Roberto Jefferson, Luciano Hang e ativistas bolsonaristas são alvos de operação da PF

/ Polícia

Hang está incluso no inquérito das fake news. Foto: Reprodução

A Polícia Federal cumpre 29 mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira (27) no chamado inquérito das fake news, que apura ofensas, ataques e ameaças contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). O ex-deputado Roberto Jefferson, o empresário Luciano Hang, assessores do deputado estadual paulista Douglas Garcia (PSL) e ativistas bolsonaristas estão entre os alvos.

O principal foco da operação é um grupo suspeito de operar uma rede de divulgação de notícias falsas contra autoridades, além de quatro possíveis financiadores dessa equipe.

As ordens judiciais estão sendo cumpridas no Distrito Federal, nos estados do Rio de Janeiro, em São Paulo, no Mato Grosso, no Paraná e em Santa Catarina.

O inquérito criminal para apurar “notícias fraudulentas”, ofensas e ameaças que ”atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares” foi aberto em março de 2019, pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. Toffoli nomeou Moraes como instrutor do processo.

A abertura de inquérito ”de ofício” e a ausência de sorteio do relator, escolhido por Toffoli, geraram críticas no Ministério Público Federal e no meio jurídico – dez ações foram apresentadas ao Supremo contra o inquérito e aguardam julgamento.

O Supremo diz que o regimento da Corte permite a abertura de investigações para apurar crimes cometidos dentro da instituição – no caso, os ministros são a instituição em qualquer lugar que estejam, defende o STF. E diz que o regimento permite a designação de juiz para conduzir a apuração.

O inquérito deveria ter terminado em janeiro de 2020, mas foi prorrogado por seis meses.

(Com informações do portal G1 e do jornal Folha de S. Paulo)

PF encontra contrato de empresa investigada com primeira-dama do Rio, que vira alvo de operação

/ Polícia

Helena Witzel passa a ser alvo de operação. Foto: Reprodução

A primeira-dama do Rio, Helena Witzel, também é alvo da operação da manhã desta terça (26), autorizada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

A Polícia Federal encontrou um contrato do escritório de advocacia dela com uma empresa investigada.

A ação é a segunda fase da operação Favorito, deflagrada no dia 14 de maio, que mira um suposto esquema de desvios de recursos públicos na área da saúde.

A PF cumpre 12 mandados de busca e apreensão, um deles no Palácio das Laranjeiras, residência oficial em que mora o governador Wilson Witzel (PSC).

PMs, bombeiros e agentes civis do Estado da Bahia recebem 10 mil pistolas austríacas

/ Polícia

Dez mil pistolas Glock foram entregues, nesta quinta-feira (7), às polícias Militar, Civil, Técnica e ao Corpo de Bombeiros, pelo secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, em solenidade simbólica realizada na Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP), em Salvador. O investimento é de R$ 21 milhões e, segundo o secretário, vale para ”combater a criminalidade”.

Ainda conforme a pasta, a entrega não reuniu servidores, apenas representantes de cada órgão que recebeu o equipamento, para não haver aglomeração e evitar a propagação da Covid-19. Também foram entregues seis novas viaturas, sendo quatro para a Ronda Maria da Penha, uma para a Ronda Escolar e outra para o Batalhão de Polícia Rodoviária.

”É um dia muito especial para a segurança pública em geral, pois conseguimos entregar uma das pistolas consideradas mais seguras do mundo para equipar as nossas forças de segurança. Foi um longo processo para a conclusão da compra e agradecemos ao governador Rui Costa pelo recurso. A Bahia é pioneira na aquisição de um lote deste tamanho com recursos próprios”.

O secretário comentou que realizou uma visita à fábrica da Glock, na Áustria, onde verificou a qualidade e a durabilidade da arma e a linha de produção, além de testar o armamento. ”Isso nos deu muita segurança para realizar a compra. A Polícia Militar está recebendo seis mil pistolas; a Polícia Civil, cerca de 3,5 mil armas. Esse é um primeiro passo para que esse armamento chegue a todo o nosso efetivo”.

Barbosa acrescentou também que a compra também tem como objetivo preservar vidas. ”A intenção é preservar vidas e reduzir a criminalidade. Para isso buscamos o que há de melhor no mercado para oferecer aos nossos policiais”.

Polícia Federal vai tentar identificar youtubers em inquérito sobre ato pró-intervenção militar

/ Polícia

Bolsonaro discursa para apoiadores em Brasília. Foto: Reprodução

A Polícia Federal vai rastrear endereços eletrônicos para identificar responsáveis por convocar manifestações em favor de intervenção militar nos Poderes e de outras pautas antidemocráticas. O pedido foi feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e autorizado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, ao abrir inquérito para apurar quem, eventualmente, organiza e financia os eventos.

Na mira da PF estão, além dos deputados Daniel da Silveira (PSL-RJ) e Cabo Junio Amaral (PSL-MG), citados no pedido para instaurar a investigação, youtubers bolsonaristas que chamaram público para atos com pleitos que afrontam a Constituição e a Lei de Segurança Nacional. Aras solicitou inquérito ao Supremo após atos em várias localidades do país pedirem, em 19 de abril, dia do Exército, uma intervenção das Forças Armadas para interromper mandatos de congressistas e retirar de seus cargos ministros do Supremo.

Os manifestantes também reivindicavam a reedição do ato institucional número 5 (AI-5), de 1968, o mais radical da ditadura militar, que viabilizou a censura. Em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compareceu a um dos eventos. Diante do quartel-general do Exército, gritou palavras de ordem como ”agora é o povo no poder” e ”não queremos negociar nada”.

A Constituição proíbe o financiamento e a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado democrático de Direito. Prevê como crimes inafiançáveis e imprescritíveis essas ações. Já a Lei de Segurança Nacional diz que é crime fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social. Também veda incitar a subversão da ordem política ou social.

Levantamento da Folha nas redes sociais identificou ao menos dez movimentos com pleitos que vão da prisão de congressistas e de ministros do Supremo pelos militares ao extermínio de ativistas políticos considerados inimigos. Guru da ala ideológica do governo, Olavo de Carvalho compartilhou no Facebook, no dia em que Bolsonaro foi ao ato pró-golpe, vídeo do canal de Youtube Direita TV News, de Marcelo Frazão.

Um dos principais defensores do regime militar nas redes sociais, ele se diz cientista e professor de ensino superior, no entanto não indica em qual instituição. Frequentemente compartilhado por Olavo de Carvalho, tem 155 mil seguidores no Youtube e costuma afirmar que o país vive uma ditadura comunista desde a saída do último presidente militar, em 1985.

No vídeo compartilhado dia 19, entre menções a Deus e palavrões, Frazão estimula as pessoas a fazerem faixas e irem às ruas para pedir intervenção das Forças Armadas com Bolsonaro no poder. ”Cadeira elétrica, pena de morte, injeção letal para criminosos comunistas no Brasil”, sugere no vídeo publicado por Olavo. Nas redes sociais, Frazão tem fotos com o presidente e seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Quem segue a Carta Magna de 1988, segundo ele, é inimigo do país. ”Já expliquei um milhão de vezes que não tem que seguir a Constituição.”

Procurado pela Folha, Frazão não quis dar entrevista.

Uma página no Facebook, Intervencionistas no Congresso, também prega explicitamente o golpe militar e, entre outras pautas, já faz campanha para que o major Adriano da Costa e Silva se eleja prefeito de São Paulo. Candidato da Democracia Cristã ao Governo de São Paulo derrotado em 2018, ele tem parentesco distante com o general Artur da Costa e Silva, segundo presidente do Brasil na ditadura militar (1967 a 1969).

O responsável pela página é Davi Benedito dos Santos, que se identifica como empresário e líder de um grupo que, em 16 de novembro de 2016, ganhou notoriedade por quebrar a porta de vidro e invadir o plenário da Câmara dos Deputados por algumas horas.

Nas redes sociais, ele posta vídeos em manifestações, pedindo uma solução para o país, na qual o Exército agiria para tirar dos cargos alguns congressistas e ministros do STF, considerados corruptos. ”O povo está aqui pedindo que as Forças Armadas assumam o controle do país com Bolsonaro no poder. A guerra é violenta, a guerra é forte. Eles são terroristas, não valem nada”, diz numa postagem.

Procurado pela Folha, Santos negou que o Intervencionistas no Congresso incite a violência e a quebra da ordem. ”O movimento que eu comando é pacífico. Vai, no máximo, invadir lá, tirar os caras de lá na boa. Se vier para cima, vai tomar porrada”, declarou.

Questionado sobre o inquérito no Supremo e sobre possível ilegalidade em suas postagens, ele afirmou que as ideias veiculadas são democráticas e que tem o direito de tentar consertar o Brasil. Disse ainda não temer eventual reação das autoridades à ações do movimento. ”Que venha. Se tiver de prender, prende [sic]. Foda-se! Tem de matar, mata. Só que depois tem de aguentar as consequências . Violência gera violência.”

O deputado Daniel Silveira confirma que participou das manifestações, mas diz que não ajudou na organização nem pediu intervenção militar. ”De maneira alguma foi ato antidemocrático, ninguém pediu AI-5, salvo, talvez, um indivíduo ou outro solto na multidão. Nenhum deputado solicitou isso.”

O deputado Cabo Junio Amaral também afirma que não defendeu a intervenção militar nem organizou os protestos. Ele diz não temer as consequências das investigações. ”Em nenhum momento falei de AI-5 ou de intervenção. Se pensam que vão me prejudicar ou intimidar, estão muito enganados, só vai dar ainda mais publicidade para mim”, diz.

VEJA PERGUNTAS E REPOSTAS SOBRE O INQUÉRITO
O que será investigado? Por quem?
Será apurado quem organizou e se houve financiamento dos atos contra a democracia realizados em algumas cidades do país no último dia 19. A investigação mira empresários e ao menos dois deputados federais bolsonaristas (os nomes não foram revelados porque o processo corre sob sigilo). A apuração será feita pela PGR, com autorização do STF

O que diz a lei?
A Constituição proíbe o financiamento e a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado democrático de Direito. Prevê como crimes inafiançáveis e imprescritíveis ações desse tipo, promovidas por grupos armados, civis ou militares. Já a Lei de Segurança Nacional diz que é crime fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social. Também veda incitar a subversão da ordem política ou social; a animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis; e a luta com violência entre as classes sociais

O presidente Jair Bolsonaro, que participou do ato em Brasília, é alvo do inquérito?
Não. No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral, Augusto Aras, não cita o presidente como um dos possíveis organizadores ou financiadores. Interlocutores de Aras alertam, no entanto, que, caso sejam encontrados indícios de que o chefe do Executivo ajudou a organizá-los, ele pode vir a ser alvo

O que o presidente fez?
Bolsonaro participou de um ato em Brasília em que os manifestantes defendiam pautas inconstitucionais, como uma intervenção das Forças Armadas nos Poderes, o fechamento do Congresso e do Supremo, além da reedição do Ato Institucional número 5 (AI-5), o mais radical da ditadura militar. Ele subiu numa caminhonete e gritou palavras de ordem como “não queremos negociar nada”

O presidente pode ser investigado? Por quem?
O presidente pode ser investigado pela Procuradoria-Geral da República, mediante aval do STF

CRIMES DA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL
Artigo 16
Integrar ou manter associação, partido, comitê, entidade de classe ou grupamento que tenha por objetivo a mudança do regime vigente ou do Estado de Direito, por meios violentos ou com o emprego de grave ameaça
Pena de 1 a 5 anos de prisão

Artigo 17
Tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito
Pena de 3 a 15 anos de prisão

Artigo 23, incisos I, II e III
Incitar à subversão da ordem política ou social; à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis; à luta com violência entre as classes sociais
Pena de 1 a 4 anos de prisão

Gandu: Ação da Polícia Militar prende 4 homens e apreende 20 kg de maconha na BR-101

/ Polícia

Uma ação prendeu quatro homens e apreendeu 20 quilos de maconha na madrugada desta sexta-feira (24) perto de Gandu, no Baixo Sul do estado. A droga seria levada para Itabuna, no sul baiano. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), um veículo Corsa trafegava na BR-101, no trecho conhecido como Pedreira, quando foi abordado por policiais.

Na varredura no veículo, os policiais encontraram dentro de uma mala oito pacotes do entorpecente in natura, somando 20 quilos no total. Conforme o comandante da 60ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), major Francisco Moreira, o ocupante do veículo, já detido, contou que outros comparsas, em um Astra, faziam a segurança do material. Eles também foram presos.

”Eles saíram de Salvador com destino ao município de Itabuna”, contou o oficial. Além da droga, os policiais também apreenderam quatro celulares e R$ 86. Os acusados, os veículos e o material apreendido foram levados para a Delegacia Territorial de Gandu.

A ação envolveu policiais das 60ª e 66ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPMs/ Gandu e Ubaitaba), a Companhia Independente de Policiamento Especializado/Cipe) Central e a Polícia Federal.

Escrivã da polícia é assaltada em Jequié e assaltantes levam bolsa e pistola da vítima

/ Polícia

Uma escrivã da Polícia Civil de Jequié foi vítima de assaltantes nesta quinta-feira (23). De acordo com publicação do Blog Júnior Mascote, a escrivã, que não teve a identidade revelada teve a sua bolsa levada pelos criminosos e dentro continha uma pistola .40 da corporação, um distintivo da polícia, além de um aparelho celular.

Ainda segundo o Blog, policiais civis e militares foram informados, tendo realizado rondas de forma imediata, encontrando no anel viário de Jequié, às margens da BR-116, uma motocicleta usada no assalto abandonada e ao lado a bolsa da escrivã. Contudo, os meliantes levaram a arma.

O caso está sendo acompanhado pelo delegado Moabe Macedo, que diz ser uma questão de tempo para identificar e prende os autores da ação.

Presidente Bolsonaro decide exonerar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo

/ Polícia

Maurício Leite Valeixo foi exonerado da PF. Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) exonerou o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo. A exoneração aconteceu ”a pedido”, de acordo com o decreto assinado por Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sergio Moro. Exoneração foi publicada nesta sexta-feira (24) no Diário Oficial da União.

Na quinta-feira (23), Moro havia dito ao presidente que pediria demissão se Valeixo fosse demitido, segundo informações das colunistas do portal G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo, Andreia Sadi e Natuza Nery.

Oficialmente, o Ministério da Justiça nega que Moro tenha chegado a pedir demissão. Não foi nomeado um substituto para o comando da PF.

Cão farejador acha 1,5 tonelada de maconha em caminhão e motorista é preso pela PRF

/ Polícia

Maconha estava acondicionada em caminhão-baú. Foto: PRF

Um caminhoneiro foi preso ao transportar 1,5 tonelada de maconha, na sexta-feira (17), na BR-135, nas proximidades do Povoado de Malhadinha, zona rural do município de Formosa do Rio Preto, no oeste da Bahia.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), o flagrante ocorreu após alerta da Polícia Rodoviária Federal (PRF), sobre um veículo que havia passado pelo município de Barreiras, em atitude suspeita, e seguiu sentido a divisa com o estado do Piauí.

Segundo informações da SPP, equipes da 86ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) conseguiram alcançar o caminhão, nas proximidades do Povoado de Malhadinha, e perceberam o nervosismo do condutor do veículo, mesmo com a carroceria do caminhão aparentando estar vazia.

O órgão informou que ao desconfiar do motorista, os policiais chamaram o Grupamento de Operações com Cães (GOC) da Rondesp Oeste e a cadela Kessi.

Durante varredura, a pastor alemão indicou algo estranho em um dos lados do veículo e chegou a fazer um furo na estrutura. Nesse local, os militares estaduais e os rodoviários federais encontraram 1,5 tonelada de maconha prensada, dividida em tabletes.

Ainda segundo a SSP, o motorista, preso em flagrante, e a droga foram apresentados na Delegacia Territorial de Barreiras. Durante conversa preliminar, o criminoso informou que recebeu R$ 15 mil para transportar a maconha do Paraná até a cidade de Picos, no Piauí

Iaçu: Homem acusado de liderar facção morre em confronto com policiais da Cipe Chapada

/ Polícia

Um acusado de liderar o tráfico em Iaçu, no Piemonte do Paraguaçu, e região morreu em uma operação policial na madrugada deste domingo (5).

Após receberem denúncias anônimas de que uma casa no distrito de João Amaro servia de ponto de venda de drogas e esconderijo do suspeito, ainda não identificado, policiais da Companhia Independente de Polícia Especializada (Cipe) Chapada foram até o local.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), os agentes cercaram a residência e deram voz de prisão para o suspeito, que tentou fugir do local.

Na tentativa de fuga, de acordo com o órgão, houve confronto entre os policiais e o homem, que ficou baleado. O acusado teria sido levado até o Hospital Municipal de Iaçu, mas não resistiu. Com ele, os policiais apreenderam um revólver calibre 38, 100 comprimidos de ecstasy, 52 trouxas de haxixe, 14 pinos de cocaína e um celular. A SSP-BA também informou que o acusado já tinha sido preso em uma operação em novembro do ano passado.

Unidades prisionais baianas já têm casos suspeitos de coronavírus; quatro internos com sintomas

/ Polícia

Médica pede isolamento em presídio de Salvador. Foto: Divulgação

Três unidades prisionais de Salvador já têm casos suspeitos de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Até então, quatro pessoas apresentam sintomas da doença, como gripe, febre e dificuldade para respirar. São três internos e um servidor da área de saúde, que foram submetidos ao exame para constatação da doença.

No dia 22 deste mês, a Central Médica Penitenciária, localizada no Complexo Penitenciário da Mata Escura, pediu o isolamento de dois internos do Presídio Salvador, uma unidade do complexo destinada a custodiar presos provisórios. O pedido foi de afastamento dos demais presos por 14 dias. No documento, a que o CORREIO teve acesso, um médico constata que os dois internos apresentavam sintomas respiratórios leves e, com base nas medidas adotadas pelo Ministério da Saúde a respeito da Covid-19, era necessário o isolamento deles.

Uma foto que chegou à reportagem (topo deste texto) mostra os dois internos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Pirajá no dia 19. Neste dia, eles tiveram coletadas amostras da garganta para exame da constatação do coronavírus. ”O Presídio Salvador tem 800 presos só no prédio principal. Se um deles estiver realmente contaminado, pode ser uma catástrofe, pois rapidamente os demais estarão infectados”, declarou o presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sinspeb) Reivon Pimentel.

Ainda no complexo, um servidor da área da saúde, que trabalha no Presídio Feminino, está também com suspeita de Covid-19. ”Fomos informados que um servidor apresenta os sintomas de gripe e febre, mas não temos conhecimento do afastamento e isso nos preocupa porque as suspeitas estão aumentando. Por enquanto, nosso conhecimento é só na capital, mas não vai demorar muito para os casos do interior chegarem ao nosso conhecimento”, disse Reivon.

Na Colônia Penal Lafayete Coutinho, destinada ao recolhimento de presos condenados em regime semiaberto, um interno foi encaminhado nesta terça-feira (31) para a Central Médica Penitenciária. ”Ele faz parte do grupo de risco. Foi atendido na enfermaria, mas, como ele tem tuberculose e está com gripe e com falta de ar, foi necessário levá-lo para a Central Médica Penitenciária”, declarou Reivon. Com informações do Correio

Comandante da PM da Bahia diz que quem estocar álcool em gel pode ser preso

/ Polícia

Declaração é do coronel Anselmo. Foto: Camila Souza

O comandante-geral da Polícia Militar baiana, coronel Anselmo Brandão, disse que quem estocar álcool em gel pode ser preso.

”É um problema que estamos sentindo [o estoque de [álcool em gel e outros materiais]. Temos dificuldade de adquirir álcool em gel, queremos achar quem está fazendo estoque e prender. É crime econômico”, falou, em entrevista à rádio Metrópole neste sábado (21).

O comandante ainda pontuou que a Polícia Militar possui recursos para adquirir o produto. ”Nós temos dinheiro para comprar. Não temos encontrado o produto, mas temos recursos”, falou.

Homem com maconha diz ter o novo coronavírus para evitar abordagem policial

/ Polícia

Suspeitos de tráfico de drogas utilizaram o novo coronavírus para tentar fugir da polícia em Brasília. Um deles disse que tinha o Covid-19 como desculpa para não ser abordado durante uma operação da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), no início da madrugada desta segunda-feira (16), em Samambaia.

Por volta da meia-noite, policiais militares do Tático Operacional Rodoviário (TOR) abordaram dois homens em ponto de bloqueio montado em Samambaia. Descobriram, então, que eles carregavam 1,4kg de maconha no veículo em que estavam, de acordo com o Metrópoles.

O passageiro dirigiu-se aos policiais e afirmou que tinha coronavírus, por isso, era melhor não ser revistado, para evitar o contágio. Os militares não deram por satisfeitos e fizeram a busca veicular. A droga foi encontrada dentro do carro.

Os dois suspeitos seguiram para a 26ª Delegacia da Polícia (Samambaia), onde foram autuados por tráfico de drogas. Segundo as autoridades, a dupla conta com passagens por furto, receptação e porte ilegal de arma de fogo.

Polícia Federal cumpre mandado em Ipiaú após investigação contra organização criminosa

/ Polícia

Cinco pessoas foram presas e três mandados de busca e apreensão foram cumpridos entre Lauro de Freitas e Ipiaú, durante a operação ”Olossá” da Polícia Federal, que tem como objetivo desarticular uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas.

De acordo com o delegado da Polícia Federal, Fábio Marques, dois mandados de prisão e dois de busca e apreensão foram cumpridos neste sábado (14).

Os nomes das pessoas presas e investigadas não foram divulgadas pela Polícia Federal. ”A gente cumpriu dois mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão. E foram cumpridos na praia de Buraquinho, em um condomínio, e em uma barraca de praia em Lauro de Freitas, onde um dos alvos residia”, disse. ”A investigação começou em maio de 2019 e, de lá até cá, já foram realizadas mais de 10 flagrantes de ‘mulas’ tentando sair do país para Europa transportando cocaína escondida nas suas bagagens”, comentou o delegado.

Ao menos 6 pessoas que encontraram Jair Bolsonaro estão com o novo coronavírus

/ Polícia

Teste em Bolsonaro deu negativo. Fabio Rodrigues Pozzebom

Ao menos seis pessoas que estiveram próximas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante viagem aos Estados Unidos, na semana passada, estão infectadas com o novo coronavírus.

O caso mais recente é o de um empresário que estava no grupo que acompanhou a visita do presidente aos EUA. Ele preferiu não se identificar.

Três outros casos são de integrantes da comitiva oficial de Bolsonaro na viagem à Flórida. Anunciaram que contraíram a doença o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), Fabio Wajngarten, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e o diplomata Nestor Forster, indicado para o cargo de embaixador do Brasil em Washington.

A divulgação de que outros participantes da missão foram infectados ocorreu depois que o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) disse à reportagem que os resultados de todos os testes da comitiva -exceto Wajngarten- tinham dado negativo.

A lista com os integrantes da comitiva oficial foi divulgada pelo Palácio do Planalto. Nem todos os listados viajaram com Bolsonaro no avião presidencial e ela não inclui os nomes de auxiliares técnicos e da equipe de apoio.

Ao menos uma pessoa que acompanhou Bolsonaro na Flórida, mas que não consta na lista oficial divulgada pelo Planalto, afirmou também ter sido diagnosticada como portadora do coronavírus: a advogada Karina Kufa, tesoureira do Aliança pelo Brasil, disse que seu exame deu positivo.

Ela está em isolamento e, pelas redes sociais, tem atualizado seu estado de saúde. ”Hoje acordei bem melhor, os sintomas praticamente sumiriam. Até agora não tive febre e falta de ar, que são os fatores de alerta”, escreveu a advogada neste sábado (14).

Entre os anfitriões, o prefeito de Miami, Francis Suarez, anunciou, na sexta (13), ter recebido o diagnóstico positivo para o novo coronavírus. Ele participou de evento com Bolsonaro e sua comitiva na segunda-feira (9), na Flórida.