São João do programa Rota Bahia, liderado pelo Bahia Notícias, acompanha festejos em todo o estado

/ Imprensa

Pelo Rota Bahia, Marcos Frahm entrevistou Maiara e Maraísa

Com menos de um mês de seu lançamento, o programa Rota Bahia já conseguiu garantir a maior cobertura do São João da Bahia. Da noite da última quinta-feira até este domingo, foram publicadas somente no Bahia Notícias quase 200 matérias só sobre os festejos juninos na capital baiana e em dezenas de municípios baianos. Ao todo, da noite de quinta-feira (23) até a noite deste domingo (26), mais de 320 mil pessoas foram alcançadas pelo conteúdo compartilhado pelo BN.

Além de coberturas exclusivas em Mata de São João e Jequié, a partir da parceria com o Rota Bahia, foram dezenas de cidades representadas, como Feira de Santana, Porto Seguro, Cruz das Almas, Itabuna, Barreiras, Santo Antônio de Jesus e Eunápolis.

Entre os assuntos que mais chamaram a atenção durante o feriado de São João estão a queda do palco durante uma apresentação em Ipirá, Simone ovacionada na cidade de Jequié, e o cancelamento dos shows de Wesley Safadão, por um problema de coluna.

Mas a cobertura não para! Os festejos continuam acontecendo no estado e também em Salvador. Além dos shows no Parque de Exposições, que acontecem entre os dias 30 de junho e 2 de julho, e também festas que marcam o dia de São Pedro, comemorado no dia 29 de junho.

Para continuar bem informado, basta acessar o Bahia Notícias ou um de nossos sites parceiros: Achei SudoesteAcorda CidadeBlog do AndersonBlog do BragaBlog do ValenteBlog Marcos FrahmCalila NotíciasMais RegiãoPolíticos do Sul da BahiaRadar 64 e RedeGN.

Uziel Bueno sai em defesa de Isidório após denúncia do Fantástico: ”Ninguém vai apagar seu trabalho”

/ Imprensa

Apresentador Uziel defende Isidório. Foto: Reprodução/Instagram

Nesta segunda-feira (20), o apresentador do ”Brasil Urgente”, da Band, Uziel Bueno, usou as redes sociais para defender o deputado federal, Pastor Sargento Isidório (Avante), após o Fantástico, da Rede Globo, veícular uma matéria denunciando a Fundação Dr. Jesus sobre irregularidades em tratamentos terapêuticos. 

“Ninguém vai apagar o seu trabalho e sua voz. Estamos com vocês, pastor Isidório”, diz imagem compartilhada pelo jornalista em uma publicação no Instagram. 

Uziel também parabenizou o trabalho da fundação do deputado. ”Deus te abençoe, pastor Isidório, Fundação Dr. Jesus, obrigado pelo trabalho da sua família pelos baianos que mais precisam”. 

Corpos são encontrados nesta segunda-feira em local de buscas por Dom e Bruno, diz família

/ Imprensa

Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira. Foto: Reprodução

Dois corpos foram encontrados durante as buscas pelo jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira nesta segunda-feira (13), segundo informou a família do inglês. A esposa de Dom, Alessandra Sampaio, chegou a afirmar que se tratava dos corpos dos dois, mas depois foi informada que os corpos ainda passariam por perícia. Os dois desapareceram na região da Amazônia no último dia 5.

Em nota, a Polícia Federal negou que os corpos dos dois tenham sido encontrados, afirmando que pericia materiais biológicos que foram recuperados durante a busca (lei mais abaixo). A associação indígena Univaja, que denunciou o desaparecimento dos dois, também não confirmou que os corpos foram achados.

Dom e Alessandra moravam em Salvador. Neste domingo, pertences da dupla chegaram a ser encontrados. Um estômago também foi visto na região, mas não se sabe se pertencia a uma das vítimas.

Alessandra disse que foi comunicada primeiro pela embaixada britânica. A Polícia Federal teria entrado em contato em seguida, dizendo que os corpos ainda precisam passar por perícia para serem identificados.  A família do jornalista Dom Phillips também foi informada pela embaixada brasileira no Reino Unido sobre a localização de dois corpos, segundo o The Guardian.

”Ele (representante da embaixada) não descreveu a localização e disse que foi na floresta e que estavam amarrados a um árvore e ainda não haviam sido identificados”, disse Paul Sherwood, cunhado de Phillips, ao Guardian.

A dupla desapareceu no trajeto entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, no Oeste do Amazonas.

Bruno e Phillips tinham sido vistos pela última vez quando chegaram à comunidade São Rafael por volta das 6h de domingo. No local, eles conversaram com a esposa do líder comunitário apelidado de ”Churrasco”. De lá, eles partiram rumo a Atalaia do Norte, viagem que dura aproximadamente duas horas, mas não chegaram ao destino.

”Os dois se deslocaram com o objetivo de visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próxima à localidade chamada Lago do Jaburu (próxima da Base de Vigilância da FUNAI no rio Ituí), para que o jornalista visitasse o local e fizesse algumas entrevistas com os indígenas”, dizia o texto divulgado pela Univaja, na segunda-feira.

Material biológico
A Polícia Federal divulgou nota nesta manhã para informar que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips não foram encontrados. ”Não procedem as informações que estão sendo divulgadas a respeito de terem sido encontrados os corpos do Sr. Bruno Pereira e do Sr. Dom Phillips”, diz a nota.

Segundo o comitê de crise, coordenado pela Polícia Federal no Amazonas, foram encontrados materiais biológicos que estão sendo periciados e pertences pessoais dos desaparecidos. Uma mochila com pertences do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico foi encontrada neste domingo, 12, na mesma área. Não há detalhes sobre o estado do material genético e a questão depende de análise dos especialistas.

”Tão logo haja o encontro, a família e os veículos de comunicação serão imediatamente informados”, diz o texto da nota

Comissão da OEA cobra esforços do governo Bolsonaro na busca por Dom Phillips e Bruno

/ Imprensa

Phillips (à esquerda) e Bruno Araújo (à direita). Foto: Reprodução

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) solicitou ao Brasil neste sábado (11) que redobre seus esforços na busca pelo indigenista Bruno Araújo Pereira e pelo jornalista Dom Phillips, ambos desaparecidos desde o último domingo (5).

Cobrou ainda que o país informe sobre as ações que estão sendo adotadas para investigação do caso. O prazo para resposta é de sete dias.

Trata-se de uma medida cautelar que foi concedida em favor da dupla desaparecida após solicitação feita por um grupo de entidades da sociedade civil nesta sexta-feira (10).

O pedido foi assinado por Instituto Vladimir Herzog, Artigo 19, La Alianza Regional por la Libre Expresión e Información, Repórteres sem Fronteiras, Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Ajor (Associação de Jornalismo Digital), Tornavoz e Washington Brazil Office.

A solicitação aumenta a pressão internacional para que o governo intensifique suas ações para localização de Pereira e Philips.

Na sexta-feira (10), o Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos cobrou que o governo brasileiro redobre os esforços para encontrar o indigenista e o jornalista.

Na mesma data, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, estabeleceu prazo de cinco dias para que o governo apresente informações à corte sobre as providências adotadas para localização da dupla.

De acordo com a resolução da Comissão Interamericana, o caso reúne os ”requisitos de gravidade, urgência e irreparabilidade”mo requisitos para aprovação do pedido de medida cautelar.

”A Comissão solicita ao Estado do Brasil que informe, dentro do prazo de 7 dias contados a partir do dia seguinte da notificação desta resolução, sobre a adoção das medidas cautelares requeridas e que atualize periodicamente essas informações”, consta na resolução.

Ela solicita que o Brasil ”redobre seus esforços para determinar a situação e o paradeiro de Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips, a fim de proteger os seus direitos à vida e à integridade pessoal, e que possam continuar realizando seus trabalhos de defesa de direitos humanos ou exercendo suas atividades jornalísticas”.

Além disso, quer que o governo ”informe sobre as ações adotadas a fim de investigar com a devida diligência os fatos alegados que deram origem à adoção desta medida cautelar e, assim, evitar a sua repetição”.

A comissão é o órgão principal e autônomo da OEA e seu mandato surge da Carta da OEA e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos.

Raquel da Cruz Lima, assessora do Centro de Referência Legal da Artigo 19, uma das entidades signatárias do pedido, explica que a medida cautelar não impõe o mesmo grau de dever de cumprimento de casos em que a Comissão analisa provas para apurar se aconteceu uma violação.

”O Brasil deve cumprir, no sentido que ele obrigado a cumprir de boa fé todas as obrigações internacionais que ele assumiu”, diz. ”Mas a medida em si é uma solicitação que a Comissão faz para que o Brasil respeite”.

Lima aponta que a partir de agora a Comissão passará a acompanhar o caso de modo mais próximo, devendo receber tanto informações do governo quanto das entidades requerentes.

Ao longo da semana, Bolsonaro havia minimizado o desaparecimento do jornalista e do indigenista, dizendo que os dois estavam numa ”aventura não recomendada”. Phillips realizava uma cobertura jornalística com o apoio de Pereira.

O documento afirma ainda que, apesar de o regulamento prever que antes de solicitar medidas cautelares, a Comissão solicita informações relevantes ao respectivo país, foi considerada a exceção que diz que ”a urgência da situação justifique o outorgamento imediato das medidas”.

”A Comissão observou que a situação dos propostos beneficiários seria de amplo conhecimento das entidades internas, que existiam decisões judiciais internas em distintos níveis que determinaram a adoção imediata de todas as medidas necessárias para localizar a ambos os desaparecidos, e que, apesar disso, eles seguem desaparecidos”, diz nota no site da comissão.

Em nota na tarde deste sábado, a Polícia Federal informou que as buscas fluviais e aéreas prosseguiram nas últimas 24 horas e que ”material orgânico, aparentemente humano, bem como os demais vestígios recolhidos durante a operação já se encontram no Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal para análise”.

Negou ainda informações que estariam circulando nas redes sociais ”no sentido de que os corpos dos desaparecidos foram encontrados”.

”Os órgãos federais e estaduais reforçam o compromisso com a elucidação dos fatos e se empenham para que haja o retorno o quanto antes dos senhores Bruno Pereira e Dom Phillips para seus entes queridos”, consta na nota.

Novo suspeito de envolvimento no desaparecimento de indigenista e jornalista inglês é preso

/ Imprensa

Um homem com histórico de ameaças a indígenas foi preso por suspeita de envolvimento no desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. O suspeito foi preso em flagrante pela Polícia Militar no Amazonas. A informação é da colunista Míriam Leitão em reportagem no Bom Dia Brasil desta quarta-feira (8).

De acordo com a Polícia Civil, o homem se chama Amarildo da Costa de Oliveira, de 41 anos. Ele é conhecido na região como ”Pelado”. A prisão aconteceu na última terça-feira (7), quando, segundo a colunista, o suspeito foi encontrado fazendo ameaças à equipe de indígenas que estava em busca.

Ele deve prestar um novo depoimento nesta quarta-feira (8) e vai passar por audiência de custódia. Detido desde terça-feira (7), o homem  permaneceu em silêncio no primeiro interrogatório feito pelos investigadores em Atalaia do Norte, no Amazonas.

Na noite da última segunda-feira (6), dois pescadores suspeitos de envolvimento no desaparecimento haviam sido presos e levados para a cidade de Atalaia do Norte para prestar esclarecimentos.

Bruno e Dom estão desaparecidos na Amazônia desde o domingo (5), quando percorriam, de barco, o trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte. A viagem dura cerca de duas horas, mas os dois não chegaram a destino.

Rota Bahia, projeto que une sites e blogs, relembra Dia Nacional da Liberdade de Imprensa

/ Imprensa

O Dia Nacional da Liberdade de Imprensa foi fruto de um grito contra a censura. Em 7 de junho de 1977, mais de três mil jornalistas se uniram em um manifesto contra um ambiente de terror e duras limitações para a divulgação do que ocorria sob o regime militar, à época comandado por Ernesto Geisel. Porém, 45 anos depois, esse grito ainda se mostra necessário, infelizmente.

Em um ambiente digital, onde o próprio Bahia Notícias nasceu, também nascem as redes responsáveis por intensificar as chamadas Fake News. Mais do que simples equívocos, elas ganham uma conotação clara de usar uma mentira disfarçada de notícia para atacar algo ou alguém. E a imprensa séria se tornou um dos principais alvos dessa prática.

Por isso, se torna cada vez mais necessária a união dos veículos de comunicação para a defesa dos profissionais que trabalham de forma séria e comprometida. A imprensa tem um papel fundamental para a cobrança de respostas do poder público, em todos os seus níveis. E se a liberdade da atuação de jornalistas é importante a todo momento, em um ano de eleição se torna ainda mais relevante, pois pode ajudar ou prejudicar o rumo da própria nação.

Neste 7 de junho, o ROTA BAHIA marca um momento de união que jamais existiu na imprensa baiana. Dez sites, nas regiões mais importantes do estado, imbuídos em ajudar uns aos outros, pra que todos possam crescer e chegar ainda mais longe, sempre respeitando a verdade e os leitores. Assim, se muitas vezes a sociedade não tem voz para cobrar respostas, só a defesa da liberdade editorial responsável pode fazer as perguntas que precisam ser feitas.

Bahia Notícias

Achei Sudoeste

Acorda Cidade

Blog do Anderson

Blog do Valente

Blog Marcos Frahm

Calila Notícias

Políticos do Sul da Bahia

Radar64

RedeGN

Record dá bronca em Adelson Carvalho após apresentador chamar Lula de ”ex-presidiário”

/ Imprensa

Adelson Carvalho é apresentador da Record/Bahia. Foto: Reprodução

O apresentador do Balanço Geral, Adelson Carvalho, se meteu em um saia justa com a cúpula da RecordTV após ter chamado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ex-presidiário durante apresentação do programa na última quinta-feira (2).

Na ocasião, Adelson e o repórter João Kalil, comentavam sobre um flagrante de criminosos assaltando um idoso na Avenida Sete de Setembro, em Salvador. Ao comentar a ação dos bandidos, o apresentador, sem citar Lula, afirmou que o presidenciável defende criminosos em seus discursos.

”Kalil, de indignar, é o ex-presidiário dizer que tem pena desses jovens aí. O ex-presidiário fala abertamente que não suporta mais ver jovem apanhando, morrendo, porque roubou um celular para ter um dinheirinho. É, o ex-presidiário fala isso com a maior cara de pau. Com o maior cinismo!”, inicia Adelson.

”É o mesmo que recentemente disse que a classe média no Brasil está ostentando demais, que mora em um empreendimento de milhões. Só viaja de jatinho, cheio de segurança, com todo mundo bem armado. Tá rindo da cara do povo, tá dando risada”, concluiu.

De acordo com informações do portal Notícias da TV, o vídeo começou a viralizar em grupos de esquerda e chegou às mãos de Gustavo Orlandi, diretor de Jornalismo da Record na Bahia, e da alta cúpula da emissora em São Paulo.

Ao portal, o canal baiano confirmou a advertencia. ”Adelson Carvalho foi advertido pela direção de Jornalismo da Record TV em função dos comentários indevidos feitos na edição de quinta do programa. A orientação da direção de Jornalismo, de conhecimento de todas as redações e prevista em Manual de Práticas e Diretrizes, é para que os apresentadores se atenham estritamente aos fatos reportados. Portanto, a direção não corrobora com as opiniões pessoais emitidas pelo jornalista”, disse a emissora em nota. Com informações do site Bahia Notícias

Rota Bahia: Editores de sites e blogs do interior comemoram parceria com o Bahia Notícias

/ Imprensa

Rebeca e Fernando são editores do BN. Fotos: Max Haack / Ag Haack

Durante o lançamento na noite desta sexta-feira (3) do projeto Rota Bahia, parceria do Bahia Notícias com sites do interior do estado visando fortalecer e expandir o trabalho da imprensa baiana, os editores dos portais que integram a parceria comemoram a ideia e demonstram expectativa positivas para o trabalho em conjunto.

Com a iniciativa, o Bahia Notícias une sua tradição e credibilidade à seriedade e força de dez sites das principais regiões do estado.

O Rota Bahia vai fomentar a troca de informações, experiências e mais agilidade no compartilhamento das principais notícias. “Aproxima o Bahia Notícias ainda mais do interior. Um site já conceituado que tem uma linha ética, profissional, e que preza pelo bom jornalismo agora estreita ainda mais esse laço através de fontes confiáveis do interior”, avaliou Marcos Frahm, editor chefe do Blog do Marcos Frahm.

Dilton Coutinho, gestor do Acorda Cidade, explicou que viu o potencial da parceria desde que soube do que o Rota Bahia trataria. “A partir do momento em que nós recebemos o convite, eu encarei como algo altamente positivo. Porque hoje nós temos exemplos no mundo de empresas que se unem pra se fortalecer. Então nós nos consideramos fortes e nos aliamos a um portal que também é forte. Eu acredito que é um projeto que já nasce de sucesso”, defendeu. ”Hoje no mercado você sobrevive quando você tem credibilidade e produz um bom conteúdo. A partir do momento que a gente se une e fortalece uma rede de sites de credibilidade, eu não tenho nenhuma dúvida que será uma ótima oportunidade de prospectar negócios”, completou.

Marcos Frahm, editor do BMFrahm, comemora parceria com o BN

Já Kauê Souza, editor do site Achei Sudoeste considerou o lançamento do projeto um marco para a comunicação na Bahia. “Não só para Brumado, mas para todo o estado. E também para todos os municípios que integram o projeto. É importante valorizar o trabalho no interior somando com o da capital. Certamente será uma parceria exitosa para todos”, comemorou.

Léo Valente, do Blog do Valente, citou a força da internet no interior do estado. “Para a gente do interior, o Bahia Notícias é um site raiz, nasceu como site e isso é forte no interior. Agora estamos reafirmando uma parceira que já existia, porque antes, quando uma notícia era publicada, a gente corria no Bahia Notícias para checar a veracidade, então para a gente sempre ficou essa expectativa. Existia essa troca também por parte do Bahia Notícias, que entrava em contato para confirmar fatos locais, pedir vídeos e fotos. Agora acontece o casamento de um namoro que já acontecia com essa preocupação com a notícia”, ponderou.

De Juazeiro, Wilson Duarte, da Rede GN, honra muito grande porque sabemos da importância do Bahia Notícias para a comunicação na Bahia. É pioneiro no jornalismo político do estado. para todo interior sempre foi uma referência. Essa parceira de mais de dez anos, já estivemos em outros projetos r ficamos muito honrados em saber que também somos uma referência para o BN”, disse.

“É muito importante esse diálogo. Esse projeto vai ser importante pra trazer benefícios não só pra gente como para todo a comunidade baiana, através da informação” concluiu Anderson Oliveira, fundador do Blog do Anderson.

Senado regulamenta identidade profissional de radialista; documento pode ser usado em todo o país

/ Imprensa

O Senado aprovou hoje (18) a regulamentação da identidade profissional de radialista. Com isso, o documento pode ser usado como identidade válida em todo o território nacional. O projeto segue para sanção presidencial.

De acordo com o texto aprovado, o documento deve ser emitido pelo sindicato da categoria. Caso não exista tal sindicato na área de atuação do profissional, a carteira poderá ser emitida por federação devidamente credenciada e registrada no Ministério do Trabalho.

Não é necessário o radialista ser sindicalizado para ter direito ao documento. Basta ele ser habilitado e registrado perante o órgão regional do Ministério do Trabalho nos termos da legislação que regulamenta a atividade profissional.

Tramitação
A regulamentação do documento de identidade para radialistas sofreu um atraso na tramitação. A proposta já havia passado por três comissões, mas uma medida provisória (MP) editada pelo governo em 2019, influenciou na tramitação do projeto que cria a carteira dos radialistas. A MP criava o Contrato Verde e Amarelo e fazia outras mudanças na legislação trabalhista e as mesmas comissões pelas quais o projeto haviam passado temiam que a MP o invalidasse.

Argumentos posteriores de Jorge Kajuru (Podemos-GO) e Rogério Carvalho (PT-SE), relatores do projeto nas Comissões de Assuntos Sociais (CAS) e na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), respectivamente, mostraram que a MP não tinha qualquer relação com o projeto. Além disso, Carvalho lembrou que a MP deixou de valer porque não foi votada no prazo pelo Congresso.

Jornalista da TV Globo que foi esfaqueado é extubado e está conversando, diz o pai da vítima

/ Imprensa

Gabriel foi esfaqueado na noite de quinta-feira. Foto: Rede social

O jornalista Gabriel Luiz, de 29 anos, repórter da TV Globo Brasília, foi extubado e está conversando. As informações foram confirmadas por seu pai, Wilton Luiz, na manhã deste sábado (16). ”Ele está bastante consciente, lúcido, bem orientado. Interage bastante conosco. Nós estamos bastante confiantes”, afirmou à TV.

Gabriel foi esfaqueado na noite desta quinta-feira (14), no Sudoeste, por dois homens. Ele teve perfurações em diversas partes do corpo, foi submetido a cirurgias e está internado em um hospital particular da capital.

Um jovem de 19 anos, José Felipe Tunholi, foi preso, e um adolescente de 17 anos, apreendido. Segundo a polícia, os dois confessaram envolvimento no caso. A dupla afirmou que decidiu assaltar Gabriel Luiz porque ele estava caminhando sozinho e alegou não conhecer o jornalista.

Acordos do Tribunal Superior Eleitoral com plataformas deixam brecha para desinformação

/ Imprensa

O acordo firmado em fevereiro pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com redes sociais e aplicativos de trocas de mensagens deixou brechas em medidas de combate à desinformação no Brasil. A constatação é apontada em um estudo que analisou os chamados memorandos de entendimento com a Corte Eleitoral e concluiu que, em geral, os termos acertados foram mais brandos se comparados às ações realizadas nos Estados Unidos.

O relatório, produzido por pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), avaliou os quatro eixos do acordo do TSE com Facebook/Meta, Google/YouTube, WhatsApp, TikTok, Twitter e Kwai: disseminação de informações confiáveis e oficiais sobre as eleições, capacitação, contenção de desinformação e transparência.

Em comparação com a eleição de 2018, os pesquisadores acreditam que houve avanços, mas destacaram, por exemplo, que não há previsão de sanção às plataformas em caso de não cumprimento do acordo feito com a Justiça Eleitoral. ”Se a plataforma não cumprir com o acordado, o que o TSE fará?”, questionou a pesquisadora do INCT.DD Maria Paula Almada.

O relatório afirma que quase todas as plataformas tiveram avanços nos dois primeiros eixos estruturantes, mas tomaram medidas insuficientes no campo de contenção de desinformação. E nenhuma delas apresentou avanços no campo da transparência. ”A transparência ia dar uma compreensão maior sobre como um conteúdo é retirado”, disse o pesquisador do INCT.DD Rodrigo Carreiro. ”Temos algumas indicações de como o algoritmo funciona, mas não se sabe em que medida esse conteúdo será retirado do ar de forma automatizada ou se será retirado a partir de interferência humana.”

O Telegram, que firmou parceria com o TSE no último dia 25, após ameaça de medidas judiciais como a suspensão de seu funcionamento no Brasil, ficou fora do estudo. ”A plataforma atuava nas sombras”, afirmou o pesquisador.

Em uma primeira medida prática tomada após o memorando do TSE, o YouTube anunciou recentemente uma nova política contra a disseminação de informações enganosas sobre as eleições no Brasil. As regras permitem a exclusão de vídeos antigos que contenham alegações falsas sobre o pleito de 2018. A plataforma entende por ”alegações falsas” todo conteúdo que possa levar eleitores a desistir de ir às urnas, como afirmações de que os equipamentos do sistema eleitoral tenham sido hackeados, adulterando votos. Além disso, o YouTube anunciou que incluirá painéis informativos que levam o usuário a ”ontes confiáveis” sobre o tema.

Integração e memorandos específicos do TSE

No entendimento dos pesquisadores, porém, o YouTube precisa adotar ”regras mais rígidas de punição para casos de ataque ao TSE e às urnas e especificar marcos temporais mais claros a respeito da celeridade com a qual a plataforma promete atuar em caso de denúncias”.

Os pesquisadores ainda apontam a necessidade de haver ações integradas entre as redes ou memorandos específicos do TSE para as diferentes plataformas. ”As dinâmicas são diferentes, o modo como a notícia circula é diferente, então a gente entende que teria havido mais ganho caso houvesse acordos diferentes para cada plataforma”, afirmou Maria Paula. Pelas particularidades de cada rede, Carreiro disse não saber se é possível uma integração num horizonte próximo. ”Mas deveria ocorrer.”

O YouTube bloqueou o perfil da deputada e presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Bia Kicis (PL-DF), em fevereiro. A ação ocorreu após a publicação, no mês anterior, de uma live que questiona a eficácia da vacina de covid-19 em crianças. O vídeo, contudo, permanece ativo no Facebook e no Twitter. A parlamentar é investigada no inquérito das fake news, que tramita no Supremo Tribunal Federal sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes. Bia Kicis classificou a atitude da plataforma como ”censura odiosa”.

Procuradas, as plataformas disseram que promovem ações para melhorar o debate sobre o tema no ambiente digital.

Combate à desinformação nos Estados Unidos e no Brasil

O relatório vê a necessidade de adaptação das redes sociais ao contexto político nacional, em comparação com o ambiente digital nos Estados Unidos, país em que a maioria das plataformas – com exceção das chinesas TikTok e Kwai – estão sediadas.

No caso de Facebook e Instagram, geridas pelo grupo Meta, não há, no acordo com o TSE, especificação sobre temas, termos ou ideias proibidas de serem parte de anúncios eleitorais. ”Aqui no Brasil essas grandes questões que envolvem as plataformas vêm sempre após a experiência americana, então a gente está sempre atrasado”, disse Carreiro. ”É perceptível a diferença.”

”Os americanos conseguiram adaptar as plataformas à cultura política local”, observou o pesquisador. ”Nos Estados Unidos, a questão da urna não existe, diferentemente daqui. Essa especificidade é o que a gente procura: é preciso respeitar a lógica da plataforma, que é um ente privado, mas que ele se adapte à lógica de funcionamento no Brasil.”

O Estadão questionou o TSE sobre como a Corte avalia o diálogo com as empresas em torno da adoção de medidas de combate à desinformação e o respeito à lei eleitoral, mas não houve resposta até a conclusão desta edição.

Medidas adotadas e prometidas pelas plataformas

Facebook
EUA

1. Há especificação de temas, termos ou ideias que são proibidos de serem parte de anúncios eleitorais. Exemplo: são vetados anúncios que declaram de forma prematura a vitória de algum candidato

2. A plataforma conta com uma “biblioteca” de anúncios atualizada e com anunciantes verificados

Brasil

1. Não há especificação, apenas a indicação de violações já sinalizadas pela legislação eleitoral. Exemplo: anúncios que indicam compra de votos são proibidos

2. Também há uma ”biblioteca” de anúncios atualizada e com anunciantes verificados

YouTube
EUA

1. A plataforma publica um relatório de transparência para anúncios relacionados a cargos eletivos

2. Ela adota medidas claras a respeito de políticas de recomendação para conteúdo identificado como desinformativo

3. Há regras que proíbem conteúdo que tenham o objetivo claro de enganar eleitores, como indicações erradas de locais de votação, falsas alegações de resultados, etc.

Brasil

1. Aqui, o YouTube também publicará relatório, com promessa de atualização dos termos de verificação de anunciantes

2. Não há indicação de interferência nas políticas de recomendação

3. O acordo com o TSE não aborda o assunto, mas o Google já havia mudado seus termos para contemplar a derrubada de conteúdos desinformativos

Twitter
EUA

1. Não permite anúncio pago de nenhum candidato, partido ou órgão estatal

2. Implementa requisitos de segurança específicos para perfis políticos de grande alcance. Também acrescenta rótulos explicativos em candidatos e pré-candidatos

3. Políticas de integridade cívica são atualizadas para reduzir alcance ou até mesmo remover informações enganosas

Brasil

1. Também não permite anúncios de candidatos, partidos ou órgãos estatais

2. O foco é nas informações gerais sobre as eleições, dando espaço e mais ênfase para conteúdo oficial do TSE

3. Promete atualizar as políticas também no Brasil, inclusive abrindo um canal direto entre a plataforma e o TSE para dar celeridade no caso de denúncias

Kwai
EUA

1. A plataforma prevê a especificação de termos e tipos de vídeos suspensos, como foi o caso dos relacionados à invasão do Capitólio

2. Determinadas buscas por termos ou hashtags que são associados a discursos de ódio são redirecionadas para links de normas de comunidade

Brasil

1. Não há especificação de tipos de conteúdo, apenas indicação de retirada de informações falsas e que violem as políticas internas da plataforma

2. A plataforma publicará uma página especial com informações oficiais sobre as eleições, além de abrir um canal para recebimento de denúncias e acelerar o processo

Empresas se dizem engajadas no combate às notícias falsas

As plataformas afirmaram considerar a parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como chave para um trabalho eficaz contra a desinformação eleitoral. As redes e aplicativos disseram também que promovem ações para melhorar o debate sobre o tema no ambiente digital tendo em vista a votação em outubro. O Meta, que administra as redes sociais Facebook e Instagram, afirmou ao Estadão que ”proteger a integridade das eleições é uma prioridade da plataforma”. A empresa relatou que houve avanços no bloqueio de contas falsas, limite à disseminação de desinformação e que, em 2022, seguirá “colaborando com autoridades eleitorais”.

Uma das novidades é a adoção de um rótulo para postagens sobre eleições no Facebook e no Instagram, direcionando o usuário para a página da Justiça Eleitoral. A ação aumentou o acesso ao site em 10 vezes nos dois primeiros meses deste ano. Além disso, as duas redes vão ter, pela primeira vez, um canal de denúncias dedicado à Corte eleitoral.

O Twitter informou que pretende adotar uma ferramenta que faça com que o primeiro resultado numa pesquisa sobre eleições seja um link para a página do TSE. O Kwai, por sua vez, baseou sua política sobre eleições em cinco categorias: informações falsas sobre como participar do processo eleitoral; intimidação e incitação ao boicote às eleições; informações falsas sobre a integridade eleitoral; informações enganosas sobre candidatos; e conteúdos que infringem a legislação eleitoral.

Diretor de Políticas Públicas do TikTok no Brasil, Fernando Gallo destacou ações como a parceria com agências de checagem de fatos e o fato de a empresa não aceitar anúncios políticos pagos. ”Formamos uma parceria com o TSE relativa às eleições municipais de 2020, que foi renovada em 2022, para oferecer informações confiáveis para nossos usuários”, disse Gallo.

O YouTube afirmou que tem elaborado “um sólido conjunto de políticas e sistemas” para dar visibilidade a conteúdo confiável e reduzir a disseminação de informações enganosas. De acordo com a plataforma, não são permitidos conteúdo de supressão eleitoral, informações falsas sobre inelegibilidade de candidatos ou políticos, incitação ao público em interferência no processo democrático e desinformação sobre a integridade das eleições.

Disparos em massa no WhatsApp

Para este ano, o WhatsApp prevê o aprimoramento de uma ferramenta para o disparo de mensagens em massa, um dos grandes problemas nas eleições de 2018.

A pesquisadora Maria Paula Almada, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), disse que há promessas de mais resoluções nos memorandos com o TSE. Entre elas estão a capacidade de marcar postagens como imprecisas, a restrição de postagens de usuários banidos por desinformação, a promoção de informações verificadas e o monitoramento dos cem principais canais no Brasil. ”Se eles cumprirem o que prometeram, teremos grandes avanços na contenção de circulação de notícias falsas.”

Levy Teles, Estadão

Jornalista e cineasta Arnaldo Jabor morre aos 81 anos em São Paulo após sofrer AVC, diz imprensa

/ Imprensa

Jabor sofreu um acidente vascular cerebral. Foto: Reprodução

O cineasta, cronista e jornalista Arnaldo Jabor morreu na madrugada desta terça-feira (15), aos 81 anos, em decorrência de complicações de um acidente vascular cerebral (AVC).

De acordo com a família do jornalista, ele faleceu por volta da meia-noite, no Hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, onde estava internado desde dezembro de 2021 por conta da doença.

No final de dezembro, um boletim médico havia apontado que Jabor tivera uma melhora progressiva do quadro neurológico e se encontrava consciente. No entanto, nesta manhã, a produtora de cinema Suzana Villas Boas, ex-mulher de Jabor e mãe de seu filho João Pedro, escreveu ”Jabor virou estrela, meu filho perdeu o pai, e o Brasil perdeu um grande brasileiro” em suas redes sociais.

A cerimônia fúnebre será realizada nesta quarta-feira (16) no Museu de Arte Moderna, em sua cidade natal, o Rio de Janeiro, de acordo com Ancelmo Gois, colunista do jornal ”O Globo”.

Ao longo de sua carreira, Jabor dirigiu “Eu sei que vou te amar” (1986), indicado à Palma de Ouro de melhor filme do Festival de Cannes, além de ser um dos principais colunistas de telejornais da TV Globo desde 1991.
O primeiro filme dirigido pelo cineasta foi o curta-metragem ”O Circo”, de 1965. Sua filmografia inclui ainda longas considerados clássicos do cinema brasileiro, como ”Toda Nudez Será Castigada”, ”O Casamento”, ”Eu Te Amo” e o mais recente, ”A Suprema Felicidade”, de 2010.

Segundo seu site oficial, Jabor chegou a se afastar do cinema durante os anos 1990 por ‘força das circunstâncias ditadas pelo governo Fernando Collor de Mello, que sucateou a produção cinematográfica nacional”.
Com isso, a partir de 1991, ele passou a escrever crônicas para jornais e também a fazer comentários políticos em programas de TV da Globo, como ”Jornal Nacional”, ”Bom Dia Brasil”, ‘Jornal Hoje”, “Fantástico”, e de rádio na CBN.
Além disso, ele publicou livros de coletânea como “Os Canibais Estão na Sala de Jantar”, de 1993, e ”O Malabarista – Os Melhores Textos de Arnaldo Jabor”, de 2014. Ele deixa três ex-mulheres, Teresa Simões, Maria Eleonora Barbosa Mello e Suzana Villas Boas, além de três filhos, um deles a cineasta Carolina Jabor, e quatro netos.

Prefeitos de Jequié e Santa Inês falam à GloboNews sobre as fortes chuvas em seus municípios

/ Imprensa

Zé Cocá e Emérson falam à GloboNews. Fotomontagem/BMF

Os prefeitos de Jequié e Santa Inês, assim como outros gestores baianos falaram à GloboNews sobre as fortes chuvas que vem assolando o Estado da Bahia e deixando pessoas desabrigadas.

é Cocá (PP), que além de prefeito é presidente da União dos Municípios da Bahia, disse que um levantamento está sendo feito para contabilizar os estragos e buscar apoio dos governos estadual e federal aos municípios baianos.

Cocá revelou que 400 famílias estão desalojadas em Jequié. Já Emérson Elói (PT), disse que conta com ajuda da comunidade local, que faz doações para que possam ser destinadas as famílias afetadas em Santa Inês, 830 desabrigadas na cidade.

Homem que agrediu equipes do Grupo Aratu e da TV Bahia é secretário de Obras em Itamaraju

/ Imprensa

Home teria agredido jornalistas. Fotos:Sul Bahia News e TV Aratu

O homem que agrediu a repórter Camila Marinho, da TV Bahia, e ameaçou o jornalista Chico Lopes, do Grupo Aratu, foi identificado como Antônio Charbel Vieira, secretário de Obras da própria cidade de Itamaraju, onde as tentativas de cerceamento à imprensa ocorreram no último domingo (13/12).

Segundo o site Aratu On, Charbel furtou o microfone de Camila Marinho durante a chegada do presidente Jair Bolsonaro (PL) à cidade por conta das chuvas que caíram na região. Para defendê-la, Chico Lopes reagiu às agressões. O secretário, então, foi contido por seguranças, mas o agressor seguiu proferindo ofensas contra as equipes de imprensa.

Um outro segurança de Bolsonaro também ameaçou Chico Lopes e a equipe da Rede Bahia. Após o incidente, o presidente pediu desculpas pelo ocorrido. O Aratu On tentou contato com a Prefeitura de Itamaraju, mas não obteve resposta sobre o assunto até a publicação desta matéria.