Lula diz que pode ser candidato em 2018 para evitar destruição das políticas de inclusão social

/ Política

Lula revela que pode ser candidato. Foto: Roberto Stuckert Filho
Lula revela que pode ser candidato. Foto: Roberto Stuckert Filho

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que pode ser candidato a presidente nas eleições de 2018 para evitar “a destruição das políticas de inclusão social”. Em entrevista à rede de TV venezuelana Telesur, o petista ponderou, entretanto, que não gostaria de se ver candidato e que trabalha para pavimentar a candidatura de alguém mais novo que ele, que tem 70 anos. ”Eu trabalho com a ideia de que possamos construir a possibilidade de uma outra candidatura, de ter uma pessoa mais nova que não foi presidente. Eu já fui presidente, não preciso ser presidente outra vez”, disse, de acordo com a Folha de S. Paulo. Lula ainda criticou o discurso de posse do ministro das Relações Exteriores, José Serra, ao classificar que as falas do tucano são de quem ”não gosta de pobre, de negro ou de tratar os do andar de baixo com igualdade de posição”.”Eles estão colocando em prática o que sempre fizeram e acreditaram”, disse. O petista afirmou também que “eles pagarão o preço” ao avaliar como um “equívoco histórico” o anúncio de que o governo Temer revogou a contratação de moradias do Minha Casa, Minha Vida. Ainda segundo Lula, o processo de impeachment de Dilma Rousseff ainda pode ser revertido no Senado diante da gestão interina de Michel Temer. ”Eu acho que é possível convencer os senadores. Inclusive com alguns arrependidos com o que o Michel Temer fez na Presidência da República”, disse.

Cacá Leão confirma renúncia ao Conselho de Ética e nega que foi a casa de Eduardo Cunha

/ Política

Cacá vai deixar o Conselho de Ética. Foto: Blog Marcos Frahm
Cacá vai deixar o Conselho de Ética. Foto: Blog Marcos Frahm

O deputado federal Cacá Leão (PP) as especulações que circularam na imprensa nesta terça-feira (17/5) de que estará deixando o cargo no Conselho de Ética da Câmara Federal. Segundo publicação do site Bahia Notícias, Cacá confirmou  que irá mesmo abdicar da sua vaga no Conselho. De acordo com o parlamentar, o ”rodízio” estava já acordado entre os membros do partido. ”Com a saída do deputado para o ministério da Saúde, teve uma disputa e eu disse que não tinha problema nenhum em sair. Para mim, está ficando difícil ficar, pois vou começar a viajar bastante já que sou presidente da comissão que debate o código de trânsito”, justificou. Ainda segundo o deputado, a sua saída não tem relação com uma suposta defesa do presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). ”Teve jornal que afirmou que estive na casa dele. Nunca fiz isso. Só estive com Cunha em duas vezes: uma aqui em Salvador e a segunda vez quando fui candidato a líder da bancada. Ele me chamou para dizer que seria imparcial”, descreveu. Cacá Leão e o sei pai, o vice-governador e secretário de Planejamento do Estado, João Leão (PP), visitam Jaguaquara, no Vale do Jiquiriçá, nesta quarta-feira (18) onde estarão participando dos festejos de Maria Auxiliadora e do aniversário de 95 anos de emancipação político-administrativa do município.

 

Jaques Wagner compra sítio de tamanho equivalente a 14 Maracanãs na Chapada Diamantina

/ Política

Wagner é alvo da Revista Época. Foto: Manu Dias
Jaques Wagner é alvo da Revista Época. Foto: Manu Dias

O ex-governador baiano e ex-ministro-chefe do gabinete da Presidência, Jaques Wagner, adquiriu em dezembro do ano passado um sítio com tamanho equivalente a 14 Maracanãs. A propriedade, localizada em Andaraí, na região da Chapada Diamantina, recebeu o nome de ”Sítio Felicidade” e custou R$ 538 mil. De acordo com a Revista Época, o imóvel foi comprado em conjunto com a esposa de Wagner, Maria de Fátima Carneiro Mendonça, e o ex-lobista Guilherme Sodré, o Guiga, amigo de longa data e pai de um enteado do ex-governador. Ainda segundo a revista, o local, antes conhecido como Fazenda Dinamarca, incluía casa com cinco suítes, garagem, piscina e acesso ao Rio Santo Antônio, na Chapada. Segundo o registro do cartório, os compradores desembolsaram pelo imóvel uma entrada de R$ 398 mil e dividiram o restante em parcelas de R$ 14 mil. Wagner recebia R$ 30 mil como ministro. De acordo com o documento registrado no cartório, o ex-governador e a esposa são proprietários de 76% do sítio – devem pagar por ele cerca de R$ 408 mil -, enquanto a empresa de Guiga detém os outros 24% (cerca de R$ 129 mil). O antigo dono do imóvel é o prefeito de Andaraí, Wilson Cardoso (PSB). O ex-lobista foi um dos suspeitos de participação nas irregularidades investigadas na Operação Satiagraha, que investigou o banqueiro Daniel Dantas. Ele foi apontado como lobista de Dantas, intermediando contatos com políticos. A operação foi anulada na Justiça. Guiga afirmou que comprou o sítio como representante da empresa MMSS, que tem como um dos sócios o filho dele com a mulher de Wagner. ”Eu sou um dos sócios da empresa e um dos sócios é meu filho e enteado do ministro. Essa é a única razão de eu ter uma parte da propriedade. É para meu filho”, disse. O ex-governador baiano negou ser sócio do empresário e também justificou que Guiga adquiriu parte do imóvel para o filho. ”Temos relação familiar e compartilhamos o mesmo local com a finalidade de lazer. Ele é pai do meu enteado e adquiriu parte do sítio para o seu filho […] A compra do sítio em Andaraí foi efetuada em 2015, devidamente escriturada em cartório, e lançada no meu Imposto de Renda de 2016”, afirmou. O prefeito Wilson Cardoso disse que Wagner sempre manifestou interesse em comprar um imóvel na Chapada, para utilizá-lo após deixar a chefia do governo estadual. O gestor contou, ainda, que recebeu os valores em transferência eletrônica. ”Ele dizia no palanque que queria um cantinho na Chapada. E sempre tinha muitos prefeitos vendo e todo mundo queria levar o Jaques Wagner para a Chapada. Eu disputei com vários prefeitos”, declarou.

Barreiras: Ex-prefeita é acusada de fraudar licitação para beneficiar construtora

/ Política

Jusmari é acusada de fraude. Foto: Reprodução |Facebook
Jusmari é acusada de fraude. Foto: Reprodução | Facebook

A ex-prefeita de Barreiras, na Bacia do Rio Grande, oeste baiano, Jusmari Oliveira é acusada de dispensa ilegal de licitação para beneficiar uma construtora. O Ministério Público Federal (MPF) na cidade requereu a indisponibilidade de bens da ex-gestora, como também do ex-secretário de Saúde, Everaldo Galvão, do ex-procurador geral, Jaires Porto, e da construtora Melo & Bastos Ltda. De acordo com o MPF, no ano de 2009, Jusmari contratou, diretamente e sem licitação, a construtora Melo & Bastos Ltda. para reformar a recepção do Hospital Regional Eurico Dutra. Ainda segundo relato do MPF, Jusmari teria recebido justificado a contratação sem licitação a partir de um relatório recebido pela prefeitura em 2008. No entanto, de acordo com a ação do MPF, a prefeitura já sabia dos danos no prédio quase um ano antes da dispensa da licitação, e nenhum dos problemas apresentados no relatório se encontrava na recepção do hospital. Para o MPF, a ex-prefeita agiu para beneficiar a construtora, cuja contratação foi solicitada diretamente por Everaldo Galvão, tendo Jaires Porto colaborado para que a irregularidade acontecesse. A acusação ainda requereu à Justiça Federal bloqueio imediato de R$ 161.667,43, como forma de garantir que eles devolvam ao poder público o dinheiro recebido irregularmente.

Homem é esfaqueado ao separar briga entre irmãos em bar no Oeste baiano

/ Política

Vítima foi socorrida para UPA. Foto: Ivan Gehlen |Blogbraga
Vítima foi socorrida para UPA. Foto: Ivan Gehlen | Blogbraga

Um homem de 29 anos foi esfaqueado ao tentar separar uma briga entre irmãos em um bar do município de Luís Eduardo Magalhães, região oeste da Bahia, no domingo (8). Segundo informações da Polícia Militar (PM), foi aberta uma investigação para apurar o responsável pela agressão. Ainda de acordo com a PM, a vítima foi socorrida por populares até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município. Em contato com o G1, o serviço social da UPA informou que o paciente foi estabilizado e transferido para o Hospital do Oeste, que não divulgou o estado de saúde da vítima. A polícia não soube informar o que teria motivado a briga entre os irmãos. Até a manhã desta segunda-feira (9), ninguém havia sido preso pelo crime.

Prefeito de Jussiape desiste de candidatura à reeleição: ”Quero sair de cabeça erguida”

/ Política

Gilberto desiste da reeleição.
Gilberto Freitas desiste da reeleição. Foto: Jussi Up Press

O prefeito de Jussiape, Gilberto dos Santos Freitas (PSC), o Bel, não tentará a reeleição no pleito desse ano. A decisão já foi oficializada aos correligionários e às lideranças políticas do município. De acordo com o Brumado Notícias, Bel afirmou que adotará uma postura de neutralidade nas eleições. Segundo o prefeito, a situação de grave crise econômica enfrentada pelos municípios pequenos exige controle dos gastos públicos e sua intenção é encerrar o mandato sem dever a funcionários ou fornecedores. “Quero sair de cabeça erguida”, justificou.

Ministros do governo Michel Temer terão nomeação publicada no dia da posse, diz coluna

/ Política

Michel Temer monta equipe. Foto: Agência Brasil
Michel Temer monta equipe de governo. Foto: Agência Brasil

Os ministros palacianos e da área econômica do governo Michel Temer (PMDB) serão nomeados em uma edição extra do Diário Oficial, no dia em que o vice-presidente assumir a presidência do país. De acordo com a coluna Radar Online, de Veja, quem não entregar os cargos nas demais pastas será demitido. O anúncio da equipe completa deve acontecer na próxima semana.

Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo são denunciados por Rodrigo Janot na Operação Lava Jato

/ Política

Gleisi Hoffmann é denunciada. Foto: Alessandro Dantas
Gleisi Hoffmann é denunciada. Foto: Alessandro Dantas

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF), em um dos inquéritos da Operação Lava Jato, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), seu marido, o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, e o empresário Ernesto Kugler Rodrigues, que seria ligado ao casal. Eles são acusados de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por suposto recebimento de R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi ao Senado em 2010. De acordo com depoimento de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras. Segundo a Agência Brasil, a senadora e o ex-ministro foram citados nas delações do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Um novo delator, Antônio Carlos Pieruccini, afirmou que o dinheiro foi transportado, em espécie, de São Paulo para Curitiba, em quatro viagens e que teria sido entregue a Ernesto Kugler. Se o STF decidir receber a denúncia, Gleisi e Paulo Bernardo se tornarão réus na ação penal. O advogado Rodrigo Mudrovitsch, que representa a senadora e o ex-ministro, disse que vai esperar a intimação pelo ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato no STF, para apresentar a defesa. ”A denúncia causou surpresa e indignação. É uma denúncia frágil e merece ser derrubada pelo Supremo”. Em nota, os advogados de Gleisi informaram que ”todas as provas que constam no inquérito comprovam que não houve solicitação, entrega ou recebimento de nenhum valor por parte da senadora. A denúncia sequer aponta qualquer ato concreto cometido. Baseia-se apenas em especulações que não são compatíveis com o que se espera de uma acusação penal”.

Pedido de repasse de dinheiro para Geddel é citado por Teori em decisão sobre Cunha

/ Política

Geddel Vieira Lima é citado por Teori
Geddel Vieira Lima é citado por Teori. Foto: Gilberto Júnior

Um suposto repasse de dinheiro para Geddel Vieira Lima, presidente do PMDB na Bahia, foi citado na decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, que suspendeu o mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta quinta-feira (5/5). No requerimento protocolado no STF pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o procurador Rodrigo Janot inclui uma mensagem de texto enviada por Cunha para Léo Pinheiro, na qual ele cobra repasse de valores para aliados. O presidente da Câmara afastado escreveu que o empreiteiro da OAS já teria pago R$ 5 milhões para Michel Temer ”tendo adiado os compromissos com a turma, que incluiria Henrique Alves, Geddel Vieira, entre outros. Léo Pinheiro pediu para Eduardo Cunha ter cuidado com a análise, pois poderia mostrar a quantidade de pagamentos dos amigos’, relata o procurador na acusação. A liminar de Teori foi mantida por unanimidade no plenário do STF em votação realizada na tarde de hoje. Os ministros apontaram que Cunha usou o seu cargo para obstruir investigações contra ele na Operação Lava Jato e no Conselho de Ética da Câmara.

Temer é ficha-suja e está inelegível, diz PRE-SP; assessoria do vice-presidente nega

/ Política

Temer teria sido condenado pelo TRE-SP. Foto: Reprodução
Temer vira alvo antes de assumir. Foto: Agência Brasil

Condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) por doações de campanha acima do limite legal, o vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP), está inelegível pelos próximos oito anos, contados a partir da última terça-feira (3/5). Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP), condenações iguais à do vice podem ser enquadradas na Lei Ficha Limpa, que prevê a inelegibilidade de políticos condenados por órgãos colegiados, como é o caso do TRE-SP. ”A Lei da Ficha Limpa estabelece, no seu artigo 1º, I, alínea p, a inelegibilidade de candidatos como consequência da condenação em ação de doação acima do limite proferida por órgão colegiado ou transitada em julgado”, diz nota emitida pela PRE-SP no início da noite desta quarta-feira. A nota é genérica, não cita especificamente o caso de Temer, mas foi feita em resposta a questionamentos sobre as consequências da decisão tomada na véspera pelo TRE-SP. Temer foi condenado na terça por unanimidade no plenário do TRE-SP a pagar multa de R$ 80 mil por ter feito doações acima do limite imposto pela legislação eleitoral na campanha de 2014, na qual o peemedebista concorreu na chapa da então candidata Dilma Rousseff. Segundo a representação ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral, Temer doou ao todo R$ 100 mil para dois candidatos do PMDB do Rio Grande do Sul a deputado federal, Alceu Moreira e Darcísio Perondi, que receberam R$ 50 mil, cada um. O valor é 11,9% do rendimento declarado pelo vice em 2013. Naquele ano, Temer declarou ter tido rendimentos de R$ 839.924,46. O peemedebista não poderia, portanto, doar quantia superior a R$ 83.992,44. A lei eleitoral impõe teto de 10% do rendimento declarado pelo doador no ano anterior. A assessoria do vice-presidente afirmou que ele pretende pagar a multa com recursos próprios e que isso, por si só, já o livraria de ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e extinguiria a inelegibilidade. O argumento, no entanto é questionado pelo advogado e ex-juiz eleitoral Marlón Reis, um dos redatores da Lei da Ficha Limpa, para quem o pagamento da multa não livra o vice-presidente de ficar inelegível por oito anos.

Rodrigo Janot pede a inclusão de Lula, Jaques Wagner e Gabrielli na Operação Lava Jato

/ Política

Pedido de Janot inclui Lula e Jaques Wagner
Pedido de Janot inclui Lula e Jaques Wagner. Foto: Manu Dias

Um pedido do procurador-geral da república, Rodrigo Janot, deve incluir 30 investigados no principal inquérito da Operação Lava Jato. O pedido feito ao Supremo Tribunal Federal (STF) inclui o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o chefe de gabinete da Presidência e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner e do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. A lista ainda inclui ministros, ex-ministros, petistas e peemedebistas. A inclusão dos novos nomes precisa ser autorizada pelo ministro do STF, Teori Zavascki, relator da Lava Jato. Dentre os petistas estão ainda: Ricardo Berzoini (ministro da Secretaria de Governo), Edinho Silva (ministro da Secretaria de Comunicação Social) e Giles Azevedo, assessor especial da presidente Dilma Rousseff. Também foi solicitada a inclusão dos os ex-ministros Antonio Palocci e Erenice Guerra, do presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto. Do PMDB, a Procuradoria pede a inclusão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do senador Jader Barbalho (PA), e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. ”As provas colhidas indicam para uma subdivisão interna de poder entre o PMDB da Câmara dos Deputados e o PMDB do Senado Federal. Estes dois grupos, embora vinculados ao mesmo partido, ao que parece, atuam de forma autônoma, tanto em relação às indicações políticas para compor cargos relevantes no governo quanto na destinação de propina arrecadada a partir dos negócios escusos firmados no âmbito daquelas indicações. Já no âmbito dos membros do PT, os novos elementos probatórios indicam uma atuação da organização criminosa de forma verticalizada, com um alcance bem mais amplo do que se imagina no início e com uma enorme concentração de poder nos chefes da organização. As provas apontam para o envolvimento das seguintes autoridades com prerrogativa de foro: Edinho Silva, Ricardo Berzoini, Jaques Wagner, Delcídio do Amaral”, escreveu Janot. O inquérito já investiga 39 pessoas, entre políticos com ou sem foro privilegiado, por suspeita de terem participação no esquema de corrupção que atuou para desviar bilhões da Petrobras.

Deputado jaguaquarense é chamado de ladrão de toca-fitas por Eduardo Cunha

/ Política

Jaguaquarense José Carlos . Foto: Agência Câmara
Jaguaquarense José Carlos Araújo. Foto: Agência Câmara

O deputado federal José Carlos Araújo (PR-BA) não quer entrar em discussões com o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em entrevista ao site Bahia Notícias nesta terça-feira (3/5), ele afirmou que o peemedebista quer que ele perca a cabeça e saia do sério. ”Isso é uma colocação pra eu sair do sério. Eu não vou entrar nesse jogo”, declarou o baiano de Jaguaquara. Em conversa com o Estadão nesta segunda (2), Cunha voltou a criticar Araújo, acusando-o de roubo e afirmando que ele quer ganhar publicidade com processo de cassação que tramita no Conselho de Ética. ”É a oportunidade que ele tem para aparecer na TV. É um parlamentar que, na sua adolescência, era ladrão de toca-fitas”, apontou Cunha. “Eu tenho 70 anos de idade, tenho 40 anos de política, nunca ninguém me acusou de nada”, respondeu o presidente do Conselho de Ética. ”Ele fala que a gente está denegrindo a imagem dele. o cara não tem imagem”. O processo de cassação do mandato de Cunha tramita desde novembro de 2015 por quebra de decoro parlamentar. Ele teria mentido em depoimento à CPI da Petrobras ao dizer que não possui contas bancárias no exterior. No momento o Conselho de Ética está na fase de coleta de provas para a elaboração do parecer do relator Marcos Rogério (DEM-RO).

Jaques Wagner nega que irá assumir cargo de secretário no governo de Rui Costa

/ Política

Wagner nega que será secretário. Foto: Roberto Stuckert Filho
Wagner nega que será secretário. Foto: Roberto Stuckert Filho

Jaques Wagner, chefe do gabinete pessoal da presidente da República, não será secretário do governo da Bahia, caso o Senado aprove o impeachments de Dilma. A informação circulou na imprensa nesta segunda-feira e foi criticada pela oposição na Assembleia Legislativa, que prometeu impedir na Justiça a nomeação do ex-governador. Segundo a coluna Tempo Presente. Wagner diz que vai ficar morando na Bahia, mas pretende cumprir a quarentena de seis meses, a eu todo ex-ministro tem a obrigação ) (de não pegar outras funções, para evitar que passem informações confidenciais) e o direito (a remuneração durante o período). Daqui, Wagner pretende continuar ajudando Dilma, que a votação final do impeachment ainda será em outubro. No mais, é saber o que ele fará até 2018, quando deverá tentar o Senado ou uma vaga de deputado federal.

”Se eu estiver na Operação Lava Jato, Teori Zavascki é corno e Moro é picareta”, dispara Cid Gomes

/ Política

Cid dispara. Foto: Zeca Ribeiro | Câmara dos Deputado
Cid Gomes dispara. Foto: Zeca Ribeiro | Câmara dos Deputado

O ex-ministro e ex-governador do Ceará, Cid Gomes, afirmou não ter envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobras, investigado pela Operação Lava Jato. Segundo ele, se o seu nome aparecer como um dos investigados, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, é ”corno” e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é ladrão. De acordo com a Folha de S. Paulo, a declaração foi dada durante a comemoração do aniversário de Gomes, na cidade de Sobral. ”Por ter minha consciência tranquila,[…] sou capaz de falar mal do ministro Teori Zavascki. Eu digo: ministro, o senhor é corno, se eu tiver nessa operação[…] Veja bem, eu tenho tanta segurança de que não estou nisso que, se estiver, o ministro Teori é corno[…], o Janot é ladrão, e o (juiz Sergio) Moro é um picareta”, afirmou. Gomes não é alvo de nenhum inquérito relacionado a Operação Lava Jato.