Afinal, cães e gatos podem transmitir o novo coronavírus?

/ Artigos, Entrevista

A notícia de que o novo coronavírus havia sido detectado em um cão na cidade de Hong Kong deixou alguns tutores de animais domésticos confusos sobre a possibilidade do seu pet transmitir a doença. Confirmada pelo Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação de Hong Kong, a informação primária é de que o animal não apresentou nenhum sintoma e que o teste será refeito para verificar se o cachorro foi realmente infectado pelo vírus ou se o resultado foi alterado por algum tipo de contaminação ambiental.

Apesar do susto, segundo a médica veterinária Nádia Rossi, não há motivo para pânico entre donos de cães ou gatos, ou criadores de animais no geral. De acordo com o Membro da Comissão de Ética, Bioética e Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária da Bahia (CRMV-BA) e coordenadora do Laboratório de viroses da Ufba, a falta de informações sobre o teste realizado no cão de Hong Kong invalida qualquer certeza de que os animais domésticos representem formas de infecção.

”Ainda existem muitos estudos para serem feitos, até agora foi um cachorro só, não é uma amostra representativa. O próprio governo fala que pode ter sido uma contaminação ambiental e sugerem um reteste que até agora não foi divulgado o resultado. Outra coisa, eles nem falam qual foi o teste feito”, afirmou em entrevista ao A Tarde.

”Gerou-se um pânico, uma coisa generalizada, em cima de uma notícia que a princípio não tem nenhum valor científico para gente. Pelo contrário, gera uma preocupação muito grande com relação a abandono e maus tratos”, continuou.

Em um primeiro momento, a suspeita era de que o pangolim, animal em risco de extinção, cuja carne é consumida na China, seria o responsável por transmitir o covid-19 ao ser humano. No entanto, segundo Nádia, alguns estudos apontam que a origem do problema possa estar no morcego.

”O que se sabe até hoje sobre esse covid-19 é que ele de fato é uma zoonose (doenças infecciosas capazes de ser transmitidas entre animais e seres humanos). Com o morcego pode ser mais fácil de acontecer, pois ele está em qualquer lugar, seja ambiente domiciliar ou urbano por conta do desmatamento. A gente acaba tendo um contato indireto”, disse.

Para a veterinária, vale um estudo aprofundado sobre a participação do morcego, mais conhecidos por transmitirem raiva, na disseminação de outros vírus. Porém, ela reforça a importância do animal para o meio ambiente e chama a atenção contra qualquer tipo de mau trato.

”Não podemos criminalizar ou matar os morcegos. Eles são muito importantes para a gente. São grandes polinizadores depois das abelhas. Só as pesquisas que precisam estar um pouquinho mais voltadas às viroses de morcego, porque a gente tem percebido que os coronavírus são zoonóticos”, defendeu.

Outros tipos de Coronavírus

Ainda não há provas ou evidências de que os pets possam contrair ou transmitir o covid-19, no entanto, gatos e cachorros estão passíveis de serem infectados por outros tipos de coronavírus. Mas conforme adianta Nádia, as doenças só atingem suas respectivas espécies e não são transmitidas para humanos.

O cachorro pode apresentar dois tipos de coronavírus. Um dos vírus causa diarreia no animal e o outro, que lembra os sintomas observados no covid-19, provoca problemas respiratórios.

”A diarreia é aguda, mas não chega a ser fatal. Já na doença respiratória, o outro tipo de coronavírus é observado na chamada ‘Tosse dos Canis’, que é como se fosse uma gripe nos cães”, explicou.

O gato também pode sofrer com a família viral por meio do Coronavírus Entérico Felino, mas sem maiores consequências. O perigo é se o vírus sofrer uma mutação e favorecer o surgimento de Peritonite Infecciosa Felina (FIPV), que é fatal para o animal.

No caso do cão, é possível prevenir doença por meio da vacina polivalente V8. Já para o gato ainda não existe vacina licenciada. Não há recomendações para os pets, que devem manter em dia as visitas ao veterinário e não usarem álcool em gel.

E quanto ao ser humano? Existe alguma forma de prevenção? Pensando no além da recomendação geral de lavar bem as mãos e usar o álcool em gel, Nádia acredita que o combate a desinformação em torno do coronavírus pode ajudar bastante no combate da doença e dos mitos em torno dela.

”Infelizmente estamos lidando com muita fake news. O Ministério da Saúde disponibiliza um canal bacana para isso. Tem um grupo de pesquisadores com um médico veterinário também. Então, nada de compartilhar desinformação para não causar morte de cão e gato, que a gente acha até que não tem relação nenhuma com o coronavírus”, recomendou.

Itiruçu: Lorena ratifica pré-candidatura à reeleição e diz que quer repetir chapa com Júnior

/ Entrevista

Lorena se diz decidida sobre reeleição. Foto: Blog Marcos Frahm

A prefeita Lorena Di Gregório (PRB) ratificou sua pré-candidatura à reeleição nas eleições de 2020 em Itiruçu, ao ser indagada pelo Blog Marcos Frahm. A gestora assegurou a permanência do vice-prefeito Júnior Petrúkio (PSD) na chapa que disputará o pleito em outubro. ”Estou indo para a reeleição e a avaliação dos quatro anos de gestão será feita pelo povo. Nunca se fez tanto em tão pouco tempo. A chapa será a mesma, porque na realidade, não foi uma união apenas para ganhar a eleição, e sim um projeto político para a cidade de Itiruçu e para mudar pensamento político arcaico”, afirmou.

Médica, Lorena foi indagada sobre avanços na saúde, tendo afirmado que a receita não cobre as despesas gastas com o Hospital Municipal e que a Prefeitura faz complementação para manter a unidade hospitalar em funcionamento. ”Hoje Itiruçu é uma cidade que trabalha com um FPM na faixa de 0.8 e nós temos uma demanda que, com o que entra, a gente não consegue realizar tudo aquilo que a gente tem vontade de fazer. A questão financeira é difícil. Nós temos uma contrapartida no hospital de cerca de R$ 180 mil que a prefeitura libera com recursos próprios, pois o com o que o município recebe do estado, infelizmente, só consegue pagar a folha de pagamento. Mas diante das dificuldades, nos esforçamos para não faltar profissionais e nem medicamentos e recebemos equipamentos, mas nem só de equipamentos sobrevive um hospital, o difícil é o custeio. Pegamos uma prefeitura que não tinha sequer uma ambulância, porque a única a serviço era locada e hoje nós temos quatro”, sentenciou.

Lorena respondeu ainda às críticas que são feitas pela morosidade das obras de construção do portal da cidade, com recursos do Ministério do Turismo – herança da gestão anterior. Segundo a prefeita, a gestão tem cobrado celeridade da empresa que executa os serviços, mas justifica a demora na construção em face a problemas ocasionados no local por uma rede de alta tensão de responsabilidade da Coelba, mas que o impasse já foi sanado e que aguarda a conclusão por parte da empreiteira.

Coronel diz que encontrou Kannário em restaurante e pensou duas vezes em bater: ”não aguenta um tapa”

/ Entrevista

Coronel da Polícia Militar, Humberto Sturaro. Foto: Reprodução

O coronel da Polícia Militar da Bahia Humberto Sturaro, em entrevista hoje (26) à Rádio Metrópole, disse que pensou duas vezes em bater no cantor Igor Kannário quando o encontrou no restaurante Boi Preto, em Salvador.

”Com todo respeito ao deputado, mas não aguenta uma tapa. Eu encontrei ele no Boi Preto e pensei duas vezes, sabia? Fiquei olhando, olhei uma, olhei duas, olhei três. O que vai acontecer? Pensei: está me devendo uma, vou cobrar agora. Assim, mas vai dizer que eu fiz porque sou coronel, porque sou polícia. Outra coisa, não é meu peso, não é meu quilo. É até uma covardia. Deixa ele seguir o caminho. Estava com a esposa. Mas pega ali, sacode pelo pescoço, vai dizer o quê? Pedir socorro?”, afirmou.

Sobre o episódio que o deputado federal provocou a PM, durante desfile no Campo Grande na última segunda-feira (24) e chamou o policial para bater nele em cima do trio, Sturaro disse que poderia conduzir o pagodeiro para a delegacia quando descesse do trio, mas que depois, na eleição, ele teria mais de 600 mil votos.

O coronel ainda pediu que o DEM, partido que Kannário faz parte, dê uma punição ao parlamentar. ”Se fosse meu soldado, dentro do meu ciclo, o soldado errou. Esperando que o partido cobre isso dele. Cada ação tem uma reação”, pontuou. As informações são do Metro1

”Condeno qualquer tipo de agressão à imprensa”, diz ACM após embate entre Bolsonaro e jornalistas

/ Entrevista

ACM critica relação de Bolsonaro com à imprensa. Vagner Souza

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), condenou, em entrevista à imprensa neste domingo (16), a atitude do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), de dar uma “banana” para jornalistas durante uma coletiva de imprensa no sábado (15).

”Eu discordo inteiramente disso; condeno. Acho que quem tá na vida pública tem que tá pronto pra conversar com a imprensa. Às vezes, até em caráter de perguntas injustas e espinhosas, mas tem que tá pronto pra agir com equilíbrio. Condeno qualquer tipo de agressão à imprensa, que possa, inclusive comprometer a liberdade de imprensa. […] Não posso concordar com esse tipo de coisa, acho que é um erro”, disse, após ser questionado pelo site BNews quando participava dos festejos do Furdunço, pré-Carnaval promovido pela prefeitura.

No sábado, Bolsonaro deu ”banana” para jornalistas que trabalhavam em frente ao Palácio Alvorada. O ato foi feito após repórteres questionarem o presidente sobre o desmonte da Biblioteca da Presidência da República, para abrigar a equipe do programa Pátria Voluntária.

”Vocês só se preocupam com besteira. Nenhum livro vai embora, vai ficar tudo lá. A primeira-dama faz um trabalho de graça para o Brasil. Então, em vez de vocês elogiarem, vocês criticam. Tenha paciência”, disse. ”Quem age assim merece uma banana’, completou.

Na semana passada, o presidente já havia dado uma ”banana” para jornalistas, ao avisar que não concederia entrevista por causa da repercussão negativa a uma declaração que deu sobre pessoas com HIV representarem uma despesa.

Evitando 2022, Wagner diz que era preferível miliciano vivo para esclarecer morte de Marielle

/ Entrevista

Jaques Wagner comenta morte de miliciano. Foto: Alessandro Dantas

Apesar de dizer que não podia fazer uma avaliação sobre a operação que resultou na morte do miliciano Capitão Adriano, abatido pela polícia baiana depois de ficar quase um ano foragido da Justiça carioca, o senador Jaques Wagner disse nesta segunda-feira que era ”evidente que todos nós preferiríamos que ele tivesse sido preso, pois ele é uma peça importante no equacionamento da morte da vereador Mariell e que foi morta claramente por miliciano”, disse, em entrevista ao site Política Livre.

Ele fez questão de dizer que não estava acusando ninguém. ”Não estou falando que é isso ou aquilo, mas é claro que ele teria depoimento importante para tentar esclarecer. É uma morte fruto do pré-conceito e da discriminação feita pela posição política dela. É uma ameaça e afronta à democracia”. As declarações foram dadas pelo governador à tarde, na solenidade de comemoração do aniversário de 40 anos do PT, celebrada na Assembleia Legislativa.

Ao ser questionado sobre se pretende sair candidato ao governo em 2022, ele disse era muito cedo. ”Nós temos que cuidar das eleições municipais, tem muita água para rolar por debaixo da ponte, eu acho que é precipitado o debate sobre a eleição governamental de 2022, porque ele vai atrapalhar o processo municipal. Eu acho que passadas as eleições municipais e a posse dos novos prefeitos e prefeitas acho que é tempo de falarmos sobre isso”, disse.

Ex-governador Paulo Souto diz que prefere não se envolver na política; ”perdi as duas”

/ Entrevista

Ex-governador da Bahia, Paulo Souto. Foto: Reprodução/Band

Atual secretário municipal da Fazenda (Sefaz), em Salvador, o ex-governador Paulo Souto admite que opta por se manter reservado dos assuntos políticos nos últimos anos. ”Fui governador duas vezes, etc. Depois, fiz duas campanhas e perdi as duas. As lideranças políticas vão se renovando e acho que era o momento de deixar que aflorassem novas lideranças. Então, minha posição é essa. Eu tenho trabalhado na administração. Claro que acompanho a política, mas eu prefiro, realmente, não me envolver diretamente na política e na disputa direta de novos mandatos”, afirmou, em entrevista ao site Bahia Notícias.

Ele também despista sobre a possibilidade de colaborar na próxima gestão da capital baiana, caso o pré-candidato Bruno Reis (DEM) saia vencedor. ”Esse é um assunto que não tenho porque comentar nesse momento. Eu, agora, quero tratar dos meses que tenho pela frente na administração municipal, ver se nós vamos manter essa situação que foi tão importante para a prefeitura, e que permitiu todo esse reconhecimento. Eu que já fui governador duas vezes, já fui senador, confesso que estou muito gratificado por ver o trabalho da prefeitura como um todo e, claro, da Sefaz, reconhecido da forma que vem sendo reconhecido”, ponderou.

Dentro diversos assuntos na entrevista, o gestor falou sobre o IPTU, os incentivos fiscais concedidos pela prefeitura de Salvador e sobre a reforma da Previdência municipal. Embora diga que a situação previdenciária de Salvador não amedronte, ele defende que o assunto deva ser olhado com cuidado pelos gestores.  ”Mas, de qualquer sorte, hoje, a nossa situação previdenciária que, como toda situação dos entes públicos do Brasil, tem que olhada com cuidado. Mas a nossa, hoje, não é nada que nos amedronte, o que não significa, absolutamente, que nós tenhamos que olhar para o futuro”, disse.

”Quem for entrar em greve corto o salário e acabou, eu nem converso”, dispara ACM sobre professores

/ Entrevista

Neto promete cortar salário de professores. Foto: Roberto Viana

Durante coletiva no Hotel Wish, Campo Grande, na manhã desta quinta-feira (06), para anunciar as atrações do Carnaval desse ano, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disparou contra o estado de greve decretado por professores do município, decidida após assembléia nesta quarta-feira (05).

O chefe do executivo da capital baiana garantiu não entender a manifestação e mostrou repúdio ao protesto dos servidores, conforme publicação do site Vaerla Notícias. Neto ainda afirmou que pretende conceder reajuste aos funcionários públicos da cidade, mas avisou que se houver algum tipo de paralisação, as negociações não devem avançar.

Fábio Vilas-Boas considera exagerada proposta de cancelar o Carnaval devido ao coronavírus

/ Entrevista

”Não justifica”, diz Fábio Vilas-Boas. Foto: Leonardo Rattes

O secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas considerou exagerada a proposta do pneumologista Álvaro Cruz, de cancelar o carnaval devido ao risco de contaminação por coronavírus. ”Entendo a preocupação do Prof. Álvaro Cruz, porém a baixa infectividade e letalidade desse novo vírus, assim como a ausência de evidência da sua presença no território nacional, até o presente momento, não justifica medidas excepcionais”, disse Vilas-Boas, conforme publicação do site Política Livre.

O secretário ressalta ainda, que os casos de síndromes respiratórias causadas por variantes do vírus influenza foram responsáveis por mais de 130 óbitos no ano de 2019. E que medidas de proteção de contato, higiene das mãos e principalmente o uso de máscaras nas pessoas com tosse e espirros devem ser estimuladas como mecanismo eficaz de atenuação do contágio por esses patógenos.

Aposentados do Estado devem se atentar à nova forma de convocação para prova de vida

/ Entrevista

Sílvia Roberta Espírito Santo. Foto: Raul Spinassé/Ag. A Tarde

A partir deste ano de 2020, os aposentados do Estado da Bahia terão nova forma de apresentação da prova de vida. A mudança foi o tema da entrevista concedida pela coordenadora de relacionamento com o beneficiário da Superintendência de Previdência (Suprev), Sílvia Roberta Espírito Santo, ao programa Isso é Bahia, na Rádio A TARDE FM, em Salvador, na manhã desta segunda-feira, 27.

”Até o ano de 2019, esse recadastramento era realizado por secretaria. Agora, passa a ser pela data do aniversário. Com isso, a estimativa é que cerca de 10 mil beneficiários sejam atendidos por mês”, contou Sílvia. No total, o Estado possui cerca de 103 mil servidores inativos.

Para este mês de janeiro, os aposentados do Estado que fazem aniversário até o próximo dia 31 devem procurar os Centros de Atendimento Previdenciários (Ceprev), nos postos SAC, para realizar a prova de vida e atualizar seus dados cadastrais. A coordenadora ressalta que a medida é fundamental para garantir que o servidor inativo continue recebendo regularmente seus proventos.

A partir do próximo dia 3, começará o atendimento dos nascidos em fevereiro. O serviço está disponível em 73 unidades de atendimento, abrigadas em postos e pontos SAC da capital e interior, além do SAC Servidor, que atende no Multishop Boca do Rio, em Salvador. Ainda é possível realizar o atendimento por hora marcada em sete postos: Paralela, Salvador Shopping, Shopping da Bahia, Feira Centro II, Conquista II, Lauro de Freitas e SAC Servidor. O agendamento é feito no Portal SAC e pela plataforma do SAC Digital, disponível para aplicativo de celular e no endereço www.sacdigital.ba.gov.br.

No atendimento presencial, é necessário apresentar documento de identidade oficial com foto atual (em bom estado de conservação), CPF e comprovante de residência atual (contas de água, luz ou telefone, preferencialmente). Por exigência do Governo Federal, também é necessário apresentar o número do PIS, para atualização da base de dados do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial).

Servidores com impossibilidade de locomoção ou doença grave podem realizar o recadastramento mediante procuração (original), emitida até seis meses antes da data atual, ou através de formulário (original e com firma reconhecida) disponibilizado pela Previdência Estadual, que deve ser entregue juntamente com atestado médico, emitido até trinta dias da data atual do recadastramento, comprovando a impossibilidade do deslocamento.

Quem residir em local sem cobertura previdenciária, ou fora da Bahia, pode realizar o recadastramento por correspondência. Com informações do A Tarde

”Até o momento, não serei candidato a nada”, diz Antonio Brito sobre eleições 2020 em Jequié

/ Entrevista

Brito quer Alexandre ou Dr. Fernando. Foto: Gean Galvão/BMFrahm

O deputado federal Antonio Brito (PSD) está cada vez mais distante de representar o partido no pleito municipal de Jequié, interior da Bahia. Mas, a sua vontade de um dia ”servir” o seu estado, continua de pé.

Fiel ao líder do partido, o senador Otto Alencar, o deputado garantiu que está disposto a ir para ”qualquer posição que o senador colocar’.

”Essa parte aí [candidatura na capital], só com o senador Otto Alencar, esse é o comandante do partido. Quem não tem vontade de servir a sua terra? Eu tenho vontade de servir a Bahia, em qualquer posição que o senador colocar”, reforçou, conforme publicação do site BNews nesta quarta-feira (15), durante a inauguração do Laboratório de Estudo e Movimento da fundação José Silveira.

Apontado como pré-candidato à prefeitura de Jequié, o deputado voltou a afastar esta possibilidade: ”Até o momento, não serei candidato a nada”.

Ele lembrou que os partidos já tem dois nomes confirmados na briga preliminar, o Dr. Fernando Costa e Alexandre Iossef, gestor da Santa Casa e conhecido pelo trabalho humanitário.

Brito, no entanto, pretende contribuir para a sigla de outro jeito e disse que vai estar na frente da coordenação regional em Jequié, Jaguaquara, Itapetinga e na própria capital baiana.

Maracás: Às vésperas do Réveillon, prefeito quebra o silêncio e confirma pré-candidatura à reeleição

/ Entrevista

Prefeito Uilson Novaes, o Soya (PDT). Foto: Gean Galvão

O prefeito de Maracás, Uilson Novaes, o Soya (PDT), desde quando assumiu a Prefeitura de uma das mais importantes cidades do Vale do Jiquiriçá em janeiro de 2017 permaneceu sem dar uma palavra sequer para a imprensa sobre a disputa sucessória de 2020, inclusive, rumores chegaram a circular veementemente nos meios políticos da região de que o chefe do Executivo da Cidade das Flores estaria desistindo de disputar à reeleição, sob alegação de dificuldades enfrentadas no exercício do seu mandato.

Tudo isso até esta terça-feira (31/12), quando Soya abriu o jogo em entrevista exclusiva ao Blog Marcos Frahm e confirmou que será candidato à reeleição. Ao confirmar, pela primeira vez, publicamente, que será candidato em 2020 Soya disse que o trabalho lhe credenciará a disputar novamente o cargo de gestor público do seu município. ”Nunca fui vaidoso, pois vim da iniciativa privada e ser prefeito de Maracás não é a realização de um sonho pessoal, mas a concretização da vontade de administrar minha cidade de forma séria, transparente e de acordo com a lei, cumprindo as normas da constituição. De fato eu não demonstrava o desejo de reeleição, mas nunca havia me manifestado publicamente sobre ser ou não candidato. Em conversa com a minha família e com a nossa equipe administrativa, quando fizemos um balanço das nossas ações, chegamos à conclusão de que o que realizamos ao longo dos últimos três anos nos dar o crédito para uma nova candidatura. Gostaria de realizar muito mais, porém os problemas que enfrentamos quando assumimos o município nos impediram de avançar da maneira que queríamos, mais rápida. Como tudo acontece no tempo certo, hoje podemos dizer que fizemos uma revolução na saúde, que vem sendo tratada com prioridade e, nas outras áreas, como educação, infraestutura e agricultura também estamos proporcionando melhorias”, pontuou.

Indagado sobre o que tem feito para corresponder as expectativas dos seus eleitores e o que fará para marcar sua gestão em 2020, sem guardar segredo, Soya afirmou que, apesar de ter sido eleito prefeito, não faz política no exercício do cargo e prefere não tratar do assunto quando abordado pelas pessoas ou lideranças políticas sobre o tema. ”A política deve ser discutida na hora da política, porque entendemos que o nosso perfil não é político e sim administrador”.

Revelou que equilíbrio financeiro é a sua principal estratégia para administrar Maracás.

”Estamos em uma época em que muitas prefeituras estão encontrando dificuldades para fechar as contas, para pagar salários e nós também enfrentamos as dificuldades financeiras. Contudo, buscamos equilibrar os gastos públicos e a prova disso é o resultado de contas aprovadas e de salários em dia, na conta do trabalhador, sem atrasar o pagamento de quem derrama o seu suor em prol do desenvolvimento do nosso município e vamos continuar assim até o último dia desse mandato, sem complicar a vida das pessoas e sem ver na mídia nenhuma notícia relacionada à corrupção no meu governo”, profetizou.

Ao finalizar, o mandatário enfatizou que uma obra de construção de casas populares através de convênio firmado entre município e Governo Federal beneficiará 100 famílias e acredita que será o marco da administração pública em 2020, tendo revelado que aguarda a autorização da Câmara Municipal para que o município celebre operação de crédito/empréstimo junto a Caixa Econômica Federal, no valor de R 9 milhões, para pavimentação de ruas. ”São casas que irão mudar a vida de muita gente e também pretendemos pavimentar mais ruas em paralelepípedo e dar um banho de asfalto no Centro da cidade, para melhorar o aspecto urbanístico e dar cara nova a Maracás. Já pavimentamos dezessete ruas em 2019 e vamos percorrer toda a cidade com essas obras. Para isso, precisamos do apoio da Câmara e contamos com o bom senso dos vereadores que querem o bem de Maracás”, concluiu.

O projeto de Lei para contrair o empréstimo já foi enviado à Casa Legislativa, mas ainda não foi levado a votação.

 

Jaguaquara: Raimundo apela ao bom senso de Ademir para entrar na disputa pela Prefeitura em 2020

/ Entrevista

Raimundo manda recado para Ademir. Foto: Gean Galvão/BMF

O presidente da Câmara de Vereadores de Jaguaquara, Raimundo Louzado, ao fazer balanço de sua gestão à frente do Poder Legislativo, em entrevista à Rádio Povo FM, na segunda-feira (23/12) pediu bom senso do ex-prefeito Ademir Moreira, em relação à sucessão municipal de 2020.

Argumenta que a insistência do ex-prefeito em dizer que disputará a prefeitura no próximo ano, pode trazer prejuízos para o campo das oposições ao prefeito Giuliano Martinelli (PP), que deverá lançar a secretária de Desenvolvimento Social, Edione Agostine, para lhe representar na disputa.

”É preciso que haja bom senso”, recomenda o vereador que reconhece a força política do ex-prefeito, que ainda luta na justiça o direito de concorrer. ”Se ele lançar a sua pré-candidatura, ele vai tocar a candidatura dele e eu vou tocar a minha, assim como os outros pré-candidatos. Contudo, acredito que chegou a nossa vez de apresentar à sociedade um jeito novo de governar”. Louzado defende a soma de esforços, pois, ”somando as forças dessas lideranças políticas criaremos condições de formar um projeto em benefício da população”, disse o presidente da Câmara, que ainda cogita a possibilidade de união com outros nomes que estão sendo cogitados no campo das oposições como Flávio Souza, Vavá da Padaria e Pedrinho.

Raimundo Louzado lembrou ainda ter iniciado sua trajetória política com Ademir em 2000, com quem mantém uma relação de amizade e política.

Questionado pelo radialista Dilson Piropo sobre possibilidade de voltar às pazes com o prefeito Giuliano, de quem já foi vice, Raimundo Louzado afirmou que isso está descartado e relembrou o constrangimento que ele disse ter sido submetido quando Martinelli o ignorou no aniversário da cidade em maio deste ano, quando saudou o vereador Élio Boa Sorte (PP) como representante da Câmara no evento, sem lhe mencionar como presidente. ”No aniversário da cidade, em praça pública, uma data histórica, uma data marcante e, pela vaidade do cargo, o prefeito em cima do palanque me ignorou tentando me submeter o constrangimento e ali foi o estopim para cortar com ele todas as relações políticas. Você afasta as possibilidades quando você percebe que está sendo pisoteado, massacrado. Pela diplomacia, pela hierarquia ele deveria me cumprimentar”, desabafou. Raimundo disse acreditar na força do povo e assegurou que não irá recuar da decisão de disputar o Executivo.

Eleito pelo PR, partido que é controlado na cidade pela secreteária de Governo, a primeira-dama Geisa Martinelli, Louzado deve se filiar ao PSD de Otto Alencar no próximo ano, sob anuência do deputado federal Antônio Brito, que representa a sigla partidária na região.

 

Prefeito ACM Neto reafirma que anunciará os seu candidato à sucessão de Salvador em 6 de janeiro

/ Entrevista

”no dia 6 farei o anúncio do meu candidato”, diz. Foto: BNews

O prefeito ACM Neto (DEM) disse na manhã desta quinta-feira (26) que mantém 6 de janeiro a data em que anunciará seu candidato à prefeitura de Salvador em 2020. Segundo ele, as conversas com aliados, lideranças e representantes partidários têm acontecido nos últimos dias.

”Elas estão acontecendo. Aconteceram nesses dias e continuarão acontecendo. Minha agenda está bastante dedicada a essas articulações. Está confirmado que no dia 6 farei o anúncio do meu candidato a prefeito. E as conversas estão avançando. Claro que o formato das coisas como vão acontecer, o timing, isso está sendo avaliado. Não só presidentes de partido, lideranças políticas.Tenho exposto minha visão sobre o cenário, os dados das pesquisas, tudo isso a gente está avaliando”, disse, em entrevista à imprensa durante a inauguração da Avenida Edgard Santos, responsável por ligar a Avenida Luís Viana Filho (Paralela) a bairros como Narandiba, Doron, Cabula e Tancredo Neves.

”Violência contra a mulher é uma doença social”, alerta Major Denice Santiago, da Maria da Penha

/ Entrevista

Major da Polícia Militar, Denice Santiago. Foto: Divulgação

Da ideia de felicidade condicionada ao encontro do príncipe encantado até o imaginário social de que a mulher deve sempre perdoar. Questões complexas como estas, construídas ainda na infância, podem favorecer o crescimento da violência contra a mulher. É o que aponta a psicóloga e policial militar Major Denice Santiago, criadora da Ronda Maria da Penha – programa em atividade desde março de 2015.

Na entrevista a seguir, Major Denice destaca ainda o alcance das políticas protetivas da Ronda, as características do chamado ‘ciclo de violência’, além dos perfis das mulheres que mais sofrem agressão. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), houve aumento de 24% na média mensal de agressões à mulher, entre os anos 2017 e 2018 – somente entre os casos denunciados através do 180.

Major Denice, quais são os fatores que costumam levar a mulher a suportar por um longo período um relacionamento violento?

Desde pequenas, nós ouvimos que a mulher só pode ter um só namorado, que tem que sentar de perna fechada, que não pode sair sozin, enquanto os meninos são libertos. Nós construímos um ‘ser mulher’ atrelado a conviver perdoando. Nos contos de fadas, na sua maioria, é sinalizado que nós precisamos ter um homem pra sermos salvas e protegidas. E o que é mais perverso, no final do conto seremos felizes para sempre só ao lado daquele homem. Então, se crescemos construindo uma imagem de que precisamos ser felizes para sempre com nosso príncipe encantado, quando a mulher encontra seu príncipe, ainda que ele vire um sapo depois, ela ainda vai acreditar que foi culpa dela a violência que sofreu. Ela vai perdoar esse homem, no que chamamos de ciclo da violência.

Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), quando a mulher rompe esse ciclo de violência, ela já sofreu, em média, sete agressões anteriores. Então, quando uma mulher chegar para nos dizer ‘meu marido me bateu’, nunca é a primeira vez e ela pode se movimentar para perdoar, e nós temos que respeitar isso. Nós só podemos fazer uma coisa: dar a essa alma humana o respeito. Nós, mulheres, fomos ensinadas a ceder e, às vezes, isso significa ceder a nossa dignidade, a nossa força e a nossa coragem.

Como identificar as características desse ciclo de violência que podem ser denunciadas desde a primeira ocorrência?

A Lei Maria da Penha criou só um crime novo, que é o descumprimento de medida protetiva. Fora isso, todos os crimes que estão no Código Penal são contemplados pela Lei. Então, se a mulher é caluniada, difamada, injuriada, ameaçada, sofre lesão corporal ou tentativa de homicídio, ela deve denunciar. Há quem diga que a denúncia destrói uma família. Não! Para mim, quando uma mulher denuncia, ela está, no mínimo, salvando duas vidas: a dela e a do autor da violência. Então, a denúncia é salvadora. A mulher não denuncia para ver processar o crime que sofreu, ela denuncia para salvar a sua vida. Nós precisamos saber identificar uma relacionamento abusivo desde o início. Se, no primeiro dia de namoro, a violência se manifestar, a gente tem que parar. Um conselho: ouça seu corpo, ele fala com você o tempo todo. Se chegar uma mensagem ou tocar o telefone e for o seu companheiro, caso aquilo lhe traga uma sensação que não seja de felicidade ou a mulher tenha que mentir sobre onde está, o que está usando etc, tem alguma coisa errada. Se o diálogo não for mais possível e outras violências já estiverem instaladas, o ideal é denunciar.

É possível traçar o perfil da mulher que mais sofre violência?

A violência doméstica contra a mulher é uma doença social. Ela atinge mulheres em todas as classes, etnias e religiões. Mas não podemos esquecer da interseccionalidade e das violências acumuladas às quais as mulheres estão sujeitas. Algumas mulheres de classe alta podem inventar uma viagem para Paris, o médico vai à casa dela, o advogado dela vai resolver tudo, nem na delegacia ela chega. Agora, uma mulher pobre ou de zona rural vai ter que sair de casa, ir à delegacia, ao departamento de polícia técnica, voltar para a delegacia e acompanhar o processo. Ela se sente humilhada desde a saída de casa. Há uma série de situações acumuladas que vão fazer com que a violência chegue na mulher pobre, negra, de zona rural de forma mais contundente e perversa. Porém, essa é uma doença que pode alcançar todas as mulheres. Nós, da Ronda Maria da Penha, atendemos mulheres de Alphaville, do Horto Florestal, do Calabetão, da Graça, do Cabula, de Brotas. Estamos em toda a cidade.

Ainda há casos de mulheres que, ao denunciarem, sentem-se constrangidas pela própria estrutura das unidades especializadas. Como alterar essa situação?

As Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs) são uma ferramenta importantíssima. O que temos hoje é uma evolução em políticas públicas com as DEAMs, fazendo atuações preventivas com essas mulheres. Porém, temos em vista que se trata de um crime cultural e mudar uma cultura não é tão fácil. Nós, policiais militares, não somos aliens. Nós trazemos também essas marcas, mas estamos fazendo um esforço para modificar esse quadro. E, no caso daquelas mulheres que foram atendidas e que achem que não foi correto, peço que busque denunciar a situação nas ouvidorias das instituições, para podermos melhorar nossos serviços.

Quais os impactos da Lei Maria da Penha, hoje, no processo de combate à violência contra a mulher?

Pra mim, a Lei Maria da Penha é um divisor de águas em nossa sociedade. No nosso país não existia violência doméstica, o que existia era ‘briga de marido e mulher’. A Lei vai dizer que isso que a gente chamou de ‘briga de marido e mulher’ é um crime. E, a partir daí, a sociedade tem se movimentado para enxergar a mulher de uma outra forma. Nós tivemos avanços significativos, como a Lei da Importunação Sexual. Tivemos o fortalecimento do feminismo e da mulher em relação a si própria. Consequentemente, houve esse exercício de mudança cultural, do respeito, da prática da sororidade, para a mulher entender que ela não está sozinha.

*Sob a supervisão da editora Thaís Seixas