Alunos de Engenharia de produção da UNIRB desenvolvem aprendizado na Ewwá Cosméticos

/ Educação

Alunos desenvolvem produtos capilares em Feira. Foto: UNIRB

O Centro Universitário UNIRB disponibiliza para os alunos de Engenharia de produção, a vivência de desenvolver produtos capilares a base de ativos naturais, na fábrica da Ewwá Cosméticos, em Feira de Santana. Com a aplicação da metodologia prática de ensino, os alunos desenvolvem produtos como shampoo, condicionador, Leave-in, máscaras, creme hidratante e sabonete.

Para o coordenador de Engenharia de produção da UNIRB, Reiner Requião, o projeto de ensino integrado a prática na Ewwá Cosméticos, que envolve as matérias de avaliação de indicadores, gestão de qualidade, gestão de projeto, desenvolvimento de produto e processos químicos, tem como objetivo proporcionar aos alunos a prática de todo o conhecimento que adquiriram durante o curso.

”A Indústria Ewwá Cosméticos é um diferencial da instituição para os alunos de engenharia e dentro da UNIRB, eles conseguem realizar práticas de química, física e produção. Então o aluno consegue ver a parte de logística, cadeia de suprimento, controle de qualidade e engenharia econômica, voltado para a parte de produção. Além da elaboração do produto, os estudantes aprendem a verificar a matéria prima, seu condicionamento e o inmetro, direcionado ao controle de qualidade”, explica.

Formada pela UNIRB, Kleyde Trindade atua como engenheira de produção da indústria Ewwá Cosméticos e explica como é realizado os procedimentos dentro da fábrica. ”A engenharia de produção possibilita que você atue em diversas áreas e em diferentes funções como cálculos matemáticos ou setor de compras de uma indústria, cálculo de necessidade de produção e tudo que envolve o processo produtivo. Na fábrica, o controle de qualidade dos produtos é feito em duas etapas; com controle de produto acabado e de matéria-prima, ou seja, é feito todo um acompanhamento do processo produtivo, desde o envase, pesagem, verificação do rótulo, datador de validade, tampa e número de lotes”, pontua.

”Ver a matéria-prima fase por fase e desenvolver os produtos capilares da parte inicial até a transformação final, tem sido um experiência incrível, pois tudo aquilo que a gente aprende na sala de aula, está sendo posto em prática em um ambiente que vamos trabalhar em toda nossa carreira. Na fábrica, a gente aprende sobre automação, controlador lógico programável (CLPs), os processos de produção e controle de qualidade. Hoje ressalto que ter contato com tudo isso para um profissional é indispensável”, afirma Paulo Rafael, estagiário Ewwá Cosméticos e estudante do curso de engenharia de produção da UNIRB.

Os comentários estão fechados.