Itabuna: MP investiga o prefeito por nomear parentes para cargos na Prefeitura

/ Política

Fernando Gomes emplaca parentes na Prefeitura. Foto: Reprodução
Fernando Gomes emplaca parentes na Prefeitura. Foto: Reprodução

De volta ao comando da Prefeitura de Itabuna, o prefeito Fernando Gomes (DEM) já enfrenta contestações por nomear parentes para cargos públicos e está na mira do MP. De acordo com o site Bahia Notícias, Gomes está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MP-BA) pela prática de nepotismo. O promotor de Justiça, Inocêncio Carvalho, expediu em 9 de janeiro, o prazo de dez dias para que seja enviada à Terceira Promotoria de Justiça do município a relação dos contratados na Prefeitura e na Câmara de Vereadores que possuem vínculo com o gestor, o vice-prefeito, secretários e edis. O pedido foi enviado também para o procurador-geral do Município, Luiz Fernando Maron Guanieri, e ao presidente da Câmara de Vereadores, Francisco José Carmo dos Reis (PSDB). Foram instaurados mais dois procedimentos investigativos na Promotoria de Justiça de defesa ao Patrimônio Público e Moralidade Administrativa, na segunda-feira (16). Um deles, com o propósito de investigar as circunstâncias em que foi celebrado o contrato entre a Prefeitura Municipal de Itabuna com a empresa Bio Sanear Tecnologia Ltda, para prestações de serviço da limpeza pública. O convênio assinado em 3 de janeiro deste ano estabelece valor superior a R$ 3 milhões para a atividade, e tem vigência de 60 dias. O outro procedimento investigatório refere-se à apuração e análise dos termos do projeto de lei encaminhado pelo prefeito referente à Reforma Administrativa do Município, pretendida por Fernando Gomes. Segundo o Blog Políticos do Sul da Bahia, o promotor de Justiça advertiu ainda, que a recusa que está acontecendo por parte do agente político em enviar as informações requisitadas pode resultar em Ação de Exibição, Busca e Apreensão, além da ação civil pública e ação criminal contra o gestor, o presidente da Câmara, dentre outras autoridades requisitadas. Consta no Ministério Público uma ação civil pública instaurada contra o ex-prefeito Vane do Renascer em relação ao concurso público realizado em 2016. No processo seletivo foram identificadas inúmeras irregularidades que embora não sanadas, levaram o Poder Judiciário a negar a medida liminar pleiteada pelo Promotor de Justiça e a permitir a realização do concurso. Porém, o exame pode ser anulado pelo Poder Executivo, caso as ilegalidades/irregularidades sejam reconhecidas. Entretanto, o fato não impede que os classificados/aprovados proponham a competente que a ação judicial seja apreciada pelo Poder Judiciário.

Cúpula do PDT decide expulsar do partido senador que votou a favor da PEC do teto dos gastos

/ Política

Telmário está fora do PDT. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
Telmário está fora do PDT. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

A Executiva Nacional do PDT decidiu nesta terça-feira (17) expulsar do partido o senador Telmário Mota (RR). No ano passado, Mota votou a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) enviada pelo governo do presidente Michel Temer que estabelece um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. Na ocasião, o projeto foi aprovado por 53 votos a 14. Embora o PDT seja um aliado histório de partidos como PT e PCdoB e faça oposição ao Palácio do Planalto, tanto na Câmara quanto no Senado, Telmário Mota também votou a favor do impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Aos 25 anos, Geddel Vieira Lima foi investigado suspeito de favorecer parentes no Baneb

/ Política

Trajetória de Geddel estampada na mídia. Foto: Folha de SP
Trajetória de Geddel é estampada na mídia. Foto: Folha de SP

A trajetória do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), 57, como homem público está marcada, desde seu início, por acusações de envolvimento em casos de corrupção. Mais de 30 anos antes de ter seus imóveis em Salvador ocupados por policiais federais que buscavam, na última sexta-feira (13), provas de sua participação em fraudes na Caixa Econômica Federal, Geddel foi investigado por supostamente favorecer ele próprio e três parentes quando era diretor da corretora de valores do Baneb — o banco estadual da Bahia, adquirido pelo Bradesco em 1999. Os auditores da Baneb apontaram o envolvimento de Geddel em um esquema de desvio milionário de recursos que consistia no ”favorecimento a um restrito grupo de clientes, por meio da utilização de taxas de rentabilidade superiores às praticadas no mercado”, revelou reportagem de 2001 publicada pelo jornal ”Folha de São Paulo”. Em valores corrigidos, os desvios chegariam a R$ 2,72 milhões. Procurado pela reportagem do UOL por telefone na sexta-feira, Geddel não atendeu. Em todos os casos em que foi investigado, o ex-ministro negou ter cometido qualquer irregularidade.

Família teria sido favorecida

Entre os favorecidos, apontou a auditoria interina, além do próprio Geddel, estaria o ex-deputado Afrísio Vieira Lima (1929-2016), pai do ex-ministro e um antigo aliado e posterior rival do ex-governador e senador Antonio Carlos Magalhães (1927-2007). Também teriam sido beneficiados a mãe de Geddel e seu irmão Lúcio Vieira Lima, atual vice-líder do PMDB na Câmara. Por causa do escândalo de 1984, Geddel foi demitido do Baneb aos 25 anos de idade. A Receita Federal concluiu, em investigação própria sobre o caso, que “as operações irregulares que envolveram diretores e pessoas ligadas” podem ser consideradas “distribuição disfarçada de lucros a diretores”. O Tribunal de Contas do Estado da Bahia chegou a cobrar que Geddel e outros suspeitos na transação devolvessem dinheiro aos cofres do banco público, mas não há registros de que isso foi feito. Em sua defesa, Geddel disse à Folha que foi inocentado no caso em investigações do Banco Central e pelo Conselho de Recursos do Sistema Financeiro. Acusou ainda os auditores do Baneb de “má fé” e ligados a ACM. “Isso [a auditoria] foi feito quando meu pai brigou com ACM”, afirmou.

Choro na CPI do Orçamento

Uma década após o ”Caso Baneb”, o então deputado federal foi implicado no escândalo dos Anões do Orçamento, episódio em que 37 parlamentares foram acusados de manipular emendas para beneficiar empreiteiras. Em de 5 de janeiro de 1994, o então deputado federal Geddel Vieira Lima prestou depoimento à CPI do Orçamento. Ao negar as acusações, ele chorou por diversas na frente dos deputados. Ele foi convocado a depor após seu nome aparecer em documentos de um diretor da Odebrecht, ao lado de um percentual (4%). ”Esses papéis são de caráter unilateral. Se esse percentual significa um cálculo matemático de ajuda a campanhas eleitorais futuras, como disse o diretor da empresa, a mim não chegou qualquer oferta. Se ousasse chegar, seria repelida de maneira viril”, declarou Geddel. Não foram encontradas provas que embasassem uma acusação contra o deputado.

Grampo de ACM

Em fevereiro de 2001, então presidente do Senado, ACM divulgou para a imprensa e parlamentares uma fita de vídeo chamada ”Geddel Vai às Compras”, em que acusava o desafeto e seus familiares de enriquecimento ilícito. ”Não quero mais esse fanfarrão mandando na República. Ele está morto. Com a morte do Luís Eduardo [deputado, filho de ACM, morto em abril de 98], ele perdeu a alma”, disse Geddel. ”Até as grandes figuras têm pecados. O único (pecado) que conheço do Luís Eduardo foi ter salvo o deputado Geddel na CPI do Orçamento, quando ele já estava fisgado”, rebateu ACM. À época, estourou o escândalo dos “Grampos de ACM”, quando investigações demonstraram que adversários políticos do então senador, como o próprio Geddel, tiveram seus sigilos telefônicos quebrados ilegalmente pela Polícia Civil baiana. Nos últimos anos, após romper a aliança com o PT na Bahia, Geddel tornou-se parceiro do herdeiro político de seu maior adversário: o atual prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

Verbas da Integração Nacional

Geddel foi aliado dos presidentes FHC e Lula. No governo do petista, foi ministro da Integração Nacional, quando foi acusado de concentrar o repasse de verbas da pastas para prefeitos correligionários do PMDB na Bahia. À Folha, o então ministro negou favorecimento ao seu Estado. Após perder a eleição para governador da Bahia em 2010, para o ex-aliado Jaques Wagner (PT), Geddel foi nomeado vice-presidente de pessoa jurídica da Caixa Econômica Federal, pela presidente Dilma Rousseff — a indicação era cota do então vice-presidente Michel Temer, de quem sempre foi muito próximo desde o começo dos anos 1990. Da Folha de SP

Prefeito de Vitória da Conquista declara apoio a Luciano Pinheiro para presidência da UPB

/ Política

Herzem Gusmão apoia Luciano. Foto: Gilberto Jr.
Herzem Gusmão apoia Luciano Pinheiro. Foto: Gilberto Jr.

Integrante do time da oposição baiana, o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (PMDB) declarou apoio ao prefeito Luciano Pinheiro (PDT), prefeito de Euclides da Cunha, que disputa a presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB), cuja eleição ocorre no próximo dia (25), na sede da entidade. Em entrevista ao Blog do Anderson, Herzem não falou em voto para Luciano, mas disse que seguirá o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), que defende a candidatura de Pinheiro, que conta também com o apoio de outros gestores que compõem o bloco de oposição ao governador Rui Costa. Além de Pinheiro, concorre ao comando da entidade o prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD). Ribeiro, que faz parte do partido do senador Otto Alencar, conta com o apoio de Rui e também da atual presidente da UPB, Maria Quitéria (PSB).

Deputado diz que Marcelo Nilo quer usar presidência da Assembleia como trampolim

/ Política

Luiz Augusto reage contra Nilo. Foto: Divulgação
Luiz Augusto, do PP, reage contra Nilo. Foto: Divulgação
Candidato à presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o deputado Luiz Augusto (PP) sugeriu que o candidato à reeleição, Marcelo Nilo (PSL), blefa sobre os 32 votos que teria conseguido até o momento. ”Ele divulgou uma lista de pessoas que votariam nele, mas muitos desses nomes ainda são secretos”, disse na manhã desta segunda-feira (16), em entrevista à rádio Metrópole. O pepista ainda acusou Nilo de querer utilizar o cargo como ”trampolim” para objetivos mais altos, e reafirmou a convicção de que o governador Rui Costa não vai interferir na disputa. ”O governador não está se metendo, ele não disse isso em momento algum. Até agora não soube que Rui tenha pedido votos para Marcelo”, declarou. A votação acontecerá no dia 1º de fevereiro.

UPB: Eures Ribeiro pede impugnação da candidatura do prefeito de Euclides da Cunha

/ Política

Prefeito da Lapa, Eures disputa UPB. Foto: Blog Marcos Frahm
Prefeito da Lapa, Eures disputa UPB. Foto: Blog Marcos Frahm

O prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD), pediu a impugnação da candidatura do seu adversário, Luciano Pinheiro (PDT), na disputa pela presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB). Em entrevista ao site bahia.ba, de Salvador, Eures falou ter encontrado 16 irregularidades na inscrição do pedetista. ”Encontramos assinaturas repetidas, assinaturas que não conferem com a ficha da UPB, nomes repetidos. Não tenho todas [as irregularidades] aqui, mas acho que o nosso pedido de impugnação da chapa dele tem muito mais consistência do que a formulada por ele contra nós”, afirmou. Eures disse estar ”tranquilo” com o pedido de impedimento feito pela chapa de Luciano contra ele. ”Estou no interior fazendo campanha, sigo normal, amanhã estou na Chapada Diamantina. Confio na comissão eleitoral, confio no julgamento”, frisou. Prefeito de Euclides da Cunha, Luciano argumentou que o prazo para cadastro das inscrições foi encerrado às 17h da última terça, mas, segundo ele, Eures esqueceu de anexar ao registro um item da resolução eleitoral, que obriga os postulantes a terem subscrito na chapa 10% dos prefeitos apoiadores. ”Ele só apresentou isso quase 18h. Portanto, não atendeu ao que pede a resolução”, afirmou. Na quinta-feira (12), o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (PMDB), aliado de Luciano, afirmou que era ”legítima a reivindicação” do pedetista e ressaltou que espera ”que não façam marmelada no início da disputa”. De acordo com o artigo 11 da resolução eleitoral da UPB, a Comissão Eleitoral tem até o dia 16 de janeiro para julgar as impugnações. A eleição acontecerá dia 25 de janeiro.

”Vamos votar em quem Rui mandar”, diz vice-prefeita de Morro do Chapéu sobre eleição daUPB

/ Política

Juliana é filha de José Carlos Araújo. Foto: Divulgação
Juliana é filha de José Carlos Araújo. Foto: Divulgação

Tudo o que seu mestre mandar. A brincadeira de criança foi levada a ferro e fogo pela vice-prefeita de Morro do Chapéu, Juliana Araújo (PR). No cortejo da Lavagem do Bonfim, em Salvador, a republicana ao ser indagada em quem votará para o comando da UPB (União dos Municípios da Bahia), tratou de revelar. ”O que o governador decidir, nós vamos apoiar”, disse ela, segundo publicação do site Bocão News. Juliana, que é filha do deputado federal e presidente estadual do PR, o jaguaquarense José Carlos Araújo, afirmou que encontrou a cidade num caos, ao assumir o posto em 1º deste mês, juntamente com o novo prefeito, Dr. Léo Dourado. ”Encontramos os computadores limpos, sem HD. A frota de carros acabada. Precisaremos de um tempo para reestruturar a cidade”.

Em Salvador, Caiado ataca Lula, elogia Neto e não descarta disputar presidência em 2018

/ Política

Foto: Roberto Viana / Ag. Haack / bahia.ba
Ronaldo Caiado em Salvador. Foto: Roberto Viana/Ag. Haack

Presente na Lavagem do Senhor do Bonfim, em Salvador, para cumprir uma promessa, o líder do DEM no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO) admitiu ter interesse em disputar a presidência do país nas eleições de 2018. No entanto, o senador ressalta que a decisão precisa partir da sigla e não dele, individualmente. ”Eu jamais neguei a minha disposição, mas não existe candidatura de pessoa física, existe candidatura do partido. Essa é uma decisão que o Democratas vai ter que tomar. Eu sempre defendi a tese de o partido disputar”, afirmou Caiado enquanto seguia a procissão. O político goiano aproveitou ainda para alfinetar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, possível candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) em uma próxima eleição. Lula esteve nessa quarta-feira (11), em Salvador, para a Abertura do Congresso do MST na Bahia, onde confirmou que pode, sim, sair candidato em 2018. ”Nós estamos aqui hoje, em 2017, e em 98 quando eu disputei quando Lula, ele era tido homem que representava os trabalhadores, os humildes. Hoje, pra vir a Salvador, ele tem que ficar encurralado num Parque de Exposições, mantendo toda a estrutura de um lado de uma facção pra lhe proteger e eu estou aqui dizendo que meu patrimônio é o meu, não me tornei aí um grande proprietário nem um homem que enriqueceu com a política e, no entanto, eu estou no meio do povo ele realmente não tem a condição de caminhar como eu estou caminhando hoje aqui nessa linda manifestação”, comparou o senador, que caminhava em direção à igreja do Senhor do Bonfim ao lado da esposa e do cunhado, ambos baianos. O senador elogiou o colega de partido, prefeito ACM Neto. ”Ele realmente é quem tem o prestígio maior depois dessa gestão maravilhosa que teve”, declarou. As informações são do Bahia Notícias

 

Em Salvador, Lula diz que a classe mais pobre é penalizada pelo Governo Temer

/ Política

Lula participa de evento do MST. Foto: Gilberto Júnior
Ex-presidente participa de evento do MST. Foto: Gilberto Júnior

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta quarta-feira (11),  que não é ”perdoado” por ter promovido ações que beneficiaram as classes mais pobres. ”Não foi pelas coisas ruins que possamos ter feito no país. Não somos perdoados porque conseguimos provar no país que a única chance que tem de evitar crises ou sair delas é não penalizar o pobre, o trabalhador”,disse ele, em um discurso claramente contra o governo de Michel Temer (PMDB). Seguindo o mesmo tom de outras lideranças políticas e sociais presentes no 29º Encontro Estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Salvador, o petista disse que as classes mais pobres estão sendo penalizadas pela gestão do peemedebista. O ex-presidente argumentou que tirar direitos sociais e trabalhistas não é a melhor solução para a crise. ”Nós conseguimos provar que a melhor forma de resolver o problema não é penalizar as camadas mais pobres, é incluí-las no orçamento da União e fazê-las participar do processo de decisão do destino do país”, disse. O petista também ressaltou os investimentos feitos por ele no acesso ao ensino superior e melhorias nas condições de moradia da população. Assim como Lula, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, também defendeu a necessidade de barrar os ”retrocessos” trabalhistas e previdenciários. Para ele, apenas a antecipação da eleição presidencial em 2018 poderia barrar as reformas propostas por Temer. O líder do MST, João Pedro Stédile, também falou da necessidade de Diretas Já e convocou a participação de militantes em protestos para tentar barrar as reformas. Para ele, é necessário ocupar as prefeituras das cidades para que os gestores municipais pressionem os congressistas contra o corte dos direitos sociais e trabalhistas. A Tarde

Fernando Gomes, prefeito de Itabuna, anuncia saída do DEM e entra na base de Rui Costa

/ Política

Fernando sai do DEM. Fotos: Paulo M. Azevedo / Bocão News
Fernando sai do DEM. Fotos: Paulo M. Azevedo/Bocão News
O prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, anunciou que deixará o DEM. De acordo com o site Políticos do Sul da Bahia, o prefeito entrou em rota de colisão com a cúpula do partido durante a eleição, já que não recebeu ajuda do fundo partidário. Recentemente, Gomes esteve em um evento do governador Rui Costa (PT). Ainda de acordo com a publicação, o prefeito deve passar a compor a base do petista. Segundo uma pessoa próxima a Fernando Gomes, ele deverá ficar sem partido por alguns meses, para ter seu passe valorizado e cobiçado por outros partidos. Fernando Gomes se aproximou do deputado federal Paulo Magalhães (PSD), e já foi convidado para se filiar ao PSD. Já o presidente da assembleia legislativa, Marcelo Nilo (PSL), já convidou o prefeito para se filiar ao PSL. As informações são do Bocão News

Vitória da Conquista: Prefeitura gasta 85 mil litros de combustível e R$ 1,1 milhão de luz

/ Política

Herzem Gusmão
Prefeito Herzem Gusmão quer conter gastos. Foto: Divulgação
Tendo a Prefeitura de Salvador como modelo, o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (PMDB), garantiu que diminuirá radicalmente os gastos do Executivo. Em entrevista à rádio Clube de Conquista, o peemedebista disse que a prefeitura gasta atualmente R$ 102 mil de telefone e R$ 1,1 milhão de energia, água e aluguel. ”Nós já falamos que nós queremos R$15 mil por mês [de telefone]. Eu cheguei, inclusive a seguinte conclusão: iríamos cancelar todos os telefones celulares. São 360 linhas, mas o problema não é o telefone celular, a conta é de R$12 mil, o problema é o telefone fixo R$90 mil com R$12 do celular: R$102 mil”, assinalou, acrescentando que o gasto de diesel chega a 60 mil litros por mês. ”A prefeitura consome 25 mil litros de gasolina por mês. Tudo isso nós vamos reduzir tragicamente, essa é a ordem e a gente tem que dar o exemplo”, concluiu, mas não estipulou a data para apresentar os resultados da contenção de gastos.

Do DEM, prefeito de Itabuna vai a evento com Rui e diz que não está preocupado com partido

/ Política

Fernando Gomes vai ao Hospital da Mulher. Foto: Paulo M. Azevedo
Fernando vai ao Hospital da Mulher. Foto: Paulo M. Azevedo
Filiado ao DEM, o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, prestigiou a inauguração do Hospital da Mulher, em Salvador. Segundo Gomes, a sua presença no evento do governador Rui Costa (PT) não gera constrangimento. ”Meu partido é Itabuna. Não estou preocupado em agradar ou desagradar o meu partido”, disse o demista, ao site ao Bocão News. Envolto em polêmicas nomeações para o primeiro escalão – onde colocou filho, esposa e outros parentes -, Gomes prometeu exonerar o filho. ”Eu botei lá um filho meu, mas foi só para segurar a secretaria até eu arrumar um nome. Vou exonerar. Ele não vai ficar”, afirmou.

Delação do ex-presidente da Braskem pode colocar Delcídio do Amaral de volta na prisão

/ Política

Delcídio do Amaral
Delcídio do Amaral foi cassado em 2016. Foto: Folha de SP

A delação do ex-presidente da Braskem, Carlos Fadigas, pode levar o ex-senador Delcídio do Amaral de volta à prisão. O executivo da Odebrecht contou em delação premiada que repassou R$ 500 mil ao ex-líder do governo Dilma Rousseff em troca de ”apoio” na aprovação do PRS 72/2010, que favoreceu a empresa em questões ligadas ao ICMS. De acordo com a coluna Radar Online, de Veja, Delcídio não contou isso em sua própria delação. Se ficar provado que escondeu a informação, poderá voltar para a prisão.

OAB discute nepotismo em Itabuna com recentes nomeações de parentes de prefeito

/ Política

Fernando emplaca parentes na Prefeitura. Foto: Divulgação
Fernando emplaca parentes na Prefeitura. Foto: Divulgação

A subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Itabuna, no sul da Bahia, convocou uma reunião extraordinária para segunda-feira (9) para discutir casos de nepotismo na gestão do prefeito Fernando Gomes. De acordo com o site Pimenta, um terço das secretarias de Itabuna é ocupada por parentes do prefeito. Sandra Neilma, esposa, ocupa a Assistência Social; o filho Sérgio Gomes é secretário de Transportes e Trânsito; e Dinailson Oliveira, sobrinho, comanda a Administração. O prefeito Fernando Gomes oficializou a nomeação do filho Sérgio Monteiro Oliveira (Sérgio Gomes) para a secretaria de Transporte e Trânsito – que será transformada em Secretaria de Trânsito após a reforma administrativa. A reforma começa a ser analisada pela Câmara de Vereadores na próxima segunda (9). O decreto da nomeação foi publicado na última edição eletrônica do Diário Oficial do Município. Das nove secretarias, um terço será ocupado por parentes do prefeito. Ao site, o prefeito afirmou que não há ilegalidade na nomeação de parentes para o primeiro escalão. O debate na OAB será realizado na sede da entidade, na Rua Ruffo Galvão, Centro, às 17h.