Polícia do Rio prende jornalista suspeita de ser ”pombo-correio” de facção paulista

/ Polícia

Luana é suspeita de ser ”pombo-correio”. Foto: Reprodução/Veja

Policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), do Rio de Janeiro, prenderam na manhã desta terça-feira (4) a jornalista e advogada Luana de Almeida Domingos. Também conhecida como ”Luana Don”, ela é suspeita de atuar como ”pombo-correio” de uma das maiores facções criminosas do país. Luana foi presa em Ilha Bela, litoral paulista, e estava na organização ”Sintonia dos Gravatas”, responsável por transmitir as ordens da cúpula da organização criminosa para atuação do grupo no Rio de Janeiro. De acordo com o G1, a Justiça já havia emitido mandado de prisão preventiva pelos crimes de corrupção ativa e por integrar organização criminosa. Luana trabalhou entre 2012 e 2015 como repórter de uma rede de televisão em São Paulo e estava sob investigação porque ela já morou no Rio de Janeiro e passava informações da facção para atuação deste grupo no Rio de Janeiro.

Capitão da PM que faz segurança do cantor Leo Santana é baleado no rosto em assalto

/ Polícia

Capitão Adelmo [à esquerda] foi baleado. Foto: Reprodução
O capitão da reserva remunerada da Polícia Militar, Adelmo Pereira Cardoso, segurança do cantor Leo Santana, foi baleado no rosto durante assalto no bairro de Marechal Rondon, em Salvador, na manhã desta quinta-feira (29). De acordo com o Centro Integrado de Comunicação da Secretaria da Segurança Pública (Cicom), o PM estava saindo de casa quando foi rendido por bandidos que tomaram a arma dele, e depois atiraram na vítima. O PM foi socorrido para o Hospital do Subúrbio. O estado de saúde doele é desconhecido. Até às 7h30, ninguém tinha sido preso. A polícia investiga o caso. As informações são do site Bocão News

Jequié: 19º Batalhão finaliza Operação São João comemorando êxito no trabalho

/ Polícia

Polícia Militar fez Operação São João. Foto: Blog Marcos Frahm

O 19º Batalhão divulgou resultado da operação São João realizada nas cidades sob sua responsabilidade, para  garantir a segurança dos festejos. Foi  realizado o patrulhamento nos dois circuitos de Jequié, além das cidades de Jitaúna, Apuarema, Itagi, Manoel Vitorino, Jaguaquara, Nova Itarana, Itaquara, Brejões, Santa Inês, Cravolândia e Irajuba que também foram atendidas, tendo empregados mais de 470 policiais durante os quatro dias de festa. A Avaliação de Produtividade consta que os resultados foram satisfatórios no que tocam às ações preventivas, com um total de 1778 indivíduos abordados, tendo conduzidas apenas duas prisões em flagrante, e apenas 1 furto registrado. Não houve registro de ocorrências de maior gravidade. Para o Ten Cel Gondim, a segurança da comunidade e de seus visitantes foi garantida por meio de muito esforço e dedicação de sua tropa, que não mediu esforços para que toda a população desfrutasse de uma comemoração pacífica e tranquila. ”Durante o balanço das ações realizadas nos festejos juninos, concluímos que o saldo foi bastante positivo, tendo em vista se tratar de um evento de grande porte na região. A Polícia Militar se esforçou para marcar sua presença de maneira providencial na preservação da ordem pública.” –comentou o comandante. Os resultados mostram que efetivo do 19º Batalhão contribuiu para que as ações fossem desempenhadas favoráveis a um evento tranquilo, sem maiores alterações e assegurando o bom andamento das atividades e a paz de toda a comunidade.

Itiruçu: Polícia Federal deflagra operação contra fraude na Previdência Social

/ Polícia

Operação ocorreu no Centro da cidade. Foto: Leitor via WhatsApp

Uma operação da Polícia Federal é deflagrada na manhã desta terça-feira (27/6) nas cidades de Itiruçu, Lajedo do Tabocal e Lafaiete Coutinho, na região do Vale do Jiquiriçá. Intitulada de Inredux [persistência no crime], a operação visa desarticular um esquema de fraudes à Previdência Social. Os agentes cumprem diversos mandados judiciais: um de prisão preventiva, sete de condução coercitiva, três de busca e apreensão, além de três medidas cautelares de suspensão de atividade. Conforme a PF, a apuração começou em 2014 a partir de informações de que uma pessoa atuava de forma irregular na intermediação de requerimentos de benefícios com a agência da Previdência em Itiruçu. Ainda segundo a PF, após o cumprimento de mandado de busca no escritório do investigado, e com informações adicionais da referida agência, foram identificados vários requerimentos de benefícios previdenciários de natureza rural feitos pelo investigado e instruídos com documentos falsos, em especial certidões de nascimento e contratos de comodato. Também se constatou a falsificação de declarações de atividade rural, as quais eram obtidas junto aos sindicatos dos pequenos produtores rurais de Itiruçu, Lajedo do Tabocal e Lafaiete Coutinho, cujos responsáveis, suspeita-se, tinham participação no esquema criminoso.  A PF ainda declara que mesmo após o cumprimento do referido mandado de busca, o investigado continuou com a atuação ilícita, passando, ainda, a orientar testemunhas a mentir aos investigadores para acobertar seu envolvimento nas fraudes. A atitude irredutível do investigado, persistindo na pratica criminosa, foi o que justificou o nome da operação: Inredux (em latim, irredutível). Até o momento, não foi possível apurar o volume desviado da Previdência, conforme informações do site Bahia Notícias.

Itaquara: Cipe Central prende homem suspeito de comércio ilegal de munições

/ Polícia

Munições foram apreendidas em comércio. Foto: Divulgação

A Companhia Independente de Policiamento Especializado – Cipe Central divulgou nota, na noite desta terça-feira (27/6) informando ter apreendido na tarde de segunda-feira (26) uma quantidade de munições na cidade de Itaquara. De acordo com a nota da Cipe, a guarnição chegou ao local, Comercial Souza, por meio de denúncia anônima de que o proprietário do estabelecimento estaria comercializando munições sem a devida licença, infringindo o Art. 17 da Lei n°10.826/2003. O homem que segundo a Cipe foi identificado como Madson Souza Alves, de 43 anos, foi conduzido a Delegacia Territorial local, com 62 recipientes com pólvora preta, 19 recipientes com pólvora branca, 05 Kg de Chumbo, 1200 espoletas, 07 cartuchos cal 36, 14 cartuchos Cal 20, 16 cartuchos Cal 28 e 09 cartuchos Cal 32.

Criança de 1 ano morre afogada em caixa d’água do sítio dos avós na zona rural de Ibirataia

/ Polícia

Criança de um ano foi achada morta. Foto: Reprodução/Facebook

Uma menina de um ano e 11 meses morreu afogada dentro de uma caixa d’água, na manhã desta terça-feira (20), no sítio dos avós, localizado na zona rural de Ibirataia, na região do Médio Rio de Contas. De acordo com a Polícia Civil, a criança é natural da cidade de Carapicuíba, em São Paulo, município onde mora com os pais, e estava na Bahia para passar o São João com a família. Segundo a família relatou à polícia, a mãe da menina estava arrumando a casa, quando sentiu falta da criança. A mulher foi procurar a filha, mas já a encontrou boiando no tanque de água, que segundo a polícia tem oito metros de altura e fica no quintal do sítio. Não há detalhes de como a criança teria caído no reservatório. O avô da criança prestou depoimento à polícia. O corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Jequié.

Igor Kannário não presta depoimento após confusão com PM e pode ser conduzido a Delegacia

/ Polícia

Kannário discutiu com uma policial. Foto: Reprodução CMS

Intimado a depor na Polícia Civil de Feira de Santana nesta terça-feira (20), o cantor e vereador Igor Kannário não compareceu, nem deu justificativa, para prestar depoimento. Segundo o site Acorda Cidade, uma nova data deve ser estabelecida para o cantor se apresentar à Polícia. O caso sob investigação é sobre o incidente entre o cantor e a Polícia Militar, ocorrido na Micareta de Feira, em maio deste ano. Em um momento da festa, Kannário chegou a acusar a Polícia Militar de agredir foliões e disse que era mais autoridade que a PM. O delegado João Rodrigo Uzzum, coordenador da 1ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (1ª Coopin) declarou que foi enviado uma notificação para a Câmara de Salvador, informando do depoimento. Uzzum disse que a nova intimação deve ocorrer depois do período junino. Caso o cantor não se apresente, o delegado não descarta pedir uma condução coercitiva para o vereador. O delegado também informou que todas as outras partes do inquérito já foram ouvidas.

Cipe Central prende homens com R$ 9 mil e maconha, após ação entre Ipiaú e Itagibá

/ Polícia

Dinheiro foi apreendido pela polícia. Foto: Divulgação/Cipe Central

Uma guarnição da Cipe Central, através denúncia anônima, recebeu informações de que havia uma entrega de um carregamento de drogas entre os municípios de Ipiaú e Itagibá.  De pronto, uma equipe se deslocou e ficou aguardando a negociação acontecer. De acordo com a Cipe, a guarnição visualizou o momento em que um homem posteriormente identificado como Edivaldo chegou a bordo de um carro Ford Fiesta preto e entregou um envelope a um indivíduo identificado posteriormente como Marcos, que recebeu um pacote em troca nas imediações do Distrito de Japumerim. Ainda conforme informações policiais, quando Edivaldo se deslocou, uma equipe realizou o acompanhamento do mesmo até a cidade de Gandu, sendo abordado por uma guarnição PETO da CIPM local, tendo o Edivaldo informado acerca da negociação. Outra guarnição abordou Marcos na cidade de Ipiaú, que foi encontrando de posse da quantia de R$9.080,00 e o mesmo confirmou que o valor havia sido entregue por Edivaldo como pagamento por um carregamento de drogas.  Com Marcos, os policiais encontraram um tablete com aproximadamente 540g de maconha, recibos de depósitos em contas diversas, um livro de contabilidade onde constam diversos registros de dívidas de drogas bem como embalagens plásticas usadas para embalar drogas.  Ambos foram conduzidos para a Delegacia Territorial de Jequié, onde foi lavrado o flagrante pelo delegado Chardison Castro de Oliveira. Durante a Operação a Cipe Central contou com o apoio de guarnições da 55a CIPM/Ipiaú, 60a CIPM/Gandu e 61a CIPM/Ubaitaba .

Mulher é presa pela PRF por transportar 23 kg de maconha em ônibus na BR-116

/ Polícia

A suspeita disse que receberia R$ 1.500. Foto: Divulgação/PRF

Uma mulher de 32 anos foi presa por transportar 23 kg de maconha em um ônibus, em Vitória da Conquista. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a droga foi encontrara em um ônibus  vinha de Campo Grande (MS) em um trecho da BR-116, na noite de sexta-feira (16). Após fazer a vistoria no veículo, os policias encontraram o material ilícito e a mulher confessou que estava levando a droga para Salvador. De acordo com a PRF, a suspeita receberia R$ 1.500 pelo transporte do entorpecente. Ela e o material apreendido foram levados para o Distrito Integrado de Segurança Pública de Vitória da Conquista.

Ministério Público desmente informação de que investiga Comandante-geral da PM

/ Polícia

MP diz que Anselmo não é investigado. Foto: Blog Marcos Frahm

Uma notícia publicada no site Bocão News, da capital baiana, nesta sexta-feira (16) dava conta de que o Comandante-geral da Polícia Militar da Bahia, Coronel Anselmo Brandão, estaria sendo alvo de investigação criminal pelo Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gacep) pelo ”suposto uso indevido de viaturas por oficiais da polícia”. Já o Ministério Público Estadual – MPE, em nota, desmentiu a informação. De acordo com a nota do MP, a promotora Isabel Adelaide Moura, do Grupo de Atuação Especial para Controle Externo da Atividade Policial (Gacep), teve como base representação formulada pela Associação de Policiais e Bombeiros e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra). Na representação, a Aspra alegou que o comando da PM ignorou o Decreto Estadual 14.690/2013, que disciplina a utilização de veículos oficiais do Estado.

Nota de esclarecimento

O Ministério Público do Estado da Bahia esclarece que, ao contrário do divulgado, o comandante-geral da Polícia Militar da Bahia, coronel Anselmo Brandão, não é alvo de investigação criminal pelo Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gacep) pelo “suposto uso indevido de viaturas por oficiais da polícia”. A informação correta é que uma recomendação foi encaminhada, no último dia 22 de maio, pela promotora de Justiça Isabel Adelaide de Moura, coordenadora do Gacep, ao comandante-geral e ao corregedor-geral da PMBA para que adotem providências no sentido de coibir o uso irregular de veículos oficiais pela corporação. A recomendação considerou o Decreto Estadual 14.690/2013, que disciplina a utilização de veículos oficiais do Estado, e teve por base representação formulada pela Associação de Policiais e Bombeiros e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) noticiando ao Ministério Público o descumprimento do referido decreto por alguns agentes da PMBA.

Policiais acusados de matar preso dentro de delegacia são demitidos pelo Governo do Estado

/ Polícia

Preso, na imagem à esquerda, saindo da cela. Foto: TV Bahia

Os três policiais civis acusados de torturar e matar um detento dentro da Delegacia de Porto Seguro foram demitidos pelo Governo do Estado. A demissão de Otávio Garcia Gomes, Joaquim Pinto Neto e Robertson Lino Gomes da Costa foi publicada no Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira (15), quase cinco anos depois do crime, ocorrido em 14 de julho de 2012. A demissão ocorre pouco mais de um mês depois de eles tem sido condenados à prisão, em decisão de primeiro grau, pelo juiz André Marcelo Strogenski. Em decisão judicial do último dia 9 de maio, Otávio e Robertson foram condenados a 16 anos, nove meses e 18 dias de prisão, enquanto Joaquim teve pena aplicada de seis anos, três meses e 14 dias de reclusão. Na decisão, o juiz também determinou a perda do cargo dos três acusados e a possibilidade de seu exercício pelo dobro da pena aplicada. Além deles, também foi condenado a 14 anos, nove meses e 18 dias de prisão o filho de Robertson, Murilo Bouson de Souza Costa, que também participou da ação. Robertson e Joaquim era investigadores, enquanto Otávio era chefe do Serviço de Investigação. Não há informações se eles respondem ao processo em liberdade. A dispensa dos policiais ocorreu por orientação da Procuradoria Geral do Estado ”a bem do serviço público”, conforme a publicação desta quinta, e foi fundamentada no Estatuto do Servidor Público do Estado (Lei 6.677/ 1994) e na Lei Orgânica da Polícia Civil (11.370/ 2009). O artigo 95 da Lei Orgânica, que trata da demissão, determina nove situações em que a  dispensa será aplicada. Uma delas é prevista no artigo 90 da mesma legislação, que prevê  a demissão caso o policial submeta a pessoa, ”sob sua guarda, a tortura, vexame ou  constrangimento”. Os três policiais foram acusados de espancar até a morte o detento Ricardo Santos Dias, de 21 anos à época. A vítima era acusada de tráfico de drogas e latrocínio. Imagens das câmeras de segurança da detenção mostram os acusados chegando à delegacia e, pouco tempo depois, deixam a unidade prisional carregando um detendo desacordado. A vítima foi deixada no Hospital Luís Eduardo Magalhães, em Porto Seguro, e morreu por traumatismo craniano. As informações são do Correio

Dois morrem e 18 mil pés de maconha são erradicados em operação da PF no Norte da Bahia

/ Polícia

Pés de maconha foram alvos de operação. Foto: Polícia Federal

Duas pessoas morreram durante a ”Operação Baraúna 2”, da Polícia Federal, no norte da Bahia na quinta-feira (8/6). A ação que começou no dia 4 de junho, foi finalizada na quinta-feira e erradicou 18 mil pés de maconhas em cidades da região, como Juazeiro, Curaça, Ireçê, Xique Xique e João Dourado. Segundo o G1, não há detalhes do local onde as pessoas morreram. De acordo com a PF, ninguém foi preso. A ”Baraúna 2” deu continuidade à ação da PF para erradicar plantações de maconha no norte da Bahia. Na primeira fase, mais de 105 mil pés de maconha foram erradicados. Ninguém foi preso na primeira etapa da ação. A operação ainda teve o apoio da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e do Exército.

Policial civil é preso pela PRF suspeito de integrar quadrilha de roubo de carga

/ Polícia

Policial faz a prisão de um dos 19 suspeitos. Foto: Divulgação/MP

Um policial civil está entre os 19 presos presos da operação ”Desvio de rota”, de combate de roubo de cargas que movimentou cerca de R$ 4 milhões. A ação, entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Ministério Público da Bahia foi realizada nesta terça-feira (6). Uma pessoa foi conduzida coercitivamente. Entre os suspeitos presos, um mineiro e um paulista foram encontrados na região de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, transportando carga roubada. Os outros 17 são baianos e foram presos em Salvador, Lauro de Freitas, Aratuípe e Feira de Santana. O policial civil que foi preso facilitava a ação dos bandidos, segundo informou o MP. Não há detalhes sobre os procedimentos institucionais que serão tomados contra o policial. Além das prisões, a polícia também apreendeu R$ 500 mil quinhentos mil, produtos e veículos em casas, galpões e mercadinhos envolvidos no esquema. Outros integrantes da quadrilha, ainda estão sendo procurados. Durante uma coletiva de imprensa na sede do MP-BA, em Salvador, na tarde desta terça-feira, promotores envolvidos na ação informaram que o grupo agia desde 2015. ”Tinham as pessoas responsáveis por cooptar os funcionários das empresas, para fornecer informações sobre as cargas que estavam saindo, responsáveis por executar o roubo, as pessoas responsáveis por trazer essa mercadoria até os galpões, por negociar essas cargas com os receptadores, além daqueles que facilitavam fornecendo as informações [aos criminosos]”, explicou a promotora Lolita Lessa. A operação foi o desfecho de um trabalho que começou há dois anos, com investigações da Polícia Rodoviária Federal. As informações são do G1

Homem mata jovem por ser chamado de maloqueiro e receber desenho de caveira com cachimbo

/ Polícia

Lázaro matou jovem em Salvador. Foto: Ramon Ferraz/TV Bahia

O lavador de carros José Lázaro Lima dos Santos, de 34 anos, que foi preso suspeito de matar um adolescente com golpe de faca, no bairro de Nazaré, em Salvador, confessou o crime e disse que cometeu o homicídio por ter sido chamado de ”maloqueiro de rua” pela vítima. Ele afirmou não ter gostado das repetidas ofensas e disse, ainda, que achou que o garoto queria forçá-lo a usar crack depois de um desenho feito pela vítima para ele de uma caveira fumando cachimbo. As informações foram divulgadas pela Polícia Civil, durante apresentação do suspeito à imprensa, na tarde desta sexta-feira (2), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e publicadas no site G1. O crime ocorreu na manhã desta sexta. Após ser atacado, Douglas Bento de Bittencourt correu para dentro de um supermercado da rede Bompreço para buscar socorro. O jovem, no entanto, não resistiu aos ferimentos. O mercado ficou fechado durante a manhã e o atendimento foi retomado ao meio-dia. Segundo a Polícia Civil, Douglas costumava pedir dinheiro na frente do supermercado e José lavava e guardava carros na mesma região. A faca utilizada no crime foi apreendida e encaminhada à perícia do Departamento de Polícia Técnica (DPT). O suspeito foi preso horas após o crime, no mesmo bairro, por policiais da 2ª Companhia Independente da Polícia Militar. Ele foi apresentado à imprensa pelas delegadas Pilly Dantas e Patrícia Britto, da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/BTS), que investigam o caso. Conforme a investigação, José Lázaro é suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas em Nazaré e já responde por tentativa de homicído, furto e agressão contra um traficante conhecido como Bebeto, ocorrida há seis anos em Itinga, em Lauro de Freitas, na região metropolina de Salvador. José Lázaro foi autuado em flagrante por homicídio e encaminhado ao Complexo Policial da Baixa do Fiscal.