Presidente Bolsonaro diz que não irá se vacinar contra Covid: ”Para que vou tomar vacina?”

/ Brasília

Presidente diz que decidiu não tomar vacina. Foto: Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou atrás e afirmou na noite desta terça-feira que decidiu não tomar a vacina contra a Covid-19. O presidente, que é acusado de ter ignorado ofertas de algumas vacinas, como a da Pfizer, e de ter debochado de outras, como a CoronaVac, disse em entrevista à ”Rádio Jovem Pan” que viu ”novos estudos” e que decidiu não ser vacinado.

”No tocante à vacina, eu decidi não tomar mais. Estou vendo novos estudos. A minha imunização está lá em cima. Para que vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa jogar na loteria R$ 10 para ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso daí”, disse Bolsonaro, segundo o Globo.

Durante viagem ao litoral de São Paulo durante o feriado de Nossa Senhora de Aparecida, Bolsonaro criticou a exigência do comprovante de vacinação para ir ao jogo do Santos pelo Campeonato Brasileiro. Nas últimas semanas, o presidente elegeu como novo alvo de suas críticas a proposta do chamado ”passaporte da vacina”, que determina a apresentação o da carteira de vacinação para que se frequente alguns lugares.

Na entrevista, Bolsonaro disse não ser contra a vacina e justificou afirmando que, em dezembro, assinou uma medida provisória liberando R$ 20 bilhões para a aquisição dos imunizantes. O presidente, entretanto, afirmou que existe uma ”sanha” para que se compre mais vacina e insinuou que essa exigência é impulsionada pelas empresas.

”Essa sanha de comprar vacina. Não sou contra a vacina tanto que só em dezembro do ano passado assinei uma medida provoisória de R$ 20 bi para comprar a vacina e hoje em dia praticamente todo mundo já tomou pelo menos a primeira dose. Agora, exigir a vacina, parece que cheira o mercado isso daí. Para mim, liberdade acima de tudo. Se o cidadão não quer tomar a vacina é um direito dele e ponto final”, afirmou. *Bahia Notícias

Média móvel de mortes pela Covid-19 no Brasil é a menor desde abril do ano passado

/ Brasil

O Brasil registrou 201 novas mortes pela Covid-19 nesta quarta-feira, 13. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 318, o menor patamar desde 27 de abril do ano passado, quando o País tinha apenas um mês de pandemia declara e o indicador estava em 281.

Nesta quarta-feira, o número de novas infecções notificadas foi de 1.588, enquanto a média móvel de testes positivos na última semana foi de 11.318 por dia. No total, o Brasil tem 601.643 mortos e 21.596.739 casos da doença. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 20,74 milhões de pessoas se recuperaram da covid desde o início da pandemia no País.

São Paulo registrou nove óbitos pela Covid nas últimas 24 horas, enquanto o maior total veio de Goiás, com 33. Acre, Amapá, Ceará, Rondônia e Roraima não notificaram mortes pela pandemia no período.

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde 8 de junho do ano passado, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

O Ministério da Saúde informou que foram registrados 7.852 novos casos e mais 176 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 21.597.949 pessoas infectadas e 601.574 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

*Estadão Conteúdo

Bahia registra 190 novos casos de Covid-19 e mais 7 óbitos pela doença, diz boletim da Sesab

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 190 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,02%) e 292 recuperados (+0,02%). O boletim epidemiológico desta quarta-feira (13), também registra 7 óbitos. Dos 1.238.063 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.208.961 já são considerados recuperados, 2.162 encontram-se ativos e 26.940 tiveram óbito confirmado. Os dados ainda podem sofrer alterações devido a instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.556.135 casos descartados e 240.782 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta quarta-feira. Na Bahia, 52.132 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação
Com 10.346.725 vacinados contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose ou dose única, a Bahia já vacinou 81,26% da população com 12 anos ou mais, estimada em 12.732.254. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) realiza o contato diário com as equipes de cada município a fim de aferir o quantitativo de doses aplicadas e disponibiliza as informações detalhadas.

Problema técnico após chuva suspende atendimento da central telefônica do SAMU pelo 192 em Jequié

/ Jequié

Chuva provocou alagamentos em Jequié. Foto: Ari Moura

A Prefeitura de Jequié informa que o atendimento da central telefônica do SAMU, através do telefone 192, é suspenso, temporariamente, nesta quarta-feira (13out21), por causa de problemas técnicos ocasionados pelas fortes chuvas que atingiram a cidade nesta terça-feira.

Até que o problema seja reparado, a população poderá solicitar o SAMU através dos números:
(73) 98236-8194 (73) 3527 2036

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 6,5 milhões nesta quarta-feira (13), a partir das 20h

/ Esporte

A Mega-Sena pode pagar R$ 6,5 milhões nesta quarta-feira (13) pelo concurso 2.418. O sorteio será realizado a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias CAIXA, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo (SP), com transmissão ao vivo pelas redes sociais das Loterias.

O valor de uma aposta simples na Mega é de R$ 4,50. Caso apenas um apostador leve o prêmio de R$ 6,5 milhões da faixa principal e aplique todo o valor na Poupança da CAIXA, receberá R$ 23,4 mil de rendimento no primeiro mês. Se preferir investir em motocicletas, o valor seria suficiente para comprar 47 motos estradeiras ao preço de R$ 138 mil cada.

Dupla Sena – A Dupla Sena está acumulada e pode pagar um prêmio de R$ 2,7 milhões pelo concurso 2.285 para quem acertar os seis números da faixa principal. A modalidade tem sorteios às terças, quintas e sábados e, devido ao feriado, o próximo concurso ocorre na quinta-feira (14), a partir das 20h.

Com apenas uma aposta da Dupla Sena, o apostador tem o dobro de chances de ganhar. São dois sorteios por concurso e ganha acertando 3, 4, 5 ou 6 números no primeiro e/ou segundo sorteios. O preço da aposta simples, com seis números, é de R$ 2,50.

Onde apostar – As apostas para a Mega-Sena e Dupla Sena podem ser feitas até as 19h dos dias dos sorteios nas lotéricas de todo o país, no portal Loterias CAIXA e no app, além do Internet Banking, exclusivo para a Mega-Sena.

Caminhão tomba na BR-101, no Entroncamento de Laje e carga de manga é saqueada

/ Trânsito

Carregamento de manga foi saqueado por populares. Foto: Rede social

Um caminhão que transportava um carregamento de mangas tombou na noite de terça-feira (12), na BR-101, trecho do Entroncamento de Laje, no Vale do Jiquiriçá e parte da carga foi saqueada por populares.

Segundo informações, o veículo tombou após o condutor trafegar sem frenagem por um redutor de velocidades, no perímetro urbano. O acidente foi registrado pela Polícia Rodoviária Federal, que providenciou a liberação da rodovia depois de um congestionamento.

Apoiado pela torcida, Bahia jogou bem, mas parou no goleiro do Palmeiras e ficou no 0x0

/ Esporte

Jailson conseguiu salvar o Palmeiras. Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia

No dia em que voltou a contar com o apoio do seu torcedor, o Bahia jogou bem, pressionou o Palmeiras, mas não conseguiu balançar as redes e ficou no empate por 0x0, na noite desta terça-feira (12), na Fonte Nova, pela 26ª rodada do Brasileirão.

O Esquadrão criou grandes chances, mas parou no goleiro Jailson. O ponto conquistado em casa deixa o tricolor 27 pontos, na 17ª colocação, a um do Santos, primeiro time fora da zona de rebaixamento.

O próximo confronto do Bahia no Brasileirão será no sábado (16), quando visita o América-MG, às 21h, no estádio Independência, em Belo Horizonte

Coquetel contra a Covid da AstraZeneca reduz casos graves e mortes pela doença

/ Saúde

Um coquetel de drogas experimentais contra a Covid-19, desenvolvido pela farmacêutica britânica AstraZeneca, se mostrou eficaz na redução de casos graves e mortes em pacientes não hospitalizados, informou a companhia na segunda-feira (11) em um comunicado.

Os resultados ainda não foram avaliados por outros cientistas nem publicados em revista científica. A AstraZeneca produz a chamada vacina de Oxford – fabricada no Brasil em parceria com a Fiocruz.

O medicamento, chamado AZD7442, reduziu em 50% o risco de desenvolver a forma grave da doença e morte em pacientes sintomáticos, afirmou a farmacêutica. O estudo acompanhou cerca de 900 pacientes.

O coquetel injetável é sugerido como uma forma de proteger pessoas que, por algum motivo, não produziram resposta imune suficiente com a vacinação.

Vírus transmitido por morcego e com surto na índia pode causar nova pandemia, alerta cientista

/ Saúde

O vírus batizado de Nipah, transmitido por morcegos e com um surto na Índia, pode ser responsável pela próxima pandemia, alerta a pesquisadora Sarah Gilbert, que desenvolveu a vacina de Covid-19 pela Oxford. Durante um evento no Reino Unido, a cientista diz que ele pode ser ainda mais transmissível e letal que o novo coronavírus.

Até o momento, nenhuma vacina se mostrou eficiente para combater o vírus que pode causar inchaço no cérebro e tem um índice de mortalidade de 50% dos que se contaminam. Os primeiros sintomas iniciam com febre, dor de cabeça e problemas respiratórios. O ser humano se contamina pelo contato com porcos ou frutas infectadas com urina e fezes de morcegos.

Ainda antes da Covid se espalhar pelo mundo, a pesquisadora já trabalhava com o desenvolvimento de imunizantes para o Nipah, mas precisou parar para dar preferência à vacina contra o Sars-Cov2.

”Aprendemos que em uma pandemia podemos fazer tudo mais rápido e melhor, e queremos aplicar essas lições, mas precisamos de financiamento. Temos que ter estoques de vacinas contra os patógenos que já conhecemos. Imagine se tivermos, de repente, um grande surto de Nipah que se espalhe ao redor do mundo?”, indaga. As informações são do Metropoles.

A doença está em primeiro lugar na lista de prioridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a pesquisa e desenvolvimento de vacinas e formas de combater o vírus.