Maracás: ”Liga Social” reúne ações da Largo Resources/Vanádio para estimular desenvolvimento de comunidades

Cultura, Esporte e Lazer, Meio ambiente, Educação e Geração de Renda. Esses são os eixos nos quais a Largo Resources | Vanádio de Maracás aposta para exercer sua parcela de responsabilidade social na região onde está instalada. As ações, que sempre estiveram presentes na lista de prioridades da companhia, estão cada vez mais consolidadas e seguem ampliando seu raio de atuação para além do núcleo de Maracás, formando assim a chamada ”Liga Social” em parceria com lideranças locais.

”Todas as nossas ações são pensadas para a coletividade e baseadas no conceito de sustentabilidade. Então nossa intenção é realizar projetos que sejam capazes de gerar resultados para o futuro. Queremos deixar um legado”, diz Valéria Rocha, analista de relacionamento com a comunidade.

Uma das pessoas que comemora a parceria é Jalmirêde dos Anjos Correia, enfermeira e coordenadora do CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) de Maracás. A instituição atende mais de 3.700 pacientes, oriundos dos bairros de Maracaisinho, Irmã Dulce, Ayrton Senna, Jiquiriçá, Pé de Serra, Nair Morbeck e Porto Alegre.  Graças ao apoio da companhia, tem sido possível viabilizar campanhas como o Janeiro Branco, dedicado à saúde mental, e o Agosto Lilás, que promove o combate à violência contra a mulher.

”Precisamos entender que a questão da saúde mental atinge a todos e não é dever somente do estado”, observa Jalmirêde, que destaca ”empatia” e ”solidariedade” como palavras-chave das ações sociais praticadas pela Largo Resources | Vanádio de Maracás. A enfermeira também lidera um grupo de mulheres que participou de um curso de elaboração de projetos, também promovido pela empresa. “Muitas sofrem violência e não conseguem sair de relacionamentos abusivos, então o índice de adoecimento é altíssimo. Essa capacitação é uma forma de dar empoderamento”, avalia a enfermeira.

Empreendedorismo – Outro projeto que estimula o empreendedorismo feminino é o Mulheres Ativas, da localidade de Pé de Serra, que tem equipamentos e insumos fornecidos pela Largo Resources | Vanádio de Maracás. A iniciativa beneficia um total de 110 mulheres com oficina de saboaria artesanal e curso de corte e costura gratuitos. Um dos impactos positivos é percebido desde o início da pandemia, quando foi iniciada a confecção de máscaras de TNT para proteção contra o coronavírus. A produção, que chega a 3.500 unidades por semana, é totalmente financiada pela empresa, que as distribui gratuitamente para profissionais de saúde e moradores de comunidades vizinhas.

O curso já avançou para conhecimentos sobre tipos de tecido, cortes e moldes. Mas isso é só o começo. ”O objetivo não é simplesmente aprender a costurar. A maioria das mulheres tem baixa escolaridade e pouca renda. A ideia é fundar uma cooperativa para que elas possam comercializar e dividir os lucros. Temos vários planos para o futuro”, anima-se Iriene Lima de Almeida, coordenadora do projeto e ex-presidente da Associação de Moradores.

O desenvolvimento da agricultura familiar também integra as ações da empresa. José Oliveira de Souza, mais conhecido como Zé da Balsa, fala sobre o desenvolvimento da atividade em Porto Alegre desde que a companhia se tornou parceira da comunidade. De 2018 para cá, os agricultores da comunidade passaram a plantar milho para a produção de silagem, processo que tritura o cereal inteiro para a produção de ração animal. Para isso, contam com a ajuda de equipamento adequado e suporte técnico, oferecidos pela empresa.

”Antes a gente plantava só melancia e tinha muita praga, então tomávamos muito prejuízo. Agora a gente tem uma alternativa”, conta Zé da Balsa, liderança do projeto Liga do Campo. ”E também temos o suporte técnico de um agrônomo profissional, que nos orienta. Com isso, já estamos estudando a possibilidade de desenvolver outras culturas”, revela. A Liga do Campo inclui, ainda, os projetos Abelha Rainha e Feira da Agricultura Familiar. Também fazem parte da Liga Social o programa Cultura e Qualidade de Vida, que engloba projetos como o Viver Bem e o Jequiriçá, voltados para a prática esportiva.

De acordo com Valéria Rocha, isso é só o início de um trabalho que ainda tem muito a realizar. ”Após o curso de elaboração de projetos, nossa intenção é lançar um edital para apoiar iniciativas locais com ainda mais transparência, a partir de votação pública. E já estamos em fase de planejamento para o ano que vem”, revela. Assim, a Largo Resources | Vanádio de Maracás segue investindo no presente para continuar colhendo os frutos junto com a comunidade no futuro.

Número de casos ativos do Coronavírus oscila, mas se mantém em queda no Vale do Jiquiriçá

Casos ativos oscilam entre os municípios. Foto: Blog Marcos Frahm

Os casos ativos do Coronavírus no Vale do Jiquiriçá oscilam entre algumas cidades do território. De acordo com dados divulgados pelo Consórcio de Desenvolvimento Sustentável do Vale do Jiquiriçá – Convale no boletim epidemiológico desta terça-feira (14), dos 20 municípios da região, 11 registram casos ativos: Maracás (07), Amargosa (06), Jaguaquara (06), Mutuípe (03), São Miguel das Matas (03), Cravolândia (01), Elísio Medrado (01), Brejões (01), Irajuba (01), Laje (01), Ubaíra (01).

Outros 09 municípios não possuem registro de casos nesta terça-feira: Itaquara, Milagres, Santa Inês, Itiruçu, Lafaiete Coutinho, Nova Itarana, Planaltino, Lajedo do Tabocal, Jiquiriçá.

Bahia registra 444 novos casos de Covid-19 e mais 27 óbitos pela doença, diz boletim

/ Bahia

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 444 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,04%) e 493 recuperados (+0,04%). O boletim epidemiológico desta terça-feira (14) também registra 27 óbitos. Apesar de as mortes terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro foram realizados hoje. Dos 1.226.941 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.198.240 já são considerados recuperados, 2.024 encontram-se ativos e 26.677 tiveram óbito confirmado. Os dados ainda podem sofrer alterações devido a instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.519.442 casos descartados e 232.698 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta terça-feira. Na Bahia, 51.940 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação
Com 9.375.252 vacinados contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose ou dose única, a Bahia já vacinou 84,5% da população adulta (18 anos ou mais), estimada em 11.087.169. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) realiza o contato diário com as equipes de cada município a fim de aferir o quantitativo de doses aplicadas e disponibiliza as informações detalhadas.

Jequié: Grupo Pedal Amigos do Dija é homenageado pela Câmara por iniciativa do vereador Colorido

/ Jequié

Grupo Pedal Amigos do Dija é homenageado. Foto: Emanuel Jr.

A importância do Grupo Pedal Amigos do Dija, um dos primeiros grupos ciclísticos de Jequié, foi alvo de homenagens da Câmara Municipal de Jequié que aprovou Moção de Aplausos de autoria do vereador Colorido. O reconhecimento foi feito nesta terça-feira, 14 de setembro, dada em que o Grupo celebra seus 7 anos de existência.

Criado em 14 de setembro de 2014, o Grupo Pedal Amigos do Dija, teve origem na AABB de Jequié e nasceu com o objetivo de reunir ciclistas, propondo atividades e treinos como: aquático, ciclismo, corrida, funcional, triathlon, aquathon, duathon, taf em carreiras policiais e salva-vidas.

”Tudo começou quando os ciclistas e amigos Djalma, Sinval, Ademir Peixoto, Capitão Sub Ivan, Moreira, Figueiredo, Murilo e Tássio Stélio se organizaram e criaram o grupo com o objetivo de treinar em alguns seguimentos”, observa Colorido.

Segundo o vereador, com passar do tempo, o grupo foi crescendo, ganhando novas proporções e ampliando o número de integrantes.

”Já são 7 anos de estrada e treino, e devido ao momento de pandemia em que as pessoas precisam fazer atividade física, o grupo Pedal Amigos do Dija resolveu ampliar para ajudar mais pessoas, o qual se totaliza em mais de 200 (duzentos) membros”, informa Colorido.

Vereador Colorido enfatiza, que das suas atividades rotineiras de treinos, o Grupo Pedal Amigos do Dija costuma realizar várias ações beneficentes no intuito de ajudar aos que mais precisam, porém seus idealizadores não gostam de publicitar tais iniciativas.

Rodrigo Pacheco devolve a Bolsonaro MP das fake news editada na véspera do 7 de Setembro

/ Brasília

Presidente do Senado, Pacheco. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Mesmo após a divulgação da nota que marcou o recuo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) das ameaças golpistas no 7 de Setembro, o presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu nesta terça-feira (14) devolver ao governo a medida provisória que limita a remoção de conteúdo publicado nas redes sociais. O anúncio deve ser feito durante a sessão.

Inicialmente, Pacheco havia indicado que decidiria na semana passada, mas resolveu adiar seu veredicto. Ele teria pedido uma segunda análise mais robusta da Advocacia do Senado, para evitar questionamentos.

Além disso, a nota divulgada por Bolsonaro teve um impacto importante. Aliados avaliavam que seria o momento de aguardar a devolução, por se tratar de um momento em que o presidente dava um sinal de diminuição da tensão entre os poderes.

Um interlocutor do senador chegou a sugerir que ele aguardasse uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), após a manifestação o procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestar pela suspenção da medida provisória.

Pacheco, no entanto, teria avaliado que a manifestação do PGR fortalecia a tendência de que o texto deveria ser devolvido, praticamente eliminando qualquer possibilidade de o gesto ser visto como político e contra o Planalto.

Com essa decisão, Bolsonaro sofre mais uma derrota no Congresso. No fim de agosto, Pacheco rejeitou o pedido de impeachment formalizado pelo presidente contra o ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Assinada por Bolsonaro na véspera dos atos de raiz golpista que ocorreram em 7 de setembro, a MP alterava o Marco Civil da Internet para impedir que as redes sociais decidam sobre a exclusão de contas ou perfis apenas com base nas próprias políticas de uso.

O texto foi publicado em uma edição extra do Diário Oficial da União e criticado por parlamentares e por organizações da sociedade civil.

Nesta segunda (13), o procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao STF a suspensão da MP ao se manifestar em uma ação de partidos políticos que contesta a medida provisória.

”A alteração legal repentina do Marco Civil da Internet”, disse Aras, ”com prazo exíguo para adaptação, e previsão de imediata responsabilização pelo descumprimento de seus termos geram insegurança jurídica para as empresas e provedores envolvidos, mormente em matéria com tanta evidência para o convívio social nos dias atuais”.

Aras defendeu que fossem mantidas as disposições que possibilitam a moderação dos provedores do modo como estabelecido na Lei do Marco Civil da Internet, enquanto não fossem debatidas pelo Legislativo as inovações promovidas pela MP de Bolsonaro.

O chefe do Ministério Público destacou que o marco civil, alvo de alterações implementadas pela medida provisória, é dotado de mecanismos direcionados a evitar atuação abusiva de provedores.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) também defendeu a devolução da MP. A entidade enviou um parecer jurídico ao Senado e ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no STF.

A ordem afirma que a medida criava obstáculos à retirada de postagens com notícias falsas e discurso de ódio nas redes sociais e as contas ligadas a esses conteúdos. Além disso, o pedido de inconstitucionalidade afirmava que a MP violava as liberdades de expressão e informação e a livre iniciativa e a livre concorrência.

Desde o início do ano, o governo discute formas de engessar a atuação de empresas como YouTube, Twitter, Facebook e Instagram. Em maio, uma minuta de decreto, tido como ilegal e inconstitucional por advogados consultados pela reportagem, chegou a ser debatido pelo Ministério das Comunicações. A leitura do governo era que o texto deveria ser feito por instrumento legal mais rígido, como a MP.

A Secretaria de Cultura, comandada pelo ator Mario Frias, membro da chamada ala ideológica do governo, encabeçou a elaboração da medida publicada na semana passada.

O texto previa, entre outros pontos, a exigência de ”justa causa e de motivação” para excluir conteúdos, além de cancelar ou suspender as funcionalidades das contas ou perfis mantidos nas redes sociais.

“A medida busca estabelecer balizas para que só provedores de redes sociais de amplo alcance, com mais de 10 milhões de usuários no Brasil, possam realizar a moderação do conteúdo de suas redes sociais de modo que não implique em indevido cerceamento dos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos brasileiros”, afirmou o governo em comunicado

A MP era ainda um aceno à base do presidente. Publicações de Bolsonaro e de seus apoiadores foram excluídas das redes sociais durante a pandemia da Covid-19 por desinformar sobre a doença. Em abril deste ano, o Twitter colocou um aviso de publicação “enganosa” em crítica do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, ao isolamento social.

*Renato Machado/Washington Luiz/Folhapress

Vale do Jiquiriçá: Ex-prefeito de São Miguel das Matas é punido pelo Tribunal por autopromoção

O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA) julgou procedente, nesta terça-feira (14),  uma denúncia formulada contra o ex-prefeito de São Miguel das Matas, José Renato Curvelo de Araújo. O gestor teria utilizado recursos públicos na pintura de um prédio privado e repartições públicas com as cores do seu partido político, com finalidade de promoção pessoal e política. Será formulada uma representação ao Ministério Público da Bahia, para que seja apurada a prática de  improbidade administrativa. O gestor também foi multado em R$5 mil.

De acordo com a denúncia, o ex-gestor promoveu a pintura de diversos prédios públicos e também o Hospital São Miguel, que é um hospital particular, com as cores utilizadas em sua campanha eleitoral, agredindo assim o princípio da impessoalidade, bem como da publicidade.

Para o conselheiro Raimundo Moreira, as imagens apresentadas na denúncia comprovam que o gestor estaria, de fato, realizando autopromoção com a pintura de alguns prédios públicos nas cores azul e branca, mesmas cores utilizadas em sua campanha eleitoral. “No caso em testilha, mostrou-se cristalino a incidência de improbidade administrativa, visto que, através de suas condutas o denunciado tentou orquestrar a sua promoção pessoal”, destacou.

O Ministério Público de Contas, através do procurador Danilo Diamantino, se manifestou pela procedência da denúncia, determinando a aplicação de multa ao ex-prefeito, bem como a representação ao Ministério Público Estadual para apurar a possível prática de atos de improbidade administrativa. Cabe recurso da decisão. *Bahia Notícias

Plenário da Assembleia Legislativa da Bahia aprova indicação de Pelegrino para o TCM

/ Bahia

Deputados aprovam indicação de Pelegrino. Foto: Ricardo Figueredo

A Assembleia Legislativas da Bahia (AL-BA) aprovou por 50 votos a 2, em sessão semipresencial na tarde desta terça-feira (14), a indicação do deputado federal licenciado e atual secretário de Desenvolvimento Urbano (Sedur) do estado, Nelson Pelegrino (PT), para a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM-BA). A votação ocorreu de modo secreto.

Durante a sessão, prestes a iniciar os encaminhamentos, o líder da bancada de oposição, Sandro Regis (DEM), apesar de o grupo ter declarado apoio ao indicado previamente, solicitou tempo. A sessão foi suspensa por 10 minutos sob clima de tensão. Em seguida, ao retornar para o plenário, encaminhou pelo voto favorável, reconhecendo a ”competência” do indicado para o cargo.

Estiveram ausente os deputados Soldado Prisco (PSC) e Tom Araújo – este foi submetido a uma cirurgia no último sábado.

Nas últimas semanas, o atual titular da Sedur angariou uma série de apoios de legendas dos blocos de situação e oposição.

A indicação oficial, que ficou sob responsabilidade da Casa, foi assinada pelo presidente Adolfo Menezes (PSD) e divulgada na edição do dia 31 de agosto do Diário Oficial Legislativo. Na última terça (7), Pelegrino passou por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Com informações da Bahia Notícias

Ampliação do setor de engenharia da UPB vai dobrar número de projetos entregues aos municípios

/ Bahia

Zé Cocá diz que quer deixar UPB mais técnica. Foto: Divulgação

A preparação cuidadosa de projetos para construção de equipamentos urbanos e a emissão de laudos técnicos de projetos de engenharia para os municípios torna-se agora mais rápida e eficiente. Isso porque a União dos Municípios da Bahia (UPB) reformou e ampliou seu setor de engenharia e arquitetura, obra realizada com recursos próprios no valor de R$ 200 mil. ”Nosso objetivo é deixar a UPB mais técnica e mais ágil para ajudar os municípios”, disse o presidente da instituição, Zé Coca, também prefeito de Jequié, ao presidir o ato de inauguração na tarde desta segunda-feira (13), em evento que contou com a presença do vice-governador, João Leão, prefeitos e prefeitas, e dos deputados federais Cacá Leão e Leur Lomanto Junior, além de representantes da Caixa Econômica Federal, Desenbahia, Sebrae e Fecbahia.

Zé Cocá relatou que quando a nova diretoria da UPB assumiu a gestão da instituição, em março deste ano, sentiu a necessidade, principalmente das pequenas cidades, de uma engenharia mais rápida que atendesse maior número de municípios. ”Então, a nossa intenção foi melhorar e ampliar para ter um setor melhor capacitado, capaz de atender os 417 municípios da Bahia, em uma área ampla, e com maior do quadro de engenheiros e arquitetos”, disse o presidente, revelando que, em paralelo, está sendo desenvolvido um novo site, com área para acesso dos gestores a projetos padrões. ”Vamos revolucionar o setor de engenharia da UPB, e chegar a todos os municípios da Bahia, preferencialmente aos de pequeno porte, que hoje não têm estrutura para pagar pela elaboração de grandes projetos de engenharia”, afirmou o presidente.

Cocá explicou que os projetos desenvolvidos pelo setor de engenharia e arquitetura da UPB, sem custo para os municípios, seguem critérios e diretrizes dos ministérios, superintendências, órgãos estaduais, Caixa Econômica Federal e demais autarquias públicas, aumentando as oportunidades de aprovação e execução dos projetos dos municípios. ”Municípios de pequeno porte às vezes ficam de dois a três anos sem poder receber recursos de emendas parlamentares por falta de projetos. Nosso objetivo é mudar essa realidade, agilizando esse processo para que os prefeitos saiam da UPB sabendo que dia vão receber seus projetos”.

”Precisamos agilizar os processos para liberação das verbas para os municípios e é isso que Zé Cocá tá fazendo, ele está agilizando dentro da UPB uma estrutura para que possa cada vez mais servir melhor aos municípios”, destacou o vice-governador, João Leão.

O setor de engenharia elabora projetos para construção de praças, unidade básica de saúde, pavimentação, escolas, quadras poliesportivas, campos de futebol, pequenas pontes, sistemas de água, dentre outros importantes equipamentos urbanos. Em 2020, a atividade desenvolvida pela UPB nesta área gerou aos municípios baianos economia de R$12 milhões. Agora, com a ampliação, a expectativa é dobrar a capacidade de trabalho do setor, que somente de março a agosto deste ano entregou 620 projetos.

O deputado federal Cacá Leão classificou de “grande sacada” essa iniciativa da UPB, ”que vai atender as necessidades dos municípios, especialmente os pequenos, que enfrentam dificuldades para apresentar projetos e por isso deixam de receber recursos”. Falando no mesmo tom, o deputado federal Leur Lomanto Junior aplaudiu a modernização do setor de engenharia da entidade e destacou a competência técnica da UPB, ”que está colaborando e prestando importantes serviços aos municípios nesse momento de dificuldades”.

Pela primeira vez, Republicanos desautoriza Roma a falar sobre candidatura em nota

/ Política

Presidência do Republicanos se posiciona sobre Roma. Foto: Reprodução

Cansado de ouvir calado as referências à candidatura ao governo do ministro da Cidadania, João Roma, em 2022, o Republicamos, seu partido, resolveu se posicionar hoje pela primeira vez, em nota, em relação à sucessão estadual, deixando claro que nada foi discutido até agora sobre a disputa majoritária na sigla.

No documento, o presidente estadual do Republicanos, o deputado federal e bispo Márcio Marinho, diz que qualquer decisão sobre as eleições majoritárias de 2022 só ocorrerá após a reforma política eleitoral, prevista para ser votada no Congresso no próximo mês de outubro.

A manifestação da agremiação ocorre depois de nota publicada no site Política Livre hoje pela manhã na qual é dito que o grupo do ministro está de braços abertos para receber em sua chapa o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), aliado do ex-prefeito ACM Neto, presidente nacional do Democratas.

Marinho também é considerado uma liderança no Republicanos muito próxima de Neto, motivo porque tem seu nome muitas vezes lembrado, no grupo do ex-prefeito, para compor a chapa do democrata ao governo, principalmente como candidato a senador.

A nota pública também faz referência explícita à publicação do site. Ao aludir ao ex-gestor feirense, Marinho chega a afirmar,  reconhecendo-o “como uma grande liderança política”, que o partido está aberto a apoiá-lo, mas a deputado federal ou estadual e não para uma eventual chapa majoritária.

Leia abaixo, na íntegra, a nota do Republicanos assinada pelo deputado federal e Bispo Márcio Marinho:

Nota

O Republicanos Bahia vem em nota informar que não foi discutido ainda sobre candidaturas majoritárias no partido. O presidente da sigla no estado e deputado federal, Márcio Marinho, afirma que essa decisão só ocorrerá após a reforma política eleitoral, que tem prazo de definição no início de outubro, deste ano.

Em relação a matéria veiculada no site Política Livre, intitulada “Grupo de Roma mantém olho em Zé Ronado para chapa do republicano ao governo”, Marinho classifica o democrata Zé Ronaldo como uma grande liderança política, e que o partido está aberto para apoiá-lo, como deputado estadual ou federal, mas a definição desse cenário será somente após a reunião no próximo mês com as executivas estadual e nacional, a qual será analisada com base na realidade de cada estado.

Política Livre

Retorno do horário de verão ganha apoio de entidades do setor elétrico para enfrentar crise energética

/ Economia

Um documento elaborado por entidades ligadas ao setor elétrico defende o retorno do horário de verão como medida emergencial para enfrentar a crise energética. As associações pregam ainda que, no longo prazo, o governo deve priorizar o incentivo à eficiência energética para reduzir o risco de novas crises.

O horário de verão foi extinto em 2019 pelo presidente Jair Bolsonaro, sob o argumento de que já não garantia grande economia de energia enquanto causava transtornos para trabalhadores, principalmente aqueles que dependem do transporte público ainda de madrugada.

Com o agravamento da crise energética, porém, vem crescendo no últimos meses o apoio ao retorno do programa, que adia em uma hora o fim do dia, garantindo melhor uso de iluminação natural em um horário de grande demanda por eletricidade.

Entidades do turismo, como CNTur e Feturismo, o setor de restaurantes e, depois, os shoppings já se manifestaram a favor. Nesta segunda, o apoio foi reforçado por Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), ICS (Instituto Clima e Sociedade), Iei (International Energy Intiative), Mitsidi Projetos e Hospitais Saudáveis.

”O ganho é pequeno, mas nesse momento precisamos contar megawatt por megawatt”, disse o ex-diretor do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Eduardo Barata, que vem trabalhando com o ICS e o Idec na avaliação da crise e da atuação do governo para enfrentá-la.

O grupo de entidades diz que o horário de verão economizaria entre 2% e 3% do consumo no início da noite, reduzindo a necessidade de acionar térmicas mais caras que hoje pressionam a conta de luz.

Barata lembra que o próprio ONS foi contrário ao fim do horário de verão, mas prevaleceu o argumento de que a economia vinha se reduzindo na medida em que o pico do consumo no verão se deslocou para o meio da tarde, quando uma quantidade maior de aparelhos de ar condicionado estão ligados.

”Um dos argumentos é que economizávamos R$ 400 milhões e passamos a economizar R$ 100 milhões”, disse Barata. ”Mas agora, se a gente economizar R$ 1 milhão está bom.” Ele frisa que a decisão deve ser rápida, já que a implantação do programa demanda ajustes em diversas atividades econômicas.

As entidades divulgaram um documento no qual propõem maior atenção do governo a iniciativas de eficiência energética, como uma medida estrutural para melhorar a segurança do setor elétrico brasileiro. A avaliação é que o Brasil está atrasado em relação a países desenvolvidos no tema.

Para elas, sucessivos governos vêm sendo negligentes com a questão, que só vem à tona em meio a crises de abastecimento. Para a coordenadora do ICS, Kamyla Borges, os programas do tipo deveriam ser unificados sob uma gestão, para garantir maior efetividade.

As entidades pedem ainda uma atualização dos padrões de eficiência em ar condicionado e geladeiras, com campanha para que o consumidor compre equipamentos mais eficientes.

Caso a periodicidade de atualização tivesse sido mantida, diz o ICS, o Brasil estaria economizando cerca de 1.100 MW médios, quase a capacidade da térmica GNA 1, no norte fluminense, cujas operações devem ser antecipadas para ajudar a combater a crise.

A título de comparação, o programa de redução voluntária do consumo por grandes empresas vai economizar 237 MW em setembro, volume total das ofertas aprovadas nesta segunda pelo CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico).

”A eficiência energética deveria ser vista também como política industrial, porque traz produtividade para a indústria e traz competitividade para a economia brasileira”, diz Borges.

Folhapress

Avião cai em mata e 7 pessoas morrem em Piracicaba; sócio da Raízen e família estão entre vítimas

/ Brasil

Incêndio em mata após queda de avião. Foto: Corpo de Bombeiros/SP

Sete pessoas morreram após um avião cair em Piracicaba (SP) na manhã desta terça-feira (14). A aeronave caiu em uma área de mata no bairro Santa Rosa e, com a explosão, um incêndio teve início no local.

Segundo o Corpo de Bombeiros, no avião bimotor modelo King Air B200, ano 2019, prefixo PS-CSM, estavam o sócio da Raízen Celso Silveira Mello Filho, 73 anos, sua esposa Maria Luiza Meneghel, 71 anos, e os 3 filhos do casal: Celso Meneghel Silveira Mello, 46 anos, Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin, 48 anos, e Fernando Meneghel Silveira Mello, 46 anos. Também morreu o piloto Celso Elias Carloni, 39 anos, e o copiloto Giovani Dedini Gulo, 24 anos.

As vítimas foram carbonizadas e morreram no local. O Corpo de Bombeiros já localizou os sete corpos, segundo a prefeitura.

Em nota, a empresa Raízen confirmou a morte do empresário Celso Silveira Mello Filho e família. ”Celso era acionista e irmão do presidente do Conselho de Administração da companhia, Rubens Ometto Silveira Mello.”

Segundo a empresa, também estavam no avião a esposa de Celso, Maria Luiza Meneghel, seus três filhos, Celso, Fernando e Camila, o piloto Celso Elias Carloni e o copiloto Giovani Gulo. As informações são do G1 SP

Mulher é baleada durante assalto em casa de eventos na zona rural do Município de Ubatã

Uma mulher foi baleada em uma casa de eventos zona rural de Ubatã, no Médio Rio de Contas, Sudoeste baiano. Segundo o Ubatã Notícias, o local fica situado na localidade de Barreiros. Na madrugada desta segunda-feira (13), quatro homens armados e encapuzados a bordo de um veículo chegaram no espaço e anunciaram um assalto. Havia poucas pessoas no local.

Aos presentes, os acusados repetiam que queriam levar R$ 20 mil, quantia que estaria em posse de um dos presentes. O grupo chegou a fazer disparos para o alto e também em uma das residências. Ainda segundo o site, não se sabe as circunstâncias em que a mulher foi baleada.

Ela foi levada para um hospital local e em seguida foi transferida para o Hospital de Base, em Itabuna. Não há mais informações sobre o estado de saúde dela. Até a manhã desta terça-feira (14) nenhum dos suspeitos tinha sido localizado.

Racionamento de energia pode zerar crescimento do PIB em 2022, segundo cálculos de economistas da XP

/ Economia

Um racionamento de energia que reduza em 10% o consumo de eletricidade por um ano poderia tirar 1,2 ponto percentual do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro de 2022 e zerar o crescimento do país, segundo cálculos de economistas da XP.

Para o ano que vem, a XP reduziu as previsões de crescimento do PIB de 1,7% para 1,3%, pelos efeitos da política monetária mais apertada e das incertezas crescentes, com o cenário eleitoral se aproximando e uma perspectiva de desaceleração da economia internacional.

Um racionamento forte no ano que vem, portanto, poderia praticamente zerar as expectativas de crescimento e até aumentar os risco de uma recessão em 2022.

Apesar dos demais fatores de risco, a crise hídrica, que levou a uma baixa dos reservatórios das usinas hidrelétricas, é o fator que mais preocupa os economistas agora.

Há um risco de racionamento de até 30%, o que seria a principal ameaça para a atividade doméstica no ano que vem, além de uma desaceleração da economia global que já é vista, dizem os economistas Caio Megale e Rodolfo Silva, da XP.

“Estou mais preocupado com o fornecimento de energia do que com a ruptura do teto de gastos para acomodar eventuais despesas”, diz Megale.

Reportagem recente da Folha apontou que o governo já trabalha com o risco de o país enfrentar um “sufoco” energético também em 2022, o que teria pesado na decisão de contratar usinas térmicas (mais caras) emergenciais para reforçar o sistema.

A avaliação do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) e da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) mostra que o país deve começar 2022 com os reservatórios das hidrelétricas em um estado muito mais grave do que no início deste ano.​

Apesar de o racionamento significar PIB perto de zero no ano que vem, para a inflação em 2022 a redução forçada no consumo de energia ainda teria caráter inflacionário por prejudicar a oferta.

Isso poderia causar um aumento de 0,6 p.p. na inflação, diz Tatiana Nogueira, também da XP, além de impacto nos demais preços.

Em agosto, o IPCA (Índice de Preços ao Consumido Amplo) registrou a maior alta para o mês em 21 anos, de 0,87%, divulgado na semana passada.

Na última semana, os analistas de mercado ouvidos pelo Boletim Focus, do Banco Central, voltaram a elevar as estimativas para a inflação deste ano, em 8%.

*Douglas Gavras/Folhapress

O ”big three” baiano

/ Artigos

Pensadores, como o filósofo Marcos Nobre, não têm dúvida de que o presidente Bolsonaro tentará dar um golpe. Para ele, não é questão de ”se”, mas de ”quando” vai acontecer. O 7 de Setembro, a seu ver, foi apenas a preparação para a tentativa de ruptura institucional. Nobre acredita que a intenção de Bolsonaro é ficar esticando a corda e quando os braços dos defensores da democracia estiverem cansados do cabo de guerra, ele puxará todos para o regime autoritário que pretende instalar no Brasil.

A imprensa nacional brasileira também não tem dúvida do real objetivo de Bolsonaro. No dia em que se comemorou a Independência, os principais veículos rotularam o ato e as declarações do presidente de ”antidemocráticos” e ”golpistas”. A gente pode e deve acreditar na solidez das nossas instituições políticas, mas isso não nos livrará de uma tentativa de golpe. Depois da principal democracia do mundo – os EUA – sofrer um ataque com a invasão dos apoiadores de Trump ao Capitólio, não me parece possível dizer que exista algum país livre de um rompimento democrático.

As principais autoridades no Brasil reagiram bem à postura de Bolsonaro, o que fez ele divulgar uma declaração à nação. Todos nós sabemos que o recuo é temporário. Em breve, quando se sentir fortalecido, ele voltará com a metralhadora giratória contra a democracia brasileira. Entretanto, o que me chamou a atenção no 7 de Setembro foi a reação tímida do que chamo de ”big three” da política baiana contemporânea, trio formado por Rui Costa, Jaques Wagner e ACM Neto.

O governador se limitou a publicar, pela manhã, um tweet em que dizia: ”independência é liberdade, é democracia”. Dois dias depois, disse que as falas de Bolsonaro ”atrapalham” o país. Venhamos e convenhamos, as declarações do presidente não só “atrapalham” o Brasil. É muito mais do que isso. O senador foi mais incisivo do que Rui. Defendeu o impeachment em uma postagem no Twitter, mas só no dia seguinte ao Sete de Setembro. No dia mesmo, afirmou que ”independência é democracia forte, com um governo que respeita as instituições”.

O comportamento dos petistas reforça a percepção de que há um desejo do PT de manter Bolsonaro para facilitar o retorno de Lula ao poder, e do próprio Wagner. Para efeito de comparação, o governador maranhense Flávio Dino fez no dia mais de 10 publicações no Twitter em defesa do país, e acusou o presidente de cometer crime de responsabilidade. Além disso, concedeu entrevistas para a imprensa. No dia seguinte, repetiu a estratégia.

ACM Neto, que já afirmou ser “democrata até a medula” e prometeu “ir para rua para defender a democracia”, também agiu de maneira tímida aos arroubos autoritários de Bolsonaro. Antes do ato, declarou que ”um Brasil independente é um Brasil livre do radicalismo, que valoriza a democracia”. No final da noite daquele 7 de Setembro, o seu partido divulgou uma nota dizendo que repudiava com ”veemência o discurso do senhor presidente da República ao insurgir-se contra as instituições”. Neto parece querer evitar o embate com Bolsonaro para não nacionalizar a eleição na Bahia, e também para não perder o apoio de alguns bolsonaristas, que podem votar nele a fim de impedir a permanência do PT no estado.

O que Rui, Wagner e Neto parecem desconhecer é de que, sem democracia, não há eleições diretas e livres. Portanto, salvar o país de ameaças antidemocráticas deve estar acima de qualquer interesse eleitoral.

E fora do ”big three”, como se posicionaram os políticos da Bahia? O prefeito soteropolitano Bruno Reis fez apenas críticas às aglomerações provocadas pela manifestação. Bruno não mostra ainda ter uma identidade política, e uma hora terá que se escolher se quer ser lembrado apenas como ”sucessor de ACM Neto” ou como um prefeito com um legado relevante e de posições firmes. Já o ministro João Roma decidiu deixar de lado o perfil moderado, e mergulhou de vez no mar do bolsonarismo. Sabe ele que sua sobrevivência política depende do presidente. Só não sabemos ainda de que lado ele estará se, porventura, Bolsonaro deflagrar o golpe.

A democracia não aceita meio-termo. Ou se a defende com unhas e dentes ou a se renega. O que a gente espera é que todos a defendam com coragem.

*Rodrigo Daniel Silva é repórter da Tribuna e escreve artigos quinzenalmente às terças