Irmãos são presos por matar homem e alegam que cometeram crime porque vítima desligou Wi-Fi

/ Polícia

Reinan e Venício estão presos Aurelino Leal. Foto: Polícia Civil

Dois irmãos foram presos na cidade de Aurelino Leal, sul da Bahia, após confessarem ter matado com requintes de crueldade e escondido o corpo do administrador da fazenda onde trabalhavam, conforme publicação do G1. Segundo a polícia, a dupla alegou ter matado a vítima porque ele teria desligado o sinal de Wi-Fi do imóvel. Reinan Oliveira da Silva, de 20 anos, e Venício da Silva dos Santos, 18, foram presos na quarta-feira (9), enquanto jogavam futebol na mesma fazenda onde mataram a vítima, identificada como Miguel Mário Oliveira Santos, 51 anos. O crime aconteceu na noite do dia 21 de dezembro de 2017. De acordo com o delegado Lane Andrade, as investigações apontam que os suspeitos mentiram sobre a motivação do assassinato. A suspeita do delegado é de que os dois tenham cometido latrocínio, que é o roubo seguido de morte, e criaram a versão sobre o sinal da internet, na tentativa de abrandar a pena. Conforme o delegado, a motocicleta da vítima sumiu da fazenda no mesmo dia em que ele foi assassinado. O corpo de Miguel foi encontrado desmembrado e enterrado em uma cova rasa, a cerca de 15 metros da casa, dentro da área fazenda. O delegado disse que a cova foi localizada dois dias após o crime. O pedido de prisão preventiva dos irmãos foi feito no final de março deste ano, mas só foi expedido na quarta (9), quando eles foram presos. O delegado disse ainda que a perícia da cena do crime ficou comprometida, porque a dupla limpou o local. Reinan e Venício estão detidos na delegacia de Aurelino Leal e devem ser encaminhados para o presídio de Valença, quando a unidade tiver vagas. Eles vão responder por latrocínio e ocultação de cadáver.

Empresário que tinha vida de luxo em Feira de Santana é preso por comprar carga roubada

/ Polícia

José Carlos Bonfim é preso por receptação. Foto: Polícia Civil

Um empresário foi preso em Feira de Santana após comprar uma carga roubada de ar condicionado. Segundo o Acorda Cidade, foram presos o empresário Carlos José do Bonfim Filho, conhecido como ”Carlinhos”, por receptação qualificada, e um funcionário dele, identificado como ”Barão”, por receptação simples. Conforme o delegado Gustavo Coutinho, da Delegacia de Furtos e Roubos em Rodovias (Decarga), só em uma casa de Carlinhos foram encontrados 50 aparelhos. Ainda segundo o delegado, o empresário é acusado de concorrência desleal em Feira de Santana, tendo vendido cerca de 200 aparelhos de ar condicionado. A investigação começou após uma empresa de São Paulo ter acusado a perda de R$ 710 mil em uma carga. Conforme a apuração, depois foi verificado que a carga seria vendida em Feira de Santana. O delegado ainda informou que o empresário tinha vida de luxo e era um dos comerciantes que mais vendia aparelhos de ar condicionado em Feira de Santana. As informações são do Bahia Notícias

Testemunha diz que dois policiais estavam em carro usado na morte de Marielle Franco

/ Polícia

Morte de Marielli gera inquietação no país. Foto: Reprodução

Durante depoimento à polícia, a testemunha-chave disse que um policial lotado no 16° BPM (olaria) e um ex-PM do batalhão da Maré participaram da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. A dupla, segundo ela, estava, com outros dois homens, no Cobalt prata usado na execução. Os quatro que estariam no carro foram identificados por essa testemunha e vêm sendo investigados pela Delegacia de Homicídios da capital (DH). Segundo as informações do jornal O Globo, trata-se da mesma testemunha que denunciou o envolvimento do vereador Marcello Siciliano (PHS) no caso, por causa de uma desavença — ele nega. O delator, que colabora com as investigações em troca de proteção, relatou que a execução foi planejada por Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando de Curicica — um ex-PM preso acusado de chefiar uma milícia na zona oeste do Rio — junto com o vereador. Ainda conforme O Globo, a testemunha-chave informou que os homens que estavam com os militares no Cobalt são ligados a Orlando. O miliciano teria usado o celular de um outro preso para dar ordem de execução da vereadora. Em três depoimentos à Divisão de Homicídios (DH) do Rio, a testemunha deu informações sobre datas, horários e até locais de reuniões entre o vereador e o miliciano. Mais tarde, ele teria mudado sua versão ao ser interrogado pelo Ministério Público, e passou a negar a participação de Orlando na execução.

Suspeito de matar delegado de Barra da Estiva usava celular com nome e CPF de Temer

/ Polícia

Guilherme Silva está preso. Foto: Divulgação/Polícia Civil-MG

Um homem acusado de participar do assassinato do delegado de Barra da Estiva, sudoeste baiano, foi preso em Minas Gerais. Segundo o jornal O Tempo, o suspeito, identificado como Guilherme Silva Fraga, de 27 anos, estava com dois celulares cadastrados no nome do presidente Michel Temer. Guilherme foi localizado na cidade de Montes Claros, interior mineiro, nesta quarta-feira (2). Conforme a Polícia Civil de Minas, o suspeito não contou como obteve os dados de presidente, mas os policiais acreditam que ele usava dos dados para dificultar o rastreamento dos aparelhos. Na agenda do acusado constavam o CPF e o nome completo do presidente, Michel Miguel Elias Temer Lulia. A mesma quadrilha teria usado também os dados do ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo (DEM). Além da morte do delegado Marco Torres, o acusado é suspeito de participar do sequestro do gerente do Banco do Brasil de Barra da Estiva. Ainda conforme a Polícia, Guilherme Fraga soma uma extensa ficha policial que inclui sequestros e ataques a bancos. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP-BA), as investigações sobre a morte do delegado Marco Torres seguem em sigilo.

PM preso em Salvador por roubo de cargas começou a ser investigado após o irmão ser detido

/ Polícia

Soldado foi preso suspeito de integrar quadrilha. Foto: Instagram

O soldado da Polícia Militar Alberto Cerqueira de Andrade, de 28 anos, foi preso por suspeita de integrar uma quadrilha de roubo de cargas, em Salvador, E começou a ser investigado pela polícia após o irmão dele ser detido e contar que tinha um familiar policial. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (3) pela Polícia Civil. Segundo a delegada Carla Santos Ramos, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Salvador, que investiga o caso, estima-se que o grupo tenha roubado R$ 1 milhão em produtos eletrônicos só neste ano. Contra eles, é atribuído, ao menos, cinco crimes ocorridos em Salvador e na região metropolitana. De acordo com a delegada Carla Santos, o soldado era responsável pela intermediação entre o grupo e os receptadores dos produtos roubados. Conforme publicação do G1, O advogado do PM, Dinoermeson Tiago Nascimento, informou que o irmão do soldado, identificado como Lucas Silva de Andrade, contou que tinha um um irmão policial logo após ser preso, no dia 25 de abril, com o intuito de provar que era inocente. No entanto, a revelação levantou suspeitas contra o PM. Os irmãos não moravam na mesma casa. Ainda segundo o advogado Dinoermeson Tiago Nascimento, após saber que estava sendo investigado pela polícia, o soldado Alberto Cerqueira compareceu à DRFR, para prestar esclarecimentos, na noite de quarta-feira (2). Foi quando chegou na unidade policial que ele foi preso. Conforme o advogado, a Justiça determinou a prisão temporária do PM por 5 dias. Segundo a polícia, após o mandado ser cumprido, o agente foi levado para a Coordenadoria de Custodia Provisória (CCP), que fica no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador.

Normalmente, os PMs detidos são encaminhados para o Centro de Custódia Provisória da PM, que fica no Batalhão de Choque da corporação, em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador. No entanto, de acordo com o advogado Dinoermeson Tiago Nascimento, o local está em reforma, e, por isso, Alberto Cerqueira foi levado para Mata Escura. Ao G1, o advogado contou que o policial militar nega as acusações. ”Ele desconhece qualquer tipo de envolvimento no crime. Não foi apresentado nenhum objeto de acusação, além do relato do irmão, que não diz nada. Por isso, não existe motivo para a manutenção da prisão. Eu já pedi um habeas corpus”, contou o advogado. No entanto, de acordo com a delegada Carla Santos, as investigações revelaram que o soldado, o irmão dele e outros três suspeitos, identificados como Jhonatas Neves de Santana, Zenóbio Gomes Pereira Junior e Fábio Santos Pinho, que também foram presos, integram uma quadrilha responsável por roubo de cargas, clonagem veículos e assaltos, na modalidade conhecida como saidinha bancária. Lucas Andrade e Jhonatas Neves tiveram mandado prisão preventiva cumpridos. Já contra Zenóbio Gomes e Fábio Santos foram cumpridos mandados de prisão temporária, assim como o soldado. Os quatro homens presos foram encaminhados para o Complexo Penitenciário da Mata Escura. Com eles, foram apreendidos dinheiro e celular. A quantia não foi divulgada. Outras cinco pessoas são procuradas.

O soldado Alberto Cerqueira estudou no Colégio da Polícia Militar (CPM-Dendezeiros), em Salvador. Nas redes sociais, ele postou algumas fotos da época de estudante, onde aparece com a farda da escola, junto com outros alunos da instituição. Segundo a PM, Alberto integra o quadro funcional da corporação há mais de seis anos. Atualmente, ele é lotado na 40ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), no bairro do Nordeste de Amaralina. No entanto, segundo o advogado Dinoermeson Tiago Nascimento, o agente está afastado do trabalho, porque está em licença prêmio – direito assegurado aos servidores públicos após 5 anos de serviço prestado. Ainda segundo a Polícia Militar, ao longo do tempo em que está na corporação, o soldado Alberto já respondeu uma Sindicância e um Inquérito Policial Militar (IPM). No entanto, os motivos das investigações não foram divulgados.

PRF recupera em Jequié carga roubada em Salinas/MG avaliada em mais de seiscentos mil reais

/ Polícia

Veículo foi levado para estrada de acesso a Lagedo. Foto: PRF

Policiais Rodoviários Federais recuperaram uma carga roubada de produtos de higiene pessoal avaliada em mais de seiscentos e vinte e cinco mil reais. O fato foi registrado por volta das 23h10 desta quarta-feira (2), no KM 677 da BR 116, trecho do município de Jequié. A ação foi desencadeada quando os PRFs receberam, na Unidade Operacional de Jequié, um funcionário de uma empresa de rastreamento informando a localização de um veículo que transportava carga subtraída. Ao abordar o caminhão indicado, os policiais encontraram, no interior do baú, desodorantes e outros cosméticos, confirmando que o material era o rastreado. Sendo este, roubado na cidade de Salinas/MG. Uma estrada vicinal do município de Lagedo do Tabocal vinha sendo utilizada pela quadrilha.Questionado pela equipe, o condutor afirmou que foi contratado para transportar a carga da Divisa Alegre/MG até Feira de Santana/BA, não sabendo sua procedência, bem como não possuindo qualquer tipo de nota fiscal. A ocorrência foi encaminhada à Delegacia da Polícia Civil de Jequié.

Operação da Polícia Federal investiga desvio de mais de R$ 3,5 milhões da Educação em Anagé

/ Polícia

Uma operação da Polícia Federal foi deflagrada nesta quinta-feira (3), para investigar o crime de desvio de recursos públicos destinados às áreas de educação e saúde na cidade de Anagé (a 540 km de Salvador). São cumpridos nove mandados de busca e apreensão e 16 de intimação nas cidades de Anagé, Tanhaçu e Vitória da Conquista. De acordo com a PF, a investigação foi iniciada em 2015 após denúncia de vereadores de Anagé de que três falsas construtoras da região venceram oito licitações de obras de melhorias sanitárias, escolares e da área de saúde. A investigação apontou que essas empresas serviam de ”fachada” para simular uma falsa concorrência nas licitações. Inclusive, um processo chegou a ser suspenso, porque o vencedor não era uma das construtoras. As empresas eram operadas por uma organização criminosa, que, entre 2013 e 2015, obteve contratos estimados em R$ 3.791.322,49. A Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que houve superfaturamento nas obras, além de serviços que não foram entregues. De acordo com a PF, os envolvidos vão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos e fraude à licitação.

Técnica em enfermagem é presa por tentar matar bebês recém-nascidos em UTI Neonatal

/ Polícia

Simone estava no local no momento dos crimes. Foto: TV Globo

Uma técnica em enfermagem foi presa na quarta-feira (2), no Rio, suspeita de tentativa de homicídio contra quatro recém-nascidos que estavam na UTI Neonatal de um dos hospitais da Rede D’Or São Luiz. Simone Anjos dos Santos, de 41 anos, é acusada de romper de propósito cateteres de incubadoras onde estavam os bebês. De acordo com as investigações, os alvos de Simone eram recém-nascidos que se encontravam em terapia em incubadoras na UTI Neonatal. A técnica em enfermagem retirava os cateteres e os prendia em seguida à portinhola de fechamento das incubadoras. A prisão foi realizada por policiais da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). Segundo a polícia, os recém-nascidos foram expostos a riscos iminentes de hipoglicemia e de contraírem infecção no sangue relacionada ao cateter, o que os levaria à morte. Pelo menos quatro crianças foram vítimas. A ordem de prisão temporária contra Simone foi expedida pela 4ª Vara Criminal da Comarca da Capital/RJ.  Em nota, a Rede D’Or São Luiz informou que ”não houve qualquer dano ou consequência aos pacientes em decorrência do reportado”. Segundo a instituição, ”o hospital possui e segue continuamente rígidos protocolos de segurança, tendo imediatamente e de modo preventivo afastado a profissional em questão e em seguida comunicado a situação alegada às autoridades policiais competentes para a devida averiguação e providências”. Não foi informada em qual das unidades da rede trabalhava a enfermeira. O Estado não conseguiu contato com a defesa de Simone Anjos dos Santos.

Delegado de Barra da Estiva assassinado investigava assaltantes de banco que o mataram

/ Polícia

Delegado Marco Antonio Torres tinha 52 anos. Foto: Reprodução

O assassinato do delegado Marco Antonio Torres, 52 anos, em uma área rural da cidade de Anagé, Sudoeste da Bahia, no dia 12 de abril deste ano, foi em retaliação à investigação que ele vinha fazendo contra criminosos. Os suspeitos do homicídio tiveram um assalto a banco frustrado na cidade de Barra da Estiva, também no Sudoeste, onde o delegado atuava como titular. Esta é a principal linha de investigação que está sendo traçada pelas equipes que apuram o crime segundo fontes ligadas à apuração ouvidas pelo jornal Correio. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública ressaltou que a investigação sobre a morte do delegado Marco Torres segue sob sigilo, pois a divulgação antecipada pode atrapalhar o trabalho policial. A SSP apura o caso por meio da Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e da 20ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Corpin), sediada em Brumado e à qual está subordinada a delegacia de Barra da Estiva. No dia da tentativa de assalto ao Banco do Brasil, na manhã de 9 de abril, os assaltantes chegaram a sequestrar o gerente do banco e a família, mas, devido à ação das polícias Civil e Militar de Barra da Estiva, acabaram liberando os reféns pela manhã numa área rural e fugiram, sem levar nada. Eles passaram a ser investigados, então, pelo Draco, unidade especial da polícia que apura ações criminosas de grande porte na Bahia, como assaltos a banco, sequestros e o tráfico de drogas, junto com o delegado Marco Antonio Torres, que foi morto enquanto se dirigia para uma reunião em Vitória da Conquista. A polícia ainda não divulgou detalhes do crime contra o delegado, que foi morto e teve o corpo carbonizado dentro da caminhonete em que estava. O veículo, que tinha uma moto na carroceria, foi localizado em uma área de matagal que sugere que o delegado tenha sido levado (não se sabe se vivo ou morto) pelos bandidos até o local.

Banqueiro Ronaldo diz à Polícia Federal que recebeu dinheiro do PSDB em conta na Suíça

/ Polícia

Ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho. Foto: Reprodução

O empresário e ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho afirmou à Polícia Federal que, entre 2009 e 2010, recebeu ¤ 6,5 milhões (o equivalente a R$ 27,2 milhões pelo câmbio de ontem) como pagamento pelo empréstimo de avião da sua propriedade para a campanha presidencial do PSDB, que teve como candidato o hoje senador José Serra (SP). Ainda segundo ele, o dinheiro foi depositado em contas na Suíça. O ex-deputado foi interrogado em 7 de fevereiro no inquérito que apura se recursos do Rodoanel Trecho Sul, em São Paulo, teriam abastecido a campanha de Serra ao Planalto. A investigação, que está no Supremo Tribunal Federal, se baseia na delação da Odebrecht, mas ex-executivos da Andrade Gutierrez e da OAS também admitiram repasses de 0,75% a intermediários supostamente em benefício do tucano. “Que no ano de 2009, disponibilizou sua aeronave para o PSDB, a qual foi utilizada no transporte de dirigentes partidários de vários partidos aliados”, diz trecho do depoimento. Cezar Coelho afirmou ter deixado disponível sua aeronave para o PSDB já em 2009, ano em que, segundo ele, o então presidente do partido, Sérgio Guerra (morto em 2014), viajava em busca de alianças. “Que no ano de 2009 o presidente do PSDB à época, então senador Sergio Guerra, realizou diversas viagens pelo Brasil com o objetivo de filiação no PSDB de líderes políticos locais para fortalecer a próxima candidatura para a Presidência da República, que ocorreria em 2010”. Ele acrescentou ter pedido que os pagamentos fossem feitos para uma operadora de táxi aéreo. Mas o tucano, segundo seu relato, respondeu que “somente poderia efetuar os pagamentos diretamente no exterior”. Questionado, disse que desconhecia a “origem dos recursos depositados”. Ele declarou que “alimentava sua conta” em um banco suíço “através de investimentos que realizava” e que, em 2016, repatriou cerca de R$ 23 milhões. O ex-presidente da Odebrecht Pedro Novis e outros colaboradores já relataram pagamento de R$ 23 milhões a Cezar Coelho a pedido de Guerra para campanhas majoritárias do partido. Segundo Novis, a negociação do repasse foi “tratada com Ronaldo Cezar Coelho” e outras “pessoas indicadas diretamente por José Serra”. Hoje no PSD, Cezar Coelho foi filiado ao PSDB de 1988 a 2013. O senador José Serra não quis se manifestar sobre o caso. O PSDB não respondeu aos contatos da reportagem até a conclusão desta edição. O advogado Antonio Claudio Mariz de Oliveira, que defende o ex-deputado e ex-banqueiro Ronaldo Cezar Coelho, afirmou ao ministro Gilmar Mendes, que é o relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal, que “a origem lícita dos recursos recebidos por ele em sua conta no exterior restou elucidada, os quais foram, inclusive, devidamente regularizados sob essa rubrica no ano de 2016 por meio do Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (RERCT)”. “Tal fato, nobre ministro-relator, já seria suficiente para pôr termo ao presente inquérito ao menos em relação ao requerente, pois não há substrato probatório mínimo para o início da persecutio criminis”, afirmou o defensor ao ministro do STF. “Todavia, os fatos investigados, ainda que hipoteticamente possam caracterizar eventuais crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, cartel, fraude à licitação ou até o ilícito penal previsto no artigo 350 do Código Eleitoral, como sugeriu a manifestação ministerial de fls. 11/14, estão prescritos com relação ao requerente”, argumentou o advogado. De acordo com Mariz, os “supracitados delitos cominam uma pena máxima em abstrato de, respectivamente, 10 anos, 12 anos, 12 anos, 5 anos, 4 anos e 5 anos”. A defesa também afirmou que entregou documentos referentes à repatriação dos R$ 23 milhões de Ronaldo Cezar Coelho na Suíça.

Idoso de 89 anos é preso suspeito de abusar de bisneto de 8 anos na cidade de Itatim

/ Polícia

Um idoso de 89 anos foi preso suspeito de estuprar o bisneto, uma criança de 8 anos, na cidade de Itatim, na região de Milagres. O caso ocorreu na quarta-feira (25) e foi divulgado pela Polícia Civil nesta quinta-feira (26). De acordo com a polícia, o garoto foi levado para um hospital da região, onde foi constatado o abuso. A vítima precisou passar por uma cirurgia. A polícia informou que a criança também foi levada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT), em Itaberaba, para passar por exames periciais. Segundo a polícia, investigadores da Delegacia de Itatim foram acionados pela PM, que havia sido informada sobre o crime pelo Conselho Tutelar da cidade. O suspeito, identificado como Roque Santana da Silva, chegou a tentar negar o crime, informou a polícia. Ele vai responder por estupro de vulnerável. O idoso segue preso na Delegacia de Itatim, à disposição da Justiça, conforme informações do G1.

Polícia Federal pede mais 60 dias para investigar Temer no âmbito do inquérito dos portos

/ Polícia

Michel Temer será investigado pela PF. Foto: Alan Santos

A Polícia Federal pediu mais 60 dias para investigar o presidente Michel Temer no âmbito do inquérito dos portos. O pedido depende de parecer da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e do ministro relator, Luís Roberto Barroso. As informações foram divulgadas pela repórter Camila Bomfim, da GloboNews, e confirmadas pelo Estado. O inquérito, de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso, apura se a Rodrimar, empresa que opera no Porto de Santos, foi beneficiada pelo decreto assinado pelo presidente em maio, que ampliou de 25 para 35 anos as concessões do setor, prorrogáveis por até 70 anos. Além do presidente, são investigados Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor de Temer e ex-deputado federal, e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente, dono e diretor da Rodrimar. Todos negam irregularidades. No âmbito desta investigação, o presidente teve seu sigilo bancário quebrado por determinação do ministro Barroso.

Gandu: Operação da Polícia Federal e Polícia Militar apreende 16 kg de cocaína em carro

/ Polícia

Cocaína era transportada em um carro Parati. Foto: Cipe Central

Uma operação conjunta capitaneada pela Polícia Federal, realizada na manhã desta quarta-feira (25), na cidade de Gandu, no Baixo-Sul baiano culminou com a prisão de três indivíduos envolvidos com o tráfico de drogas e que estavam transportando pela malha rodoviária BR-101 16 kg de cocaína acondicionados sob um fundo falso de um veículo VW Parati, de cor vermelha, licenciado de Teresina/PI. De acordo com informações da polícia ao Blog Marcos Frahm, a operação ocorreu por volta das 09h30 e contou com a participação de policiais militares das Companhias Independentes de Policiamento Especializado – Cipe Cacaueira e Cipe Central. Um automóvel Ford KA preto com placa JQY-7000, de Gandu/BA, também foi apreendido e com os veículos e a droga foram presos em flagrante: Valdo Alves Pereira, 51 anos, Luiz Paulo Ferreira Vitorino, 45 anos, e Edivaldo Soares da Silva, 54.

Vice-prefeita do Oeste baiano presa pela Polícia Militar nega desacato a policiais militares

/ Polícia

Vice-prefeita de Morpará, Solange foi presa pela. Foto: Reprodução

A vice-prefeita de Morpará, na região do Velho Chico, Oeste baiano, negou que tenha desacatado a Polícia no caso em que resultou na prisão dela na madrugada de domingo (22). Em nota enviada à imprensa nesta terça-feira (24), via G1, Solange Pereira Martins de Novais disse que foi de forma espontânea à delegacia de Ibotirama, na mesma região, para tratar de assuntos particulares. Segundo ela, após prestar depoimento, retornou para casa na companhia de amigos. A versão da Polícia Militar é que a vice-prefeita discutiu com agentes por conta de um carro. Ao ser conduzida para a delegacia de Ibotirama, ela teria se negado a entrar na repartição e xingado os policiais, fato em precisou ser algemada. Ainda conforme a PM, a vice-prefeita apresentava sinais de embriaguez. Na mesma nota de Solange, ela disse que os seres humanos podem errar, mas nem por isso merecem ser “vítimas de falácias e calúnias de pessoas maldosas e de oportunistas de plantão”.