Policiais civis se reúnem nesta quarta e reforçam possibilidade de paralisação no Carnaval

/ Polícia

Nesta quarta-feira(19), a partir das 9h, policiais penais e civis realizam Assembleia Extraordinária Unificada, na Faculdade Visconde de Cairu, nos Barris, em Salvador, ocasião em que deliberarão sobre a intensificação da ”Operação Legalidade” das duas categorias, ações e mobilizações que serão promovidas durante o Carnaval, com possibilidade de paralisação durante a festa momesca.

A meta inicial é traçar estratégias que visem abrir o diálogo com o Governo do Estado, mas já antecipam que a operação ocorrerá e o número de policiais, consequentemente, será reduzido. Após a Assembleia, os policiais sairão em caminhada em direção à praça da Piedade.

”Vamos intensificar a Operação Legalidade durante o carnaval, isso significa fazer só o que a Lei manda e da forma como a Lei manda. É trabalhar obedecendo a legalidade. Os apenados só serão atendidos se tivermos a proporção de efetivo estabelecida pelo Procedimento Operacional 02 da SGP/ SEAP. O Policial Penal deve trabalhar orientado pela Lei de Execução Penal (LEP), pelos Procedimentos Operacionais da SGP/ SEAP, pelo Estatuto dos Servidores Penitenciários do Estado, em obediência irrestrita a esses instrumentos normativos e outras legislações vigentes”, esclareceu Reivon Pimentel, presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários(SINSPEB).

Conforme ele, o movimento existe diante da necessidade de sanar com urgência o déficit que existe de Policial Penal e a necessidade, em caráter emergencial, de abertura de Concurso Público para corrigir o baixo e insuficiente quantitativo de Policiais Penais que trabalham no Sistema Prisional baiano.

O sindicalista salienta que o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) recomenda que na construção de unidades prisionais destinadas à custódia de presos provisórios ou condenados ao regime fechado, seja obedecida uma proporção de cinco presos para cada Policial Penal, quantitativo de servidores que as Unidades Prisionais deveriam possuir.

”Infelizmente, na Bahia, temos, atualmente, 12.318 apenados nas condições supracitadas e para cumprirmos a recomendação do Conselho Nacional seriam necessários 2.464 Policiais Penais por plantão de 24 horas. Mas, infelizmente, temos menos de 10% desse quantitativo” lamentou Pimentel, justificando a Operação Legalidade. *Por Fernanda Chagas/Política Livre

Folião é detido no pré-carnaval de Salvador usando fantasia com folha da maconha em brasão da PM

/ Polícia

Indivíduo foi preso pela PM no Furdunço. Foto: Reprodução

Um homem foi detido usando uma fantasia com a logo da Polícia Militar da Bahia (PM-BA) durante o Furdunço, evento pré-carnavalesco que aconteceu neste domingo (16), no circuito Orlando Tapajós, entre Ondina e a Barra, em Salvador. O folião usava um colete com a folha da maconha no lugar do brasão da PM-BA.

Além disso, o traje continha um adesivo com a frase ”Permitido Maconha, Bora Apertar” fazendo alusão à sigla PM-BA.

Em nota enviada à reportagem, a Polícia Militar informou que ”por volta das 19h45, policiais militares da 11ª CIPM que realizavam patrulhamento na rua Barão de Itapuã, na Barr, observaram um homem trajando vestes que fazem  apologia à maconha e usando indevidamente uma insígnia alterada da Polícia Militar da Bahia”.

Ainda segundo a nota, a patrulha fez a condução do homem até o posto policial da Polícia Civil, no circuito da festa. As informações são do site BNews

 

Dois homens são presos com mais de 4kg de drogas após carro em que estavam capotar na BR-030

/ Polícia

Polícia encontrou maconha e cocaína no carro. Foto: Polícia Militar

Dois homens foram presos e mais de quatro quilos de droga apreendidos após o carro em que os suspeitos estavam capotar, na manhã deste sábado, em Palmas de Monte Alto, no sudoeste da Bahia.

De acordo com a Polícia Militar (PM), por volta das 6h, os policiais receberam a informação de um acidente na BR-030. Ao chegarem ao local, os policiais localizaram o veículo que havia capotado e iniciaram uma averiguação no interior do automóvel. No carro, foram encontrados 3,788 kg de maconha e 522g de cocaína.

Os dois suspeitos, de 30 e 19 anos, moradores de Carinhanha, foram socorridos por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) com ferimentos leves e levados para o Hospital de Palmas de Monte Alto.

Na unidade de saúde, eles ficaram sob a custódia da Polícia Militar, para serem apresentados na delegacia por tráfico de drogas. As drogas apreendidas foram apresentadas na sede da Coordenadoria de Polícia do Interior em Guanambi.

Homens são presos pela PRF com 70 Kg de maconha em ônibus interestadual na BR-116

/ Polícia

Dois homens foram presos em flagrante por tráfico de drogas, após agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) encontrarem 70 kg de maconha escondidos nas malas de viagem em um ônibus de turismo que ia de São Paulo para Natal. O caso aconteceu durante uma fiscalização da PRF no km 828 da BR-116, em Vitória da Conquista, no Sudoeste baiano.

De acordo com a PRF, agentes abordaram um ônibus que saiu de São Paulo (SP) com destino a Natal (RN). Eles abordaram os ocupantes do ônibus, quando perceberam um ”nervosismo incomum em dois passageiros que estavam sentados próximos”.

O órgão informou que durante conversa com os policiais, os suspeitos apresentaram informações inconsistentes sobre o destino e motivo da viagem, o que levou a equipe a aprofundar a fiscalização no ônibus.

Na bagagem de um dos passageiros, foram encontrados 45 quilos de maconha. Aos PRFs, ele disse que conseguiu a droga em Uberlândia (MG) e entregaria na rodoviária de Recife (PE). O suspeito ainda informou que receberia R$ 2 mil pelo transporte do entorpecente.

Durante a vistoria, também foram encontrados na bagagem do segundo passageiro mais 26 pacotes da droga. Questionado, o suspeito, natural de Ibipeba, na Bahia, disse que também receberia R$ 2 mil para levar a droga de Uberlândia até a capital pernambucana.

Os suspeitos receberam voz de flagrante delito e a ocorrência foi apresentada com o produto apreendido na Delegacia de Polícia Civil em Vitória da Conquista (BA), para adoção das providências cabíveis. Eles responderão na Justiça pelo crime de tráfico de drogas.

Casa onde miliciano foi morto é arrombada e mala de ex-tenente do Bope roubada, diz site

/ Polícia

Quarto onde Adriano estava dormindo. Foto: Marina Silva/Correio

Para o site Correio da Bahia, mistérios ainda cercam a morte do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, 43 anos, baleado por policiais baianos no último domingo (9), na cidade de Esplanada, no Nordeste baiano. Um deles é o paradeiro da mala do ex-integrante do Bope do Rio de Janeiro e chefe do Escritório do Crime.

A bagagem foi dada como desaparecida na manhã desta quinta-feira (13), após a constatação do arrombamento do sítio onde Adriano foi localizado e, posteriormente, teria reagido ao cerco policial, conforme publicou o Correio.

”Estive aqui ontem (quarta) e deixei tudo como estava após a ação da polícia. Não limpei nada. A mala estava no quarto usado por ele (Adriano) e hoje quando cheguei cedo, encontrei a porta escancarada e a mala não estava”, disse ao Correio um amigo do proprietário do imóvel, o vereador da cidade Gilson Lima (PSL), irmão do vice-presidente da Assembleia Legislativa (Alba), deputado estadual Alex Lima (PSB).

Cipe Central recupera em Jequié automóvel Ford Facus que foi tomado de assalto no Mandacaru

/ Polícia

Ford Focus foi encontrado no bairro KM 4. Foto: Divulgação

A Companhia Independente de Policiamento Especializado – Cipe Central recuperou, em Jequié, um automóvel modelo Ford Focus de placa JLI-4610 que havia sido tomado de assalto.

Conforme a Cipe, o carro foi encontrado quando a guarnição realizava patrulhamento na região do bairro KM 4 e o Focus estava parado nas proximidades das obras da Ferrovia Oeste Leste, nesta quarta-feira.

Ainda de acordo com a Cipe, o carro havia sido tomado de assalto no último dia (08/02) no bairro Mandacaru e foi apresentado na Delegacia de Jequié. Os autores não foram encontrados.

Mais de mil comprimidos de ecstasy e 20 kg de maconha são apreendidos em ônibus na BR-116

/ Polícia

Jovem receberia R$ 3 mil para transportar a droga. Foto: PRF

Um jovem de 19 anos foi preso com 1,5 mil comprimidos de ecstasy e cerca de 20kg de maconha na tarde de quarta-feira (12), na BR-116, trecho da cidade de Vitória da Conquista.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o jovem seguida em um ônibus que saiu de Florianópolis (SC) para Fortaleza (CE), quando o veículo foi abordado pelos agentes na rodovia.

Durante a fiscalização, os policiais perceberam o nervosismo do jovem e informações desencontradas. Após os policiais realizarem uma revista minuciosa nas bagagens foram encontrados 37 tabletes de maconha e os comprimidos de ecstasy.

Questionado, o passageiro informou aos agentes que recebeu a droga em Florianópolis e que foi contratado por R$ 3 mil para fazer o transporte dos entorpecentes até a capital cearense.

Diante da situação, foi dada voz de prisão em flagrante e o jovem foi apresentado na Delegacia de Vitória da Conquista. Inicialmente, ele responderá pelo crime de tráfico de drogas, que tem pena prevista de cinco a 15 anos de prisão.

Miliciano Adriano da Nóbrega foi atingido por dois disparos, diz laudo da Polícia Técnica

/ Polícia

Adriano Magalhães Nóbrega era procurado. Foto: Reprodução

O laudo necropsial do corpo do miliciano Adriano Magalhães Nóbrega – morto no domingo (9), no município Esplanada -, aponta que o foragido da Justiça foi atingido por dois disparos. De acordo com o Departamento de Polícia Técnica (DPT), ele foi baleado na região do tórax e entre o pescoço e clavícula.

Adriano da Nóbrega é apontado como chefe do Escritório do Crime, grupo de milicianos que controla a comunidade de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro. Ele também era suspeito de envolvimento com a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018. Ele foi morto durante uma operação conjunta entre as polícias baiana e fluminense e, desde então, as circunstâncias da morte são refutadas junto à SSP-BA.

”“Os resultados dos outros laudos, assim que finalizados, serão entregues ao Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), que apura o caso”, completou o diretor da pasta, Élson Jeffesson.

O perito criminal acrescentou ainda que o DPT analisa um escudo do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) que acabou danificado durante a ação. Em depoimento, militares afirmaram que Adriano disparou duas vezes com uma pistola austríaca calibre 9mm, mas que o equipamento de proteção preservou a guarnição.

A perícia da Coordenação de Engenharia Legal vai atestar, segundo Jeffesson, qual material causou os danos no escudo.

”Olhando preliminarmente enxergamos duas marcas provenientes de impactos relevantes. As equipes agora analisarão se existem fragmentos de chumbo ou cobre, presentes em projéteis”, concluiu o diretor do DPT.

Policia investiga se miliciano tinha esquema de lavagem de dinheiro em cidades baianas

/ Polícia

A polícia da Bahia investiga se o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, morto em ação policial na Bahia, participava de algum esquema de lavagem de dinheiro em Mata de São João, na região metropolitana de Salvador, e também em Esplanada. A informação foi divulgada pela Secretária de Segurança Pública (SSP-BA), nesta quarta-feira (12).

Também nesta quarta, a funerária da cidade de Alagoinhas, a cerca de 100 Km de Salvador, onde o corpo de Adriano estava, afirmou que o corpo foi transferido para o Rio de Janeiro em um voo que decolou por volta das 23h de terça-feira (11).

De acordo com a SSP, o objetivo da investigação, coordenada pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), é apurar se houve algum tipo de investimento, compra ou transação que caracterize o crime investigado, além de outros tipos de ato ilícito.

Adriano foi morto em um confronto com policiais militares no domingo (9), em um sítio na zona rural de Esplanada, a cerca de 168 km de Salvador. O sítio pertence a um vereador do PSL na Bahia, que em nota afirmou não conhecer Adriano.

O vereador Gilson Neto disse ainda que solicitou à Secretaria de Segurança Pública da Bahia brevidade nas investigações e destacou que está à disposição das autoridades competentes ”para colaborar para que os fatos sejam esclarecidos com máxima brevidade”.

Após investigações do serviço de inteligência do Rio de Janeiro, o segurança do miliciano, Leandro Abreu Guimarães – solto nesta quarta-feira (12), após pagar uma fiança no valor de R$3 mil- foi achado pela polícia em uma casa distante alguns quilômetros do sítio.

Segundo Maurício Barbosa, secretário de Segurança Pública da Bahia, que conversou com a imprensa na segunda-feira (10), o segurança contou aos policiais que não sabia do histórico de crimes do miliciano.

Secretário de Segurança defende ação contra miliciano e pede respeito à Polícia da Bahia

/ Polícia

Secretário Maurício Barbosa. Foto: Alberto Maraux – Ascom SSP

O secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, destacou o profissionalismo das equipes envolvidas no confronto contra o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega. O criminoso, procurado internacionalmente, foi localizado na cidade baiana de Esplanada, no domingo.

Em vídeo divulgado nesta segunda-feira (10), o secretário destacou que a SSP agirá com máxima agilidade e total transparência. Lamentou o fato de o caso estar sendo usado por alguns de forma política e exigiu respeito ao trabalho da polícia.

”Estávamos diante de uma pessoa de alta periculosidade, envolvidos em diversos crimes e com treinamento de tiro, pois chegou a ser um policial de operações especiais. Óbvio que queríamos efetuar a prisão, mas jamais iríamos permitir que um dos nossos ficasse ferido ou saísse morto do confronto”, enfatizou Barbosa.

O secretário acrescentou também que as equipes envolvidas agiram da melhor forma. ”Temos que reconhecer a coragem e técnica dos policiais militares baianos destacados nessa missão”, disse.

O chefe da pasta baiana falou ainda que o confronto, como qualquer outro que ocorre, é apurado pela Corregedoria e que o inquérito será divulgado assim que concluído.

Miliciano Adriano da Nóbrega mudou de esconderijo na véspera de sua morte, diz fazendeiro

/ Polícia

Adriano Magalhães da Nóbrega

Dono na fazenda onde o ex-capitão do Bope, Adriano Magalhães da Nóbrega, acusado de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco,ficou escondido por meses antes de ser morto em ação policial neste domingo (9), Leandro Abreu Guimarães, revelou, em depoimento na Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), detalhes sobre a véspera da operação policial que culminou na morte do miliciano.

”Aquele (Adriano) exigiu sob ameaça de morte ao interrogado e familiares, que o interrogado o levasse a um dos sítios que o mesmo tinha visitado, tendo o interrogado atendido aquele, deixando-o no sítio, onde aquele reiterou as ameaças para que o interrogado não declarasse a localização do mesmo para ninguém”.

Em outro trecho, citou também ter visto Adriano nervoso na véspera da operação policial: ”na data de ontem (8 de fevereiro) o interrogado viu Adriano teclando no aparelho celular e mostrava-se bastante nervoso”. O fazendeiro perguntou o que estava acontecendo e o ex-capitão do Bope, então, o ameaçou exigindo ser levado para o sítio.

O fazendeiro está preso por causa de armas encontradas em sua pripriedade, local onde Adriano ficou escondido durante três meses. Leandro informou a polícia ter conhecido o ex-militar em vaquejadas na Bahia e em Sergipe. Declarou ainda que Adriano chegou à Esplanada com a família dizendo estar de férias, no fim de 2019. Adriano teria pedido para conhecer propriedades na região, afirmando está interessado na compra. As informações são do site Bahia Notícias

Advogado é preso em Salvador em ação contra golpe milionário em plano de saúde

/ Polícia

O advogado Daniel Ângelo de Paula foi preso em Salvador hoje (10), em uma operação para desarticular uma quadrilha suspeita de aplicar um golpe milionário contra uma empresa de plano de saúde, a Unimed de Petrópolis (RJ).

A operação ”Palhares” é comandada por agentes da Delegacia de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, e promotores do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio de Janeiro.

No total, foram cinco mandados de prisão expedidos. Até o início da manhã, de acordo com o G1, além de Daniel, outros dois advogados já haviam sido presos: Edilson Figueiredo de Souza, em Brasília, Darcy José Royer, em Uberlândia, Minas Gerais.

Também alvo de mandado, o suspeito Márcio Duarte de Miranda, genro da desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) Maria do Socorro, já estava preso desde novembro por suspeita no esquema de venda de sentença no TJ-BA, a Operação Faroeste.

Os agentes ainda tentam cumprir mandados contra outro advogado. 

De acordo com as investigações, um dos golpes praticados pelo grupo causou um prejuízo de R$ 17,6 milhões à Unimed de Petrópolis.

A fraude consistia em vender para empresas créditos da Receita Federal, que não existiam na verdade, Os dados falsos eram inseridos no sistema e os empresários eram enganados.

Daniel é suspeito de ser o operador financeiro da organização criminosa, com a função de receber e dar destino a grande parte do dinheiro pago pela Unimed à quadrilha.

Nos endereços onde os suspeitos foram presos, a polícia localizou muitas jóias e artigos de luxo. Conforme a investigação, entre os anos de 2012 e 2019, eles movimentaram R$ 400 milhões em suas contas bancárias.

Os presos são suspeitos dos crimes de estelionato, falsificação de documentos, organização criminosa e lavagem de dinheiro. A Justiça determinou o bloqueio de bens e sequestro dos valores nas contas bancárias dos suspeitos. Metro1

Miliciano morto por polícia baiana estava em sítio de irmão do deputado estadual Alex Lima

/ Polícia

Deputado estadual Alex Lima. Foto: Reprodução/Assembleia

O miliciano Adriano da Nóbrega, que morreu na manhã deste domingo (9) após uma operação das polícias da Bahia e do Rio de Janeiro, estava escondido no sítio de um vereador do PSL de Esplanada (BA), município de 37 mil habitantes a 160 km de Salvador.

A casa é de Gilson Batista Lima Neto, conhecido como Gilsinho da Dedé. Ele disse que a propriedade estava vazia, que não tinha qualquer relação com o ex-policial militar e que só soube da operação porque um vizinho lhe telefonou para avisar da movimentação.

”Estou em Recife desde terça e hoje pela manhã recebi uma ligação de um vizinho dizendo que estava tendo um assalto, que a polícia estava atrás. Tentei entrar em contato com outras pessoas que estavam lá, comecei a receber mensagens sobre o acontecido e depois pela mídia soube que era esse Adriano”, disse ele por telefone à Folha.

Gilsinho afirma que logo depois ligou para o delegado da cidade para confirmar se era mesmo o seu sítio e perguntar se ele precisava de alguma informação, mas teria ouvido dele que a operação era da polícia especializada da Secretaria de Segurança Pública e que não tinha detalhes.

Um vídeo obtido pela reportagem mostra o interior da casa de Gilsinho após a operação da polícia. Os cômodos têm poucos móveis e a casa está bagunçada. Na sala, há uma grande poça de sangue no chão que se estende em direção a um quarto.

Nesse quarto, há um colchão no chão, algumas roupas, mesas e cadeiras de plástico, um ventilador e outros objetos. No quarto ao lado, há várias sacas empilhadas, encostadas na parede. ”Tinha gente aí, não tinha?”, diz a pessoa que faz a gravação, não identificada.

Gilsinho confirmou que a casa retratada no vídeo é sua. ”É um sitio pequeno, não tem caseiro. Só tem essa casa como um depósito de sal, essas coisas. É minha desde, se não me engano, 2014. Tem um capinzinho, de vez em quando bota um gado. Não costumo ir pra lá”, conta ele.

A última vez que o vereador esteve no sítio, diz, foi há 15 ou 20 dias. ”Inclusive não tem estrutura de casa de frequentar. Não tem cama, não tem essas coisas. Só passo quando tem alguma coisa, nunca dormi lá.” Da Folhapress

Suspeito da morte de Marielle, ”Miliciano” ligado a Flávio Bolsonaro é morto por polícia baiana

/ Polícia

O ex-policial militar Adriano foi morto a tiros. Foto: Reprodução

O ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como ”capitão Adriano”, foi morto em uma troca de tiros com a polícia na manhã deste domingo, em Esplanada, no interior da Bahia. Foragido desde janeiro do ano passado, ele é apontado como chefe do ”Escritório do Crime”, milícia suspeita pela morte da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes, assassinados em março de 2018.

Adriano trabalhou no 18º Batalhão da PM com Fabrício Queiroz, o ex-assessor de gabinete de Flávio Bolsonaro, investigado por lavagem de dinheiro no esquema de ”rachadinha” na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj). A mãe e a filha de Nóbrega trabalhavam no gabinete do filho do presidente e teriam sido contratadas por Queiroz. Segundo o Ministério Público, o milicano ficava com parte do pagamento delas.

Após receber informações que Nóbrega estava na Bahia, equipes do Serviço de Inteligência da polícia do Estado passaram a monitorá-lo. Há duas semanas, policiais fizeram uma busca em uma mansão na Costa do Sauípe, no Litoral da Bahia, onde encontraram apenas documentos falsos. O miliciano teria fugido antes da chegada dos policiais.

Neste domingo, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Nóbrega trocou tiros com os policiais. Baleado, ele foi socorrido em um hospital da região, mas não resistiu. Com o foragido foi encontrada uma pistola austríaca calibre 9mm.

”Buscamos efetuar a prisão, mas o procurado preferiu reagir atirando”, afirmou o secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa.

Apesar de ser suspeito de participar da morte de Marielle, ”capitão Adriano” era procurado pela Justiça por causa de outro crime. Ele foi denunciado pelo Ministério Público por atuar com grilagem de terras; compra, venda e aluguel irregular de imóveis; cobrança irregular de taxas da população local; e extorsão e na receptação de mercadoria roubada em Rio das Pedras.