Estado de Alagoas tem 50 municípios em estado de emergência por causa das chuvas

/ Nordeste

O estado de Alagoas reconheceu a situação emergencial em mais 15 municípios devido às chuvas que caem na região. Com a medida, segundo a Agência Brasil, o estado está com cerca de 50 municípios em situação anormal desde maio, quando houve o aumento dos estragos causados pelas enchentes e o número de desabrigados.

O decreto publicado neste sábado (2) declara a emergência pelo período de 180 dias nos municípios alagoanos de Atalaia, Branquinha, Cacimbinhas, Cajueiro, Capela, Limoeiro de Anadia, Murici, Pão de Açúcar, Paulo Jacinto, Santana do Mundaú, São José da Laje, Satuba, Taquarana, União dos Palmares e Viçosa.

Antes da medida, a situação emergencial foi decretada em pelo menos 35 municípios. De acordo com balanço divulgado pela Defesa Civil, há 40 mil pessoas desalojadas e desabrigadas, que estão sendo levadas para escolas, ginásios e prédios públicos.

Os rios Paraíba e Mundaú transbordaram e subiram dois metros de altura. As BRs 104 e 101, que seguem em direção a Sergipe e Pernambuco, foram interditadas. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o mês de julho terá chuvas acima da média no leste do Nordeste e no norte da região Nordeste. Os volumes previstos devem ficar acima dos 140 mm.

Uma equipe da Defesa Civil Nacional foi deslocada neste sábado (2) para prestar apoio aos municípios atingidos pelas chuvas.

Base de Bolsonaro e oposição batalham por controle e início da CPI do Ministério da Educação

/ Educação

Às vésperas da reunião no Senado desta terça-feira (5) para traçar o futuro do pedido de CPI para investigar casos de corrupção no MEC (Ministério da Educação), o Palácio do Planalto tenta adiar a instalação para depois das eleições. Ao mesmo tempo, entrou na disputa com a oposição por uma aliança com o PSD, segunda maior bancada e que pode ser determinante para os rumos da investigação.

O presidente da Senado, Rodrigo Pacheco ( PSD-MG), prometeu uma decisão no início desta semana, após reunião com os líderes da Casa. O encontro deverá expor um racha entre os partidos. Mesmo dentro do PT há dúvidas em relação aos benefícios com a criação da CPI em meio à campanha eleitoral.

A ideia do governo de obter apoio político para retardar a instalação da comissão até depois das eleições também conta de imediato com o endosso de algumas das principais bancadas do Senado, como o Podemos. Num cenário em que a maioria é favorável ao andamento da CPI já a partir desta semana, as investigações só devem começar em agosto. A tendência é que Pacheco aguarde as indicações do membros da comissão durante o recesso do Legislativo (que deve começar em duas semanas).

Apesar de a CPI nem sequer ter sido criada, líderes governistas e da oposição iniciaram uma ofensiva para fechar um acordo com o PSD e assim obter o controle em uma possível investigação do balcão de negócios no MEC. Na reunião com os líderes da Casa nesta terça, o presidente do Senado busca dividir com os partidos a responsabilidade pela decisão de instalar ou segurar a comissão investigativa.

Além da CPI do MEC, proposta pela oposição, também há sobre a mesa de Pacheco dois requerimentos de comissões governistas: uma para investigar o narcotráfico e outra para apurar obras paradas de educação. Pacheco vai precisar analisar um requerimento do líder do governo Carlos Portinho (PL-RJ) pedindo que a ordem de instalação seja cronológica, seguindo a antiguidade de protocolo dos documentos das CPIs.

O líder do PL e filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PL-RJ), afirmou à Folha na quinta-feira (30) que vai defender na reunião que a instalação da CPI aconteça apenas depois das eleições. ”O governo não teme CPI nenhuma. Mas está evidente que essa CPI que querem instalar é eleitoreira, para tentar atingir o governo do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou, ao chegar no plenário.

Governistas têm buscado as bancadas para articular em favor da alternativa de retardar para outubro a abertura das CPIs. A avaliação é que pouco pode ser feito em relação à posição do MDB, maior bancada da Casa e cujos senadores assinaram quase que em bloco o requerimento de instalação.

Por outro lado, há pressão sobre o PSD. O partido foi um dos protagonistas na CPI da Covid no ano passado e teve o presidente da comissão, o senador Omar Aziz (PSD-M), além da participação de Otto Alencar (PSD-BA). A situação atual, no entanto, indica ser outra. Apenas Aziz defende a instalação da CPI do MEC. Se o PSD se posicionar a favor de adiar para outubro, a proposta ganha força, considerando que os governistas PL e PP possuem bancadas expressivas.

O líder do PSD, Nelsinho Trad (MS), tem demonstrado a aliados resistência à abertura da investigação em ano eleitoral, mas tem dito que a decisão dependerá da reunião desta terça. Líderes de outros partidos se opõem à realização neste momento da CPI. Álvaro Dias (Podemos-PR) chegou a anunciar no plenário que vai indicar Jorge Kajuru (Podemos-GO) para a comissão, mas ele próprio e a maioria da bancada são contra a comissão em período eleitoral.

“Em agosto, começa a campanha eleitoral. Aqueles que são candidatos ou que possuem liderança de força nos estados e devem participar da campanha estariam obviamente distantes da CPI e não poderiam participar. Teria uma limitação para o funcionamento da CPI. Por isso vai se discutir o adiamento da instalação da CPI para depois das eleições”, afirmou Dias. “Outubro seria adequado, porque no dia 2 de outubro o Congresso já estaria eleito, todos os que desejassem poderiam participar. Dessa forma eu apoio. A precipitação de instalação de CPI nesse período eleitoral, eu mantenho a minha posição [contrária]”, completou.

Mesmo tendo assinado o requerimento, o líder do PSDB, Izalci Lucas (DF), também defende que os líderes discutam a viabilidade política da instalação da CPI neste momento. ”Eu vejo assim: não podemos banalizar CPI, que é o único instrumento que o Congresso tem, que tem poder de polícia, de verificar documentos, informações, convocar pessoas. A gente não pode pegar isso e utilizar como palanque eleitoral”, afirma.

“Eu assinei o requerimento porque, de fato, têm coisas a serem esclarecidas [no caso do MEC]. A minha preocupação é essa, de não banalizar esse instrumento importante. Vamos ponderar isso [na reunião], as pessoas indicadas [para a comissão], qual é a intenção real”, completa. No caso do PSD, que é disputado nas negociações para a composição da comissão para investigar o balcão de negócios do MEC, o partido é considerado o fiel da balança para garantir o controle do colegiado.

Nos cenários traçados por opositores de Bolsonaro, o partido precisaria indicar ao menos um membro favorável à investigação para que a CPI funcione de acordo com os planos de parlamentares alinhados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As apostas são que o PSD indique os senadores Daniella Ribeiro (PB), que tem adotado postura mais crítica ao governo e à gestão do MEC, e Carlos Fávaro (MT), que é alinhado ao Planalto.

Para selar uma maioria oposicionista, o grupo que defende a investigação avalia negociar com o PSD um cargo na cúpula da CPI —como foi feito na comissão da Covid. O cenário da oposição considera que o MDB deverá indicar os senadores Marcelo Castro (PI) e Renan Calheiros (AL), algozes de Bolsonaro.

Outros cotados são Alessandro Vieira (PSDB-SE), Jorge Kajuru (Podemos-GO) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). No PT, a disputa é entre Fabiano Contarato (PT-ES) e Jean Paul Prates (PT-RN). As outras cadeiras são de partidos governistas, como PP e PL, ou de independentes, caso do União Brasil.

Na semana passada, Pacheco também levantou a hipótese de unificar os requerimentos de oposição e governistas para realizar uma única CPI do MEC. Publicamente, tanto os aliados de Jair Bolsonaro como os adversários condenaram a ideia. Nos bastidores, a oposição enxerga a proposta como uma manobra do presidente da Casa para tentar esvaziar as CPIs em ano eleitoral.

Petistas afirmam que essa opção praticamente sepultaria a comissão. Alguns senadores do PT chegam a questionar reservadamente os benefícios da CPI às vésperas do ano eleitoral.

Thiago Resende, Renato Machado e Julia Chaib / Folhapress

Após ameaça de corte de internet, Sesab marca consulta pré-cirurgia de aposentada de 55 anos

/ Bahia

A atuação da Defensoria Pública da Bahia garantiu atendimento a uma mulher de 55 anos que precisa de atendimento médico para aliviar dores crônicas intratáveis na coluna. A consulta pré-operatória será custeada pelo Estado para realização da cirurgia que já havia sido garantida em decisão judicial no ano passado.

Há mais de 10 anos, a mulher tem implantado na coluna um eletrodo medular, aparelho que alivia as dores crônicas intratáveis causadas após erro médico. Contudo, desde agosto de 2020, o gerador de impulsos elétricos do aparelho parou de funcionar e as dores voltaram. ”Eu tomo oxicodona, morfina e não passa a dor”, conta a aposentada, que buscou a Defensoria em 2021 para garantir na justiça a troca do gerador.

Em setembro do ano passado, a Justiça determinou que o Estado arque com as custas do procedimento. Como a sentença não havia sido cumprida, a DP-BA insistiu, peticionando no processo, para adoção de medidas concretas para garantir o procedimento a Aldiceia. No último dia 27, o Judiciário determinou a suspensão, por um período inicial de 48 horas, dos serviços de internet das unidades administrativas da Sesab.

”O Estado se manifestou no processo após receber a ordem de corte de internet. Medidas como essa não são tão comuns e tem um impacto negativo para o ente público. Por outro lado, se revelam adequadas e eficazes para garantir o cumprimento da ordem judicial”, destaca a defensora Paloma Pina Rebouças, que atua no caso.

Após receber a notificação da sentença, a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) entrou em contato com a paciente agendando uma consulta pré-operatória no Hospital Roberto Santos na última quinta-feira (30). De acordo com a defensora Paloma, o pedido feito pela Defensoria foi de bloqueio de verbas públicas, no valor equivalente ao orçamento para realização da cirurgia por hospital privado.

A paciente tem outros problemas de saúde decorrente das fortes dores de coluna, como quadro depressivo, gastrite e úlcera estomacal desenvolvidos durante o período de espera, por conta da grande quantidade de remédios utilizados. ”Depois de quase dois anos de espera, só agora estou mais próxima da realização da cirurgia. Eu não estava mais vivendo, apenas vegetando, porque comecei a ter dificuldades de andar”, relata a assistida. Com informações do site Bahia Notícias

Distrito Federal registra primeiro caso de varíola dos macacos; homem está isolado, diz secretaria

/ Saúde

O Distrito Federal (DF) registrou o primeiro caso de varíola dos macacos (Monkeypox). De acordo com comunicado divulgado neste sábado (2) pela Secretaria de Saúde, o paciente é um homem na faixa etária de 30 a 39 ano, com histórico de viagem para a Europa. O paciente está em  isolamento domiciliar e é acompanhado por equipes de vigilância epidemiológica.

Até o momento, o Brasil registrou pelo menos 21 de casos da doença. A varíola dos macacos é causada por vírus e transmitida pelo contato próximo/íntimo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. Segundo a Secretaria de Saúde, o contato pode se dar por meio de um abraço, beijo, massagens, relações sexuais ou secreções respiratórias. A transmissão também ocorre por contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram utilizadas pelo doente.

Não há tratamento específico, mas, de forma geral, os quadros clínicos são leves e requerem cuidado e observação das lesões. O maior risco de agravamento acontece, em geral, para pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, leucemia, linfoma, metástase, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes e crianças com menos de 8 anos de idade.

”No Brasil dos que cultivam o ódio, o 2 de julho é todo dia”, diz Lula em evento com Rui e Jerônimo

/ Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou seu discurso na Arena Fonte Nova, neste sábado (2), para comparar a atual situação do país com a luta pela independência travada pela Bahia. ”No Brasil dos que cultivam o ódio e a mentira, o 2 de julho é todo dia. E não haverá paz, se não houver luta”, defendeu o pré-candidato ao Palácio do Planalto.

No texto, Lula aproveitou para fazer um afago às Forças Armadas, que estão entre as principais bases de apoio do principal concorrente do petista nas eleições deste ano, o presidente Jair Bolsonaro.

”O Brasil independente e soberano que queremos não pode abrir mão das suas Forças Armadas. Não apenas bem treinadas e equipadas, mas sobretudo comprometidas com a democracia. Cabe às Forças Armadas atuar na defesa do território nacional, do espaço aéreo e do mar territorial, cumprindo estritamente o que está definido pela Constituição”, defendeu.

Entre as propostas citadas por Lula estavam ainda a revogação do teto de gastos, a defesa de estatais como Petrobras e Correios, e a defesa da Amazônia. ”Chico Mendes, Bruno Pereira, Dom Phillips, Dorothy Stang e tantos outros heróis e heroínas que perderam suas vidas na defesa da Amazônia jamais serão esquecidos”. Com informações do site Bahia Notícias

ACM Neto ironiza eventual ofuscamento de candidatos com presença de presidenciáveis

/ Política

Pré-candidato ACM durante desfile do 2 de Julho. Foto: Divulgação

”Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo. E todo mundo me quer bem. Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo. E todo mundo é meu também”. O trecho de “Já sei namorar”, de Os Tribalistas, cabe bem ao momento político do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (União Brasil) em relação à disputa presidencial. Tanto é que, com a presença de cinco presidenciáveis na capital baiana nas celebrações da Independência da Bahia, o pré-candidato ao governo preferiu ironizar as atenções e holofotes voltados para os nomes que disputam o Palácio do Planalto.

”[O ofuscamento] Só se foi de quem está do lado de algum presidenciável como padrinho. Estou aqui com o povo da Bahia e o povo da Bahia está comigo”, despistou ACM Neto, em uma provocação implícita aos adversários Jerônimo Rodrigues, apoiado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que caminhou um trecho do cortejo do Dois de Julho, e João Roma, que esteve em uma motociata com o presidente Jair Bolsonaro em uma área distante do circuito entre o Largo da Lapinha e a Praça Municipal.

TERMÔMETRO

O hiato de dois anos da participação popular no Dois de Julho foi ressaltado pelo ex-prefeito de Salvador. No último dele à frente do Palácio Thomé de Souza, em 2020, a festa foi suspensa em virtude da pandemia da Covid-19. ”Depois da pandemia essa é a primeira grande manifestação popular da Bahia nas ruas. Com certeza, é motivo de muita emoção, a gente estar aqui hoje. Sentimos falta desse contato, tão amplo, tão democrático”, avaliou. ”É um termômetro, não há dúvida” completou. *Bahia Notícias

João Roma diz que Bahia ”não combina com práticas políticas atrasadas” e elogia Bolsonaro

/ Política

Jair Bolsonaro e João Roma no 2 de Julho. Foto: Rede social

Pré-candidato ao governo do estado pelo PL, o deputado federal João Roma fez um longo discurso, neste sábado (2), durante o ato do presidente Jair Bolsonaro em Salvador. No dia que se comemora a Independência da Bahia, 2 de julho, o ex-ministro da Cidadania falou em trazer mudanças.

”Que alegria esse Dois de Julho, dia da nossa Independência, de um Brasil novo, que a Bahia foi protagonista. Essa mesma Bahia grandiosa, com território maior do que a França, e um povo valoroso, que não combina com práticas políticas atrasadas”, ressaltou.

Ele ainda aproveitou para fazer diversos elogios a Bolsonaro, afirmando que o presidente ”tem tratado a Bahia e os baianos com muito carinho”.

”Vamos gritar por liberdade ao lado de um presidente que muitas vezes é atacado, mas é justamente ele que defende o cidadão. Como ele resumiu: menos Brasília, mais Brasil. Para que possamos, cada vez mais, não nos curvar a uma burocracia que olha para o seu umbigo, e que para eles a classe política fica apartada do restante do Brasil. Queremos a Bahia de mãos dadas com o Brasil”, pontuou.

Roma citou também o Auxílio Brasil, que teve seu valor de R$ 600,00 aprovado nesta sexta-feira (1º). ”Disseram que ele ia acabar com o Bolsa Família. Sabe o que ele fez? Criou o Auxílio Brasil e triplicou os recursos da área social. E a Bahia é o estado brasileiro onde há a maior quantidade de famílias beneficiárias, mais de 2 milhões”, destacou. Com informações do site Bahia Notícias

Relembre as mulheres que foram determinantes e fizeram história na Independência do Brasil na Bahia

/ Bahia

Desfile com o carro da Cabocla pelas ruas da Liberdade Foto: TV Bahia

Os baianos hoje podem cantar no 2 de Julho que ”nunca mais o despotismo regerá nossas ações”. Para isso, mulheres como Maria Quitéria, Maria Felipa e Joana Angélica contribuíram na luta e foram determinantes na luta da Independência do Brasil na Bahia.

Também existe a figura da cabocla, que junto com o caboclo, é um dos principais símbolos da Independência do Brasil na Bahia. Ela representa a índia Catarina Paraguaçu e a figura feminina nas lutas.

Maria Quitéria é conhecida por lutar vestida de homem para ajudar o exército a expulsar as tropas portuguesas da Bahia. Ela saiu de casa escondida do pai viúvo e usou a farda que pegou do cunhado.

Por seu ato de bravura e ousadia, ficou conhecida como ”soldado Medeiros” e se tornou um dos ícones da Independência do Brasil na Bahia.

De acordo com o registro da Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento e Sant’Ana, no bairro de Nazaré, em Salvador, aonde seus restos mortais estão sepultados, Maria Quitéria foi sepultada no local em 21 de agosto de 1853, aos 56 anos. Ela morreu após ser vítima de uma inflamação no fígado.

Maria Felipa ficou na história da Bahia porque comandou cerca de 40 mulheres na luta pela independência do Brasil no estado. Baiana, negra, natural da Ilha de Itaparica, segundo relatos históricos, o grupo liderado por ela foi responsável por queimar 42 embarcações portuguesas.

Além disso, há também sobre o a lenda da surra de cansanção (vegetal que provoca urtiga e sensação de queimadura ao toque com a pele) que Maria Felipa teria dado em homens portugueses.

Sobre Maria Felipa, historiadores apontam que existem relatos de que seus restos mortais estejam na Igreja do São Lourenço, na Ilha de Itaparica. Ela morreu no dia 4 de julho de 1873.

A abadessa Joana Angélica foi mártir na luta pela independência do Brasil na Bahia. Ela se destacou pela bravura e coragem ao enfrentar tropas portuguesas dispostas a invadir o Convento da Lapa, localizado no centro da cidade de Salvador.

O Convento foi construído em 1744 e o local também pode ser visitado. Soteropolitana, Joana Angélica de Jesus nasceu em Salvador no ano de 1761 e morreu em 1822, assassinada pelas tropas portuguesas quando tentava proteger o local.

Ao lado da porta onde Joana Angélica foi morta, uma placa do Instituto Geográfico da Bahia foi instalado em homenagem a ela. No entanto, com uma falha, apesar de exaltar a abadessa com uma heroína, a data do confronto está errada, 20 de fevereiro de 1822.

A cabocla, junto com o caboclo, é um dos principais símbolos da Independência do Brasil na Bahia. Também é um dos ícones da participação popular nas lutas.

A imagem da cabocla, representa a índia Catarina Paraguaçu e a figura feminina nas lutas pela independência. Ela surgiu em 1840 ou 1849 (há controvérsias quanto à data precisa), quase 20 depois do caboclo, que representa os índios e mestiços baianos, e foi esculpido por Manoel Inácio da Costa.

A cabocla e o caboclo são abrigados no pavilhão Dois de Julho, no Largo da Lapinha. Durante todo o ano, os carros saem do pavilhão com as imagens do caboclo e da cabocla, em direção ao Campo Grande, centro da cidade. Com informações do G1

Homem de 6 anos morto na Estação Pirajá, em Salvador, não tinha uma hora fora da prisão

/ Polícia

Tiroteio deixa feridos no terminal de Pirajá, em Salvador. Foto: G1

Um homem identificado como Diego dos Santos Souza, de 36 anos, foi morto no fim da tarde na Estação Pirajá, em Salvador. Ele tinha acabado de deixar a prisão, segundo a Polícia Militar da Bahia (PM-BA), e acabou virando alvo de dois indivíduos ainda não identificados.

Diego não chegou a ficar uma hora fora do sistema prisional e foi atingido por oito balas. Ele não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo.

Segundo a PM, agentes continuam no local. Os militares isolaram a área e acionaram o Serviço de Investigação em Local de Crime (Silc) para remoção do corpo e realização de perícia.

Na ação, pelo menos outras seis pessoas foram alvejadas e socorridas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para a UPA de Santo Inácio. Neste momento, tudo já está normalizado na Estação Pirajá.As informações são do site Bahia Notícias

Filho do presidente Jair Bolsonaro diz sofrer terror psicológico do pai e apanhar da mãe

/ Brasil

Jair Renan, quarto filho do presidente Jair Bolsonaro (PL), revelou que sofre ”terror psicológico” do pai e que ainda apanha da mãe, Ana Cristina Valle. A declaração foi feita na edição mais recente do próprio podcast do ”04”, em que ele recebeu o cantor Negão da BL como convidado.

”Minha mãe me bate e ele [meu pai] faz terror psicológico. Eu prefiro que me bata do que faça minha cabeça, falar no meu ouvido. Aquilo que eu fico duas semanas pensando no que ele falou”, contou Jair Renan.

Segundo Jair Renan, depois que os pais se separaram, ele morou por seis anos com Bolsonaro, enquanto a mãe morava no exterior. Ele ainda relatou que, nesse período, o pai o segurava dentro de casa, não deixando que saísse. Hoje, o “04” mora com a mãe, em Brasília.

”Aqui em Brasília é até engraçado. É diferente de qualquer lugar do Brasil, aqui tem baba ovo, puxa-saco, um dando pernada em outro. Os influenciadores se matam, ninguém quer ver o outro crescer. Ainda mais por ser capital do país, cidade política, o negócio aqui é intenso”, criticou

Oito pessoas são baleadas na Estação Pirajá e confusão é registrada, na capital baiana

/ Bahia

Oito pessoas foram baleadas na Estação Pirajá, em Salvador, no fim da tarde desta sexta-feira (1º). Por meio de nota à imprensa, a CCR Metrô confirmou o episódio e disse que está apurando a ocorrência de disparo de arma de fogo.

Ainda segundo o órgão, as primeiras informações indicam que o autor do disparo acessou o terminal de ônibus através da área externa.

De acordo com a Secretaria de Saúde de Salvador, seis pessoas foram encaminhadas por meios próprios para a UPA Pirajá/Santo Inácio; uma outra vítima foi levada para a UPA de São Caetano; uma vítima veio à óbito no local. As informações são do site Bahia Notícias

Bahia registra 4.298 casos de Covid-19 e mais 9 óbitos, diz boletim epidemiológico da SESAB

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 4.298 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,27%), 2.065 recuperados (+0,13%) e 9 óbitos. Dos 1.580.807 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.538.803 já são considerados recuperados, 11.964 encontram-se ativos e 30.040 tiveram óbito confirmado. Os dados ainda podem sofrer alterações.

O boletim epidemiológico desta sexta-feira (01) contabiliza ainda 1.910.560 casos descartados e 344.594 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até às 17 horas desta sexta-feira. Na Bahia, 64.991 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação

Até o momento a Bahia contabiliza 11.615.205 pessoas vacinadas com a primeira dose, 10.694.038 com a segunda dose ou dose única, 6.315.610 com a dose de reforço e 743.835 com o segundo reforço. Do público de 5 a 11 anos, 972.009 crianças já foram imunizadas com a primeira dose e 556.523 já tomaram também a segunda dose.

No São Pedro de Ipiaú, prefeita reúne Rui, Jerônimo e Negromonte no mesmo palanque

/ Política

Geraldo Jr., Jerônimo, Negromonte, Rui e Maria. Foto: Rede social

As festividades de São Pedro em Ipiaú, no Médio Rio de Contas, reuniram antigos aliados – atuais adversários, no mesmo palanque.

Os shows de abertura do evento junino, na noite desta quinta-feira (30), atraíram grande público na Praça Álvaro Jardim, para acompanhar as apresentações de artistas como Bell Marques, Tayrone, Zé Vaqueiro e outros.

Além dos foliões, a festa contou com a presença da classe política local, que recepcionou o governador Rui Costa (PT) e a primeira-dama Aline Peixoto, que estavam acompanhados dos pré-candidatos a governador Jerônimo Rodrigues (PT) e Geraldo Júnior (MDB) – vice-governador, atual presidente da Câmara de Salvador.

Quem também esteve presente foi o deputado federal Mário Negromonte Jr. (PP). Aliado de primeira hora do vice-governador do Estado e pré-candidato a deputado federal João Leão, cacique do PP, rompido com o Governo, Negromonte tem o apoio da prefeita Maria das Graças (PP) que, embora seja do mesmo partido do parlamentar, defende a pré-candidatura de Jerônimo (PT) e conseguiu promover o reencontro de Negromonte com Rui. Na imagem que circula nas redes socais, petistas e progressistas aparecem sorridentes.

Público declara apoio a Lula durante show em Salvador e Juliette responde: ”É sobre”

/ Entretenimento

Juliette durante show no Parque de Exposições. Foto: Bahiatursa

Ao se apresentar em evento junino no Parque de Exposições, em Salvador, na noite desta quinta-feira (30), a cantora Juliette foi surpreendida pelo público que começou a cantar em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em resposta aos espectadores, a artista, que dançava ao som do público, respondeu: ”É sobre”. As informações são do site Bahia Notícias