Bahia registra 367 casos de Covid-19 e mais 6 óbitos, diz boletim epidemiológico da SESAB

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 367 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,02%), 548 recuperados (+0,04%) e 6 óbitos. Dos 1.567.421 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.531.477 já são considerados recuperados, 5.925 encontram-se ativos e 30.019 tiveram óbito confirmado.

Os dados ainda podem sofrer alterações devido à instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

O boletim epidemiológico desta segunda-feira (27) contabiliza ainda 1.906.055 casos descartados e 341.444 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até às 17 horas desta segunda-feira. Na Bahia, 64.317 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação

Até o momento temos 11.629.528 pessoas vacinadas com a primeira dose, 10.686.645 com a segunda dose ou dose única, 6.269.528 com a dose de reforço e 635.499 com o segundo reforço. Do público de 5 a 11 anos, 967.842 crianças já foram imunizadas com a primeira dose e 549.424 já tomaram também a segunda dose.

Jequié: Marcos sugere a Prefeitura instalação de novos semáforos em pontos estratégicos da cidade

/ Jequié

Marcos do Ovo apresentou proposta na Câmara. Foto: Emanuel Jr.

Levar adiante o projeto de modernização do trânsito da cidade de Jequié. Este é o teor da Indicação de autoria do vereador Marcos do Ovo em que solicita a substituição dos conjuntos semafóricos na travessia da Av. Rio Branco com as ruas da Itália e Bertino Passos; assim como também no cruzamento da Brigadeiro Sá Bitencourt com a Magno Senhorinho, no bairro Jequiezinho.

A troca dos semáforos, na avaliação do vereador, possibilitará uma grande melhora as condições do trânsito nessas duas áreas de intensa movimentação de veículos e transeuntes.

No caso do Jequiezinho, o mesmo está localizado em frente ao Ginásio de Esporte, em uma região mista de residências e estabelecimentos comerciais, o que exige uma maior atenção por parte do órgão de trânsito.

Já a outra solicitação é a sequência de uma reivindicação em que cobra a troca dos demais conjuntos de semáforos ao longo da Av. Rio Branco.

João Roma rechaça Dra. Raíssa não ser candidata ao Senado: ”Interessante para quem?”

/ Política

Dra. Raíssa será candidata ao Senado. Foto: Reprodução

O deputado federal João Roma (PL) rechaçou, no início da tarde desta segunda-feira (27), a possibilidade de Dra. Raíssa (PL) não ser a candidata ao Senado em sua chapa majoritária para as eleições de 2022. O pré-candidato ao governo do estado contestou a ideia de que uma candidatura da médica à Câmara dos Deputados poderia ser mais interessante eleitoralmente para o grupo.

”Interessante para quem? Interessante talvez para alguém que queira o lugar dela no Senado. Dra. Raíssa é uma mulher corajosa, de muito valor, que tem feito a diferença. Eu acho que ela já está colocando muito marmanjo na Bahia com as pernas tremendo, porque, por onde Dra. Raíssa tem passado, eu tenho visto a percepção da população junto ao que ela fala, junto ao que ela representa”, afirmou Roma, em entrevista ao Bahia Notícias no Ar, da rádio Salvador FM.

Segundo Roma, o PL já tem bons nomes para a disputa pela Câmara dos Deputados e para a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), não havendo a necessidade de Dra. Raíssa abandonar sua pré-candidatura ao Senado para virar puxadora de votos na chapa proporcional.

”Temos uma chapa muito boa no PL, tanto para deputado federal quanto para deputado estadual e Dra. Raíssa vai fazer toda a diferença nessa caminhada. Ela tem sido parceira minha durante muitas dessas visitas que temos feito em conjunto e ela encarna esse sentimento de mudança. E mais ainda: no espaço de mulheres de valor, corajosas, com muita competência e que estão preparadas para fazer a diferença e enaltecer o nome da Bahia, para que a Bahia volte a ter protagonismo nacional”, finalizou o pré-candidato. Com informações do site Bahia Notícias

Líder da oposição pede no STF investigação contra Bolsonaro por interferência na Petrobras

/ Brasília

Randolfe ingressou com uma petição. Foto: Alessandro Dantas

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ingressou nesta segunda-feira (27) com uma petição junto ao Supremo Tribunal Federal para que seja aberto um inquérito para investigar eventual interferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) na estatal. A petição também pede a busca, apreensão e perícia do celular que era usado pelo ex-presidente da Petrobras Roberto Castello Branco.

O pedido de abertura de inquérito para averiguar eventual interferência de Jair Bolsonaro na Petrobras se deu após revelações sobre possíveis provas de ”crimes” que teriam sido cometidos pelo mandatário.

Reportagem do portal Metrópoles mostrou uma troca de mensagem em um grupo de economistas em uma rede social, em particular entre Castello Branco com o ex-presidente do Banco do Brasil Rubem Novaes. O ex-presidente da Petrobras afirmou que o celular corporativo que foi devolvido à estatal continha mensagens e áudios que poderiam incriminar o presidente Jair Bolsonaro.

Castello Branco, então, diz que devolveu o aparelho ”intacto” para a estatal. ”O que se vê é que a tentativa imperiosa do senhor presidente da República de interferir na Petrobras em detrimento da boa tutela do interesse e do patrimônio públicos, com nítido propósito meramente eleitoral e desvirtuado da dinâmica constitucional, é evidente”, afirma trecho da petição.

A petição ainda segue argumentando que os possíveis crimes que teriam sido cometidos seriam prevaricação, corrupção passiva ou peculato, condescendência criminosa e violação de sigilo profissional.

”Diante da gravidade dos fatos, é manifesta a necessidade de a Procuradoria-Geral da República e o Supremo Tribunal Federal se envolverem no caso, para a correta persecução criminal porventura cabível”, diz o texto da petição.

”Infelizmente, o que se vê é que o presidente da República, mais uma vez, utiliza-se da tática de terceirizar responsabilidades para esconder sua direta e inequívoca autoria sobre atos e fatos que prejudicam a população brasileira”, completa a petição, citando as movimentações recentes de Bolsonaro com críticas à Petrobras e aos governadores estaduais.

Além de pedir à PGR a abertura de inquérito para averiguar a interferência na estatal, a petição da equipe de Randolfe Rodrigues —que é coordenador da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva— também pede os depoimentos de Castello Branco e de Novaes. Solicita, ainda, tratamento urgente em relação à perícia no celular mencionado.

”Tal medida acautelatória é, por pressuposto, urgente, na medida em que há real risco de iminente apagamento de todos os dados que porventura impliquem o Presidente da República em atos criminosos. Afinal, se o presidente da República interfere na gestão de patrimônio público, que é de todos os brasileiros e usado exclusivamente em seu prol, é direito de todos os brasileiros conhecer os fatos”, completa o texto.

A Petrobras está no meio de uma polêmica, por conta da alta dos preços dos combustíveis. Após a estatal anunciar um novo reajuste, Bolsonaro e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), iniciaram uma ofensiva que resultou na renúncia do então presidente José Mauro Coelho – a terceira troca no governo Bolsonaro.

Também nesta segunda-feira (27), o conselho de administração da Petrobras confirmou a nomeação de Caio Paes de Andrade para a presidência da companhia. Ele foi eleito também para integrar o colegiado, pré-condição para que passe a chefiar a estatal.

Renato Machado/Folhapress

Presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto diz que o pior da inflação já passou

/ Economia

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, disse hoje (27) que ”o pior momento da inflação já passou”, e que, graças ao histórico de convívio que o Brasil teve com altos índices inflacionários, a autoridade monetária brasileira conseguiu ”sair na frente”, adotando ferramentas capazes de frear o processo inflacionário.

As afirmações foram feitas durante o painel Erosão da Ordem Pública Internacional e o Futuro, no Décimo Fórum Jurídico de Lisboa, na capital portuguesa. Durante o discurso, Neto lembrou que o Brasil ”é um dos poucos países que no meio desse processo está tendo revisões para cima” do Produto Interno Bruto (PIB).

”Inclusive a nossa última revisão no BC aumentou [a previsão de crescimento do PIB] de 1,5% para 1,7% [em 2022]. Provavelmente teremos PIB forte no segundo trimestre. Obviamente, em algum momento, tudo que estamos fazendo vai gerar alguma desaceleração no segundo semestre. Mas ainda assim o crescimento é bastante melhor do que se esperava no início do ciclo de ação”, disse Campos Neto.

A experiência que o Brasil tem com o combate à inflação tem ajudado na definição estratégica para amenizar este problema. ”Como nós no Brasil entendemos que era problema mais de demanda, na minha opinião, até um pouco antes dos demais países, o BC do Brasil saiu na frente porque temos memória de inflação muito maior, e mecanismos de indexação muito mais vivos””, disse.

Campos Neto ressalta que todos os países estão subindo juros e que, enquanto alguns países estão no meio do caminho, o Brasil já está muito perto de ter feito o trabalho todo. “Vamos ver ainda alguns países subindo bastante os juros”, acrescentou.

Ainda segundo Campos Neto, o Brasil ainda apresenta um ”componente de aceleração de inflação”. Ele, no entanto, disse acreditar que o pior momento da inflação já passou. ”Temos algumas medidas desenhadas pelo governo que ainda precisamos entender os efeitos delas no processo inflacionário, o que ainda não está claro, mas o Brasil fez o processo antecipado e acreditamos que nossa ferramenta é capaz e vai frear o processo inflacionário”.

Preços e investimentos

Na avaliação do presidente do BC brasileiro, os índices inflacionários que estão sendo registrados em diversos países têm como origem uma “desconexão entre preços e investimentos” que vai além do petróleo, abrangendo também os alimentos.

”Os governos estão enfrentando o dilema de garantir segurança energética e alimentar para a população”, disse. Nesse sentido, ”muitos países, em função da guerra, estão adotando medidas protecionistas que estão contaminando o resto da cadeia de inflação”. ”E o anseio de gerar segurança alimentar e energética dos governos está sendo feito de maneira descoordenada e gerando queda de investimento”, acrescentou.

Segundo Campos Neto, a falta de coordenação está gerando queda em investimentos tanto em energia quanto em alimentos. ”Precisamos entender que quem produz alimentos e energia não é o governo, mas o setor privado e que o governo tem de endereçar o problema das classes sociais mais baixas, mas não pode se desviar das práticas de mercado, porque, no final das contas, são os mercados que produzem alimentos e energia”, completou.

João Roma confirma Jair Bolsonaro na Bahia na sexta e no 2 de Julho; ”uma intensa agenda”

/ Bahia

Ex-ministro vai recepcionar o presidente na Bahia. Foto: Reprodução

O pré-candidato a governador da Bahia, ex-ministro da Cidadania e deputado federal, João Roma (PL), confirmou a presença do presidente Bolsonaro na Bahia nesta sexta-feira (01) e sábado (02).

”O presidente tem uma intensa agenda na Bahia a partir de sexta, em Feira de Santana, e, no sábado, em Salvador, na celebração ao 2 de Julho, participando da Segunda Motociata da Independência. No mesmo dia, também irá a Curaçá, no Norte da Bahia”, disse Roma em entrevista ao programa Bahia Notícias no ar, na rádio Salvador FM.

Segundo o ex-ministro da Cidadania, o presidente desembarca na sexta em Feira de Santana, onde assina a ordem de serviço para o início das obras do rodoanel que vai interligar quatro BRs na região. ”Essa obra foi prometida pelo PT e nunca saiu do papel. Agora, com Bolsonaro, vai se tornar realidade”, afirmou.

No sábado, João Roma informou que a Motociata da Independência, em Salvador, partirá, às nove da manhã, do Dique do Tororó, nas proximidades da Fonte Nova, com destino ao Parque dos Ventos, na Boca do Rio.

”A expectativa é da participação de um grande número de motociclistas de toda a Bahia, acompanhando o presidente Bolsonaro na celebração aos heróis da Independência da Bahia”, disse Roma, que depois seguirá com o presidente para Curaçá onde marcarão presença na tradicional Festa do Vaqueiro pela tarde.

Justiça indefere pedido do Ministério Público e ”Pedrão” de Eunápolis está confirmado

/ Bahia

Prefeita Cordélia Torres comemora decisão. Foto: Rede social

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Eunápolis, Roberto Freitas, indeferiu nesta segunda-feira (27) o pedido de liminar do Ministério Público estadual pelo cancelamento das festas juninas em Eunápolis.

Com a decisão, a prefeitura municipal confirmou a realização do ”Pedrão”, entre os dias 29 de junho e 03 de julho (veja aqui).

Na sua decisão, o juiz alegou que a suspensão da festa ”causará um grande problema econômico e social”. De acordo com a gestão municipal, a estimativa é que este evento vai injetar cerca de RS 50 milhões na economia do município com o aquecimento do comércio local e a circulação de turistas.

De acordo com a gestão, a expectativa é de haja uma arrecadação municipal de cerca de RS 5 milhões com os festejos juninos, além da geração de 5 ml empregos temporários.

O comércio, os barraqueiros e o setor hoteleiro local já estão preparados para os festejos e investiram para terem a geração de renda no evento. Os hotéis já estão com reservas feitas. Além disso, a maioria dos grandes artistas já tiveram 70% do cachê dos shows pagos. Com informações do site Bahia Notícias

A cada aborto legal, 11 meninas são internadas por interrupções provocadas ou espontâneas

/ Saúde

A cada aborto legal feito em meninas de 14 anos ou menos no Brasil, outras 11 precisaram ser hospitalizadas em decorrência de interrupções de gravidez provocadas ou espontâneas em 2021.

O levantamento foi realizado pela Folha com dados de registros hospitalares do SUS (Sistema Único de Saúde).

No ano passado, foram registradas 1.556 internações relacionadas a abortos na faixa etária dos 10 aos 14 anos. Apenas 131 delas (8%) ocorreram por causas autorizadas no Brasil: estupro, risco à vida da gestante e anencefalia do feto, esta última por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

As outras 1.425 internações (92%) ocorreram em razão de abortos espontâneos ou induzidos fora dos hospitais. A frequência foi comparável à dos atendimentos por asma (1.565) ou anemia (1.397).

As intervenções autorizadas são a minoria, apesar de a gravidez nessa idade apresentar alto risco à saúde da gestante e de o aborto legal ser previsto em lei nos casos de estupro, o que automaticamente inclui meninas engravidadas antes de completar 14 anos.

No ano passado foram realizados, apenas em caráter de urgência, 1.502 procedimentos de curetagem ou aspiração intrauterina em pacientes da faixa etária dos 10 aos 14 anos.

Utilizadas para a retirada de restos de abortamentos incompletos, as duas técnicas estão associadas mais frequentemente às tentativas malsucedidas de interrupção da gravidez do que aos casos naturais.

A comparação com o número de internações sugere uma alta ocorrência de complicações nos abortos realizados fora do ambiente hospitalar.

De acordo com o Código Penal, todo ato sexual com menores de 14 anos configura estupro de vulnerável. O mesmo código prevê a possibilidade do aborto legal quando a gestação resulta de estupro.

Apesar de serem a minoria, os abortos legais têm aumentado proporcionalmente no país.

As interrupções por todas as causas entre as gestantes de 10 a 14 anos diminuíram desde a década passada –paralelamente a uma redução observada também na ocorrência de partos–, enquanto as intervenções autorizadas se tornaram mais frequentes.

Em 2010, o sistema público de saúde registrava uma taxa de 352 abortos por milhão de meninas nesta faixa etária. No ano passado, o índice já tinha caído para 217 por milhão. Os procedimentos legais, por outro lado, saltaram de 4 para 18 por milhão, respectivamente.

Para especialistas da área, as estatísticas indicam que o direito das vítimas de violência sexual ainda está longe de ser contemplado.

”O número de abortos legais é ainda mais discrepante com o de meninas que se tornam mães. Também é muito alarmante quando olhamos para o número de vítimas de violência sexual nesse grupo”, diz Nicole Campos, socióloga e gerente de estratégias da ONG Plan International.

O Sistema de Informações Sobre Nascidos Vivos (Sinasc) mostra que 17,5 mil meninas de 10 a 14 anos de idade tiveram filhos em 2020, último dado oficial consolidado. Na média desde 2010, foram 24 mil por ano.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública mais recente, também com informações de 2020, indica que ao menos 37,6 mil meninas menores de 14 anos sofreram estupro no período. Crianças e adolescentes dessa faixa etária correspondem a 60,6% das vítimas do crime. Dentre estas, 86,9% são do gênero feminino.

O ginecologista e obstetra Jefferson Drezett, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, avalia que o número de abortos legais é proporcionalmente baixo no país por preconceito e pela falta de serviços públicos de saúde suficientes.

”Dificultar o acesso não vai impedir o aborto, só tornar a situação ainda mais cruel. E quanto mais pobre for a mulher, maior a chance de um aborto clandestino realizado de forma insegura”, afirma Drezett, ex-coordenador do Núcleo de Violência Sexual e Aborto Legal do Hospital Pérola Byington, em São Paulo.

O médico Marun Cury, da Associação Paulista de Pediatria, destaca a falta de informação às famílias e até mesmo entre os profissionais da saúde.

”Quando a gravidez acontece nessa idade, as famílias deveriam ser informadas sobre o risco que as meninas correm ao mantê-la e também sobre o direito à interrupção. Meninas com menos de 14 anos ainda não têm o corpo preparado para a gravidez”, diz.

Ele explica que a gestante dessa idade tem maior probabilidade de complicações como anemia, hipertensão, pré-eclâmpsia e parto prematuro. Para o bebê, há maiores chances de problemas respiratórios e más-formações.

”A menina ainda não tem, por exemplo, a estrutura óssea da bacia pronta, porque ela leva de dois a três anos após a primeira menstruação para se consolidar. Por isso, os partos são de alto risco para a mãe e o feto. Não é à toa que a maioria dos recém-nascidos precisam ser internados em UTIs”, observa Cury.

Os especialistas veem chance de retrocesso após a publicação pelo governo federal de uma norma técnica que, sem ter alterado a legislação, confunde e pode prejudicar a conduta médica.

O texto diz que o aborto não é recomendado após 22 semanas de gestação. Esse foi o argumento apresentado por uma equipe para recusar o procedimento em uma menina de 11 anos vítima de estupro em Santa Catarina.

”Sem ter uma justificativa científica, o governo vai impondo seu viés ideológico e moralizante nessa questão. A norma cria um ambiente de insegurança jurídica nos hospitais”, opina Campos.

A nota ainda orienta que as equipes avaliem “rigorosamente” os casos com entre 20 e 22 semanas, devido à ”possibilidade de erro de estimativa da idade gestacional”. ”Recomenda-se limitar o ingresso para atendimento ao aborto previsto em lei com 20 semanas de idade gestacional ou, quando disponível, com predição de peso fetal menor que 500 grama”, diz o documento do Ministério da Saúde.

”O aborto é permitido quando há risco de morte ou por estupro há 82 anos. Durante todas essas décadas, o Estado virou as costas para esse direto. Agora, o ministério produz um documento que dificulta ainda mais o acesso. Vai na contramão do que o Brasil precisa”, critica Drezett.

Em 2020, para cada bebê dado à luz por uma menina no Sul ou no Sudeste, nasceram três no Norte e dois no Nordeste. A cada 2 internadas por aborto nas regiões mais ricas no ano passado, foram socorridas 6 e 5, respectivamente, nas mais pobres.

Sob a ótica racial, a cada aborto de uma menina branca (25%), ocorrem três entre as negras (72%), bem acima da proporção de pardas e pretas na composição da população feminina de 10 a 14 anos (56%).

”A gravidez precoce é sempre mais recorrente nos grupos com menos acesso a direitos, onde houve falha no acesso à saúde, educação, proteção social. É o resultado de desigualdades sistêmicas que se aprofundam ainda mais após a gravidez”, analisa Campos.

A socióloga argumenta que a educação sexual nas escolas, que vive sob ataque de grupos políticos no país, ajudaria na prevenção da gravidez precoce e, consequentemente, no número de abortos.

”Toda gravidez até os 14 anos é uma violência presumida. A educação não age só para evitar uma gravidez intencional, mas é um instrumento de prevenção contra a violência. Ela ensina a essas meninas os limites do seu corpo, o que é o consentimento, a quem recorrer em caso de abuso”, defende.

Segundo ela, muitas meninas dessa idade nem sequer sabem como acontece uma gravidez.

”Além de serem vítimas de violência, se tornam mães e perdem mais uma série de outros direitos. Param de estudar, perdem a oportunidade de entrar em uma universidade, ter uma carreira, ser inseridas socialmente. Precisamos compreender a gravidade que é a maternidade para essas crianças”, acrescenta Cury.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) calcula que 47 mil mulheres morrem a cada ano em razão de abortos clandestinos. Também estima que 5 milhões de mulheres por ano sofram com sequelas de procedimentos inseguros.

*por Cristiano Martins e Isabela Palhares | Folhapress

Comissão da Câmara dos Deputados inclui corrupção de menores e pedofilia entre crimes hediondos

/ Brasília

A Comissão de Seguridade Social e Família, da Câmara dos Deputados, aprovou proposta que inclui o crime de corrupção de menores e os relacionados à pedofilia na lista de crimes hediondos (Lei 8.072/90).

Pelo texto (PL 228/19), o crime de corrupção de menores passa a ser punido com pena de prisão de 2 a 6 anos. Hoje, a pena pode variar de 1 a 4 anos de prisão, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Os crimes hediondos são aqueles considerados de maior potencial ofensivo para a sociedade, como assassinato cometido por grupo de extermínio, latrocínio (roubo seguido de morte), sequestro e estupro.

Os condenados não têm direito à liberdade provisória ou fiança, são obrigados a cumprir pena em regime fechado e o prazo para conseguir o livramento condicional também é maior.

Tramitação
O projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. O texto está sujeito à análise do Plenário.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Elba Ramalho, Fagner, Bell e Zelito Miranda encerram primeira etapa do São João da Bahia

/ Entretenimento

São João no Parque atraiu bom público. Foto: Mateus Pereira

Chegou ao fim, neste domingo (26), a primeira etapa do São João da Bahia no Parque de Exposições de Salvador. Com casa lotada nos três dias de festa (24, 25 e 26), após dois anos sem grandes eventos no estado, baianos e turistas puderam matar a saudade dos artistas preferidos.

Neste último dia, Bell Marques, Fagner, Elba Ramalho, Zelito Miranda e Israel e Rodolffo levantaram a plateia ao som de músicas como Frevo Mulher, Festa do Interior, Olha pro céu e, claro, hits do Chiclete com Banana. A festa será retomada na próxima quinta-feira (30), com shows de Simone e Simaria, Thiago Aquino e outros

Maracás: Com frio de 14ºC, público acompanha Forró do Tico e Forró do Muído no fechamento do São João

Forró do Tico foi uma das atrações da festa. Foto: BMFrahm

Forró do Tico e Forró do Muído foram as principais atrações da quarta e última noite do São João Quente na Terra do Frio, em Maracás.

A noite foi aberta pela banda pegada Luxuosa, depois Lua de Mel, Forró do Tico subiu ao palco às 22h30 e, Muído, que se apresentaria a partir da meia-noite acabou atrasando, mas fechou o São João após o show do Forró Nordestino.

O número de pessoas na Praça Rui Barbosa não foi grande como nas noites anteriores, mas frio intenso, com os termômetros marcando 14 graus depois das 03h não impediu o público presente de aguardar Forró do Muído, uma das atrações esperadas da festa, realizada pela Prefeitura em parceria com a BahiaTursa que teve início na quinta-feira (23).

O sertanejo universitário de Felipe Araújo marca a quarta e última noite do São João de Jequié

/ Jequié

Felipe Araújo marcou a última noite do São João. Foto: Daniel Aguiar

O sertanejo do cantor Felipe Araújo marcou a quarta e última noite do São João de Jequié, neste domingo (26). A noite foi tranqüila na Praça da Bandeira, sem a correria dos dias anteriores, mas a euforia do público que acompanhava a apresentação do sertanejo foi à mesma.

Felipe subiu ao palco por volta das 2030h, logo depois do show de Luiz Caldas. Em seguida, se apresentaram Gilson Prates, Bruna Cascais e Norberto Curvelo, que inclusive é jequieense fechou a festa junina, que já é considerada pela organização uma das mais badalas dos últimos tempos.