018.

Em sua defesa, Gabbardo alega que o hospital é público. “O Instituto de Cardiologia faz a gestão do hospital. O patrimônio é das Forças Armadas, do governo federal”, afirma. “É uma denúncia absolutamente equivocada de que se usou recurso público para reformar um hospital privado. O hospital não é privado. Ele é público”, acrescenta. No site do ICDF, entretanto, o hospital informa ser uma instituição privada sem fins lucrativos.

O MP pede a suspensão dos direitos políticos de todos os réus por cinco anos, a perda de função pública aos agentes públicos envolvidos, o pagamento de multa , a devolução na íntegra do valor recebido e que o ICDF ainda seja proibido de ser contratado pelo poder público por três anos.

Deputado filho do presidente Bolsonaro orienta professores a não ensinar feminismo

/ Política

Eduardo usa rede social para orientar professores. Foto: Divulgação

De recesso da Câmara Federal, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) resolveu usar as redes sociais, neste sábado (5), para orientar professores do ensino médio do País sobre o que devem ensinar a seus alunos. ”Atenção professores: seu aluno que inicia agora o 1º ano do ensino médio não precisa saber sobre feminismo, linguagens outras que não a língua portuguesa ou história conforme a esquerda, pois o vestibular dele será em 2021 ainda sob a égide de pessoas da estirpe de Murilo Resende”, escreveu ele, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, no Twitter. Murilo Resende é o novo diretor de Avaliação da Educação Básica, órgão responsável pelo Enem e pela Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Denúncias – Eduardo Bolsonaro é alvo de ação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, por ameaçar uma jornalista. Nas mensagens, ele diz que ”vai acabar” com a vida dela. ‘Tinha que ter apanhado mais pra aprender a ficar calada”, diz outro trecho enviado pelo parlamentar. Segundo reportagem da Folha, o deputado usou dinheiro da Câmara para pagar passagens aéreas para treinar tiro em Santa Catarina. A legislação que regulamenta o uso dos recursos, determina que a cota é “destinada a custear gastos exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar”.

Fernando Haddad e o presidente Jair Bolsonaro brigam no Twitter sobre ”anti-intelectualismo”

/ Política

Bolsonaro e Haddad trocam farpas no Titter. Foto: Reprodução

Na noite de sexta-feira (4), o ex-candidato à Presidência da República e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT-SP), fez um comentário em rede social sobre a moda do anti-intelectualismo no Brasil, em referência a uma notícia do alemão Deutsche Welle, originalmente publicada em 28 de novembro do ano passado, intitulada “Brasil, um país do passado”. Na tarde deste sábado, o presidente Jair Bolsonaro retrucou, também em um post no Twitter, chamando Haddad de “fantoche do presidiário corrupto” e “marmita”. “A verdade é que o marmita, como todo petista, fica inventando motivos para a derrota vergonhosa que sofreram nas eleições, mesmo com campanha mais de 30 milhões mais cara”, escreveu, completando na sequência que “o PT quebrou o Brasil de tanto roubar, deixou a violência tomar proporções de guerra, é uma verdadeira quadrilha e ninguém aguenta mais isso!”. Haddad, então, esclareceu a fonte do assunto citado, com o link para o artigo do jornalista alemão, e convidou Bolsonaro para um confronto. “Na verdade, quem disse isso foi um jornalista da Deutsche Welle (goo.gl/yf3ofR), mas se você já se sentir seguro para um debate frente a frente, estou disponível. Forte abraço!”.

”Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”, afirma embaixador de Israel, durante entrevista

/ Política

Yossi diz que Jair será recebido com honras de rei. Foto: Ag. Brasil

O embaixador do Israel no Brasil, Yossi Shelley, comparou, em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente Jair Bolsonaro ao político e diplomata brasileiro Oswaldo Aranha. Em 1947, o então chefe da delegação brasileira presidiu a sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas que levou à criação do Estado de Israel. Aranha é reverenciado pelos israelenses até hoje. ”O nome de Oswaldo Aranha foi significante para a criação do Estado de Israel. Agora Jair Bolsonaro é um segundo Oswaldo Aranha porque ele faz uma coisa incrível: é mudar a história”, afirmou o embaixador.  Em março, Bolsonaro pretende ir a Israel e deve viajar acompanhado de um grupo de empresários. O objetivo é incrementar o comércio bilateral e a troca de tecnologias. ”Ele vai receber as honras de um rei. Eu prometo isso. Vou estar ao lado dele e vou segurar a mão dele. Amo o Brasil. Amo o povo de Israel.” Antes da viagem do presidente da República, o ministro da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, vai visitar Israel. Ele discutirá projetos para um futuro acordo sobre água e dessalinização. A disposição, segundo o embaixador, é para as propostas para o Nordeste e o interior do país.

Confirmada para Secretaria do ”Governo Bolsonaro”, Tia Eron promete respeitar a todos

/ Política

Tia Eron não conseguiu se reeleger deputada. Foto: Divulgação

Confirmada como secretária da Mulher no governo do presidente Jair Bolsonaro, a deputada federal não reeleita Tia Eron (PRB) prometeu ”respeitar a todos” no cargo que ocupará. Ela foi anunciada no posto pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves – que se envolveu em uma polêmica após declaração sobre cores para meninos e meninas. ”Embora o Brasil atravesse por conflitos e posições partidárias severas, entendo que como cidadã brasileira tenho em minha consciência o dever de respeitar a todos. Por isso, peço ouvidos sensíveis e cooperação mútua de todos os movimentos de mulheres para unificar as políticas que adotarei como chefe executiva de estado ouvindo e debatendo com cada uma de vocês”, prometeu, disse, em publicação no Facebook, nesta sexta-feira (4). Ela ainda disse que deverá tomar decisões para contribuir com a ”diminuição do feminicídio, políticas de equidade, incentivo, promoção e luta dos direitos das mulheres”. Segundo Tia Eron, que agradeceu ao convite de Bolsonaro e Damares, ela foi indicada pela deputada Soraya Santos ”em caráter totalmente técnico”. A parlamentar não reeleita também se comprometeu a ”discutir e dialogar com movimentos de mulheres do Brasil e do mundo, estreitando as políticas internacionais das secretárias dos seus respectivos países”. ”Compreendo que tenho como prioridade adentrar as mulheres negras, indígenas, ciganas, quilombolas, do campo, das águas e ribeirinhas para maior inserção dessas mulheres nos setores econômico, jurídico, cultural e social”, declarou, na postagem.

Trajetória – Evangélica, Tia Eron começou a vida pública em programas sociais na Igreja Universal e foi eleita por quatro mandatos vereadora de Salvador. Como deputada, ganhou projeção nacional por ter ”sumido” antes de dar o voto decisivo da cassação do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ). Ela era próxima de Cunha e a expectativa era de que votasse contra a cassação por quebra de decoro parlamentar do deputado, que mentiu em depoimento na CPI da Petrobras sobre a existência de contas no exterior. Pelo tempo em que evitou se posicionar e até aparecer em público, surgiu o bordão: ”Cadê tia Eron?”. Pressionada, ela acabou votando a favor do relatório que condenava Cunha à perda de mandato.

Após repercussão, ministra diz que fala sobre cores para meninos e meninas foi ”metáfora”

/ Política

Ministra Damares Alves também é pastora. Foto: Estadão Conteúdo

Após aparecer em um vídeo dizendo que ”menino veste azul e menina veste rosa”, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, tentou se explicar nesta quinta-feira (3) ao dizer que tratava-se de uma ”metáfora” e que meninos e meninas podem se vestir com o que se ”sentirem melhor”. No vídeo, que circula nas redes sociais, a ministra, que também é pastora, diz que o Brasil está em uma ”nova era” em que os meninos vestem azul e as meninas vestem rosa. Ao G1, a ministra afirmou que a declaração era uma ”metáfora contra a ideologia de gênero”. ”Fiz uma metáfora contra a ideologia de gênero, mas meninos e meninas podem vestir azul, rosa, colorido, enfim, da forma que se sentirem melhores”, disse, através de sua assessoria de imprensa. Damares é advogada e pastora evangélica, e assumiu o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos nesta quarta-feira (2). Em discurso na solenidade de transmissão de cargo a ministra afirmou: ”O Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã”. O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos foi criado por Bolsonaro. Caberá à pasta coordenar as políticas e as diretrizes destinadas à promoção dos direitos humanos.

Secretário de ACM Neto critica ministra do Governo Bolsonaro: ”Cor não tem gênero”

/ Política

André Fraga rebate Damares. Foto: Reprodução/Bahia Notícias

O secretário de Cidade Sustentável da Prefeitura de Salvador, André Fraga (PV), criticou a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, por dizer, em um vídeo que viralizou nas redes sociais, que ”menino veste azul e menina veste rosa”. ”Rosa não é cor de menina. Azul não é cor de menino. Cor não tem gênero”, postou o aliado do prefeito ACM Neto, depois de endereçar o recado: ”Essa vai para a ministra”.

Luciano Huck e Angélica postam foto rebatendo comentário polêmico de ministra de Bolsonaro

/ Política

Huck e Angélica rebatem a ministra Damares. Foto: Instagram

O apresentador Luciano Huck decidiu publicar, nesta quinta-feira (3), uma foto em seu Instagram que rebate as declarações feitas pela ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. A ministra do governo Bolsonaro teria declarado em um vídeo, na quarta-feira (2), que “menino veste azul e menina veste rosa”. Na foto postada em seu perfil, Luciano aparece vestindo uma camisa rosa, enquanto Angélica, ao fundo, usa um modelo na cor azul. Na legenda da publicação, o comandante do ”Caldeirão” foi direto: ”Rosa ou azul? Tanto fa”. Vale lembrar que Luciano Huck foi cogitado como possível candidato à presidência nessas últimas eleições. O global, no entanto, não prosseguiu com a ideia por diversos motivos, entre eles, de ter que se desligar da função como apresentador.

OUTROS FAMOSOS

Não somente Luciano e Angélica protestaram contra as afirmações da ministra. A humorista Samantha Schmutz publicou em seu perfil uma foto que mostra a apresentadora assumidamente lésbica Ellen DeGeneres usando um terno rosa e a drag queen RuPaul trajando um vestido azul. A atriz Sheron Menezzes utilizou a mesma rede social para protestar e publicou uma foto usando um vestido também na cor azul. ”Eu visto azul! Eu visto rosa. E às vezes não visto nada!!! Olha que loucura a minha… Eu visto a cor que eu quiser e você não tem nada a ver com isso”, legendou Sheron. O casal Rafa Brites e Felipe Andreoli também entrou na mobilização contra as falas da ministra: ”E se acharem ruim a próxima estaremos pelados… já que é pra retroceder bora voltar para como nascemos… Olha que o calor tá pedindo hein!!!”. Além dos globais, a cantora Alinne Rosa também fez sua parte no seu perfil do Instagram e formou uma rima com suas palavras de indignação. ”Meninos de rosa. Meninas de azul. E os homofóbicos que tomem no…. Olha, acho que dá até uma música isso…. Me poupe!!!!!”, escreveu a artista na legenda.A chef de cozinha e jurada do reality ”Masterchef”, Paola Carosella, ironizou as falas de Damares Alves ao dizer que tiraria sua filha da escola para procurar uma instituição com fardamento rosa para as menina.

Pelo Twitter, Trump cumprimenta Bolsonaro pela posse

/ Política

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, parabenizou hoje (1º) o presidente da República, Jair Bolsonaro, pela posse no cargo. Por meio de uma mensagem publicada no Twitter, Trump disse que os Estados Unidos estão com Bolsonaro. “Parabéns ao presidente Jair Bolsonaro, que fez um grande discurso de posse. Os Estados Unidos estão com você”, disse Trump. Após a publicação da mensagem, também pelo Twitter, Bolsonaro agradeceu o apoio do presidente norte-americano. “Senhor presidente Trump, agradeço suas palavras de apoio. Juntos, sob a proteção de Deus, traremos mais prosperidade e progresso para nossos povos!”, afirmou. Trump não veio ao Brasil para acompanhar a posse de Jair Bolsonaro, mas enviou o secretário de Estado, Mike Pompeo, para representá-lo.

Vereador compra voto para ser presidente da Câmara e se irrita ao não receber apoio

/ Política

Na última sessão da Câmara de Vereadores de São Felipe em 2018, nesta segunda-feira (31), o vereador e atual presidente da Câmara, Lauro de Coni Moura Júnior, afirmou em ato oficial que deu a quantia de R$ 20 mil ao colega Marinaldo Almeida de Souza (Nado da Magel), para que ele votasse na sua chapa. De acordo com o site São Felipe News, na sessão, vereadores de oposição indicaram Marinaldo para a presidência de uma nova chapa opositora. ”Eu não tive o prazer de ter uma presidência dada pelo meu grupo. Eu estou tomando isso como surpresa!”, disse Marinaldo. Nesse momento, o então presidente Lauro Moura grita ”eu quero os vinte mil reais que eu lhe dei lá em minha casa, dentro do meu quarto!”.

No último dia do ano, Michel Temer nomeia Marun como conselheiro da Itaipu Binacional

/ Política

Marun vai para Itaipu com mandato até 2020. Foto: Estadão

O presidente Michel Temer exonerou do cargo o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, e o nomeou como conselheiro da Itaipu Binacional, com mandato até 16 de maio de 2020. A exoneração e a nomeação foram publicadas na edição desta segunda-feira (31) do Diário Oficial da União. Eleito deputado federal pelo MDB de Mato Grosso do Sul, Marun assumiu a Secretaria de Governo em dezembro do ano passado. Ele não disputou cargo nas eleições de outubro.Carlos Eduardo Xavier Marun nasceu em Porto Alegre, mas construiu a carreira política em Mato Grosso do Sul. É advogado e engenheiro civil e já atuou nas secretarias de Habitação municipal e estadual.

Secretário Marcus Cavalcanti deve deixar Seinfra e assumir Casa Civil no governo de Rui Costa

/ Política

Trabalho de Cavalcanti agradou Rui. Foto: Blog Marcos Frahm

Na bolsa das apostas da reforma administrativa do governador Rui Costa (PT), cujo mistério ainda ronda dada demora do petista de anunciar em definitivos os quadros que vão compor seu primeiro escalão, o nome de Marcus Cavalcanti, atual manda-chuva na secretaria de Infraestrutura, é ventilado como a nova aposta do chefe do Palácio de Ondina na Casa Civil. Pelo apurado, Rui tem gostado do trabalho desempenhado pelo afilhado do senador Otto Alencar (PSD). Pretende trazê-lo para perto em uma pasta estratégica da gestão e o antigo posto de Bruno Dauster, ventilado como eventual novo secretário de Desenvolvimento Econômico, seria o local para acomodar o pessedista. Resta saber se o PSD se contentará com uma pasta mais burocrática e não possuidora de atividades fins, como a Seinfra e a Sedur. A sigla também deve continuar com outro espaço ainda a ser cravado pelo governador. As informações são do Bocão News

Futuro ministro, Onyx usou verba pública para bancar voos durante campanha de Bolsonaro

/ Política

Onyx usou verba pública na campanha de Jair. Foto: Estadão

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, utilizou verbas públicas, reembolsadas pela Câmara dos Deputados, para pagar passagens aéreas suas e de assessores para eventos de campanha de Jair Bolsonaro ou para cidades onde estaria o então candidato do PSL, hoje presidente eleito. Segundo reportagem publicada pela Folha na noite de domingo (30), registros da Câmara somam mais de 70 bilhetes cuja origem ou destino são aeroportos do Rio e São Paulo, totalizando R$ 100 mil. A matéria dá diversos exemplos de datas de bilhetes aéreos e participação do deputado em ato vinculado à campanha, como o dia em que Bolsonaro recebeu uma facada em Juiz de Fora (MG), em 6 de setembro, quando Onyx decolou do aeroporto Presidente Itamar Franco, o mais próximo da cidade mineira. ”As regras da cota de atividade parlamentar —verba que congressistas têm para atividades do dia a dia— não permitem o uso para fins eleitorais”, lembra a Folha. O futuro governo, e especialmente Onyx, usam com frequência o discurso do corte de gastos públicos. Recentemente, o futuro ministro chegou a dizer que abriria mão de seu cartão corporativo e declarou não ter utilizado avião da FAB desde que foi nomeado ministro da transição, algo que seria permitido para o cargo. Onyx já admitiu ter recebido dinheiro de caixa 2 da JBS para sua campanha, episódio pelo qual virou alvo de processo no Supremo Tribunal Federal em dezembro deste ano. ”O mais importante é me resolver com Deus”, disse recentemente, sobre o caso.

Rui Costa encerra primeiro mandato como governador que mais cumpriu promessas no Brasil

/ Política

Reeleito, Rui Costa toma posse nesta terça-feira. Foto: Secom

O governador Rui Costa chegou ao final do seu primeiro mandato como o gestor que mais cumpriu promessas de campanha em todo o Brasil. A avaliação foi feita pelo Portal G1 e divulgada neste domingo (30). De acordo com o levantamento do site, Rui Costa cumpriu totalmente 57 promessas. Em segundo lugar ficou o governador de São Paulo com 39 itens e, em terceiro, o governador do Paraná com 33 realizações. Analisando as promessas total ou parcialmente cumpridas, Rui também segue na liderança no Brasil com 77 itens. Nesse ranking as posições seguintes são ocupadas pelos governadores de São Paulo (55) e do Paraná (49). O G1 se baseou nos programas de governos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sabatinas, entrevistas e debates.