Brasil registra 1.786 mortes por Covid em 24 h; média móvel de óbitos bate recorde pelo 6º dia

/ Brasil

O Brasil registrou 1.786 mortes pela Covid-19, nesta quinta-feira (4). Pelo 6º dia consecutivo, o Brasil bateu o recorde de média móvel de óbitos, 1.361.

Nesta quinta, o país completa 43 dias com média móvel de mortes acima de 1.000. O recorde anterior da média é de 1.332. O número de mortes registrado nesta quinta é o segundo mais elevado, atrás somente dos óbitos da última quarta (3), 1.840.

O alto número de mortes é acompanhado por alta contaminação. Foram registrados 74.285, terceiro maior número de toda a pandemia, atrás apenas das 74.376 infecções registradas na última quarta e ao recorde do dia 8 de janeiro, com 84.977 infecções, no qual ocorreu uma revisão de dados do Paraná que elevou artificialmente o dado geral de casos do país.

Dessa forma, o total de mortes chegou a 261.188 e o de casos a 10.796.506, desde o início da pandemia. O Brasil enfrenta o pior momento da pandemia, com situações críticas em todas as regiões do país e até mesmo colapsos em algumas áreas. Os níveis de ocupação de UTIs estão acima de 90% em diversas capitais.

Em nota técnica nesta semana, a Fiocruz alertou sobre o grave e inédito momento do país na pandemia. “Pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Srag [Síndrome Respiratória Aguda Grave], a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais”.

Segundo o boletim, ”os dados são muito preocupantes, mas cabe sublinhar que são somente a ‘ponta do iceberg”.

O consórcio de imprensa também atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 26 estados e o Distrito Federal. O processo de imunização no país avança lentamente ao mesmo tempo em que a pandemia piora.

Foram aplicadas no total 10.135.419 doses de vacina (7.671.525 da primeira dose e 2.463.894 da segunda dose), de acordo com as informações disponibilizadas pelas secretarias de Saúde.

As vacinas disponíveis no Brasil são a Coronavac, do Butantan e da farmacêutica Sinovac, e a Covishield, imunizante da Fiocruz desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca. A vacina da Pfizer tem o registro definitivo, mas ainda não está disponível no país.

O consórcio de veículos de imprensa foi criado em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes.

*Folhapress

Os comentários estão fechados.